Crime e Castigo

Cerca de 22 frases e pensamentos: Crime e Castigo

Não há no mundo coisa mais difícil do que a sinceridade e mais fácil do que a lisonja.

Dostoievski Crime e Castigo

Mentir com graça, de uma maneira pessoal, é quase melhor que dizer a verdade à maneira de toda a gente.

Dostoievski Crime e Castigo

Aligia-se e irritava-se assim com essas perguntas experimentando também um certo prazer. Aliás, essas perguntas não eram de maneira nenhuma novas, nem repentinas, eram já velhas, dolorosas, antigas. Havia já algum tempo que vinham ferindo-lhe e corroendo-lhe o coração. Muito; havia já muito tempo que se enraizara e crescera nele toda essa tristeza atual; nos últimos tempos se acumularam e reconcentraram, assumindo a forma de uma horrível, bárbara e fantástica interrogação que lhe torturava o coração e a alma, reclamando uma resposta urgente. (...)Era evidente que agora não se tratava de ficar triste, de sofrer passivamente, fazendo apenas apreciações acerca da insolubilidade daqueles problemas, mas de fazer impreterivelmente qualquer coisa, imediatamente, o mais depressa possível. Fosse o que fosse, era preciso tomar uma decisão ou...
"Ou renunciar completamente à vida!", exclamou de repente com raiva. "Aceitar o destino docilmente, tal como é, de uma vez para sempre, e abafar tudo no seu íntimo, renunciando a todo o direito à ação, a viver e a amar!
"Compreende, meu senhor, o senhor compreende o que quer dizer isso de não ter para onde ir?", de repente veio-lhe à memória a pergunta que Marmieládov lhe dirigira na noite anterior. "Porque todo homem precisa de ter algum lugar aonde ir!"

Crime e Castigo

Depois que dera pelo banco, observou à frente dele, a uns vinte passos, uma mulher que passava, à qual, a principio, não deu a mínima atenção, como não dava a nenhuma das coisas que lhe passavam pela frente. Quantas vezes não lhe acontecera ir, por exemplo, para casa, e não se lembrar de maneira nenhuma do caminho que seguira para chegar até lá e pelo qual estava já acostumado a passar! Mas aquela mulher que passava tinha qualquer coisa de estranho, que saltava logo à vista, e, pouco a pouco, lhe foi prendendo a atenção... A princípio, contra a sua vontade e quase com aborrecimento, e, depois, cada vez com mais força. De súbito, sentio o desejo de averiguar concretamente o que teria aquela mulher de estranho. Em primeiro lugar devia ser muito nova; ia sem chapéu, com aquele calor, sem sombrinha e sem luvas, e movia os braços de maneira um pouco grotesca. (...) A mulher não caminhava com firmeza, curvada e cambaleando para um e outro lado. Até que por fim aquela visão acabou por atrair completamente a atenção de Raskólhnikov. Cruzara com a moça junto do banco; mas, quando chegou junto deste, ela se deixou cair numa extremidade, apoiou a cabeça no espaldar e fechou os olhos, dominada por um cansaço visível. (...) Raskólhnikov não se sentou, mas também não decidiu a retirar-se.

Crime e Castigo

Mas onde teria ele ido buscar esses sentimentos? (...) Tal era o vazio que, de súbito, se apoderara do seu coração. Uma infinita solidão e alheiamento se revelava subitamente à sua consciência

Crime e Castigo

Mais tarde perceberás. Não fizeste como eu? Tu também saíste fora do comum... Tiveste essa coragem. Destruíste uma vida... a tua (é tudo a mesma coisa!). Pode viver em espírito e compreensão, mas terminarás no Mercado de Feno... Mas não podes ficar assim, e se continuas só, perdes a razão, como eu, também. Agora pareces uma louca. É preciso portanto que caminhemos juntos, que sigamos pela mesma estrada! Partamos!

Fiodor Dostoievsky Crime e Castigo

Torne-se o sol e todos o avistarão. O dever do sol é existir, ser o que é!

Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévski

Apressou-se a olhar à sua volta, nem sabia a procura de que

Crime e Castigo

- Por que não fazes nada?
- Eu faço...
- O quê?
- Um trabalho...
- Que trabalho?
- Penso.

Fiodor Dostoievski

Acontecem certos encontros com pessoas que desconhecemos inteiramente com quem começamos a nos interessar à primeira vista, como que de repente, súbito, antes que articulemos uma palavra.

Fiodor Dostoievski

Só que é tudo mentira, as ações não geram reações, nem todo crime tem castigo, os bumerangues não voltam para nossa mão, gentileza não obrigatoriamente gera gentileza, na maior parte apenas ingratidão ou uma gorjeta que mal dá para um pingado. Aceite isso. Lide com isso. Eu sei que é o que os livros e os filmes e as propagandas estão tentando nos empurrar, mas ninguém está aqui de brincadeira à procura da felicidade. Estamos apenas fugindo das pequenas humilhações diárias, quando não das grandes. Estamos correndo da nossa incapacidade de conseguir um amor, um bom emprego, ou simplesmente a paciência do cretino buzinando na sua traseira

Gabito Nunes

Naquele tempo eu sempre dizia a mim mesmo “Já que vês a tolice alheia, porque não procuras te mostrar inteligente?”. Mais tarde compreendi que esperarmos que todos se tornem inteligentes é arriscar-nos a perder muito tempo.

Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévski

"Um erro original, vale mais que uma verdade banal. A verdade se encontra sempre, ao passo que a vida pode ser enterrada para sempre"

Fiódor Dostroiévski - Crime e Castigo

"Detesto fingir e mentir. Vale mais a pena a gente se explicar francamente..."

Fiódor Dostroiévski - Crime e Castigo

"Aquele que tem sentimentos sofre reconhecendo o seu erro. É seu castigo, independentemente da prisão."

Fiódor Dostroiévski - Crime e Castigo

‎"Não, a vida não me foi dada senão uma vez, e não quero esperar esta felicidade universal. Antes de tudo eu quero viver, do contrário seria melhor não existir."

Fiódor Dostroiévski - Crime e Castigo

Tudo aquilo aconteceu como costumam acontecer as coisas nos sonhos, ultrapassando as lei da razão, o espaço e o tempo, e ficando tudo limitado àquilo que o nosso coração sonha.

Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévski

“Em Crime e castigo, o escritor russo trata com perfeição uma das questões mais importantes de sua obra: a transgressão das leis morais em busca de uma maior liberdade e as dramáticas conseqüências de essa atitude, refletidas na angústia e no tormento que perseguem Raskólhnikov após o duplo homicídio ? sentimentos que o acompanharão até o final do processo, que culmina com uma pena de sete anos num campo de trabalho da Sibéria. Quando Dostoiévski começou a trabalhar no livro, no verão de 1865, ele estava deprimido e em uma situação financeira difícil devido a dívidas de jogo. Ameaçado por credores, o escritor firmou um contrato nada vantajoso que concedia aos editores inúmeros direitos sobre suas obras seguintes. Em 1866, quando os primeiros capítulos da história começaram a aparecer em periódicos, N. N. Strakhov, um crítico russo do século XIX, observou que o romance era tão poderoso que as pessoas ficavam agitadas ao lê-lo devido à tensão dramática, às descrições fiéis e principalmente às questões morais envolvidas na trama. Há mais de um século críticos buscam enquadrar o romance de Dostoiévski em uma categoria, oscilando em classificá-lo como um romance político, um estudo psicológico ou mesmo um tratado religioso. O certo é que Dostoiévski criou um personagem que é universal, alguém com quem o leitor pode simpatizar, sentir pena e até mesmo se reconhecer - o que fez com que a obra seja cada vez mais lida e apreciada.”

M.Claret

Crime e castigo

Diminuir a idade do criminoso não vai diminuir a quantidade de crimes, é preciso aumentar o castigo para o criminoso, independente da idade

Iaponira Barros