Cronicas sobre Futebol

Cerca de 118 cronicas sobre Futebol

Aleatoriamente
no país do futebol
Eu fora da ordem
Em outra posição
Dentro da desordem
No banco de reserva
do progresso da nação

A ordem é organizada
O progresso é prometido
De olhos vendados
nosso verde é vendido
A aleatória ordem é mantida
eles ganhando e nós perdido

A ordem é produção
O progresso é ilusão
Nos deram a escola
Não nos deram educação
Nos deram uma escolha
Não nos deram opção
Eles vivendo em cinco estrelas
Nós sobrevivendo em um porão

matam nossa fome (para nos calar )
Matam nossa sede (Apenas pra sedar )
Oque não precisa (passa a precisar)
Fecham a cortina (para nos roubar )
Eles lutam contra eles
Mas não vão se dedurar
Uma valsa ensaiada por cobras
(onde a sobra vai dançar)

Junior Fortini

O lôbrego futebol brasileiro

O futebol somítico configurado neste país, deixa intuitivo não tão somente a realidade do mesmo, como também o modo cujo são tratadas as pautas. Robinho que estava desprezado em meio à crise do futebol italiano. Aqui, é de todo roborado. Elias, volante importante na campanha do Flamengo, e peça fundamental no esquema do Corinthians. Nada conseguiu senão a reserva no futebol português.

Especificidades táticas já ultrapassadas no continente europeu, sequer tiveram primícia aqui. Me refiro ao camisa 5 fazendo o papel do 10 clássico; modo cujo Zidane e Pirlo passaram a atuar há pelo menos uma década. Podemos fazer menção também aos pontas canhotos que jogam pela direita. Ou pontas destros, pela esquerda; ambos visando o drible para o meio rumando para o gol, seja à base do cruzamento. Seja, finalizando. Não se trata apenas das más gestões adotadas pelas confederações e pelos clubes. O problema também pode ser atribuído a sornice dos treinadores que não buscam aprofundar seu enriquecimento tático.

Adenor Leonardo Bachi, o Tite, talvez seja uma das raríssimas exceções a essa execrável regra da negligência. O mesmo tem feito viagens para conhecer modelos táticos de clubes de ponta na Europa. Algo que convenhamos, deveria ser obrigação de cada treinador. Mas ai afloram os problemas: Calendário, o número de torneios, e etc, etc; dificuldades que de fato existem, entretanto, não podem servir de desculpa. Enquanto quem estiver à frente pensar o futebol como instrumento para acordos e interesses pessoais, a realidade tende assim a se perpetuar. Talvez o maior problema esteja no fato do Brasil ser o país que não comporta a palavra experiência, afinal, já dizia Oscar Wilde: "A experiência é o nome que damos aos nossos erros".

danielmuzitano

Pagina 1, Era meu único desejo.
Nascido para brilhar, nascido para jogar futebol… E mais…

Pagina 2

Quando estou triste e com o coração cheio de amor por alguém distante de mim, sentimento que me sufoca de uma maneira terrível, sinto me mal, vontade de chorar, gritar, de estar em um lugar vazio de presença de pessoas, e qualquer outra coisa, que não seja a natureza, Deus, e ver o tempo passar, em fração de segundos, segundos que muitas vezes passa rápido, outros nem tanto, mas embora passe por cada coisa que me deixa desanimado, creio que existe um ser, um espirito, creio que ele é a curo de todos os meus sentimentos, mesmo que não fale nada, eu confio em te, no espirito santo de Deus, o meu consolador.

Pagina 3

Todos dizem que serei um bom marido, um bom esposo. Mas será mesmo?! Me tento a pensar, penso constantemente, como eu seria com minha esposa, não me vem muitas coisas, sei que todo que fiz por garotas e continuo fazendo foi sempre o melhor, carinho, amor, respeito, atenção, verdade, e tantas outras coisas que tenho em meu caráter, pois o meu jeito de ser é muito bacana, e curto esse jeito. Vivo minha vida com princípios e com eles a toco.

Pagina 4.

