Crônicas para Crianças

Cerca de 366 crônicas para Crianças

ESCOLA POSSÍVEL

Vinda de uma instituição aberta para receber crianças, jovens e adultos necessitados de apoio e de autoconfiança para descobrir seus talentos, a escola que estamos construindo não é mera transmissora de informações. O Programa Escola da Família - que abre a unidade escolar todos os fins de semana para a comunidade e que completou dois anos - surgiu para mostrar que isso é possível. Já se podem verificar alterações expressivas na comunidade escolar e, por extensão, na sociedade. Dentre elas, a redução da evasão escolar no estado de São Paulo: da 1 à 4 série - Ciclo I do Ensino Fundamental - 0,7%, o índice mais baixo do Brasil; o número de adolescentes e adultos que freqüenta o Programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) que, no Ensino Médio, passou de 30 mil alunos, em 1995, para 481 mil, em 2005. A qualidade da educação, como um todo, tem recebido pareceres muito favoráveis. É o que mostram os resultados do Sistema de Avaliação do Ensino Básico (Saeb) e do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp). Para além da educação, os índices de violência registrados nas escolas e vizinhanças caíram em até 81%. Acreditamos que devemos tudo isso à apreensão do conceito de pertencimento por parte da população. Em outras palavras: a escola é da comunidade e a comunidade tem de se apropriar dela. E é essencial que todos caminhem nessa direção: pais, professores, diretores, funcionários, voluntários, jovens universitários que têm a possibilidade de estudar, como bolsistas, e trabalhar como monitores do programa. É desse modo que a educação dá a sua resposta à crise de valores que enfrentamos. Não pode ser diferente quando há o respaldo de um governante que elege a educação como prioridade - o que exige muito mais recursos do que discursos.


Publicado no jornal O Globo

Gabriel Chalita

O resgate da cidadania


Resgatar o conceito de cidadania nas crianças e adolescentes brasileiros é um desafio e, por isso mesmo, o principal objetivo do programa Mutirão da Cidadania - lançado pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. O objetivo é trazer à tona o sentimento de nação, de civismo, de solidariedade, de união e de amor aos valores dignificantes que têm sido cada vez menos apreendidos pelas novas gerações. O Mutirão será composto por diversas ações que visam ampliar nos estudantes da rede estadual de ensino a compreensão sobre questões essenciais à sua formação pessoal e profissional. A ética, a nobreza de caráter, o espírito de equipe, o respeito ao próximo e às suas diferenças de gênero, raça, credo e classe social, a preservação do meio ambiente - a começar pelo cuidado e valorização do espaço da própria escola -, o incentivo ao voluntariado e os estudos dos símbolos nacionais constituem as bases principais do programa. Uma das medidas que adotadas para a conquista desses objetivos é o hasteamento da Bandeira e a execução do Hino Nacional nas unidades de ensino, todas as segundas-feiras. A idéia é estimular a criação de espaços voltados ao resgate de valores ligados à vivência da cidadania, ao mesmo tempo em que a utilização da linguagem musical é otimizada como forma de expressão, comunicação e convivência. O programa será desenvolvido por meio de parcerias com as secretarias da Justiça, da Cultura, do Meio Ambiente e da Juventude, Esporte e Lazer, além de instituições como a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Procon e o Faça Parte. Juntas, essas entidades trabalharão a consciência cidadã dos alunos, incentivando a participação ativa dos jovens tanto na escola quanto na comunidade. Elas fornecerão orientações sobre a formação e administração de grêmios estudantis, a realização da coleta seletiva de lixo nas escolas - ressaltando a importância dessa ação para o ecossistema -, a criação de Bandas da Juventude nos estabelecimentos de ensino, a conscientização dos direitos e deveres do consumidor e o estímulo ao voluntariado, que se constituirá em exercício efetivo de solidariedade. Acreditamos que a prática dessas ações será fundamental para a formação de cidadãos críticos que possam ocupar, definitivamente, um lugar de destaque nos cenários político, econômico, social e cultural do Brasil. Vivemos numa sociedade mutante, diversa e repleta de peculiaridades. Independentemente disso, o mundo todo atravessa um período de mudanças radicais que alteram o comportamento das pessoas provocando fenômenos sem precedentes na história da humanidade. Basta lembrarmos o quanto a família se modificou adquirindo novos modelos de estruturação - o que não quer dizer que está mais presente na vida das crianças e jovens. Ao contrário, paralelo às mudanças na estrutura familiar, o mercado de trabalho tem exigido cada vez mais de todos, tornando o tempo que os pais dedicam aos filhos mais escasso quantitativa e qualitativamente. A carência afetiva é a porta de entrada para o recebimento de influências negativas do meio e da mídia - essas últimas por meio da exposição exagerada à televisão e ao computador, sem nenhum critério seletivo. O resultado desse processo é evidente quando observamos a inversão de valores fundamentais à vida em sociedade, favorecendo o consumismo exacerbado, o culto exagerado ao corpo, da superficialidade das relações e a ascensão acelerada da violência e das drogas. Com isso, o papel da escola hoje é muito mais amplo e complexo do que há algumas décadas. Cabe a ela não só ensinar, mas auxiliar a formar o cidadão. Outro fator importante de mudança está na universalização do ensino, que trouxe aos bancos escolares pessoas extremamente diferentes, muitas vezes provenientes de famílias desestruturadas e/ou com situação econômica precária. Essas crianças, até há pouco tempo excluídas do ambiente educacional, necessitam de cuidados e atenções redobradas dos professores. Com a política da escola pública para todos, a rede oficial precisou reestruturar a proposta pedagógica para acolher os mais variados perfis estudantis. Nesse sentido, O Mutirão de Cidadania é uma ferramenta mais do que importante para garantir aos alunos uma formação mais adequada aos desafios impostos pelo século XXI. Machado de Assis, o grande mestre da literatura brasileira, nos forneceu um alento para as adversidades quando disse: "Defeitos não fazem mal, quando há vontade e poder de os corrigir." Se depender de nossa vontade e de nosso esforço, a educação conseguirá, sim, cumprir sua função: ser a bússola para mostrar um norte, um caminho seguro em direção ao futuro.


