Cronicas sobre Futebol

Cerca de 139 cronicas sobre Futebol

Carnaval aqui no Brasil é igual ao nosso Futebol nós não inventamos, mas soubemos reinventar. Só quem já viveu nos blocos "Toca Raul" "Orquestra voadora" "Mulheres de Chico" "céu na terra" e os mais de 50 blocos que ocupam o Rio de Janeiro, sabem o que eu estou dizendo. Tem nudez, tem pornografia, mas simpatia é quase amor e o rio nesses 4 dias nunca amou tanto seus convidados.
Tem gente que acha que é que é a festa da carne como assim foi criada, mas eu acho que a festa da alma.
As fantasias, as musicas isso tudo faz nossa alma sambar na cara da alegria, pois é mais que isso é o Brasil no seu concentra mas não sai e eu gosto disso
que pelo menos uns dias do ano sejam mágicos, crus, sejam carne e alma.

Nayara Nascimento

FÁBULA DO FUTEBOL

A bola vai rolar em campo aberto
sem linhas demarcando esta partida
de futebol sem árbitro e torcida,
mas eu, só de bobeira, estou por perto.

E vejo que rolou a bola, certo
da alegre apoteose sem medida
que o gol ensejará em minha vida,
mantendo a vista atenta, fico esperto.

Jogadas de espetáculo circense
empolgam-me no início, estou contente,
com ânimo de time que só vence.

Depois, eu torço feito um penitente,
mas que jogada heroica há que compense
um campo de traçado e gols ausentes?

Marcos Satoru Kawanami

Não confunda time de futebol com partido político.
No Brasil, o cidadão comum costuma confundir uma coisa com a outra. Futebol é esporte e diversão e a torcida faz parte do jogo e sem ela o futebol não existe, pelo menos como diversão. Já Partido Político é coisa séria ou deveria ser. No futebol a torcida não depende da eficiência do time. Esteja mal ou esteja bem, o torcedor está lá para apoiar. Na Política, isso não acontece ou não devia acontecer. Se um partido dá sinais de ineficiência, se seus integrantes são desonestos, se seu programa de governo é inexequível, e qualquer outro sinal de desgoverno, o cidadão deveria descartá-lo. No Brasil, isso não acontece. Os Partidos mudam para melhor ou para pior. Da mesma forma que os times de futebol, os Partidos também mudam os seus integrantes. Se no time de futebol isso não é motivo para deixarmos de ser torcedor, no Partido político um novo integrante é motivo para passarmos apoiá-lo, continuar apoiá-lo e ou rejeitá-lo.

Oswald Wendel in Elementos de Cidadania

Oswald Wendel

CARNAVAL É CULTURA!

Você pode ir ao seu futebol e gastar o que quiser como quiser e com quem quiser.
Você pode ir a sua religião, pagar seu dízimo, dar suas oferendas, fazer suas vibrações com quem quiser.
Você pode comprar seu baseado, fumar na janela do condomínio, encher nossos quartos de marola, sempre como quiser

Professor Glauco Marques

Neymar, pequeno como o nosso futebol

Mesmo após o opróbrio no mundial, sim, a seleção brasileira prossegue sem um firmamento shakespeariano, e sobretudo, preso para com jogadas ultrapassadas e um estilo de jogo de todo ineficaz. Porfiamos em depender de um herói. Pois bem, pela primeira vez consigo enxergar possíveis conjuntos capazes de arrepelar o Brasil da próxima copa; Chile, Colômbia, Argentina, Uruguai e Paraguai são equipes que hoje possuem mais maturidade e recursos táticos se comparados ao circo orquestrado pelo Dunga.

Todavia, basta ganhar uns amistosos ou um torneio como a Copa América - o que em tese não significa absolutamente nada - para ignorarmos nossa patética realidade. E isso diz muito sobre o que o somos. Em suma, temos um país comandado por uma ex-terrorista e um time cujo o protagonista está sendo investigado na Espanha. E pouco importa os próximos resultados, não temos um padrão. Deveríamos mesmo é investir na seleção de futebol jogada por sete, afinal, se já temos o Dunga, restam 6 anões. Nosso futebol está tão pequeno quanto o cérebro do Neymar. Para encerrar: "A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose. Os admiradores corrompem", Nelson Rodrigues. É isso.

danielmuzitano

EDINILSON

Já que sou poeta
Aprendi cantar
E sou compositor
Só me falta agora
Jogar futebol
E ser um grande ator.

