Cartas de Traição

Cerca de 144 cartas de Traição

... e depois são aqueles beijos...que são mesmo bons.
E depois é a tua língua nos meus mamilos, que mesmo que eu não nutra especial apreço por eles, tu fazes com que eu os adore...
A tua língua, as tuas mãos, outra vez a tua língua, os teus dedos em mim. Dentro de mim...
O teu sorriso claramente excitado...
A tua pele em erupção com a minha. E eu quase a pedir-te que me...fodas...com força, devagarinho, e novamente com força...
É muito bom o que sinto por ti.
Nomes? Adjectivos? Apenas dois. Amizade e desejo!!!
Nem toda a gente consegue...mas nós não somos toda a gente. Somos nós. Eu e tu...
Vou adormecer contigo em mim...com os teus dedos aqui...a minha boca ali...E no fim...no ultimo gemido...vou lembrar-me apenas do teu sorriso, daquela tua característica que só a ti pertence.
Não são precisas descrições!!!E entre uma respiração ofegante, e um órgão que lateja violentamente, vou dizer-te:
...és único!!!

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Às vezes até posso ser …burra. Parva. Bruta. Trágica. Ingénua. Inocente. Catastrófica. Patética. Contraditória. Disparatada. Inconsequente. Discrepante. Às vezes até posso estar… débil. Indefesa. Frágil. Zonza. Desnorteada. Atordoada.
Mas vocês nunca me faltam…nunca. Tenho sempre os vossos olhares atentos, as vossas palavras reconfortantes e os vossos abraços que me albergam de uma forma tão nobre. Daquela forma tão nobre que só a amizade tem.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Coisas do coração ?
Um coração partido dura anos, um coração roubado dura outros tantos ...um coração fechado tem dias, um coração " de pé atrás" também pode durar muito , um coração que não bate por amor ou por paixão pode durar ainda mais...
Corações…Tenho um bocado de medo dessa figura. Desse desenho. Tenho quase sempre medo de ver o meu. Nunca sei ao certo o estado dele. Já o tive despedaçado, perdido, apertado, e até esborrachado...
Não te sei dizer qual a pior sensação. Talvez a ...de não o ter, ou de o sentir espatifado contra uma parede que eu própria não soube derrubar.
Coisas do coração? Queria eu saber cura-las...ou ameniza-las...ou fazer de conta que elas não estão em mim. Mas não. Eu não sei. É tudo em vão. Ele mostra-me sempre onde está...mesmo que...reticente...mesmo que viva na pele de outra pessoa.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Achamos que não esperamos nada e quando damos conta estamos sempre à espera de alguma coisa. Depois somos confrontados com uma indiferença que não esperávamos.
Já não perco o meu tempo a tentar entender os enigmas, as coisas ocultas, as ligações secretas. São perguntas sem resposta. Ou talvez nem seja nada disto. Quem sabe as respostas são bem mais simples do que as perguntas, porém difíceis de acreditar? A seu tempo teremos consciência do que tudo isto significa. Vamos conhecer os fins, os objectivos e os propósitos. Já me ocorreu que fosse o destino a dar o ar da sua graça e pregar-me mais uma das suas partidas.
Já sei que haverá pessoas que vão dizer-me, que agora estou a culpar o destino de caminhos onde fui parar pelo meu próprio pé e sem qualquer mão do destino.
E provavelmente têm a sua razão… e eu…eu estou só à espera de encontrar a minha.
Afinal estamos sempre à espera de alguma coisa. Alguma coisa que às vezes se traduz em alguém.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

“ Cada um sente como cada qual.
A humanidade tem o seu lado estranho... e tudo tem o seu preço.
Até sentir tem um preço. Acho que nos dias de hoje só não pagamos por pensar, isto se não divulgarmos os nossos pensamentos, pois a divulgação dos mesmos pode ter um preço que muitas pessoas não estão dispostas a pagar.”

