Cabelos Longos e Pretos

Cerca de 869 frases e pensamentos: Cabelos Longos e Pretos

Viagem de anciões,
Cabelos brancos, bastões
- visita aos túmulos.

Matsuo Bashô

raio de sol
nos louros cabelos -
verão chegando.

Rosa Clement

os teus cabelos
por travesseiro
como dormirei?

Rogério Martins

Cabelos tão brancos:
ancinho que raspa a terra,
colheita de anos.

Alckmar Luiz dos Santos

"Dizem que amigos verdadeiros podem passar longos períodos sem se falar e jamais questionar essa amizade. Quando eles se encontram, independente do tempo e da distancia, parecem que se viram ontem, e nunca guardam mágoas/rancor. Entendem que a vida é corrida, mas que você os amará PARA SEMPRE."

desconhecido

Você vai envelhecer...
Teus cabelos ficarão brancos e tua pele não terá o mesmo viço.
E teu corpo... sabe, é muito difícil uma vovózinha
com corpinho de miss.
Por isso, não se apegue demais ao espelho
e à beleza que você tem agora. Isso passará.
E, sobretudo, escolha alguém para viver contigo
e que te ame pelo o que você é, em tua essência,
não pela beleza que os olhos podem ver.

Augusto Branco

Com o OO de espanto, seus RR guturais, seu hirto H, HORROR é uma palavra de cabelos em pé, assustada da própria significação.

Mario Quintana

"E sabe de algum modo obscuro que seus cabelos escorridos são de um náufrago. Porque sabe - sabe que fez um perigo. Um perigo tão antigo quanto o ser humano."

Clarice Lispector

Ela se afasta fazendo uma trancinha nos cabelos escorridos. Nunca nunca nunca sim sim, canta baixinho.
Aprendeu a trançar um dia desses.

In: Coração Selvagem.

Clarice Lispector

Em muitos trechos do caminho, às vezes bem longos, carregamos muito peso na alma sem também notar. A gente se acostuma muito fácil às circunstâncias difíceis que às vezes podem ser mudadas. A gente se adapta demais ao que faz nossos olhos brilharem menos. A gente camufla a exaustão. A gente inventa inúmeras maneiras para revestir o coração com isolamento acústico para evitar ouvi-lo. A gente faz de conta que a vida é assim mesmo e ponto. A gente arrasta bolas de ferro e faz de conta que carrega pétalas só pra não precisar fazer contato com as nossas insatisfações e agir para transformá-las. A gente carrega tanto peso, no sentimento, um bocado de vezes, porque resiste à mudança o máximo que consegue, até o dia em que a alma, cansada de não ser olhada, encontra o seu jeito de ser vista e de dizer quem é que manda. Eu fiquei pensando no que esse peso todo, silenciosamente, faz com a alma. No que isso faz com os sonhos mais bonitos e charmosos e arejados. No que isso, capítulo a capítulo, dia-a-dia, faz com a nossa espontaneidade. No que isso faz, de forma lenta e disfarçada, com o desenhista lindo que mora na gente e traça os risos de dentro pra fora. E o entusiasmo. E o encanto. E a emoção de estarmos vivos. Eu fiquei pensando no quanto é chato a gente se acostumar tanto. No quanto é chato a gente só se adaptar. No quanto é chato a gente camuflar a própria exaustão, a vida mais ou menos há milênios, que canta pouco, ri pequeno e quase não sai pra passear. Eu fiquei pensando no quanto é chato a gente deixar o coração isolado para não lhe dar a chance de nos contar o que imagina pra nós e o que podemos desenhar juntos nessa estrada. Mas chega um momento em que me parece que, lá no fundo, a gente começa a desconfiar que algo não está bem e que, ainda que seja mais fácil culpar Deus e o mundo por isso, vai ver que os algozes moram em nós, dividindo espaço com o tal desenhista lindo que, temporariamente, está com a ponta do lápis quebrada. Sem fazer alarde, a gente começa a perceber os tímidos indícios que vêm nos dizer que já não suportamos carregar tanto peso como antes e a viver só para aguentar. Devagarinho, a gente começa a sentir que algo precisa ser feito. Embora ainda não faça. Embora ainda insista em fazer ouvidos de mercador para a própria consciência. Embora ainda estresse toda a musculatura da alma, lesione a vida, enrijeça o riso, embace o brilho dos olhos, envenene os rios por onde corre o amor. Por medo da mudança, quando não dá mais para carregar tanto peso, a gente aprende a empurrá-lo, desaprendendo um pouco mais a alegria. Quase nem consegue respirar de tanto esforço, mas aguenta ou pelo menos faz de conta, algumas vezes até com estranho orgulho. Até que chega a hora em que a resistência é vencida. A gente aceita encarar o casulo. A gente deixa a natureza tecer outra história. A gente permite que a borboleta aconteça. Nascemos para aprender a amar, a dançar com a vida com mais leveza, a criar mais espaço de conforto dentro da gente, a ser mais felizes e bondosos, a respirar mais macio, essa é a proposta prioritária da alma, eu sinto assim. Podemos ainda subestimar a nossa coragem para assumir esse aprendizado. Podemos nos acostumar a olhar o peso e o aperto, nossos e dos outros, tanto sofrimento por metro quadrado, como coisa que não pode nunca ser transformada. Podemos sentir um medo imenso e passar longas temporadas quase paralisados de tanto susto. Podemos esgotar vários calendários sem dar a menor importância para o material didático que, aqui e ali, a vida nos oferece. Podemos ignorar as lições do livro-texto que é o tempo e guardar, bem escondido do nosso contato, esse caderno de exercícios que é o nosso relacionamento com nós mesmos e com os outros. Apesar disso tudo, a nossa semente, desde sempre, já inclui as asas. Já inclui o voo. Já inclui o riso. Já é feita para um dia fazer florir o amor que abriga.
E, mais cedo ou mais tarde, ela floresce."

