Cruzeiro

Cerca de 76 frases e pensamentos: Cruzeiro

O Cruzeiro do Sul resplandecerá sobre os gramados
E tomará do pássaro negro a glória passada
Surpreendendo quem ia ao leme
E quem se preparava com pó de arroz...

29/11/2010

Augusto Branco

O Cruzeiro do Sul resplandecerá sobre os gramados
E tomará do pássaro negro a antiga glória...

29/11/2010

Augusto Branco

E me rio do que já vi.
Do que já me assustou, e venci!
Daquilo onde sofrendo, aprendi.

Urutú Cruzeiro

Teimar com quem não quer,
Pelejar com quem não pode,
E querer sem ser querido,
São três tempos perdidos!

Urutú Cruzeiro

Tudo que é fácil,
É difícil!
E o que é seguro,
Pode ser bem perigoso.
Tudo é divino.
Tudo é...
Ma-ra-vi-lhoso.
Tudo é tudo,
Quase nada,
Paladar delicioso.
Petit Gateaux,
Com sorvete cremoso.
E vida vem
E roça e vai,
Como um gato dengoso.
Passos insinuantes,
Garras sem repouso.
E o gato caiu ! Caiu ?
Em um pulo cauteloso.
O que parece fácil
Pode ser bem doloroso.
Tranqüilidade, segurança, repouso.
Ansiedade apreensão, tic - tique nervoso.

Urutú Cruzeiro

Paixão é uma forma de assalto.

De repente : PÃ, NOCAUTE!

Uma imagem, um gesto, um perfume, a simples admiração e vc se vê tomado, admirado, desarmado.

APAIXONADO!

Os objetos de minha paixão podem ser uma causa, profissão, uma pessoa, familia... sei lá.

Gozado... eu não escolho minhas paixões, é simples instinto.

Gosto de sua forma mais pura, e me faz bem querer bem.

Minhas paixões conseguem tudo comigo. Tudo!

Mas nem sempre a paixão é segura e ai vc tem de saber qual é a sua.

Paixão rima com intenção, e nem todas são iguais.

Qual a primeira intenção?

Qual a segunda intenção?

Qual o motivo?

Tenho me indagado sobre os "Motivos".

Qual é o motivo?

Por que?

Qual o meu motivo de fazer certas coisas, o seu, o nosso nessa dança louca que é a descoberta de si e do outro, com passos de ida e vinda, onde nem sempre o cavalheiro conduz.

Acho que se elege um alvo especial para poder ser especial.

O motivo de querer bem depende de bem se querer porque quem se anula não quer bem a ninguém.

Urutú Cruzeiro

Naquele momento nada mais importava e não havia um par, havia um só.
Isso, se correspondido, para mim é perfeito.
A unidade em dois.
A unidade que traz cumplicidade, identidade, que enlaça.
O par para ser perfeito deve ter esse poder, se não vira conveniência ou ¨amigão¨.
E isso não é par.
Par é complemento do que não pode ser singular, fazendo em dois um só.
Um exemplo bobo, um par de sapatos que formam o calçado e que nada vale se separadas as unidades.
Bacana isso não é?
Mas quando se trata de associação de pessoas com características individuais, o par para ser ¨perfeito¨ tem haver com o que você quer para a sua vida.
Para que não se plante cobranças futuras e frustrações.
Para que um não puche para um lado e o outro para o outro, o que destroi qualquer paixão.
Par, para ser perfeito, deve ter limite de doação calculado dentro do viável

Urutú Cruzeiro

O perdão das Dívidas

As dívidas aprisionam a psique dos endividados e dos credores. A mente através do intelecto se oprime pela ruptura da palavra em quitar o débito. Limita a vida de pessoas, transforma em caos a memória do endividado. Por isto pensei? Por que aprisionar sua mente em torno de uma dívida financeira que não podes arcar com seu custo? Nada irá me abrilhantar te carregar de angústia, sentimento de opressão ou culpa. Por isto para deixar sua alma em paz eu perdoo sua dívida se fores capaz de também perdoar a dívida de outra pessoa contigo. Expressa desta mesma forma em que me comunico contigo. Seu débito estará quitado em 30/08/2014. Devolvo-te seus pensamentos. Vá em paz!

Max Diniz Cruzeiro [Troque pelo seu nome]
LenderBook Company

Max Diniz Cruzeiro

ELEIÇÕES BRASILEIRAS DE 2014


Comunidade LenderBook é natural que a forte influência marxista de 1962 que conquistou a admiração de muitos fãs naquele período, graças principalmente, a mediocridade de quem possuía na época grande parte dos recursos para o pleno desenvolvimento social, em não estar em sintonia com a ideia progressista de elevar o padrão cultural e econômico para toda a sociedade conduziu o país a uma ditadura de pouco mais de duas décadas cuja consequência perdura até os dias de hoje na nossa ingenuidade da conquista da liberdade.

