Cronicas sobre Futebol

Cerca de 131 cronicas sobre Futebol

Carnaval aqui no Brasil é igual ao nosso Futebol nós não inventamos, mas soubemos reinventar. Só quem já viveu nos blocos "Toca Raul" "Orquestra voadora" "Mulheres de Chico" "céu na terra" e os mais de 50 blocos que ocupam o Rio de Janeiro, sabem o que eu estou dizendo. Tem nudez, tem pornografia, mas simpatia é quase amor e o rio nesses 4 dias nunca amou tanto seus convidados.
Tem gente que acha que é que é a festa da carne como assim foi criada, mas eu acho que a festa da alma.
As fantasias, as musicas isso tudo faz nossa alma sambar na cara da alegria, pois é mais que isso é o Brasil no seu concentra mas não sai e eu gosto disso
que pelo menos uns dias do ano sejam mágicos, crus, sejam carne e alma.

Nayara Nascimento

FÁBULA DO FUTEBOL

A bola vai rolar em campo aberto
sem linhas demarcando esta partida
de futebol sem árbitro e torcida,
mas eu, só de bobeira, estou por perto.

E vejo que rolou a bola, certo
da alegre apoteose sem medida
que o gol ensejará em minha vida,
mantendo a vista atenta, fico esperto.

Jogadas de espetáculo circense
empolgam-me no início, estou contente,
com ânimo de time que só vence.

Depois, eu torço feito um penitente,
mas que jogada heroica há que compense
um campo de traçado e gols ausentes?

Marcos Satoru Kawanami

Não confunda time de futebol com partido político.
No Brasil, o cidadão comum costuma confundir uma coisa com a outra. Futebol é esporte e diversão e a torcida faz parte do jogo e sem ela o futebol não existe, pelo menos como diversão. Já Partido Político é coisa séria ou deveria ser. No futebol a torcida não depende da eficiência do time. Esteja mal ou esteja bem, o torcedor está lá para apoiar. Na Política, isso não acontece ou não devia acontecer. Se um partido dá sinais de ineficiência, se seus integrantes são desonestos, se seu programa de governo é inexequível, e qualquer outro sinal de desgoverno, o cidadão deveria descartá-lo. No Brasil, isso não acontece. Os Partidos mudam para melhor ou para pior. Da mesma forma que os times de futebol, os Partidos também mudam os seus integrantes. Se no time de futebol isso não é motivo para deixarmos de ser torcedor, no Partido político um novo integrante é motivo para passarmos apoiá-lo, continuar apoiá-lo e ou rejeitá-lo.

Oswald Wendel in Elementos de Cidadania

Oswald Wendel

EDINILSON

Já que sou poeta
Aprendi cantar
E sou compositor
Só me falta agora
Jogar futebol
E ser um grande ator.

Trago uma canção
Com letra e música
Feito por mim
Pra fazer invejas
Acertas pessoas
Que me acham ruim.

E a mesma música
É sem segunda parte
E não tem refrão
Não é sobre amor
Nem grandes proezas
Da imaginação.

Não fala nos astros
Não tem coisas extras
Nem filosofia
Não marca o tempo
Se é pra tocar
À noite ou ao dia.

Mim chamo Edilson
No titulo da música
Pus Edinilson
Só pra complicar
Na minha mensagem
Vão encher o saco
Só em escutar

Não digo com todos
Mais descobri
Logo que a fiz
Que essa minha musica
Irá ser ouvida
Por certos imbecis...