Ana Jácomo

Máscaras

BEIJO DE ARLEQUIM

I

O crescente cintila como uma cimitarra. Lírios longos, grandes mãos
brancas estendidas para o luar, bracejam nas pontas das hastes. Uma
balaustrada. Uma bandurra. Um Arlequim. Um Pierrot E, sobre as
máscaras e os lírios, a volúpia da noite, cheia de arrepios e de aromas.

ARLEQUIM diz:

Foi assim: deslumbrava a fidalga beleza da turba nos salões da Senhora
Duquesa.
Um cravo, em tom menor, numa voz quase humana, tecia o madrigal de
uma antiga pavana. Eu descera ao jardim. Cheirava a heliotrópio e vi,
como quem vê num vago sonho de ópio, uma loura mulher...

PIERROT
Loura?

ARLEQUIM
Como as espigas...
Como os raios de sol e as moedas antigas...Notei-lhe, sob o luar, a cabeleira
crespa, anca em forma de lira e a cintura de vespa, um cravo no listão que o
seio lhe bifurca, pezinhos de mousmé, olhos grandes, de turca... A boca, onde
o sorriso era como uma abelha, recendia tal qual uma rosa vermelha.

PIERROT
Falaste-lhe?

ARLEQUIM
Falei...

PIERROT
E a voz?

ARLEQUIM
Vaga e fugace.
Tinha a voz de uma flor, se acaso a flor falasse...

PIERROT
E depois?

ARLEQUIM
Eu fiquei, sob a noite estrelada, decidido a ousar tudo e não ousando
nada...
Vinha dela, pelo ar, espiritualizado numa onda volúpia, um cheiro de
pecado...
Tinha a fascinação satânica, envolvente, que tem por um batráquio o
olhar duma serpente... e fiquei, mudo e só, deslumbrado e tristonho,
sentindo que era real o que eu julgava um sonho! Em redor o jardim
recendia.
Umas poucas
tulipas cor de sangue, abertas como bocas, pela voz do perfume
insinuavam perfídias...

Tremia de pudor a carne das orquídeas... Os lírios senhoreais, esbeltos
como galgos, abriram para o céu cinco dedos fidalgos fugindo à mão flora
l do cálix longo e fino.
Um repuxo cantava assim como um violino e, orquestrando pelo ar as
harmonias rotas, desmanchava-se em sons, ao desfazer-se em gotas!
Entre a noite e a mulher, eu trêmulo hesitava: se a noite seduzia, a
mulher deslumbrava!
Dei uns passos
Ao ruído agitou-se assustada. Viu-me...

PIERROT
E ela que fez?

ARLEQUIM
Deu uma gargalhada.

PIERROT
Por que?