Trago uma canção
Com letra e música
Feito por mim
Pra fazer invejas
Acertas pessoas
Que me acham ruim.

E a mesma música
É sem segunda parte
E não tem refrão
Não é sobre amor
Nem grandes proezas
Da imaginação.

Não fala nos astros
Não tem coisas extras
Nem filosofia
Não marca o tempo
Se é pra tocar
À noite ou ao dia.

Mim chamo Edilson
No titulo da música
Pus Edinilson
Só pra complicar
Na minha mensagem
Vão encher o saco
Só em escutar

Não digo com todos
Mais descobri
Logo que a fiz
Que essa minha musica
Irá ser ouvida
Por certos imbecis...

Edilson Alves

Eu tenho a minha opinião formada.
Das quais inclui: Política, música, futebol e religião.
Não falo muito sobre elas, também não há muito o que falar.
Se te deixa feliz achar que vai me influenciar. Tudo bem. Pode tentar... Pois as vezes quando a idéia é boa as opiniões mudam. Mas por enquanto elas são minhas, somente minhas.

Renilmar Fernandes

O papelão do futebol carioca

Há decênios e decênios o campeonato carioca vem apresentando edições demasiado pífias. Arbitragem horrenda, nível técnico desastroso, aspecto tático de valor ínfimo, público exíguo: tudo isso contribui para com um esfacelamento futebolístico notável. O Flamengo - que já foi beneficiado algumas vezes pela arbitragem - hoje foi o mártir da vez assim como a equipe do Fluminense diante do Botafogo. A falta de dedicação por parte dos árbitros, e sobretudo, o treinamento diminuto e inadequado fazem do apito o principal protagonista no que tange o espetáculo. Será que é tão íngreme o futebol brasileiro ser repensado?

Analisando o jogo, a partida de hoje foi muito sórdida. A equipe do Vasco da Gama - em inúmeros aspectos - foi claramente beneficiada pelo apito. Eu, e posso garantir, sou o tipo de sujeito que critico quando o meu time vence tendo sido ajudado pelo julgador. Será que algum vascaíno fará isso hoje? Um pênalti absolutamente ridículo, critérios sem uma faculdade coerente, jogo encerrado antes do tempo proposto quanto aos acréscimos, e principalmente, segundo a recomendação que é dada aos juízes, o autor do gol deveria ter sido expulso ao pular na torcida vascaína; algo que particularmente acho um tanto quanto imbecil, mas essa é a regra. Hoje - bem como nos anos anteriores - não foi um clube que perdeu, mas sim o futebol carioca; e mais uma vez. E aos jornalistas que enxergaram a tal penalidade: "Em nosso século, o grande homem pode ser ao mesmo tempo, uma besta", Nelson Rodrigues. É isso.

danielmuzitano

Futebol não é circo, é arte. Pão até gosto do pãozinho francês, mas se fosse brioche a coisa ficaria feia. Gosto mesmo é de croissant, e assim mesmo não é qualquer um que passa pelo meu crivo.
Hoje tremi nas bases pensando no discurso dos chatos de plantão que querem nos tirar um dos poucos prazeres que ainda temos, que é o de poder ter acesso a um espetáculo que é pura arte. Tremi e temi, perder o jogo e ter que engolir mais um governo vermelho. Mas os deuses do olimpo que protegem os jogos desde a antiga Grécia fizeram a justiça que o árbitro não fez. A nação brasileira hoje teve o direito de embriagar-se de felicidade.

