Crônicas Engraçadas

Cerca de 1272 crônicas Engraçadas

Definição de Érico Veríssimo sobre " boato".

Ora, um boato é uma espécie de enjeitadinho que aparece à soleira duma porta, num canto de muro ou mesmo no meio duma rua ou duma calçada, ali abandonado não se sabe por quem; em suma, um recém-nascido de genitores ignorados. Um popular acha-o engraçadinho ou monstruoso, toma-o nos braços, nina-o, passa-o depois ao primeiro conhecido que encontra, o qual por sua vez entrega o inocente ao cuidado de outro ou de outros, e assim o bastardinho vai sendo amamentado de seio em seio ou, melhor, de imaginação em imaginação, e em poucos minutos cresce, fica adulto - tão substancial e dramático é o leite da fantasia popular - começa a caminhar pelas próprias pernas, a falar com a própria voz e, perdida a inocência, a pensar com a própria cabeça desvairada, e há um momento em que se transforma num gigante, maior que os mais altos edifícios da cidade, causando temores e às vezes até pânico entre a população, apavorando até mesmo aquele que inadvertidamente o gerou.

Livro: Incidente em Antares

Veríssimo, o paladino dos patéticos

É irrefragável que o senhor Veríssimo é um plumitivo - ao menos para certos temas - de benévolo nível. Contudo, é de total perspicuidade que o citado é um ser que deixa muito a desejar quando o assunto é política. Segundo o escritor, o PT contribuiu para a redução da miséria, diminuiu a desigualdade social, e sobretudo, o ódio hoje ao PT é oriundo da elite. Chega a ser patético alguém com a instrução dele elaborar esse tipo de comportamento. Na era PT, o estado aumentou de forma bastante considerável, e por corolário, a corrupção foi exacerbada de modo um tanto quanto gradativo. Com isso, a miséria foi fortificada porque criamos dependentes do estado, bem como, a distribuição de renda com esse método de governo só ficou ainda mais desigual. E esse tipo de abordagem deveria ser óbvio para qualquer um, inclusive para o "intelectual das multidões".

Dado exposto, cerca de 65% dos brasileiros hoje julgam péssima a administração da senhora Dilma. Será que esse percentual todo é composto só de elite? Aliás, por que motivo o colunista não entrou na pauta das amizades com ditaduras, no habeas corpus do Lula, na já mencionada corrupção e em outros malfazejos atos do PT? O Global formula um texto que incita seu leitor a crer que nem ele, tampouco os membros do PT, pois é, fazem parte da tal elite. Eu esperava mais do paladino dos patéticos, todavia quando se é petista o ódio e a falta de raciocínio são as armas que estão à frente até mesmo da realidade. Goethe denunciou há tempos tal prática promulgada por Veríssimo: "As pessoas tendem a colocar palavras onde faltam ideias". É isso.

danielmuzitano

Paulo Betti, o petista da semana

Jô, Juca Kfouri, Veríssimo, Gil, Chico Buarque, Marieta Severo e mais alguns que infelizmente comportam a classe artística, pois bem, terão o séquito do mais novo artífice do PT, sim, me refiro ao ator Paulo Betti. Antes de aprofundarmos o tema, vale rememorar que todos os citados - mediante leis de incentivo à cultura - lactam na teta do governo, e sobretudo, interceptam o surgimento de pessoas com certa genialidade tendo como intuito o não aparecimento delas enquanto intelecto por não se sujeitarem ao regime ditatorial que aí está. Essa classe vendida de artistas compactua para com o governo de há muito, e, de modo que a mesma não venha a criticá-lo.

Voltando ao Betti; o global em questão já representou - num filme completamente inidôneo e com elevado farisaísmo romântico - o Lamarca, falecido chefe da hoje ex-terrorista da var-palmares. A produção cinematográfica trata como herói o delinquente que roubava bancos e matava pessoas inocentes. Um ator com o mínimo de decoro investiga a vida de o seu personagem para depois avaliar se o que está previsto no roteiro, sim, de fato condiz com a realidade de tal. Betti, o novo sócio, relata em um vídeo que não há nada que contribua para um eventual impeachment. Será?