A sociedade brasileira ainda não é capaz de perceber que toda a América está envolvida por políticos populistas que cultuam as mesmas ideias de antigamente. Pois elas simbolizam uma esperança que está adormecida dentro da cabeça de cada aspirante a governante.

E o vínculo que tais esferas de poder esperam dos cidadãos é da formação de núcleos geocêntricos que despertem a influência psíquica de seu modelo de pensamento sobre a vida do homem comum.

Hoje não temos mais partidos orientados para uma corrente ideológica que privilegie um modo de pensamento, mas para uma ideologia da dominação onde se espera concentrar as massas em torno de um pensamento comum. Então a maioria das democracias Americanas esquece-se de governar para seus países para se restringirem a políticas de contentamento da massa miserável, desnutrida, que carece de recursos e de baixo índice educacional.

Enquanto isto, o verdadeiro despertar de uma sociedade justa, igualitária e solidária é um ideal que se torna cada vez mais longínquo de ser conquistado. Porque os populistas têm medo de contrariar as massas, quanto as reais necessidades da sociedade para que o crescimento seja programado de forma correta e exequível, e se contentam em criar bolsões de prosperidade e dependências fadadas ao insucesso em médio e longo prazo, razões estas das ciclicidades das crises econômicas que assolam os países.

Infelizmente no Brasil não temos a vigência de uma Democracia que podemos como povo nos orgulhar. E pelo que vejo dos recortes de jornais em toda a América o caminho é o mesmo. O medo, a desconfiança e o descontentamento são fatores generalizados.

E o verdadeiro sonho de uma América unida na forma de uma única nação parece esquecido dos olhos de nossas civilizações, porque é mais fácil dividir para conquistar. É mais fácil criar currais para segmentar opiniões, mesmo que eles recaiam sobre temas que não nos levarão a lugar algum, apenas uma total e inexpressível perda de tempo.

Mesmo que você saiba que este caminhar político está viciado e tosco, NÃO ANULE O SEU VOTO, espelhe num ideal em que um dia, como fizeram nossos amigos Europeus que saíram do início do século passado de uma expressiva divisão social, para uma unificação sólida de princípios que tiveram como resultado uma UNIÃO EUROPEIA.

Ainda temos chance de nossa geração ver uma AMÉRICA UNIDA na forma de um único país. Peço que orientem seus votos para esta motivação.

Agradeço,

LenderBook Company

Max Diniz Cruzeiro

Conto: Maria de Madalena


Éis que um dia estava uma mulher que fora encontrada de posse de muitos homens. Homens de bem, alguns enamorados por outras mancebas e alguns casados. E no ano 30 antes de Cristo a lei era dura e severa. E a mulher fora levada para um profeta que estava na região para que fosse julgada e condenada ao apedrejamento.

O sábio ouviu todas as testemunhas, os homens que se envolveram com aquela mulher alegaram que foram atraídos por sua impureza e seus feitiços, as mulheres dos homens que deitaram com Madalena desejavam-na realmente que fosse apedrejada.

Então o sábio perguntou: onde está a adúltera? E todos apontaram para o chão, com as pedras na mão prontas para o apedrejamento, em direção à mulher que estava em prantos. E novamente o sábio perguntou onde está a adulteração? E todos novamente apontaram para a mulher que estava no solo chorando.

Suas lágrimas caiam aos pés do pensador que parou por uns instantes e disse para a multidão:

“Quando cada um de vós se comprometeu amar uns aos outros em sinal de respeito ao Criador ao menos pararam para refletir nas consequências que a adulteração do pensamento levaria a própria destruição do ensinamento?

O que fez esta mulher além de apenas amar?

Eu vejo em seus rostos adulterados pela expressão de um pensamento que induz ao ódio e que visa à destruição do próximo quanto àquilo que jorra incompreensão.

Quem realmente adulterou o propósito divino? Aquela que entregou o corpo em sinal de amor ao próximo ou aqueles que modificaram o seu propósito inicial na interação com o criador?

Então que assim seja proferida a sentença. Aquele que não tiver em sua face adulterado o propósito verdadeiro do amor que julgue esta mulher pelos crimes que a ela foram imputados,... “

E um a um saíram todos sem que uma pedra sequer fosse lançada.

