Carta de Recomendação Pessoal

Cerca de 154 carta de Recomendação Pessoal

Ele não te quis? Acabou. Quer ser seu amigo pra quê? Quer cartinha de recomendação? Foi embora mas quer deixar seu lugar quentinho pra voltar quando quiser. Te manipula com voz suave, e te diz o que você quer ouvir.
Sacode a colcha da tua cama meu bem. Troca tuas fronhas. Joga fora essas calcinhas que você vestia pra ele, e vista-se de uma vida nova! Não deixe esse defunto te manipular. Não escute seus prazos: "Quem sabe em seis meses, Deus toca meu coração e eu volto!"
Não se comova com: "Se você beijar outro, pode me esquecer!!"
Beije outro, viva outra vida, saia dessa prisão, olha esse abismo à tua frente!
Não deixe as lembranças te aprisionarem. Quem vive de passado é museu, e quem foi embora morreu.

Jackye Monteiro

No inicio foi me dado uma folha em branco e a seguinte recomendação:

-Vai, e escreve tua história.

Hoje mais um capítulo estar dando lugar a outro, e assim estou a caminhar, combatendo o bom combate. Nesse enredo, papeis se misturam de maneira a não ser possível distinguir coadjuvantes de protagonistas, para tais os nomeio apenas de amigos e vida, este último, referente à minha família, a quem devo mais do que tenho. Guardando o que me foi ensinado, continuo a olhar a utopia no horizonte, essa, que às vezes questiono-me quando a sua existência. Contudo se não existir, agradeço-a por ter me feito nunca parar de caminhar e escrever minha história.

Pablo Renan

Carta de recomendação!
Não me peça para mudar...
aprenda a gostar de mim por inteira!
Não minta para me impressionar...
permita conhecê-lo!
Não digas que me ama...
apenas me ame!
Seja leal...
a verdade dói mas não ilude!
Olhe para mim...
e veja o conteúdo!
Não julgue- me...
tente compreender- me!
Não mostre apenas beleza...
apresente- me você!
Não faça promessas...
realize!
Se pensar em ir embora...
se despeça antes!
Se pensar em ficar comigo...
me leve a sério!
Se pensar em me amar...
Que seja de verdade!

Maria Di Francia

Dois garotinhos, prestes a embarcarem para uma travessia que os levaria rio acima, por recomendação paterna, recebem das mãos do comandante da excursão, cada um, uma bela e grande caixa, embalada em vistoso papel. O mais novo deles, sempre mais ativo e enérgico, lança-se ansioso para abrir a sua, quando o mais velho o repreende, asseverando que só poderiam receber presentes caso tivessem sido obedientes, se tivessem tido bom comportamento – era o que ouvira dizer. O mais velho não se achara digno a tal coisa, e após refletir brevemente, o mais novo também prontamente entristeceu-se por lembrar-se de suas últimas travessuras. Juraram fazer tudo o que fosse o certo, e somente isso, por pelo menos um dia, então abririam sem peso na consciência seus presentes.

Sentado, pensativo, o pequeno garoto observava a quase totalidade de seus companheiros de aventura com suas vistosas caixas ao colo. Pensou: quanta culpa estaria a bordo daquele pequeno barco! O que mais lhe chamou atenção ainda, foi o fato de que alguns daqueles garotos sequer seguravam caixas ou brincavam com qualquer novo presente. Pareciam bem cuidados, bem vestidos, tinham até coletes salva-vidas, mas... e seus presentes?, pensou! Seriam órfãos?!

Absorto em seus pensamentos, o garoto mau percebia a algazarra geral típica do ajuntamento de toda aquela meninada, nem ainda que toda a barulheira fora rapidamente substituída pela gritaria e pavor geral, quando começaram a enfrentar uma turbulenta corredeira. Foi o cutucão de seu irmão mais velho que o recobrou à realidade, quando percebeu os acoites sofridos pela navegação, meninos indo e vindo, lançados pela fúria dos movimentos, outros se jogando desesperados na água..., água invadindo tudo. Iriam afundar: concluiu.

Desesperado, o homem que comandava toda aquela turba, percebera que de tão preocupado em colocar a criançada no barco e garantir-lhes bela aventura e aprendizado de vida, se esquecera de ordenar-lhes abrir suas caixas e usarem seus presentes. Esquecera-se o fundamental! Aos berros, urrava aos meninos em desespero, que abrissem seus presentes, todos que, querendo apenas se salvar, agarravam aqui e ali, muitos que sequer sabiam onde teria ido parar suas caixas.

Ouvindo a ordem, o pequeno garoto lançou-se ao seu presente, sem prestar atenção que seu irmão mais velho o reprovava pelo ato: teria rompido seu juramento. Foi quando percebeu tratar-se de um colete salva-vidas novinho. Alegre pela esperança que brotava da caixa, vestindo-o sem demora, tentou avisar a seu irmão, que de tão desesperado, agarrava-se ao comandante, como fazia um sem número de crianças, fazendo-o desaparecer na turva água que os soçobrou. Percebeu, triste, que somente os garotos vestidos com o colete salva-vidas, inclusive ele, mantiveram-se à flor d'água e salvaram-se.

Era um presente. Expressão de amor e cuidado de um pai para com seus filhos. Ninguém precisaria ser digno primeiro, para então, depois, abri-lo. Nenhum daqueles meninos o faria, se assim fosse...

