Começando a Gostar

Cerca de 2083 frases e pensamentos: Começando a Gostar

Estou começando a achar que meu Príncipe Parou no meio do caminho pra jogar video game com o Prícipe do reino Vizinho.

Isabela Rosário

Não pense que acabou pois esta só começando

Haylander Gomes Lopes

Não me interessa o seu desapego...
Eu me iludi e estou começando novamente, não quero fazer parte do seu show e nem ser seu fantoche, quero minha liberdade.
Curtir novamente a fase boa, porque de coisa ruim eu já tenho muito no passado, aquele passado que não voltará mais, até melhor assim, me livro de outras decepções..

Milorde

Pensei no fato de brasileiro não desistir nunca e estou começando a desconfiar q eu sou paraguaio, pois desisto muito fácil!

"Jonatas Rocha"

Continua sendo um dilema a aceitação de uma separação. Começando pelas causas que levaram ao tal acontecimento, seja por traição, desconfiança ou outros factores.
Logo depois passamos à fase da separação propriamente dita, nesta fase deparamo-nos com a culpa, quando de certa forma fomos ou achamos que fomos os culpados pela separação, dai surge então muita das vezes a perda da auto-estima e fica a famosa frase em nosso constante e maldito pensamento “porquê tinha de acontecer exactamente comigo” e no momento é só desespero, é como se o mundo tivesse desmoronado, como se nunca mais na vida fossemos ser felizes de novo, principalmente se tiver sido uma relação bastante intensa e que tenha durado muito tempo, para nos é como se já não existisse amor real e verdadeiro, fica no peito a dor, ficamos numa tristeza sem igual, a magoa mais profunda, como se nos tivessem arrancado o coração.
A vida é um jogo tão complicado, jogado por seres tão complexos, onde no fim de cada estagio pode cada um dizer se teve ou não êxitos.
Isto compara-se a fase da separação, quando temos de começar a desfazer os planos outrora traçados com o companheiro que passou então à ser “ex companheiro” O noivado, os planos de ter um filho, ou qui ça até um casamento já marcado, pensar em começar do 0, arranjar um novo amor, uma nova paixão… Pensar em tão longe do chão ser os pés de alguém.
Enfim, o que vale mesmo é tentarmos ao máximo não nos abalarmos ao ponto de nos esquecermos de nos mesmos, devemos olhar para frente e buscar novos horizontes, não dizer “não” não negarmos à nos mesmo um novo amor ou uma nova paixão, devemos sempre nos permitir sentir, entregarmo-nos de novo às asas do corpo e rumo ao coração de outro alguém 

Elvia e Silva

Acho que o primeiro passo pra não ficar sofrendo e se lamentando por ai é começando por não se apegar a nada nem ninguém. Não sendo bonzinho demais, acho que tudo tem o seu limite. Tem certas coisas que não consigo entender, o caso é que todos nós aprendemos somente quando quebramos a cara bastante, temos que passar por poucas e boas pra amadurecermos. Não há nada melhor do que quando você olha pra trás e vê aquela pessoa, ou aquela coisa, que antes era importante, hoje não significa nada pra você. Esse lance de ser bonzinho com todo mundo, de conversar por educação comigo não dá certo mais, acho que isso mais do que nunca hoje foi um obstáculo vencido. O Segundo passo é quase isso, sabendo em quem confiar, com quem compartilhar sorrisos, com quem se abrir, com quem sair todos os dias, eu tenho os meus, e sei que com eles posso contar sempre. Esse lance de “amar” todo mundo, eu te amo pra cá, eu te amo pra lá, aprendi não é pra qualquer um, “AMAR” é uma palavra muito forte pra ser dita assim de forma tão banal. Comece a gostando mais de você, mesmo sendo tão próximo não se apegando muito, um dia pode acontecer de não estar tão próximo assim, como dizia o sábio Renato Russo: “Tem gente que esta do mesmo lado que você, mais deveria estar do lado de lá.” a não jogar palavras fora com quem não mereça ouvi-las, a falar tudo que tem de falar na frente da pessoa, a não preocupar com o que falam ou deixam de falar, Vai por mim, se praticando essas coisas você não vai se sentir bem melhor, não vale a pena sofrer por quem não mereça, não vale a pena sentir falta de quem não sinta a sua falta. “Amizade não se implora.” Aprende isso.

