Calado

Cerca de 535 frases e pensamentos: Calado

O senso da realidade quando perdido nos provoca tal excitação que mesmo calado foge sem permitir.

Lucas dos Santos de Oliveir (LSO)

Abstracioninho


Meu coração quando resolve ficar calado, é um poço de amargura
Meu coração é uma obra de arte contemporânea
De nada é de tudo

Sissi Aida Breda

Pode o Justo ser Afligido? Jó 3 e 4

Enquanto Jó permaneceu calado remoendo-se apenas de dores, e provavelmente delirando em estado de semi-consciência, em razão da grande febre que deveria ter-lhe acometido como consequência da grave infecção que tomara todo o seu corpo, não pôde expressar o seu lamento, como estava fazendo agora, depois de ter permanecido calado juntamente com seus três amigos, por sete dias e noites seguidos.
Todavia, tão logo expressou em termos veementes o seu grande lamento pela condição em que se encontrava, aquilo foi forte demais para os seus amigos tolerarem, porque Elifaz passou a acusá-lo de ser precipitado em suas palavras, e de hipócrita, porque foi conselheiro de muitos para que ficassem fortes e firmes em suas aflições, no entanto, não estava dando tal exemplo de fortaleza e ânimo, quando ele próprio foi atingido pelo sofrimento.
É deveras impressionante, como procuramos tirar daqueles que estão afligidos, um direito que o próprio Deus não lhes tira, a saber, o de se queixarem de suas dores. Jó não estava se queixando contra Deus, mas queixando-se da sua condição, e não há nada de pecaminoso nisto. O pecado de murmuração é mostrar insatisfação para com Deus, mas não por si mesmo, e pelas aflições que sofremos.
Seria antinatural, ou seja, algo contrário à natureza normal, que não se lute pela manutenção da nossa vida, em face do instinto de sobrevivência que o próprio Deus colocou em nós para a nossa preservação; e de igual modo que não se fuja de toda forma de mal que possa nos causar algum tipo de sofrimento ou dano.
Na verdade, era isto o que as palavras do lamento de Jó expressavam. Ele considerava que seria melhor não existir do que estar passando por tudo aquilo que lhe sobreviera repentinamente, e sem que houvesse qualquer promessa ou sinal de esperança, de que aquele quadro fosse revertido.
Não é exatamente isto que sentimos, caso não sejamos assistidos e fortalecidos pela graça de Deus, a lhe dar glória em meio às aflições que nos atingem?
Se a graça estiver presente e atuando, somos fortalecidos e triunfamos sobre a dor.
Todavia, se para fins específicos, Deus nos deixa à mercê de nossas próprias forças e capacidades limitadas, sucumbimos, e o quadro normal de ser visto é o de que seremos achados desalentados e deprimidos, ainda que não abandonemos nossa confiança no Senhor, não Lhe voltemos as costas, e que continuemos nos sujeitando quietamente à Sua vontade, debaixo da Sua potente mão, tal como sucedera no caso de Jó.
Qual foi a reação do próprio Senhor Jesus Cristo, quando em Sua agonia no Getsêmani?
Ele chegou a pedir ao Pai que se fosse possível, que passasse dEle aquele cálice de sofrimentos. Todavia, Ele permaneceu perfeitamente sujeito à vontade do Pai em todo o tempo.
Agora, seria de se esperar que alguém lhe dissesse naquela hora de extrema aflição que rejubilasse, saltando de alegria, a pretexto de que seria possível fazê-lo pelo fortalecimento da graça que Lhe seria concedida pelo Pai?
Quando a alma está angustiada até a morte, como se achava a de nosso Senhor no Getsêmani, o que se manifestará é a tristeza e não a alegria.
Se houvesse um sorriso na face de Jesus naquela hora, poder-se-ia dizer que seria um sorriso falso. E como pode ter parte com a falsidade Aquele que é em tudo verdadeiro?
O mundo gosta da dissimulação. Não pode suportar expressões de abatimento e de tristeza, que fazem também parte desta vida.
Por isso procura disfarçar suas tristezas debaixo de máscaras de uma suposta alegria.
Para este propósito os homens se drogam, se embebedam, e fazem um sem número de coisas para se mostrarem alegres, quando na verdade estão angustiados ou entristecidos.
Então não havia nada reprovável na atitude de Jó. Ao contrário, ele estava sendo absolutamente sincero e verdadeiro, e por isso continuava justo e aprovado aos olhos do Senhor.
Jó pôs em contraste a alegria das novas do dia do seu nascimento, com a intensa dor e tristeza que estava sentindo naqueles dias de sofrimento, que lhe pareciam que não teriam fim até o dia da sua morte.
Como ele não conhecia ainda de maneira plena o propósito de Deus nas aflições, pareceu-lhe muito estranho tudo aquilo que estava sofrendo.
O argumento lógico em sua mente era o seguinte: “Por que Deus o trouxera à vida, e o inspirara a viver em completa retidão perante Ele, se no final, seria colocado como um opróbrio à vista de todos, não como um testemunho de alguém que foi abençoado por Deus, mas ao contrário, que foi amaldiçoado por Ele?”
E mais: “Quem se sentiria inspirado a permanecer na prática da justiça, se o prêmio que Deus tinha reservado para os justos era aquele pelo qual ele estava passando?”.
Como dissemos antes, até então, como qualquer outro, Jó era um refém de sua própria época, em que se costumava avaliar o favor e o amor de Deus pelos homens, na medida proporcional dos bens e saúde que eles possuíam e desfrutavam.
À medida que a revelação de Deus, do Seu caráter e vontade foi progredindo, à medida que o tempo passava, até culminar com a revelação final que nos foi feita por Seu Filho Jesus Cristo, sabemos que há um bom propósito nas aflições que sofremos, e que sair deste mundo pelo martírio, é um privilégio, e não uma desonra.
Mas, devemos considerar que este conhecimento não estava disponível nos dias de Jó, e este foi um dos motivos de Deus tê-lo provado de tal forma, para que começasse a revelar ao mundo qual é o Seu propósito nas tribulações.
Todavia, apesar de toda a revelação que temos da parte de Deus na Sua Palavra, há ainda muito Elifaz por aí fazendo um diagnóstico incorreto relativo ao problema do mal que sofremos.
