Crônicas do Cotidiano

Cerca de 140 cronicas Crônicas do Cotidiano

Um Bonde Chamado seu Beijo


Quem encobrirá meu sono?
Beijará quem minhas costas no cotidiano?
Quem, no meio do frio, me cobrirá com lindas orelhas
e me dirá palavras indecentes nos ouvidos?
Quem, atrevido, me acordará com o ponteiro em riste
como um pássaro que não quer tudo
apenas o céu, a gaiola, o alpiste?
Quem que, quando eu dormisse, por mim zelasse
e eu, quando acordasse, lhe fizesse iogurtes brejeiros
massagens nos pés, cumplicidades de enlace?
Quem me agarrará por trás quando eu sair cheirosa do banho
e terá orgulho de eu ser guerreira e perfumada ao mesmo tempo?
Quem em bom senso dirá que muito me assanho
quem orientará a guerrilha diária a que me proponho
quem será inteligente e gostoso a meu lado como está no meu sonho?
Quem, a quem me disponho a cozinhar e fazer versos
quem racional e perverso cochichará nos tímpanos da minha alma
a doce ordem, a venal palavra: Calma?
Quem com sua alma me mostrará um mar vertical?
Quem, meu igual, me apontará andores reais, sem excesso de glacê no bolo
Com determinação de touro e a nobreza de poder ser banal?
Quem, coisa e tal, me beijará a boca e me enfiará as mãos
por debaixo da barra do segredo do vestido
e um dia passeará comigo no segredo contido na Barra do Jucu?
Quem, senão tu que eu elejo, eu planejo, pode habitar o lugar
a suíte que há tanto tenho reservado?
Quem, encomendado, pode me manter na confiança dos edredons
enquanto não chega?
Quem, com certeza, me visitará num outubourbon no gume da lira
de eu ser égua, cadela, mulher e sua?
Quem sobre mim sua, pinga, chove?
Quem que com lucidez resolve o abismo simples de prever o risco de sonhar
pra nele mesmo cair, rir
e se embolar?
Quem me dará a idéia de conceber a saudade no sentido tático
quem, não estático, de longe me fará cometer poemas de meia-noite?
Quem, sem favor, me estende o braço com rosas na mão
com explicação pro meu calor?
Quem, senão meu doido bondinho
meus olhos acesinhos, meu comedor...
Meu triz, meu risco
meu cristo redentor?

Elisa Lucinda

EXIGÊNCIAS DA VIDA MODERNA

Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro.
E uma banana pelo potássio.
E também uma laranja pela vitamina C. Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.
Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão). Cada dia uma Aspirina, previne infarto. Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso. Um copo de cerveja, para... não lembro bem para o que, mas faz bem. O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.
Todos os dias deve-se comer fibra. Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente para fazer um pulôver.
Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente. E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia...
E não esqueça de escovar os dentes depois de comer. Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax. Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.
Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma.
Sobram três, desde que você não pegue trânsito. As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).
E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando.
Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.
Ah! E o sexo! Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina. Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução. Isso leva tempo - e nem estou falando de sexo tântrico.
Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação. Na minha conta são 29 horas por dia.
A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo! Por exemplo, tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes. Chame os amigos junto com os seus pais. Beba o vinho, coma a maçã e a banana junto com a sua mulher... na sua cama.
Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se sobrarem 5 minutos, uma colherada de leite de magnésio.
Agora tenho que ir.
É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro.
E já que vou, levo um jornal... Tchau!
Viva a vida com bom humor!!!

Desconhecido

Um amor de verdade

É aquele que surpreende com seu carinho cotidiano e matutino.
Ele sempre me acorda com beijos e abraços bem apertados, como se quisessem dizer algo além do alcance de suas palavras.

É aquele que liga pro que eu sinto, pro que eu penso, pro que eu quero, e me liga várias vezes no dia, pra dizer que me ama, pra saber se já almocei, pra saber se está tudo bem, e outras vezes, quando vem de mansinho, eu já sei que é pra me pedir favores.

Favores esses nem sempre dignos de serem feitos, mas com aquele jeitinho que só ele sabe, convence qualquer um de satisfazer suas vontades, muitas delas, vaidades.

É aquele que enlouquece com sua paciência inquietante. Que se esforça para agradar a todos que o cercam, mesmo contra a sua vontade.
É o verdadeiro cavaleiro, jamais conheci outro igual e acho que jamais conhecerei.

