Cronicas sobre Futebol

Cerca de 131 cronicas sobre Futebol

Você veja como são as coisas...
Nem preciso dizer como é triste a corrupção do futebol...
Mais de todas as vezes que já houveram confrontos... o Clássico dos Clássicos...o terceiro mais antigo do Brasil...tem a inconstância nos resultados. E não importa quem ganhou mais vezes, se os coisados ou os corados, eu me considero vencedora... porquê se vencermos... e quando perdermos... sempre será nossa competência... ou inocência....
mais nunca... na história do meu clube houve conformismo. Pode não existe RAÇA... mais existe amor... cm toda força por ser o primeiro..o verdadeiro.
Então apaixonada, por que futebol é assim...Quero ver meu Timbú jogar,nem sempre ganhando, ou perdendo, mais sendo eternamente NÁUTICO até depois de morta!!!!

Liliane Bacalhau

Pagina 1, Era meu único desejo.
Nascido para brilhar, nascido para jogar futebol… E mais…

Pagina 2

Quando estou triste e com o coração cheio de amor por alguém distante de mim, sentimento que me sufoca de uma maneira terrível, sinto me mal, vontade de chorar, gritar, de estar em um lugar vazio de presença de pessoas, e qualquer outra coisa, que não seja a natureza, Deus, e ver o tempo passar, em fração de segundos, segundos que muitas vezes passa rápido, outros nem tanto, mas embora passe por cada coisa que me deixa desanimado, creio que existe um ser, um espirito, creio que ele é a curo de todos os meus sentimentos, mesmo que não fale nada, eu confio em te, no espirito santo de Deus, o meu consolador.

Pagina 3

Todos dizem que serei um bom marido, um bom esposo. Mas será mesmo?! Me tento a pensar, penso constantemente, como eu seria com minha esposa, não me vem muitas coisas, sei que todo que fiz por garotas e continuo fazendo foi sempre o melhor, carinho, amor, respeito, atenção, verdade, e tantas outras coisas que tenho em meu caráter, pois o meu jeito de ser é muito bacana, e curto esse jeito. Vivo minha vida com princípios e com eles a toco.

Pagina 4.

… Escrita pelo dedo de Deus

Evandro Novaes

Uma visão caótica sobre o Brasil e a copa do mundo, é que o futebol como uma das maiores formas de alienação, passou a ser de certa forma a cultura brasileira (o carnaval também, mas o futebol se tornou mais universal), pois, se observar o Brasil não possui uma cultura nacional, o que temos são culturas regionais, tomando da seguinte que se o que une um povo é sua cultura, então a única coisa que unem os brasileiros é o futebol, por tanto, assim conseguimos ver a pobreza do país em mais um sentido, sendo que nós nos apegamos em uma alienação que foi adotada como cultura, mostrando o quanto o senso comum brasileiro é tão vago como sua política, cultura e saber. A copa do mundo de forma capitalista e política pode até ser favorável ao Brasil em alguns pontos, mas não há como negar que há existências de outras prioridades na situação do país. Como segurança, saúde e educação.
Como já dizia meu velho pai: Cada povo tem o governo que merece!

Leila Mustafa

Há poucos dias eu disse que era hipocrisia tirar foto comendo banana só porque um jogador de futebol rico e famoso foi vitima de uma banana voadora, mas eu mudei de ideia.

Tem muita gente sendo vitima de racismo todo dia e toda hora, não precisa ser no futebol, tem gente sendo humilhada na rua, tem gente perdendo emprego e oportunidades na vida por causa de racismo e eu não vejo tanta revolta nos formadores de opinião, acho que o problema é que essas vitimas do dia a dia do racismo não são famosas e não vão ajudar ninguém a ganhar "Likes". Pra ser sincero, se eu ganhasse o que estes jogadores ganham jogando futebol, eu nem me importaria se jogassem uma bananeira inteira por cada escanteio que eu fosse bater, eu comeria todas as bananas e a bananeira junto!!

Hoje volto pra dizer que tirar foto comendo banana é uma hipocrisia³ (Elevado ao cubo), afinal, se a regra é ser solidário, eu não vi artistas ou "subcelebridades" fazendo gracinha na internet depois de uma mulher, mãe de família, pobre, ter sido assassinada violentamente por uma ignorância imensurável de um grupo de pessoas que simplesmente acharam que ela parecia com a mulher de um retrato falado divulgado pela PM, eu não vi artistas e nem sub celebridades dizendo: "TODOS NÓS JULGAMOS AS PESSOAS SEM CONHECER" eu vi poucas pessoas revoltadas com tanta animalidade, e pra piorar, a pobre coitada não era a tal mulher procurada pela PM.

