Crônica sobre Política

Cerca de 202 crônica sobre Política

Somente quem tem a vocação da política terá certeza de não desmoronar quando o mundo, do seu ponto de vista, for demasiado estúpido ou demasiado mesquinho para o que ele deseja oferecer. Somente quem, frente a todas as dificuldades, pode dizer "Apesar de tudo!" tem a vocação para a política.

Max Weber

Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Essa minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e pôr-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana.

Bakunin

A canção Imagine, que diz, 'Imagine que não há mais religião, não mais países, não mais política...' é virtualmente o Manifesto Comunista... Hoje Imagine é um grande sucesso em quase todo lugar. Uma canção anti-religiosa, anti-convencional, anti-capitalista, mas porque ela é suave é aceita.

John Lennon

Em máteria de crença religiosa, política ou moral, toda contestação é inútil. Discutir racionalmente com outrém uma opinião de origem afetiva ou mística só terá como resultado exaltá-lo. Discuti-la consigo mesmo também não a abala, salvo quando ela chegou a um grau de enfraqueciemnto tal que a sua força inteiramente se dissiopou.

Gustave Le Bon

É PRECISO SABER DESLIGAR

Esqueça o trânsito caótico, a urucubaca política, o tal balancete no final do ano. Deixe de lado a cobrança interna, a dívida externa, a tão eterna dúvida. Viver é assim. Não há como negar. Para ficar ligado é preciso saber desligar. Fácil? Nem tanto. Descobrir qual é o seu tempo é tarefa nobre: exige um grande conhecimento sobre si mesmo. Portanto, esqueça o relógio. Seu tempo está dentro de você. Chega de viver com a ansiedade no colo e o celular na mão. Não deixe a agenda ocupar ? sem querer - o lugar do coração. Respeite sua hora. Desacelere. TURN OFF. Mais do que correr, é preciso saber parar. Não adianta viver no piloto-automático e deixar de sorrir. Nem tirar folga e levar uma enorme culpa dentro da mala. O mundo lá fora exige produtividade e imediatismo. Aqui dentro, corpo e alma pedem menos, muito menos. Como fazer, então, para conciliar tempos tão diferentes? A resposta não está em livros. Mas dentro de cada um. Quer tentar? Respire fundo. Desencane. Perca seu tempo com você!É uma responsabilidade enorme desconectar-se, eu sei. Mas vida ao vivo é pra quem tem coragem. Coragem de arriscar. Cuidado em saber a hora certa de parar. Difícil? Pode ser. É um exercício diário que exige confiança e um amor incondicional por tudo o que somos e acreditamos. Uma aceitação suave dos próprios defeitos, um rir de si mesmo, um desaprender contínuo, um aprender sem fim sobre o que queremos da vida. Não importa se tudo parecer errado e o mundo virar a cara para você. Esqueça. Se esqueça. Hora de se perdoar. RENASÇA. Eu sei pouca coisa da vida, mas uma frase eu sigo à risca: é preciso respeitar o próprio tempo. E eu respeito! Acredito no que diz o silêncio na hora em que a mente cala. E meu silêncio - que não é mudo e também escreve - dita com voz desafiante: confie em si mesma. Quebre a rigidez. Ouse. Brinque. Viva com mais leveza. E - por favor - desligue-se. Só assim você vai transformar vida em letra e letra em vida. E ter coragem e fôlego pra ser VOCÊ, no momento em que o mundo te atropelar sem licença e disser: CHEGOU A HORA!

Fernanda Mello

Isso é uma obra de ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.


Livro de história, ano 2312.

