Carta de Filho que Morreu de Cancer

Cerca de 1093 carta de Filho que Morreu de Cancer

MARIA
(Á uma amiga morta de afogamento)

Foi num dia frio
Que morreu Maria
Sobre as aguas frias
De um malvado rio.

Vida que sumiu
Rosa irradia
Como a noite fria
Ou manhã de estio.

Teu tristonho fim
Deixa sobre mim
O padecimento.

Vida que sumiu
Olhos que não viram
O teu sofrimento.

Edilson Alves

Você Pra Mim Já Era!

Você pra mim já era
Você pra mim morreu
O amor q eu lhe tinha
Já dessapareceu.

Não nego, eu gostei de vc
Mis isso já passou
As aparências enganam
E você mim enganou.

Siga seu caminho
Eu seguirei o meu
Tu vais ficar aquir
Quem vai partir sou eu.

Foi bom ter terminado agora
Nem eu perdi nada
Nem você perdeu.

Edilson Alves

Nunca mais deixe o medo consumir sua energia...

Quantas vezes você já morreu por dentro ao permitir que o medo falasse mais alto em sua vida? Quantas portas você está deixando de abrir por medo de se arriscar? E as oportunidades perdidas, heim!

Enfrente todos os seus medos pois essa é a melhor maneira de vencê-los. E enfrentar significa abrir as portas, abaixar a guarda.... Significa viver, respirar... Significa se permitir, experimentar, sonhar...Significa ter de volta o desejo de ter planos e sonhos! Enfrentar os medos talvez signifique apenas ouvir a voz que vem do coração!

Até quando os seus fantasmas ficarão te impedindo de ter uma vida inteira, completa, digna?

Encare de frente a sua realidade, os seus desafios, os seus medos. Nunca mais permita que o medo de fracassar seja maior do que os seus sonhos! E quanto ao desconhecido, ao futuro, deixe-o em seu devido lugar, acalmando os pensamentos que projeta insegurança e pessimismo. Pare de sentir medo do novo, do desconhecido! Pare de sentir medo de errar! Você bem que poderia viver mais livre, né? Não dê tanto poder assim aos medos que você carrega. Você sempre será muito mais poderoso, muito mais forte do que qualquer coisa, viu?

O medo tem o poder de inferiorizar as pessoas. O medo é como um veneno que paralisa, bloqueia, desgasta, cansa e pode impedir você de buscar os seus sonhos. Nunca mais se sinta inferiorizado, tá? Nunca mais deixe o medo consumir sua energia, seu tempo, sua esperança, sua vida! E se o medo é um "bicho papão", lembre-se que quem tem medo de "bicho papão" são os pequeninos, as crianças. Exatamente por serem crianças e por terem vivido muito pouco. Mas você não é mais criança! Pare de ser derrotado antes mesmo do início da luta, ok?

E se o medo contagia e se multiplica, então você já sabe que tem uma missão de ajudar aqueles que estão colocando tudo a perder por causa dos seus fantasmas, dos medos, por causa do imaginário.

Faça tudo para ser feliz! Faça tudo por você! E tudo com emoção! Sem medos!

Bom Dia! Bom Divertimento! Conte sempre com o Amor de Deus por você, tá?

"De agora em diante, não permita mais que qualquer medo prejudique a sua vida, deixando de fazer as coisas como precisam serem feitas"

Luis Carlos Mazzini

- Que você morreu? - disse a velha senhora, sorrindo. - Faleceu? Partiu? Foi falar com Deus?
- Morri - ele disse, suspirando. - E isso é tudo o que eu lembro. Depois a senhora, os outros, tudo isso. A gente não devia ter paz quando morre?
- Temos paz - disse a mulher - quando estamos em paz com nós mesmos.

As Cinco Pessoas Que Você Encontra No Céu

Parte de Mim que Morreu


Há uma parte de mim,
um mistério, impropério em mim
que me flui como água,
onde o teu corpo nada
e acaba se misturando ao meu.

Há um bocado de mim,
multidão, uma confusão em mim
protestando pelas praças,
deixando um eco por onde passa;
por causa do teu adeus.

E não há sentido maior;
não há covardia maior.
do que se esconder em palavras,
mas quando os gestos viram farsas
não há nada mais vivo que o amor que morreu.

Moisés Bentes

1968, o ano que não terminou
morreu um pensador
quando do céu caiu uma estrela;

morre um escritor
quando o Ai-5 causou tristeza;

morre um inventor
quando o mundo perdia sua grandeza;

morre um sonhador
o escritor Manuel Bandeira

* Homenagem ao escritor Manuel Bandeira falecido no ano de 1968, tal ano conhecido como " O ano que não terminou" pelos sucessivos acontecimentos que arrolou.

