Carta de Filho que Morreu de Cancer

Cerca de 1036 carta de Filho que Morreu de Cancer

Algo morreu em mim...se quebrou...partiu.
Não sei se foi o amor que um dia senti ou se foi eu mesma.
Depois dele só há mesmisse, dias que se sucedem melancolicamente.
Acabaram se meus timidos sorrisos sem motivo, acabaram se os sonhos sonhados acordada, a esperança...o desejo.
Ficaram apenas as saudades, certezas do grande amor perdido, tristeza, desespero e dor.
Por onde andará meu verdadeiro amor...talvez já nos braços de outra.
Levado pela vida e pela ânsia de satisfazer sua necessidade de me esquecer.
Terá me esquecido...ou estará como eu, envolto em uma nuvem quase paupável de recordações de beijos trocados com paixão.
Os apaixonados as vezes são sugados pela realidade, certezas de sonhos impossíveis, perdem o brilho, perdem o ideal, perdem o romantismo, se deixam levar por fatos e não sentimentos.
Ah dor me abandone e tire de mim esse sabor, sabor de pecado e amor, sabor de dos beijos dele, sabor da sua pele.
Ah tempo faça me esquecer o espelho que são seus olhos, a macies de sua pele morena, seu cheiro inigualável.
Viverei assim, até meu último dia e meu último suspiro de vida será o sussuro do nome seu.

LoiraX

Vai dizer que o nosso amor perdeu o prumo,
Desaguou num rio seco e morreu
Vai tentar fazer comparações com outras relações do teu
Passado, árduo fardo que carrego eu
Vai buscar me convencer que nada
Pode alterar o rumo dessa estrada
Vai alegar que já fizemos tudo, tudo já foi dito e
Revisto niente muda o fato, acabou
Pegua as suas coisas, desarruma as minhas, dá um
Jeito nos cabelos, lava o rosto, num sinal de adeus
Mas nas últimas palavras beija a minha boca
Desesperada agarro sua roupa
Meu amor não vai me convencer que já não me quer
Olha nos meus olhos sou tua mulher
Vem me faz sentir como ninguém mais pôde conseguir
Teu lugar é aqui

Isabella Taviani

Você conhece alguém que morreu de tristeza?

Dizem que nunca, ninguém morreu de tristeza, não existe na história da medicina ou nos boletins policiais alguém que tenha falecido de tristeza...
A tristeza não mata os órgãos, não apodrece como algumas doenças. A morte causada pela tristeza é mais dolorida que qualquer outra. Sim, porque te faz vegetar, você perde o sentido da vida, esquece que ainda está em “Terra”, que ainda respira, que anda, fala... Mas, quem somos nós para julgar a tristeza alheia? Quem pode dizer o que eu sinto ou o que eu não sinto dentro de mim? Só eu, só você, só ele, ela, sabe o que sente, o que se passa no coração, na cabeça. O “morto” de “tristeza”, continua andando, falando, respirando, mas preferiria, estar em um caixão, sem reação, sem vida, ao sentir dentro de ti, tal dor insuportável, onde o remédio é o tempo e sabe-se lá, quantas doses de tempo você terá que tomar até que essa doença se cure, ou pelo menos se controle. Quando não se dá importância para o tempo, a tristeza se alastra, toma conta de você, traz também os sintomas, depressão, choro, raiva, nojo, insegurança, paúra...
Ela trás reações visíveis, lágrimas, gritos, insônia, sono...
Ela é causada por vários motivos, a perca de um ente querido, de um amor “forever”, de um bicho de estimação...
A perca de um amor, pode ser a mais perigosa, você tinha em mente ter aquela pessoa em sua vida, pra sempre, envelhecer com ela, os dois, lado a lado, sentados em uma cadeira de balanço, mãos dadas, olhando o tempo. Ouvir durante a juventude “Eu não vivo sem você” e assim seguirem suas vidas juntos. Quando, um dia, como uma tempestade, aquelas palavras se definham, se tornam mentiras, falsidade, dissimulação. A pior das percas, o Amor.
Também a tristeza mais intensa, a que transforma uma vida de flores, em um bosque de espinhos, escuridão, dor, lástimas...
Você se revira na cama, se perguntando “Onde foi que eu errei?”, mas ninguém te responde, ninguém sabe o que dizer. Na verdade, nessas horas, não há muito o que dizer, só lamentar.
Tristeza, um sentimento, tão ou mais forte que o amor. O amor te transforma em uma pessoa boba, um ser de luz inexplicável de tão intensa, te dá asas, mas tira seu chão. A tristeza, não, ela te trás pra realidade, te mostra o mundo e como ele realmente é, cruel e frio. A tristeza te faz companhia, fica do seu lado quando você quer chorar, quando você quer desabafar... A tristeza fica do seu lado na vida e na morte.
Você chora, eu choro, ele e ela também choram... mas não por sermos frágeis ou por não termos amor próprio, mas por sermos reais, de carne e osso, não essa fantasia vista na TV, de pessoas lindas, com pessoas lindas, sorrindo, se abraçando, correndo na praia ou onde quer que seja a paisagem feliz que os coloquem. A tristeza não se esquece com dinheiro, jóias, viagens. Não existe cura para a tristeza, por mais que um dia você se sinta feliz, esse vírus volta, te ataca, te derruba.
Quando você se der conta, já terá morrido de Tristeza...