ARLEQUIM
Sei lá! Mulher...Talvez porque ela achasse ridículo Arlequim com ar de
Lovelace...
Aconcheguei-me mais: “Deus a guarde, Senhora!”
- Obrigada. Quem és?
- “Um arlequim que a adora!”

Vinha do seio dela, entre a renda e a miçanga, um cheiro de mulher e um
cheiro de cananga. Eram os olhos seus, sob a fronte alva e breve, como
dois astros de ouro a arder num céu de neve. Mordia, por não rir, o lábio
úmido e langue, vermelho como um corte ainda vertendo sangue...
E falei-lhe de amor...

PIERROT
E ela?

ARLEQUIM
Ficou calada...
Meu amor disse tudo, ela não disse nada, mas ouviu , com prazer, a frase
que renova no amor que é sempre velho, a emoção sempre nova!

PIERROT
Que lhe disseste enfim?

ARLEQUIM
O ardor do meu desejo,
a glória de arrancar dos seus lábios um beijo, a volúpia infernal dos seus
olhos devassos, o prazer de a estreitar , nervoso, nos meus braços, de
sentir a lascívia heril dos seus meneios, esmagar no meu peito a carne
dos seus seios!


PIERROT, assustado:
Tu ousaste demais...

ARLEQUIM, cínico:
Ingênuo! A mulher bela
adora quem lhe diz tudo o que é lindo nela. Ousa tudo, porque todo o
homem enamorado se arrepende, afinal, de não ter tudo ousado.

PIERROT
E ela?

ARLEQUIM
Vinha pelo ar, dos zéfiros no adejo, um perfume de amor lascivo como
um beijo, como se o mundo em flor vibrasse, quente e vivo, no erotismo
triunfal de um amor coletivo!

PIERROT, fremindo:
E ela?

ARLEQUIM
Ansiando, ouviu toda essa paixão louca, levantou-se...

PIERROT
Depois?

ARLEQUIM , triunfante:
Deu-me um beijo na boca!

Um silêncio cheio de frêmito. Os lírios tremem. Pierrot
olha o crescente. Arlequim dá um passo, vê a brandura,
toma-a entre as mãos nervosas e magras e tange, distraído,
as cordas que gemem.

ARLEQUIM
Linda viola.

PIERROT, alheado:
Bom som...

ARLEQUIM
Que musicais surpresas não encerra a mudez
destas cordas retesas...

Confidencial a Pierrot:
Olha: penso, Pierrot, que não existe em suma, entre a viola e a mulher,
diferença nenhuma. Questão de dedilhar, com certa audácia e calma,
numa...estas cordas de aço, e na outra...as cordas d’alma!

Suavemente, exaltando-se:

O beijo da mulher! Ó sinfonia louca da sonata que o amor improvisa na
boca... No contado do lábio, onde a emoção acorda, sentir outro vibrar,
como vibra uma corda... À vaga orquestração da frase que sussurra ver
um corpo fremir tal qual uma bandurra...Desfalecer ouvindo a música
que canta no gemido de amor que morre na garganta...Colar o lábio
ardente à flor de um seio lindo, ir aos poucos subindo...ir aos poucos
subindo...até alcançar a boca e escutar, num arquejo, o universo parar
na síncope de um beijo!

....................................................................................................................
Eis toda a arte de amar! Eis, Pierrot fantasista, a suprema criação da
minha alma de artista. Compreendes?

PIERROT, ansiado:
E a mulher?

ARLEQUIM, lugubremente:
A mulher? É verdade...
Levou naquele beijo a minha mocidade.

PIERROT
E agora? Onde ela está?

ARLEQUIM, ironicamente místico:
No meu lábio, no ardor desse beijo, que é todo um romance de amor!

Seduzido pela angústia da saudade:

No temor de pedi-lo e na glória de tê-lo...
No gozo de prová-lo e na dor de perdê-lo...
No contato desfeito e no rumor já mudo...
No prazer que passou...Nesse nada que é tudo:
O passado!... a lembrança... a saudade... o desejo...

Balbuciando:

Um jardim... Um repuxo...Uma mulher... Um beijo....

(Longo silêncio cheio de evocação e de cismas).

PIERROT, ingenuamente:
É audaciosa demais a tua história...

ARLEQUIM, ríspido:
Enfim,
um Arlequim, Pierrot, é sempre um Arlequim. Toda história de amor só
presta se tiver, como pon
to final, um beijo de mulher!