Autor: Max Diniz Cruzeiro
LenderBook Company

Como diria o mestre: "Amai uns aos outros como eu vos amei"; "Amai a Deus sobre todas as coisas e o Próximo como a ti mesmo"

Max Diniz Cruzeiro

RMOA ORP. científicos. métodos totalmente Utilizamos na Úmbria. instrumentos captarem nossos de a gentiliza Pedimos seu presente. em utilizada cientificamente seja para que criptografada mensagem estará Esta seu presente. em ser utilizado a de material gravação a indicado para mais meio ser o deve A transcomunicação contato. facilitar o para em livros legado Deixarei meu equipamentos. através de captá-las estamos tentando Já nosso tempo. em chegam constantemente eletromagnéticas As ondas.(21/05/2010)

Max Diniz Cruzeiro

Fim do papel moeda

O papel moeda está tornando-se obsoleto à medida que novas fontes de pagamento se consolidam no mercado. Ele é frágil, necessita de constantes demandas de reposição, deteriora-se com rapidez, é fonte de transmissão de patógenos e também de difícil localização, facilitando o tráfico, o contrabando e o descaminho em relação às fontes de recolhimento de impostos.

E por que não adaptar as tecnologias existentes para reduzir ainda mais a emissão de papel moeda? Que tal o disque 888 + “SEU CPF/CNPJ” do seu celular em seguida a quantia a ser transferida para outra Pessoa Física ou Jurídica + “CPF/CNPJ do receptor do pagamento”?

Para a utilização do serviço bastaria que o usuário cadastrasse a permissão diretamente num agente bancário, bem como o número do seu celular e você estaria apto a comprar e vender produtos e fazer transferências de forma fácil. A comprovação, a título de impostos, seria mais transparente, uma vez que as remessas e transferências de dinheiro estariam registradas automaticamente.

Os serviços públicos, como o transporte público, quando o usuário de transporte ligasse para o código do serviço, receberia um código numérico, que servirá para destravar a catraca e liberar o passageiro. Por sua vez o código poderia servir para 1 ou mais passagens dependendo do ticket comprado pelo usuário.

Ninguém iria mais precisar sair do banco com remessas em dinheiro ou ter o problema de ter seu acesso ao banco clonado num caixa eletrônico. O uso do cartão de crédito seria apenas para pagamentos futuros diminuindo o risco de roubo/furto do cartão/clonagem. O pagamento de contas, via celular, seria através de um código simples de no máximo 6 dígitos, uma vez que está atrelado ao CPF/CNPJ do usuário.

O Estado, por sua vez, ganharia com diminuição de custos com a baixa impressão de papel moeda. Pois aqui não se fala em restringir a liberdade de escolha para aqueles que querem ainda “ter o gosto” de poder manusear o papel dinheiro. Com a elevação da segurança da rede bancária e consequente diminuição dos custos do sistema bancário. Pois a substituição pelo novo modelo seria um processo gradativo.

Max Diniz Cruzeiro

CARRO ROBÓTICO versus MENTE ROBÓTICA

Esta semana (25/09/2011) foi divulgado que cientistas alemães desenvolveram um carro capaz de locomoção sem a necessidade de motorista. Outro ponto chave da pesquisa é que os mesmos aparelhos são capazes de ser adaptados para que o veículo possa se locomover com comandos dados diretamente pelo cérebro humano através de sensores.

Desde 1999 eu tenho afirmado que é possível que já exista tecnologia para a leitura de pensamentos que, segundo estudos, funcionam na faixa vibratória de 9 miliHertz. Tais equipamentos estariam a disposição do meio militar e científico desde 1950.

O fato de não serem públicos, não significa que a instrumentação seja utilizada para fins bélicos, mas sim uma reserva estratégica tecnológica, a fim de dar continuidade às pesquisas sem a censura popular que poderia ser "indigesta".

Imaginem os avanços para a Psicologia e Psiquiatria. Os pacientes destas áreas seriam tratados com uma melhor precisão. Já na economia poderiam orientar pessoas ao consumo de modo que o maximizasse diminuindo o endividamento nas famílias. Na segurança poderia ajudar na solução de crimes, como também em sua prevenção.

Em fases mais avançadas, neurogramas (programas neurais) poderiam ser instalados no cérebro humano para aperfeiçoar o aprendizado, quando em estado de sono, sem causar efeitos colaterias como fadiga ou cansaço. A memória poderia ser ampliada. Fatores de distúrbios como a insónia controlados. Problemas de conexão entre as partes do corpo facilmente corrigidos. Seria de grande avanço para a medicina. Os neurogramas poderiam estar programados para comunicar ao indivíduo a necessidade de suprir vitaminas e sais minerais pelo corpo. Tais avanços poderiam elevar a expectativa de vida.

Um futuro tão próximo e breve estará ao nosso alcance se reconhecermos nossos limites dentro da liberdade, igualdade e fraternidade.