Geraldo Neto - Uiraúna PB

Jesus morreu aos 72 anos e não criou nenhuma religião, e o que diz um post no Diário de S.paulo,cometem!?
Jesus morreu aos 72 anos e não criou nenhuma religião, e o que diz um post no Diário de S.paulo,cometem!?





No post anterior, abordamos a teoria que Jesus não morreu na cruz, embora tenha sido crucificado. Há duas correntes entre os que defendem essa versão da história. A primeira é a de que Ele viveu num mosteiro dos essênios em Monte Carmelo até os 72 anos de idade, quando ocorreu sua transição para outro plano. A outra vertente diz que ele se retirou para a Caxemira, na Índia, onde também viveu até o fim de sua vida. Na primeira versão, não há menções a que ele tivesse constituído família, como existe na segunda versão e foi até mencionado por internautas. A alegação de que o filho de Deus tenha casado e constituído família é outra idéia que, ainda hoje, choca alguns. Mas vale insistir, como defendem os que acreditam na morte muito tempo depois da cruz, que o fato de Ele não ter perecido na ocasião não diminui em nada a importância do trabalho feito por Ele em prol da humanidade e o brilho de uma personalidade excepcional, mesmo entre os grandes mestres e iniciados.







Vale lembrar, também, que não foi Jesus quem criou as religiões cristãs, como a católica. Embora Jesus tenha preparado seus discípulos para continuar propagando suas palavras, ele não defendeu a existência de uma religião, no sentido de se estabelecer uma instituição com dirigentes, deveres, dogmas etc. Tudo isso foi criado depois, o que poderia fazer com que se "ajustassem" os fatos. E muitas coisas envolvendo a vida do Mestre foram estabelecidas muito tempo depois.







Aliás, não só Jesus como os outros três grandes Mestres - Moisés, Buda e Maomé -, cujas palavras e vidas inspiraram o surgimento de religiões, também não defenderam a criação de uma nova religião. Os homens se encarregaram disso.

wilson de Oliveira Vieira

O Michael não morreu, ele foi tirado de circulação.
Passou a vida inteira sendo vitima, fizeram de tudo para acabar com sua credibilidade.
Não precisa ser nenhum gênio para saber que tudo está errado. O quê ele falou é verdade, basta questionar o mundo a sua volta.
Não curamos doenças, pois vender o tratamento é muito mais lucrativo.
Não produzimos energia limpa, pois vender petróleo é muito mais lucrativo.
Será que sou a única pessoa que não acreditou na lorota do petróleo ser um combustível fóssil?
(Lembro do cala boca que a professora Cleire me deu quando ela fez essa revelação a nossa turma na 4° série e eu ri, mas como assim? Isso daí tá errado prof.
Minha mãe foi a escola por diversas vezes por eu não concordar com as besteiras que ouvia por lá.)
Não nos revelam nossas origens, pois um povo acorrentado a dogmas é dobrável, manipulável, seja pelo medo, seja pela fé.
Nossa vida é uma grande mentira.
Estrangeiros estão entre nós a milhares de anos, interagem, observam, nos usam, nos modificam, alguns até nos ajudam, outros fingem que o fazem.
Leiam princialmente sobre a base Dulce, sobre todos os militares que perderam a vida por abrir a boca, vocês acham mesmo que isso tudo é coincidência?
Existem diversas raças convivendo conosco hoje, mas não como em MIB, que por sinal é uma das muitas formas de acobertamento utilizadas para ridicularizar um assunto tão sério.
Não se enganem, não subestimem interesses, não deixem seu orgulho falar mais alto.
Não somos perfeitos, não somos melhores. Somos inferiores, somos controlados, somos apenas parte de uma grande experiência!
Podemos andar sozinhos, e o faremos quando libertarmos nossa consciência,quando deixarmos de agir como animais irracionais e começarmos a fazer o bem.
Só abandonando o impulso para o mal seremos livres, toda causa gera uma consequência, sempre.
Abra sua mente, observe mais, questione mais...
Só a verdade liberta!

Maryanne Schramm

‎"Ah,o que eu mais temia aconteceu...
Um pouco de mim se foi
Um pouco de mim morreu
Quero a companhia do Sol
Da Lua e das Estrelas
Para não pensar na solidão
Quero sumir por entre as pessoas na rua
Misturar-me, esquecer-me na multidão
Quero não acreditar no que a vida me impôs e não perceber que muita coisa agora faz sentido,
Quero conversa com todos que encontro conhecidos e estranhos, crianças e adultos até parar de pensar
Quero um abraço
um abrigo
um amigo
um alívio para minha dor
Ninguém saberá a frustração, agora, permanente
Minha voz ausente...
Alguns dizem que errei
Ao que respondo:
-Eu não errei, eu só amei."

Carla Monteiro

Que saudade eu estou de meu amigo que morreu; Foi sem perceber, O que será que aconteceu? Ele morreu.