Eles colocam tudo na avaliação comum de que se há sofrimentos e aflições, é porque pecamos, ou porque não temos exercido a nossa fé. Nem uma e nem outra coisa se aplicavam ao caso de Jó.
Contudo, Elifaz diagnosticou a aflição de Jó como sendo causa da iniquidade que ele havia semeado (v. 8). É verdade que há uma lei da colheita segundo a semeadura, mas não era este o caso do sofrimento de Jó, porque não estava colhendo algum fruto mau de uma semente má que houvesse semeado.
O “doutor” de almas Elifaz havia portanto, errado em seu diagnóstico.
E, não satisfeito, com isto, colocou em dúvida a sinceridade da confiança de Jó no temor do Seu Deus, e a sua esperança na integridade dos seus caminhos (v. 6).
Segundo ele, se Jó fosse realmente sincero nisto, não teria recebido todo aquele mal que lhe sobreviera repentinamente.
Em sua teologia estreita não havia lugar para sofrimento ou destruição de justos (v. 7).
É fato que a ira de Deus haverá de consumir o ímpio, mas Elifaz não sabia que Deus também é longânimo, isto é, tardio em se irar, e que por isso não executa logo o juízo, porque dá tempo ao homem para que se arrependa de seus pecados e viva, lançando todas as transgressões passadas no mar do esquecimento, além de apagar toda e qualquer culpa.
Todavia, Elifaz considerava que Jó estava sendo atingido por uma rajada da ira de Deus para ser consumido na sua iniquidade (v. 9).
Quão errado e equivocado ele estava, apesar de ter dito certas verdades que se aplicam a muitos, mas não eram aplicáveis ao caso de Jó, e de tantos servos fiéis de Deus que sofreram, ou que ainda sofrem por amor a Ele, neste mundo.
Elifaz firmou a sua teologia sobre o sofrimento do homem e o castigo divino, de uma visão que lhe fora dada, e de uma voz que lhe dissera o seguinte:
“Pode o homem mortal ser justo diante de Deus? Pode o varão ser puro diante do seu Criador?” (v. 17)
Isto é uma verdade, porque não há nenhum justo, nenhum sequer, diante de Deus, pela sua própria justiça, e todos os que são justos perante Ele, o são, porque têm sido justificados pela fé em Cristo, e por terem sido redimidos no Seu sangue.
Só que em vez de Elifaz, reconhecer que o homem não pode de si mesmo ser justo diante de Deus, no entanto há graça, misericórdia e poder no próprio Deus para torná-lo justo perante Ele.
Então Elifaz se precipitou elaborando uma teologia conclusiva, em cima desta visão que recebera, na qual atribuiu consequentemente desconfiança da parte de Deus em todos os seus servos no céu, e até mesmo o fato de atribuir loucura a todos os seus anjos, inclusive aos eleitos, e segundo ele, de quão maior desconfiança da parte de Deus não gozam todos os homens que habitam na terra (v. 18,19).
Que teologia desastrada foi esta a que Elifaz elaborou em cima de uma visão relativa à verdade que havia recebido! É assim que são formadas grandes heresias. Elas partem geralmente de um entendimento ou interpretação incorretos de uma verdade bíblica.
É importante, pois, se não desejamos ser achados como Elifaz, que confiramos verdades bíblicas com verdades bíblicas, coisas espirituais com espirituais, e que não sejamos precipitados em nossas conclusões sobre o modo de agir de Deus, generalizando todas as suas ações a partir de uma única declaração relativa ao Seu caráter ou atributos.
Satanás procura por todos os modos atacar o caráter de Deus. Se não ataca o Senhor diretamente perante os homens acusando-O de injustiça por permitir que sofram males, ele procura sutilmente, distorcer as verdades divinas, dando-lhes uma interpretação diferente do seu verdadeiro significado, para que em vez de os homens serem justos em suas avaliações relativas aos atos de Deus, lhe atribuam juízos e castigos por ações, que não são de Deus, mas que o próprio diabo usa para afligir os homens, tal como estava ocorrendo no caso de Jó, e Elifaz estava atribuindo tudo aquilo a um castigo de Deus porque, segundo Elifaz, Ele não podia confiar em Jó, como em qualquer ser na terra ou no céu.
Certamente Deus não se pode confiar à natureza terrena do homem que é decaída no pecado, mas daí, dizer que não pode confiar em nenhum dos Seus servos, vai uma distância muito grande, porque estes não possuem neste mundo apenas a natureza terrena, mas a própria natureza divina da qual foram feitos coparticipantes por meio da fé em Jesus.
E cabe dizer que no céu, nenhum cristão que para lá tenha ido, se encontra sob a influência da natureza terrena, assim como os anjos eleitos, de modo, que o Senhor pode confiar perfeita e plenamente neles, porque já não podem ser vencidos por qualquer tipo de mal.
Devemos nos acautelar, portanto, para não sermos achados como um tipo de Elizaz, que procurando consolar alguém que está sofrendo, acabe lançando sal e vinagre sobre as feridas que estiverem abertas, em nosso zelo pela defesa da justiça e santidade de Deus, condenando como malfeitor, quem está sofrendo por causa do Seu amor e fidelidade a Deus.
É muito fácil dizer para alguém que está sofrendo de modo terrível: “Você não terá cometido algum pecado oculto ou não confessado?”
No entanto, isto somente pode servir para agravar ainda mais o sofrimento de uma consciência fraca de alguém que esteja sofrendo por amor a Cristo e ao evangelho, e não necessariamente por algum pecado que tenha cometido.
É necessário ter cuidado na aplicação de aconselhamentos em tais casos, e insinuações relativas a pecados devem ser feitas somente por revelação do Espírito ao nosso espírito, e não por uma ruim suspeita, ou por um princípio de aconselhamento generalizante a que estejamos acostumados a usar.
Devemos ter cuidado para não vazar os olhos de nossos irmãos quando nos dispomos a tirar o pequeno cisco que há neles, quando temos a nossa visão prejudicada por alguma trave em nossos próprios olhos, que nos impeça de enxergar a verdade, tal como sucedera no caso de Elifaz em relação a Jó.