Charles Eduardo da Silva

O NOSSO AMOR

O nosso amor, querida, não morreu!
Secou-se apenas a água que nos tinha
Como secam as flores, oh, alma minha,
Ao inverno, num instante, se perdeu!

Apenas secou-se, querida, não morreu!
O nosso amor não se foi, passarinha,
Voa, oh, amada! Voa como andorinha...
A espera de uma nova era, se rendeu!

Cansado, amor, ele estava tão cansado,
Agora busca um hastear, num jardim
Onde possa refletir o que era amado...

Espera, oh, querida, que entre tu e mim,
O nosso afeto que estava tão esfalfado
Voltará a viver, amor, pra não ter fim!

Poeta Dolandmay

Foi encontrada em sua cama
Declarada morta
Morreu afogada
Lágrimas a consumiu.

Desejou, nunca teve
Buscou, nunca conseguiu
Amou, nunca correspondido
Sobreviveu, nunca viveu

Mas queria
Mas buscava
Mas amou
Mas viveu em seus sonhos

Oh! Destino tão cruel
Deu apenas escuridão
Sua alma tão inocente
Se deu aos vermes

Ela? Agora esta a sete palmos de terra
Não houve cerimônia
Não havia família
Foi enterrada no canto com caixão velho

Deve esta vagando por ai
Assombrando quem a fez sofrer.
Vida?
Patética.

Anna Morte

já morreu

(Tradução: Pedro Gonzaga)

sempre quis transar com
henry miller, ela disse,
mas quando cheguei lá
era tarde demais.
diabos, eu disse, vocês
sempre chegam tarde demais, garotas.
hoje já me masturbei
duas vezes.
não era esse o problema dele,
ela disse. a propósito
como você consegue bater
tantas?
é o espaço, eu digo,
todo o espaço entre
os poemas e os contos, é
intolerável.
você deveria esperar, ela disse,
você é impaciente.
o que você pensa de céline?
perguntei.
queria transar com ele também.

já morreu, eu disse.
já morreu, ela disse.
importa-se de ouvir uma
musiquinha? perguntei.
pode ser legal, ela disse.
dei-lhe ives.
era tudo que me restava
naquela noite.

Charles Bukowski

Título: Poema chuvoso

A chuva foi mais forte hoje,
porque Mandela morreu.
O homem que contemplava o amor, a calma que mudava a cor,
e fazia de todos nós, iguais, mesmo sendo diferentes.

Seus 27 anos preso,
o privilégio do sonho, perante o pesadelo;
tudo reside na obra mais bela da vida.

Eu não concordava com tudo que ele dizia,
às vezes o criticava,
às vezes não o via.

Mas se existe algo benigno que este me inspirou,
fora a minha melhor tese, a mais bela poesia:
"Não importa a causa da morte, mas sim, a causa da vida".

Quando discordo, melhoro a minha própria alma.
Quando me inspiro, faço a mais bela música.
Viva Mandela,
viva esta chuva.

Ninguém morre quando se cria.

Meu poema para Mandela,
meu poema para a vida.

danielmuzitano

PARA (NELSON MANDELA) ACREDITO NO MEU CONCEITO DE VIDA QUE VOCÊ NÃO MORREU, MAS SERA UM ICÔNE NA HISTORIA.
PULA SUA LUTA DE IGUALDADE RACIAL, PELA LIBERDADE. VOCÊ MUDOU O MUNDO COM SUAS ATITUDES POSSIVEIS DE SE TORNAR ATOS VERDADEIROS. SE TORNOU O MAIOR LIDER NEGOR NO MUNDO DEIXANDO AQUI PARA NOS SEUS PENSAMENTOS, SENTIMENTOS. ESPERO QUE QUEM LER CURTA OU SEJA PELO MENOS UM POUCO HUMILDE AO PONTO DE APLAUDIR, O ( LIDER ) QUE MUDOU ATÈ O BRASIL, APLAUDAM.....CELSO BARBOSA.