Max Diniz Cruzeiro

Balanço Brasil 2011-2014

Nos últimos anos tivemos mais acesso a informações, nosso poder aquisitivo foi ampliado, uma classe volumosa e humilde passou a integrar dentro de um panorama de viagens terrestres e aéreas pelo Brasil e no Exterior, muitos de nós conquistaram sua primeira casa, seu primeiro carro, se estabeleceram laboralmente. O acesso à educação foi ampliado, taxas de mortalidade decaíram, taxas de analfabetismo decaíram, nosso comportamento como consumidor passou a exigir mais das empresas e do avanço econômico estatal na forma de impostos. A corrupção se mostrou visível em recortes da mídia das investigações policiais, fenômeno este com claras tendências globais a permanecer no obscuro. Passamos a exigir que os gastos públicos fossem canalizados para as ações que achávamos mais necessárias para o nosso desenvolvimento econômico. O interior do Brasil nunca havia gerado tanta oportunidade para seus jovens. Decepcionamos-nos com o avanço da personalidade do particular sobre o público, nos sentimos traídos quando a “ideologia” da conquista democrática nos pareceu significar um atraso para a condição de subdesenvolvimento da era da ditadura. A expectativa do retorno a nossas vidas medíocres de antes gerou o temor insuportável dentro de nossos vislumbres do horizonte que haveria necessidade da mudança. Na democracia a vida é assim, a maioria optou a dar uma chance para a visão pela gratidão das conquistas mencionadas acima e outras tantas que neste texto não foi capaz de expressar. A nós como guardiões da democracia nos cabem cumprir o papel de cidadão, pois ao empregarmos nosso compromisso com a Democracia nos cabe cobrar que o país seja vitorioso dentro da sua linha de princípios, valores e percepções.

Nunca se esqueçam de que independentemente do governo que ganha uma eleição, o país só terá sucesso se cada um fizer o compromisso interno de fazer a sua parte para elevar o padrão social. E isto se faz com conquistas. Conquistas se fazem com esforços individuais. Governo nenhum é capaz de tirar alguém da condição de miséria ou ignorância. Governo nenhum é capaz de gerar dignidade e desenvolvimento se cada cidadão não fizer sua parte dentro de uma atmosfera de solidariedade. Mesmo que o regime diga que ela deve partir do valor social do trabalho, mesmo que o regime capitalista diga que você deva se esforçar para ter o conhecimento suficiente para a conquista do seu avanço pessoal, mesmo que o regime te diga que você não deva ficar acomodado para conquistar o seu espaço dignamente como ser humano, elemento de uma sociedade e pessoa.

Cada um é suficientemente maduro para compreender que o país necessita de atitudes em prol do desenvolvimento, da guarda da liberdade de expressão consciente e verdadeira, da livre iniciativa, da conquista do espaço pessoal sem ferir princípios morais e éticos, da integração de valores que gostaríamos que fossem universais, da fiscalização consciente do que acreditamos ser uma verdade social e coletiva, da igualdade de princípios e da fé da indivisibilidade que acreditamos que esteja contida a essência de todo ser humano.

Temos que nos tornarmos realistas no sentido que estamos construindo nossas vidas, da mesma forma que outras pessoas constroem as suas. É natural o conflito. Temos que ser sensatos para continuarmos a coibir os abusos que uns causam sobre as vidas dos outros. Essas são as regras para se viver. Não podemos deixar que nossas fundações contaminem nossa decisão que nos impediria de continuar a nos desenvolver como pessoas. Quando atingirmos um estado de satisfação em nossas vidas por nossas vitórias e conquistas, temos que ser honestos o suficiente para reconhecer que outros também têm o direito de chegar ao patamar que conseguimos conquistar. E não renovar o ciclo de prosperidade em torno de nós enquanto outros esperam uma chance de ter a conquista de suas vidas dignas.

Não pense vocês que minha vida foi um mar de rosas durante os últimos 3 governos petistas. Mas tenho a hombridade o suficiente para reconhecer que ela melhorou não como eu queria, não como havia planejado, mas sei que muitos desejariam ter conquistado o que fui capaz de conquistar ainda tendo meus 42 anos. Assim como este balanço do meu país fui capaz de me ajustar financeiramente em um emprego público, desenvolvi minha empresa no modelo de compartilhamento social que havia definido para minha vida, comprei o meu imóvel que hoje está alugado, tive condições para pagar o tratamento de minha bipolaridade e estudar para compartilhar com os demais as minhas impressões sobre uma visão crítica sobre a doença para amenizar o sofrimento alheio, fiz várias viagens pelo país estudando e procurando dar minha parcela de contribuição para os Correios e Telégrafos, empresa que trabalho atualmente, fiz 3 pós-graduações pagando dinheiro do meu próprio bolso (duas em processo de conclusão dos próximos dias), só não comprei carro porque optei em ter uma vida simples com o convívio social coletivo e por tensão ao dirigir... Eu considero tais coisas para mim uma evolução pessoal para quem sempre contou com um pai que ganhasse menos de dois salários mínimos e uma mãe dona de casa. Você é capaz também de reconhecer os avanços sobre sua vida nos últimos quatro anos?