Efésios 2:8; 2:1-10; João 3:16
O garotinho e o presente
Por Samuel Amorim

Samuel Amorim Oliveira

A evolução pessoal surge quando há mudança comportamento.Há um
momento na vida da pessoa que ela escolhe ter determinadas atitudes que ela mesmo sabe não serem corretas. Nós fomos criados por Deus a sua imagem trazemos em nosso interior a sua mensagem , que foi escrita em nossos corações sobre o certo e errado . O desejos dos seres humanos são maus ,lógicos que nem todos mas no geral , porque visam primeiro ele , a sua satisfação. Percebemos que quando uma pessoa começa ir a uma igreja e muda seu comportamento simplismente pelo fato de ela achar que deve mudar, então ela começa a evoluir . Existem inúmeros motivos que levam a pessoa tomar uma atitude assim ,a vida é curta demais , ela não está feliz ,ela precisar melhorar etc. Sempre sabemos quando estamos certos e quando estamos errados a maioria das vezes , é que a consciência esta destreinada e a pessoa não escuta a voz que existe no íntimo dela . Quando você procura Deus , você automaticamente o encontra porque ele está sempre perto e a magia começa acontecer . Aquela pessoa que tinha vícios e que não olhava para ninguém além dele mesmo começa a ter percepção de algo mais , algo que antes ele não enxergava .Podemos mudar e isso é realmente o que Deus quer que façamos , evoluamos para melhor . Confúcio disse que as pessoas não mudam por dois motivos : porque são extremamente sábias ou porque são extremamente estúpidas , note que ao seu redor tudo muda, a sua casa , as pessoas , a condição de vida , sua aparência tudo muda e todo está em constante evolução .Sabemos que objetivo de todos é ser feliz então porque a felicidade está tão longe da maioria das pessoas. Bom em primeiro lugar a felicidade dessas pessoas estão vinculadas a alguém ou a alguma coisa . Não sabemos ser felizes , a felicidade é uma utopia para a maioria das pessoas . Estamos interessados em lucros e vantagens ,mesmo quando vamos a igreja. Fazemos doações voluntárias e quando ajudamos a alguém em nosso íntimos dizemos : Deus vai me recompensar !! você fez caridade mas querendo receber um pagamento por isso , você acha isso certo? Não podemos ser hipócritas. Deus pode ver seu coração . Jesus disse que aquele que era seu amigo fazia o que ele falava. Será que era só escutar? Ir a igreja e depois esquecer ? evolução , a pessoa teria de mudar seu comportamento a sua maneira de ser , por assim dizer ser lapidada ai a felicidade iria bater a sua porta e nunca mais o abandonaria . Temos que nos conhecer não adiantará rezar muito se o seu comportamento não condiz . Você acabará achando que Deus não lhe escuta, o que não é verdade.
Posso citar um exemplo uma pessoa que tem depressão ora a Deus e pede que Deus a cure , mas ela está assistindo filmes violentos e noticiários que falam de catástrofes e morte todos os dias . Ou ela esta com um problema de bronquite asmática mas não para de Fumar , ou ainda tem problema de pressão alta e a sua alimentação é totalmente errada . Agora responda adianta orar? Notem uma coisa, o desejo prevaleceu sobre o que era certo . Por ex uma pessoa sabe que fumar é errado ou que não é muito bom para saúde mas mesmo assim ainda assim o faz , muitas vezes argumentando que a única coisa que ela faz é isso . Perceberam a vontade superando o que é certo. Em todos os momentos da vida somos deparados com esses desafios . Mas aqueles que procuram evoluir ou melhorar sua condição de vida e ser felizes não devem apoiar-se em nada pois tudo o que você precisa você já tem .Você pode mudar , mas só vai realmente acontecer quando você quiser depende de você. Lembre-se tudo muda ao nosso redor , você também pode mudar . Na verdade cada segundo que passa você está mais convencido disso , no seu interior você sabe disso ,mas porque desiste então
sem pelo menos lutar . Numa guerra as pessoas que participam dela estão lá para matar ou morrer , não é muito diferente . Não tente faça .... Deus está com você , hoje e para sempre ..

NILSON HURAN

AÇÃO PESSOAL



Cumprindo o meu dever:
Fazer sempre algo mais.

No exame de mim mesmo:
Aceitar-me e servir.

Quanto aos outros:
Dar auxílio e respeito.

Nas lutas dia-a-dia:
Trabalhar e esquecer-me.

Ante o mal que apareça:
Calar, buscando o bem.

Fazer perante Deus:
O melhor que eu puder.

