Contos Engraçados

Cerca de 177 frases e pensamentos: Contos Engraçados

Campo de Trigo Com Corvos, Contos, o Livro do Silas Corrêa Leite

A ciência é grosseira, a vida é sutil
É para corrigir essa distância
Que a literatura nos importa

(Roland Barthes)


“CAMPO DE TRIGO COM CORVOS”, Contos, o que realmente é? Primeiro: é um livro de contos, ficções, histórias, causos, narrativas e as chamadas acontecências, todas no belíssimo palco histórico e boêmio de Itararé. Segundo: a maioria dos contos premiados em concursos literários de renome, ou mesmo no próprio Mapa Cultural Paulista, representando Itararé. Terceiro: a prosa poética do autor, sua linguagem típica do “Itarareês” com o peculiar e todo próprio surrealismo e mesmo o realismo fantástico, para não dizer de, aqui e ali, um chamado transrealismo. E, o melhor de tudo: papo de bar. Na calada da memória, as bebemorações (ou rememorações) e um piá...o guri Silas contando, como se trazendo a sua infância consigo na linguagem, nos parágrafos. Para não dizer dos finais hilários ou, ponhamos: encantados. Bela capa, com autorização do Museu Van Gogh da Holanda. Orelhas bem trabalhadas. O autor tem o que se dizer dele. Prefácio arrebatador. De um poeta, ficcionista e ensaísta premiado de Portugal, o Prof. Dr. Antero Barbosa, acadêmico e professor universitário. Descasca literalmente o estilo do Silas, técnicas, vôos, criações, enlevos, símbolos de perplexidade. E valoradamente dá nomes elogiosos aos criames diferenciados do autor. Última capa, as citações de lugares midiáticos em que o Silas saiu, foi reportagem, ou entrevistado, da Folha à Jovem Pan, por exemplo. Depois e finalmente, o conto Anistia. Premiado. O macro espaço-Brasil trazido à Itararé e um menino contando. Da ditadura ao fim dela com a Era Collor e suas carroças coloridas. O muro como símbolo, metáfora. Lembra J.J.Veiga mas vai em veio próprio. Guardação. Um baita causo de Itararé. Bem construído, costurado, com um final pra lá de feliz e risador, ridente, sei lá. Boêmio...um continho joiado...lindo. Mimo. Caso de notívago. Câncer... então é um papo rueiro, de bar risca-faca, de roda de contadores de palha. O Anão é tão bonito que pinta virar filme, pelo que soube. Gente de arte (teatro, rádio, música) em Itararé de olho. Mágico. Justiça, então, tem um final altamente criativo, quase um achado fora de série. Escrever é um ato de sobrevivência, disse Eduardo Subirates (filósofo espanhol). O Apanhador de Cerejas, quando revela o que está realmente havendo (narrador direto), você sofre e chora e volta a reler para compreender a dor do narrador. A pior coisa é não sentir absolutamente nada, diz o rock do U2. Campo de Trigo Com Corvos é o melhor conto do livro. E o final se revela na última palavra. Você vai lendo, seguindo na contação do menino, quando se vê? Corvos, trigais, campos e, loucura-lucidez. Azul e amarelo, como a capa. O Inventor é cênico, fílmico, e um final que arrebata, literalmente. Endoenças é conversa de filha pra pai. Tudo em Itararé, chão e estrelas. E lágrimas. Congonha (ko goy – do tupi: o quê mantém o ser?), o conto mais premiado do autor. Como é que pode um final desses? Depois vem o Causo do Gibão e você tem ali uma graceza impressionante, andando com o autor pela narrativa e sua tessitura. O Enterro, então, é o melhor “causo” do livro. Por si só daria já um romance e tanto. Um pandareco, como volta e meia diz o autor, entre maleixo, cainho, guaiú, morfético, caipora lazarento (beirando um regionalismo sulino até), etc. Quando você pensa que já está bom, a mimese do O Osso. De novo você fica pensando: como pode escrever isso? Onde acha isso tudo? Técnica, estilo, domínio, condução, talento. Coió é triste, duro, o conto mais pungente do livro maravilhoso. O causo O Velho Martinho é bem contado em Itararé, o autor recupera pessoas, falas, expressões, dando registro à voz do povo, vox dei. E bota gente real: Tepa, Jorge Chuéri, lugares, bares (principalmente). Quando a Tragédia Bate à Sua Porta, foi elogiado e considerado belo e fílmico quando em debate online, pelo João Silvério Trevisaan. E O Silas Já foi premiado no Concurso Ignácio Loyola Brandão, Paulo Leminsky, Ligia Fagundes Telles, Salão de Causos de Pescadores da USP, etc. e tal. Então o conto de amor que faz você chorar. Ele Ainda Está Esperando. Um final que relembra kafka mas sem deixar de enlevar a leitura em prosa poética e ficar pensando no estupendo processo de criação com suas lógicas e ilogicidades maviosas, plangentes. Quando você pensa que acabou, um continho quase que meio infanto-juvenil, e o menino de novo que, na maioria das obras narra, conta, detalha, especifica, volta inteiro e completo com o conto sobre a bicicleta de um tio. Marquesinha, Periquitada. Você não leu? Não sabe o que está perdendo. Cada um arrasta um corpo atrás de si, debaixo do sossego das estrelas, disse Fernando Pessoa. Isso tudo e muito mais é CAMPO DE TRIGO COM CORVOS. Jóia rara.
-0-
L.C.A – Professora, Área de Designer Gráfico -E-mail: artistasdeitarare@bol.com.br
Blogue: www.artistasdeitarare.zip.net

