Crônica Humorística Nelson Rodrigues

Cerca de 16 cronica Crônica Humorística Nelson Rodrigues

“Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzisses, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam.”

Nelson Rodrigues

Para qualquer um, a camisa vale tanto quanto uma gravata. Não para o Flamengo. Para o Flamengo a camisa é tudo. Já tem acontecido várias vezes o seguinte:- quando o time não dá nada, a camisa é içada, desfraldada, por invisíveis mãos. Adversários, juízes, bandeirinhas, tremem, então, intimidados, acovardados, batidos. Há de chegar talvez o dia em que o Flamengo não precisará de jogadores, nem de técnicos, nem de nada. Bastará à camisa, aberta no arco. E diante do furor impotente do adversário, a camisa rubro-negra será uma bastilha inexpugnável.

Nelson Rodrigues

"Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzisses, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam."

Nelson Rodrigues

“Eu sou um anticomunista que se declara anticomunista. Geralmente, o anticomunista diz que não é. Mas eu sou e confesso. E por quê? Porque a experiência comunista inventou a antipessoa, o anti-homem. Conhecíamos o canalha, o mentiroso. Mas, todos os pulhas de todos os tempos e de todos os idiomas, ainda assim, homens. O comunismo, porém, inventou alguém que não é homem. Para o comunista, o que nós chamamos de dignidade é um preconceito burguês. Para o comunista, o pequeno burguês é um idiota absoluto justamente porque tem escrúpulos”,

Entrevista à VEJA em 1969

Nelson Rodrigues

“O Marx é uma besta”.

“O brasileiro é um feriado”.

“O Brasil é um elefante geográfico. Falta-lhe, porém, um rajá, isto é, um líder que o monte”.

“Sou a maior velhice da América Latina. Já me confessei uma múmia, com todos os achaques das múmias”.

“Toda oração é linda. Duas mãos postas são sempre tocantes, ainda que rezem pelo vampiro de Dusseldorf”.

“O grande acontecimento do século foi a ascensão espantosa e fulminante do idiota”

“Na vida, o importante é fracassar”

“A Europa é uma burrice aparelhada de museus”.

“Hoje, a reportagem de polícia está mais árida do que uma paisagem lunar. O repórter mente pouco, mente cada vez menos”.

“Daqui a duzentos anos, os historiadores vão chamar este final de século de ”a mais cínica das épocas”.

"O cinismo escorre por toda parte, como a água das paredes infiltradas”.

“Sexo é para operário”.

“O socialismo ficará como um pesadelo humorístico da História”.

“Subdesenvolvimento não se improvisa. É obra de séculos”.

“As grandes convivências estão a um milímetro do tédio”.

“Todo tímido é candidato a um crime sexual”.

“Todas as vaias são boas, inclusive as más”.

“O presidente que deixa o poder passa a ser,
automaticamente, um chato”

“Não gosto de minha voz. Eu a tenho sob protesto. Há, entre mim e minha voz, uma incompatibilidade irreversível”.

“Sou um suburbano. Acho que a vida é mais profunda depois da praça Saenz Peña. O único lugar onde ainda há o suicídio por amor, onde ainda se morre e se mata por amor, é na Zona Norte”.

“O adulto não existe. O homem é um menino perene”.

"Não vou para o inferno, mas não tenho asas"

"O óbvio também é filho de Deus."

"O dinheiro compra até amor sincero"

Nelson Rodrigues

"Nas situações de rotina, um `pó-de-arroz' pode ficar em casa abanando-se com a Revista do Rádio. Mas quando o Fluminense precisa de número, acontece o suave milagre: os tricolores vivos, doentes e mortos aparecem. Os vivos saem de suas casas, os doentes de suas camas e os mortos de suas tumbas."