Estamos em um país que quer mais saúde, educação, segurança e é legitima a busca por estas melhorias...
Estamos em um país que quer trocar COPA DO MUNDO por INFRA-ESTRUTURA e que bom seria se não fosse em muitos casos mais um discurso hipócrita e oportunista de gente que só sabe repetir igual papagaio o que ouve por ai, é um discurso sem força, que se perde em poucos dias, INFELIZMENTE, como eu queria que isso fosse 365 dias por ano, como eu gostaria que isso realmente fizesse parte de uma ideologia da massa.
Mas afinal, onde esta a coerência? neste mesmo país "os formadores de opinião" se revoltam mais com uma banana jogada na direção de um jogador de futebol a se revoltarem com um um ato que juntou crueldade, violência, maldade, equivoco...

Eu fico imaginando se essa banana tivesse acertado o tal jogador, teríamos muitas pessoas por aqui fazendo discurso contra a violência, afinal, em um jogador da "Seleção Brasileira de Futebol" não se bate nem com uma rosa e muito menos com uma banana.

Em que mundo estamos? todo mundo é macaco mas ninguém é "humano"?

William Carvalho

Sempre os mesmos.

Nesses dias de Copa e pós Copa vendo esse “sambadocriolodoido” que é o futebol brasileiro lembrei da Tânia, namorada nos anos oitenta que não perdia a oportunidade de me lembrar sempre, numa crítica velada e bem-humorada, o grupo dos meus amigos que formavam uma tropa desvairada.
Sempre os mesmos! Criticava ela...sempre os mesmos...
Unidos pelas motocicletas de grande cilindrada, carros potentes, discotecas da moda, Aquarius, Banana Power, Papagaio, Ta Ma Tete, Hipopótamus, Gallery e claro pelo álcool que rolava solto.
A turma do futebol brasileiro é a dos “sempre os mesmos”.
Mesmos técnicos, mesmos dirigentes, mesmos “investidores”, mesmos críticos, locutores e “entendidos” de todo o gênero.
E na política heim? Sempre os mesmíssimos. Quando aparece uma figura nova é dos mesmos que já vinham frequentando o noticiário como ativistas, grevistas, sindicalistas, ladrões e baderneiros em geral.
Sempre os mesmos...Por onde andará a Tânia? Se eu tivesse que adivinhar diria que ela, diferente de mim era a novidadeira, da turma dos “sempre outros”.
Sempre outros cabeleireiros, outras lojas de grife, outras amizades, outros namorados.
Foi nessa que eu dancei. Eu sempre com os mesmos, ela sempre com os outros...Rsss...
Não foi de todo mal!

Marinho Guzman

Uma mão lava a outra e as duas escondem a cara.

País da impunidade, terra do futebol, celeiro do mundo. O melhor dentre os piores.
Em algum momento o lema Ordem e Progresso se perdeu na multidão de corruptos que aproveitam a ignorância do povo e aprovam com maciça votação ex jogadores de futebol, palhaços e bandidos de várias especialidades para legislar e administrar a coisa pública.
Isso todo mundo sabe, todo mundo vê.
Alguns lavam as próprias mãos e outros se escondem em conluio, porque ainda não chegou a vez de pagar com a própria vida ou com seu patrimônio o esse descaso.
O que fazer? É uma minoria que pergunta e não há outra resposta que não cada um fazer a sua parte esperando que se realize a máxima, a que Deus seria brasileiro.

Marinho Guzman

Carnaval aqui no Brasil é igual ao nosso Futebol nós não inventamos, mas soubemos reinventar. Só quem já viveu nos blocos "Toca Raul" "Orquestra voadora" "Mulheres de Chico" "céu na terra" e os mais de 50 blocos que ocupam o Rio de Janeiro, sabem o que eu estou dizendo. Tem nudez, tem pornografia, mas simpatia é quase amor e o rio nesses 4 dias nunca amou tanto seus convidados.
Tem gente que acha que é que é a festa da carne como assim foi criada, mas eu acho que a festa da alma.
As fantasias, as musicas isso tudo faz nossa alma sambar na cara da alegria, pois é mais que isso é o Brasil no seu concentra mas não sai e eu gosto disso
que pelo menos uns dias do ano sejam mágicos, crus, sejam carne e alma.