O SONHO DE PIERROT

II

PIERROT
Eu também, Arlequim, nesta vida ilusória, como todos Pierrots, eu
tenho uma história, vaga, talvez banal, mas triste como um cântico...

ARLEQUIM, sarcástico:
Não compreendo um Pierrot que não seja romântico, branco como o
marfim, magro como um caniço, enchendo o mundo de ais, sem nunca
passar disso.

PIERROT
Debochado Arlequim!

ARLEQUIM
Branco Pierrot tristonho...

PIERROT
Teu amor é lascívia!

ARLEQUIM
E o teu amor é sonho...

PIERROT
É tão doce sonhar!... A vida , nesta terra, vale apenas, talvez, pelo sonho
que encerra. Ver vaga e espiritual, das cismas nos refolhos, toda uma vida
arder na tristeza de uns olhos; não tocar a que se ama e deixar intangida
aquela que resume a nossa própria vida, eis o amor, Arlequim. , misticismo
tristonho, que transforma a mulher na incerteza de um sonho....

ARLEQUIM, escarninho:
Esse amor tão sutil que teus nervos reclama só se aplica aos Pierrots?

PIERROT
Não! A todos os que amam!
Aos que têm esse dom de encontrar a delícia na intenção da carícia e
nunca na carícia...Aos que sabem, como eu, ver que no céu reflete a
curva do crescente, um vulto de Pierrette...

ARLEQUIM, zombeteiro:
Eterno sonhador! Tu crês que vive a esmo tudo aquilo que sai de dentro
de ti mesmo. Vês, se fitas o céus, garota e seminua, Colombina sentada
entre os cornos da lua...Quanta vezes não viste o seu olhar abstrato
nos fosfóreos vitrais das pupilas de um gato?

PIERROT
Essas frases cruéis, que mordem como dentes, só mostram, Arlequim,
que somos diferentes. Mas minha alma, afinal, é compassiva e boa: não
compreendes Pierrot. E Pierrot te perdoa...

ARLEQUIM
Tua história, vai lá! Senta-te nesse banco. Conta-me: “Era uma vez um
Pierrot muito branco...”
A história de um Pierrot sempre nisso consiste... Começa.

PIERROT narrando:
“Era uma vez... um Pierrot... muito triste... “

Uma voz, na distância, corta, argentina, a narração de Pierrot.

A VOZ

Foi um moço audaz, que vejo
no meu sonho claro e doce,
O amor que primeiro amei..
Abraçou-me: deu-me um beijo
e, depois, lento, afastou-se,
e nunca mais o encontrei.

Num ser pálido e doente
resume-se o que consiste
o segundo amor que amei.
Ele olhou-me tristemente...
Eu olhei-o muito triste...
E nunca mais o encontrei!

Esse amor deu-me o desejo

daquele beijo encontrar.
Mas nunca, reunidas, vejo,
a volúpia desse beijo,
e a tristeza desse olhar...

A voz agoniza nos ecos. Pierrot e Arlequim tendem o ouvido procurando
no ar mais uma estrofe.

ARLEQUIM
Essa voz...

PIERROT
Essa voz...

ARLEQUIM
Só de ouvi-la estremeço...

PIERROT
Eu conheço essa voz!

ARLEQUIM
Essa voz eu conheço...

Um sopro de brisa arrepia as plantas.

PIERROT
Escuta...

ARLEQUIM
Escuta...

PIERROT
Ouviste?

ARLEQUIM
Um sussurro...

PIERROT
Um lamento...

ARLEQUIM
Foi o vento talvez.

PIERROT
Sim. Talvez fosse o vento.

ARLEQUIM
Conta a história, Pierrot.

Pierrot continuando:

Numa noite divina
como tu, num jardim, encontrei Colombina. Loira como um trigal e
branca como a lua.

ARLEQUIM
Era loira também?

PIERROT
Tão loira como a tua...
Eu descera ao jardim quebrado de fadiga. Dançavam no salão...

ARLEQUIM, interrompendo:
... uma pavana antiga,
e notaste ao luar a cabeleira crespa...

PIERROT
... a anca em forma de lira...

ARLEQUIM
... e a cintura de vespa!

PIERROT
Mãos mimosas, liriais...

ARLEQUIM
Em minúcias te expandes!

PIERROT
Um pé muito pequeno...

ARLEQUIM
Uns olhos muito grandes!
Uma mulher igual à que encontrei na vida?

