Borboleta Casulo

Cerca de 480 frases e pensamentos: Borboleta Casulo

Casulo

Não sei se ainda tenho forças pra volta para meu casulo
de onde eu nunca deveria ter saído.
Fui me aventurar no mundo, à procura de alguém.
Supus que poderia encontrar
mas de fato ainda não tem.
É muito triste ter tanto amor acumulado
reservado para ninguém.

Enide Santos

Envolvo-me em tuas asas quando sinto frio e saudades do teu calor, eu recolho-me em teu casulo para que em meu silêncio eu possa descrever a imensidão dos meus sentimentos a ti;
O meu verbo é a sua conjugação da inocência que me desatina em um desassossega frenético que tanto me deixa pelo avesso;

Julio Aukay

"Em alguns momentos é imperativo entrar no casulo; na mata escura de todas as inquietudes, vencer o medo, abrir o coração e revelar aquilo que só a alma é capaz de fazer" (O Mentor Virtual)

Maurício A. Costa

Gostar
é saber miúdo;
coisa de gente criança.
É leveza de ser,
feito borboleta e passarinho
é acolhimento
de primeiro brinquedo...
Coisa que gente grande nem sabe...

Luciete Valente

Em um momento raro de folga, estava lendo um livro quando uma borboleta possou no meu braço.

Fiquei olhando-a por alguns instantes, os movimentos de suas asas pareciam me hipnotizar. Foi então que percebi o quão as coisas simples podem ser tão belas, e o quão temos deixado essas coisas de lado devido a pressa do nosso dia a dia.

Vivemos mergulhados em tantas obrigações, tanta tecnologia e tanta pressa que acabamos esquecendo de olhar pela janela e ver o céu azul, de darmos aquele sorriso sincero por um motivo ”besta”, esquecemos de ligar para as pessoas queridas e simplesmente ficarmos jogando conversa fora… Enfim, esquecemos de celebrar as coisas simples.

Decide então viver de modo mais calmo, de modo no qual permita-me celebrar essas pequenas coisas… Mas meu celular tocou, a borboleta levantou voo, lembrei que tinha alguns emails pra responder e que já estava atrasada pra um reunião importe.

Ponilla Ribeiro

Edson Dos Santos & Marli Caldeira Melris

O MEU AÇAÍ E O TEU MEL...



Um diálogo

Dou-te um doce se adivinhar
o que coloquei na minha boca agora...

É açaí?

Ainda não!
É pêssego em caldas com creme de leite

hum
Delícia!

Minha boca ta um doce amigo

Vem cá eu ponho na boquinha
Hum!!!



Estou gulosa
Acho q vou comer
Tudo de uma vez!
Ainda mastigo...

Bebeu o caldinho?

xi!

Enguli tudo
acabou!
Tomei o caldinho!
O caldinho! claro.
Sem caldinho não pode ne poeta.

Voltamos ao mel com açaí

Bom menino.
Gosto de meninos obedientes às vezes...
Gosto de mandar às vezes...


E eu brilhando pelo mel
Juntos se lambuzando
Dois corpos num so
O mel e o açaí

Um escravo do Pará molhado
de creme de açaí

Vem cá, trazer o açaí
Eu te espero com o mel
Vem! Vem! Aqui!


Prefere-se assim
Obedeço tbm às vezes

Boa menina!
assim que eu gosto!

O açaí é muito forte
Vai agüentar?
Tem energia
De 24 horas
Olhos atentos...

Quem sabe
Só tentando pra ver


POEMAS

Com açaí fica assim...

Corpo aceso
indomável
insaciável
Energia de sobra

Tem o açaí

Prazer absoluto
inconfundível
Descomunal
Coisa de louco

Só poetando meu caro

Não quero
Não quero nada regado
O muito ainda é pouco
Tem-se fôlego
Pode vir

Se não

Pode partir
E me deixe
Não volte

Nunca mais
Nunca mais

Só mesmo com açaí


Ta querendo é
Misturar mel com açaí
Para se lambuzar
Da cabeça até o pé

E no auge da doçura
Não há boca que resista
O gosto dessa loucura

Não há quem desista
Você prova do meu mal
Eu provo do teu açaí
Assim lambuzamos o céu
Já que ele está aqui