Daniel Gonçalves

To começando a achar que a minha vida está me pedindo algo novo.

Hernandes Oliveira

Que inveja de quem vê o ano começando apenas agora depois de esperar pelo carnaval em folia, Que inveja!
Meu ano começou com os fogos em Copacabana, entro quase no terceiro mês deste que corre mais que o Barrichello...
Já estamos em Março! Ás águas perigosas vão fechar o verão...
E que ano!
De lutas, de muita prece diante da enfermidade...
Meu ano não começa agora, atenções ao que é importante sim, para muitos...
Quem sabe não é hora de ver o povo do Acre, embaixo d’água?
Vamos ver quem vai ser campeão, sim...
Nós ou a Dengue?
Adoro festas, carnaval, mas eis o meu desabafo!
Eu já quase na páscoa depois de passar por muitas tempestades, onde recorri a minha fé e de alguns amigos que como eu não presenteado com esta imensa festa de três meses...
E já que começou o ano, que tal ir ao Inca e doar sangue, em gente que tal?
Tem gente lá que o ano começou com o meu...
Ainda bem que terminou o carnaval!

Crissol

Meus problemas estão apenas começando ou talvez acabando comigo.''

Rafa Mendes

O ano está apenas começando, assim como uma criança, engatinhando, abrindo os braços generosamente com sorriso doce e puro, aprendendo a caminhar de mãos dadas com as pessoas que mais amamos, com a graça de sonhar os sonhos, realizar os nossos objetivos, com a sabedoria dos nossos Mestres, amor e solidariedade dos nossos anjos.
Os anjos, são os nossos pares aqui na terra, iluminando os nossos pensamentos e cobrindo assim como o céu o nosso chão de estrelas.

É nessa magnitude que desejo um dia muito especial a todos nós e que prolifere por cada momento de nossas vidas.

Wall de Souza

Tava usando o cérebro e meditando: Não existe Democracia, fato venérico. Começando pelo periodo eleitoral. Democracia significa: DEMO: que vem do diabólico Demonho. Demonho quer dizer o pai da mentira. Cracia: vem de craquento, pereba, dificil remoção. Ou seja. O povo se acostuma com migalhas e pra mudar é só usando o removedor Chamado Consciência. E derrotar o pai da mentira votando na verdade. #pensenisso

Edna Goetten

Tá doendo muito, meus olhos estão começando a encher, mas eu não vou chorar. O chão não é digno das minhas lágrimas, nem muito menos você.

Poly Pereira

Estou começando a não me importar mais, quem classifica e limita, tem que ser classificado e limitado. A muito tempo foi dito "Com a mesma severidades com que julgas, será em um momento condenado." Então faça suas escolhas, a cada cabeça uma sentença, só cuidado para não tomar decisões extremas, e amanhã cogitar um "Oi amigo", pois não receberás.

Vagner Marcio

Reveja suas prioridades. Começando por deixar de priorizar quem não te prioriza. Uma atitude simples, mas que vai mudar TUDO pra melhor.

Thatu Nunes (DraDoAmor)

Estou começando a entender que pessoas são dotadas de qualidade, e defeitos. Mas, geralmente os defeitos se sobressaem mais do que as qualidades. O importante é saber conviver, e compreender o próximo, até porque viver com um boneco de plástico não dá. Então, viva às diferenças, e vamos "beber" um pouco de paciência.

Pâmella Ferracini

Ser cristão é perceptível, a partir do momento que você precisa afirmar que é critão, está começando a deixar de ser.

Filipe Ferreira

Você não tem idéia de como é importante ter boas companhias, começando de você com você mesmo.

Charles Canela

Diante de um relacionamento que parece estar começando deve existir uma conversa, mesmo que pareça fria e estranha, mas que deixa claro que tipo de relacionamento se inicia.

Você pode e tem o direito de viver aventuras, mas tem que saber procurar quem queira o mesmo que você, pois aventurar com quem quer amor de verdade, seria, não uma aventura, mas uma irresponsabilidade e covardia.