Publicado no Diário do Grande ABC

Gabriel Chalita

Saudação aos que Vão Ficar


Como será o Brasil
no ano dois mil?
As crianças de hoje,
já velhinhas então,
lembrarão com saudade
deste antigo país,
desta velha cidade?
Que emoção, que saudade,
terá a juventude,
acabada a gravidade?
Respeitarão os papais
cheios de mocidade?
Que diferença haverá
entre o avô e o neto?
Que novas relações e enganos
inventarão entre si
os seres desumanos?
Que lei impedirá,
libertada a molécula
que o homem, cheio de ardor,
atravesse paredes,
buscando seu amor?
Que lei de tráfego impedirá um inquilino
- ante o lugar que vence -
de voar para lugar distante
na casa que não lhe pertence?
Haverá mais lágrimas
ou mais sorrisos?
Mais loucura ou mais juízo?
E o que será loucura? E o que será juízo?
A propriedade, será um roubo?
O roubo, o que será?
Poderemos crescer todos bonitos?
E o belo não passará então a ser feiura?
Haverá entre os povos uma proibição
de criar pessoas com mais de um metro e oitenta?
Mas a Rússia (vá lá, os Estados Unidos)
não farão às ocultas, homens especiais
que, de repente,
possam duplicar o próprio tamanho?
Quem morará no Brasil,
no ano dois mil?
Que pensará o imbecil
no ano dois mil?
Haverá imbecis?
Militares ou civis?
Que restará a sonhar
para o ano três mil
ao ano dois mil?