“1 Depois disso abriu Jó a sua boca, e amaldiçoou o seu dia.
2 E Jó falou, dizendo:
3 Pereça o dia em que nasci, e a noite que se disse: Foi concebido um homem!
4 Converta-se aquele dia em trevas; e Deus, lá de cima, não tenha cuidado dele, nem resplandeça sobre ele a luz.
5 Reclamem-no para si as trevas e a sombra da morte; habitem sobre ele nuvens; espante-o tudo o que escurece o dia.
6 Quanto àquela noite, dela se apodere a escuridão; e não se regozije ela entre os dias do ano; e não entre no número dos meses.
7 Ah! que estéril seja aquela noite, e nela não entre voz de regozijo.
8 Amaldiçoem-na aqueles que amaldiçoam os dias, que são peritos em suscitar o leviatã.
9 As estrelas da alva se lhe escureçam; espere ela em vão a luz, e não veja as pálpebras da manhã;
10 porquanto não fechou as portas do ventre de minha mãe, nem escondeu dos meus olhos a aflição.
11 Por que não morri ao nascer? por que não expirei ao vir à luz?
12 Por que me receberam os joelhos? e por que os seios, para que eu mamasse?
13 Pois agora eu estaria deitado e quieto; teria dormido e estaria em repouso,
14 com os reis e conselheiros da terra, que reedificavam ruínas para si,
15 ou com os príncipes que tinham ouro, que enchiam as suas casas de prata;
16 ou, como aborto oculto, eu não teria existido, como as crianças que nunca viram a luz.
17 Ali os ímpios cessam de perturbar; e ali repousam os cansados.
18 Ali os presos descansam juntos, e não ouvem a voz do exator.
19 O pequeno e o grande ali estão e o servo está livre de seu senhor.
20 Por que se concede luz ao aflito, e vida aos amargurados de alma;
21 que anelam pela morte sem que ela venha, e cavam em procura dela mais do que de tesouros escondidos;
22 que muito se regozijam e exultam, quando acham a sepultura?
23 Sim, por que se concede luz ao homem cujo caminho está escondido, e a quem Deus cercou de todos os lados?
24 Pois em lugar de meu pão vem o meu suspiro, e os meus gemidos se derramam como água.
25 Porque aquilo que temo me sobrevém, e o que receio me acontece.
26 Não tenho repouso, nem sossego, nem descanso; mas vem a perturbação.” (Jó 3.1-26)