Emmanuel

Caráter pessoal

Esse caráter pessoal e original que envolve tanta coisa causando mudanças com o passar do tempo, faz com que eu me contente com minha própria vida sem ostentar a vida do próximo. Somente escutar não adianta tem que saber ouvir. Assumir conseqüências não é fácil, pois muita gente diz a verdade com medo, temos que saber guardar segredos e jogar limpo com os desejos. Sei que não posso ser tudo ao mesmo tempo, pois o meu caráter não gosta de se amostrar. Posso ate mudar de cidade, conhecer novas pessoas e fazer novas amizades, mais os amigos originais são aqueles que construíram o meu caráter de personalidade e jamais vou esquecê-los, eu sou amigo do réu que cogitou ser a vítima por medo. É preciso admitir a derrota, para viver tem que saber sofrer. Ter estilo é fundamental, a personalidade é o conceito dos outros sobre sua imagem e a minha pode ser dupla ou ate tripla o importante é que pelo menos uma eu tenho certeza que vai conquistar você. Assumir o medo é ótimo para despertar coragem para dizer uma mentira saudável, penso como todos e vivo construindo o meu tudo. O meu tudo é minha vida. Sou flamengo de alma e coração, luto pelo amor, pelo direito e também pela festa. Acredito que a última geração de casamentos que irá durar mais que 50 anos é essa que vovô e vovó estão vivendo. Hoje, a interação é viciante e já não conseguimos viver sem ela, o mundo evoluindo e a espécie regredindo é preciso entender a evolução da interação para saber lidar com certos sentimentos. Faço aquilo que está entre o certo e o errado, eu faço direito. Sou filho de DEUS, amigo sol e amante da lua, vivo intensamente cada momento, pois a felicidade é momentânea. Meu lado bom é muito bom e meu lado ruim é melhor ainda. O meu objetivo é chegar a um lugar que eu possa sentir o vento da noite tocar o meu rosto, o calor da fogueira refletir em meus olhos e estar acompanhado de um belo sorriso de uma linda criança com o olhar daquela que faz bem. Coração grande e acostumado a lidar com os riscos da emoção, sou sonhador e acredito naquilo que vai além. Quero encontrar o meu verdadeiro eu, porque ele me levará ao meu verdadeiro ser. O dia de amanha está todo na agenda mais os meus atos do presente mudam completamente o futuro programado. O amor é desejado por todos mais suas mutações não te deixa confiar, a confiança está chateada com a traição e a culpa é da mutação do amor, esse sentimento desejado por muitos e encontrado em poucos. Você pode ate me chamar de louco e quando me chamar de louco eu me lembrarei das sábias palavras ditas por Bob Marley : “Sou louco porque o mundo que eu vivo não merece minha lucidez”.

Thiago Kxaça

Desculpa...

Desculpa por ver em você uma pessoal tão especial, com um brilho descomunal.
Desculpa ter chegado assim, sem pedir licença e me apegar ao seu alto astral.

Desculpa por te achar a mulher mais linda do mundo.
E desculpa mais ainda por eu querer te ver todo o segundo.

Desculpa por eu chegar e te incomodar logo cedo,
Mas que culpa tenho se sua voz é extremo aconchego.

Desculpa por pensar em você todo o dia.
Desculpa por não conseguir ficar sem o seu bom dia.

Desculpa por encontrar em você um exemplo de felicidade,
Mas entenda que é onde vejo uma verdadeira amizade.

Desculpa por me apegar tanto ao seu encanto.
Desculpa se ao ouvir sua voz, apenas ouço um canto.

Desculpa por viajar no seu perfume,
Pois sempre quando o sinto, brilha intensamente um lume.

Desculpa por as vezes adormecer com você na mente.
Desculpa por te sentir tão intensamente.

Desculpa por te enviar mensagens sem nexo.
Desculpa por eu ser assim tão complexo.

Desculpa por ficar te esperando chegar.
E desculpa por, na hora de ir embora, querer te fazer demorar.

Desculpa se com você me sinto num conto,
Mas é assim toda vez que te encontro.

Por fim, mil desculpas se com isso te assusto.
Até porque eu entendo seu susto...

Teodoro

INCENTIVO

Eu desejo que Deus te abencoe em todas as areas da sua vida: pessoal, profissional, sentimental, financeira e que te de muita saude! Que voce consiga falar diretamente com Deus e ouvir o que Ele tem a lhe dizer! Que voce passe a ter uma fe inabalavel de que tudo vai dar certo, pois Deus nunca erra, se ainda nao deu, é porque ainda nao é o momento. Que você tenha paciência de esperar o momento certo para tudo na sua vida, mas que nao durma no ponto com desculpas adiando o que so compete a voce fazer!

Tamy Henrique Reis Gomes

Parabéns e que você seja sempre essa pessoal amigável e inteligente...acredite nos seus sonhos e que no caminho dessa vida você se espelhe naqueles que apesar das dificuldades jamais desistiram...

De coração te desejo toda felicidade do mundo até seu coração transbordar e venha reparti com aqueles que longe ou perto sempre irão lembrar dessa pessoa tão especial que é ...você!

Rosenildoandrade

"Quem sou"
(Marcus Demétrios)

"Nenhuma antipatia pessoal,por sectarismo ou vassalagem,será capaz de apagar do meu escopo o estilo marcante de provocar o amor e o ódio e fazê-los sangrar.Pode não ser a melhor ou a pior das qualidades,mas é,certamente,um traço da minha personalidade que a ninguém é dado desconhecer.Personalidade forte na plenitude da expressão,nada me falta:nem os grandes pecados que os meus inimigos derramam sobre os meus ombros,nem as grandes virtudes com que os que me amam(e me suportam) alinham o manto com que me vestem.Por isso,pelas contradições,me é tão legitimo o rótulo,por mais que os rejeitem,de humano.Não tenho mais pecado do que me atiram pedras,e a esses eu chamo de levantadores de infámias,nem menos virtudes dos que me afagam,e por isso me dou por inteiro a esses.Quem em mim atiraria a primeira pedra?Os desafetos que ontem faziam juras de amor eterno e cantavam minhas virtudes?Ou os amigos de hoje que em outroras assacavam contra mim todas as leviandades.Eu mudei muitas vezes.Os outros também.Todos nós mudamos várias vezes quando as circunstâncias impõem a urgência do fascinío do renascimento.Sou humano porque forjado no calor subidas e descidas impostas pela vida,sou amado e odiado a cada dia e a cada nova curva.Porque aprendi com a vida os ardis e a frieza de engendrá-la sem medo.Sou o espelho que alguns teimam em não enxergar.Ora se o amor e o ódio são eternos e o ódio é um amor enlouquecido,e mesmo que todos se perguntem até hoje-Quem é Marcus Demétrios?-os respondo que sou um ser humano.E é preciso ver os humanos como são.Sem maquiá-los de anjos ou demônios com o verniz vivo da admiração ou a tinta morta do desprezo.O humano não tem disfarces.Sou feito de ousadia e me entrego sem máscaras aos carinhos dos que me admiram ou ás garras dos arbutres.Tudo em mim é um destino."