Autor: Silas Correa Leite - E-mail: poesilas@terra.com.br
Site: www.itarare.com.br/silas.htm

Silas Correa Leite

Lá estão elas rompendo a estrada.
Deixam distantes seus dias risonhos.
Já desistiram dos contos de fadas.
Hoje cultivam os seus próprios sonhos.

Lá estão elas cerrando fileiras.
Trazem enxadas e foices nos ombros.
Fadas Madrinhas se tornam guerreiras.
Marcham por sobre seus próprios escombros.

Se já não têm o destino nas mãos,
Se, sob os pés, lhes retiram o chão,
Ainda assim vão em busca da vida.

Se lhes acuam, empurram pra morte,
Criam desvios, mas mantêm o norte.
Seguem marchando feito Margarida.

(do livro: Fadas Guerreiras, à venda em www.caca.art.br)

Carlos Augusto Cacá

Eu sonho com dias melhores
Onde o amor não exista só nos contos de fadas
E as guerras sejam apenas tristes histórias passadas
Onde ninguém seja dono de ninguém
E das trivialidades não existam reféns
Onde ninguém precise vender sua alma ao diabo
E nem se tornar um invisível na calçada implorando um trocado
Onde quem jurou o povo servir e proteger
Finalmente honre suas palavras e cumpra o seu dever
Onde a voz que grita por mudança por uma questão de consciência
Não seja mais atacada nem reprimida com violência
Onde a liberdade de expressão corra livre e solta
Onde só os beijos nos calem a boca

Magaiver Welington

AUGUSTO BRANCO & MANUEL DE FREITAS

Eu comecei escrevendo contos
- e um contista precisa ter grande poder de síntese.
Mas logo passei a escrever poemas,
e nos poemas o poder de síntese tem que estar aliado
a uma boa melodia.

Mas um certo tipo de texto bastante curto e melódico
que está presente em boa parte de minha obra literária,
eu devo a um exercício ao qual me submeteu meu editor,
Manuel de Freitas.

Antes de publicar meu primeiro livro,
ele tinha a ideia de lançar
uma coleção de livrinhos de pensamentos,
que precisavam ser curtos e bonitos.

Então eu comecei escrevendo mini-poemas com até 12 versos,
daí ele lia e respondia: ainda está muito grande, faça menor.
E assim passei umas duas semanas
tentando chegar ao ponto em que Manuel de Freitas queria.

Por fim, veja que ironia,
a coleção de livros que ele concebeu nem foi lançada
- ele preferiu publicar livros com poemas inteiros
que eu já tinha feito,
mas o estilo que ele lapidou em mim ficou pra sempre.

Augusto Branco

ESTOU GRÁVIDA

'De livros abortados
De leituras interrompidas
De contos inacabados
De remédios ingeridos
De poemas iniciados
De amores mal resolvidos
De palavras mal pronunciadas
De versos não construídos
De rascunhos rasgados
De noites mal dormidas
De crônicas não anunciadas
De acrósticos obstruídos –
Sinto-me enjoada, pesada,
Preciso parir.'