Edilson Alves

O que é? O que é?
Uma coisa que só no Brasil se faz?
Quem pensou em samba, não é
Nem futebol, nem café…
Responda-me quem for capaz
Agora vou dar uma resposta sagaz
Ora, o que só no Brasil se faz
É claro que são os brasileiros
Pois em nenhum lugar do estrangeiro
Mesmo com muito dinheiro
Um brasileiro se faz
Mas como se faz um brasileiro?
Mais uma pergunta tenaz
Alguém tem alguma receita
Ou uma vaga suspeita de, enfim, como se faz?
Vou tentar dar o meu pitaco:
Cuíca, sanfona, cavaco
Um pouco de balacobaco
Inda assim não se faz
É preciso misturar as cores:
Branco, preto, amarelo
Todo tipo de cabelo
E uma teimosia pertinaz
Mesmo assim um brasileiro
Não é só assim que se faz
Tem que ter algo além
Um pouco de pimenta cai bem
Ou um tempero mais audaz
Um “mexe- mexe” demais
Aí não tem pra ninguém
Boa dose de alegria, bom humor, simpatia
Mas, todavia, porém
Inda assim não se faz
Creio que pra se fazer um brasileiro
O verdadeiro, daqueles que só no Brasil se faz
Nem precisa ser cozinheiro
É só misturar o mundo inteiro
Numa grande receita de paz

Frederico Amitrano

Quando pequeno tinha um sonho,
Jogar futebol ou ser cantor,
Retratar em musica minha favela,
Mostrar o espinho da flor.

Que saudade do tempo em que a preocupação
era só escolher o lápis de colorir,
E não ter hora nem lugar pra se divertir.

E o meu sonho, quem diria, era só acreditar,
Que nada é sonho o suficiente para se realizar.
O encantamento não acabou,
Pois toda noite me perco a sonhar.

Meu sonho de criança,
Sempre foi correr livremente e andar de bicicleta,
E pra sempre sempre brincar da minha brincadeira predilecta,
Como eu amava rodar peão.

Meu principal sonho sempre foi nuncar deixar de ser criança,
Me realizei, cresci e cá estou para provar,
Que todo e qualquer sonho é facil de se realizar.

Sou criança pois não acredito no mundo e em nada,
Tenho um mundo só meu aberto pra visitação,
Onde acontecem aventuras e caçadas,
Suspiros de um coração.

Pode então quem descordar?
Do meu sonho de criança,
Se até hoje levo comigo a fé e a esperança.
O brilho no olhar é o que não falta,
Como uma criança que olha, corre e salta,
Para o colo de alguém afim de brincar,
Pode então quem descordar ?
Do meu sonho de criança.

BrunoCassiano_

Sonhos...

Todos nós temos um sonho...

Eu por exemplo, meu sonho era de ser jogador de futebol...
Mais perdi minha chance, deixei o tempo correr e fiquei parado.
Hoje não sou mais tão novo pra fazer desse sonho uma realidade...
Mais ainda é meu sonho, e apesar de tudo, nunca desisto dele, estou sempre
Pronto e animado...

Quero dizer com isso, que não importa qual seu sonho, não importa quanto tempo
Faz ou como ele é...

O que realmente importa é sua vontade, sua coragem...
Não seja covarde pra desistir daquilo que quer, se você deseja, lute, lute até conseguir!
Tenha fé, tenha animo, tenha esperança...

Se você tiver isso conseguira tudo, a vida é um sonho, vivemos de sonhos...
Sonhos para os covardes, pra gente que não tem medo de lutar, são planos
Nossos planos, porque se desejamos e lutamos para conseguir, não é sonho
são planos...

Para os covardes que só sonham e não lutam, não correm atrás do que quer, vivem só
De ilusões...São os famosos sonhadores da lua...

Não vamos ser assim, um sonhador da lua, temos a capacidade de lutar pelo que queremos, então vamos lutar, e só olhar pra frente...nossos objetivos estão na frente.

E pode ter certeza, seu sonho se realizará, seus planos se cumpriram, seus desejos serão realizados de acordo com sua vontade...

Não tenha medo de lutar, a vida já é um verdadeiro campo de guerra minado, apenas
Se prepare e enfrente sua batalha sem medo do final...

Diogo Oliveira

As rédeas da bola.