Estamos falando de um partido com dois tesoureiros presos, um ex-presidente da sigla preso, um ex-ministro preso e mais tantos outros investigados; fora o fato de que todos foram nomeados pela então "PRESIDANTA". Isso já é motivo suficiente - inclusive previsto em lei - para um eventual pedido. O sujeito ainda frisou que a candidata reeleita teve o voto da maioria. Adendo: somados os votos destinados ao Aécio, os brancos e nulos, e principalmente, todos os que não compareceram fica nítido que Dilma esteve longe de obter a maioria. Em suma, "O diabo pode citar as escrituras quando isso lhe convém", Shakespeare. É isso.

danielmuzitano

Conheço dois grandes feministas... Um deles é Arnaldo Jabor, e esta ai o grande motivo de apreciar as suas crônicas e pensamentos alem da qualidade em escrita e outros segmentos que ele escreve... Outro grande feminista é um grande amigo, melhor amigo e anônimo... Confesso que nunca consegui questiona-los e tão menos discutir a respeito por mais que eu estivesse chateado com alguma mulher...
As mulheres vieram sim para nos completar, pois somos incompletos e somente algo naturalmente completo para realizar tal... Vejam a habilidade em lidar com a familia, vejam a qualidade em praticar os sentimentos, imaginem as situações complexas sem uma mulher... Elas são naturais em sua essência e esta ai o motivo que alguns machistas dizem as mulheres serem menos inteligentes que os homens... Elas são mais inteligentes que os homens, mas elas possuem sentimentos prioritarios a inteligencia, por isso muitas vezes agem por sentimentos e não pela razão... O mundo seria preto e branco, seria um mundo binario se existisse somente a razão... Não existe nada mais gostoso que um agnostico, apreciador de Hume, Kant, admitir o sentimento à razão... Seria um mundo matematico, calculado e sem novidades, inanimado, sem surpresas.. O prazer da vida esta na novidade, nas surpressas... Também não preciso comentar sobre os detalhes.. No perfume, no toque, no carinho, no olhar, no falar... A suavidade do olhar pedinte a um beijo, a desculpas, somente em olhar... Na suavidade de um toque de carinho, dizendo implicitamente para relaxar que ela confia em ti e que tu resolvera os problemas... Um ser incompleto não poderá entende-las, mas concerteza elas são superiores e completas aos homens.. Não tenho vergonha ou medo em dizer... Aquele homem que nunca usou a SUPER razão lógica para entender isso, concerteza é menos que isso, pois além dos sentimentos, faltou lhe também inteligencia...
Afirmo sem duvidas que Schopenhauer era um grande feminista... Entendam a sua historia e analisem suas ultimas escritas e pensamentos e concluirão o que afirmo... Em toda vida, dedicou-se ao inverso, relutante em aceitar o que ele concluiu em seu inicio de racionalidade e reflexão... Invertam em sua totalidade as escritas dele e terão então realmente o que ele pensava a respeito das mulheres..

Adriano Guedes

"Para ter lábios atraentes, diga palavras doces.
Para ter olhares belos, procure ver o lado bom das pessoas.
Para ter cabelos bonitos, deixe uma criança passar os dedos pelo menos uma vez por dia.
Para ter boa postura, caminhe com a certeza de que nunca andará sozinha.
Pessoas são muito mais que coisas, deve ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas, jamais jogue alguém fora.
Lembre-se que, se alguma vez precisar de uma mão amiga, você encontrará no final do seu abraço. Ao ficarmos velhos, descobrimos por que temos duas mãos, uma para ajudar a nós mesmo, a outra para ajudar o próximo."

Arnaldo Jabor

A ignorância quer aprender. A burrice acha que já sabe. A burrice, antes de tudo, é uma couraça. A burrice é um mecanismo de defesa. O burro detesta a dúvida e se fecha.

O ignorante se abre e o burro esperto aproveita. A ignorância do povo brasileiro foi planejada desde a Colônia. Até o século 19, era proibido publicar livros sem licença da Igreja ou do governo. A burrice tem avançado muito; a burrice ganhou status de sabedoria, porque, com o mundo muito complexo, os burros anseiam por um simplismo salvador. Os grandes burros têm uma confiança em si que os ignorantes não têm. Os ignorantes, coitados, são trêmulos, nervosos, humildemente obedecem a ordens, porque pensam que são burros, mas não são; se bem que os burros de carteirinha estimulam esse complexo de inferioridade.

Arnaldo Jabor

Como é o "design" da burrice? A burrice é o bloqueio de qualquer dúvida de fora para dentro, é uma escuridão interna desejada, é o ódio a qualquer diferença, à qualquer luz que possa clarear a deliciosa sombra onde vivem. O burro é sempre igual a si mesmo, a burrice é eterna como a pedra da Gávea (Nelson Rodrigues). De certa forma, eu invejo os burros. Como é seu mundo? Seu mundo é doce e uno, é uma coisa só. O burro sofre menos, encastela-se numa só ideia e fica ali, no conforto, feliz com suas certezas. O burro é mais feliz.

A burrice não é democrática, porque a democracia tem vozes divergentes, instila dúvidas e o burro não tem ouvidos. O verdadeiro burro é surdo. E autoritário: quer enfiar burrices à força na cabeça dos ignorantes. O sujeito pode ser culto e burro. Quantos filósofos sabem tudo de Hegel ou Espinoza e são bestas quadradas? Seu mundo tem três ou quatro verdades que ele chupa como picolés. O burro dorme bem e não tem inveja do inteligente, porque ele "é" o inteligente.