Não há boca que resista
Ao mel com açaí
Vou me lambuzar
Saborear

Eu te dou o meu açaí
E você me dá o seu mel

Vamos nos tocar
Do seu mel eu vou beber
Nem uma gota deixar cair
O seu mel quer comer
O meu açaí

Quer entrar
E ficar no céu

Então eu me sacio
E me realizo
E você se completa
E solta jatos de mel

No meu céu


Edson Dos Santos & Marli Caldeira Melris

melris caldeira

DEPOIS DAS ONZE

Marli Caldeira Melris

Depois das onze
Que nos beijamos
Estaremos á sós
Grudadinhos
Como unha e carne
A flor e o caule
A garagem e o carro
A vassoura e o cabo
Depois das onze
Que a lança empina
Reage e dar pinotes
Procura uma fenda
Quer entrar e sair
Fazer estripulias
Pular de alegrias
Dar e ganhar prazer!
Depois das onze (...).


Silva Manuel
09:48


Silva Manuel


Depois das onze (...).
Que horas tão esperadas e nada!
Mas sempre haverá umas
depois das onze,
é metal que reluz,
é ouro, cobre, é bronze.

Depois das onze,
a lança tão almejada,
levanta a ponta já inchada,
lateja,
e solta jatos de realização,
mas, o dono, a mão,
já cansados,
buscam o leito vazio pra descansar,
sua luta, sua glória,
afinal o corpo vencido pede paz,
que ficar a sós,
debaixo do seu dia sempre,
a sós.
Depois das onze...

melris caldeira

ESCORPIÃO REI

Aconteceu na estação de trem de Belo Horizonte, final de tarde!
Era outono e algumas folhas secas forravam o chão do último vagão, senti cheiro de juventude ao longe, um cheiro de mulher.
É minha luz! Pensei!
Fui chegando me sentindo uma luz na escuridão. Mas quem esbanjava energia era ela que brilhava como uma estrela radiante que me encarava com os seus olhos azuis de anis.
Foi quando surtei. E o meu coração pulsava forte e botei a mão no peito pra segura-lo tamanha a paixão que senti.
Posso? Perguntei! Assentei-me ao seu lado.
Deixe-me apresentar: - sou o poeta do prazer!
Ela sussurrou: - sou a Dama Ausente!
-faz tempo que eu te procuro.
- há uma eternidade que eu também te procuro.
E nada de meias palavras!
Seremos um par perfeito!
É minha amada especial.
Vou te levar para ver o pôr- do- sol.
Dei-me sua mão Dama Ausente, vamos fazer uma v.i.g.í.l.i.a.
Fiquei louco quando ela se virou e uma asa surgiu branca como a lua.
-não te falei Escorpião Rei que viria?
É Assim! Que ela me chamou! Escorpião Rei.
-Suba sobre as minhas asas que te levarei até as nuvens de cetim.
Foi ai que percebi a sua pele! Tão linda, tão nua, tão alva e seus cabelos ruivos em contrate com o corpo, me excitou.
Também já nu como um escravo obedeci e subi em seu dorso.
- é o meu momento, o nosso momento de nos entregar de corpo e alma.
Enquanto ela voava seus cabelos me acariciavam e suas asas me batiam exalando o seu cheiro de fêmea.
Chegamos ao céu! Onde um dia eu disse em meus sonhos que jamais sairia se ela comigo estivesse.
Como magia as asas desapareceram deixando á mostra a bela silhueta de violão totalmente nua, lisa, fina, delicada como uma seda.
Achei que se voasse me perdia, mas não!
Achei-me, encontrei minha menina.
A quem eu me entregaria senão á ti?
Abracei-a com ternura e o cheiro de sexo selvagem me consumiu!
- sou tua! Escorpião! como sempre fui às outras encarnações. Faça de mim o teu desejo.
Sou o que quiser que eu seja. Venha logo!
Estou fervendo! Não está vendo?
Os meus dedos calejados pelos cordões do violão deslizaram pela sua espinha.
Senti os seus mamilos me espetarem, pareciam faróis acesos.
O meu instinto logo se animou, vibrou, cresceu ao toque de suas mãos de anjo que iam e viam sem parar. Urrei como um lobo implorando tudo que ela possa me proporcionar.
Deitei-a sobre a nuvem de cetim e a beijei da cabeça aos pés. Os olhos pareciam estrelas, sua boca fina e delineada tremia entreaberta assim como suas pernas esperando o êxtase.
A vulva me hipnotizava me chamando e eu fui com gula na sua gruta adentrei.
Beijei seus grandes lábios e suguei todo o seu mel até arrancar suspiros do meu anjo que gozou dentro da minha boca.
-Que delícia! Afinal! Sou o poeta do prazer minha doce Dama.
Solte-se para mim! Deixe que eu te conduza ao paraíso pelo resto dos seus dias.
Olho-a admirando o peito dela arfar de satisfação, aproveito e introduzo um dedo dentro de sua fornalha e o coloco em seus lábios que ela o suga e sente o seu próprio gosto.
Nesse momento já estou louco de tesão.
Beijo seus seios, abro suas pernas trêmulas e colo o meu corpo no dela e o meu falo acha a fenda molhada e brinca o passando na virilhas até que a cabecinha entrou um pouquinho, só na pontinha indo e vindo por alguns minutos.
Isso a enlouqueceu e gritou:- tudo!Tudo! Escorpião, tudo!
Acelerei como um piloto de corrida e de uma vez só, tudo se afundou e ela rebolava parecendo dançar ao ritmo de Rock pesado e mais uma vez eu deixei que ela gozasse.
E eu ainda em ponta de bala deitei e ela voou em cima de mim e engoliu de uma só vez o meu mastro até a garganta empurrando forte como se estivesse socando um pilão.
Um fogo subiu pelo meu corpo, meus pelos se arrepiaram, minha cabeça fervendo em brasa e o meu membro á ponto de explodir.
Mas sentindo que vinha bala por ai me cavalgou selvagemente! De frente pra mim e depois de costas para que eu visse o movimento entrando e saindo.
Que maravilha! Que monumento redondo me alucinando e um orifício que pra mim piscava, piscava...
Não agüentei! O meu falo vibrou! Os nervos, chorou como nunca havia chorado. Soltou jatos de prazer inesgotáveis.
Agora o meu anjo abriu suas asas que reluzia entre as nuvens e cobriu o meu corpo suado e cansado enquanto sugava cada gotinha do néctar com sua boca sedenta...
Enfim...
Fechei os meus olhos de tanta felicidade e quando os abri estava no vagão do trem de frente para o meu anjo: a Dama Ausente nua com suas asas sacudindo, perdendo o brilho, sumindo, sumindo até que desapareceu.
- valei-me meu Deus! Seria um sonho?
(...)
Melris caldeira
Criado em: 18/10/13
19h51min