Nayara Nascimento

FÁBULA DO FUTEBOL

A bola vai rolar em campo aberto
sem linhas demarcando esta partida
de futebol sem árbitro e torcida,
mas eu, só de bobeira, estou por perto.

E vejo que rolou a bola, certo
da alegre apoteose sem medida
que o gol ensejará em minha vida,
mantendo a vista atenta, fico esperto.

Jogadas de espetáculo circense
empolgam-me no início, estou contente,
com ânimo de time que só vence.

Depois, eu torço feito um penitente,
mas que jogada heroica há que compense
um campo de traçado e gols ausentes?

Marcos Satoru Kawanami

Não confunda time de futebol com partido político.
No Brasil, o cidadão comum costuma confundir uma coisa com a outra. Futebol é esporte e diversão e a torcida faz parte do jogo e sem ela o futebol não existe, pelo menos como diversão. Já Partido Político é coisa séria ou deveria ser. No futebol a torcida não depende da eficiência do time. Esteja mal ou esteja bem, o torcedor está lá para apoiar. Na Política, isso não acontece ou não devia acontecer. Se um partido dá sinais de ineficiência, se seus integrantes são desonestos, se seu programa de governo é inexequível, e qualquer outro sinal de desgoverno, o cidadão deveria descartá-lo. No Brasil, isso não acontece. Os Partidos mudam para melhor ou para pior. Da mesma forma que os times de futebol, os Partidos também mudam os seus integrantes. Se no time de futebol isso não é motivo para deixarmos de ser torcedor, no Partido político um novo integrante é motivo para passarmos apoiá-lo, continuar apoiá-lo e ou rejeitá-lo.

Oswald Wendel in Elementos de Cidadania

Oswald Wendel

Aleatoriamente
no país do futebol
Eu fora da ordem
Em outra posição
Dentro da desordem
No banco de reserva
do progresso da nação

A ordem é organizada
O progresso é prometido
De olhos vendados
nosso verde é vendido
A aleatória ordem é mantida
eles ganhando e nós perdido

A ordem é produção
O progresso é ilusão
Nos deram a escola
Não nos deram educação
Nos deram uma escolha
Não nos deram opção
Eles vivendo em cinco estrelas
Nós sobrevivendo em um porão

matam nossa fome (para nos calar )
Matam nossa sede (Apenas pra sedar )
Oque não precisa (passa a precisar)
Fecham a cortina (para nos roubar )
Eles lutam contra eles
Mas não vão se dedurar
Uma valsa ensaiada por cobras
(onde a sobra vai dançar)

Junior Fortini

E começa a baderna... de novo!

Hoje tem jogo de futebol...'de novo'...
que é sinônimo de bagunça, barulho... muito barulho,
bebedeira, palavrões, acidentes de carro, confusões e brigas.

É dia de prender os cães e gatos.. nossos animais queridos que ficam assustados com todos os fogos de artifício... e com tanta pobreza por ai... eles adoram queimar dinheiro com os fogos!

Mas o que esperar de pessoas que vivem pelo futebol,
que vivem pelo carnaval e televisão?
O que esperar então do País?

Nada contra o esporte, as festas comemorativas e a midia...
Mas venhamos e convenhamos que, com tantos problemas por aí acontecendo, os que estão no poder conseguem tirar a atenção da populção com estas "supostas diversões"....
o famoso 'pão e circo ao povo'.

Queria eu, que toda esta energia física do povo fosse usada a favor do povo... que fosse usada para lutar por melhorias... e olha que o país precisa de muita coisa!

Queria eu, que todo o dinheiro envolvido fosse usado na educação, esporte, saude, segurança, etc, etc e etc!

Queria eu, que a irritação dos torcedores nas ruas,
fossem contra os políticos que nada fazem por nós!

Queria eu, que estes jogadores famosos... ídolos do país.. com a força que tem, fossem em rede nacional lutar pelo povo...
mas lutar de verdade!

Queria eu, que tudo fosse diferente..
que o povo pensasse diferente!

Queria eu...

Mas enquanto isso não acontece...
enquanto nos exploram o povo continua gritando gol!