O futebol por sua vez se caracteriza como circo no qual o palhaço é a bola, uma música na qual o jogador é o violino sem som, um parque no qual a plateia é o pranto de um menino insano; mas em que tempo?Numa inexpugnável fulgência é a tática que aclara o palco onde a escrita é uma índole crônica de demência. Os velhos gritam, os poetas escrevem, os torcedores rasgam e a bola chora à rede enfrentando à baliza que convence o mais alto grau. O gol é uma esfera impetuosa, é um Vivaldi em fúria, um Rodrigues convicto, o campo de uma luta.
A camisa de um clube é um vasto portento a que saliento como gracejo a que cortejo em vento. O palco nesse momento anda vazio e mortificado pela presença de um cartola que agrupa tua corte de uma natureza insanável. A bola tem mais brilho e mais eloquência, mais teatro de exatidão; e mais que literatura, tem transparência.

Daniel Muzitano

Futebol

Ao apito do juiz
A bola começa a rolar
Ao apoio da torcida
Os atletas só fazem jogar

No gingado dos atacantes
Os zagueiros ficam atrapalhados
Bola para um lado, bola paro o outro
A bola corre por todos os lados

Na jogada rápida e no contra ataque
O time da um show
Tabela até invadir a grande área
Para somente com o gol

O jogador corre e faz a festa
Vai comemorar com a torcida
A magia do futebol é contagiante
E alegra muito mais a nossa vida

Rodolfo Rodrigues dos Santos

E começa a baderna... de novo!

Hoje tem jogo de futebol...'de novo'...
que é sinônimo de bagunça, barulho... muito barulho,
bebedeira, palavrões, acidentes de carro, confusões e brigas.

É dia de prender os cães e gatos.. nossos animais queridos que ficam assustados com todos os fogos de artifício... e com tanta pobreza por ai... eles adoram queimar dinheiro com os fogos!

Mas o que esperar de pessoas que vivem pelo futebol,
que vivem pelo carnaval e televisão?
O que esperar então do País?

Nada contra o esporte, as festas comemorativas e a midia...
Mas venhamos e convenhamos que, com tantos problemas por aí acontecendo, os que estão no poder conseguem tirar a atenção da populção com estas "supostas diversões"....
o famoso 'pão e circo ao povo'.

Queria eu, que toda esta energia física do povo fosse usada a favor do povo... que fosse usada para lutar por melhorias... e olha que o país precisa de muita coisa!

Queria eu, que todo o dinheiro envolvido fosse usado na educação, esporte, saude, segurança, etc, etc e etc!

Queria eu, que a irritação dos torcedores nas ruas,
fossem contra os políticos que nada fazem por nós!

Queria eu, que estes jogadores famosos... ídolos do país.. com a força que tem, fossem em rede nacional lutar pelo povo...
mas lutar de verdade!

Queria eu, que tudo fosse diferente..
que o povo pensasse diferente!

Queria eu...

Mas enquanto isso não acontece...
enquanto nos exploram o povo continua gritando gol!