Arnaldo Jabor

O que fazer quando não tenho mais inspiração?
procuro pela casa algo que me dê uma inspiração mais quando olho pra dentro de mim só vejo escuridão. Entre as grades da minha janela tento ver algo para mim inspirar mais tudo está escuro, mais nada como ver uma bela noite de luar. Vou tentar me inspirar contando as estrelas, uma, duas, três... e lá estou contando sem parar mais como terminar de contar se uma nuvem escura esta a se aproximar... corro pra dentro de casa para da chuva me esconder, medo de me molhar não, apenas uma forma de fugir como sempre fugo de tudo mais, olha ela lá aparecendo bem devagar... chegou minha fonte de obras que vão ser reconhecidas...

Raquel veríssimo

Os olhos tristes daquele moço lá na esquina me traz à tona todos os momentos triste em que precisei sentar na calçada. O pior de tudo, me faz lembrar dos motivos pelos quais precisei sentar na calçada suplicando um pouco de afeição.
Ele está imerso em uma tristeza sem fim. Pobre menino, qual moça fizeste isso com teu coração? O que lhe faltastes? Dá vontade de dá colo pra esse rapaz, dá vontade de fazê-lo deitar no colo e pedir apenas que chore, chore! Belita diz que o choro pode lavar a alma, quantas vezes já lavei a minha, e em muitas vezes nem tive um colo, nem aconchego, apenas a calçada.
Talvez o menino precise de estar só, talvez o menino queira estar só. Vai que ele quer se perpetuar nisso, nessa tristeza, vai que ele nem encontre fim nisso.
Mas vai que ele também precise de um novo amor, uma nova aventura, de alegrias de amigos.
Vai que ele precisa de mim.

Belatrix Veríssimo

Estive pensando na fúria cega com que os homens se atiram à caça do dinheiro. É essa a causa principal dos dramas, das injustiças, da incompreensão da nossa época. Eles esquecem o que têm de mais humano e sacrificam o que a vida lhes oferece de melhor: as relações de criatura para criatura. De que serve construir arranha-céus se não há mais almas humanas para morar neles. (...) É indispensável trabalhar, pois um mundo de criaturas passivas seria também triste e sem beleza. Precisamos, entretanto, dar um sentido humano às nossas construções. E quando o amor ao dinheiro, ao sucesso nos estiver deixando cegos, saibamos fazer pausas para olhar os lírios do campo e as aves do céu.
(Olhai os Lírios do Campo)

Érico Veríssimo

"O crânio do operário estava todo esfacelado, seu rosto absolutamente irreconhecível. (...)
– Mandem tocar de novo as máquinas – disse o gerente. – Não podemos ficar parados. Tempo é ouro.
Ouro... Por que era que os homens não se esqueciam nunca do ouro? Ouro lhe lembrava outra palavra: sangue. Tempo também era sangue. Ouro se fazia com sangue."
(Olhai os lírios do campo)

Érico Veríssimo

Eugênio ouviu os mexericos sem se perturbar. Limitou-se a sorrir e depois que ficou a sós não pode deixar de se perguntar a si mesmo como lhe fora possível encarar os fatos duma maneira tão desligada, tão superior e serena? Se lhe tivessem contado aquelas infâmias em outro tempo, ele teria sentido dor física, teria ficado num estado de absoluta prostração, numa angústia que se prolongaria durante dias e dias. Os homens eram perversos – concluiu ele. Mas depois se corrigiu: – Havia homens muito perversos. Não bastariam as misérias reais da vida, aquelas de que ele tinha todos os dias dolorosas amostras na sua clínica? Algumas pessoas acham um prazer depravado em inventar misérias. Como podia uma criatura de alma limpa andar pelos caminhos da vida? Lembrou-se das palavras de Olívia numa de suas cartas. Tu uma vez comparaste a vida a um transatlântico, e te perguntaste a ti mesmo: ‘Estarei fazendo uma viagem agradável?’. Mas eu te asseguro que o mais decente seria perguntar: Estarei sendo um bom companheiro de viagem?’ Realmente, os homens em geral eram maus companheiros de viagem. Apesar da imensidão e das incertezas do mar, apesar do perigo das tempestades, do raio e da fragilidade do navio, eles ainda se obstinavam em serem inimigos uns dos outros. O sensato seria que se unissem em uma atitude de defesa e que se trocassem gentilezas a fim de que a viagem fosse mais agradável para todos.