Não poupa gentilezas e confortos para me mimar, desde fartar a minha fome de algo novo: um prato diferente, um cheiro inovador, um clima encantador, até o simples fato de saciar minha sede (de água mesmo) pela madrugada.

Ele, sempre presente em todos os momentos da minha vida, desde os mais turbulentos aos mais simples, no entanto, inesquecíveis, desde que ao seu lado.

Ele é sensível, se permite chorar e virar menino nos meus braços, porque sabe que aqui ele vai encontrar todo abrigo necessário para esperar qualquer tempestade passar.

Ele é infinitamente mais do que eu mereço.
É um garoto disfarçado de valente.
É uma carência disfarçada de suficiência.
Simplesmente o amo de verdade!

Monique Frebell

Por que tudo isso faz bem? Porque o cotidiano anda muito monocórdico, as notícias andam muito repetitivas e a natureza pulsante da gente, pouco provocada. Bom lembrar que podemos ser viscerais sem nos rendermos à vulgaridade, ser lascivos através do blues e suas guitarras, e ficarmos excitados sem perder a classe.

Martha Medeiros

A correria do cotidiano nos impede de enxergar alguns milagres que acontecem todos os dias, mas acredite: milagres acontecem. Não é preciso ver a água virando vinho e nem as pedras virando pão. Basta observar o mágico desabrochar das flores, o frescor do vento afagando a nossa pele, ou a pureza da chuva lavando o quintal da nossa casa de toda poeira e desatenção. Esses são pequenos milagres da vida ao alcance da nossa pouca credulidade. Olhe! Deleite-se com os grandes gestos de bondade da mãe natureza. A vida lhe foi dada para que você desfrute com o máximo respeito. Cuide bem dela e trate de ser feliz”.

Renée Venâncio

“Experimentando a Vida: cotidiano, esperanças e sensibilidades”.



Amanhece!
Dia sem sol, coração sem calor
A vida corre como rio sem destino
O vazio preenche o enorme espaço do desatino
É quase um espectro da dor

Passa adiante num tempo perdido
Acelera a pulsação do inconsciente
Corre... corre... vai ao encontro do presente
Sufoca o grito, engole o amargor sentido

Anoitece!
Rosa, vermelho e laranja, quentes como a esperança
Vagas lembranças da luz mesclada ao anoitecer
A noite recarrega as forças do desejo de acontecer
O dia se foi, o amanhã é a explosão de uma nova crença.

Jacqueline Batista

São coisas que eu sei do cotidiano:

São coisas que eu sei:
É bonito o amanhecer
Com os raios de sol
A desenhar formas em nossas manhãs
Mas nem sempre há beleza no cotidiano
A vida real é bela, mas dura
A felicidade não perdura
Saber aproveita-la é lição

São coisas que eu sei:
Há sempre uma dor a sentir
Uma fome a matar
Um problema a resolver
Um pedinte na esquina
Um errante a cumprir sua sina

São coisas que eu sei:
Há poesia, brilho nos olhos, afeição
Há transtornos, filas, amolação
Há flores, há espinhos
Há dores, há carinhos
Há sempre amor a sentir

São coisas que eu sei:
Ante a dureza do cotidiano
Temos que prestar a atenção
Devemos vivê-lo...senti-lo
Mas deixar de sonhar jamais
Pois o sonho é feito de viva emoção

Denise Severgnini

Colégio Público
O cotidiano de um colégio público
É sempre igual
Repetitivo, monótono
Paradoxal

Aquela briga logo após o último sinal
Sempre se inicia por um motivo banal
A cobiça do namoradinho alheio
Ou uma desavença no futsal

É intervalo, e no sanguão,
A galera se senta
É hora da refeição
Arroz com ovo ou polenta
O bom mesmo é mingau
Mas aí a fila é bem lenta

A cancha, pequena e ensolarada
É o palco do Show da mulecada
Dribles, gols, arremessos e saques
É no esporte que surgem os destaques

Algumas meninas, ainda menores de idade
Logo cedo se deparam com a maternidade

Muitos, mal concluem o ensino médio
Saem por aí, pixando a parede dos prédios

Poucos sabem o nome da bibliotecária
Poucos pensam em seguir carreira universitária

O que fica é amizade
Aqueles que a gente nunca esquece
Algum ainda se vê, outro desaparece

O cotidiano de um colégio público
É sempre igual
Repetitivo, monótono, e,
Paradoxal.