Rama Pashupati

TIM TEBOW DEFENDE CRITICADO ANÚNCIO PRÓ-VIDA DO CAMPEONATO DE FUTEBOL AMERICANO
MOBILE, Alabama, EUA, 26 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — Tim Tebow, celebridade do futebol universitário, está firmemente defendendo um anúncio pró-vida desenvolvido por Focus on the Family e marcado para transmissão na TV CBS no domingo do campeonato de futebol americano. Embora o anúncio não tenha sido divulgado, os grupos pró-aborto já estão exigindo que seja descartado, pois provavelmente retrata a história de como a mãe de Tebow escolheu vida quando os médicos insistiram em que ela abortasse seu filho que hoje é famoso.
A celebridade do futebol universitário, que acabou sua última estação como zagueiro para o time Florida Gators, tem sido uma exceção entre os atletas de primeira linha. Tebow fala sem rodeios sobre sua fé cristã, suas convicções pró-vida e o fato de que ele quer se preservar para o casamento.
Mas as convicções pró-vida de Tebow brotam de uma fonte extraordinariamente pessoal: em 1987, sua mãe contraiu disenteria amébica enquanto estava grávida dele nas Filipinas, e os médicos recomendaram aborto. Se Pam Tebow tivesse aceitado o conselho, os fãs de Tebow jamais teriam visto o fenômeno do futebol ganhar o Troféu Heisman em 2007 e conduzir o Gators à vitória em dois importantes campeonatos.
Numa coletiva à imprensa no domingo em Mobile, Tebow disse a um grupo de jornalistas: “Sei que alguns não concordarão com o anúncio, mas penso que eles podem pelo menos respeitar que eu defendo o que creio, e jamais tenho medo de defender”.
“Não sinto que estou sendo moralista acerca disso, mas defendo o que creio. Infelizmente na sociedade de hoje não muitos atletas tendem a fazer isso. Só estou defendendo algo”.
Mas a defesa de Tebow dos valores pró-vida está enfurecendo os grupos pró-aborto, que temem o efeito que o anúncio de Focus on the Family poderia ter em milhões de telespectadores do campeonato de futebol em 7 de fevereiro. O testemunho de Tebow é considerado como responsável por ter influenciado muitas mulheres a escolher não abortar seus bebês.
O Centro de Mídia das Mulheres vem coordenando iniciativas com a Organização Nacional das Mulheres e a Maioria Feminista para pressionar a CBS, o canal que está transmitindo o campeonato neste ano, para revogar o anúncio de 30 segundos chamado “Celebrate Family, Celebrate Life” (Celebre a Família, Celebre a Vida).
“Um anúncio que usa o esporte para dividir em vez de unir não tem lugar no maior evento esportivo do ano — um evento cuja intenção é unir os americanos”, Jehmu Greene, presidente do Centro da Mídia das Mulheres, disse a Associated Press.
No ano passado, a Liga Nacional de Futebol e a TV NBC (que estava então transmitindo o campeonato) decidiu vetar um anúncio patrocinado por Fidelis, grupo católico de defesa de direitos civis, que aclamou o sucesso do presidente Obama vencendo as difíceis circunstâncias de sua infância e mostrava a mensagem: “Life: Imagine the Potential” (Vida: Imagine o Potencial).
Contudo, um grupo pró-vida diz que a obsessão dos grupos feministas com o conteúdo ainda não visto do anúncio de Tebow salienta a péssima atitude ideológica quando o assunto é defender os direitos e a dignidade das mulheres.
“Nos três anos e meio em que assessorei Kevin Martin, presidente da Comissão Federal de Comunicações, sobre questões de indecência, não consigo recordar de uma só ocasião em que a Organização Nacional de Mulheres (ONM) tenha se manifestado sobre o conteúdo misógino ou sexualmente explícito da CBS”, Penny Nance, diretora-executiva de Concerned Women for America disse para LifeSiteNews.com. “Em minha opinião, é ridículo que a ONM veja problemas com o testemunho de Tim Tebow. Se a ONM de fato se importasse com as mulheres, a ONM pararia de fazer propaganda da indústria do aborto e começaria a trabalhar em favor das mulheres”.
Focus on the Family repudiou a polêmica sobre o anúncio iminente.
“Não há nada de político e polêmico nisso”, disse Gary Schneeberger, porta-voz de Focus on the Family. “Quando chegar o dia, e você se sentar para assistir ao jogo na TV, aqueles que se opõem ficarão muito surpresos com o conteúdo do anúncio”.
Com o campeonato marcado para começar em duas semanas, a CBS, que já analisou e aprovou o roteiro do anúncio, não deu nenhuma indicação de que vai remover o anúncio de Tebow.

Peter J. Smith - LifeSiteNews.com

Aleatoriamente
no país do futebol
Eu fora da ordem
Em outra posição
Dentro da desordem
No banco de reserva
do progresso da nação

A ordem é organizada
O progresso é prometido
De olhos vendados
nosso verde é vendido
A aleatória ordem é mantida
eles ganhando e nós perdido

A ordem é produção
O progresso é ilusão
Nos deram a escola
Não nos deram educação
Nos deram uma escolha
Não nos deram opção
Eles vivendo em cinco estrelas
Nós sobrevivendo em um porão

matam nossa fome (para nos calar )
Matam nossa sede (Apenas pra sedar )
Oque não precisa (passa a precisar)
Fecham a cortina (para nos roubar )
Eles lutam contra eles
Mas não vão se dedurar
Uma valsa ensaiada por cobras
(onde a sobra vai dançar)

Junior Fortini

Aceito tudo de você,
Tiro de mim só pra te dar prazer
Troco meu jogo por novela
Meu futebol por cem mil rosas amarelas
Perde a cabeça sempre que eu esqueço
O dia e o mês do primeiro beijo
E no banheiro sempre reclama
Do meu jeito de menino que só te ama
Meu sentimento não te engana...