PIERROT, ofendido:
Enganas-te, Arlequim, nem mesmo parecida!
Era tal a expressão do seu olhar profundo,
que não pode existir outro igual neste mundo!
Felinamente ardia a íris verdoenga e dúbia,
como o sinistro olhar de uma pantera núbia.

Esses olhos fatais lembravam traiçoeiras
feras, armando ardis nos fojos das olheiras!
Tão vivos que, Arlequim, desvairado, os supus
duas bocas de treva e erguer brados de luz!
Tripudiavam o bem e o mal nos seus refolhos.

ARLEQUIM, cismando:
Essas coisas também ardiam nos seus olhos...

PIERROT
Tive medo, Arlequim! Vendo-os, num paroxismo
eu tinha a sensação de estar sobre um abismo.
Não sei porque o olhar dessa estranha criatura
era cheio de horror...e cheio de doçura!
Eu desejava arder nessas chamas inquietas...

ARLEQUIM
Tendo o fim dos Pierrots?

PIERROT
Tendo o fim dos Poetas!
Aconcheguei-me dela, a alma vibrante louca, o coração batendo...

ARLEQUIM
E beijaste-lhe a boca.

PIERROT, cismarento:
Não...Para que beijar? Para que ver, tristonho, no tédio do meu lábio
o vácuo do meu sonho... Beijo dado, Arlequim, tem amargos ressábios...
Sempre o beijo melhor é o que fica nos lábios,
esse beijo que morre assim como um gemido,
sem ter a sensação brutal de ser colhido...

ARLEQUIM
E que disse a mulher?

PIERROT
Suspirou de desejo...

ARLEQUIM , mordaz:
Preferia, bem vês, que lhe desses um beijo!

PIERROT
Não. Ela olhou-me. Olhei... E vi que, comovida, sentiu que , nesse
olhar, eu punha a minha vida...

Um silêncio cheio de angústias vagas.
Sob o luar claro as almas brancas dos
Lírios evocam fantasmas de emoções
mortas. Os espectros das memórias
parecem recolher, como numa urna invi-
sível, a saudade romântica de Pierrot...


ARLEQUIM, tristonho:
Essa história, Pierrot, é um pouco merencória...

PIERROT
A história desse olhar é toda a minha história.

ARLEQUIM
E não a viste mais?

PIERROT
Nem sei mesmo se existe...

ARLEQUIM, contendo o riso:
É de fazer chorar! Tudo isso é muito triste!

Tomando-o pelo braço, confidencialmente:

Entretanto, ouve aqui, à guisa de consolo:
diante dessa mulher...foste um Pierrot bem tolo!
Aprende, sonhador! Quando surgir o ensejo,
entre um beijo e um olhar, prefere sempre um beijo!

PIERROT, desconsolado:
Lamentas-me Arlequim?

ARLEQUIM
Tu não compreendeste: choro não ter colhido o beijo que perdeste.

III
O AMOR DE COLOMBINA

Uma voz que canta se aproxima.

A VOZ

Esse olhar deu-me o desejo
daquele beijo encontrar,
mas nunca , reunidas, vejo
a volúpia desse beijo
e a tristeza desse olhar!

PIERROT , extasiado:
Escutaste, Arlequim, que cantiga tão bela?

ARLEQUIM
Era dela esta voz?

PIERROT
Esta voz era dela...

Arlequim está imerso na sombra e um raio de luar ilumina
Pierrot. Entra Colombina trazendo uma braçada de flores.

COLOMBINA, vendo Pierrot:
Tu? Que fazes aqui?

PIERROT
Espero-te, divina...A sorte de um Pierrot é esperar Colombina!

COLOMBINA
Pela terra florida, olhos cheios de pranto, eu procurei-te muito...

PIERROT
E eu esperei-te tanto!

COLOMBINA
Onde estavas, Pierrot? Entre as balsas amigas, tendo no peito um
sonho e no lábio cantigas, dizia a cada flor: “Mimosa flor, não viste
um Pierrot muito branco...”

PIERROT
Um Pierrot muito triste...

COLOMBINA
E respondia a flor: “Sei lá... Nestas campinas passam tantos Pierrots
atrás de Colombinas...” E eu seguia e indagava: “Ó regato risonho:
não viste, por acaso, o Pierrot do meu sonho? “ E o regato correndo
e cantando, dizia: “Coro e canto e não vejo” - e cantava e corria... Nos
céus, erguendo o olhar, eu via, esguio e doente, o pálido Pierrot recurvo
do crescente...
Assim te procurei, entre as balsas amigas, tendo no peito um sonho
e no lábio cantigas, só porque, meu amor, uma noite, num banco, eu
encontrara olhar de um triste Pierrot branco.