Nelson Rodrigues

"O ser humano é cego para os próprios defeitos. Jamais um vilão do cinema mudo proclamou-se vilão. Nem o idiota se diz idiota. Os defeitos existem dentro de nós, ativos e militantes, mas inconfessos. Nunca vi um sujeito vir à boca de cena e anunciar, de testa erguida: - Senhoras e senhores, eu sou um canalha."

Nelson Rodrigues

Poucas instituições serão tão abrangentemente nacionais quanto o Flamengo - a Igreja Católica, sem dúvida, é uma delas, e, talvez o jogo do bicho. E olha que o Flamengo não promete a vida eterna e nem o enriquecimento fácil. Ao contrário, às vezes mata de enfarte e, quase sempre, só dá despesa. Mas uma coisa ele tem em comum com a religião e o bicho: a Fé!
Por onde vai, o Rubro-Negro arrasta multidões fanatizadas. Há quem morra com o seu nome gravado no coração, a ponta de canivete. O Flamengo tornou-se uma força da natureza e, repito, no Flamengo venta, chove, troveja, relampeja.
Cada brasileiro, vivo ou morto já foi Flamengo por um instante ou por um dia."

Nelson Rodrigues (torcedor do Fluminense)

Se Nelson Rodrigues sentia-se como o menino
que via o amor pelo buraco da fechadura
Eu me sinto como aquela dona de casa
que lava a gola da camisa do marido manchada de batom
enquanto o verdureiro traz banana pra ela fazer doce
O amor ainda me fascina feito garoto safado
que esconde suas revistinhas embaixo da última gaveta

Josane Hodniki

Acostumado com Romeu e Julieta,
com histórias de Nelson Rodrigues,
amores impossíveis, intensidades terríveis...
Parece que se não passarmos por isso uma vez na vida, não saberemos o que é o amor.
Isso é porque a infelicidade é rotina, a gente vê pessoas sofrendo por amor em toda esquina.
Mas não se deixe levar por essa onda... Se foque na busca por compatibilidade, pode ter certeza que você encontra.

Giovana Mesquita

O bom futebol, uma quarta de Nelson Rodrigues.

As páginas do livro se abriram, as cortinas solitárias estavam por dilacerar. O futebol anteontem foi digno da literatura de Baudelaire, digno das crônicas de Nelson Rodrigues. Armando Nogueira parecia querer ressuscitar para contemplar o desempenho tático do Atlético de Madrid, e analisar, se possível, a raça muito mais que emblemática do tradicional San Lorenzo da Argentina.

O primeiro, comandado por Simeone, visava sua conduta individual em prol da coletiva. Um 4-3-3 que se propagava em 4-5-1. As subidas de dois em dois, e um volante na sobra caso houvesse contra ataque por parte do adversário; foi algo tão monumental, quanto o estádio do River.

Nos 3 x 0 do time do Papa contra o implume das Américas, Botafogo. A palavra emoção teve importância relativa. A equipe Argentina que ao certo não estabelecia nada semelhante a um fulgor tático. Supriu com raça, alma, e com o monstro que foi sua torcida. O jogo ora se resolvia, ora não. O épico Lorenzo dependia do outro jogo do grupo; partida que por sua vez teimava em não concretizar um placar. Mas ao fim, a merecida classificação. Bem como merecida, a do Atlético de Madrid. Foi uma quarta de poesia, de bom futebol, da máxima esportiva. Foi uma quarta de Nelson Rodrigues.

danielmuzitano

90% das mulheres são imbecis

Já dizia Vinícius de Moraes, e de certo modo Nelson Rodrigues. Na verdade, ambos escreviam algo cujo estava além dos respectivos tempos, duma respectiva conjunção. Segundo eles, a beleza da mulher tem importância relativa. Posto que a mulher deve ter algo além da venustidade. O que deve de fato estar acima de tudo, é a especificidade da mesma ser interessante.

E o que está por vir? Mulheres que postam fotos seminuas com o escrito: "Eu não mereço ser estuprada". Ou não menos pior, publicam fotos sem maquiagem duelando com outras não menos imbecis que essa. E sobretudo, alegando todas que fazem isso devido a pressão do cotidiano, a fim de serem valorizadas. Pqp, façam-me o favor.