Millôr Fernandes, in "Pif-Paf"

Às vezes ...
Às vezes somos crianças, felizes em nosso mundo de faz de conta, sonhos, fantasias, pensando no que vamos ser quando crescer...
Às vezes somos adolescentes, felizes e revoltados ao mesmo tempo querendo as coisas ao nosso modo e desejando trabalhar pra não ter que pedir dinheiro aos pais...
Às vezes somos adultos e sentimos o peso da maturidade, o “peso” da vida e queremos voltar a ser crianças...
Nesse “peso” da vida,
Às vezes sorrimos
Às vezes choramos
Às vezes machucamos
Às vezes somos machucados
Às vezes amamos e somos amados
Às vezes amamos e somos rejeitados
Às vezes gritamos
Às vezes calamos
Às vezes temos a presença
Às vezes sentimos a saudade
Às vezes descobrimos que perdemos tempo com algo
Às vezes comemoramos que o tempo dedicado valeu e muito
Sorria, chore, ame, esqueça, ganhe, perca, caia, levante... mas viva!
Sempre dê valor tanto as grandes quanto as pequenas coisas e não “ÀS VEZES”
Nossa vida é cheia de “ÀS VEZES”
Mas não vamos deixar que apenas “ÀS VEZES” sejamos felizes

Maurício Alisson

Sou criança e busco a paz...

Crianças vivem em paz?
Afinal, o que é paz?
Sou criança e busco entender a paz...
Será que alguém pode me ajudar?
...
Sou pequeno e desejo entendê-la...
Alguém me auxiliará?
Sou criança e quero paz...
Paz verdadeira... não paz de brincadeira...
...
Por que prender as pombinhas ?
Por que só a cor branca ?
Tudo deve ter um significado...
Mas eu só quero a paz... de ser amado!
...
Sou criança, a paz que eu quero...
É mais simples, com sentimento sincero...
Quero minha família por perto, cuidando de mim...
Quero meus amigos pertinho, brincando assim....
...
Busco a paz em mim e em ti...
Compreendo a paz como algo singelo...
Quero sentimentos de comprometimento...
...com o bem querer...com o bem viver...
Sou criança e busco a paz...

(Profe Virginia)

Virgínia

Chove...
Grossas gotas caem do céu molhando tudo que encontram em seu caminho.
As crianças, como se o sol continuasse a brilhar, brincam e correm, até que uma voz se faz ouvir, e atendendo-a, voltam todas à casa.
Tudo fica silencioso, apenas de quando em quando algumas pessoas passam, apressadas, tentando fugir à chuva. Outras, que saíram antes do aguaceiro talvez, caminham sem pressa, pois que já estão molhados para quererem esconder-se.
Interessante é que o dia estava tão lindo que jamais se pensaria em um temporal como o que cai. Começou com pequenas nuvens que de passagem deixaram cair algumas gotinhas. Então enormes nuvens negras chegaram cobrindo o sol e a beleza do céu, aumentando assim as gotas que caíram com tremenda fúria.
Foi assim, olhando a chuva, que percebi a grande semelhança entre o dia chuvoso e um coração triste.
Igual ao dia, calmo e alegre, estava meu coração, mas sem que percebesse, pequenas desilusões foram nele se aninhando, escurecendo-o em sua alegria.
As ilusões comparei-as às crianças que brincam despreocupadas. Os sonhos, as pessoas que saem desagasalhadas e as desilusões, tristezas e sofrimentos, às nuvens que tudo encobrem.
Apenas uma diferença há: no céu chuvoso basta um raiozinho dourado para sabermos que o sol de novo brilhará. Mas com o coração é bem diferente, pois ao ver-te, eu tolamente pensando que eras a luz que finalmente procurava iluminar-me, não notei que eras apenas a nuvem, talvez a maior, que chegava para roubar o pouco de paz que restava em meu peito.



R.E
5-10-65

Rosa Emília de Carvalho Avelaira

Estou muito indignada, a educação pública é uma piada. A escola é um depósito de crianças, as salas são super lotadas e as crianças super mal educadas.
Não existe profissionais qualificados trabalhando nas escolas tais como psicólogos e inspetores, é tudo feito de qualquer jeito, enquanto tiver essa hipocrisia de "educação", nós todos seremos marionetes nas mãos de governos que só querem o poder.
Pais omissos que não querem impor limites aos filhos, professores que não têm compromisso e crianças mal educadas que só vão para a escola pois seus pais recebem o bolsa miséria e também não conseguem ficar o dia todo com seu filho.
Enquanto tiver esse tipo de "EDUCAÇÃO", seremos vítimas do SISTEMA.
Mas quem é esse tal de sistema? Somos nós, todos nós... Como podemos aceitar isso