O mundo ocidental, no final do seculo XX e até meados do século XXI, se dividia entre dois sistemas de poder, demoanoteros (ανώτερος, povos superiores) e demomiuse (μείωση, povos inferiores).
Os paises com o sistema demoanoteros e demomiuse tinham bases de funcionamento semelhantes,que serão descritas a baixo.
Os lideres, atualmente denominado como demosparasitus(1), eram escolhidos por voto popular com o objetivo de gerenciar as vultuosas somas arrecadadas por meio de impostos.
Principais diferenças entre demoanoteros e demomiuse:
No sistema demoanoteros os demosparasitus eram obrigados a gerenciar somas vultuosas em benefícios diretos a população. Estes investimentos diretos eram basicamente pagamento de salários condignos ao sistema publico de saúde e educação (era considerada pelos demosparasitus, em ambos os sistemas, como um grande desperdício de verbas públicas uma vez que não era possível desviar dinheiro desta massa monetária). Os povos do sistema demoanoteros fiscalizavam e penalizavam severamente os demosparasitus que não cumprisse esta clausula.
No sistema demomiuse os demosparasitus faziam um investimento minimo nestes setores de forma a reservar recursos a serem investidos em gastos que envolvessem a contratação de serviços e compra de equipamentos. (Neste sistema as empresas que prestavam serviços e vendiam equipamentos ao estado eram de um único tipo, eram empresas criadas pelos demosparasitus, as empresas eram constituídas em nome de pessoas que demosparasitus tinha total confiança). Estes povos tinham, em sua maioria, uma densidade critica muito pobre e pagavam caro por isso, sem mesmo saber porque.

Demosparasitus: Individuo fraco, com personalidade dupla, desprovido de caráter, pessoa que não teve competência em sua atividade profissional, tecnicamente falido, que optou pelo parasitismo social.
Em meados do seculo XXII foi descoberto o gene responsável pela demoparasitiase, denominado gene Parasitus.
atualmente todas as crianças, ao nascer, são vacinadas contra
este mal, que felizmente foi erradicado do mundo civilizado.

Sobre os povos menos desenvolvidos, recai uma dúvida na historia que nunca ficou muito bem esclarecida que é a seguinte: ou a maioria dos indivíduos inteligentes possuíam um gene que lhes protegia da demosparasiase ou a mídia pertencia em bloco ao grupo demosparasitus ou a mídia era desprovida de inteligencia, pois quando os demosparasitus entravam em conflito entre eles, havia troca de empresas fornecedoras do estado, passava a ser outra empresa de um outro sub-grupo de demosparasitus , nestes conflitos era criado um esquema de denuncia, para que o parasita perdedor deixasse de fornecer mercadorias e serviços ao estado, e fosse substituída por outra empresa predatória do parasita vencedor. A mídia noticiava tudo com se fosse uma grande descoberta, que tinha dois ou três indivíduos roubando recursos públicos. Ao invés de noticiar que estava havendo uma troca de bando.


Pagina 171.

Toesa hospital universitario corrupção politica cofres publicos

As pessoas que, desgostosas e decepcionadas, não querem ouvir falar em política, recusam-se a participar de atividades sociais que possam ter finalidade ou cunho políticos, afastam-se de tudo quanto lembre atividades políticas, mesmo tais pessoas, com seu isolamento e sua recusa, estão fazendo política, pois estão deixando que as coisas fiquem como estão e, portanto, que a política existente continue tal qual é. A apatia social é, pois, uma forma passiva de fazer política.

Marilena Chaui

A HONESTIDADE RENASCERÁ

Honestidade, raridade deste país de espertezas,
Onde política é escola para ficar rico da noite pro dia,
Onde a miséria é inerente nesse país de riquezas,
Onde se pune a verdade e glorifica a mentira.

O que enobrece a nossa elite é a esperteza,
Incentivando aos nossos jovens que roubar vale a pena.
Honestidade neste país é sinal de pobreza,
De quem não terá nada, de quem se apequena.

País onde a esperteza nem pensa em ser sutil,
Onde a justiça é cega e não vê esses matreiros.
Onde o lixo vira comida nesse rico Brasil,
Pois a miséria e a fome são do povo companheiro.

Por que essa avareza de brigar pelo poder e riqueza?
Por que não dividir as riquezas que a natureza nos dá?
Pois pertence a todos e não a esses imbecis que usam de espertezas.
A honestidade morta não tardará, ainda renascerá...

Luiz Carlos Rodrigues dos Santos

JANEIRO

Enquanto esperava por ela
Passavam crianças empinando pipas
Homens comentando política
Mulheres falando de moda
Cachorros latindo
Mendigos pedindo esmola
Padres rezando
Putas vendendo o corpo
Promessas vendendo a alma.