Celso Barbosa

somos mortos pelos nossos sentimentos,
as mentiras são parte das trevas,
a luz morreu no estante que acorde,
não mais que sentir nessa vida,
deixo tudo em sonhos mortos,
nada tem consistência do amor,
deixado no labirinto...
nada tem gosto ou prazer,
abro meu coração na escuridão...
sinto meus coração perdido na minha vida,
nem quando a janela da minha alma some,
o destino é uma presa fácil em sentimentos,
excluo tudo que não agrada minhas virtudes,mas,
nem imagino minha vida sem tua presença.
por celso roberto nadilo

Celso Roberto Nadilo

minha alma morreu quando declarei meu amor,
foi assim que morri, entretanto voltei dos mortos,
não olho para atrás, meus sentimento já morreram,
deixo essa vida que maltrata, meus olhos viajam no passado,
sinto eles sagrarem, mais tudo que senti esta vivo,
dentro de mim nada acabou apenas morri para mundo.
por celso roberto nadilo

Celso Roberto Nadilo

Aquele Homem Cruel,
Com o Tempo Aprendeu,
Aquela Cachaça,
que à tempos bebeu,
lá mesmo morreu
Aquele Homem de Barba,
caído,sem graça,
pisou em sua farsa,
mesmo sem querer
virou sobre a força do vento,
correndo contra o tempo,
pensando em moralizar.
Sem se praticar,
agora pensou em amar,
á quem te deu valor.
tudo acabou,
não volta quem te amou,
mas você se revoltou,
Aquela mulher,
que te disse acabou,
não teve tempo de implorar,
e você a matou.

Joyce Milena

Ele morreu em pleno sexo

Foram tantos anos, mas tantos
A ferro e fogo na terra do rand
Sem se esquecer dos encantos
Da sua idolatrada amada Maband
O tempo levava consigo esperanças
E as saudades tornavam-se ameaças

Ele é homem, homem trabalhador
Precisa da amada no momento ausente
Sonha todos os dias a gastar o seu suor
Na realidade fantasiada pela sua mente
Perdeu as forças todas no louvor
E do seu próprio estado sente pavor

Já de volta a bela terra natal
Encontra o seu doce de ébano
Foi tudo tão, mas tão anormal
Quando a mulher toca no…
O homem treme ruidosamente
Mas como se o dia estava quente?!

Passavam já mais de cinco anos
Foi tanta mas tanta emoção
Que ele virou arma dos mãos canos
Na mão ficou o coração
Fatigado o homem não suportou
Dei a primeira, mas na segunda empacotou

Laguna de Jesus

No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e a cauda do seu manto enchia o templo.
Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam.
E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória.
E os umbrais das portas se moveram à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça.
Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos.
Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz;
E com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniqüidade foi tirada, e expiado o teu pecado.
Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.

Isaías 6:1-8

isaias

Palavras nuas...


....surgiste com palavras despidas
de desejos
o meu desejo morreu (também) sufocado
sem teus beijos

Ah! Tu vieste na quietude
Das noites
Onde os suspiros e sussurros
São entrelaçados
Nos braços cativos do sono...

Nos sonhos...
Nos meus sonhos onde a fantasia
Me fazia entorpecida...completamente cega....
Não ouvia...nem via...

E eu te perguntava : “como persistes em envolver-me
Se a ti não resisto...?”
Mas trazias em teu olhar os versos
De um poema que te escrevi...faz tempo...!

Celina Vasques

Faz algum tempo que nos separamos,
E morreu a minha última esperança,
Por isso faço de tudo para esquece-la,
Não adianta pois a tenho em minha lembrança,
As minhas noites tem sido longas e frias,
Pois é tão difícil de adormecer,
Fico pensando em você a todo instante,
Também que estou amando você...

Sérgio o Cancioneiro

Já morreu

Sempre quis transar com
henry miller, ela disse,
mas quando cheguei lá
era tarde demais.
diabos, eu disse, vocês
sempre chegam tarde demais, garotas.
hoje já me masturbei
duas vezes.
não era esse o problema dele,
ela disse. a propósito
como você consegue bater
tantas?
é o espaço, eu digo,
todo o espaço entre
os poemas e os contos, é
intolerável.
você deveria esperar, ela disse,
você é impaciente.
o que você pensa de céline?
perguntei.
queria transar com ele também.

já morreu, eu disse.
já morreu, ela disse.
importa-se de ouvir uma
musiquinha? perguntei.
pode ser legal, ela disse.
dei-lhe ives.
era tudo que me restava
naquela noite.