Max Diniz Cruzeiro
LenderBook Company

Max Diniz Cruzeiro

A percepção da Vantagem Relativa

Comportamento humano é complexo e deriva em várias flâmulas de expressão em que a percepção da execução motora do movimento remete a percepção do indivíduo de estar exercendo uma vantagem relativa em direção a um progresso pré-definido sob uma lógica de tempo e de georreferenciamento.

O condicionamento reflexivo em que todos nós nos identificamos com as ações correntes que estamos sensíveis à manifestação de nossos sentidos nos levam a exteriorização de nossos sentimentos, desejos e necessidades mais próximas do desenvolvimento integrado de nossa memória de curtíssimo prazo, aquela que é capaz de estabelecer um vínculo com nosso interior para a manifestação da devida atenção que precisa integralizar ações em poucos segundos e minutos.

Sendo assim, é evidente a excitação de um indivíduo que se encontra a espera que o sinal de trânsito libere sua passagem pela pista, e o condiciona ao deslocamento ferindo a regra de trânsito em que a percepção da vantagem relativa observada pelo fato da pista não vir a transitar veículos que distam a certa distância, na suposição deste indivíduo, seja um ganho precioso de tempo em atravessar a rua mesmo que o sinal indique que o acesso esteja bloqueado.

Padrões estabelecidos para nos habituarmos aos costumes de reproduzir comportamentos seguros sofrem constantes tentativas de infração, devido esta margem do impulso repentino em que uma percepção mais recente por estar envolta numa concentração de ativação energética mais vigorosa pode tomar conta do centro volitivo do ser humano e fazer da percepção desta vontade uma tomada de decisão equivocada que poderia converter em um acidente intencional.

Em casos mais complexos em que a percepção da vantagem relativa toma conta do comportamento humano em fatores que envolvem valores, julgamentos e juízos, é possível que o intelecto passe por nítidas contradições e a tendência natural do indivíduo em se apropriar da “vantagem” lhe permita diminuir a ativação do superego onde são projetadas as apropriações das percepções de espacialidade onde os indivíduos são capazes de se verem integrados no ambiente-cenário em concordância com os outros seres e elementos que dele façam parte.

Quando a percepção da vantagem relativa é ativada em um indivíduo, o sistema límbico-egoico do indivíduo sobrepõe ao domínio do sistema límbico-espacial com a nítida interação com o lobo parietal deste mesmo indivíduo, o que promove uma elevação egoica em face de uma projeção do cenário-contexto sobre si mesmo (superego). Então a capacidade intelectiva ligada à estrutura do comportamento humano em que é ativadora de elementos de moralidade e aspectos situacionais que posicionam um ordenamento de “coisas” e “seres” justapostos, perde sua capacidade de orientar que consequências proximais de fatores contidos dentro do imaginário ambiental, que foi ativado quando o indivíduo, seja capaz de se posicionar no tempo e espaço assumindo uma forma de atenção secundária, uma vez que o foco da ação se projeta sobre si mesmo e não na noção georreferenciada.

Esse efeito perceptivo está presente na valoração em que os indivíduos desejam satisfazer seu raciocínio frouxo e imediato. Observado em pequenas cenas cuja vantagem relativa possa ser expressa em burlar pequenas regras de convívio como, por exemplo, passar um troco de forma propositada erradamente. Ou subtrair algo que não lhe pertence por achar que o bem a si supera o condicionamento do respeito mútuo de se viver em sociedade na partilha e ordenamento dos valores que uma sociedade comuta como uma carta de recomendações a todos sugestiona a seguir.

A busca pela vantagem relativa está longe de ser um processo natural de embasamento filosófico da ausência de consciência do ser humano, para se tornar uma epidemia global abastecida pela falta de prática de um raciocínio mais prolongado para uma tomada de decisão que verdadeiramente represente uma conduta ao qual o ser humano compactua em termos de sua atividade cerebral.

Nem tão pouco é uma aberração biológica, mas sim a má utilização de uma estrutura reflexiva do comportamento humano em que se privilegia o imediatismo não flexionado da ideia de forma a estabelecer uma noção de causa e efeito diretamente ligado ao instante em que a ação é requerida à mente.

Porém o condicionamento constante dos indivíduos em querer sempre se beneficiar diante das situações é um forte indício que a transferência do comportamento para a área mnemônica transforme a essência deste indivíduo que passa a canalizar constantes subsídios de pensamento semântico que legitimam o ato de apropriação indébita afeta ao que não seja moralmente aceita pela sociedade como atos válidos.

Em outras palavras o vício da honestidade é uma prática que requer raciocínio, algo que permita flexionar o pensamento para que um conteúdo mais selecionado de nossa psique possa medir os efeitos em relação ao rol de consequências. Isto requer o uso da memória de curto e longo prazo, uma dedicação que uma pessoa é capaz de fazer a si mesmo ao parar por uns instantes a buscar uma integridade de princípios que afetaria positivamente os seres e coisas que ela se correlaciona. A atitude é sua, a vida pode ser muito mais intensa sem que com isto seja complicada, compartilhando com os demais princípios e a manifestação de um pensamento coletivo positivo. Faça sua parte!