Enquanto esperava por ela
Crianças viravam adultos
Homens se desiludiam
Mulheres dormiam maltrapilhas
Cães adoeciam
Mendigos morriam de fome
Padres se perdiam de Deus
Putas apodreciam
Promessas entregavam a alma ao demônio.

Enquanto esperava por ela
Adultos envelheciam
Homens morriam
Mulheres também morriam
Cães nem mais existiam
Mendigos jaziam em covas rasas
Padres renegavam a fé
Putas se suicidavam
O demônio sorria.

Um dia, enfim, ela resolveu vir.
Bateu a porta, mas a porta se calou.
Chamou meu nome e o silêncio se fez saber.
Adentrou a casa tateando o escuro
e o escuro não me deu a ela.
Procurou minha cama e a encontrou arrumada.
Vasculhou cômodo por cômodo e,
diante da inexorável ausência,
atordoada,
sentou-se na poltrona empoeirada e,
enquanto revivia lembranças,
eu vagava por onde me fora dado não ser:
agora fazia parte do cosmo.

Carlucho Vitaliano

A política é simples, porem existem políticos que à complicam e decepcionam a moral dela, o Brasil possui 513 deputados federais, centenas de prefeitos e vereadores, governadores, deputados estaduais, senadores, e diversos cargos de confiança, como secretários e ministros nesse sistema político.O certo seria que todos fossem pessoas de bem, honestas, com intenções de melhorar a qualidade de vida de toda populção, que realmente trabalhasem representando o povo que os elegeram, e de maneira responsável e competente administrassem a máquina popular, é necessário entender que os impostos são pagos pelo povo e que esse dinheiro então é público, e o próprio povo de forma democratica elege um representande para governar esse dinheiro em pról da sociedade, assim sendo um prefeito, um governador e o Presidente nacional, os vereadores, deputados estaduais, deputados federais e os senadores também são eleitos para fiscalizarem esse processo e trabalharem em pról da sociedade que os elegeram, o sistema é simples, existe uma cidade, um estado e um país, neles é necessário um líder eleito para administrar de forma honesta essa riqueza para o bem comum de todos, o que acontece é que ao longo dos tempos o sistema não funciona como deve ser e revolta a população por causa de alguns políticos que se corrompem quando chegam ao poder, a ganância pelo dinheiro e a certeza da impunidade são as principais causas, devemos largar de mão a política? não essa é a resposta que devemos dizer, devemos sempre acreditar e desbanalizar esse sistema que é de todos nós cidadãos brasileiro, a mídia relata de forma competente os casos de corrupção, mas de forma irresponsável transmite a informação de maneira que generaliza toda classe política, ela deve sim espor os políticos corruptos para que a justiça faça seu dever e não fazer com que o resto todo dos políticos levem a imagem de alguns infelizes. O engraçado é que de 2 em 2 anos existe eleição para esses cargos políticos e sempre todos candidatos se dizem honestos e cheios de boa vontade para ocupar essa posição de líder, são tantos que realmente fica difícil saber em quem acreditar e depositar a confiança.Vivemos num país rico e mesmo assim um país de 3 mundo, com pobreza, miséria, desigualdade social, falta de saúde pública, educação, saneamento básico, desemprego, violência e diversos outros problemas e parece que nunca diminui, todos os anos que tem eleição os discuros são sempre os mesmos que tudo isso que eu citei agora vai acabar e nunca nem sequer diminui, o que está ha0vendo com os políticos brasileiros? será que não existe líder popular honesto? será que sempre vai existir a praga da corrupção?são perguntas que nos dias de hoje parecem ser respondidadas negativamente.
Eu penso que se o dinheiro é público ele é de todos e não meu, eu não posso me apossar de nada que não me pertence, então é claro que é errado desviar esse dinheiro para enriquecer ilicitamente, eu penso que o sálario pago para os políticos é um salário muito bem pago e que pode se viver com muita dignidade recebendo esse salário e que ter ganância é crime com pena de cadeia, acredito que é necessário prender políticos corruptos e acabar com essa lei de imunidade parlamentar para deputados e que é ridículo o político quando está a instantes de ser descoberto pelos crimes de corrupção renunciar o cargo e nada lhe acontecer e ainda vir ser candidato com a maior cara-de-pau na próxima eleição.
Nem tudo é essa porcaria que eu escrevi sobre política, existem sim políticos honestos que sonham com uma nação orgulhosa de seus representantes, mas eles não são divulgados publicamente pelos canais de comunicação talvez por não vender notícia, a solução pra melhorar a qualidade de vida da nação é que todos os discursos políticos sejam colocados em prática com eficácia e honestidade, pra isso é necessário uma atenção maior da mídia em promover essa mudança, esse espírito de reforma verdadeira no quadro político atual, inspirando novos líderes para serem os políticos de honra e orgulho do Brasil.

