Cooperação

Cerca de 44 frases e pensamentos: Cooperação

A disciplina é mais forte do que o número; a disciplina, isto é, a perfeita cooperação, é um atributo da civilização.

Stuart Mill

Respeite os problemas alheios, sem interferir neles, a menos que a sua cooperação seja solicitada.


Não pronuncie palavras que ofendam e depreciem.


Quando possível, dê sempre alguma frase de consolo e esperança a quem sofre.


Não se faça estação de pessimismo ou desânimo.


Esqueça o mal que receba e nunca faça a cobrança do bem que tenha podido distribuir.


Não impulsione para a frente qualquer questão desagradável.


O trabalho no desempenho do seu dever é o capital que lhe valoriza as orações.


Lembre-se da parcela de socorro que sempre devemos aos companheiros mais necessitados que nós mesmos.


Quanto possível faça algo ou algo aprenda de útil para que seu dia de hoje seja melhor que o de ontem.


Nunca se esqueça de que todas as vantagens ou benefícios que desfrutemos da vida são empréstimos de Deus.

André Luiz

Liderança é baseada em imaginação, não dominação; em cooperação, não intimidação.

William Arthur Ward

Respeite os problemas alheios, sem interferir neles, a menos que a sua cooperação seja solicitada.
Não pronuncie palavras que ofendam e depreciem.
Quando possível, dê sempre alguma frase de consolo e esperança a quem sofre.
Não se faça estação de pessimismo ou desânimo.
Esqueça o mal que receba e nunca faça a cobrança do bem que tenha podido distribuir.
Não impulsione para a frente qualquer questão desagradável.
O trabalho no desempenho do seu dever é o capital que lhe valoriza as orações.
Lembre-se da parcela de socorro que sempre devemos aos companheiros mais necessitados que nós mesmos.
Quanto possível faça algo ou algo aprenda de útil para que seu dia de hoje seja melhor que o de ontem.
Nunca se esqueça de que todas as vantagens ou benefícios que desfrutemos da vida são empréstimos de Deus.

André Luiz

A falta de cooperação é um protesto contra a falta de consciência e participação involuntária no mal.

Gandhi

Trabalhar no espírito para primeiro mudar a si mesmos e depois agir com a integração,cooperação e o amor.Esse é o caminho.

Eduardo Marinho

Aos competêntes da-se cooperação ; os incompetêntes se contentam com a bajulação

Isaura Fernandez

"Para que haja vida é necessário a cooperação de duas pessoas envolvidas por amor."

João Vitor Rocha

A cooperação é a convicção plena de que ninguém pode chegar à meta se não chegarem todos.

Virginia Burden

Na cooperação de um revezamento, é a vez do corpo se mexer enquanto o cérebro dorme.
(Tudo um dia acaba)

Gabito Nunes

"Cooperação"
Hoje quando estava a meditar
fiz um acordo com meu coração:
ele para de se apaixonar
que dele com carinho vou cuidar.
Combinei com minha mente:
quue ela pare de pensar em coisas indigentes...
e assim eu a tornaria mais inteligente.
tentei com minha alma conversar
ela tomou a palavra e me disse:
Sai pra lá imundice...
que a mim você nao vai enganar!

Ana Beatriz Piffer

“Equipe é um grupo de pessoas que buscam o mesmo objetivo, com dedicação e cooperação total a realização de todos.”

Aryanne Andrade

Comentário de Filipenses 1.5,6

Por João Calvino

“Flp 1:5 pela vossa cooperação no evangelho, desde o primeiro dia até agora.
Flp 1:6 Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus.