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

És imutável em mim.
Uma fervura e agitação que não passam. Parece imutável.
A alma acesa e inflamada. Estupidamente arrebatada.
Um anseio atordoado. O rebuliço, o alvoroço dentro de mim. Num estímulo incontido, numa excitação desconcertante.
És tu a fervilhar em mim… e eu em total estado de cobiça. A querer-te em demasia. Excessiva e imoderadamente. Como se não tivesse passado tempo nenhum desde a ultima vez. Como se ainda esta noite tivesses estado aqui…

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Minto. Iludo. Finjo. Simulo…
Eu só posso ser uma descontrolada, tresloucada. Só posso sentir uma paixão assolapada …por ti.
Não sei de ti…não te vejo…não te quero. Não sei. Não vejo…não quero!!!
Minto. Iludo. Finjo. Simulo…
Não te quero, só porque não te vejo…
Não te vejo porque não te procuro…e não te procuro, porque sei o quanto te destabilizo se o fizer…
Não sei de ti…não te vejo... não te quero. Não sei. Não vejo…não quero!!!
Minto. Iludo. Finjo. Simulo…

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Traidoras...
Elas voltaram.
Ou talvez sempre tenham estado aqui, e eu fingisse que não as sentia. Talvez me tenha acostumado à sua presença e tenha passado os últimos tempos sem lhes dar grande importância.
Aprendi a finta-las. Deixei-as estar como que adormecidas. Descobri como as manter enfraquecidas…como que anestesiadas. Como se não estivessem aqui.
Por momentos acreditei que finalmente pararam de me atormentar. Deixei de sentir aquele odor constante e teimoso que se entranha no corpo e nos oferece sofrimento. Por instantes acreditei que se tinham ido, que se perderam por aí num outro corpo qualquer e esqueceram o caminho de volta.
Mas fui fintada. Fintada por elas. Eu, que outrora me julguei protagonista da finta perfeita.
E hoje lá estão elas…acordadas, despertas e dispostas a corroer mais um pouco de mim.
Não sei ao certo se elas escolhem o momento para se declararem habitantes de mim própria, se me apanham fraquezas ou se sabem quando estou mais vulnerável a elas.
Sim…elas vivem em mim, e hoje devem sentir-se com um poder qualquer sobre a minha pessoa porque não me largam.
Mas eu não as quero. Não quero. Não as pedi. Não fui eu quem as acordou. E se acordaram por si só, não quis em nenhum momento alimenta-las.
Estão aqui, mas não as quero. Tapo os olhos para não as ver. Não as quero. São intrusas.
Traidoras. Quiseram lá saber da minha vontade. Como se estivessem este tempo todo à espreita. Como se soubessem que mais tarde ou mais cedo seriam rainhas no meu aglomerado de emoções.
Traidoras. Passeiam-se astuciosamente cá por dentro como se eu lhes pertencesse. São devastadoras. Parece que voltam sempre mais fortes depois de permanecerem muito tempo escondidas.
E aqui estão elas a vandalizar a minha alma de tal forma, que não sei se quem escreve este pequeno desabafo… sou eu… ou se são elas.
Elas…as saudades.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Sou feita de um conjunto de pessoas contraditórias, que me dão bilhetes grátis para a montanha russa de emoções e sentimentos que é a minha vida. E sinceramente prefiro esta montanha russa do que ser vazia de sensações, como muitas pessoas com as quais me vou cruzando aqui e ali que escolhem ser simplesmente racionais.
E quando assim é não acredito que haja muito espaço para emoções, ou pelo menos para as sentir no seu age. Muitas pessoas dirão que antes aniquilar o espaço que as emoções têm na nossa vida, do que não saber geri-las. Mas não será também isso de “aniquilar as emoções” uma capa que esconde a tal dificuldade em geri-las?