… Escrita pelo dedo de Deus

Evandro Novaes

Uma visão caótica sobre o Brasil e a copa do mundo, é que o futebol como uma das maiores formas de alienação, passou a ser de certa forma a cultura brasileira (o carnaval também, mas o futebol se tornou mais universal), pois, se observar o Brasil não possui uma cultura nacional, o que temos são culturas regionais, tomando da seguinte que se o que une um povo é sua cultura, então a única coisa que unem os brasileiros é o futebol, por tanto, assim conseguimos ver a pobreza do país em mais um sentido, sendo que nós nos apegamos em uma alienação que foi adotada como cultura, mostrando o quanto o senso comum brasileiro é tão vago como sua política, cultura e saber. A copa do mundo de forma capitalista e política pode até ser favorável ao Brasil em alguns pontos, mas não há como negar que há existências de outras prioridades na situação do país. Como segurança, saúde e educação.
Como já dizia meu velho pai: Cada povo tem o governo que merece!

Leila Mustafa

Há poucos dias eu disse que era hipocrisia tirar foto comendo banana só porque um jogador de futebol rico e famoso foi vitima de uma banana voadora, mas eu mudei de ideia.

Tem muita gente sendo vitima de racismo todo dia e toda hora, não precisa ser no futebol, tem gente sendo humilhada na rua, tem gente perdendo emprego e oportunidades na vida por causa de racismo e eu não vejo tanta revolta nos formadores de opinião, acho que o problema é que essas vitimas do dia a dia do racismo não são famosas e não vão ajudar ninguém a ganhar "Likes". Pra ser sincero, se eu ganhasse o que estes jogadores ganham jogando futebol, eu nem me importaria se jogassem uma bananeira inteira por cada escanteio que eu fosse bater, eu comeria todas as bananas e a bananeira junto!!

Hoje volto pra dizer que tirar foto comendo banana é uma hipocrisia³ (Elevado ao cubo), afinal, se a regra é ser solidário, eu não vi artistas ou "subcelebridades" fazendo gracinha na internet depois de uma mulher, mãe de família, pobre, ter sido assassinada violentamente por uma ignorância imensurável de um grupo de pessoas que simplesmente acharam que ela parecia com a mulher de um retrato falado divulgado pela PM, eu não vi artistas e nem sub celebridades dizendo: "TODOS NÓS JULGAMOS AS PESSOAS SEM CONHECER" eu vi poucas pessoas revoltadas com tanta animalidade, e pra piorar, a pobre coitada não era a tal mulher procurada pela PM.

Estamos em um país que quer mais saúde, educação, segurança e é legitima a busca por estas melhorias...
Estamos em um país que quer trocar COPA DO MUNDO por INFRA-ESTRUTURA e que bom seria se não fosse em muitos casos mais um discurso hipócrita e oportunista de gente que só sabe repetir igual papagaio o que ouve por ai, é um discurso sem força, que se perde em poucos dias, INFELIZMENTE, como eu queria que isso fosse 365 dias por ano, como eu gostaria que isso realmente fizesse parte de uma ideologia da massa.
Mas afinal, onde esta a coerência? neste mesmo país "os formadores de opinião" se revoltam mais com uma banana jogada na direção de um jogador de futebol a se revoltarem com um um ato que juntou crueldade, violência, maldade, equivoco...

Eu fico imaginando se essa banana tivesse acertado o tal jogador, teríamos muitas pessoas por aqui fazendo discurso contra a violência, afinal, em um jogador da "Seleção Brasileira de Futebol" não se bate nem com uma rosa e muito menos com uma banana.

Em que mundo estamos? todo mundo é macaco mas ninguém é "humano"?

William Carvalho

A culpa não é da copa, e muito menos do futebol.