5. “Pela vossa participação”. Agora, passando para outra cláusula, ele declara o fundamento de sua alegria – que eles tinham participação no evangelho, isto é, tinham se tornado participantes do evangelho, que, como é bem conhecido, é realizada por meio da fé; pois o evangelho aparece como nada a nós, com respeito a qualquer fruição dele, até que o recebamos pela fé. Ao mesmo tempo o termo participação pode ser visto como se referindo à sociedade comum dos santos, como se tivesse dito que eles tinham se associado com todos os filhos de Deus na fé do evangelho. Quando diz desde o primeiro dia, ele elogia a prontidão deles em se mostrarem ensináveis imediatamente após a doutrina ser apresentada diante deles. A frase até agora denota a perseverança deles. Hoje sabemos quão rara excelência é seguir a Deus imediatamente após o seu chamado, e também perseverar firmemente até o fim. Pois muito são tardios e negligentes em obedecer, enquanto ainda outros são mais, caindo por causa de instabilidade e inconstância.
6. “Persuadido disso mesmo”. Um fundamento adicional da alegria é fornecido em sua confiança neles para o tempo por vir. Mas alguns dirão, por que deveriam os homens ousarem para se assegurarem para o amanhã no meio de tão grande enfermidade de natureza, tantos impedimentos, asperezas e precipícios? Paulo, certamente, não derivava essa confiança da firmeza ou excelência de homens, mas simplesmente do fato que Deus tinha manifestado seu amor aos filipenses. E indubitavelmente essa é a verdadeira maneira de reconhecer os benefícios de Deus – quando derivamos deles ocasião de aguardar o bem para o futuro. Pois como são sinais de sua bondade, e sua benevolência paternal para conosco, que ingratidão seria derivar disso nenhuma confirmação de esperança e boa coragem! Em adição a isso, Deus não é como os homens, ficando enfadado ou exaurido ao conferir benignidade. Portanto, exercitem-se crentes em constante meditação sobre os favores que Deus confere, para que possam encorajar e confirmar a esperança quanto ao tempo vindouro, e sempre ponderem em sua mente esse silogismo: Deus não abandona a obra que suas próprias mãos começaram, como o profeta testemunha (Salmo 138:8; Isaías 64:8); somos obra de suas mãos; portanto, ele completará o que começou em nós. Quando digo que somos obra de suas mãos, não me refiro à mera criação, mas ao chamado pelo qual fomos adotados no número de seus filhos. Pois é um sinal para nós de nossa eleição, que o Senhor nos chamou eficazmente para si por seu Espírito.
Pergunta-se, contudo, se alguém pode estar certo quanto à salvação de outros, pois Paulo aqui não está falando de si mesmo, mas dos filipenses. Respondo que a segurança que um indivíduo tem com respeito à sua própria salvação, é muito diferente daquela que tem quanto a de outro. Pois o Espírito de Deus é uma testemunha para mim do meu chamado, como o é para cada um dos eleitos. Quanto aos outros, não temos nenhum testemunho, exceto da eficácia visível do Espírito; isto é, na graça de Deus que se mostra neles, de forma que chegamos a conhecer isso. Há, portanto, uma grande diferença, pois a certeza da fé permanece internamente calada, e não se estende aos outros. Mas onde quer que vejamos alguns desses sinais da divina eleição como podem ser percebidos por nós, devemos imediatamente ser incitados a abrigar boa esperança, para que não tenhamos inveja do nosso próximo, nem retiremos dele um julgamento de caridade justo e benévolo; e também, para que possamos ser gratos a Deus. Essa, porém, é uma regra geral quanto a nós mesmos e aos outros – que, desconfiado da nossa força própria, dependamos inteiramente de Deus somente.
“Até ao dia de Jesus Cristo”. A principal coisa, de fato, a ser entendida aqui é – até o término do conflito. Agora o conflito é terminado pela morte. Como, contudo, o Espírito costuma falar dessa maneira em referência à última vinda de Cristo, seria melhor estender o progresso da graça de Deus até a ressurreição da carne. Pois embora aqueles que foram livres do corpo mortal não mais contendam com as cobiças da carne, e estejam, por assim dizer, além do alcance de um simples dardo, ainda assim não haveria nenhum absurdo em falar deles ao mencionar o progresso, visto que ainda não alcançaram o ponto pelo qual aspiram; não desfrutam ainda a felicidade e glória pela qual têm esperado; e por fim, o dia ainda não raiou para mostrar os tesouros que estão ocultos em esperança. E na verdade, quando falamos de esperança, nossos olhos devem ser dirigidos para uma ressurreição bendita, como o grande objeto em vista.

Calvino

E, unificação tem a ver com cooperação entre aqueles Estados, e este foi o objetivo inicial da cúpula do Conselho da União Europeia, mas de maneira que trouxesse benefício aos seus povos, e como se vê, não foi exatamente o que aconteceu.

Gil Nunes

Se o homem praticasse a benevolência, a compaixão e a cooperação para com o próximo, sentimentos agradáveis o transformariam em um precioso instrumento.

Helgir Girodo

Ganha mais amigos aquele que entender o valor dos sentimentos, dos compromissos e da cooperação, sem esperar nada em troca.

Helgir Girodo

Boa vontade e cooperação podem ser vistas em pessoas de mentes educadas.

Helgir Girodo

"Fazer o bem e ter atitudes gentis não são obrigações para o exercício da cooperação; mas, sim, sementes de boa estirpe que sempre darão frutos bons ao longo da vida." (códigos da vida)

anônimo

EDUCAÇÃO:COMPETIÇÃO X COOPERAÇÃO


Jean-Jacques Rousseau, na carta a Christophe de Beaumont, escreve que a juventude jamais se extravia por sua própria conta, e que todos os seus erros decorrem do fato de ter sido mal conduzida. Em Emílio, o filósofo fala da condução do jovem, ou do adulto, ou da criança - da educação, em suma. Mas educação no sentido de um processo funcional de desenvolvimento de habilidades que proporcionem o conhecimento do que há de melhor no ser humano. Aprender a ser. Rousseau, ao tratar do "bom selvagem", chama a atenção para o fato de que, em estado primitivo, o homem tinha um estado de felicidade natural, e até de piedade, como o que se nota nos próprios animais.