Ângela Beatriz Sabbag

Sentimento Estranho
Caio Rossan

Que o Futebol é a paixão nacional disso eu não tenho dúvida. Basta lembrar que aquele 7x1 contra a Alemanha provocou uma comoção quase unânime. Comoção ou revolta? Eis a questão. Afinal, aquele 7x1 foi mais dolorido do que a corrupção que assola o país, o fato de estarmos aprisionados em nossa própria residência pelo medo de sair na rua e a crise da água, quem diria, no país com maior quantidade de água doce em seu território.
Não tenho dúvidas também que o que aconteceu com o Neymar provocou uma chacoalhada nos ânimos da brasileirada. Foi um sentimento estranho, não é mesmo? As pessoas colocam um peso tão grande sobre as costas de alguém e um dia essas costas quebram, se partem, desmoronam. Que coisa, foi até literal. E esse sentimento estranho também é de impunidade. Os juízes, aqueles que detêm o poder sobre o jogo, fazem o que querem, agem como bem entendem e enxergam a falta onde não há; em algumas situações até as enxergam, mas se cegam, “passam a mão na cabeça” e distribuem cartões para quem não merece.
Esse sentimento estranho é o reflexo do que acontece com o nosso mundo, em todos os setores onde vivemos, seja no trabalho ou no templo que você frequenta, seja na roda de colegas ou até entre sua família. A impunidade está aí, presente, não apenas latente, mas manifestada e duramente perceptível. Mas a questão é que nós nos acostumamos com a dor e não conseguimos senti-la com o peso devido. O mundo olha para ela e ela desfila, com um “tchauzinho” de miss.
É possível dizer também que essa revolta que vivenciamos na mídia, poderia não ser tão escancaradamente parcial. Esse povo nem sabe disfarçar. Péssimos atores. O pior é que tem gente que ainda acredita naquela atuação fajuta. A mídia se indignou tanto com o 7x1 que seria impossível o brasileiro esquecer que um dia ele existiu. A mesma mídia omissa e manipuladora, que cria sistemas e os destrói, que impulsiona heróis e que adora vê-los cair. Talvez porque a mídia saiba quem nos tornamos.
A debilidade do sistema econômico, a decadência da saúde, a falta de segurança. Fruto do desenvolvimento, da necessidade de criar mão-de-obra para exercer aquele trabalho nada escravo em empresas, em regimes dóceis e intimamente humanos, onde é possível prosperar e ter tempo para a família, para o lazer, até mesmo porque sempre sobrará dinheiro para tal. O fato é que as cidades inflaram e não houve planejamento para o bem-estar das pessoas. O que houve foi uma ilusão, uma ilusão amarga, cujo gosto é pior do que o fel. E com isso, o que nos tornamos? Cada vez menos cooperativos e mais ambiciosos, imediatistas e consumistas.
Adoráveis adoradores ávidos do jeito Lannister de ser (manipulações, egoísmo, arrogância, egocentrismo e sede extrema pelo poder). São pessoas com essas características que vemos ascender. E não adianta dar um de politicamente correto. São elas que queremos ser. É a cabeça das pessoas sendo alterada e ninguém está se dando conta disso. As pessoas não têm mais palavra. Elas olham nos seus olhos e mentem descaradamente. Estamos sob o domínio desses juízes. Onde estão os nossos valores? Esquecidos, como um sentimento estranho 24 horas depois. E aí você vê pessoas indo ás ruas motivados sabe-se lá porquê. Uma coisa é lutar por um governo melhor. Outra é caminhar com extremistas e compactuar com devaneios, como aquela faixa contra Paulo Freire. Aquilo não existiu, né?
A sensação que toma conta dos ares é de que o brasileiro esqueceu quem ele é. Esqueceu dos bons valores. Deixou de lado o senso crítico e a lógica, afinal, a água está acabando por culpa dos governos atuais, certo? E a corrupção, bem, ela não existia antes e quem quer entrar fará diferente, porque se você for um governante, você fará a diferença, certo? Talvez porque a corrupção não está impregnada em suas veias, nos mínimos detalhes diários. E Paulo Freire realmente deve ser esquecido, aquele homem cruel, com as barbas cheias do sangue daqueles que ele perseguiu durante a ditadura. Ditadura essa que precisa voltar, através de um golpe militar, pedido pela população. Essa é a nossa salvação. A última esperança. Talvez tenha sido por isso que o 7x1 doeu tanto. Era a única chance do brasileiro sorrir.

Caio Rossan

PROFESSOR, eu desejo a você o salário de um deputado e o prestígio de um jogador de futebol!
Autor Desconhecido (Movimento Belém/PA Livre)

Já foi bem próximo disto, vivi esta época... se a população quiser voltará a ser!
No Japão o único profissional que não precisa abaixar-se para reverenciar o Imperador é o PROFESSOR, lá, eles entendem que sem PROFESSOR não haveria Imperador!
Aqui, um mecânico que se aposentou porque não tinha dedo vem a público dizer que se tornou Presidente SEM ESTUDO...
O gigantesco abismo que separa Japão e Brasil está nos ESTÍMULOS, nos EXEMPLOS, nas REFERÊNCIAS, daí, todo pilantra quer ser político e todo menino quer ser jogador de futebol!

FATO: a verdadeira REVOLUÇÃO de um povo começa com EDUCAÇÃO e ESTUDO/ENSINO, que são bem diferentes, uma aprendemos EM CASA com nossos familiares, com as pessoas próximas; a outra, aprendemos a todo momento e em qualquer lugar, inclusive numa ESCOLA!