Charles Canela

Já to começando a escrever sobre ele, agora a porra ficou séria! (Cris Monteiro)

Cristina Monteiro

DESEJO – A ASCENSÃO DA FRAQUEZA HUMANA

Ei você! Você mesmo que está começando a ler essa postagem. Neste exato momento, o que consideravelmente está fazendo? Lendo? Bem, seria simples essa resposta, mas até mesmo numa simplicidade como esta você está executando diversos mecanismos mentais complexos. Inconscientemente, nós seres humanos estamos na maior parte do tempo desejando. Desde as pequenas coisas como acender a luz, até desejar a mais opulente mansão que sua imaginação consegue alcançar. Porém esse desejo não difere nada para tais realizações, pois o fácil e o difícil não existem, e sim como você visa-as.
Será mesmo que devemos julgar os acontecimentos ou situações pela nossa capacidade? A prova de cálculo que você executou foi difícil, não é? Porém ela não é difícil quando temos certeza absoluta e se estamos determinados da nossa confiança própria. Posso ser mais claro:
Boa parte de nossos dramas existenciais e da conquista de bem-estar psicológico podem ser relacionados ao modo como lidamos com nossos desejos. Há quem pregue a completa renúncia ao desejo. Afirmam que nele estaria a fonte da infelicidade. Neste caso, em tese, só desejamos aquilo que não possuímos. Logo, ao obter o que desejávamos, já não o queremos mais. O que nos incluiria em um ciclo de perpétua geração da insatisfação. Esta só existe se há desejo. Se há insatisfação, infelicidade, elas geralmente existem porque algum desejo não foi satisfeito.
A felicidade, ou a alegria, seu representante elementar, são frutos da realização de desejo. Se alguém está alegre ou feliz é porque algum desejo foi ou está sendo satisfeito. Portanto, neste contexto de argumentação, a afirmação de que renúncia ao desejo seria um caminho para a felicidade é insustentável. Na verdade, o foco deve ser mantido no modo como desejamos. Não se trata, em termos absolutos, de haver desejo ou não. Pois o desejo é o motor. É ele, de certo modo, quem nos mantém vivo. Sem desejo não há ação.
Parar de fumar, perder aqueles 5 kg, arranjar o parceiro dos sonhos, aprender a tocar violão, comprar afinal um apartamento, trocar de carro..
Não temos saída, termina um ciclo, começa o próximo e ninguém escapa da sensação de que é preciso virar a vida de cabeça para baixo, esvaziar os bolsos da velharia do ano que passou e vestir a alma com as melhores intenções e projetos para o futuro.
São infindáveis as variações em torno do tema: desejos. Ninguém tem tudo o que sonha ninguém é tudo que imagina. Somos seres eternamente “sendo”, num cenário sempre em construção. Tantas coisas nos faltam… e como é aguda essa urgência do desejo que acompanha a virada do ano!
Os budistas apontam os desejos como sendo a raiz do nosso sofrimento. Pois é, esperamos o que não depende de nós, esperamos o que não sabemos se vai ou não se realizar, esperamos o imponderável: ganhar na loteria, encontrar a pessoa ideal, ter saúde…desejar as coisas que só existem no grande saco vermelho do Papai Noel só nos causa sofrimento.
Temos que aprender a desejar aquilo que está ao nosso alcance, na medida da nossa capacidade de agir, no limite da nossa vontade. Esse é o truque. “Quando você desaprender de esperar, eu o ensinarei a querer”. Tento sintetizar, da forma mais simples possível (ou até simplória – talvez seja o caso), um imperativo moral no seguinte enunciado:

“Desejar mais o que já se tem e menos o que ainda não tem”.