Simone Catusso

Nossas crianças

Se farão homens
Se chamarão povo
criança em expansão
tentativa inexorável
principio das dores
força do homem
caminho para o amanhã
produção da primavera
do mais fundo sofrimento
do mais fundo da terra
do mais duro
do mais ferido
Beleza pura
Obra de pobres assustados
flores surreais
desamparados dos subúrbios
Uma dádiva do mais alto
do mais eterno

Mlailin

Temos três tipos de olhares de acordo com a nossa idade.
Quando crianças o olhar da ingenuidade,da travessura e da ausência dos medos;
Na puberdade, nosso olhar busca o interrogativo contestado,o êxtase das emoções,a busca do incansável….
Chegamos então à maturidade,onde a travessura da infância torna-se mais polida contudo, jamais tolhida…onde o deleite agora faz-nos deixar muitas vezes, em um estado hilariante de ser e a maturidade nos reporta a um olhar de meditação,buscando muito além do antes vivido ou seja, a contentação do hoje,do agora,do breve!

Karla Diniz

É difícil entender a vida. Quando somos crianças queremos é crescer logo, ser independentes, não dever satisfações a ninguém, mas todo mundo nos diz que temos que aproveitar enquanto somos crianças. Porém ninguém nos diz porque, ninguém nos explica que é difícil ter responsabilidades e o quanto é chato ter que se sustentar e se responsabilizar por seus atos.
O importante é aproveitar o hoje, se entregar ao agora. Sem saudosismos pelo que foi vivido e sem ficar pensando em como teria sido se tivesse sido diferente. Entenda que nada é por um acaso e que aconteceu na sua vida exatamente o que deveria acontecer. Agradeça por cada dia que lhe é dado e o aproveite. Há apenas uma vida e apenas uma chance de fazer acontecer.

Flavia Lopes

As crianças de hoje nunca terão:

Bananas de Pijama, Ursinhos Carinhosos, Geloucos, Tartarugas Ninjas, Super Mario World, Tamagotchi, Pega Vareta, Pega Peixe, Elástico, Pink e Cerebro, Cocoricó, Chapolin Colorado, Amoeba, Du Dudu e Edu, Luluzinha, Bob o Construtor, Fofoletes, Peão, A Família Adams, Canetas perfumadas, Chiquititas, Mocinha, Super Nintendo, Zé Coméia, Coragem o Cão Covarde, Dragon Ball, Digimon, Power Rangers, Teletubies, Tortuguita, Zoboomafoo, Castelo Ratimbum, Scooby Doo, Corrida Maluca, Capitão Caverna, O Pimentinha, O Fantasminha Camarada, Kenan e Kel, Um maluco no pedaço, e muitos outros.

Isso sim eu chamo de bons tempos…

Karla Lins

Anos Incríveis

“Quando somos crianças, somos um pouco de cada coisa, somos artistas, professores, cientistas... Às vezes parece que crescer é desistir destas coisas UMA A UMA. Todos nos arrependemos por coisas dais quais desistimos. Algo que sentimos falta, desistimos por sermos preguiçosos ou por termos medo.Existem pessoas que passam em nossas vidas e vão embora e nunca mais ouvimos falar nelas, outras entram e permanecem para sempre. E há aquelas que passam e vão embora, mas jamais as esquecemos. O Amor nós obriga a fazer coisas engraçadas, ele nos torna orgulhosos, ele nos deixa arrependidos... E mesmo que eu não soubesse que caminho nos iríamos seguir, eu sabia que não podia deixar ela sair da minha vida.Havia dias de escola em que eu achava que não havia motivos nenhum para sair da cama. Dai eu me lembrava que eu iria vê-la, meu dia estaria repleto de momentos com possibilidades, ai eu tinha certeza que algo iria acontecer.Crescer é algo que acontece muito rápido, um dia estamos de fralda e no outro já estamos indo embora, mas as lembranças ficam no tempo. Me lembro de um lugar, de uma cidade, de uma casa como muitas outras casas, um jardim como muitos outros jardins, uma rua como muitas outras ruas, certas coisas marcam nossas vidas, e jamais esquecemos.E depois de todos esses anos eu continuo a me lembrar desses anos com admiração e penso:
Foram anos Incríveis.