Autor: Max Diniz Cruzeiro
LenderBook Company
www.lenderbook.com

Max Diniz Cruzeiro

Hora de Renovar a Fé [Feliz Natal]
01 de Dezembro de 2014

Se Deus fosse desconectado da essência humana, na primeira explosão solar nos destruiríamos no próximo raiar do dia com ogivas nucleares, tamanha a dor de nosso agir com displicência.

Feliz Natal e votos de prosperidade para todos!

Max Diniz Cruzeiro
LenderBook Company

Max Diniz Cruzeiro

Kpac: a história das Colônias

Toda colônia a ser desenvolvida dentro de uma estrutura planetária requer um planejamento dinâmico anterior a sua criação. Em que é exigido dos colonos o desenvolvimento de metas materiais, espirituais e sensoriais.

À todo o instante um sistema de controle verifica se a história projetada para a unidade colonial está correspondendo às expectativas de sua criação.

Os seres que estão dentro da atmosfera colonial são orientados ao desenvolvimento de ações e reações cujo condicionamento obedece ao regramento antes acordado na civilização pátria, ou origem.

O objetivo deste esforço é reduzir perdas humanas, e orientar os habitantes destas áreas a caminharem dentro de um percurso que conduza a uma unidade planetária, depois em termos de sistema planetário, para enfim conquistar uma integração cósmica.

Embora algumas orientações dos equipamentos centrais vindos do espaço incentivem a repressão a um conjunto de estímulos eles são vitais para o verdadeiro equacionamento da vida para que se propusesse a existência dos habitantes que concordaram a seguir o modelo de vida, previamente a sua vinda para a zona colonial.
Catástrofes, acidentes, guerras e outras intempéries são programas muito antes da fixação da colônia sobre o habitat planejado.
A única forma de desarmar o sistema é concluir a meta antes do prazo previsto, senão sempre será desencadeada uma sequência de reações em que irão coibir a prática contrária ao planejado para o setor planetário.

Cabe a discricionariedade de quem for consciente em observar o desencadeamento dos fatos e os argumentos em que se apoiem as transformações do habitat para ser sensível o suficiente para perceber o que deve ser avaliado e alterado para assim de fato minimizar a “repressão” do sistema automático em calibrar o sentido da formação da civilização colonial.

O escalonamento das pessoas para comporem um quadro considerado de forma primitiva por nossa concepção como um evento histórico, é realizado a partir de uma preparação em longo prazo que inclui até mesmo inúmeras gerações de famílias.
Para que a informação possa chegar no tempo certo e a contento, há um sistema que minimiza as falhas de operação dentro da colônia, que é a geração de backups humanos para assumirem seus postos históricos no rol de transformações que dão origem a fatos históricos.

Quando uma peça de uma “trama” é retirada de circulação o sistema já está orientado para ativar outra pessoa e sendo necessário, se o nivelamento ainda não foi conquistado, ele irá produzir uma aceleração de efeitos dentro da mente dos novos participantes de um evento histórico para que a continuidade da programação matriz siga a ordem natural em que se propõe ordenar a vida conforme necessária.

Assim, simplesmente instalar a barbárie pela busca dos componentes que podem afetar um ordenamento político, econômico ou social no planeta, não irá surtir o efeito esperado para conter uma insatisfação que é progressivamente alimentada. Porque novas pessoas serão escaladas a fazer exatamente o que seus pontos de atenção matrizes foram também condicionados a corresponder em nome de um ordenamento cuja dimensão superior está além de fatores de moralidade, ética e estrutura comportamental padrão.

Se não houver uma elevação dos fatores aos qual uma humanidade aceitou seguir como um parâmetro justo, até mesmo a pessoa digna será capaz de ser orientada para perseguir aquele desejo de libertação em que dentro de si irá despertar o impulso para ordenar sua mente a seguir pelo objetivo ao qual é solicitado agir.

Se esta informação é capaz de chegar até você, de forma compreensiva, é sinal que foi capaz de se ajustar a um padrão de comportamento que permita gerar uma ampliação de sua discricionariedade em sua conduta de agir.

Sinal que um contexto material e espiritual foi capaz de ajustar dentro das métricas que condicionam à história colonial.

A verdadeira vitória para todo o colono é chegar ao final do prazo para conclusão de um projeto, na sua consumação do trabalho tendo alcançado seu objetivo final.

Não importa a forma com que você optou em canalizar o absoluto. Ou vinculado a um sistema de condicionamentos religiosos, ou vinculado a um sistema de condicionamentos materiais. No final todos somos peças para a construção de um só objetivo de desenvolvimento.