Doug

O "Pão e Circo" foi uma política aplicada na Roma Antiga que provia comida e diversão ao povo com o objetivo de desviar sua atenção de questões relevantes que pudessem gerar revoltas populares. Acho que ainda estamos em Roma Antiga. Mas agora os palhaços estão na platéia, alheios à realidade e contemplando no picadeiro seus times no brasileirão, a rivalidade de Rita e Nina, o tchu e o tcha.

Gabriel Kaio

Política se faz conversando e discutindo, não gritando... Política se faz ouvindo e somando, não subtraindo. Crescer na política é fazer simplesmente o que precisa ser feito, deixando com que os beneficiados participem com o sentimento da conquista. O mérito é de quem conquistou com o anseio, esta é a alma da obra.

Jean Carlos Sestrem

-trabalhamos, compramos, vendemos e construímos relações sociais; discorremos sobre política, economia e ciências, mais no fundo somos meninos brincando no teatro da existência, sem poder alcançar sua complexidade. Escrevemos milhões de livros e os armazenamos em imensas bibliotecas, mas somos apenas crianças. Não sabemos quase nada sobre o que somos. somos bilhões de meninos que, por décadas a fio, brincam neste deslumbrante planeta.

Augusto Cury Livro Vendedor de sonhos Pag. 30

FREIRE, Paulo - Resumo
Pensar Certo - A
Desafiar os camaradas e as camaradas significa arrumar pra luta, pôr problemas, estimular, provocar. Não há prática sem TEORIA, nem TEORIA sem prática.
Pensar Certo significa procurar descobrir e entender o que acha descobrir e entender o que está escondido nas coisas, fatos que observamos e analisamos. Exemplo: O mau olhado não é o que está fazendo Pedrinho triste -e
é a verminose- Não será somente BENZEDURAS que devolverá a alegria a Pedrino - mas a ORIENTAÇÃO MÉDICA.
Pensar Certo - B
Descobrir a RAZÃO dos fatos, aprofundar conhecimentos de prática - o direito do POVO numa SOCIEDADE REVOLUCIONÁRIA.
Estudar como DEVER REVOLUCIONÁRIO, PENSAR CERTO, desenvolver curiosidade diante da realidade, ser melhor conhecida, CRIAR, RECRIAR. CRITICAR com JUSTEZA, aceitar críticas construtivas, COMBATER atividades antipopulares são características do HOMEM E DA MULHER - NOVOS.
Os saberes da LEITURA E DA ÓTIMA LITERATURA faz bem e aproveite os RESUMOS. Assim não precisas TWITTAR tal como uns e outros que estão em Portuga e escreve mal pra bedel, ou quem sabe não precisa mostrar tanto as bundas retocadas por programas via computer, enfim LER FAZ TÃO BEM- INDIQUE PARA OS SEUS ERRESHAGARESEMPRESARIAIS -BOAS LEITURAS - BONS LIVROS e jamais subestimem a inteligência de quem real lê e sbe interpretar keituras.

Fá Bindes - Política

Previsão do tempo: Nuvens carregadas de ignorância e corrupção, rajadas de pensamentos preconceituosos com sensação de abafamento. As temperaturas se elevam e apesar das instabilidades não serem exclusivas do Brasil o risco de um furacão na época da Copa do Mundo aumenta principalmente nas cidades sede e regiões metropolitanas.
Vamos ter um clima tenso com focos de incêndios devido ao DILMAtamento na maior parte do País. Uma eventual queda de governo pode ser observada. Não devemos descartar a probabilidade da influência do fenômeno da nova lei que pode limitar direito de manifestação e liberdade de expressão criando uma nova ditadura na zona de convergência política.
- Renato Cervantes apresenta o Jornal Racional -

Renato Broz Lugo Cervantes

POÉTICA POLÍTICA

Poética política
pô! Ética política?
Crítica!