“1 Então respondeu Elifaz, o temanita, e disse:
2 Se alguém intentar falar-te, enfadarte-ás? Mas quem poderá conter as palavras?
3 Eis que tens ensinado a muitos, e tens fortalecido as mãos fracas.
4 As tuas palavras têm sustentado aos que cambaleavam, e os joelhos desfalecentes tens fortalecido.
5 Mas agora que se trata de ti, te enfadas; e, tocando-te a ti, te desanimas.
6 Porventura não está a tua confiança no teu temor de Deus, e a tua esperança na integridade dos teus caminhos?
7 Lembra-te agora disto: qual o inocente que jamais pereceu? E onde foram os retos destruídos?
8 Conforme tenho visto, os que lavram iniquidade e semeiam o mal segam o mesmo.
9 Pelo sopro de Deus perecem, e pela rajada da sua ira são consumidos.
10 Cessa o rugido do leão, e a voz do leão feroz; os dentes dos leõezinhos se quebram.
11 Perece o leão velho por falta de presa, e os filhotes da leoa andam dispersos.
12 Ora, uma palavra se me disse em segredo, e os meus ouvidos perceberam um sussurro dela.
13 Entre pensamentos nascidos de visões noturnas, quando cai sobre os homens o sono profundo,
14 sobrevieram-me o espanto e o tremor, que fizeram estremecer todos os meus ossos.
15 Então um espírito passou por diante de mim; arrepiaram-se os cabelos do meu corpo.
16 Parou ele, mas não pude discernir a sua aparência; um vulto estava diante dos meus olhos; houve silêncio, então ouvi uma voz que dizia:
17 Pode o homem mortal ser justo diante de Deus? Pode o varão ser puro diante do seu Criador?
18 Eis que Deus não confia nos seus servos, e até a seus anjos atribui loucura;
19 quanto mais aos que habitam em casas de lodo, cujo fundamento está no pó, e que são esmagados pela traça!
20 Entre a manhã e a tarde são destruídos; perecem para sempre sem que disso se faça caso.
21 Se dentro deles é arrancada a corda da sua tenda, porventura não morrem, e isso sem atingir a sabedoria?” (Jó 4.1-21)

