Carlos Drummond de Andrade de Amor

Cerca de 108 frases e pensamentos: Carlos Drummond de Andrade de Amor

O Mundo é um Moinho

Cartola


Ainda é cedo, amor
Mal começaste a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar
Preste atenção, querida
Embora eu saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco a tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és
Ouça-me bem, amor
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho.
Vai reduzir as ilusões a pó
Preste atenção, querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás à beira do abismo
Abismo que cavaste com os teus pés

Carlos Drummond de Andrade

“Alguns, como Cartola, são trigo de qualidade especial. Servem de alimento constante. A gente fica sentindo e pensamenteando sempre o gosto dessa comida. O nobre, o simples, não direi o divino, mas humano Cartola, que se apaixonou pelo samba e fez do samba o mensageiro de sua alma delicada. O som calou-se, e "fui à vida", como ele gosta de dizer, isto é, à obrigação daquele dia. Mas levava uma companhia, uma amizade de espírito, o jeito de Cartola botar lirismo a sua vida, os seus amores, o seu sentimento do mundo, esse moinho, e da poesia, essa iluminação.

(Carlos Drummond de Andrade)

Cartola e Carlos Drummond de Andrade

“Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.”

Carlos Drummond de Andrade

Amor... pois de amor andamos todos precisados! Em dose tal que nos alegre, nos reumanize, nos corrija, nos dê paciência e esperança, força, capacidade de entender, perdoar, ir para frente...

Carlos Drummond de Andrade

Amor
Entre as diversas formas de mendicância,
a mais humilhante é a dor amor implorado.

( In: O Avesso das Coisas - 6º Edição, 2007.)

Carlos Drummond de Andrade

Amor-próprio
Ao contrário do amor,
o amor-próprio não acaba nunca.

( In: O Avesso das Coisas - 6º Edição, 2007.)

Carlos Drummond de Andrade

Amor
Entre um e outro amor,
é aconselhável um pouco de respiração.

(In: O Avesso das Coisas - 6º Edição, 2007.)

Carlos Drummond de Andrade