Natal,04 de abril de 2010.

Marcus Demétrios Garcia Fonseca

Mamis

Parabéns por ser essa pessoal tão especial;

Parabéns por radiar luz por onde passa;

Parabéns por ser carinhosa e gentil;

Por seres meu presente e constante em minha vida

Por me entender mesmo quando não digo nada,

Por seres o alicerce para minha felicidade...

Parabéns a eu por ter a melhor mãe do mundo !

Andréia de Figueiredo

A ausência da história pessoal

Para que os ritos mágicos consigam passar de geração em geração, o feiticeiro (ou xamã) deve esquecer tudo aquilo que aprendeu antes de iniciar-se na magia.

Segundo a tradição, um homem ou mulher que está preso ao seu passado, termina deixando governar-se pela maneira de pensar de seus pais, ou a sociedade em que vive. Por isso, todo iniciado escolhe um novo nome, e procura livrar-se de lembranças, boas ou más.

Para poder abandonar a história que viveu, o feiticeiro passa meses seguidos recordando, nos menores detalhes, cada um dos eventos de sua vida.

Algumas tradições pedem que ele fique horas a fio contando em voz alta, para um copo cheio de água, tudo que aconteceu em cada encontro com cada pessoa; assim, a experiência sai da memória e vai para a água – que em seguida é atirada em um rio. Desta maneira, a cabeça fica “vazia”, e pode começar a ser preenchia com novas coisas.

Uma vez livre de seus pensamentos antigos, o feiticeiro concentra-se no silêncio interior, e espera que os espíritos comecem a contar a verdadeira história do universo.

Este silêncio, junto com a ausência de lembranças passadas, dá ao feiticeiro a sensação de liberdade total para entender um novo mundo.

Paulo Coelho (postado por Renato Oliveira)

Uma frase sábia de Suzana Barbi sobre um post que fiz recentemente em meu blog pessoal na qual eu dizia: É tão complicado não pertencer a alguém, e é muito mais complicado quando você tenta se enganar disso, de que nunca desejou ser de alguém, fazer parte de alguém.
É. Eu sei.
Sei que sou completa. Sou mesmo?
Você é?
Essa idéia do completo é bonita porque ela te deixa forte e satisfeito, mas no fundo sempre vamos almejar alguém que complete essa sua parte ‘completa’....

E Suzana sabiamente comentou:
"Gabiroba, querida.
Tem dias que são noites. Mas ninguém é de ninguém. Caminhamos juntos. Só. Se formos do outro, perdemos a nós mesmos."

Eu sosseguei meu coração ali, naquele momento.

Gabriella Lima

Eu sei que o meu desespero não interessa a ninguém.
Cada um tem o seu, pessoal e intransmissível:
com ele se entretém
e se julga intangível.

Eu sei que a Humanidade é mais gente do que eu,
sei que o Mundo é maior do que o bairro onde habito,
que o respirar de um só, mesmo que seja o meu,
não pesa num total que tende para infinito.

Eu sei que as dimensões impiedosos da Vida
ignoram todo o homem, dissolvem-no, e, contudo,
nesta insignificância, gratuita e desvalida,
Universo sou eu, com nebulosas e tudo.

António Gedeão

REALIZAÇÃO PESSOAL



Um caminho, uma história, uma vida.
Entre vitórias e derrotas,
O golpe que deveria ter sido fatal
Não foi felizmente, mortal!

Hoje, a amargura que se desfaz,
Forja o doce encanto que se refaz.
O oriente do passado triste e indiferente
Dissolveu-se após longa prostração

O ocidente hoje, mostra-se a minha frente,
Horizonte colorido, luz divina, idealização!
Caminho desconhecido, porém, querido.

Sou eu, garra, fibra, determinação.
A força da fé em nova estrada
Indo ao encontro da realização!

Siomara Reis Teixeira

A realização pessoal é algo que só quem consegue vai entender
Conquistar seu sonho requer muitos obstáculos
Muitas perdas e muitas separações.
Mas no fim da tudo certo
Se você fizer com amor
Criações do criador em alma se transpõem,
A imagem do progresso simplesmente se faz
Quando você acreditar que é capaz.

Daniel Zákia

Inferno pessoal.

E é no meu inferno pessoal mais profundo que se encontram os meus verdadeiros sentimentos, aqueles que fazem rir de chorar à chorar de tanto rir. Esses sentimentos são tão intensos, mas tão intensos que fico horas buscando palavras que melhor os demonstre, mas isso vai em vão, enquanto não consigo encontrar palavras dignas de tanta grandeza, tenho que ‘definir’ esses sublimes sentimentos como algo que me deixa ‘sem palavras’, porque não dizer que é indescritível?
Mas o real problema não é simplesmente não conseguir defini-lo, e sim tira-los daquele profundo inferno que se escondem e mostrar a eles, os seres que os causam.

Jean Almeida

A maior realização pessoal que o ser humano pode ter é viver na presença do Senhor. Depois que descobri esse segredo só tenho suspirado...
Ah como é bom ter um Deus que cuida de cada uma de nossas necessidades!
Tente, experimente, descubra você também a preciosidade de ter uma vida com Deus!