Com saudade eu estou, Não posso negar. O que vou fazer? Sem ele a me guiar?

Quando estou sozinho; Começo a pensar, Quem serão meus amigos? Com quem devo andar?

Luiz Fernando Nogueira Torezan

Ai de Nós se Não Pregarmos o Evangelho



“E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.” (II Cor 5.15)

Se um morreu por todos, e para que tenham vida aqueles que forem pela verdade, entre estes que estão mortos, e como este milagre de vivificação deve ser feito através da pregação do evangelho, então é dever de todos os que foram assim vivificados, não viverem mais para si mesmos, senão para o Senhor Jesus que deu sua vida por eles em Sua morte de cruz.
E este modo de viver para Ele implica em que se apliquem a resgatarem pelo Evangelho, outros que se encontram ainda mortos em delitos e pecados, tanto quanto eles haviam estado no passado.
É principalmente para este propósito de resgatar almas das garras da morte espiritual que ainda permanecem neste mundo dando testemunho da vida que há em Cristo.
Por isso o apóstolo disse: “Ai de mim se não pregar o Evangelho.”
E juntamente com ele dizemos: “Ai de nós se não o pregarmos.”
Este é o maior dever que pesa sobre nós enquanto estivermos neste mundo, porque Deus o amou de tal maneira que deu o Seu Filho Unigênito para que aqueles que nele creem não pereçam, mas tenham a vida eterna.
Se não proclamamos o Evangelho, se nada fazemos neste sentido, somos infiéis diante do Senhor, pelo descumprimento do grande dever que Ele incumbiu a todos os que nele têm crido.

Charles Haddon Spurgeon

Hoje o Brasil perdeu muito de sua graça. Morreu Chico.
Poderia ser mais um dos tantos Chicos desse pais carente. Poderia ser um Chico sem expressão, um Chico sem graça, um Chico qualquer.
Mas não, esse era o maior dos Chicos.
O Chico que nos deleitou com suas mil faces durantes anos. O Chico que paraninfou vários momentos de puro estase, de pura graça.
Um Chico regado a humor, a sacanagem saudável, a transigência dos palhaços.
Vai meu amigo, meu conterrâneo. Vai alegrar o outro lado pois por aqui a alegria está de luto.

Professor Galvão

Minha homenagem a Eduarda Mello Queiroz, minha doce e amada aluna que morreu jovem sem dizer adeus.
Morrer jovem é muito esquisito. É de uma ironia sem graça. De um espanto em que não cabem argumentos. Morrer jovem é muito estranho. Mesmo porque juventude é coisa relativa, num mundo em que Einstein já não está aqui para explicar.
Morrer jovem é como interromper uma música. É como cortar um filme ao meio, rasgar as páginas de um livro pra não se saber o final. É roubar de cena um ator em seu momento mais fantástico, em seu grande ato, sua cena mais brilhante. Porque morrer jovem é injusto. Injusto com as leis da natureza. Injusto com os que partem. Muito mais injusto com os que ficam. Pois saudade é morte lenta, passo-a-passo, emudecida, olhos cerrados, quase sem respirar.
Quem morre jovem não tem o que dizer. Vai calado, sem dizer palavra, num silêncio intrigante. Não tem quase história pra contar, não tem quase passado, não terá futuro. Quem morre jovem, seja qual for a forma, tem morte súbita. Porque é de repente se morrer jovem. Fica aquela sensação de poder ter feito mais. Poder ter dito mais. Aquela frustração de quem perdeu o jogo de sua vida.
Morrer jovem é contabilizar ao contrário. É descontar, é subtrair somente. É contar os abraços que deixou de abraçar, os beijos que não deu, as obras que não realizou, os sonhos que não viveu, a formatura que não aconteceu, o carro que queria e não veio, o namorado que amava demais da conta e que não deu conta de que você se foi. Morrer jovem é mais triste, porque a velhice é o que se espera e a juventude apenas vai acontecendo e a gente sempre se achando bem, se sentindo forte, audaz, capaz, feliz. Quando se morre jovem, se desdiz tudo o que tinha de haver. É a contramão da história. A volta de uma viagem que nem sequer chegou a existir.
Morrer jovem é não ter tempo. Não conseguir conhecer a beleza, não dar satisfação, não explicar, não dar até logo, ir direto ao adeus. Morrer jovem é mal educado, é nem pedir licença para levantar e sair. Morrer jovem é não aparecer no compromisso, é marcar a reunião e não ir. É fazer todo mundo de bobo. Dar um drible nos amigos, nos parentes, no cachorro. Morrer jovem é faltar a tudo que estava na agenda e se perdeu no ar. Morrer jovem é deixar para trás. É uma ida sem volta. Uma deslealdade. É ir a uma guerra e nunca mais voltar. É esperar por quem não vem. Morrer jovem é uma traição da vida em conluio com a morte. É uma armação para desesperar mães. É um desafio. Um fustigo. Morrer jovem é um deboche abominável.
Uma sacanagem sem noção.