PIERROT
Não! Não era um olhar! Ardia nessa chama
toda a angústia interior do meu peito que te ama
Nosso corpo é tal qual uma torre fechada
onde sonha , em seu bojo, uma alma encarcerada.
Mas se o corpo é essa torre em carne e sangue erguida,
O olhar é uma janela aberta para a vida,
e, na noite de cisma, enevoada e calma,
na janela do olhar se debruça nossa alma

COLOMBINA, languidamente abraçada a Pierrot:

Olha-me assim, Pierrot... Nada mais belo existe
que um Pierrot muito branco e um olhar muito triste...
Os teus olhos, Pierrot, são lindos como um verso.
Minh’alma é uma criança, e teus olhos um berço
com cadências de vaga e, à luz do teu olhar,
tenho ânsias de dormir, para poder sonhar!
Olha-me assim, Pierrot... Os teus olhos dardejam!
São dois lábios de luz que as pupilas me beijam...
São dois lagos azuis à luz clara do luar...
São dois raios de sol prestes a agonizar...
Olha-me assim Pierrot... Goza a felicidade
de poluir com esse olhar a minha mocidade
aberta para ti como uma grande flor,
meu amor...meu amor...meu amor...

PIERROT
Meu amor!

Colombina e Pierrot abraçam-se ternamente. Há, como
um cicio de beijos, entre os canteiros dos lírios. Arlequim,
vendo-os, sai da treva e, com voz firme, chama.

ARLEQUIM
Colombina!
COLOMBINA, voltando-se assustada:

Quem é?

ARLEQUIM
Sou alguém, cuja sina foi amar, com Pierrot, a mesma
Colombina. Alguém que, num jardim, teve o sublime ensejo de
beijar-te e jamais se esquecer desse beijo!

COLOMBINA, desprendendo-se de Pierrot:
Tu, querido Arlequim!

ARLEQUIM, galanteador:
Arlequim que te adora...Que te buscava há tanto e que te encontra agora.

COLOMBINA
E procurei-te em vão, mas te esperava ainda.

ARLEQUIM a Pierrot:
Ela está mais mulher...

PIERROT num êxtase:
Ai! Ela está mais linda!

ARLEQUIM, enfatuado, a Colombina:
É s linda, meu amor! Nessa formas perpassa
na cadência do Ritmo, a leveza da Graça.
Teus braços musicais, curvos como perfídia,
têm a graça sensual de uma estátua de Fídias.
Não sendo ainda mulher, nem sendo mais criança,
encarnas, grande viva, a Flor de Liz de França...
Sobe da anca uma curva ondulante que chega
a teu corpo plasmar como uma ânfora grega
e é teu vulto triunfal, longo, heráldico, esgalgo,
coleante como um cisne e esbelto como um galgo!

COLOMBINA, fascinada:
Lindo!

ARLEQUIM
E não disse tudo... E não disse do riso
boêmio como ébrio e claro como um guizo.
E ainda não falei dessa voz de sereia
que, quando chora, canta, e quando ri, gorjeia...

Não falei desse olhar cheio de magnetismo,
que fulge como um astro e atrai como um abismo,
e do beijo, que como uma carícia louca...
ainda canta em meu lábio e ainda sinto na boca!

COLOMBINA com um voz sombria de volúpia:
Fala mais, Arlequim! Tua voz quente e langue
tem lascivo sabor de pecado e de sangue.
O venenoso amor que tua boca expele,
põe-me gritos na carne e arrepios na pele!
Fala mais, Arlequim! Quando te escuto, sinto
O desejo explodir das potências do instinto,
O brado da volúpia insopitada, a fúria,
do prazer latejando em uivos de luxúria!
Fala mais, Arlequim! Diz o ardor que enlouquece
a amada que se toca e aos poucos desfalece,
e que, cega de amor, lábio exangue, olhar pasmo,
agoniza num beijo e morre num espasmo.
Fala mais, Arlequim! Do monstruoso transporte
que, resumindo a vida, anseia pela morte,
dessa angústia fatal, que é o supremo prazer
da glória de se amar, para depois morrer!