Guilherme Serafim

Cotidiano

"Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã"


Vejo pessoas com o passo pesado, como se fossem a um matadouro. Carros correm na avenida, e com a expressão que não tem nada em mente. Jà não venta mais. O sol aparece timidamente e tenho a impressão que as flores espreguiçam com seu toque.

Todos os dias, "tudo sempre igual".Quisera fazer difernte. Quisera sair cumprimentando as pessoas na rua sem ser vista como louca. Pintar o cabelo de azul, usar roupa estilo matrix, maquiagem de Halle Berry em Catwoman e ser diferente... nem que fosse por alguns minutos, apenas para dizer que não precisamos seguir a vida como uma regra. Que podemos acordar sorrindo e sair cumprimentando as pessoas na rua com um sorriso. Que podemos sentar atrás do volante sem pressa, pois ainda assim é possível chegar lá.

Hoje acordei e disse bom dia a minha porta! e continuo ouvindo Capital Inicial: "se um dia eu pudesse ter meu passado inteiro" com certeza teria usado menos o controle remoto (do filme clic) e grande parte da minha vida não teria passado no piloto automático.Teria dito mais vezes "Eu te amo".

Pensando assim... libere a criança que habita em você, e seja mais feliz também.

Apaixone-se pela vida!!!!

Tamie Angela

Natal
Até chegar o Natal, tudo igual: alegrias, problemas, pressa, cotidiano. Depois festa,sabores,cheiros,beijos, amores,mesa farta,pessoas felizes apesar das cicatrizes. Chegam então os momentos de pausa,reflexão,tomada de decisão. Seremos melhores no próximo ano? Continuaremos cegos e causando dano? Seremos otimistas,solidários,pacifistas? Ou racistas, adversários,egoístas? Desejo a todos uma boa escolha,que o amor guie todos os passos,que sejam muitos os abraços e que a vida retribua com generosidade aos homens de boa vontade.FELIZ NATAL!!!

Dalia Hewia

Dando um tempo do cotidiano, das mesmas caras e sorrisos;
Dando um tempo de você e de seus disparates;
Dando um tempo de tanta hipocrisia e falsidade.
Estou me mudando para o país do fodas;
Onde ninguém liga para o que os outros pensam;
Onde só o que realmente importa é estar bem consigo mesmo.
Isso não é recuar, muito menos amarelar. Pelo contrário, estou fazendo um bem imenso a todos ficando alheio ao que acontece. Poupa-me da “chatice” de opinar e receber olhares tortos. Agora eu estou na fase do “dane-se”. E sinceramente? Nunca me senti melhor.
A monotonia não me é mais útil. E se alguém me julgar pelo meu novo jeito de ser. Responderei com o melhor dos sorrisos: FODAS!!

Priscila Loyola

Tem Coragem

Nas contingências afligentes do cotidiano e ao largo das horas que parecem estacionadas sob a injunção de dores íntimas, extenuantes, que se prolongam, não te deixes estremunhar, nem te arrebentes em blasfêmias alucinadas, com que mais complicarás a situação.

Tempestade alguma, devastadora quão demorada, que não cesse.

Alegria nenhuma, repletada de bênçãos e glórias, que se não acabe.

A saúde perfeita passa; a juventude louçã desaparece; o sorriso largo termina; a algaravia de festa silencia...

Da mesma forma, o aguilhão do infortúnio se arrebenta; a enfermidade se extingue; a miséria muda de lugar; a morte abre as portas da vida em triunfo...

Tudo quanto sucede ao homem constitui-lhe precioso acervo, que o acompanhará na condição de tesouro que poderá investir, conforme as circunstâncias que lhe cumpre enfrentar, ao processo da evolução.

Os que aspiram a fortunas alegam, intimamente, que se as possuíssem mudariam a situação dos que sofrem escassez. No entanto, os grandes magnatas que açambarcam o poder e usufruem da abundância, alucinam-se com os bens, enregelando os sentimentos em relação ao próximo...

Quantos anelam pela saúde, afirmam, no silêncio do coração, as disposições de aplicá-la a benefício geral. Não obstante, os que a desfrutam, quase sempre malbaratam-na nos excessos e leviandades com que a comprometem, desastrados...

O bem deve ser feito como e onde cada qual se encontre.

Em razão disso, as situações e acontecimentos de que se não é responsável, no momento, devem ser enfrentados com serenidade e moderação de atos, por fazerem parte do contexto da vida, a que cada criatura se vincula.

A vida são o conteúdo superior que dela se deve extrair e a forma levada com que se pode retirar-lhe os benefícios.