Tu, esquerda ou direita?
Ex-querda, agora direita.
Troca feita.

Nesta troca de partidos,
como fica teu coração?
-Partido que não.

Ano de eleição:
sorriso para foto,
parece prostituição;
tudo por um voto.

Bruno Weber Bopp

A palavra política domina a arte ou ciência da organização, direção
e administração da nação. Ja começamos a ver a contradição do significado
dessa palavra, em um país onde o povo é obrigado a viver debaixo da rataria
de um governo onde a corrupção governa absoluta, onde o dinheiro sujo da
robalheira dos tiranos do poder vem como prioridade em relação a saúde e educação.
Infelizmente é quase utopia acreditar numa nação verdadeira, o povo está ferido
por causa de tanta demagogia e sujeira.
Não esperamos um país perfeito, nós só queremos um Brasil mais humano e que nos dê
respeito.
Já é muito mais muito dificil de acreditar nas propagandas na TV dizendo: "Vote consciente!" ou
nos candidatos X dizendo: "Sou ficha limpa!".
A minha mente é como um porão escuro que guarda cicatrizes de um Brasil corrompido.
No meu peito eu guardo um furo dessa pátria mãe hostil, puta terra que me pariu,
sou filho deste solo óh madrasta gentil, Pátria tão amada Brasil!

Alvinho Ferreira

DIVAGAÇÕES NA BOCA DA URNA

Política é exercício de poder, poder é o exercício do desprezível. Desprezível é tudo aquilo que não colabora para o enriquecimento do humano, mas para a sua (ainda) maior degradação. Como se fosse possível. Pior é que sempre é.
Ah, a grande náusea desses jeitos errados que os homens inventaram para distrair-se da medonha idéia insuportável de que vão morrer, de que Deus talvez não exista, de que procura-se o amor da mesma forma que Aguirre procurava o Eldorado: inutilmente.
Porque você no fundo sabe tão bem quanto eu que, enquanto a jangada precária gira no redemoinho, invadida pelos macacos enlouquecidos, e você gira sozinho dentro da jangada, ao lado da filha morta com quem daria início à primeira dinastia — mesmo assim: com a mão estendida sobre o rio, você julgará ver refletido no lodo das águas o brilho mentiroso das torres de Eldorado. E há também aquela outra política que os homens exercitam entre si. Uma outra espécie de política ainda menor, ainda mais suja, quando o ego de um tenta sobrepor-se ao ego do outro. Quando o último argumento desse um contra aquele outro é: sou eu que mando aqui.
Ah, a grande náusea por esses pequenos poderosos, que ferem e traem e mentem em nome da manutenção de seu ego imensamente medíocre. Porque sem ferir, nem trair, nem mentir, tudo cairia por terra num estalar de dedos. Eu faço assim — clack! — e você desmonta. Eu faço assim — clack! — e você desaparece. Mas você não desmonta nem desaparece: você é que manda, essa ilusão de poder te mantém. Só que você não existe, como não existe nem importa esse mundo onde você se julga senhor, O outro lado, o outro papo, o outro nível — esses, meu caro, você nunca vai saber sequer que existem. Essa a nossa vingança, sem o menor esforço.
Mais nítido, no entanto, que as ruas sujas de cartazes e panfletos, resta um hexagrama das cores do arco-íris suspenso no centro daquele céu ao fundo da rua que vai dar no mar.
É o único rosto vivo em volta, nunca me engano. Chega devagar, pede licença, sorri, pergunta: “E você acha que aqui também é um deserto de almas?” Não preciso nem olhar em volta para dizer que sim, aqui também. E os desertos, você sabe — sabe? — não param nunca de crescer.
Ah, esses vastos desertos em torno das margens do rio lodoso e tão árido que é incapaz de fertilizá-las. Da barca girando no centro do redemoinho, se você estender a mão sobre as águas escuras e erguer bem a cabeça para olhar ao longe, julgará ver as árvores, além do deserto que circunda o rio.
Entre os galhos dessas árvores, macacos tão enlouquecidos quanto aqueles que invadem tua precária jangada, pobre Aguirre, batem-se os humanos perdidos em seus pequenos jogos que supõem grandes. Para sobrepor-se ao ego dos outros, para repetir: sou eu que mando aqui. Para fingir que a morte não existe, e Deus e o amor sim. Pulando de galho em galho, com seus gestos obscenos e gritinhos histéricos, querendo que enlouqueças também. Os dentes arreganhados, os macacos exercitam o poder. Exercitam o desprezível nos escombros da jangada que gira e gira e gira em torno de si mesma, sempre no mesmo ponto inútil, em direção a coisa alguma, enquanto o tempo passa e tudo vira nada.
Do meu apartamento no milésimo andar, bem no centro da ilha de Java, levanto ao máximo o volume do som para que o agudo solo da guitarra mais heavy arrebente todos os tímpanos, inclusive os meus.
O Estado de S. Paulo, 19/11/1986