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Lembrar-me de ti assim tão assiduamente deprime-me.
Não sei o que isto é, mas eu sempre disse que quando sentisse que me trarias algum tipo de sentimento negativo, te queria fora da minha vida.
Chegado esse momento é altura de arrumar a nossa história numa gaveta daquelas gigantes, fechar todos os guiões possíveis e lutar contra a possível vontade de os reabrir.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Um dia descobrimos que determinada pessoa faz uma descrição nossa tão próxima da realidade porque é parecida connosco.
E um dia também descobrimos que essa pessoa que nos apontou e criticou determinada postura, acaba por ter posturas também elas muito parecidas.
É tão fácil criticar os outros, apontar-lhes o dedo, dizer-se incapaz desta ou daquela atitude. E depois eu gosto de ver esses dedos indicadores a virarem-se no sentido inverso.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Achamos que não esperamos nada e quando damos conta estamos sempre à espera de alguma coisa. Depois somos confrontados com uma indiferença que não esperávamos.
Já não perco o meu tempo a tentar entender os enigmas, as coisas ocultas, as ligações secretas. São perguntas sem resposta. Ou talvez nem seja nada disto. Quem sabe as respostas são bem mais simples do que as perguntas, porém difíceis de acreditar? A seu tempo teremos consciência do que tudo isto significa. Vamos conhecer os fins, os objectivos e os propósitos. Já me ocorreu que fosse o destino a dar o ar da sua graça e pregar-me mais uma das suas partidas.
Já sei que haverá pessoas que vão dizer-me, que agora estou a culpar o destino de caminhos onde fui parar pelo meu próprio pé e sem qualquer mão do destino.

E provavelmente têm a sua razão… e eu…eu estou só à espera de encontrar a minha. Afinal estamos sempre à espera de alguma coisa. Alguma coisa que às vezes se traduz em alguém.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Uma estranha ofuscação dos sentidos. O arrepio instantâneo e abrupto. Na minha cabeça ecoam determinadas vozes. Conversas entoadas. Conversas em tom de segredo. Sorrisos naturais. Vidas cruzadas. Olhares penetrantes. Uma dança envolvente. Júbilos contagiantes. Vidas partilhadas. Escárnios de bem dizer. Beijos. Aqueles beijos. E um rosto com traços de menino a ser mimado pelas minhas mãos.
Novamente vozes. Não sei ao certo o que elas me dizem. Sei que me murmuram palavras múltiplas, e me sabem aqui a escuta-las. Sim, porque não é pelo facto de ter optado fechar os olhos a este sentir, que deixei de querer ouvir o que tem para me dizer. Ouço em silêncio.
O mesmo silêncio da ausência e das diferenças sombrias. Ausências forçadas ou não. Diferenças relevantes ou não.
Fico aqui, dada ao silêncio comum dos pensamentos confusos.
Quero estar sozinha. Agora e sempre que assim o desejar. Talvez uma certa solidão possa dar-me respostas.
O que eu não quero é ficar à espera. Tu sabes Inês, que eu nem sequer sei esperar.
Deixa-me dizer-te também, que não espero algo concreto deste meu sentir, porque se assim fosse, o mesmo já teria avançado para um estado chamado desespero emocional. E isso, muito obrigada, mas eu não quero. Prefiro a vibração, o calafrio, a excitação, do que voltar a ter medo dos meus sentimentos.
Talvez o tempo me mostre na devida altura o seu significado. Talvez o tempo me ajude a encontrar a definição para este meu sentir.
Por enquanto mantém-se assim… misterioso e indecifrável.
É assim que eu o quero e por hoje é assim que vai ficar…
de olhos fechados e em silêncio. Misterioso e indecifrável.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Tudo tem o seu tempo...
A vida, as pessoas, os sentimentos, e até as palavras. Tudo, sem excepção tem o seu tempo. Um prazo irrepreensível. Por vezes desconforme, misterioso, bárbaro, forasteiro e desconhecido.
Tudo tem o seu tempo e cabimento. Enervante, enigmático e oculto... mas indefinidamente decisivo e aperfeiçoado.
Porque tudo tem um tempo, excedemos e transpomos os padrões da nossa flexibilidade sentimental. São as emoções que ficam recessas, e nós que ficamos indefesos. Cansamo-nos do frágil e indolente demorar dos dias. Temos urgência, uma urgência intolerável, por vezes impertinente. Vivemos agitados e ansiosos por motivos que dizemos não conhecer. Até connosco somos desleais. Dizemos não conhecer causadores, porque optamos fingir que ignorámos.
Mas depois, nos refúgios, nos abrigos assustadores e nublados começam a sentir-se defesas e protecções.
Escapámos aos destroços e deixamos de nos prender a restos e ruínas de sentimentos.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Perdi-me e continuo a perder-me.
Perco-me vezes infinitas e incalculáveis ao longo desta minha existência pouco calma.
Perco-me…como mulher, como pessoa, como menina que ainda me sinto…enfim…como ser humano.
Dispo-me de tudo e é este o meu retiro. Vou e venho à descoberta de mim. Tento reorganizar-me enquanto escrevo e reestruturo mais um pouco as minhas ideias. Reconstituo certas histórias e tiro cada vez mais lições de todas elas.
Reordeno as minhas emoções talvez na tentativa de ter mão nelas.
Sinto que continuarei a perder-me. Como pessoa, como mulher, como ser humano…porque acho que o encontro é algo contínuo, e esse exercício de nos perdermos para nos encontrarmos vai acontecendo várias vezes ao longo da vida.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