É muito importante, pelo menos pra mim, salientar e não fingir que sou cego quando as pessoas tentam impor tamanha hipocrisia e descredito para com o futebol e a copa do mundo que se aproxima. Assim, tem que se entender o gostar e o não gostar. Eu gosto de futebol, vou assistir a copa, eu não gosto de futebol, não vou assistir a copa. Qualquer um tem o direito de gostar e não gostar, então é certo e que se respeitar quem não gosta. Porém tense que frisar a loucura por uma derrota do Brasil na primeira fase ou então a torcida por outras seleções. Obviamente a seleção Brasileira não é a melhor, e dificilmente será campeã, mas dizer que vai torcer pela Argentina, ou para Alemanha porque o Brasil tem que se fu** já é hipocrisia, a mesma que usam para dizer que tudo esta comprado e o Brasil já é campeão, a mesma que usam de desculpa pelo fracasso na copa de 1998, e, além disso, acreditam que a bola entra no gol sozinha e que jogadores que já recebem milhões teriam capacidade/"dinheiracidade" de venderem o grau máximo do futebol, que é ser campeão do mundo, por trocados que nem se aproximariam do que cada um deles ganha por ano.
E pior do que tudo isso, é a culpa que o futebol tomou para si, o peso de se dizer que a culpa do país é da copa, do futebol. Que a saúde não melhora por causa do futebol, porque a educação é uma mer** por causa da copa. Culpam a copa, mas não mudam o voto que se segui há 12 anos no maior furto da história desse país.
E o gosto amargo disso tudo está enraizado, as pessoas estão com medo de falar que vão torcer freneticamente para o Brasil, tão com medo de dizer que vão gritar e chorar caso o Brasil perca, tão com medo de amarem o país que amam, de modo que a competição deveria aproximar o povo do país e não afastá-los.
As ruas não estão pintadas, as camisas estão guardadas, e o calendário de quem esta louco que os jogos comecem está guardado dentro do armário. Única e exclusivamente por causa de pessoas hipócritas, e não por medo, mas sim por imposição.

A teoria de que tudo se compra e nada se conquista não vale apenas para copa, vale para vida. Deus não trabalha por você e não estuda por você, não chuta e não agarra para ninguém. O dinheiro não compra amor e não compra respeito, e principalmente, não compra a pátria. Porque me diga um país, um povo que se põem contra seus esportes e suas seleções que sejam países considerados de primeiro mundo. O Brasileiro tem essa "mania", a grama do vizinho é sempre mais verde. E esse texto foi pago ou comprado!

Daniell Brandt- eu mesmo...

não é que eu não gosto de futebol, pelo contrário, sou apaixonado por esta arte, o problema é se importar mais com isso do que com educação, saúde e um país melhor.
Será que o país do futebol pode ser também o da educação ? será que ao invés de se preocupar com "6 estrelas" no futebol não poderíamos ser um país "6 estrelas"?

LUCAS GABRIEL

O bom futebol, uma quarta de Nelson Rodrigues.

As páginas do livro se abriram, as cortinas solitárias estavam por dilacerar. O futebol anteontem foi digno da literatura de Baudelaire, digno das crônicas de Nelson Rodrigues. Armando Nogueira parecia querer ressuscitar para contemplar o desempenho tático do Atlético de Madrid, e analisar, se possível, a raça muito mais que emblemática do tradicional San Lorenzo da Argentina.

O primeiro, comandado por Simeone, visava sua conduta individual em prol da coletiva. Um 4-3-3 que se propagava em 4-5-1. As subidas de dois em dois, e um volante na sobra caso houvesse contra ataque por parte do adversário; foi algo tão monumental, quanto o estádio do River.

Nos 3 x 0 do time do Papa contra o implume das Américas, Botafogo. A palavra emoção teve importância relativa. A equipe Argentina que ao certo não estabelecia nada semelhante a um fulgor tático. Supriu com raça, alma, e com o monstro que foi sua torcida. O jogo ora se resolvia, ora não. O épico Lorenzo dependia do outro jogo do grupo; partida que por sua vez teimava em não concretizar um placar. Mas ao fim, a merecida classificação. Bem como merecida, a do Atlético de Madrid. Foi uma quarta de poesia, de bom futebol, da máxima esportiva. Foi uma quarta de Nelson Rodrigues.

danielmuzitano

Você veja como são as coisas...
Nem preciso dizer como é triste a corrupção do futebol...
Mais de todas as vezes que já houveram confrontos... o Clássico dos Clássicos...o terceiro mais antigo do Brasil...tem a inconstância nos resultados. E não importa quem ganhou mais vezes, se os coisados ou os corados, eu me considero vencedora... porquê se vencermos... e quando perdermos... sempre será nossa competência... ou inocência....
mais nunca... na história do meu clube houve conformismo. Pode não existe RAÇA... mais existe amor... cm toda força por ser o primeiro..o verdadeiro.
Então apaixonada, por que futebol é assim...Quero ver meu Timbú jogar,nem sempre ganhando, ou perdendo, mais sendo eternamente NÁUTICO até depois de morta!!!!