Um dia sucede o outro, conduzindo as experiências de que se reveste, formando um todo de valores, que programam as futuras injunções para o ser.

Recorre, as situações diversas, aos recursos positivos de que dispões, e aguarda os resultados desse atitude.

Jesus é sempre o exemplo.

Poderia haver liberado todos os enfermos que encontrou pela senda; mas não o fez.

Se quisesse, teria modificado as ocorrências infelizes, que o levaram às supremas humilhações e à cruz; todavia, sequer o intentou.

Conferiria fortuna à pobreza, à mole esfaimada que O buscava, continuamente; todavia, não se preocupou com essa alternativa.

Elegeria para o Seu labor somente homens que O compreendessem e Lhe fossem fiéis, sem temores, nem fraquezas; porém optou pelo grupo de que se cercou.

Modificaria as estruturas sociais e culturais da Sua época; sem embargo, viveu-a em toda a plenitude, demonstrando a importância primacial da experiência interior e não dos valores externos, transitórios.

Apresentar-se-ia em triunfo social, submetendo o reizete que Lhe decidiu a sorte; apesar disso, facultou-se viver sob as condições do momento em plena aridez de sentimentos e escassez de amor entre as criaturas...

Jesus, no entanto, conhecia as razões fundamentais de todos os problemas humanos e a metodologia lenta da evolução; identificava que a emulação pela dor é mais significativa e escutada do que a do amor, sempre preterido; sabia do valor das conquistas superiores do Espírito, em detrimentos das falazes aquisições que se deterioram no túmulo e dissociam os tesouros da alma.

Tem, portanto, coragem e faze como Ele, ante dificuldades e problemas que passarão, armando-te hoje de esperança para o teu amanhã venturoso.

Divaldo P. Franco

Normalidade da vida da gente
faz da gente prisioneiro do cotidiano
e do cotidiano se faz tédio
o tédio que estraga a vontade
encerra os olhos
cala a língua
Normalidade que afeta o paladar
inodora o cheiro.... emudece palavras
Normalidade que sofre
quer se rasgar as roupas
desnudar pensamentos
e inibi-se a alma
fecha-se janelas
e do outro lado continua-se andando
continua-se falando
erra-se no seguinte da vontade
a ação encerra
fecha as portas da normalidade
onde sente-se só
desamparo em meio as vírgulas
em meio aos pontos finais
a ação é o próprio desfecho
nos pontos finais do dia a dia


Renata Nunes
02 de outubro de 2007

renunes

“Triste cotidiano”


O desejo ardente e febril de ser notado por alguém chega a ser um drama de nosso dia a dia.
Pessoas comuns em disputa por uma atenção momentânea, um pedido de socorro para ser notado; uma questão de vida ou morte.
Expomos nossas vidas de maneira inoportuna e desesperada, nossos íntimos segredos falados aos quatro ventos, às vezes dizemos isto e nunca somos percebidos, mas a necessidade desta exposição infundada é maior e não tem preço.
Criamos crianças deseducadas pelos próprios pais, criamos também heróis de botequins; aquele que fala para mais se torna um deus ou coisa assim.
A futilidade se tornou nosso lema, é preferível ser um idiota com a cara enlameada por três segundos na televisão do que ser lembrado por um fato notável que não te levará ao ridículo.
Todos os dias e todas as noites erigimos seres patéticos e damos destaque à seus atos pueris,esta é a nossa necessidade,não importa se a fome assola ou o desemprego se mostra ali,a sobra que temos já satisfaz.
O que queremos é um medíocre barato em nossa televisão paga a duras prestações, assim o assunto em debate está preparado para o outro dia.
Nossa vida é falar da vida alheia, indignar-se com um fato marcante, já torcendo por outro ser ainda mais impactante.
Hoje em dia a desgraça é tratada tal qual um romance e nós; os imbecis tolerantes sem opinião reclusos na nossa estúpida capacidade inoperante.