PROFESSORES SEMPRE SERÃO AMEAÇAS PARA MAUS POLÍTICOS, por isto são DESVALORIZADOS, RELEGADOS AO LIMBO SOCIAL, podemos afirmar que toda sociedade que NÃO VALORIZA O PROFESSOR é CÚMPLICE dos POLÍTICOS MAL INTENCIONADOS que a administra!

É bem verdade que esta INVERSÃO DE VALORES não começou agora, tampouco com este senhor acima citado, perde-se no tempo este descaso com o País, é fruto de uma meticulosa articulação de "valorizar o que não tem valor" enquanto o que realmente vale é surrupiado ante os olhos desatentos da população (tal qual os mágicos procedem ao realizarem suas apresentações, chamando atenção do público para um lado/uma mão enquanto o truque é feito do outro lado/na outra mão), verdadeiros donos do PATRIMÔNIO chamado BRASIL!

Sid Trombini

Qual a real definição de TORTURA?
POLÍTICA não é uma PARTIDA DE FUTEBOL em que FACÇÕES torcem para um time ganhar e outro perder, em POLÍTICA se o jogo não for bem jogado TODOS OS TORCEDORES PERDEM, menos os DIRIGENTES!

DITADURA NUNCA MAIS, mas que tal se o Brasil seguisse o EXEMPLO de NELSON MANDELA?

Somos TODOS BRASILEIROS, não nos deixemos enganar, qualquer violência contra a POPULAÇÃO é sinal que a TORTURA SOMENTE MUDOU SUA CARA!
O verbo é FARTO e INFLAMADO, mas desde o fim da DITADURA MILITAR, NOSSA VIDA EM SOCIEDADE PIOROU, temos hoje mais de 50.000 mortes por ano (durante os 21 ANOS DE CHUMBO NÃO CHEGOU A 2.000), mais que países que vivem guerras civis:
IRAQUE - http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-03-17/guerra-do-iraque-contabiliza-174-mil-mortes-em-dez-anos;

SÍRIA - http://noticias.terra.com.br/mundo/oriente-medio/a-siria-hoje-entenda-a-guerra-civil-que-ja-matou-mais-de-100-mil-pessoas,34c5b259a25e0410VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

SOMÁLIA, período de 1991 até 2014, de 300.000 a 500.000 mortes - http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Civil_da_Somália

É o “sujo falando do mal lavado”, sem VALORIZAÇÃO DOS PROFESSORES, sem INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO não haverá SEGURANÇA, SAÚDE, PAZ e FELICIDADE para o POVO!
Sou brasileiro e QUERO viver num país onde haja DIGNIDADE, HONESTIDADE, RESPEITO, JUSTIÇA e principalmente PAZ!

Sid Trombini

Sobre a Copa do Mundo de Futebol de 2014 realizada no Brasil.

Enquanto não nos conscientizarmos que numa vida EM SOCIEDADE o problema de um é PROBLEMA DE TODOS, não estaremos AINDA vivendo em sociedade!
Nossa alegria deveria ser vermos os 200 milhões de brasileiros servidos de SEGURANÇA, SAÚDE, EDUCAÇÃO, MORADIA, TRANSPORTES... uma NAÇÃO em que continuassem as diferenças sociais, pois que dificilmente serão extintas, mas que o MENOS FAVORECIDO TIVESSE O MÍNIMO PARA VIVER COM DIGNIDADE!!!!!!
Que a ALEGRIA DE TANTA GENTE fosse uma vida ABASTADA DE PAZ neste País tão rico!

Sid Trombini

Futebol e política

O futebol não é nada senão um segmento político. Que as cúpulas da CBF e da Fifa são, digamos, um tanto quanto nauseabundas, sim, todos nós já considerávamos de natureza notória há tempos. A política - seja no período ditatorial ou petista - sempre usufruiu das quatro linhas como um brinquedo bancário cujo o estúpido possui inúmeros rostos; torcedores, organizadas, jogadores e tudo que cerca o que muitos ainda ousam promulgar como futebol. Havelange, Marin, Teixeira, Blatter e fora tantos outros nomes fétidos são os protagonistas.