Denair Inês Guzon

Revendo minhas escritas, minhas histórias e contos, percebi que nada era mais importante, que a chance de corrigir os meus erros e mudar minhas atitudes, ter mais
confiança na vida e mais fé em Deus. Me livrei de tudo, rasgando e jogando no lixo, para que guardar traquinarias de fatos que já não interessam mais nem lembrar. Foi como se eu tivesse renascido das cinzas de alma lavada, não mudei meu jeito de ser, apenas eliminei o que nunca me fez bem!
Muitas vezes pedi a Deus que mudasse minha vida, custei a perceber, que teria de mudar, era de pessoas que cercavam a minha vida! Obrigada meu Deus!

Maria Izabel da Silva Thomáz

Falando do nosso amor

Queria você aqui comigo agora
Desejo em seus braços estar
Contos os minutos as horas
Pra de novo te encontrar

Meu sentimento em nada mudou
A não ser que te amo cada vez mais
Sem você já não sei quem sou
Só teu amor me satisfaz

Tenho planos pra nós dois
Vejo meu futuro do seu lado
Na verdade o meu depois
É ter você como meu eterno namorado

Creio que meu sentimento por você amadureceu
Não é uma paixão desenfreada
É sentimento suficiente pra passar o resto da vida do lado seu
E despertar cada dia mais apaixonada

Esse amor que agora sinto
Não me traz dor ou apreensão
E creia não minto
Quando digo que és dono do meu coração

Nosso amar é uma bela canção
Aprendemos juntos a cada dia
É muito forte nossa ligação
É muito mais do que magia

Basta um olhar pra compreender
Um gesto pra acalmar
Química assim não da pra entender
Só dois corações apaixonados pode elaborar.

Vamos viver esse amor em toda sua plenitude
E guardar cada momento na memória
Saber amar assim é uma virtude
Foi Deus o autor da nossa história.

Sheyla Miglioli

Cisma de Poeta

Certo dia, quando escrevia poemas, contos e poesias, cismei de fazer contas cá com meus botões. Pensando sobre crônicas e, ao me dar conta, narrava uma novela romanesca revestida de canções. A lauda ficou farta, e o texto ficou crônico. Ao desenrolar desse novelo, sem conseguir ser transparente vou seguindo sempre em frente a cosê-los com linha nobre e agulha de cristal numa panela de argila pobre qual a natureza enriqueceu. Já nem sei de que padeço se de minha alva cabeça, de dor de cotovelo, quiçá, água no joelho, ou de coração que esmaeceu... Continuarei com minhas estórias singelas como fiz antigamente servindo-me de espelho, sem plumas, diademas, ou métricas. Serei bem virtual. Falarei de gente fresca, empafiosa, morna, quente e mortal, e até da repelente. Crendo sempre no virtuosismo sideral, posto que a minha ideia fosse o filtro desse etéreo canal. Não há maior segredo quando noto em minha mente, e com a boca sorridente vendo dela escorrer o assunto previdente a jorrar pelos meus dedos. Às vezes fico pasmo dando a mão à palmatória, pois, poesia, conto, Crônica e outras fantasias cantam na mesma sintonia verdadeiras histórias de carnaval. Poetizar não está na simetria lógica da maioria, e sim no sentimento da minoria como dizem os cordéis pelas bocas santas de grandes menestréis. Crônica, romance, conto, novela e outras taramelas, fazem a distinção, porém, o que manda mesmo é o sentimento que vem do coração, portanto, deixemos de chorumela.


Assim falou o poeta.

Isto merece o meu aval.

Jbcampos

escritorcampos

Quero para mim...
A dose de um românce de contos de fada
Uma pitada de amor para recordar todos
os dias de nossas vida
Quero ligar só para ouvir a voz
Quero sentir frenesi a vez primeira que fitar em você
Quero a certeza que estou sendo amada
Hoje vivo tudo isso...
E sinto que de fato a vida é muito mais fascinante
Quando estamos apaixonados.