Joade Lemos

Fartam-se de ser crianças e tem pressa por
crescer, e depois suspiram por voltar a
ser crianças...

Primeiro, perdem a saúde para ter dinheiro
e logo em seguida, perdem o dinheiro para
ter saúde...

Pensam tão anciosamente no futuro que
descuidam do presente e assim, nem vivem
o presente nem o futuro...

Vivem como se fossem morrer e
morrem como se não tivessem vivido!

Reflita sobre isso...

Pois você ainda tem tempo para acertar
sua vida, todos os dias quando você acorda,
recebe o mais belo de todos os presentes.

A DÁDIVA DA VIDA

Deus lhe deu e você a administra,
faça com que realmente valha a pena

Tempo de acertar

O tempo

Em quanto crianças o tempo não passa
Olhando o relógio e as horas de graça
Sem pensar em nada
Como uma fumaça.

Todos por um e um por ninguém.
Brinquedos e tudo
Sempre a favor
Das horas lentas
Que fazem bem.

E sem perceber
O tempo com jeito
Insere na vida coisas perfeias.

Ao mover da vida
As horas disparam,
Como um redemoinho
Espalhando ventos.
Poeiras na vida
De quem não tem como
Perceber as horas
Em um ser humano.

Em quanto velho
A vida dispara,
Deseperada.
Sem perceber...
A saudade acalenta
As horas sombrias
De um ser que sustenta.

Eliane Batista Barbosa

Quando éramos crianças nos davam coisas amargas e ruins, pois diziam que era para nosso bem, para que pudéssemos crescer fortes e saudáveis. E quando finalmente nos tornamos adultos...
Bem, agora que finalmente nos tornamos adultos, a vida continua nos dando as mesmas coisas para sermos fortes diante da adversidade e saudáveis em nossas relações

Alessandra Souza

Ouço gritos de alegria
lá ao longe crianças cantando...
Sons de sinos, violinos e harpas
já meio dia ...E todos nas ruas falando .

É A BENDITA ESPERANÇA QUE CHEGOU !

Que alegria,ela chega a cada manhã ...
Bendita tambem é a fé que se insinua
nas horas desesperadas.
Bem vinda essa saudade que
diminue a distância.
Bem vinda a voz do vento que desperta
nosso silêncio.
Bem vinda essa lágrima que desliza no
meu rosto e umidece o meu sorriso,
mas que não me tira a alegria de ver
nascer mais uma poesia.


Marleninh@ Castilho

19/06/2012/

Marleninh Castilho

Faço trabalho voluntário com crianças de 4 a 8 anos e tenho certeza que aprendo muito mais do que ensino. A minha função nesse trabalho voluntário é ensinar um pouco sobre Jesus, sua vida e o evangelho. Mas não é nada de oração e rezas e sim ensinar o amor na prática. Ensinar que o amor vivido e experimentado vale bem mais que palavras soltas de "eu te amo". Me ama? Então prova!
Então eu ensino que amar é obedecer a mamãe e o papai mesmo que você não esteja a fim.
Amar é dar um copo de água para vovó que pediu e estava com sede e cansada.
Amar é acordar cedo e andar de pontinhas dos pés para não acordar ninguém.
Amar é ajudar a mamãe nos afazeres domésticos, mesmo que seja apenas enfeitar a mesa para o almoço.
Amar é fazer ao outro o que gostaríamos que fizessem à nós. Amar é reconhecer que errou e procurar não fazer de novo.
Às vezes para amar você só precisa ouvir ou sorrir, chorar ou pular junto.

Arcise Câmara

Criança é Criança
Amo crianças com vestidos, frufrus, jeitinho de criança, tênis, roupa suja, parque de diversões, lápis de cor, choro, birrenta, mas criança que é uma pequena mulher ou um pequeno homenzinho, aqueles que quebram etapas significativas da vida, não brincam, não se sujam, não fazem peraltices, são adultinhos em miniatura para mim é tão estranho, ver crianças de salto, ver crianças maquiadas, ver crianças de roupas de adulto, tomara que caia, ver criança de bolsa, unhas pintadas. Crianças que não curtem brincadeiras de criança, crianças que se ofendem em ser denominadas como crianças, crianças que não sabem ou não aprenderam brincadeiras lúdicas, crianças em rede sociais. Aí o tempo passa e as crianças querem voltar o tempo, querem não ter preocupações, querem brincar, querem curtir, querem ser o que nunca foram e então a sociedade ganha de brinde um monte de adultos infantilizados.