Liliane Bacalhau

A História de uma conquista :Tri Campeonato de Futebol em 1970

Durante os treinamentos
deste time sem igual
até os próprios brasileiros
dele só falavam mal.

Diziam que era fraco,
que não sabia jogar,
que nas quartas de final
ele não iria ficar

Mas com todo otimismo
nosso time foi lutar
e venceu a Tcheco-Eslováquia
com magnífico placar.

Mas ainda sem confiança
neste time varonil,
todo o povo brasileiro
temia pelo Brasil.

Porque com a Inglaterra
o Brasil ia jogar
e era quase certeza,
dele desclassificar.

Os times entraram em campo
e o jogo começou,
a peleja estava quente
e a Inglaterra se queimou.

Deste momento em diante
surge o Brasil como um mito
e todos os jornalistas
o apontam como favorito.


É a confiança que volta
na alegria de nossa gente,
é o nosso time jogando
mandando bola pra frente.


E mais uma partida
foi o Brasil disputar,
jogou com a Romênia
e conseguiu acertar.


A seleção classificou-se
e nas quartas foi jogar .
Foi quatro a dois meus amigos
em um brilhante placar.


BRASIL, BRASIL, MINHA GENTE!
Cuidado com o Uruguai
porque ele está espalhando
que desta o Brasil não sai.

Saiu sim, com a vitória
e agora é a quente:
Vai jogar com a Itália
e jogar bola pra frente.


E o Brasil foi em frente
para a taça disputar
e conseguiu seu intento
fazendo o mundo parar.

Parou pra ver o Brasil
com a taça erguida na mão:
Brasil de Carlos Alberto
Jair ,Pelé e Tostão.

Brasil de Brito e Piazza,
querido país menino!
Meu Brasil de Clodoaldo,
Everaldo e Rivelino.


Brasil de Marco Antonio,
de Félix nossa barreira.
De Gerson, o grande craque
da seleção brasileira.

Enfim Brasil de Zagalo,
o Zagalo eficiente
que preparou nossos homens
pra jogar bola pra frente.


Alegria minha gente,
Jules Rimet veio aqui;
porque o Brasil venceu
e nós ganhamos o TRI.

Antonia Neusa de Oliveira (aneusapoesias)

Uma mão lava a outra e as duas escondem a cara.

País da impunidade, terra do futebol, celeiro do mundo. O melhor dentre os piores.
Em algum momento o lema Ordem e Progresso se perdeu na multidão de corruptos que aproveitam a ignorância do povo e aprovam com maciça votação ex jogadores de futebol, palhaços e bandidos de várias especialidades para legislar e administrar a coisa pública.
Isso todo mundo sabe, todo mundo vê.
Alguns lavam as próprias mãos e outros se escondem em conluio, porque ainda não chegou a vez de pagar com a própria vida ou com seu patrimônio o esse descaso.
O que fazer? É uma minoria que pergunta e não há outra resposta que não cada um fazer a sua parte esperando que se realize a máxima, a que Deus seria brasileiro.

Marinho Guzman

SOU BRASILEIRO SIM...


Sou brasileiro sim...
Gosto de sol, samba, futebol e carnaval.
Mas não sou tão dissimulado, hipócrita e nem cara de páu,
a ponto de desprezar o que os políticos e juizes
estão fazendo com o nosso Brasil.
Se voce está tão feliz para
sair desfilando por aí no carnaval,
calce a cara, esqueça tudo e vá...
Mas antes, complete sua fantasia
com nariz de palhaço.