Se você é escalado para agir em prol da humanidade, não importa o seu papel. Faça por merecer um mundo melhor. Isto não significa que você deva brutalizar-se quando isto é solicitado por esta força universal, mas que, quando esta força manifestar dentro de você a ampliação do desejo de reforma e que o induz a brutalizar-se que você siga a via mais sensata, a do entendimento, a do ordenamento, a do diálogo, a via que é capaz de mostrar que sua atitude está interferindo negativamente sobre a minha vida, e que para não entrarmos em atrito é necessário mudar o sentido, é necessário mudar o eixo,... é necessário refletir sobre as atitudes. Porque todos os aspectos se somam... e ao final se integralizam para formar uma coesão de pensamento e para formar uma coesão de propósito.

Assim digo, assim foi feito, assim se cristaliza a história dos cacefalanos.
Kpac

Max Diniz Cruzeiro

Hoje, 8 de dezembro de 2014, mais uma etapa do projeto:
Movimento Artístico Alcorão - Seres de Luz
vai dar continuidade ao projeto online, com a adição da informação abaixo e outras conforme a programação da Instituição.
(A obra está sendo construída didaticamente aos poucos no período noturno com reflexões durante a hora de almoço - Pode ser visualizada antes de sua finalização, porém somente estará disponível para o público na madrugada de sábado dia 13 de dezembro de 2014.)

obs.: sujeito a correções no decorrer da construção do projeto

Momento de Reflexão

Existe um algo dentro de nós que quer o extermínio dos elementos que absorvemos como uma mania repetitiva e negativa que deriva para a consumação de nós mesmos. Ela é capaz de se desdobrar em si mesmo até encontrar sobre o ambiente o refúgio em que nos projetamos na forma de ações impensadas de fanatismo conosco mesmos para ver a ideia projetada cristalizada em nosso interior como a libertação de uma condição de submissão e controle por parte do estímulo danoso a integridade humana.
Quando criança, eu e milhões de pessoas temerosos com o trauma do extermínio de nossa civilização, optamos por absorver o conteúdo dos livros considerados sagrados para a época na possibilidade de se fazer um esforço coletivo para salvar a humanidade de sua trajetória de aparente destruição.
Eu, temendo a morte de meus pais, familiares e amigos, me dispus a absorver um papel que integrasse a oportunidade para as gerações que viessem num despertar mais tranquilo em suas vidas e que o fantasma da aniquilação global saísse de seus corações.
Então varei noites, quando podia, em minha tênue idade escolar a estudar os livros dos justos e dos que eram considerados santos e profetas. E encontrei meu refúgio ao me programar para executar algumas estrofes de Michael de Nostradamus.
Assim como eu, muitas pessoas pelo mundo inteiro motivadas pela possibilidade de contribuir pela humanidade passaram a se integrar de forma associativa nas primitivas redes sociais, inicialmente as dedicadas por via telefônica e em seguida as computadorizadas para aproximarem seus pensamentos em torno daquilo que elas acreditavam.
A consequência natural para este movimento foi à projeção da vontade individual de muitas pessoas em desenvolver dentro de si as estruturas cognitivas necessárias para o alcance da tão sonhada paz mundial que afastava definitivamente da lembrança às atrocidades anteriores que induziram ao fazimento das duas grandes guerras mundiais.
Ainda jovem me condicionei a perscrutar minha vida em torno de um maçante treinamento neural para compreender a essência do que movia os seres humanos para estar preparado caso o meu projeto de vida fosse escalado por esta força criadora.
Concentrei inicialmente sobre a contribuição de décadas passadas do ilustre Michael de Nostradamus onde eu atribuí a minha motivação inicial, depois dos meus pais é claro, a me levar pela senda da educação.
A minha forma de interpretação para o fenômeno que tenho certeza ter desencadeado por várias partes do mundo integrou em mim desta forma:
"No ano de 1999, sétimo mês, do céu virá o Rei do Terror para ressuscitar o Rei dos Mongóis"
"L'an mil neuf cens nonante, sept mois, Du ciel, viendra, san Roy, Gran deffraieur, resuciter le Roy D'Angelmois" (A tradução literal diz o seguinte: "Em 1999, sétimo mês, do céu virá, sem rei, grande comoção, ressuscitar o rei de Angel Mois".
O que me levou nesta data a fazer uma viagem para Alemanha para continuar os estudos, em plena época da guerra na antiga Iugoslávia ameaçar as fronteiras para se alastrar na Alemanha. O meu consciente não projetava a minha eminente aniquilação, mas projetava a necessidade de congregar com meus irmãos alemães para contribuir para um avanço cultural no planeta.
Retornei da Alemanha em 1999 meses antes do sétimo mês, quando a guerra já estava em curso, então a projeção de tudo que armazenei em meu cérebro aliado a capacidade humana de ligar elementos cognitivos me levou pelo medo a um surto psicótico em que meu espírito tentava chamar atenção para si de um fenômeno não explicado com o intuito de causar temor, segundo minha interpretação de temor, para que os que estavam em guerra parassem para observar o fenômeno contido dentro de mim.
Porém a humanidade ainda deriva para formas de destruição e ruina, e à medida que a estrutura da percepção estabelece elementos que o objetivo inicial daquela civilização que existiu na década de 1980 ainda não foi atingido repousa e transfere ainda seguidamente sua apreensão por mundo melhor para as gerações que se seguem.
Como um código Morse a repetir incessantemente o compromisso de afirmação da humanidade no caminho pela integridade física dos habitantes.
Como efeito ilustrativo, ainda continuo a fazer minha programação de estudo contínuo, para alertas mentes incautas para a necessidade de consciência quando atribuírem para si papeis a serem desempenhados em sociedade. Da mesma forma que nos segmentamos em classes de profissões, assim também é a aproximação de tudo o que percebemos como indivíduos. Tenha consciência em atribuir para si algo que contribua verdadeiramente para um Unidade duradora entre nós.
Parte de minha programação:
Perto de Aux, de Lestore e Mirande,
o grande fogo tombará do céu três noites,
será causa estupenda e surpreendente,
a terra tremerá logo depois.