(Olhai os Lírios do Campo)

Érico Veríssimo

Se naquele instante – refletiu Eugênio – caísse na Terra um habitante de Marte, havia de ficar embasbacado ao verificar que num dia tão maravilhosamente belo e macio, de sol tão dourado, os homens em sua maioria estavam metidos em escritórios, oficinas, fábricas... e se perguntasse a qualquer um deles: ‘Homem, porque trabalhas com tanta fúria durante todas as horas de sol?’ – ouviria esta resposta singular: ‘Para ganhar a vida.’ E no entanto a vida ali estava a se oferecer toda, numa gratuidade milagrosa. Os homens viviam tão ofuscados por desejos ambiciosos que nem sequer davam por ela. Nem com todas as conquistas da inteligência tinham descoberto um meio de trabalhar menos e viver mais. Agitavam-se na terra e não se conheciam uns aos outros, não se amavam como deviam. A competição os transformava em inimigos.
(Olhai os Lírios do Campo)

Érico Veríssimo

“Nasciam em Antares os boatos mais desencontrados. Ora, um boato é uma espécie de enjeitadinho que aparece à soleira duma porta, num canto de muro ou mesmo no meio duma rua ou duma calçada, ali abandonado não se sabe por quem; em suma, um recém-nascido de genitores ignorados. Um popular acha-o engraçadinho ou monstruoso, toma-o nos braços, nina-o, passa-o depois ao primeiro conhecido que encontra, o qual por sua vez entrega o inocente ao cuidado de outro ou outros, e assim o bastardinho vai sendo amamentado de seio em seio ou, melhor, de imaginação em imaginação, e em poucos minutos cresce, fica adulto – tão substancial e dramático é o leite da fantasia popular –, começa a caminhar com as próprias pernas, a falar com a própria voz e, perdida a inocência, a pensar com a própria cabeça desvairada, e há um momento em que se transforma num gigante, maior que os mais altos edifícios da cidade, causando temores e até pânico entre a população, apavorando até mesmo aquele que inadvertidamente o gerou.” (p. 127-8)

VERISSIMO, Erico. Incidente em Antares. São Paulo: Cia. das Letras. (2006)

Érico Veríssimo

Nossa alma tem estranhas veredas.

Podemos ouvir ou ler, chocados em maior ou menor grau, a notícia de um massacre de crianças e esquecer o fato no instante seguinte, continuando a viver como se nada tivesse acontecido.

No entanto, se na rua um amigo estimado nos nega o cumprimento, voltamos para casa abalados e passamos uma noite insone, a nos revolver na cama e pensar no "fato" com uma impressão de catástrofe.

Érico Veríssimo

Luís Fernando Veríssimo diz que : “Os tristes acham que o vento geme, os alegres acham que ele canta”.Tem dias que estamos assim, ouvindo o choro dos ventos. Nesses dias precisamos de um ombro amigo, de um afago, de um aperto de mão...Quando isto acontece, o melhor caminho é superar sozinho.

Prof Lourdes Duarte

O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma banda. A mulher precisa de um motivo para trair, o homem precisa de uma mulher.

A. Jabor

“Estes pensamentos
Estão me levando à loucura
Eu tento encontrar uma Pessoa que me trate bem
Eu poderia ficar com uma diferente toda noite
Mas nenhuma poderá fazer os meus sonhos virarem realidade
Não é como se eu não fosse sonhar
Se não tivesse me mostrado como
Não é como se eu não fosse lutar
Se eu não soubesse da vida
Não é como se eu não fosse aguentar
Uma garota tão difícil de encontrar
Só porque espero por você.”

Henrique Costa Verissimo

Não desanime, quando tudo parece desfavorável.
Não perca a esperança, quando a luz parece se apagar.
Não desista do futuro, quando o passado parece tão vivo.
Não pense que você não é amada, quando apenas um a trata mal.
Siga sempre em frente, para o futuro em que acredita.
Nunca abaixe a cabeça para aquele que tenta de levar para baixo
Não enlouqueça com esses pensamentos
O mundo nunca para de girar
E você merece toda a felicidade
Em momento algum vou deixar você sozinha
Sempre que possível estarei perto de você
Não se sinta sozinha
Deus sempre esta a olhar por nós
Eu vou estar sempre a olhar por você
Assim declaro meu amor galante
Que apenas é superado pela amiga
Que nunca quero abandonar!

Henrique Costa Verissimo

“Afogando, profundamente na memória,
Como uma entidade sem alma.
‘Já não sei se é saudade ou costume de pensar em você’,
Que me envolve com serenidade.
O tempo levado pelo acaso,
Nossa viagem é desconhecida.
Mas,
Leve-me embora esses anos de dor,
Moldado de medo por dentro.
Cure-me as cicatrizes de inocência,
Abra meus olhos para um novo mundo.
Afogado em discórdia,
Seco de impregnação.
Frágil e Desorientado, meus mundos divididos.
Que noite interminável,
Acordei com o som da chuva,
O vento sussurrava o seu nome [...],
Eu queria ouvir você dizer,
Eu lembro de você.”

Henrique Costa Verissimo