A primeira é a classe dos desejos imediatamente possíveis e a segunda é a classe dos desejos prováveis. Colocados na balança de nossa vida, é mais prudente que existam, em maior peso e número, os imediatamente possíveis. Esta classe diz respeito a tudo aquilo que desejamos e que pode ser imediatamente realizado. É desejar o que já se tem. É desfrutar de tudo aquilo que já possuímos. É dar valor ao que temos. Eis a gratidão, como uma virtude, e sua importância.
Os jargões populares “só dá valor quando perde” e “não dá valor ao que tem” traduz de certa forma o erro: desejar somente o que não possuímos, deixando de lado toda uma vida possível e palpável, a qual poderia ter sido desfrutada e não foi. Sinto da seguinte maneira: não é necessário abandonar nossos sonhos. Mas é muito pouco saudável viver somente em função deles, sacrificar nossas possibilidades de fruição e prazer imediatos em prol de castelos no ar.
E o que seria desejar o que já se possui? Muito simples. É desejar o que é imediatamente possível. Por exemplo: desejo chegar hoje em casa e tomar um bom e relaxante banho; desejo, após o almoço tirar um bom descanso; desejo agora estar aqui, escrevendo este artigo, e estou. Nada disso é simplesmente provável. São eventos que estão imediatamente ao meu alcance e não dependem predominantemente de terceiros ou sorte. Se depender dos outros ou da sorte, então desista e vá dedicar sua energia em algo mais útil. É a tristeza do torcedor, do fã, dos idólatras como um todo. É remoer-se por algo que não depende de nossos próprios esforços. É colocar todas as fichas de nossas apostas vitais em algo que está fora de nós mesmos. É abrir mão de nossas responsabilidades e de tudo o que podemos fazer por nós próprios, na esperança inútil de que algo decisivo aconteça, de que alguma graça caia do céu.
Toda esperança é um desejo, mas que nem todo desejo é uma esperança. Pois é possível desejar o que já possuímos, o que é imediatamente possível. E isto seria o que ele chama de “felicidade em ato”. Mais bem-estar significa mais felicidade em ato e menos felicidade em potência no balanço de nossa vida.

Seria tirar a vida do condicional, do “como eu seria feliz se isso ou se aquilo”. É fazer o que se tem vontade, o que se gosta, aqui e agora. O que se pode fazer e não o que se poderia fazer. Tirar proveito, prazer, de tudo o que já temos, por mais simples que seja. Uma sabedoria da simplicidade, dos pequenos prazeres da vida, muitas vezes.
Desejando avidamente tudo o que não possuem tudo o que está distante, tropeçam no passo mais próximo. Aliás, a avidez, o excesso de energia que concentramos em um único ponto de nossos desejos, é também geralmente nefasto. Jargão popular: “não ir com muita sede ao pote”. Em muitos casos uma atitude mais desprendida e desapegada do objeto de desejo é mais salutar. Porque a avidez é irmã de uma ansiedade contraproducente, a qual atropela ou violenta o objeto de desejo, em vez de conquistá-lo. Bota o carro na frente dos bois. É mãe de uma impetuosidade viciosa. É a voracidade que não saboreia o desejo intenso que é inimigo da espontaneidade, pois é mistificação excessiva, tornar fetiche o que não se possui. É desejar possuir antes de conhecer. O ter antes do saber. E talvez uma desesperada paixão pelo êxito.

Então, retomando o título do artigo: “Cuidado com seus desejos. Você pode realizá-los.” Este é o dito popular em sua forma completa. Porém, pode haver diferentes apropriações do mesmo. Pode-se compreendê-lo pelo viés da capacidade, do sucesso, ou mesmo da decepção. O primeiro sentido seria: você é capaz de realizá-los. Ou: a possibilidade de realização é maior do que você imagina. Acaba atuando como uma forma poética ”de estimular o desejo, o sonho, ou a aposta.”
E na verdade é isso o que o mercado do sucesso, da auto-ajuda, em boa medida, faz: cria legião de apostadores. Vive de vender apostas, de estimular o comportamento de jogo, de aposta. “É necessário desejar (“, pois assim o universo conspira a favor”), sonhar, acreditar, ter fé, esperança, pensar positivo”. O segundo sentido refere-se à possibilidade de realização, mas levando-se em conta também a possibilidade da decepção. E este seria o segundo tipo de catástrofe que acomete a existência: quando nossos desejos são satisfeitos.
Muitas vezes, devido à avidez ou ambição excessiva, criamos tantas expectativas em relação à realização de determinados desejos, que nos esquecemos de todo o restante da vida. Passamos a habitar as nuvens e assim deixamos de viver. E nos esquecemos também que frustrações e decepções não são somente frutos do fracasso. Elas podem surgir da simples percepção de que nossos objetos de desejos não são tão fabulosos quanto nossa sede os fazia parecer. Porque a idolatria quase sempre desemboca na decepção. O olhar faminto adultera e diviniza o objeto da fome. Assim, o desejo, o sonho, é traduzido em necessidade vital (com o perdão do pleonasmo). É este mesmo o mecanismo: transformar o sonho em algo vital; e a probabilidade em certeza. O sonho realizado ou a morte. E assim muitos sonhadores deixam de viver, para viver sonhando.

Felipe Magister