Marcos Marques

Carnaval aqui no Brasil é igual ao nosso Futebol nós não inventamos, mas soubemos reinventar. Só quem já viveu nos blocos "Toca Raul" "Orquestra voadora" "Mulheres de Chico" "céu na terra" e os mais de 50 blocos que ocupam o Rio de Janeiro, sabem o que eu estou dizendo. Tem nudez, tem pornografia, mas simpatia é quase amor e o rio nesses 4 dias nunca amou tanto seus convidados.
Tem gente que acha que é que é a festa da carne como assim foi criada, mas eu acho que a festa da alma.
As fantasias, as musicas isso tudo faz nossa alma sambar na cara da alegria, pois é mais que isso é o Brasil no seu concentra mas não sai e eu gosto disso
que pelo menos uns dias do ano sejam mágicos, crus, sejam carne e alma.

Nayara Nascimento

FÁBULA DO FUTEBOL

A bola vai rolar em campo aberto
sem linhas demarcando esta partida
de futebol sem árbitro e torcida,
mas eu, só de bobeira, estou por perto.

E vejo que rolou a bola, certo
da alegre apoteose sem medida
que o gol ensejará em minha vida,
mantendo a vista atenta, fico esperto.

Jogadas de espetáculo circense
empolgam-me no início, estou contente,
com ânimo de time que só vence.

Depois, eu torço feito um penitente,
mas que jogada heroica há que compense
um campo de traçado e gols ausentes?

Marcos Satoru Kawanami

Não confunda time de futebol com partido político.
No Brasil, o cidadão comum costuma confundir uma coisa com a outra. Futebol é esporte e diversão e a torcida faz parte do jogo e sem ela o futebol não existe, pelo menos como diversão. Já Partido Político é coisa séria ou deveria ser. No futebol a torcida não depende da eficiência do time. Esteja mal ou esteja bem, o torcedor está lá para apoiar. Na Política, isso não acontece ou não devia acontecer. Se um partido dá sinais de ineficiência, se seus integrantes são desonestos, se seu programa de governo é inexequível, e qualquer outro sinal de desgoverno, o cidadão deveria descartá-lo. No Brasil, isso não acontece. Os Partidos mudam para melhor ou para pior. Da mesma forma que os times de futebol, os Partidos também mudam os seus integrantes. Se no time de futebol isso não é motivo para deixarmos de ser torcedor, no Partido político um novo integrante é motivo para passarmos apoiá-lo, continuar apoiá-lo e ou rejeitá-lo.

Oswald Wendel in Elementos de Cidadania

Oswald Wendel

Mulher de verdade é aquela que não briga de você ir jogar um futebol ou até mesmo ir ao boteco com os amigos tomar uma cervejinha, aquela que está sempre disposta a te acompanhar quando você quer fazer uma viagem de ultima hora, quando você quer sair por aí sem destino.
Mulher de verdade é aquela que sente ciúmes,mas confia no seu taco
Que pros outros homens ela faz questão de mostrar que está ao seu lado, que não precisa brigar com todas as suas amiguinhas, pq ela se garante. Mulher de verdade é aquela que sabe o que conquista e confia em si mesma.
Que te faz carinho antes de dormir, fica junto, assiste filme, faz pipoca, faz brincadeiras de criança e sabe ser mulher madura. Sabe de todos os seus desejos e o que fazer para que você não tenha olhos para outra.

Mulher de verdade acima de tudo é aquela que compreende que ninguém é igual, que ninguém é perfeito, mas que o companheirismo está em primeiro lugar!

Cristiane Rodrigues

Enquanto ficamos aqui preocupados com a novela, e com o campeonato de futebol, carnaval na Sapucaí, etc... O Congresso arquiteta maquiavélicamente seus planos covardes...E aí eu me pergunto, como vão os nossos jovens? E percebo que alguns deles, apenas uns gatos pingados, estão nas ruas, lutando pra melhorar esse país de corruptos, sendo pisoteados, xingados e massacrados. E os outros, onde estão?? Ah os outros fazem parte, dos desempregados, exilados, drogados, alienados...E mais os outros, que estão na mesma panela, coniventes com a corrupção, no tráfico de drogas, e barganhando campanha de políticos corruptos!
E os mais velhos, os ditos homens maduros???
Ah esses somos" Nós"... Que já "desistimos" há muito tempo...Fazemos de conta que não é comigo, pois estou fazendo a minha parte...Dá-lhe hipocrisia!
Enquanto triste, e solitário , vive o idoso, já abandonado há tempos, por tratar-se de um inútil pra sociedade...
Somos parte desse todo sim, já sem sem força, sem coragem, e de muito hipócrita, e alienado. #VAMOSPENSARCOMCONSCIÊNCIA — com Alcione Alípio.