Indyara Ribeiro

“A OPINIÃO PESSOAL” E “A OPINIÃO PÚBLICA”

Antes de comentarmos este importante assunto, convém lembrar os significados dos termos “Opinião Pessoal” e “Opinião Pública”. A opinião pública é o somatório das opiniões pessoais de todos, quase todos, da maioria ou da minoria dos cidadãos que compõem uma sociedade. Assim, opinião pública é o que dizem,pensam e leva a agir (ou, não) conjuntos de pessoas nesta, nessa ou naquela determinada Sociedade. A grosso modo, temos “opinião pública” de um grupo de pessoas (como o de determinados profissionais), de uma rua, de um quarteirão, de uma quadra, de um bairro, de uma cidade, de uma zona metropolitana, de uma zona rural, de um estado, de uma região, de um país, de um continente e do mundo.

Acredito que estes exemplos são suficientes para se ter uma idéia do poder e alcance da “Opinião Pública”. Ela se torna mais poderosa e efetiva quando se transforma em “Clamor Público” que pode forçar e levar às mudanças profundas na Sociedade. Já vimos isso no passado e, agora, as presenciamos em muitos países orientais; derrubando impérios, reinados seculares, governantes déspotas, políticos desonestos e demais tipos de corruptos. Vemos, pois; que a “Opinião Pública” pode gerar o “Clamor Público” e causar alterações profundas na vida das pessoas e no todo Social.

Assim, pode-se perceber que uma determinada opinião pública pode ser construtiva ou destrutiva; positiva ou negativa para esta, essa ou aquelaloutra Sociedade. Um exemplo de opinião pública mundial e positiva foi a que gerou o clamor positivo que derrubou o “Muro de Berlim”, levando à unificação da Alemanha, na década de 90. Quanto à opinião pública negativa, o melhor exemplo é a que levou à condenação e morte de Jesus; contrariando o desejo do governador Pôncio Pilatos que queria libertá-Lo.

Porém, temos um grande e grave problema a resolver, se quisermos formar uma opinião pública consciente e positiva no Brasil e em todas as sociedade em que a maioria das pessoas não tem conhecimento,cultura e saber; suficientes para a formação de uma consciência madura e inteligente. Os poucos Países que ainda não foram, totalmente, derrotados pela contracultura moykana, como por exemplo, a Suécia; onde os deputados nada ganham para legislarem, vivem de seus rendimentos privados e se orgulham por trabalharem graciosamente por seus cidadãos. Lá, a opinião pública é forte e atuante porque a maioria do povo sueco é culta e dedicada aos Estudos e à Leitura. Desta forma, como a “Opinião Pública” é formada pelo conjunto de opiniões individuais ou pessoais e que, a maioria de nós, nem conhece a Língua Pátria, pois estamos nos comunicando, apenas, por meio de, mais ou menos, 7 (sete) palavras vazias, pobres e chulas; 3(três) frases repetitivas e muitos palavrões pouco recomendáveis para quem tem mais de 50 anos ou portadores de alguma síndrome estomacal.

As palavras mais usadas pela maioria para comunicarem a “cultura” nacional vigente, principalmente pelos “veios” mais novos, são: “valeu”, “beleza”,”cara”, “jóia”, “legal”, “vei” (no lugar de “velho”,creio eu) e “mano”. As frases campeães em repetição são: “com certeza”, “de repente” e “ ninguém merece”. Estas, quase sempre significando o contrário do que pensam os que a repetem. Coincidentemente (e, o que é pior!), são as mesmas palavras usadas por detentos das penitenciárias norte-americanas, notadamente entre aqueles de alta periculosidade que aguardam ansiosos a injeção letal. Penso que essa coincidência não deve ser muito lisonjeira ou salutar para nós e demonstra que estamos “lascados”, ”perdidos” e “fritos” em gordura trans, quanto ao nosso incerto e pouco promissor futuro.

Como podemos atuar na sociedade, de forma positiva e construtiva se a maioria formadora da “Opinião Pública” se encontra em deploráveis condições intelectuais, culturais, materiais, psíquicas e somáticas? Como podemos reivindicar algo que desconhecemos? Por exemplo: que opinião pública poderá se opor à construção de novas usinas nucleares em nosso País? E, se alguma já existente vazar material radiativo! Com exceção de alguns poucos especialistas, quais do povo irão formar oposição contra tão grave fato? E a atual e crescente contaminação atmosférica com o CO2, causada pelos milhões de veículos e chaminés de indústrias poderosas nacionais e internacionais! Devemos esperar combater esses crimes ecológicos através do “clamor público” da nossa festiva e despreocupada moçada, incluindo os moykanos, que se divertem incendiando pobres índios solitários, e mendigos sonolentos nas noites frias (ou quentes) das nossas cidades e que matam com tiros, facadas e pauladas outros moykanos de tribos rivais? Será que virá deles a nossa salvação? O inculto, o alienado, o ignorante e o imaturo não têm opinião própria, pois seguem os rastros de uns poucos espertos e aproveitadores que os condicionam ao modismo, ao consumismo, às bebidas, às drogas, ao sexismo e à permissividade e promiscuidade generalizadas. Como poderemos formar uma opinião pública consciente, inteligente, criativa, forte e responsável; com pessoas alienadas que nem o idioma nativo sabem falar!

Por tudo isso e mais outras é que a sociedade brasileira necessita tanto de uma “Opinião Pública” forte, consciente, esclarecida e atuante. Forte que seja capaz de enfrentar os descalabros políticos e administrativos, bem como, as inúmeras ameaças psicológicas, físicas e econômicas que nos afligem os maus governantes, os comerciantes inescrupulosos, as autoridades incompetentes, desonestas e arbitrárias, além da bandidagem que nos atormenta no dia-a-dia, tornando a nossa vivência mais angustiante, sofrida e curta neste “vale de lágrimas”(mais lágrimas que Vale). Precisamos, urgentemente, de uma opinião pública atuante, capaz de arregimentar-se no momento preciso, com a rapidez proporcional às ameaças sentidas e pressentidas. Ameaças estas que nos vem por todos os lados, dos pilantras mais endinheirados aos assaltantes “pés-de-chinelo” que furtam pirulitos de criancinhas; passando pelos milhões de moykanos que agridem com paus e pedras o que vêem pela frente, sem falarmos dos inúmeros outros tipos de agressões que nos amedrontam diariamente.