Arcise Câmara

Cidade pequena, onde a vida passa desacelerada, onde só há crianças e senhores, os jovens saem para ganhar a vida e voltam quando velhos, para perdê-la em paz.

- Eu esperei muito tempo por esse dia, sua partida em busca de algo melhor. Você, leve e linda, cheirosa e meiga, não merece ficar estagnada em algo sem mobilidade nenhuma como esta cidade soturna.
- Mas papai, não vai dar. Como vou deixar o senhor aqui? Acho melhor eu rejeitar esta proposta de emprego. Não consigo meu pai, não consigo. Venha comigo, por favor?
- Deixe-me aqui, esse lugar já faz parte de mim filha. Seu querido paizinho já está muito velhinho para essas aventuras.
O Sol do entardecer batia em seus olhos em pranto. Mariano irredutível com um abraço sussurra em seus ouvidos.
- Querida, você precisa ir. Venha meu bebê sente-se aqui.
E uma pausa, um silencio lutuoso fica no ar.
- Sabe filha, não se preocupe comigo, aqui é minha terra, mas não é a sua. Não tenho vontade de partir, já vivi tudo que tinha que ser vivido. Você é jovem ainda, sua alma está inquieta agora, e isso é ótimo. Seu velho vai ficar bem aqui, ta bom? Agora vaia logo antes que escureça. Leve com você isto.
Mariano tira do bolso uma bússola, velha e quebrada.
- Olha minha querida, quando eu saí de casa meu pai me deu esta bússola me disse que ela me indicaria o caminho da felicidade. Leve com você. É tudo que eu tenho de mais valioso.
Ela olha aquela bússola surrada pela vida, olha para o pai como se esperasse que ele falasse mais alguma coisa. Ele captando no ar responde.
- Valioso aos olhos do coração minha filha, é o que importa. O coração.

Lucas Freitas Lima

Nossas crianças estão cada vez mais em contato com a vida adulta, esquecendo de viver a realidade da fantasia, da imaginação e das brincadeiras.
Tornou-se normal crianças assistirem à programas onde a violência tem uma ênfase maior, onde o normal é ser temido, seja por seu poder financeiro ou por armas.
Os pais, estão cada vez mais sem tempo de brincar com os filhos e transmitir essa atenção tão importante. Substituem essa atenção com computadores super modernos, Internet, vídeo games e cursos para capacitação, esquecendo que substituir não é acrescentar, é preciso se divertir, correr, pular, dançar,alegrar-se com eles.
Faça isso e irá descobrir que é um mágico onde suas mágicas darão origem a efeitos incríveis e imediatos em seus filhos, pois jamais esquecerão desses momentos. Descobrirão que o normal é ser feliz e alegre, e o estranho é ser estressado e ansioso.
Deixe seus filhos se sujarem com barro e tintas de colorir, não permita que a sujeira da depressão e do consumo excessivo caminhe no solo dos sentimentos de nossas crianças.
Não podemos permitir que elas cresçam antes da hora, que sejam crianças na idade, mas adultas no comportamento. Não ache normal chegar em casa e ver seu filho(a) na sala, bem arrumado, assistindo televisão,usando a Internet, ou jogando vídeo game. Não entenda que isso é sinal de boa educação ou bom comportamento, simplesmente por ter a casa em ordem, as paredes sem manchas, os papeis e os lápis guardados, os amigos cada um em sua casa. Espere chegar em casa e ver uma cena diferente, papeis espalhados, desenhos coloridos, amigos de seu filho na sua casa correndo, paredes manchadas, conversas, fantasias e sinta-se realizado por saber que seu filho saberá dividir o espaço de sua casa com a alegria e a felicidade.
As paredes podem ser pintadas, os papeis rasgados ou guardados, os amigos podem seguir rumos diferentes, mas este momento nunca será mudado na vida de nossos filhos.

Wenner Áli