Odeany Moura

Música e futebol sempre andaram de mãos dadas. Buarque, Benjor, Skank, Simonal, O rappa, e vários outros artistas já demonstraram a paixão pelo esporte em suas canções! Sem dúvidas é gratificante para um cantor ouvir a torcida cantar um refrão d sua música; como é para um jogador quando lembrado em uma canção.
A certeza é q dessa união não sairá o divórcio, e que a música sempre estará para o jogador, como a bola estará para o cantor.

"Entre chutes e notas, bola e violão respectivamente"

Franklin Lima (Castro Alves - BA)

A História de uma conquista :Tri Campeonato de Futebol em 1970

Durante os treinamentos
deste time sem igual
até os próprios brasileiros
dele só falavam mal.

Diziam que era fraco,
que não sabia jogar,
que nas quartas de final
ele não iria ficar

Mas com todo otimismo
nosso time foi lutar
e venceu a Tcheco-Eslováquia
com magnífico placar.

Mas ainda sem confiança
neste time varonil,
todo o povo brasileiro
temia pelo Brasil.

Porque com a Inglaterra
o Brasil ia jogar
e era quase certeza,
dele desclassificar.

Os times entraram em campo
e o jogo começou,
a peleja estava quente
e a Inglaterra se queimou.

Deste momento em diante
surge o Brasil como um mito
e todos os jornalistas
o apontam como favorito.


É a confiança que volta
na alegria de nossa gente,
é o nosso time jogando
mandando bola pra frente.


E mais uma partida
foi o Brasil disputar,
jogou com a Romênia
e conseguiu acertar.


A seleção classificou-se
e nas quartas foi jogar .
Foi quatro a dois meus amigos
em um brilhante placar.


BRASIL, BRASIL, MINHA GENTE!
Cuidado com o Uruguai
porque ele está espalhando
que desta o Brasil não sai.

Saiu sim, com a vitória
e agora é a quente:
Vai jogar com a Itália
e jogar bola pra frente.


E o Brasil foi em frente
para a taça disputar
e conseguiu seu intento
fazendo o mundo parar.

Parou pra ver o Brasil
com a taça erguida na mão:
Brasil de Carlos Alberto
Jair ,Pelé e Tostão.

Brasil de Brito e Piazza,
querido país menino!
Meu Brasil de Clodoaldo,
Everaldo e Rivelino.


Brasil de Marco Antonio,
de Félix nossa barreira.
De Gerson, o grande craque
da seleção brasileira.

Enfim Brasil de Zagalo,
o Zagalo eficiente
que preparou nossos homens
pra jogar bola pra frente.


Alegria minha gente,
Jules Rimet veio aqui;
porque o Brasil venceu
e nós ganhamos o TRI.

Antonia Neusa de Oliveira (aneusapoesias)

Estratégia


Indiferente ao jogo escolhido...

Xadrez, futebol, vôlei, peteca ou bolinha de gude...

Sem estratégia...Nunca haverá vencedores...

Jogar sem estratégia, é igual ao caos...

Um amontoado de pessoas correndo sem rumo...

Batendo as cabeças umas nas outras...

Pense nisso...

Vejo tanta desordem...

Causada pela falta de estratégia...