Professor Galvão

- Sacolas Voadoras

Conta a história milenar
Que o homem imortal morreu de amor,
E aquele que nunca chorou por se ferir
Chora ao ver da vida a grande dor.

Deus fez o homem
Pensando em fazer anjos sem asas
E quis nos dar liberdade e opção;
Mas voar nos faz tanta vontade
Que compensamos nossa realidade
Com a ganância e a ambição.

O desejo de voar sem asas nos fez diferentes,
Nascemos como sacolas voadoras, somente.
Levadas por ventos que não conhecemos
Nós próprios não sabemos onde estamos
Tão pouco sabemos o que queremos.
Não sabemos nossos fins,
- Sacolas Voadoras

Nem mesmo se chegaremos;
Somos sacolas voadoras
Inconseqüentes e sonhadoras.

Somente quando a ultima árvore for derrubada,
Somente quando o ultimo animal perder seu nome,
Somente quando a ultima maçã da ultima macieira for comida
O homem entenderá que o dinheiro não se come.

F Otávio M Silva

5-A morte da felicidade

Hoje o dia não amanheceu
A felicidade morreu
O meu amor se foi, desapareceu.

Meu coração está em pedaços
Minha visão está turva
Minha boca não sente mais o doce gosto da uva

Nossos sonhos agora estão no passado.
Meu encanto está despedaçado
Ao passo que, por ti, não sou mais amado.

Agora, só me resta a solidão.
Devolva minha vida!
Para que eu não morra na desilusão

Sergio Zamproni

A semente caiu em mim
A semente germinou e cresceu
A semente não morreu
Te agradeço, hó Deus
Porque ela não morreu
Não foi sufocada por espinhos
Esta em terra boa
Produzindo a cem por um
Lançando outras sementes
Que não caíram entre pedras, nem a beira do caminho
Caíra em terra boa e continuará o ciclo.

Yasmin Nobre

A morte
O amor que nasceu no olhar, morreu nele mesmo. Por que ele nem se criou, só destruiu o que tinha se iniciado a aparecer.
Este amor que morreu, renasceu novamente, mas com um nome; ódio.
Ele se tornou mais forte, pois agora ele não precisaria chorar por mais ninguém. Agora ele fazia as pessoas chorarem.
O olhar ficou no mesmo lugar onde estava, pois ficou traumatizado com a dor que sentiu quando o amor foi destruído.
Ai por isso deve se dar para concluir, que o amor não serve pára alegrar, serve somente para fazer sofrer.
Pois quem ama de mais, so cria uma ilusão caótica e uma expectativa inútil de achar que o amor e bom. O tempo vai passando e as pessoas vão percebendo que cultivando ele dentro de si, estão criando algo muito mais poderoso que o amor; que e o ódio.

Robert Lemes

Deus não morreu em uma cruz para te dar a vitória! Não esta vitória que está contida nestas frases de efeito de pregadores. Tenho profunda tristeza quando resumimos um feito extraordinário de Cristo apenas para saciar nossos desejos estúpidos e banais.
Este comércio da fé embaça o verdadeiro sentido de ser vitorioso em Cristo, que é, de fato, ser salvo, ser livre, ser vivo, mesmo estando morto para a salvação, para a liberdade e para a vida.

Tiago Belinha

Eis que tudo se fez cinza;
O céu escureceu;
O sol não mais brilha;
Um sonho morreu;
Sabe qual é a receita pra desilusão?;
Ver paixão onde só existe amizade;
Mas os olhos cegam quando se trata de coração;
E você se pega escrevendo versos tristes depois de um tremendo baque;
Vã ilusão pensar que a felicidade existe;
Pior ilusão ainda depositar essa esperança numa paixão;
A vida é repleta de momentos tristes;
Quando você percebe que não significou pra pessoa amada nenhum quinhão.

Wlisses Vibration

O sorriso que outrora estampei em meu semblante, hoje morreu.
Esse sorriso de agora, nasce e repousa em outra face.
Ele vem e se demora. Despido de qualquer disfarce.

Sorriso que vem repentinamente no improviso,
Com um lápis na mão desenha meu riso.
Contorna-o sem prévio aviso.

Sorriso que transforma o meu lado preto e branco.
Luz e paz ele me trás. O que eu sempre quis.
Colorido que reflete em minha íris.

Sorriso que me envolve, muda, quando desnuda.
Afastando de mim, o medo, o frio, a dor.
Fazendo-me sentir seu intenso calor.

Sorriso pulsante que me faz sentir viva. Querer viver.
Faz-me sentir especial. Simplesmente feliz assim.
Sentimento que nasce e morre em mim.

Leandro M. Cortes