Silvio Dutra

O som da tua voz emudece os meus ouvidos que ouvem o calado ranger do paraíso.

Renan Peres Ferro

Não vá transformar suas palavras em uma besteira qualquer. Nessa ocasião, é melhor ficar calado.

Matheus Alex Sandder

Um garoto que sofria calado
E que nunca mostrou a ninguém
Sempre disfarçava a tristeza
O que até hoje ele faz muito bem

Ele sempre solitário
Guardava um segredo consigo
E de repente, do nada
Surge um melhor amigo

Esse amigo era uma garota
No qual ele sempre confiou
Mas de tanta confiança
Ele se apaixonou

Eram dias de alegria
E então ele contou o seu segredo
Dividiu com sua amada
O maior dos seus medos

E em um dia inesperado
Recebeu o adeus de sua fada
Foi um grande choque pra ele
Que estava de novo sem nada

Mas sua amada o disse:
- Continuaremos amigos.
Isso não aconteceu
E a amizade dela ele perdeu

Desolado e sem rumo
Não tinha motivos pra continuar
Ele tomou uma decisão falha
Tentou nos abandonar

Mas por quê tanta dor,
Se ele sempre foi sozinho?
Parece que ele gostou
Daquele sincero carinho

Ele não consegue lidar,
Ele não consegue suportar,
Que aquela linda amizade
Nunca mais vai voltar

Ele está tentando levar,
A dor continuando a disfarçar
Mas seu maior medo
É de um dia não aguentar!

Guilherme Kiedis

Cidades de muros e paredes brancas, povo calado e permissivo!

Waceila Miranda

– É calado que aprende a entender os corações, pois aquele que abre muito sua boca impõe sua personalidade e sufoca as personalidades que estão ao seu redor. Mas entender não é o mesmo que compreender. Pois, o entender nos traz indignação pelos desejos de um coração pervertido, mas o compreender inclui a compaixão por saber da insignificância de um espírito assim – e espero indulgência por esta licença que fiz, para separar estes dois conceitos.

Paulo Fernandesky

Encontrei tamanhos tormentos,
Perdido em meio a sentimentos,
De um coração calado, oculto, isolado,
Fez-se austero, forte, pulcivo além da morte.

Tamanha e devastadora sorte ao encontrar teus lábios
Perdi-me em meio a desvarios, elevando meus sonhos.
Cai-me em meio a devaneios e perdi todos os caminhos,
Tamanha angustia apertou-me a alma.

Calada torne-se isolada perdeu-se em seus sonhos,
Austera, amansou-se em teus abraços,
Triste encontrou-se em teus caminhos,
Tortuosa vida, porem me lavará a perder-me em ti,
Mantendo a fé de um dia perde-se em mim.

Porém perdi-me sim!
Perdi-me em sonhos de amor,
Perdi-me sozinho em meio a desamores,
Perdi a vontade de viver sem ti.

E tornei-me calado, oculto, isolado,
Tendo por consolo um sonho de amor,
Transformado em dor!

Humildemente!

Fagner Hernandes Navas

...Que se fizesse calado seus olhos me observarem
Eu não teria censurado onde olhavas.
Se não forçasse o que tanto querias em silêncio
Eu o teria feito muito antes de você ousar.
Se tivesse guardado segredo de suas vontades
Eu as realizaria como em sonhos.
E quando decidir que desistiria de me amar e
desejar-me
Eu o amaria e desejaria novamente!...