Seria como um cantor que, sozinho, canta sua canção, e com ela fica feliz. Ou um dançarino, um escultor ou artesão. De repente, surge alguém que faz a mesma coisa. E as pessoas começam a dizer para o primeiro artista: "Esse fulano, que acaba de chegar, canta, dança ou esculpe melhor do que você". Assim surgem as comparações, que geram competições. E essas competições vão ter como conseqüência uma desenfreada busca pelo poder. Surge um conceito de posse. Surge a coisificação do ser humano.

A competição, sob esse prisma, não leva à evolução, mas ao desejo de destruição. Leva ao esvaziamento da espontaneidade. Porque tudo o que se quer é conseguir ser melhor do que o outro.
A educação contemporânea trabalha com essa dicotomia entre competir e cooperar. O processo de avaliação leva, muitas vezes, a uma exacerbação da competição, e o vestibular caminha na mesma direção: "Quem é o melhor? Quem sabe mais? Quem consegue vencer?" E a escola, refém desse diapasão, acaba por ensinar com acordes desafinados.

Na vida profissional, quem vale mais não é aquele que decorou mais coisas, mas o que é capaz de partilhar, de trabalhar em equipe, de desenvolver autonomia e criatividade. Quando se tenta homogeneizar o processo educativo, destrói-se a criatividade. Cada aluno é diferente e isso o torna rico, único.

Suas possibilidades não podem ser reduzidas a uma visão que compara e iguala os diferentes. Porque a simples comparação leva a uma competição desnecessária. Por essas razões é que consideramos que a autonomia deve ser a palavra. Aprender a conviver. Aprender a respeitar as diferenças, e, mais do que isso, aprender com elas. Raça superior não existe, nem gênero superior, nem etnia privilegiada. Não há cidadão de primeira ou de segunda categoria. A cidadania é para todos. Para todos os diferentes, porque iguais não há.

A educação tem de ser reinventada o tempo todo. Mas, em nenhuma hipótese, pode-se jogar fora o que já se construiu. a ceticismo e a visão distante da realidade levam a um certo descrédito da população com relação às políticas públicas de educação. E há muita coisa séria sendo realizada em diferentes Estados e municípios brasileiros.

Como exemplo, uma das políticas de inclusão social e familiar é a abertura das escolas nos fins de semana. Alunos, professores, funcionários, ex-alunos e pais de alunos se juntam para freqüentar as escolas, que oferecem atividades esportivas, culturais, de saúde e geração de renda. É um espaço de paz. Somente no Estado de São Paulo, mais de 5.800 escolas estão envolvidas no Programa Escola da Família - que, aliás, foi apresentado como modelo em diversos congressos internacionais. Trata-se de uma educação significativa, que gera conhecimento na ação. Aprender a conhecer. Aprender a fazer. O Estado de São Paulo tem sido chamado a levar suas ricas experiências em educação até Paris, Buenos Aires, Madrid, Washington, Londres, entre outros lugares do mundo mais desenvolvido. Muitos Estados brasileiros estão abrindo as escolas nos fins de semana e obtendo, como resultado, a diminuição da violência e a construção de uma escola acolhedora.
A educação é a política pública que sustenta as demais. Tem poder de melhorar a renda e diminuir a violência, de prevenir doenças e construir qualidade, de escrever o presente e preparar para o futuro. Portanto, educação é prioridade. Essa frase é uma constante no discurso de educadores, filósofos, políticos, e não encontramos quem discorde disso. Mas, do discurso à prática, há um percurso necessário a ser feito. Alguns Estados do Brasil estão trilhando esse caminho e avançando da teoria para a realização. São aqueles que investem em educação de excelência, tanto no conceito quanto na gestão.

A melhoria do ensino público está diretamente subordinada a três importantes passos, etapas que precisam ser implementadas com determinação e compromisso político. A primeira delas é universalizar o ensino, ou seja, fazer o necessário para abrir vagas para todas as crianças e jovens em idade escolar (e mesmo elevar o número de alunos inscritos em programas de alfabetização de jovens e adultos). Um grande salto foi dado na universalização da educação básica. Resta garantir a mesma oportunidade aos jovens e crianças de outras etapas do processo educativo. A segunda etapa é reduzir a evasão escolar, hoje na vergonhosa média histórica nacional de quase 20%. Em São Paulo, foi possível chegar a menos de 1 % no ensino fundamental e a menos de 5% no ensino médio, graças principalmente à adoção de uma postura mais afetiva de professores e funcionários para com os alunos. A terceira etapa, afinal, é melhorar a qualidade do ensino, com a capacitação de professores e a implantação de ações como a qualificação do currículo escolar, o aumento da jornada de aulas e, principalmente, o envolvimento da comunidade nas atividades escolares.