PIERROT, num soluço:
Ai de mim!...


COLOMBINA, como desperta:
Tu Pierrot!

PIERROT, num fio de voz:
Ai de mim que, tristonho, trazia
à tua vida a oferta do meu sonho...Pouca coisa, porém... Uma alma
ardente e inquieta arrastando na terra um coração de poeta.
Na velha Ásia, a Jesus, em Belém, um Rei Mago, não tendo outro
partiu através de Cartago, atravessando a Síria, o Mar Morto infinito,
a ruiva e adusta Líbia, o mudo e fulvo Egito, as várzeas de Gisej,
o Hebron fragoso e imenso, só para lhe ofertar uns grânulos de
incenso... Também vim, sonhador, pela vida, tristonho, trazer-te
o meu amor no incenso do meu sonho.

COLOMBINA com ternura:
Como te amo, Pierrot...

ARLEQUIM
E a mim, cujo desejo te abriu o coração com a chave do meu beijo?
A tua alma era como a Bela Adormecida: o meu beijo a acordou
para a glória da vida!

CALOMBINA fascinada:
Como te amo, Arlequim!...

PIERROT
desvairado pelo ciúme, apertando-lhe os pulsos,
numa voz estrangulada:

A incerteza que esvoaça desgraça muito mais do que a própria
desgraça. Escolhe entre nós dois... Bendiremos os fados sabendo
o que é feliz, entre dois desgraçados!

ARLEQUIM
Dize: Queres-me bem?

PIERROT:
Fala: gostas de mim?

COLOMBINA, hesitante:
A Pierrot:
Eu amo-te , Pierrot...
A Arlequim:
... Desejo-te, Arlequim...

ARLEQUIM, soturnamente:
A vida é singular! Bem ridícula, em suma... Uma só, ama dois...
e dois amam só uma!..

COLOMBINA , sorrindo e tomando ambos pela mão:
Não! Não me compreendeis... Ouvi, atentos, pois meu amor se
compõe do amor de todos dois... Hesitante, entre vós, o coração balanço:
A Arlequim:
O teu beijo é tão quente...
A Pierrot:
O teu sonho é tão manso...

Pudesse eu repartir-me e encontrar minha calma dando a Arlequim
meu corpo e a Pierrot a minh’alma! Quando tenho Arlequim, quero
Pierrot tristonho, pois um dá-me o prazer, o outro dá-me o sonho!
Nessa duplicidade o amor todo se encerra: um me fala do céu...
outro fala da terra! Eu amo, porque amar é variar, e em verdade
toda a razão do amor está na variedade...
Penso que morreria o desejo da gente, se Arlequim e Pierrot fossem
um ser somente, porque a história do amor pode escrever-se assim:

PIERROT
Um sonho de Pierrot...

ARLEQUIM
E um beijo de Arlequim!

Menotti del Picchia

Escrever virou um vício. Frases soltas, textos longos, nadas escritos só pra existir. Se eu não registrar, uma parte de mim se esquece. Se eu parar, uma parte de mim morre.
E o bloqueio? Vai me enlouquecendo. É como se me negassem comida, oxigênio. Sinto como seu eu fosse morrendo a cada começo jogado de lado por não ter o que desenvolver. Se eu dormir, acordo melhor?

Verônica H.

Que as relações criadas sejam honestamente mantidas e seladas com abraços longos.E que seja DOCE tudo o que tiver de ser.

Caio F Abreu

Conceitos errados, levam a caminhos dolorosos. Conceitos certos, levam a longos caminhos. E idéias sem conceitos; não te levam a lugar nenhum.

Izabelle Caroline Luque Real

em dias longos eu lembrava de você,
eu lembrava de seu abraço, de suas palavras,
eu lembrava que você dizia me querer, mais não poder, tinha algo que te deixava aflito, tinha algo que você não gostava. Eu não percebi enquanto tempo que o certo não era o que eu achava ser, que o correto iria doer, eu iria sofrer, mais que era melhor, porem , eu não enxergava.
Um dia me fiz de desentendida, deixei você fazer o que queria, ou que não queria, afinal, afirmava ser o correto,eu deixei, resolvi seguir, resolvi manter uma palavra que eu não queria, e que achava que não poderia.
É meu bem, o tempo se passou, e obrigado pelo sofrimento que me fez passar, sem ele eu não iria ter crescido, sem ele eu não me desenvolveria, sem o sofrimento que passei seria mais fútil, mais criança, mais inocente.Com o ruim eu aprendi o que fazer para achar o bom, o que comer para passar a dor, o que falar para disfarçar, e o que fazer para ser falsa ao ponto de fingir está tudo bem.
Obrigada meu bem, pelos momentos que chorei, e que me ergui, obrigada pelos dias de brigas, sem eles não aprenderia a conversar mais serio. Hoje eu cresci, e foi graças ao seu erro, ao erro que não aceito desculpas, mais que respeito, afinal, foi o que eu aprendi a fazer, foi com ele que eu aprendi a sobreviver .