Primeiramente a mulher lutou para alcançar uma vida de similitude se comparadas a nós homens. Em segundo lugar, não seria mais fácil entender o que se passa ao invés de adotar esse tipo de comportamento frívolo, e eu diria até somítico? Quer ser valorizada? Se destaque usufruindo de aspectos que agreguem o saber.

E para elaborar minha consecução hei de citar Safo de Lesbo, quiçá a primeira poetisa da história do mundo como um exemplo de mulher a ser enaltecida: A mulher bela só é bela quando a contemplam. A mulher sábia, é bela mesmo quando ninguém a enxerga. Safo de Lesbo não foi censurada para que mulheres imbecis se sobressaíssem no futuro. E sim, para que a sabedoria fosse antes de tudo, uma mulher.

danielmuzitano

O ignóbil da inocuidade

O adágio de Nelson Rodrigues veio à tona sob o prefixo de minhas concepções. Quando, de forma desatina e magna o dramaturgo padece em constante infinito, suas críticas denotam poesia; vida, realçando o sistema solar.

Mediante a prezada ideia, e de presteza tão absoluta. Podemos execrar Sininhos e Freixos, Dilmas e Marinhos. O anjo pornográfico, assim o mesmo batizado, racontou certa vez que o artista tem que ser gênio para alguns e imbecil para outros. Se puder ser imbecil para todos, melhor ainda.

Num país de cunho religioso, e de têmpera demasiada esquerdista. Nelson é tão atual quanto a mentira: Tal que de tanto, e segundo Dostoiévski, o único privilégio do homem sobre todos os outros animais.

Estamos situados num palácio cujo o ignóbil da inocuidade é sempre o complacente midiático. Ser igual é ser padrão. Uma juventude que assiste ao que assistiu, e não obstante, assistirá também ao Naldo e ao Sorriso Maroto hoje em Copacabana. Nelson nos foi erradicado. Caso não para os poucos que respiram fulgor, são esses acusados de reacionários, ditadores e etc.

A fortificação se faz, ou por seres que pensam que são diferentes, todavia são iguais. Ou por imbecis de ao par sonhadores, mas apenas religiosos que pensam que Deus irá castigá-los. Podem alguns se dirigirem até mim e interrogarem: Por que motivo combate o óbvio quando se pode fazer parte dele? Porque exercendo isso eu seria como a grande e pífia maioria, portanto, morte enquanto vida.

danielmuzitano

“[Até o século XIX,] o idiota era apenas o idiota e como tal se comportava. E o primeiro a saber-se idiota era o próprio idiota. Não tinha ilusões. Julgando-se um inepto nato e hereditário, jamais se atreveu a mover uma palha, ou tirar uma cadeira do lugar. Em 50, 100 ou 200 mil anos, nunca um idiota ousou questionar os valores da vida. Simplesmente, não pensava. Os ‘melhores’ pensavam por ele, sentiam por ele, decidiam por ele. Deve-se a Marx o formidável despertar dos idiotas. Estes descobriram que são em maior número e sentiram a embriaguez da onipotência numérica. E, então, aquele sujeito que, há 500 mil anos, limitava-se a babar na gravata, passou a existir socialmente, economicamente, politicamente, culturalmente etc. Houve, em toda parte, a explosão triunfal dos idiotas” (Nelson Rodrigeus, O reacionário [1], pág. 456)

Nelson Rodrigues

“Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzas, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam.”

Nelson Rodrigues

"'Você é químico?' Não, sou Fluminense, respondi de pronto ao ser abordado por um vizinho que me viu brincando com alguns líquidos de diversas cores. Eu tinha apenas três anos de idade, mas com uma convicção clubística anterior ao meu nascimento, e, quem sabe, anterior ao útero materno".

Nelson Rodrigues Filho