Charles Bukowski

Há corpos espalhados pelo chão
à minha frente

Nos seus rostos lívidos
cor de cera
morreu a esperança com a chegada da morte
no frio gume da catana

Jazem à sombra das mangueiras…
a morte passou por ali

Corpos decepados
esventrados
violentados
num rio de sangue pelo chão…

Ali apenas as varejeiras têm vida e voz
no zunido e na cegueira de beber
Sugam famintas de sede
o sangue ainda quente dos cadáveres

Zunem de sofreguidão na disputa
do sangue vertido
dos corpos esquartejados
pelos golpes das catanas

Para lá da orla da mata ainda o eco
dos gritos de vitória e os risos satânicos
de alegria e morte no ar
numa mistura de feitiço e de liamba


In “Há o Silêncio em Volta” (poética de guerra), edições Vieira da Silva do poeta Alvaro Giesta

Alvaro Giesta

O erro denunciado por Artur Azevedo

Artur Azevedo morreu em 1908. Seu conto, o plebiscito, é de uma palpitância impressionante. Talvez se ao dormir ontem, eu soubesse que realizar-se-à um programa esportivo; cujo o jornalista não sabe a nuança entre um adjetivo para com um advérbio, talvez eu ficasse lendo e relendo Artur Azevedo. Autor que por sua vez denunciou ontem, o que ocorrera hoje.

Acompanhe

Apresentador: O time do Cruzeiro é muito melhor que o Cerro Porteño.

Jornalista: Eu tiraria o adjetivo. O Cruzeiro é apenas melhor.

Adjetivo? A ignorância assola o país.

danielmuzitano

O Michael não morreu, ele foi tirado de circulação.
Passou a vida inteira sendo vitima, fizeram de tudo para acabar com sua credibilidade.
Não precisa ser nenhum gênio para saber que tudo está errado. O quê ele falou é verdade, basta questionar o mundo a sua volta.
Não curamos doenças, pois vender o tratamento é muito mais lucrativo.
Não produzimos energia limpa, pois vender petróleo é muito mais lucrativo.
Será que sou a única pessoa que não acreditou na lorota do petróleo ser um combustível fóssil?
(Lembro do cala boca que a professora Cleire me deu quando ela fez essa revelação a nossa turma na 4° série e eu ri, mas como assim? Isso daí tá errado prof.
Minha mãe foi a escola por diversas vezes por eu não concordar com as besteiras que ouvia por lá.)
Não nos revelam nossas origens, pois um povo acorrentado a dogmas é dobrável, manipulável, seja pelo medo, seja pela fé.
Nossa vida é uma grande mentira.
Estrangeiros estão entre nós a milhares de anos, interagem, observam, nos usam, nos modificam, alguns até nos ajudam, outros fingem que o fazem.
Leiam princialmente sobre a base Dulce, sobre todos os militares que perderam a vida por abrir a boca, vocês acham mesmo que isso tudo é coincidência?
Existem diversas raças convivendo conosco hoje, mas não como em MIB, que por sinal é uma das muitas formas de acobertamento utilizadas para ridicularizar um assunto tão sério.
Não se enganem, não subestimem interesses, não deixem seu orgulho falar mais alto.
Não somos perfeitos, não somos melhores. Somos inferiores, somos controlados, somos apenas parte de uma grande experiência!
Podemos andar sozinhos, e o faremos quando libertarmos nossa consciência,quando deixarmos de agir como animais irracionais e começarmos a fazer o bem.
Só abandonando o impulso para o mal seremos livres, toda causa gera uma consequência, sempre.
Abra sua mente, observe mais, questione mais...
Só a verdade liberta!

Maryanne Schramm

Como pode existir morte sem óbito?
Quando foi que morreu dentro de você?
Quando foi que se transformou?
Simplesmente deixou de existir, existindo.
Por que deixou, como pôde deixar isso acontecer com você?
Eu achei que era imune a tudo isso, você me disse que era!
Que direito você tinha de fazer isso comigo? Você nem lutou contra, e se lutou, lutou pouco, você foi fraco, fraco!
Você nem me pediu ajuda, eu simplesmente fechei meus olhos, eu só pestanejei, e você já não estava mais lá, você me deixou só, você não tinha o direito de se entregar e me deixar só,
Como lutar sem você, como encarar tudo isso sem você,
Você era meu escudo mais forte, era minha paz.
Você me ensinou a ser forte, mas foi fraco, você se entregou, não tinha esse direito.
Onde eu estava quando isso aconteceu, desculpe eu sei que poderia evitar, tenho a ilusão de que poderia evitar,
Desculpe se me distraí, desculpe, eu não sabia, achei que você fosse mais forte do que eu, por que droga acho que as pessoas sempre são mais fortes do que eu?
Mas agora te levaram de mim, e para sempre, e terei que conviver olhando para o mesmo rosto que amei, mas que hoje está vazio está vazio, sei que você não está mais lá.

ilma zzandrade