Iludido é o sujeito que outorga achando que os gramados deram um passo com a prisão de alguns membros das já citadas organizações. Falta muito, contudo poderíamos começar mudando, questionando e estudando o atual cenário político e ideológico. Mas, se 54 milhões de pessoas votaram em uma presidente, que, dentre todas as mazelas, ainda foi a corresponsável por inserir um hoje ex-ministro dos esportes larápio, pois bem, sinal que a nossa tática jamais passará do meio de campo. Em suma: "O brasileiro quando não é canalha na véspera, é canalha no dia seguinte", Nelson Rodrigues. É isso.

danielmuzitano

Quando um cara decide deixar o futebol no domingo pra poder passar mais tempo com você de valor, quando um cara se afasta daquelas amizades bailadeiras, de valor a ele, quando o cara sai na chuva pra compra remédio pra você mesmo sem guarda chuva, de valor a ele, quando um cara deixa cartas e versos românticos como surpresas expressando seu carinho, de valor a ele, quando um cara te mima na sua tpm e sempre te traz doces sem pedir e aguenta seu mal humor, de valor a ele, quando o cara levanta no meio da noite todas as vezes pra levar alguma coisa que traga alivio as suas dores noturnas, de valor a ele,quando um cara derrama lagrimas na sua frente pra saber o quanto se importa, de valor a ele, quando um cara faz das tripas um coração pra te ver sorrir todos os dias,e é gentil, atencioso, carinhoso, amigo, amante e poem as suas necessidades nas frente da dele acredite, de valor, porque isso é amor. E se você não saber da valor a isso, eu tenho pena de você, porque se não esta pronta pra ser amada, então se conforme a passar a vida sozinha, e não sai magoando os outros por ai pelo medo de sua solidão egoísta, porque isso não se encontra em qualquer esquinas por ai, isso é como tirar o bilhete premiado, mais sorte que isso é ter todo esse amor retribuído. Infelizmente sincronia é a armadilha de dois corações que deveria se encontrar no dia, na hora, no momento certo e infelismente aquilo que deveria ser amor recíproco acaba apenas sendo um paixão fogo de palha por um lado e pelo outro um coração partido afogado em lagrimas.
Pior que isso vai ser quando você olhar todo aquele amor que você recusou e rejeito varias e varias vezes, e notar o quão lindo e valioso era aquele sentimento e então perceber que é tarde demais . Pior que se arrepender por algo que fez é se arrepender de algo que realmente não tentou. E enquanto você vive com esse seu orgulho egoísta esperando ele fazer algo pra querer voltar, ele estará lá procurando alguem pra amar, e decidindo todos os dias se te guarda em algum lugar no seu coração ou dentro de uma caixa como lembrança de algo que já se foi. Vivendo no mundo em que você criou.

Erick Fernando

Quando surge o alvinegro imponente
Sou Santos Futebol Clube desde que me conheço por gente. Talvez isso explique meu espírito velho. Ou meu espírito velho explique o Santos, quem sabe? Só fui vê-lo campeão em 2002, aos doze anos de idade. Antes disso, ouvia a chacota e a humilhação dos meus amiguinhos da escola e do bairro com a obstinação dos iluminados, como se algo me dissesse que aquela dor teria um fim. Agora penso: deve ser a mesma obstinação que sente vibrar no peito os palmeirensezinhos de hoje.
É verdade que ganharam uma Copa do Brasil esses tempos, mas caindo meses depois, fica difícil. Não conheço a dor da queda - e nem faço questão - mas imagino algo aterrador, horrível; posto que o futebol é o último suspiro das tragédias gregas.
Foi o que falei ao meu amigo Victor, conhecido pela alcunha de Caboclo, assim que bateu em casa para tomar uma gelada. Mostrei-lhe este início de crônica que rabisquei em poucos minutos de intervalo e ele me disse que eu estava tentando copiar Nelson Rodrigues, ênfase para o 'tentando', que é o que mais dói. Contra-argumentei: - Todos copiam a todos. E segui com a digressão: Vinícius copiava Rimbaud; Drummond, Baudelaire. No começo do século passado todo romancista brasileiro queria ser Machado. Todos copiam. Tudo se é copiado, e desde sempre. Acontece que, antigamente, copiava-se os bons. Hoje se copia qualquer um. O poeta mais copiado da atualidade é o Paulo Leminski, Série C da poesia. Copiam até o comediante Gregório Duviviver, que não bate essa bola nem no varzeano. Se eu copio, concluí, pelo menos copio o melhor.
Assim como o Palmeiras, que ao invés das meias verdes, pôs as meias brancas, como que num pressentimento. Sabiam que o gol do alívio sairia dos pés que calçassem meias brancas. Copiando Paulo Coelho para provar que toda regra tem sua exceção: Maktub. E gol de Thiago Ribeiro. Gol no Parque Antártica. Comemora o mar verde em todos os cantos do Brasil. Nunca a torcida santista foi tão grande. Nunca a torcida palmeirense torceu para um time tão grande. Não restam dívidas, estamos quites, palestrinos.
Lembrei-me de Grafite, aquele centroavante que Dunga levou para a Copa de 2010 e que ficou marcado na formidável história do futebol brasileiro quando seus gols salvaram o Corinthians do rebaixamento no Paulistão de 2004. É verdade que o empate no Barradão também mantinha o Palmeiras na elite. O Gol - que heresia irei dizer - foi um detalhe. O grande lance foi os boleiros do Santos terem entrado para jogar, pois poderiam muito bem terem ido em clima de carnaval e aproveitado para ficar por Salvador mesmo.
Mas não tem jeito. O futebol é o esporte predileto do planeta terra, e de todos os outros planetas e seres que lá vivem. Se não fosse o gol do atacante santista ou a ponta dos dedos do goleiro Aranha, algum sopro divino no momento oportuno salvaria o Verdão. Não era a hora. Não novamente. É certo que o Palmeiras está no calvário de sua história, mas todo grande clube já precisou pagar seus pecados.
Quem sabe não melhora se, ano que vem, além das meias e calções, ponham também a camiseta branca? Não há combinação mais nobre na história do futebol. Mas, por gentileza, não deixem para a última rodada. Apesar de caridoso, às vezes o Santos joga de verde.