Edjane Mendes

Eu sempre acreditei em contos de fadas ..
até hoje eu me pergunto: por que isso acontece apenas em filmes , teatros , e não em vida real ?
sou aquela menina boba e apaixonada que acredita que um dia poderia ser abduzidas por ET's e levada á um planeta totalmente diferente desse ,
em um lugar onde não existiria sofrimento , em que as guerras não atormentariam mais os sonhos de crianças , no qual não existiriam guerras ;
e que nada , nada mesmo causaria conflitos ;
em que o amor , não machucaria ninguém :/
as vezes eu pergunto pra mim mesma , como eu posso te amar tanto ?
como é possível amar o que nunca sentimos ? sentir o que nunca tocamos ? como é possível sentir a magia de um beijo que nunca deu ?
eu só queria entender, como eu posso amar uma pessoa que eu nunca vi ?
eu só busco essas explicações pois por tantas vezes , imaginei, sonhei..
Mais nem sempre sonhos se tornam realidade *--*
eu tenho medo de não ser aquela menina que você sonha , aquela Linda menina com sonhos de crianças que te encanta :/
meu maior medo é te decepcionar !
não sou perfeita, você não é perfeito, ninguém é perfeito !
nos seus sonhos eu posso ser uma pessoa , mais na realidade sou outra ;
nos meus sonhos , nem sempre são flores , mais comparando com nossa realidade é ali onde buscamos felicidades :D
E se me perguntarem se eu deixarei de sonhar
eu irei responder ..
JAMAIS !
mesmo que muitos de meus sonhos sejam impossíveis e meus amores irreais
eu sempre estarei sonhando cada vez mais ..
Amando cada dia mais,
e encontrando em uma Ilusão a minha Felicidade.
e assim eu vo seguir até o fim dos meus dias...

Flávia M. C. Parreira .

...e o livro de contos com finais felizes que você me deu não fazia mais tanto sentido. Eu me lembrei de como você provocava o meu riso e quase que instantaneamente, meu choro. De quando você me mandava mensagens no celular, quando eu imagina que você seria incapaz de se comunicar comigo. De suas mudanças de humor repentinas, do seu sorriso fora de hora, da sua expressão de confuso e chateado. Eu me lembrei dos meus sonhos contigo, que agora não deveriam fazer no minimo sentido. Eu me lembrei do sia feliz que eu idealizei te vendo. Eu me lembrei dos meus choros de raiva de você; lembrei da sua frieza, do meu desconforto por isso e do seu jeito calculista. Eu me lembrei de como faz tempo que eu te conheci, e de como você parece não se importar com isso. Eu me lembrei que eu deveria jogar todas essas lembranças num canto qualquer ou simplesmente guardar esse papel num lugar fora da minha visão.
Mas, eu me habituei a lembrar de tudo isso a cada dia. De tentar compreender o rumo que a minha vida anda tomando, me habituei a tentar me cicatrizar. Me habituei, a não me habituar a você mais uma vez.

...e já parece que faz tanto tempo que você não fala.

Laura Pedrosa

A Vida pode até ser baseados em contos de fadas,mas contos de fada sempre tem um final feliz.
Ninguém sabe como é que isso termina mas na vida real ela se acaba na morte,nada é pra sempre.
Nessa vida aprendi que,a sociedade menos preza aquela que não tem dinheiro.
A vida é uma caixinha de surpresas,e uma coisa eu te digo
é uma viagem da qual jamais sairemos vivos,ou levando algum bem material eu peço a você para jamais se apegar a bens materiais ele nunca te trará salvação e muito menos paz.Então pense bem,você pode até achar que é louca que eu estou dizendo,mas não é eu vivo a realidade do sofrimento do rancor,do odio eu sou apenas mais uma adolescente cheia de problemas,mas concerteza eu sou cheia de ideias que mudaria muito a opinião der vários.

Kelen

Goiânia

São os pés de Pequi
São os contos de esquina
São Os ipês as florir
Nossa bela menina!

E a cultura do Cine
E a riqueza do Ouro
E o parque dos jovens
De uma tarde tão brava

São os versos do Vento
O bosque em assembléia
O buriti verde em flor
É o amor em expansão

Céu Azul de cor rosa
Conversa afiada, um papo, uma prosa
De uma tarde calada
De um morro o alem da madrugada

São os versos de Hortêncio
São os cantos de orlando
Tanta coisa bonita
Coração do Brasil

Nossa bela menina
Que guarda tanta historia
Vai do choro a Viola
De uma vida em raiz.
Goiânia.