Rama Pashupati

Futebol

Ao apito do juiz
A bola começa a rolar
Ao apoio da torcida
Os atletas só fazem jogar

No gingado dos atacantes
Os zagueiros ficam atrapalhados
Bola para um lado, bola paro o outro
A bola corre por todos os lados

Na jogada rápida e no contra ataque
O time da um show
Tabela até invadir a grande área
Para somente com o gol

O jogador corre e faz a festa
Vai comemorar com a torcida
A magia do futebol é contagiante
E alegra muito mais a nossa vida

Rodolfo Rodrigues dos Santos

Aceito tudo de você,
Tiro de mim só pra te dar prazer
Troco meu jogo por novela
Meu futebol por cem mil rosas amarelas
Perde a cabeça sempre que eu esqueço
O dia e o mês do primeiro beijo
E no banheiro sempre reclama
Do meu jeito de menino que só te ama
Meu sentimento não te engana...

Odeany Moura

Estratégia


Indiferente ao jogo escolhido...

Xadrez, futebol, vôlei, peteca ou bolinha de gude...

Sem estratégia...Nunca haverá vencedores...

Jogar sem estratégia, é igual ao caos...

Um amontoado de pessoas correndo sem rumo...

Batendo as cabeças umas nas outras...

Pense nisso...

Vejo tanta desordem...

Causada pela falta de estratégia...

Poeta Urbano - 120412

Música e futebol sempre andaram de mãos dadas. Buarque, Benjor, Skank, Simonal, O rappa, e vários outros artistas já demonstraram a paixão pelo esporte em suas canções! Sem dúvidas é gratificante para um cantor ouvir a torcida cantar um refrão d sua música; como é para um jogador quando lembrado em uma canção.
A certeza é q dessa união não sairá o divórcio, e que a música sempre estará para o jogador, como a bola estará para o cantor.

"Entre chutes e notas, bola e violão respectivamente"

Franklin Lima (Castro Alves - BA)

Intensamente cada segundo.

Hei, vamos jogar futebol de rua
Pegamos aquela bola
Da época do Pelé
Reunimos a galera
Vocês já sabem como é (sacoméné)

Os cacos de tijolo
Eram os gols
E também servia para marcar o campo
Ligamos o som para dar ritmo ao jogo
Sempre naquele estilo Black

A felicidade transbordava
Em cada emoção
“Brigas, risadas, canelas machucas”
Marcadas em cada sensação

A partir de quatro amigos
Tudo foi se multiplicando
Por vários meses
Passamos então da pré historia
Para a modernidade
Nem tanta modernidade assim (rsrsrsr)

Mas tudo ia se transformando
As pedras deram lugar
Para as balizas de ferro
Tempos em que ninguém pensava em nada

Aquelas noites não era somente futebol
Passávamos momentos de fraternidade
Amizade e alegria
E se falava de tudo

Virou o centro de reuniões
O som incomodava os vizinhos
Que ficavam loucos
Policia era nossa companhia diária

Hoje o que resta, é o silêncio, a escuridão
E uma simples rua
Nada mais do que isso
Até os vizinhos sentem falta

Esse filme acaba
Quando atravesso a rua.

Diony Peroli

Hoje temos visto adolescentes e jovens que entendem mais de futebol do que sobre a Escritura. “Homens” que sabem mais sobre jogos e sobre acessórios de carros do que como tratar uma mulher e conduzir um relacionamento de maneira devida. Vemos então meninos que entendem mais de séries, filmes, automóveis, esportes, redes sociais, tecnologia, música, internet e qualquer outra coisa, do que como ser um homem segundo o coração de Deus.

http://willymenezes.blogspot.com.br/

Willy Menezes

A BOLA

Na terra do futebol
Eu, sertanejo
Já não vejo o arrebol
E esqueço as mágoas
Causadas pela bola - sol
Quantos planos a gente bola
Mas rebola com a desolação
Nem carambola
Brota o azedo nesse meu sertão
A bola
Nos pés de um gabola só embola
Um exímio jogador
É o que faz o torcedor
Clamar gol, gol, gol...

Jonas Terra

Futebol não é circo, é arte. Pão até gosto do pãozinho francês, mas se fosse brioche a coisa ficaria feia. Gosto mesmo é de croissant, e assim mesmo não é qualquer um que passa pelo meu crivo.
Hoje tremi nas bases pensando no discurso dos chatos de plantão que querem nos tirar um dos poucos prazeres que ainda temos, que é o de poder ter acesso a um espetáculo que é pura arte. Tremi e temi, perder o jogo e ter que engolir mais um governo vermelho. Mas os deuses do olimpo que protegem os jogos desde a antiga Grécia fizeram a justiça que o árbitro não fez. A nação brasileira hoje teve o direito de embriagar-se de felicidade.