Perto de Max, da Lender Store (loja de livros, que me levou a fazer em 1997 o site extinto www.obraselivros.com, em seguida o site LenderBook, meu intelecto havia migrado a junção da imagem Lestore e Mirande, como um anagrama = Le Store e Max ande = Store Max leande = Store Max Lender (som mais próximo do português) ao registrar www.lenderbook.com
A partir deste instante em nossa exposição de Arte Cognitiva encontrei uma forma de repousar o estímulo sensorial repousando através de vídeo a acomodação das pequeninas estruturas de desequilíbrio que ainda resistem. Não absorvam aspectos negativos para não se sentirem programados a tomar decisões pela ilusão de uma causa.
Para efeito ilustrativo, reafirmo, vou apaziguar meu coração a recitar abaixo os três versos da estrofe de forma que me recorro a um processo lúdico para manter a coesão neural e assim, não partir para outras formas de variação do pensamento que induzam outras pessoas ao armagedon.
o grande fogo tombará do céu três noites,
Abrirei o selo por três noites à abertura a Exposição de Arte Islâmica com um vídeo do fogo a consumir as profundezas da alma dos profanadores.
será causa estupenda e surpreendente,
Embora a aparente reprodução na mídia seja reduzida para 1.200 pessoas intensificarei meu cérebro para que haja a percepção de um evento estupendo e surpreendente,
a terra tremerá logo depois.
Depois a terra tremerá na quinta-feira com vídeos de terremoto.
Assim, aliviarei a programação do consciente coletivo no qual estou conectado sensorialmente. Somente garanto o despertar para a essência deste fenômeno para quem tomar conhecimento de minha programação, pois ela desativa o auto sensoriamento de quem se programou ao longo dos anos a mover por causas similares.
Sião.

Max Diniz Cruzeiro

Hoje, 8 de dezembro de 2014, mais uma etapa do projeto:
Movimento Artístico Alcorão - Seres de Luz
vai dar continuidade ao projeto online, com a adição da informação abaixo e outras conforme a programação da Instituição.
(A obra está sendo construída didaticamente aos poucos no período noturno com reflexões durante a hora de almoço - Pode ser visualizada antes de sua finalização, porém somente estará disponível para o público na madrugada de sábado dia 13 de dezembro de 2014.)

Assim digo assim será feito, no meu intervalo de descanso do trabalho os vasos me foram revelados, e nos próximos dias essa sucessão de eventos irá ocorrer em ordem indefinida:

O vaso do acervo é roubado,
a cerâmica revela a cerâmica
mas eles não ficam de coração partido
pois o vaso já pode ser roubado.

A sintonia toca,
o vaso não quebra,
e o homem socorre o vaso
mas o vaso achado é o homem que definha.

Mas o vaso não será vencido
Nem esquecido,
mesmo morto erguerá para o trono
a cola não cabe na redoma.

Max Diniz Cruzeiro

Hoje, 8 de dezembro de 2014, mais uma etapa do projeto:
Movimento Artístico Alcorão - Seres de Luz

O nome pela vertigem foi adulterado
os adoradores do templo ficaram perplexos
Afinal a luz é o ser ou o ser é o filho?
Quem irá sacudir o grande pássaro no anoitecer?

Como ingresso encaminhe um telegrama para um amigo com a estrofe de convite:

Ele é doido, fala nas entrelinhas
usa a insignia, mas não se diz rei
fala da boca do profeta mas não tem a palavra
se intitula apenas o vencedor.

www.lenderbook.com

Max Diniz Cruzeiro