Caio Fernando Abreu - Pequenas Epifanias

Escreva.
Ás vezes, eu tenho palavras pra falar de tudo. Falo de política, de economia. De meio ambiente, até arrisco falar de amor. Mas quando tenho que falar sobre o MEU amor, é o silêncio que toma conta de mim. Preciso desabafar. Preciso que alguém me ouça, nem que sejam essas linhas de palavras sem sentido. Sinto-me sufocada. Sinto-me presa. Perdida em um labirinto que não tem saída. Perdida num mundo que às vezes não consigo nem me encontrar.

Faço de tudo. Leio livros, faço exercícios, cozinho, saio com as amigas, fico com garotos, durmo. Mas em tudo que eu faço, eu nunca estou sozinha. Nunca. Ele sempre está ali comigo, sempre. Desde o dia em que conheci certo rosto, ele passou a viver dentro de mim, e desde então, é só nele que consigo pensar. Esse amor que me tira o sono, que me tira a atenção, que me corrompe por dentro, passou a fazer parte de mim. Faz tempo que começou, e não durou muito. Por vezes, até penso que é tudo uma grande bobagem, que é coisa da minha imaginação. Penso naqueles amores de filmes, de livros; paixões arrebatadoras, casos amorosos com muitas idas e vindas, com muito fulgor. Amores transcendentes. Tudo muito bonito. E então me lembro do meu amor. Não parece nada com isso tudo. Parece muito mais bobo, muito mais infantil. E por isso, guardo-o só pra mim, com vergonha sim desse sentimento. Mas chega um ponto, em que não consigo mais esconder. Então escrevo. Escrevo para aliviar a dor que sinto no meu peito, para esconder a tristeza que carrego em meu olhar.

Eu amo aquele homem. E isso dói mais do que tudo, ter a certeza absoluta de que o que eu sinto, é amor. Não é só atração, não é só ‘coisa de pele’. Antes fosse isso. Seria muito mais fácil de resolver. Mas não, é complicado. Sempre tive uma facilidade enorme de esquecer as coisas. Quando colocava em minha mente que devia esquecer alguém, eu esquecia e ponto final. Podia até demorar, podia doer muito, mas eu esquecia. Foi sempre assim, e sempre deu certo. Mas dessa vez, minha mente me pregou uma peça. Ela não quis esquecer. Eu não quis esquecer. E isso é o pior de tudo. Eu continuo não querendo esquecer. Por mais que eu saiba que isso tudo não tem futuro algum, que nunca vai dar certo, eu continuo com esse amor dentro de mim.