melris caldeira

Sonho é feito borboleta:
Voa ao longe, encanta, hipnotiza...
Quando pousa em nossas vidas,
renova o brilho do olhar,
torna a pulsação acelerada,
a surpreendente incerteza da conquista.
Ter um sonho, por si só,
livre e solto por aí,
mesmo assim, já é uma delicia
seguir a procurar
cada uma de suas pistas.
E quem sabe - e por que não?
Até mesmo voar!

Marcia Bandeira

Olho para uma linda borboleta...
Que me traz paz e tranquilidade!
Vá voe para levar graça e beleza
ao mundo....
Mas não esqueça de voltar!
Para o seu jardim ...
Que fica no meu Coração!
Sergio Fornasari

Sergio Fornasari

Jamais subestime a capacidade que o tempo tem de mudar a realidade, transformar sentimentos, apaziguar corações. Não sou quem fui ontem, muito menos quem serei amanhã. Este, quem sabe, seja o verdadeiro efeito borboleta pra se usar de forma positiva e sábia.

Betty Cires

a você da carranca,
a minha careta!
não vê que atravanca,
essa agulheta?
sai da tamanca,
não se meta!
deixa de banca,
encosta a escopeta!
basta! se manca!
larga a vareta!
língua franca
é uma roleta
que fere e arranca
a sua faceta
chega! destranca a gaveta
libera a borboleta!

Lina Marano

PIOLIM, O MITO DA GRAVATA BORBOLETA

Ai que saudades eu carrego daqueles circos de outrora,
pois o espetáculo roubava as cenas nos alegres cenários,
onde tudo virava arte, brincadeiras, risos e imaginação,
havia sorvete, algodão-doce, bijus e pipocas nessa hora,
mas o mito da gravata borboleta não me sai do coração,
foi Abelardo Pinto, o big Piolim, palhaço dos operários.