Luciana Souza

Pra que longos discursos, se uma palavrinha basta?

Johnny Carson

Momentos unicos, alguns curtos otros longos...
conversar com você é como viajar no paraiso
fica ali sentado ao seu lado, escutando o lindo som da sua voz...
obiservando prestando atenção em cada palavra que sai da tua boca
adimirando seu olhar, sua pele branca macia... não sei oque é a perfeição...
acho que ninguem sabe... pois se eu soubece diria que ela é você...

Claudio Pedro da Silva Junior

A favorita do meu MP3 Player para longos percursos é “You Can’t Always Get What You Want”, dos rapazes dos Stones. Você não precisa de análises, conselhos ou guias, quando tudo se resume naquele refrão te dizendo Você não pode ter tudo aquilo que você quer. Mas você pode tentar, às vezes.
(Tudo um dia pode acabar)

Gabito Nunes

"Eu me tornei insano, com longos intervalos de uma sanidade horrível."

American Horror Story

"SER IMPERFEITO"
O tempo traz rugas para a tua pele, embranquece teus cabelos, enfraquece teu corpo.
Mas, a juventude é um estado de espírito. E a vida impõe condições que permitirão que tenhas uma ALMA eternamente jovem, sem preconceitos, sem ‘’ rugas ‘’...
Essas condições dependem da tua vontade em trocar a complexidade pela simplicidade, o certo pelo duvidoso.
Assim...
Se, tu ainda tens AMOR aos campos em flor, ao cheiro da terra molhada...
Se ainda tens PRAZER em sentir as gotas da chuva na tua pele bater...
Se tens ALEGRIA na MAGIA de poder ver o SOL nascer; de SENTIR a carícia do vento nos teus cabelos já grisalhos; no cântico das aves acomodadas nos galhos...
Ou... Nas pétalas da flor molhadas de gotas de orvalho.
Se ainda podes VER a BELEZA e a FORÇA das ondas do MAR morrendo na areia ou mesmo, o barulho delas arremessando-se nas muralhas...Se tens PRAZER em colocar teus pés descalços na areia e vibrares com a possibilidade de caminhar sem medo até onde tuas forças te levarem...Se tens ainda PRAZER em observar a harmonia das cores e formas caprichosamente desenhadas pela natureza...Se tens AMOR observando a negritude azulada do CÉU salpicado de estrelas e, suspiras ao encantamento desse momento...Se podes ainda ter COMPAIXÃO pelas dores alheias... dores quase sempre tão feias...Se podes ainda ter bondade, humildade, nas tuas atitudes...Finalmente, se podes AGORA ter a capacidade de PERMITIR-SE e IGUALAR-SE aos outros como CRIATURA ERRANTE em situação de aprendizado constante...PARABÉNS! Conseguistes ser IMPERFEITO em busca de aprimoramento.E... Nada mais PERFEITO do que um ser IMPERFEITO para ser considerado um SER PERFEITAMENTE HUMANO.No entanto, se não podes mais sentir, ver ou crer em nada disso, que DEUS se compadeça de tua pobre ALMA envelhecida.Mas, se realmente ainda puderes ter fé e acreditar em tudo isso...Então, EU ACREDITO que ainda tens dentro de ti, o ser especial que um dia conheci, que se deixou transparecer através dos olhos...Se assim for, és hoje ainda mais especial, nesta fase da vida, em que te percebo tão humanamente imperfeito.Não és mais apenas o “ MEU ANJO DOCE “. És unicamente “HUMANO”.Creio em mim. Na força do AMOR que tenho na ALMA e, no desejo por tua FELICIDADE, ofereço-te toda a lealdade da minha AMIZADE e CARINHO.

Helenice Maria ( para Mario pelo seu aniversário).