Mas não bastam prédios e discursos. As políticas de educação pública precisam do talento das pessoas para funcionar. Por isso os governos estaduais e municipais devem se dedicar também à gestão dos funcionários da educação pública - exigindo a participação do governo federal. Investir na capacitação de docentes, aumentar sempre que possível o número de profissionais, por meio de concursos públicos, para todos os quadros da carreira do magistério, e, antes de tudo, mostrar respeito e afeto pelos educadores e funcionários. Os profissionais respondem e a qualidade do ensino melhora.

A educação, sem dúvida, passa pelo afeto. Um tratamento digno e respeitoso aos funcionários, professores e alunos repercute de maneira positiva na relação ensino-aprendizagem. A família que se sente acolhida pela escola dos filhos participa mais. E o aluno, quando percebe que a escola é dele, que suas ações podem refletir na melhoria da escola, não abandona os estudos e ajuda a transformar o ambiente escolar. Nessa evolução, é possível construir uma escola mais eficiente, mais democrática, mais acolhedora.

Foi o que conseguimos fazer, por exemplo, em São Paulo. Resultados: nenhuma greve em toda a gestão do governador Geraldo Alckmin; nenhuma das lamentáveis filas que antes se formavam em portas de escola para que os pais conseguissem vagas para os filhos; nenhum livro faltando; nenhum aluno voltando para casa sem aula por falta de professor.

O conceito que sonhamos ver aplicado em todo o país é o da escola inclusiva e democrática, com o currículo ampliado, mantendo a criança mais tempo no ambiente escolar, e com a efetiva participação dos pais e da comunidade. Iniciativas como essas levam à diminuição efetiva no registro de ocorrências de violência em escolas. O mais importante, porém, é o resultado direto dessas iniciativas, que é o crescente número de pessoas que se sentem motivadas a voltar para a escola. E o que se comprova pelo aumento da demanda do Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos. São Paulo registrou um salto impressionante de mais de 20 vezes no número de matrículas, nos últimos quatro anos. Temos hoje 800 mil jovens que voltaram para a escola. Em 1995, tínhamos 30 mil.

Para que se conseguisse a implantação do Programa Escola da Família, houve a participação mais que cidadã de três organizações: a UNESCO, o Faça Parte e o Instituto Ayrton Senna. É, seguramente, o grande modelo de sucesso na educação pública do Brasil, também porque dá oportunidade a mais de 40 mil educadores universitários bolsistas. De um lado, esses estudantes recebem bolsa-auxílio e têm os estudos custeados pelo maior programa de concessão de bolsas de estudo do país, realizado em parceria com 342 instituições particulares de ensino superior; de outro, eles contribuem com a sua comunidade e com a sua própria formação profissional e pessoal, trabalhando aos fins de semana nas escolas públicas.

A educação é processo e, como tal, não se resolve em uma ou duas gestões. A permanência dessa política fará com que esses aprendizes, com o tempo, escrevam uma história melhor. E a torcida é grande. Há centenas de ONG's, empresas privadas, voluntários que acreditam na força da parceria. E que se dispõem a conhecer a escola pública e a trabalhar com ela.

Pequenas, porém grandiosas revoluções como essas respondem à inquietação de Rousseau. Pois não há legado maior que os pais possam deixar aos filhos, e que os governos possam deixar aos cidadãos, do Que uma educação de qualidade.
E é esse fazer político, firme e concreto, que conduzirá a juventude para o caminho do bem. Os países que acreditaram nesse sonho encontram-se hoje em um patamar superior. O Brasil tem um povo criativo e trabalhador, uma marca de gentileza e de generosidade. Oxalá tenhamos, no comando, governantes com princípios e com responsabilidade. E que a memória dos incrédulos leve em conta as realizações de cada dia, de todo dia, que fazem a diferença.

Escolas públicas ou privadas. Educadores de crianças, jovens ou adultos. O caminho é o da cooperação.

Despertar o aprendiz para a necessidade da convivência, do respeito, da ética. Despertar para o equilíbrio emocional. Precisamos de educadores e educandos educados! Educados para com eles mesmos e para com os outros. Educados para com o meio ambiente, com a pó/is, a cidade em que vivem. E assim que se constrói o respeito e a competência, sem perder de vista que inteligência sem coração, na metáfora da emoção, não leva lugar nenhum.




"Em Benefício da Educação"- catálogo comemorativo dos 10 anos da Fundação Linha Direta (outubro de 2006)

Gabriel Chalita

"Aprender a conviver com quem é diferente... Proporcionar associação e a cooperação entre os seres. Essa é a luz!"

João Vitor Rocha