Piolim, o truão da gravata borboleta, foi a cara do circo,
para ele, qualquer coisa de sentido era motivo de graça.
Imitava e articulava seus truques sem qualquer fantasia,
fazendo algazarras com escambotes de suricate arisco;
levava a plateia ao delírio com a sua comédia e picardia,
pois o grande artista manuseava seus papeis na chalaça.

Apreciado por suas tiradas com relevantes travessuras,
o fabuloso cômico flertava com a gargalhada da plateia,
dizia que o circo era liberal para fazer rir a vizinhança,
seja o pobre, seja o rico, de qualquer idade ou estatura,
abria os braços para o velho e o coração para a criança,
assim se apresentava o jogral com a arena sempre cheia.

Fino como barbante e macarrão, Piolim, se consagrou
no palhaço comestível, eleito no Festim Antropofágico;
no Largo do Paissandu exibiu-se por mais de vinte anos,
e até o presidente Washington Luiz foi seu fã e apoiou
com venerável entusiasmo a causa desse calor humano
que nos transmitiu Piolim, mito do riso super mágico.

(Do seu livro: Sua Majestade, o Circo Lírico)

GERSON AUGUSTO GASTALDI

A RIQUEZA DA ALMA ESTA EM AS PESSOAS SEREM SOLIDÁRIAS,AMIGAS,COMPANHEIRAS E COMPREENSIVAS PARA SE CONSTRUIR UM MUNDO MELHOR.
REGINA CALANDRINI

REGINA CALANDRIN

O tempo se parece com as borboletas. Cada vez mais raro, passa voando e, quando passa, poucos param para apreciar seu encanto.

Fernando Angelo

Nos encanta com suas cores
e sua bela simetria
Parece tão delicada
mas é capaz de alterar o clima
com o simples bater de suas asas
Da lagarta que rasteja
que se mantém enclausurada,
até romper o casulo transformada
é um capricho da natureza
uma verdadeira flor que voa
um grande mistério, a borboleta!

Violet Shine

Assim como uma simples lagarta precisa ter paciência com o tempo para se tornar uma bela borboleta, nós seres humanos necessitamos de fases e provações demoradas, para evoluir e renovar nossos conceitos.

Gabriel Trovador

Deixa-me Voar!

Em mim,
já fui transformação…
Amores não
me prendem mais!
Sou asas.
Sou sonhos.
Sou borboleta.
Rosa, verde…amarela!
Sou vestida de sonhos…
Deixa-me voar!!
O meu néctar é o amor.
Ele eu preciso buscar.
Abra as portas
da minha prisão.
E deixa-me voar!
Voar…
Preciso de liberdade
para meu amor encontrar…