Thomaz Henrique Barbosa

FUTEBOL


Uma BOLA num campo GRAMADO
e ONZE homens de cada LADO.
Duas TRAVES com suas REDES presas
e os detalhes que em TINTA branca são DEMARCADOS.
Um JUIZ que fica com o APITO e CARTÃO mais CENTRALIZADO
enquanto dois BANDEIRINHAS correm nas LATERAIS lado a lado.
ATLETAS com DRIBLES desconcertantes e bem ENSAIADOS
se animam com os APLAUSOS de TORCEDORES emocionados.
Com a MARCAÇÃO do GOL que por alguns... É COMEMORADO
e a GALERA adversária que TORCE para que o JOGO seja ao menos EMPATADO.
Apito FINAL e o JUIZ anuncia que o tempo foi ENCERRADO
enquanto a MASSA o ESTÁDIO esvazia à COMEMORAR o RESULTADO
que acabou ficando - Um GOL para cada LADO!

Nivaldo Duarte

Hoje temos visto adolescentes e jovens que entendem mais de futebol do que sobre a Escritura. “Homens” que sabem mais sobre jogos e sobre acessórios de carros do que como tratar uma mulher e conduzir um relacionamento de maneira devida. Vemos então meninos que entendem mais de séries, filmes, automóveis, esportes, redes sociais, tecnologia, música, internet e qualquer outra coisa, do que como ser um homem segundo o coração de Deus.

http://willymenezes.blogspot.com.br/

Willy Menezes

A BOLA

Na terra do futebol
Eu, sertanejo
Já não vejo o arrebol
E esqueço as mágoas
Causadas pela bola - sol
Quantos planos a gente bola
Mas rebola com a desolação
Nem carambola
Brota o azedo nesse meu sertão
A bola
Nos pés de um gabola só embola
Um exímio jogador
É o que faz o torcedor
Clamar gol, gol, gol...

Jonas Terra

Vitinho Morais deseja ser jogador profissional
Ele manda muito bem no futebol
O garoto é humilde e legal
Joga bola até debaixo do sol

Vitinho saiu de sua cidade no interior
Deixou o vale do Jequitinhonha
Peço a Deus que abençoe este sonhador
Vitinho Morais almeja chegar a fama

Vitinho deseja ajudar as pessoas
Inclusive a sua família
O cara é gente boa
Apreciem minhas rimas

O brother Vitinho tem habilidades
Faz sempre embaixadinhas
Tem inúmeras qualidades
Dedico a Vitinho esta poesia

Tenho fé que assistirei o crack na televisão
Dando lindos dribles e fazendo belas jogadas
Jesus Cristo está contigo campeão
Nunca esteve sozinho neste estrada

Quero ver grandes golaços
Balance as redes de verdade
Conquiste seu espaço
Alcance a felicidade.

Sidney Alves das Virgens