Alcione Alípio

EDINILSON

Já que sou poeta
Aprendi cantar
E sou compositor
Só me falta agora
Jogar futebol
E ser um grande ator.

Trago uma canção
Com letra e música
Feito por mim
Pra fazer invejas
Acertas pessoas
Que me acham ruim.

E a mesma música
É sem segunda parte
E não tem refrão
Não é sobre amor
Nem grandes proezas
Da imaginação.

Não fala nos astros
Não tem coisas extras
Nem filosofia
Não marca o tempo
Se é pra tocar
À noite ou ao dia.

Mim chamo Edilson
No titulo da música
Pus Edinilson
Só pra complicar
Na minha mensagem
Vão encher o saco
Só em escutar

Não digo com todos
Mais descobri
Logo que a fiz
Que essa minha musica
Irá ser ouvida
Por certos imbecis...

Edilson Alves

Assunto complexo

Estava observando algumas pessoas, numa roda de amigos conversando sobre futebol, política e religião e ninguém se entendia. Quando o assunto era futebol todos falavam que o seu time era o melhor, desmoralizando sempre que possível a conquista alheia, esquecendo que a paixão pelas cores é algo muito forte;

Quando o assunto era política, alguns concordavam que o político até poderia roubar, desde que fizesse algo de bom para a classe mais necessitada, “os pobres”, mas a grande maioria concordava que essa classe não merece o menor respeito, infelizmente;

Quando o assunto chegou à religião tudo ficou mais complexo, as pessoas discutiram dizendo que as suas eram sempre melhores do que a dos outros. No final ninguém acabou tendo razão neste assunto tão simples, mas complexo na cabeça humana. A maioria não sabia que a igreja que Deus quer, deve ser santa viva e poderosa e não deve ser coisificada como tudo neste mundo e deve ser entendida pelo plano espiritual e não embasada no comportamento humano:

Quando falamos de igreja santa, não falamos de uma igreja santarrona, mas separada, porque Deus é santo. Daí, entende-se que falamos de uma igreja sem compromisso com o mundo; uma igreja imaculada e sem rugas. Ser santa é ser pura, sem mistura, sem sincretismo religioso, é ter vestes brancas e boas obras, é ser especial e zelosa; purificada com o fogo do Espírito Santo, a menina dos olhos de Deus, onde ninguém pode tocar.

Quando falamos em ser igreja viva, afirmamos ser uma igreja que a morte não pode tocá-la, ela é eterna. Uma igreja que caminha para o alvo que é Jesus e respira o fôlego do Senhor. Uma igreja que não teme passar por lutas e sabe que permanecerá viva em Cristo.

Quando falamos que ela é igreja poderosa, isso tem origem no general de guerra, o próprio Deus. Ela é poderosa por encarar o exército do inimigo, pois sabe que Deus vai à sua frente. Ela é poderosa por não ficar apenas na defensiva e por não temer a morte. Ela prega em tempo e fora de tempo e quando ora as portas das prisões são abertas, porque as suas armas são espirituais. Ela é guiada totalmente pelo Espírito Santo de Deus. Essa é a minha religião.

Djalma CMF

Um bilhão e meio para a reforma de um estádio de futebol nós temos. Um bilhão e meio para ajudar famílias carentes nós nem ao menos lembramos.
Um bilhão e meio para mostrar ao mundo que somos capazes de ser um país que tem um grande porte nós temos. Um bilhão e meio para pagar melhor o salário dos professores que tanto merecem nosso respeito nós simplesmente esquecemos.
Que país é esse onde famílias, educação, segurança são coisas despercebíveis para nossos governantes enquanto a grandiosidade dos grandes eventos, o futebol, os estádios são mais importantes do que o nosso próprio povo?

Pão e circo já chega!

Francisco Hallison Freire