Poeta Urbano - 120412

Sentimento Estranho
Caio Rossan

Que o Futebol é a paixão nacional disso eu não tenho dúvida. Basta lembrar que aquele 7x1 contra a Alemanha provocou uma comoção quase unânime. Comoção ou revolta? Eis a questão. Afinal, aquele 7x1 foi mais dolorido do que a corrupção que assola o país, o fato de estarmos aprisionados em nossa própria residência pelo medo de sair na rua e a crise da água, quem diria, no país com maior quantidade de água doce em seu território.
Não tenho dúvidas também que o que aconteceu com o Neymar provocou uma chacoalhada nos ânimos da brasileirada. Foi um sentimento estranho, não é mesmo? As pessoas colocam um peso tão grande sobre as costas de alguém e um dia essas costas quebram, se partem, desmoronam. Que coisa, foi até literal. E esse sentimento estranho também é de impunidade. Os juízes, aqueles que detêm o poder sobre o jogo, fazem o que querem, agem como bem entendem e enxergam a falta onde não há; em algumas situações até as enxergam, mas se cegam, “passam a mão na cabeça” e distribuem cartões para quem não merece.
Esse sentimento estranho é o reflexo do que acontece com o nosso mundo, em todos os setores onde vivemos, seja no trabalho ou no templo que você frequenta, seja na roda de colegas ou até entre sua família. A impunidade está aí, presente, não apenas latente, mas manifestada e duramente perceptível. Mas a questão é que nós nos acostumamos com a dor e não conseguimos senti-la com o peso devido. O mundo olha para ela e ela desfila, com um “tchauzinho” de miss.
É possível dizer também que essa revolta que vivenciamos na mídia, poderia não ser tão escancaradamente parcial. Esse povo nem sabe disfarçar. Péssimos atores. O pior é que tem gente que ainda acredita naquela atuação fajuta. A mídia se indignou tanto com o 7x1 que seria impossível o brasileiro esquecer que um dia ele existiu. A mesma mídia omissa e manipuladora, que cria sistemas e os destrói, que impulsiona heróis e que adora vê-los cair. Talvez porque a mídia saiba quem nos tornamos.
A debilidade do sistema econômico, a decadência da saúde, a falta de segurança. Fruto do desenvolvimento, da necessidade de criar mão-de-obra para exercer aquele trabalho nada escravo em empresas, em regimes dóceis e intimamente humanos, onde é possível prosperar e ter tempo para a família, para o lazer, até mesmo porque sempre sobrará dinheiro para tal. O fato é que as cidades inflaram e não houve planejamento para o bem-estar das pessoas. O que houve foi uma ilusão, uma ilusão amarga, cujo gosto é pior do que o fel. E com isso, o que nos tornamos? Cada vez menos cooperativos e mais ambiciosos, imediatistas e consumistas.
Adoráveis adoradores ávidos do jeito Lannister de ser (manipulações, egoísmo, arrogância, egocentrismo e sede extrema pelo poder). São pessoas com essas características que vemos ascender. E não adianta dar um de politicamente correto. São elas que queremos ser. É a cabeça das pessoas sendo alterada e ninguém está se dando conta disso. As pessoas não têm mais palavra. Elas olham nos seus olhos e mentem descaradamente. Estamos sob o domínio desses juízes. Onde estão os nossos valores? Esquecidos, como um sentimento estranho 24 horas depois. E aí você vê pessoas indo ás ruas motivados sabe-se lá porquê. Uma coisa é lutar por um governo melhor. Outra é caminhar com extremistas e compactuar com devaneios, como aquela faixa contra Paulo Freire. Aquilo não existiu, né?
A sensação que toma conta dos ares é de que o brasileiro esqueceu quem ele é. Esqueceu dos bons valores. Deixou de lado o senso crítico e a lógica, afinal, a água está acabando por culpa dos governos atuais, certo? E a corrupção, bem, ela não existia antes e quem quer entrar fará diferente, porque se você for um governante, você fará a diferença, certo? Talvez porque a corrupção não está impregnada em suas veias, nos mínimos detalhes diários. E Paulo Freire realmente deve ser esquecido, aquele homem cruel, com as barbas cheias do sangue daqueles que ele perseguiu durante a ditadura. Ditadura essa que precisa voltar, através de um golpe militar, pedido pela população. Essa é a nossa salvação. A última esperança. Talvez tenha sido por isso que o 7x1 doeu tanto. Era a única chance do brasileiro sorrir.