Mauricio S. M Junior

Realidade

Acho que nunca acreditei em contos de fadas
Sempre fui uma pessoa realista, vivo analisando os fatos e buscando o porquê de tudo
Essa reação é fruto da caminhada de vida
Mas o que posso fazer pra ser menos dura comigo mesma?
Queria demonstrar mais os meus sentimentos, dizer que sofro e que preciso de carinho, atenção
Mas as palavras e os gestos são travados, algo em mim se perdeu ou nunca realmente tive
O que sinto é a minha alma inquieta, pedindo socorro, pedindo ajuda ...
Não sei onde quero chegar, só sei que aqui e dessa forma eu não fico!!

Camila Dudley

Contos de fada

Amar é como a brisa,
Paixão, fogo ardente...
Sonhar faz parte da vida,
Mas a despedida vem de repente...

Saudade é dor sofrida,
De alguém que ficou sem chão.
Mas com o tempo tudo suaviza
E revela toda intenção...

A alma se escraviza,
Quando age na mais pura emoção...
Ali habita a tristeza recolhida,
Ao não se vê pela razão.

A ausência é sempre sentida,
Pelo apaixonado coração.
Conto de fadas para quem dormita.
Aqueles que vivem na pobre ilusão...

Ao dar rosas desfolhadas,
Em troca, receber desprezo profundo...
Percebe-se que não viu a orgulhosa,
O gesto do sentimento mais lindo do mundo...

O amor!

Djalma CMF

Contos de fadas - Versão Atualizada - Coisas que aprendi na infância...

Os pais passam a vida inteira ensinando os filhos a serem pessoas melhores, afinal são responsáveis por sua formação.
Ao longo de nossa infância aprendemos nos contos de fadas que a princesa sempre encontra um príncipe, e que através de um beijo um mero sapo se transforma em um. Aprendemos que no final de cada arco íris tem um pote de ouro.
As moças tem que ser magras e lindas como a Barbie, e almejar um namorado como o Ken.
Aprendemos que existe bem e que existe mal, porém o bem sempre vence. Aprendemos que o papai Noel leva presentes para crianças obedientes, e que se deixarmos ninhos embaixo de nossas camas o coelho da páscoa passará e levará um delicioso ovo de chocolate.
Aprendemos que devemos respeitar os mais velhos, afinal olha a carinha de inocente que os velhinhos tem.

Coisas que aprendi na vida real...

O príncipe não vem em um cavalo branco, e nem sempre os bandidos terão cara de bandidos, afinal, existem bandidos de terno e rostinho de bebê.
Casamento nem sempre traz felicidade. Você pode se casar e ter que conviver com uma pessoa totalmente oposta de você. E que cresceu com princípios e valores diferentes dos seus.
Você vai conhecer o real significado de “Lua de Mel”, quando você ter a primeira noite de núpcias, quando seu companheiro aparentar parecer mais um “Shrek” do que um príncipe.
Se você é mulher, passará a vida lutando contra seus atributos físicos reais, incluindo progressivas nos cabelos e luta constante com a balança.
Aprendemos depois que existe a Barbie divorciada, que já vem com o carro do Ken, a casa do Ken e a pensão do Ken.
Aprendemos que as comemorações de Natal e fim de ano são hipócritas, e que nem sempre quem te dá um abraço na virada do ano realmente gosta de você.
Percebemos que coelhos não botam ovos, muito menos de chocolate.
E por final, aprendemos que “Os canalhas envelhecem”.