A inconsciência é muitas vezes a principal causadora de determinados estados de loucura. Julgo que este pensamento seja comum a muitas pessoas. O pensamento de que são muitas as vezes que atingimos um estado de insanidade por culpa da nossa inconsciência.
A inconsciência, ou a cegueira. Depende de como gostamos mais de chamar-lhe. O ténue e maçador esforço de correr ao encontro do que ainda está para vir, sem tão-pouco perscrutar memórias e reminiscências.
Não sei ao certo o porquê da invasão destes pensamentos no meu cérebro. Ou talvez saiba. Talvez porque me vejo rompida e rasgada pela minha própria vida. Tanto que me apetece renunciar a certos pontos. Apetece-me. Mas não o faço. Em vez disso mantenho os meus sentidos aguçados, na expectativa de assim descobrir um outro ponto de partida, e desse modo anular episódios que me perturbam. Apagar os passos dados em falso, aqueles que me levaram num sentido que hoje está a parecer-me errado. Só que as memórias não se riscam, como se risca algum apontamento que não está bem definido. As minhas memórias não…pelo menos não no seu todo.
Então hoje remanescem as piores representações, os instantes de dúvida, a tortura de certos sentimentos. As tais imagens que gostava de extinguir por instantes, mas não sou capaz.
É geralmente neste ponto, em que a minha consciência se torna imoderadamente real para ser suportável, que me desmancho em alucinantes e impetuosas habilidades a fim de desviar essas imagens da minha vista. E também é comum nestes momentos fechar os olhos e preferir deixar de ver. E é igualmente aí que os meus actos e gestos perdem parte do sentido. Se é que alguma vez o tiveram.
Claro está que falo em acções específicas, que na verdade não me apetece especificar.
Apeteceu-me apenas partilhar convosco estes meus pensamentos. E talvez um de vocês, mesmo sem as ditas especificações consiga perceber o que realmente tentei dizer aqui nesta minha curta e confusa dissertação.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Todos nós sabemos atacar, agredir ou descompor alguém.
Ao contrário do que se possa dizer, não acho que isso se faça por divertimento ou malvadez, mas antes por necessidade ou defesa. São diversas e variadas as etapas da vida em que somos coagidos e quase forçados a atacar como forma de defesa. Combatemos com sentimentos, assaltamos olhares, investimos numa capa de protecção para que não sejamos destruídos com os múltiplos ataques, e é precisamente nesse estado de defesa que nos sentimos totalmente aptos a atacar e a descompor pessoas.
Como é que se descompõe uma pessoa? Depende. Mas há muitas formas de o fazer. Algumas são descompostas com frieza. Depois há aquelas que vamos descompondo lentamente, sem que as mesmas se apercebam, vamos ceifando os gestos, e atacamos com o vírus mais eficaz, o desprezo.
Quando falei em necessidade de o fazer, é porque admito que muitas vezes tenhamos que derrubar antes que nos derrubem a nós, desmoronar antes que o nosso mundo seja desmoronado.
As pessoas têm muito que se lhe diga. E se muitas atacam olhos nos olhos, outras apenas o sabem fazer pelas costas, quase sorrateiramente, utilizando um vírus chamado falsidade. Para mim essas pessoas não passam disso mesmo, uma fraude. Daí preferir o vírus da indiferença e do desprezo.
As pessoas têm muito que se lhe diga. Algumas são autênticas cobras humanas, que quando se sentem ameaçadas ou intimidadas têm o deplorável costume de lançar jactos de veneno nos olhos de quem ambicionam atingir.
O que as ditas se esquecem é que o seu veneno de tão utilizado contra os outros, nós os outros acabamos por nos vacinar contra ele e torna-se completamente impossível sermos atingidos.
E também se esquecem, que não é preciso ser-se uma cobra humana para saber como se ataca, agride ou descompõe alguém.