As iniciativas de formação de uma “Consciência Nacional” com o objetivo de proteger o cidadão têm sido tentadas há muito, porém de formas tímidas, isoladas e fracionadas; sendo, por isso, frágeis e incapazes de se oporem à ganância especulativa dos capitalistas vorazes, dos políticos, governantes e autoridades corruptas; além de muitos outros problemas crônicos que, historicamente, nos atingem, como a corrupção, incompetência e omissão de muitos (i)responsáveis pelo destino e o viver da população. Não esqueçamos o esforço e a boa vontade de algumas associações de consumidores que, com muita abnegação e competência, nos defendem dos maus empresários. Sempre fomos omissos e incapazes de exigirmos providências contra a impunidade que caracteriza os autores de crimes que corroem a nossa economia, a nossa saúde, o meio ambiente e a nossa segurança física.

Estamos, há séculos, dormindo em “berço esplêndido” ( não mais tão esplêndido), divididos e fracionados para exigirmos o que temos direito. Nós, cidadãos produtivos, honestos e contribuintes, permitimos que os maus invertessem a ordem natural das coisas. Paradoxalmente, são os desonestos, os improdutivos, os parasitas e os degenerados que estão a receber prêmios, medalhas de honra e benesses! Porque deixamos chegar a tal ponto? Porque nos omitimos por medo, fraqueza e sentimento de impotência para reivindicarmos as nossas mais justas pretensões e porque as nossas mentes não estão solidárias e coesas para os mesmos objetivos sociais. Olhamos somente para os nossos próprios umbigos e os umbigos dos outros,principalmente agora, assistindo a essa monumental exibição de umbigos a desfilarem desinibidos pelas ruas e em todos os cantos e recantos do nosso País(vide o Artigo: “A Dança dos Umbigos”, do mesmo autor). Como é de costume, ficamos a esperar que os “outros” tomem as providências para a resolução dos problemas sociais, esquecendo que cada um é o “outro” do “outro”; e, assim, nada de concreto se faz. Ao contrário, os delinqüentes e espertalhões aglutinam forças em organizações e quadrilhas bem articuladas e em “lobbies”, a fim de exercerem pressões contra quaisquer ameaças aos seus fabulosos lucros e em outros interesses contrários à população. Nós, pobres e indefesos cidadãos, pensamos isoladamente e, quando muito, lutamos individualmente pelo nosso escasso direito de viver. É o “salve-se quem puder”, entulhando o Judiciário de Ações de disputas e querelas pessoais que, progressiva e geometricamente, sobrecarregam os magistrados que deveriam ficar mais voltados para as importantes missões sociais. Por tais razões, poucos de nós se salvam, enquanto muitos degenerados nos atormentam diária e impunemente nas ruas e os gatunos se eternizam no poder e na riqueza fácil, garantidos por nossa subserviência material, mental e moral.

Um bom exemplo da crônica omissão dos Bons, frente à ofensiva dos Maus é a nossa tolerância diante do imenso e crescente festival de barulho e de asneiras que invadiu as cidades brasileiras, desde as mais humildes às grandes capitais. Em qualquer lugar que se vá, somos obrigados a ver e ouvir os berros e os urros da rapaziada festiva se divertindo e se exibindo com os seus inúmeros “berros-falantes” instalados em seus carros ricos ou pobres que vociferam os seus lixos sonoros, no mais alto e “mau-som”. Ninguém faz nada para impedir o avanço dessa delinqüência sonora que, além de causar uma surdez epidêmica, está alimentando e disseminando a estupidez nacional. Sobre este assunto, o autor o expõe e o analisa em detalhes no Artigo “ O Império do Barulho”, já conhecido e divulgado em diversos Sites. Estão omissos os bons cidadãos; aqueles que são cristãos, trabalham honestamente e pagam os impostos devidos e indevidos. Se continuarmos calados, inconscientes e medrosos; dentro em breve veremos a vitória total do MAL e o triste velório do BEM. Assistiremos à prevalência das opiniões de malfeitores e degenerados de toda espécie, a comandarem o nosso destino, com a implantação de costumes, normas e leis esdrúxulas, nocivas e prejudiciais às pessoas que ainda preservam os Bons Costumes, que são a honra, a honestidade, o humanismo, o patriotismo e o respeito social.

Uma autêntica “Opinião Pública” tem as suas bases no amadurecimento político, na conscientização de cada cidadão, através da Cultura adquirida pela prática do Conhecimento construtivo e pela leitura útil e positiva. E quem quer saber disto hoje? Quais moykanos, com algumas exceções, que se interessam por outras coisas que não o prazer imediato do “aqui-e-agora”, do sexismo, dos variados tipos de vícios e do exibicionismo estético e material? Não são somente os “tribais” e os das “galeras” que se encontram à deriva nos mares revoltos da abissal ignorância em que se afundam e nos levam juntos, sem qualquer tábua ou balsa de salvação à vista. A maioria dos nossos, não estuda,não quer saber de estudo e odeia quem estuda . O que se deve esperar de tantos alienados? Pior, essa alienação é mundial, crescente e sem perspectiva de estanque! Qual governante e político de países de segundo, terceiro e quintos mundos que têm interesse em educar e cultivar, positivamente, as suas populações?