Vanessa

Guarda as declarações decoradas para as menininhas que ainda acreditam em contos de fadas. Comigo, pode vir tranquilo, desarmado, sem os textos decorados desse papel que te entregaram de príncipe encantado. Eu também já me despi de todos os sonhos de relacionamentos perfeitos que a vida me trouxe pelo caminho. Aprendi, na marra, nas caras e nos corações quebrados, que vocês nunca vão funcionar como os príncipes que acordam as belas adormecidas. Depois disso, sempre me mantive bem acordada.
Eu sei seus defeitos. Sei cada um deles. Mania que tenho de observar cada mísera ação das pessoas antes até do primeiro oi. Te analisei enquanto você sorria despreocupado e deixava o sol iluminar seu cabelo castanho. Vi como os traços do seu rosto se suavizam quando sua mãe chegava por perto e descobri no brilho dos seus olhos o que é o amor incondicional. Observei a maneira como você pisca o olho incessantes vezes quando está muito nervoso. E como coça o queixo sem parar quando não sabe o que responder.
Não precisa mesmo saber o que responder. Não quero que responda minhas dúvidas da vida. Talvez, você se veja tentado a questionar o mundo comigo. Talvez você se assuste. Eu sou mesmo alguém cheio de falhas. Tenho buracos em cada partezinha do corpo. Principalmente, no coração. Foram as cicatrizes – no corpo e na alma – que os outros antes de você deixaram aqui. Mas, fica tranquilo, não te quero perfeito. Pode vir cheio de erros.
Vamos nos despir dessa obrigação de fazer o outro feliz. Deixa ali no canto do quarto essa necessidade louca de fazer tudo certo. Eu aceito errar junto. Eu aceito gritos, pratos quebrados, brigas de tirar o fôlego. Basta que você diga que está disposto a errar comigo. E, quem sabe, entre nossos erros, a gente não consiga um ou outro acerto. Mas não te cobro nada não. Meu “felizes para sempre” sou eu que construo. Tô te chamando pra minha vida não pra preencher meus buracos, mas para me dar a mão e me ajudar a tampar minhas feridas. Te ajudo a cicatrizar as suas também, se quiser. E, juntos, rimos disso tudo.
Mas não te cobro nada. Talvez, a gente consiga dar certo. Talvez, a gente acabe, mesmo com uma história bonita. Talvez, você vá embora, talvez eu não queira mais ficar. Mas eu tô aqui, agora: vida e portas abertas pra se você quiser entrar. Porque, sem te cobrar felicidade, sem te cobrar uma história bonita e sem te cobrar amor, talvez, quem sabe, a gente dê sorte e consiga se amar, ser feliz, ter uma história bonita junto. Vai que a vida, o destino, ou sei lá, resolvem dar um empurrãozinho. Quem sabe, até, a gente não se ame até o final dos dias. Até o fim.

Karine Rosa

Revendo minhas escritas, minhas histórias
e contos, percebi que nada era mais
importante, que a chance de corrigir
os erros e mudar as atitudes, ter mais
confiança na vida e mais fé em Deus.
Me livrei de tudo, rasgando e jogando
no lixo, para que guardar traquinarias
de fatos que já não interessam mais
nem lembrar. Foi como se eu estivesse
renascido das cinzas de alma lavada,
não mudei meu jeito de ser, apenas
eliminei o que nunca me fez bem!
Muitas vezes pedi a Deus que
mudasse minha vida, custei a
perceber, que teria de mudar
eram as pessoas que me
cercavam! Obrigada Deus!

Maria Izabel da Silva Thomáz

Eu amava aquele mundo de contos de fadas em que as meninas feias ficavam bonitas, os príncipes salvavam as princesas e as bruxas malvadas morriam no final. Eu queria que as palavras percorressem o mundo todo até me encontrar, até montar uma história que fosse só minha e de mais ninguém.

Puppy Love

Mary Princess

Em mim nascem histórias contos e poesias
que surgem em solitárias noites quentes ou frias...
Em mim há reflexos de eternas lembranças
que insistem numa triste aliança...
Em mim permanece uma forte saudade
de tempos movidos por felicidade...
Em mim mora uma risonha criança
que desconhece a temida insegurança...
Em mim habita uma mulher forte e guerreira
que contra o adversário faz trincheira...
Em mim faz sol chuva e tempestades
que se adaptam às minhas necessidades...
Em mim nascem flores árvores e ervas daninhas
que comigo convivem em forma de rinhas...
Em mim brotam lágrimas, sorrisos e prantos
que em doses diárias são meus acalantos...
Em mim existem sonhos quase intransponíveis
que me fazem crer que tudo é possível...
Em mim encontro uma alegria constante
que não deixo escapar por nenhum instante...
Em mim existe um amor que extravasa emoção
que a quem eu amo entrego de coração...

Melania Ludwig