Caio Rossan

“O Brasil só vai deixar de ser um país tão atrasado quando a educação for valorizada. O professor é uma das classes que menos ganha e é a mais importante. O Brasil cria gerações de pessoas ignorantes porque não valoriza a Educação. E seus professores. Não há interesse de que a população brasileira deixe de ser ignorante. Há quem se beneficie disso. As pessoas que comandam o País precisam passar a enxergar isso. A Saúde é importante? Lógico que é. Mas a Educação de um povo é muito mais.”.

Romário. Ex-jogador de futebol. Deputado Federal

Esse povo é estranho. Horas atrás estavam vestidos de verde e amarelo dos pés a cabeça, beijando bandeiras e usando o hino nacional como toque de celular. Bastou essa lavada de gols do time adversário pro amor se transformar em ódio e pra Copa ser uma grande perda de tempo. O 'grande evento' se tornou nada mais que uma indústria de lavagem de dinheiro. Os dias de folga para assistir os jogos se tornaram sinônimo de vagabundagem. E nossos 'heróis' viraram um bando de manés que são muito bem pagos (com salários milionários diga-se de passagem) e por isso tem a obrigação financeira, moral, cívica e psicológica de não nos deixar sofrer. As imagens postadas de otimismo brasileiro rapidamente se converteram em hospitais lotados, enchentes e podridão política.
A Copa ficou chata, nosso futebol virou o pior do universo. 'São Júlio César' virou capeta.

Ah vá.
Povo estranho.

Serei brasileira, torcedora da Seleção, ganhando ou não. Continuarei achando a Copa um grande evento e me sentindo feliz por ver o empenho de tanta gente esforçada pra fazer bonito pro mundo afora. Me diverti demais e nada foi desperdiçado. É um jogo, alguém vai perder. Uma pena que dessa vez fomos nós.

A vida segue.

Tainah Ferreira

DIGA-ME QUANTO GANHAS E TE DIREIS SE PODE ERRAR

Ainda no assunto 'jogo de ontem' (sim, fiquei triste. sim, acho que perder faz parte. e sim, perder de 7 foi o ó). Mas queria deixar aqui apenas um adentro: o povo fala em salários "astronômicos" dos jogadores como se dinheiro comprasse tudo. É assim que você enxerga as coisas? "O cara é MUITO bem pago pra isso e tudo o que faz na vida é treinar, logo: ele tem por OBRIGAÇÃO ser infalível".

Pra começo de conversa eles já são bons, tanto é que foram escolhidos entre milhares para representar o país. Quanto ao valor dos salários não vou entrar nesses méritos, porque o mercado futebolístico foge do meu alcance. Se acho justo um cara ganhar milhões pra jogar uma bola, um ator ganhar milhões pra fazer um filme não vem ao caso agora, como também não acho justo um professor ganhar pouco, e não acho "justo" eu não ter dinheiro pra fazer as viagens que quero porque também não ganho muito, blá blá blá, mas na boa... deixemos esse assunto para uma outra hora (as eleições estão aí, teremos muito 'pano pra manga').

Só que me espanta ver pessoas condenando os caras e usando valor salarial como justificativa para não se aceitar falhas. Para elas será que o dinheiro compra tudo? Não estou dizendo que todos são uns pobres coitados, dignos de pena, mas ninguém notou que o emocional desses caras estava ao pedaços? Se para nós às vezes já é um fardo tentar corresponder expectativas, imagine você ter um país inteiro na sua cola? Sim, eles são treinados pra isso. E sim, eles são HUMANOS também. Ficou claro como se desestruturaram sem o capitão Thiago e sem o Neymar (já que por muito tempo não pensaram no coletivo, mas jogaram o peso de uma copa inteira em cima de um único cara, etc, etc, etc; e você já sabe disso). Dito e feito: tomaram o primeiro gol bobo da Alemanha (que diga-se de passagem é um grande time) e perderam o rumo. Não aguentaram a pressão e pasme você: mesmo sendo milionários!

Você também recebe salário e você também é treinado para cumprir seu papel. E você também erra (às vezes até erros bobos, primários, simplesmente porque acordou mal, brigou com alguém, tá de TPM, etc).

Felizes sao aqueles que conseguem enxergar o ser humano além de uma conta bancária.

Tainah Ferreira