Ângela Beatriz Sabbag

Sentimento Estranho
Caio Rossan

Que o Futebol é a paixão nacional disso eu não tenho dúvida. Basta lembrar que aquele 7x1 contra a Alemanha provocou uma comoção quase unânime. Comoção ou revolta? Eis a questão. Afinal, aquele 7x1 foi mais dolorido do que a corrupção que assola o país, o fato de estarmos aprisionados em nossa própria residência pelo medo de sair na rua e a crise da água, quem diria, no país com maior quantidade de água doce em seu território.
Não tenho dúvidas também que o que aconteceu com o Neymar provocou uma chacoalhada nos ânimos da brasileirada. Foi um sentimento estranho, não é mesmo? As pessoas colocam um peso tão grande sobre as costas de alguém e um dia essas costas quebram, se partem, desmoronam. Que coisa, foi até literal. E esse sentimento estranho também é de impunidade. Os juízes, aqueles que detêm o poder sobre o jogo, fazem o que querem, agem como bem entendem e enxergam a falta onde não há; em algumas situações até as enxergam, mas se cegam, “passam a mão na cabeça” e distribuem cartões para quem não merece.
Esse sentimento estranho é o reflexo do que acontece com o nosso mundo, em todos os setores onde vivemos, seja no trabalho ou no templo que você frequenta, seja na roda de colegas ou até entre sua família. A impunidade está aí, presente, não apenas latente, mas manifestada e duramente perceptível. Mas a questão é que nós nos acostumamos com a dor e não conseguimos senti-la com o peso devido. O mundo olha para ela e ela desfila, com um “tchauzinho” de miss.
É possível dizer também que essa revolta que vivenciamos na mídia, poderia não ser tão escancaradamente parcial. Esse povo nem sabe disfarçar. Péssimos atores. O pior é que tem gente que ainda acredita naquela atuação fajuta. A mídia se indignou tanto com o 7x1 que seria impossível o brasileiro esquecer que um dia ele existiu. A mesma mídia omissa e manipuladora, que cria sistemas e os destrói, que impulsiona heróis e que adora vê-los cair. Talvez porque a mídia saiba quem nos tornamos.
A debilidade do sistema econômico, a decadência da saúde, a falta de segurança. Fruto do desenvolvimento, da necessidade de criar mão-de-obra para exercer aquele trabalho nada escravo em empresas, em regimes dóceis e intimamente humanos, onde é possível prosperar e ter tempo para a família, para o lazer, até mesmo porque sempre sobrará dinheiro para tal. O fato é que as cidades inflaram e não houve planejamento para o bem-estar das pessoas. O que houve foi uma ilusão, uma ilusão amarga, cujo gosto é pior do que o fel. E com isso, o que nos tornamos? Cada vez menos cooperativos e mais ambiciosos, imediatistas e consumistas.
Adoráveis adoradores ávidos do jeito Lannister de ser (manipulações, egoísmo, arrogância, egocentrismo e sede extrema pelo poder). São pessoas com essas características que vemos ascender. E não adianta dar um de politicamente correto. São elas que queremos ser. É a cabeça das pessoas sendo alterada e ninguém está se dando conta disso. As pessoas não têm mais palavra. Elas olham nos seus olhos e mentem descaradamente. Estamos sob o domínio desses juízes. Onde estão os nossos valores? Esquecidos, como um sentimento estranho 24 horas depois. E aí você vê pessoas indo ás ruas motivados sabe-se lá porquê. Uma coisa é lutar por um governo melhor. Outra é caminhar com extremistas e compactuar com devaneios, como aquela faixa contra Paulo Freire. Aquilo não existiu, né?
A sensação que toma conta dos ares é de que o brasileiro esqueceu quem ele é. Esqueceu dos bons valores. Deixou de lado o senso crítico e a lógica, afinal, a água está acabando por culpa dos governos atuais, certo? E a corrupção, bem, ela não existia antes e quem quer entrar fará diferente, porque se você for um governante, você fará a diferença, certo? Talvez porque a corrupção não está impregnada em suas veias, nos mínimos detalhes diários. E Paulo Freire realmente deve ser esquecido, aquele homem cruel, com as barbas cheias do sangue daqueles que ele perseguiu durante a ditadura. Ditadura essa que precisa voltar, através de um golpe militar, pedido pela população. Essa é a nossa salvação. A última esperança. Talvez tenha sido por isso que o 7x1 doeu tanto. Era a única chance do brasileiro sorrir.

Caio Rossan