Eu sou jovem, muito jovem. Falo inglês, escuto MPB, freqüento lugares interessantes, conheço pessoas de todos os tipos. Tenho bom estudo, relaciono-me com pessoas cultas. Viajo. Não sou modelo, mas tenho boa aparência. Tenho uma fome de conhecimento, e estou sempre à procura de coisas novas. Tenho uma vida estável, moro com meus pais, e eles me dão tudo o que preciso. Então, o que eu vejo nele? Ele não é mais velho. É tão jovem quanto eu. É desbocado, fala o que vem na mente, usa um linguajar que minha mãe não me deixaria falar em hipótese alguma. Pra sair de casa, veste a primeira roupa que vê na frente, não se importa tanto com aparência. Não dá a mínima para os estudos. Desleixado. Tem sempre alguma mulher no seu pé. Sempre. É do tipo vigarista de primeira. “Um bom malandro, conquistador, naipe de artista, pique de jogador;” Então me diga, o que eu vejo nele?

Eu vejo no olhar dele um brilho que só ali encontro. Eu vejo um homem, com espírito de menino, com sonhos, com metas, objetivos. Eu vejo um jeitinho que só ele tem de dizer o quão chata e irritante eu sou. Eu sinto nele o melhor cheiro do mundo, eu sinto nos braços dele, a maior segurança que um dia já tive. Eu sinto no beijo dele um fulgor que nunca ninguém antes havia me feito sentir. Eu sinto no toque dele, a paixão mais eloqüente de todas. As palavras sussurradas em meu ouvido me paralisam, fazem com que eu esqueça do mundo lá fora. Ele já sabe como me conquistar. E ele às vezes faz isso sem perceber. Quando canta uma canção, quando me chama de anjo, quando me abraça e diz eu te amo, quando se mostra um cavalheiro. Quando beija minha testa, diz ‘Se cuida, e juízo né?’ Ele sabe ser doce. Na verdade, ele nem é tão vigarista assim. Isso é só uma desculpa que eu dou, e que eu sei que o deixa irritado.

E ele gosta de mim. Eu sinto que ele gosta. Do jeito mais torto possível, mas ele gosta. Antes até que ele não gostasse, tornaria tudo mais fácil, acabaria com essa minha esperança de um futuro que não vem. Quem olha pra mim quando falo dele, vê escrito na minha testa o que sinto. Posso falar mal, posso dizer que nem penso mais, posso mentir pros quatro cantos que ele não significa nada pra mim. Há, mas não adianta. Está estampado no meu sorriso, no brilho do meu olhar ao falar o seu nome.

Aonde isso tudo vai parar? Eu não sei. Mas guardo em mim a esperança de um dia encontrar um final feliz. Talvez não ao lado dele, talvez bem longe daqui, ou quem sabe ainda um dia nossas vidas se cruzem, talvez de um jeito melhor para nós dois. Talvez de um jeito que não machuque tanto. Mas enquanto isso, eu carrego comigo esse amor, que me mantém viva, que me mantém lúcida. Porque apesar de tudo, é bom demais amar.

Sinto-me bem mais leve. Não escrevi isso com a intenção de fazer um texto bonitinho cheio de fru-frus como eu geralmente faço. Escrevi como forma de desabafo. Ás vezes é a melhor coisa a se fazer. E se você está passando pelo mesmo, e não consegue achar uma solução, escreva. Escreva o que sente. Talvez a pessoa que você ame nunca veja isso. Mas você vai saber que ao menos tentou dizer, ou escrever, o que sentia. E alivia um pouco o peso sobre os ombros. Alguém me disse que quando a pessoa sofre, ou passa por um baque muito grande, revela na arte seus sentimentos. Escrever é arte. Nem que seja uma frase num guardanapo. Nem que seja no seu diário, ou na parede do seu quarto. Coloque para fora o que você sente. Se não consegue proferir, coloque tudo no papel. Sinta-se mais leve.

(kety 07/12/07)

Kathlen Heloise Pfiffer

Política rasteira...
A gente percebe a pequenez de algumas pessoas, seja qual for seu sexo, cor, credo, partido político ou mesmo pelo time que ela torce.
Tenho visto muita gente se vangloriar de ter feito o seu trabalho, como se por isso merecesse algum prêmio.
É tão infame aquele que não reconhece o mérito das pessoas de valor, como os que se vangloriam de cumprir com as obrigações, Já os incompetentes que vão de carona, os famosos puxa-sacos, esses tem orgasmos virtuais e mostram seus espasmos no Facebook

Marinho Guzman