Marisa Martins in Blogue Traição , Experiencias, Fuoxetina e Suposições

Poeira do chão

O que te dei em carinho
Tu devolveste em traição
O que era um claro caminho
Tornaste desolação
Hoje,tu voltas chorando
Para implorar meu perdão.

O meu perdão nada custa
Falando a palavra justa
Há muito eu te perdoei
E por amar de verdade
Vendo tanta falsidade
No fundo eu te lastimei.
Se é baixo e vil o interesse
O amor bem cedo fenece
É flor que morre em botão.

Não
Não pode alcançar os astros
Quem leva a vida de rastros
Quem é poeira do chão...

Dalva de Oliveira

Incrível como a saudade bate forte, mesmo depois de toda a traição e dor emocional. É difícil falar em voz alta, que ainda existe sentimento, que existe aquela vontade de sair correndo pro teus braços, que são neles que ainda cabe o meu mundo. O que eu mais queria responder pra você é "eu também e muito". Sim meu amor, eu também te amo, também te quero de novo nem que seja por uma loucura adolescente, que vá doer até sangrar depois. Não só porque a carne é fraca, mas também porque o vazio no peito é frágil e implora pra ser preenchido a cada dia.
Tirar você da rotina depois de 2 anos é como parar de comer berinjela, você sabe que seria fora de questão. Tento te manter perto. Me faz bem, mas me confunde. Não somos mais os mesmos quando os corpos não se tocam, evitamos mostrar nossas fraquezas e desejos. Eu sei que você faz tudo pro meu próprio bem, sei que se você não fizesse eu já teria enlouquecido, porque ta aí uma coisa que eu não conseguiria sozinha.
Talvez a nossa hora não seja agora pequeno. Mas me dói olhar pra dois seres humanos exalando carinho e desejo um pelo outro sem poder se sentir.
Sei que ficar juntos agora ia só machucar e servir pra mastigar ainda mais a alma doída. Tem muita história, muitos problemas não resolvidos e muitas coisas não faladas entre nós dois. Quem sabe daqui a um verão, uma faculdade, uma viagem.. Quem sabe...

Ana Carolina Basseggio

3 WEEKS AGO + 18 NOTES + REBLOG
#TRISTEZA #DOR #SOFRIMENTO #ABANDONO #TRAIÇÃO #;/ #MYTEXTS
“É você se foi . Cansou arrumou as malas e foi embora da minha vida sem ao menos se importar se isso iria me machucar ou não , apenas se foi . Doeu. Meu Deus, como doeu mas fiquei na minha . Não gritei, não chorei, não berrei, não bati os pés, não disse absolutamente nada. Por fora estava uma armadura, forte e inquebrável ,Por dentro eu estava um caco completamente destruída e frágil , me corroeu por dentro , fez-se um nó na garganta, senti como se esse nó estivesse me sufocando. Mas ainda assim, fiquei calada, na minha, quieta .Porque amor, saudade, carinho, afeto, isso não se pede. Você não pode se ajoelhar e implorar que a pessoa fique quando na verdade a maior vontade dela é ir embora.”

Thayna Rocha