Erika Araujo

Chorar calado, pensar quieto, desabafar com as paredes, rotina diária de quem é forte e ainda consegue colocar um sorriso no rosto.

Mc Espeto

Uma palavra mal dita, maldita é. É melhor ficar calado do que maldizer, ou maldito ser.

Lanne Garcez

Não Crie Argumentos, Execute uma Ação. Não Veja e Fique Calado, Fale. Não Copie dos Outros, Crie.Não Guarde Pra Você Oque é Dos Outros, Diga EU TE AMO.

Gabriel Mowses

Menina tímida
Sorriso calado
Olhos de purpurina
Menina bonita
Sorriso fechado
Meu amor encontrado

Sofia Oliveira

Vivia assim
Solitário
Tão solitário quanto a lua num céu sem estrelas
Mudo
Calado
Porém feliz.
Tinha um travesseiro
Coberto de lembranças
E um cobertor
Feito de retalhos
Retalhos de sua própria alma.
O orvalho que caia do céu
Regava-lhe as esperanças
E as estrelas
Iluminavam – lhe o caminho
Quando todas as outras luzes se apagavam.
O suor que lhe caia do rosto
Fazia brotar a semente
E os olhos
Quase fechados
Ainda viam quase o invisível.
Tinha os pés cansados
Empoeirados
Rachados de pisar o chão
Mas nada no mundo dava-lhe mais prazer
Que caminhar por cima da terra
Melhor que ser coberto por ela
Dizia ele.
Na cabeça
Um chapéu
Já gasto pelo tempo
Mas que ainda dava pro gasto.
Tinha em si o perfume do mato
E nas mãos
Calos
Pra mostrar que a gente se acostuma com tudo
Até mesmo com a dor
E ela passa
E vai embora
E de repente
Nem se sente.
O coração?
Bom
Esse ainda batia forte
Mais forte ainda
Quando se lembrava de sua amada.
Não tinha saudades da vida longe do campo
Só tinha saudades dela
E mesmo depois de tantos anos
Ainda a amava
Cuidava
Regava.
Em meio a imensidão árida
Podia-se ver um jardim
Pequeno
Bem cuidado
Repleto de rosas brancas.
Havia também uma placa
Que por distante estar
Não pude ler.
Perguntei-lhe sobre o jardim
E ele
Respondeu apenas:
Ali
Plantei minha rosa mais bela
E como prometi-lhe um dia
Regarei nosso amor para sempre
Quando me aproximei
Pude ler
O que com uma trêmula letra
Se havia escrito
“Te amarei para sempre, Maria.”

Priscilla Dias Cavalcante

Meus olhos lacrimejados, já com a ciência que a vida é a maior de todas as ilusões.
Caminho calado, por ruínas barulhentas onde automóveis matam pessoas.
Leio atentamente os banners e outdoors que nada dizem, só servem para enfeiar ainda mais esse consumismo medíocre.
Minhas mãos tremulas talvez digam o quão nervoso e insatisfeito estou eu em fazer parte deste mundo.
Já cansado de ver sonhos serem dispersos por planos capitalizados.
Meus olhos seguem lacrimejados e minhas mão tremulas, mas acredito que lutas pacíficas podem resolver a desumanidade e consequentemente curar-me.
Abandonem seus sonhos mercenários e venha conosco mudar o mundo.

Aldo Teixeira

Calada da noite e eu aqui calado,
Sem ao menos saber se sigo o que é certo ou errado.
Querendo confessar o que é inconfessável, apagar o que é memorável na eternidade de pensamentos que não são meus nem teus.
Voar sem asas com os pés em brasas, e olhos vermelhos de choro.

Aldo Teixeira

Se eu sofrer, será lindo, calado, cheiroso e bem vestido.

Vagnner Ériu

Poema do Voto Nulo

Voto nulo é um protesto calado
e não ofende ninguém,
Se você está do meu lado
VOTE NULO TAMBÉM!!!

RaminC

Tem gente que aprende a falar e depois esquece como era ficar calado

Sheldonian