Repetindo, a opinião pública, isto é, a opinião geral de uma sociedade, tornada pública, é resultante do modo de pensar das pessoas que constituem essa mesma sociedade; sendo o somatório da vontade e dos anseios individuais para uma vida melhor para todos. Ao contrário do “todos por um e um por todos”, vigora entre nós o “cada um por si e ninguém (ou quase ninguém) por todos”. Assim, vivemos ao sabor de interesses de espertalhões e degenerados que conseguem dominar e se aproveitar da maioria inerte, frágil, covarde, inculta e omissa. Esperamos que o outro, ou alguém, tome as iniciativas que cabe a cada um tomar, na preservação de sua própria cidadania.Enquanto esperamos que o outro fale, reclame ou lute por nós; ele espera,também, que façamos o mesmo por ele. E, assim, ninguém faz nada pelo social e quase nada por si; com exceção das minorias que detém o poder político, econômico e social. Estas se organizam com ênfase, garantindo e solidificando o poder e o controle sobre os demais que pouco reclamam ou agem em sua defesa. Isto fica bem evidenciado no comportamento das grandes corporações industriais, agropecuárias, comerciais e políticas que usam e abusam da população, manipulando sem o mínimo pudor e humanismo as nossas necessidades mais básicas, como a alimentação, a saúde e a segurança.

Muitos indivíduos e empresas, aproveitando-se da nossa inconsciência individual e coletiva (esta, depende da primeira), da tolerância irresponsável e conivente de governantes e políticos amorais e imorais; auferem lucros astronômicos, em meio às crises econômicas que, de vez em quando, assolam o País. Algumas delas, internacionais, exploram a população há décadas e quando solicitadas a abrirem mão de uma pequena parcela desses lucros, frente às dificuldades das populações locais, ameaçam com o boicote de seus produtos, alguns deles essenciais à sobrevivência de grande número de pessoas, como gêneros alimentícios, remédios e outros produzidos e monopolizados por elas. Quando enfrentam determinações legais, burlam as leis, lesam os interesses e a saúde de todos, não raro, desrespeitando e ameaçando abertamente as impotentes autoridades que, desmoralizadas por sua própria incompetência e conduta moral, voltam atrás e se submetem aos caprichos e interesses econômicos ou políticos. Já vimos exemplos demais de tais desmandos e nada fizemos para contê-los. Tudo temos suportado, covardemente, porque não temos a força de uma “Opinião Pública” verdadeira, forte e consciente, capaz de enfrentá-los, atingindo-os em seu ponto mais vulnerável: suas vendas! Se nos organizássemos, não ficaríamos sujeitos à ganância e aos seus interesses, nem sempre angélicos. Teríamos a força necessária para enfrentrá-los, mostrando-lhes que a nossa dependência em comprar os seus produtos é proporcional à deles, em nos vender os mesmos. Não há empresa sem consumidores; assim, como não se pode consumir sem a existência de produtores. Somos dependentes um do outro.

Os políticos são eleitos e dependem do nosso voto para sobreviverem; assim como necessitamos deles para mantermos a governança; e, por não sabermos votar, não temos governança competente. Podemos e devemos boicotar produtos, serviços, governantes e políticos nocivos, desonestos e perversos. É preciso uma consciência nacional culta, madura e atuante para a prática social da própria sobrevivência pessoal e coletiva. Por que continuar usando serviços e comprando mercadorias adulteradas; votar em políticos criminosos, corruptos e incompetentes? Por que não se organizar em associações e grupos comunitários para exigir que o Poder Público se empenhe na caça aos bandidos ricos e a Justiça puna os marginais poderosos? Afinal, eles não estão aí para servir à comunidade? O que se vê no Brasil é uma imensa falta de caráter que nos condiciona à desonestidade generalizada. De tanto vermos a imoralidade e a amoralidade daqueles que deveriam ser exemplos de integridade e caráter; estamos nos tornando corruptos contumazes. Não é só aqui que o Mal prevaleceu sobre o Bem ; é um fenômeno mundial maligno e inevitável. Se perguntarmos a qualquer pessoa sobre o que faria se achasse na rua algo valioso, como dinheiro; quase todos responderão que ficarão com o que não lhes pertencem. Tal pergunta e a mesma resposta, nós já a fizemos, e a obtivemos em muitas pesquisas locais. Raríssimas foram aquelas que responderam com caráter e honestidade que devolveriam aquilo que acharam e não lhes pertence. Assim, desgraçadamente, o Mundo se corrompeu em todos os sentidos e o Mal venceu o Bem. Desse modo, se aceitamos a Teoria da Evolução de Darwin, estamos geneticamente imorais e amorais; exemplos de imoralidade e amoralidade no mundo, é o que temos com muita fartura.