Assinado por mais um grande Idiota

Marques Bueno

E com uma situação simples , do ‘cotidiano’ eu aprendi uma lição , que levarei para sempre : O que é meu , será sempre meu , independente de qualquer fator .Prender alguém nunca faz bem .O que é meu será meu tendo a maior da liberdade implantada dentro de uma relação.
Eu tinha um pássaro , a cerca de uns 3 anos , e ele não era pra mim como um passarinho comum vivendo dentro de uma gaiola , ele era meu amigo , eu realmente conversava e me entendia com ele , como qualquer pessoa se entende com melhores amigos , ele era minha companhia.
E em uma certa noite eu esqueci a gaiola aberta , e como o previsto ele fugiu , quando eu percebi fiquei realmente triste , tinha perdido um amigo .Minha vovó tentou me consolar me dizendo que pelo menos agora ele estaria feliz solto , livre.
Pensei nisso e doeu menos , porem ainda doía ainda fiquei chateado , foi dormir pensando nisso , peguei no nosso com lagrimas no travesseiro .
Uma surpresa ,no dia seguinte a gaiola estava aberta e ele estava dentro , meu cérebro não acreditou no que meu cérebro via.
A partir daquele momento eu compreendi algo que usarei para o resto da minha vida.
Verdadeiras amizades não são destruídas , se elas forem verdadeiras , serão reconstruídas!
Amores nunca nos abandonam se forem verdadeiros.
Nada que é seu precisa ser preso , se pertence a você ! Deixe o livre para pode ir embora , deixe o livro para que pessoas o conhecerão , porque quando for realmente seu , nada mudara o sentimento existente!

Rafaela Ap Romano

O TEU SORRISO


Sonhar contigo é sempre um começo,
Que se refaz no cotidiano amoroso,
Pulsando em novos caminhos de paz,
É algo que mexe com o meu destino.

Antecipo mais esse carinho e meiguice,
Que ventila e bate no meu coração,
Quando falo contigo tudo é emoção,
Embebendo no entusiasmo da alma.

E quando te vejo e observo o belo rosto,
Tudo muda e meu amor é constante,
Na virada de minutos, sobressai o riso,
Da minha Nina que aparece em instantes.

Erasmo Shallkytton

O ACASO
.
O acaso mudou meu caminho
Seguia meu cotidiano calma e feliz
Acreditando que tudo o que sentia
fosse o máximo de felicidade.
.
O acaso mudou meus planos
um sorriso não me bastava
uma palavra não mais me fazia feliz.

Acreditei que pudesse ir além,
muito além!
.
Então, segurei tuas mãos
não para que eu fosse,
mas para que você me levasse.
Descobri que a felicidade
por maior que fosse,
sem você não era felicidade.
.
O acaso me fez voltar
Encontrei, busquei,
realizei e cheguei.
Onde qualquer momento
era um momento feliz.
Qualquer instante era um
instante feliz.
O meu instante era você!
.
Fátima Merigue de Mendonça
(2001)

Fátima Merigue de Mendonça

A imaturidade já faz parte do cotidiano. Acostumar-nos com isso já aparenta ser uma consequência. Trágico, mas a sociedade já está saturada com a infantilidade dos ''fodões'' parados no tempo.
Mas vamos nos abster, claro, mesmo sabendo que muitos tentam e fracassam.
É uma pena, seremos lembrados como a geração vilã do desenvolvimento intelectual.

Filipe OMB

A promessa que recebera de um coração sincero o enchia de entusiasmo e o seu cotidiano lhe era sombra. Um seguimento diário trazido da alegria necessária para que ele pudesse sentar-se à mesa e tomar seu café tranqüilo, e estando em encantado pelas belas palavras, até o sabor da margarina era satisfatório, pobre homem, a promessa lhe cegara os olhos e por mais que se esforçasse seu radar de sentimentos não captava a mentira, o veneno.
O homem não sabia que: “Promessas possuem poderes. Promessas são correntes fortíssimas, que ditas em tempos e períodos oportunos garantem fidelidade dos ouvidos da alma que as ouvem.” Mesmo assim, seguia sua vida, sua rotina, sua paixão pelas palavras cativantes que recebera de um coração sincero. O veneno o consumia aos pouco, a cegueira era seu alimento.

Rafael Jenuino

HETEROGÊNEA PARTILHA



Alicerces que nada dizem.
Sombrios, frios e mortos
Cenário cotidiano,
Metrópole de investimentos.

Aglomerados de madeira e pedra,
Brusca floresta petrificada.
Edificações de contraste inerte
Presa na monotonia.

Encobrindo divisas humanas,
Esperam substituição de figuração
Arquitetura moderna, arrojada.
Na arrogância de representar.

Compõem a paisagem da cidade,
Amontoados de um mesmo afim.
Préstimo indispensável
Que o tempo desgasta.

São compostos de concreto e carne,
Respondendo à necessidade humana.
Um teto, um habitat,
Heterogênea partilha.

Iara Ladvig Budelon