Não temos é criatividade e, tampouco, a iniciativa de mudarmos os nossos hábitos negativos, como o da alimentação, por exemplo. Neste caso, poderíamos criar associações e movimentos municipais, estaduais e nacionais; solidários e coesos, numa força poderosa com o firme propósito de se rechaçar a ganância dos especuladores a improbidade dos políticos, governantes e autoridades desonestas. Poder-se-ia engajar a maior parte da população brasileira em uma imensa Confederação de Contribuintes para dar um basta à violência, à degeneração dos costumes, à corrupção política, governamental, comercial, industrial e de qualquer indivíduo que desobedeça as regras sociais de convivência harmônica, honesta e salutar para todos. Quando o preço de um produto subisse especulativamente, os consumidores boicotariam, por tempo determinado, aquele produto. Uma denúncia de fraude no peso ou na qualidade da mercadoria, esta seria prontamente rejeitada pelos consumidores, até que o vendedor ou produtor remarque o seu preço. Alimentos contaminados teriam como punição para os responsáveis o boicote total de todos os produtos daquele fabricante. Ninguém iria morrer por deixar de consumir, por algum tempo, leite, carne, enlatados, embutidos, óleos, refrigerantes, etc. Muito pelo contrário, poderia haver até um grande “surto” de saúde na população; pois muitos deles são, notoriamente, prejudiciais ao nosso organismo. Não há exagero na afirmação, considerando-se que se pode substituí-los por outros alimentos mais naturais e menos tóxicos, usando-se a criatividade de receitas alternativas.

A cobiça desenfreada de muitos empresários seria contida com a simples providência de se rejeitar os seus produtos. Não só com o consumo de bens; mas, também, o consumo de muitos programas de televisão que, em grande parte, são os causadores da falência da família, no mundo inteiro. Os pais que ainda tem alguma consciência do Bem ( os inconscientes já perderam-na), devem boicotar todos os programas que deterioram a personalidade e comprometem a saúde física e mental de seus filhos; bem como o bem-estar da própria Civilização, já em franca deterioração. Desligar os seus aparelhos de televisão, boicotando essas emissoras que se utilizando de uma concessão PÚBLICA, concedida obsequiosamente por governantes e políticos inescrupulosos, em nosso nome e sob a irresponsabilidade, incompetência e cegueira de autoridades que deveriam zelar pela moral pública, invadiram e invadem os nossos lares, corrompendo a tudo e a todos com programas de baixíssimo nível mental, ensinando e condicionando ao crime e às perversões de toda natureza. A repetição desse lixo televisivo, durantes décadas, sem qualquer oposição das famílias, do Governo e das autoridades, condicionou milhões de indivíduos imaturos que estão por toda a parte, drogando-se, agredindo, “sexando”, ”ficando”, “bestando”, alienados, alcoolizados,fumando,pichando e sujando os bens públicos e particulares que encontram pela frente; roubando,furtando e nos matando.

Desligando suas televisões e boicotando as Emissoras; as famílias prestariam um grande bem a Humanidade e a si mesmas, restaurando o que sobrou dos laços familiares, destroçadas que foram pelo condicionamento nocivo e negativo de inúmeros programas de TV, principalmente de novelas que retratam,expõem e ensinam diferentes espécies de degeneração e degradação às crianças e a todos imaturos que a assistem; são verdadeiras Escolas de Criminalidade. O boicote e a rejeição serão as grandes armas da população consciente e participativa nos problemas comuns. Isso só será possível, repetimos, por meio da estruturação de uma sólida e autêntica “Consciência Nacional”, visando à oposição e à resistência a todos aqueles que são nocivos à sociedade. Os interesses escusos de alguns políticos, governantes, autoridades, comerciantes, industriais e de quaisquer outros vigaristas, não poderão mais continuar incólumes, aviltando a nossa economia, a nossa saúde e a nossa dignidade. Não devemos e não podemos mais continuar omissos sob o jugo daqueles que tornam a vida de cada um de nós mais sofrida, infeliz e mais curta. Lutemos com a mente e com a inteligência; elas são mais fortes que os músculos. Elas são, também, as mesmas armas utilizadas pelos detentores do poder e da riqueza para dominarem, explorarem e sacrificarem os povos mais pobres e incultos, desde o começo da civilização. A mente inteligente e consciente supera qualquer obstáculo. Boicotemos a tudo e a todos que nos causam danos físicos, mentais, econômicos e morais. Imitemos os povos mais cultos, inteligentes e conscientes que vão às ruas protestar e reivindicar os seus direitos com bravura e destemor. O difícil é fazer isso aqui, cuja maioria da população está cada vez mais inculta por não estudar, não querer estudar e ter ódio do Estudo. Assim, ignorante, não raciocina além do umbigo e cuja visão não passa de um “palmo diante do nariz”.

Finalmente, como frisamos tantas vezes aqui, a formação de uma poderosa Associação Nacional de Consumidores não se limitaria à defesa do nosso consumo material! Além disso, haveria ela de impor limitações à conduta e comportamento daqueles que ameaçam a nossa segurança e o nosso bem-estar, o nosso patrimônio individual e social. Os governantes, políticos e as demais autoridades deverão ser escolhidos pelo voto consciente e inteligente, vigiados, exigidos e julgados pelos seus atos.


Nota: ao leitor menos precavido, pode parecer que este Trabalho foi escrito de forma esquisita e repetitiva em palavras e termos desordenados e confusos. Não foi por acaso a escolha deste modo! Sabemos que o cérebro apreende e grava melhor quando a mente se esforça para entender o global do que se vê. A repetição e a curiosidade são a melhores técnicas para o condicionamento; é assim que os meios de comunicação fizeram, fazem e continuarão a fazer conosco... até a consumação dos tempos !

--------------------------------------------

Obs.: Este trabalho foi desenvolvido e publicado em meados de junho de 1989, em Minas Gerais. Agora, a pedidos, o autor volta a divulgá-lo, após revisá-lo e acrescentar-lhe algumas modificações.


Belo Horizonte, inverno de 2011


CARLEIAL. Bernardino Mendonça

Psicólogo-Clínico pela Universidade de Minas Gerais;
Estudante de Direito da Universidade Estácio de Sá;
Escritor e Pesquisador nas áreas da Psicobiologia e do Direito.

Carleial.Bernardino Mendonça