Dayse Sene

BA - BONECA BORBOLETA

Na quebra do salto da modelo que atravessa a rua, na parada do elevador entre os andares que lhe faz perder a hora, tudo tem um por que lá na frente, um mistério o qual a nos é escondido.
As férias perfeitas, num resort perfeito, curtindo sol, mar, piscina, leitura, consegui isolamento que eu queria com grande sofisticação.
O melhor restaurante japonês que eu já conhecera. Decoração primorosa em cada detalhe. Uma barca maravilhosa, saque, vinho e sucos numa mesa em forma de "u" ao redor das grelhas. Baianas vestidas de japonesas. Apenas casais e eu. Sons. Aromas deliciosos. Mesa coletiva. Que saco! Eu em umas das pernas do "u", na perna oposta um casal uma moça exótica com um rapaz pouco mais velho. A minha frente dois casais nada simpáticos, a minha direita um casal de idosos e na esquerda um casal visível apaixonado, ou senão sem o mínimo de noção pelas demonstrações de carinho em publico, talvez eu seja meio careta ou conservador, mas beijo na boca e certos carinhos, amasso, são bons entre quatro paredes, não em lugar publico e muito menos numa mesa coletiva. Há condutas que são individuais, assim como o bom gosto não é uma questão de dinheiro e sim de bom senso.
Vou de suco e água tônica, apesar de que as bebidas feitas de saque são lindas e tentadoras, mas não sei o porquê uma sensação estranha de mal estar e antipatia me domina.
A moça, exótica, vestia um vestido branco tinha uma borboleta tatuada no pescoço, vestido elegante curto de certa transparência que a deixava com ares sérios, mas sensuais. Um pingente de borboleta. Na pulseira inúmeras borboletas. Reparei nela, pois ela se sobressaia no meio dos turistas, seu acompanhante, também bem vestido, alias, na mesa eram os únicos que conversam em tom baixo, pois os outros faziam questão de falar alto, de mostrarem que estavam de férias, que podiam estar de férias e que ali não era o ambiente deles. Meu Deus, como diria o poeta “a burguesia fede”.
O cozinheiro entra no "u", show na manipulação da espátula e faca.
Aplausos...
O cozinheiro fazia verdadeiras acrobacias com o alimento um show digno de ser apreciado. Eu escolho um prato de polvo com camarões e legumes, tudo banhado no molho especial de soja, que segundo o cozinheiro é uma receita especial da casa.
A postura da borboleta branca com classe sem igual manipula os hashi com classe, num pensamento maldoso chego até desejar que caísse algo na roupa dela impecavelmente branca.
Apesar da comida excelente como pouco, a garçonete me pergunta se passo bem, afinal da porção generosa se camarões e polvo, mal toquei na comida, sinto o rosto a arder, quero mais ir embora para o quarto, quero dormir.
A roupa da borboleta me incomodava, o barulho das espátulas me incomodava tudo ao meu redor era meio que uma explosão de calor, brilhos e sons.
Saio antes das sobremesas, peço água e tento respirar, molho a cabeça em uma fonte, a brisa da noite me dá uma pausa no meu mal-estar.
No hall do restaurante a esperar a condução que levara para meu setor no hotel, todos passam por mim e me olham ou apenas me veem? Mas a borboleta e seu companheiro vêm conversar comigo.
Eles mostram uma evidente preocupação, devo estar com aspecto horrível, cabelos molhados, camisa molhada.
Explico que estou com o rosto pegando fogo, olhos e garganta ardendo muito, tudo me incomodando. Ela e seu acompanhante pedem licença e rapidamente me examinam.
Diagnostico reação alérgica.
Seria a comida?
Seria algo ingerido no Happy Hours?
Eles educadamente falam que são médicos em São Paulo e que estão comemorando o aniversario de casamento deles no resort. Tentam ser visivelmente agradáveis.
No caminho para o meu setor do resort, calafrios, eu estou no bloco seis, eles num chalé no mesmo conjunto que o meu. Em todo o percurso, eles são atenciosos, conversam e perguntam como eu estou. Conversas e perguntas.
O pequeno percurso do bloco onde estávamos até o nosso setor durou uma eternidade.
Finalmente chegamos ao nosso setor, eles perguntam se eu tenho alguma medicação, respondo que nada que um chá de boldo e cama não resolva. Eles oferecem levar um anti-histamínico para mim no bar do hotel.
Nessa altura do campeonato aceito sem muito pensar quero me livrar do mal estar, da sensação de ressecamento de tudo mais, da angustia de querer respirar e ter a dificuldade.
Ela ficou comigo no bar e ele foi à busca do medicamento.
A Borboleta branca me fazia tomar pequenos goles de água, com um lenço que não sei de onde saiu umedecia minha testa e face, com uma delicadeza de tamanho sem igual tentava me distrair, perguntava coisas de minha vida assim como contava coisas de sua vida, conversa fácil, conversa sem compromisso, apenas para matar o tempo de espera.
Nasceu no interior de são Paulo, aos sete uma descoberta, aos dezessete mudara para a capital aos vinte e sete virara Borboleta.
Sete se descobriu?
Aos catorze perdeu a virgindade.
Aos vinte e um numa cirurgia plástica conhecera o marido.
Aos vinte e oito casara.
Agora luta para adotar um filho.
Em poucas palavras um resumo de sua vida. Eu achei que ela contava para mim os fatos como se tivesse decorado tudo para um exame oral. Ouvia, nada comentava, alias não demonstrava nada a respeito, a dificuldade respiratória e o mal estar eram tanto que a cena mais parecia cena de um filme antigo.
O marido finalmente chega injeção de anti-histamínico. Mais uns comprimidos. Ele pediu para ela contasse a sua história com calma. O que teria motivado ele a fazer tal pedido, incrível como a minha respiração havia melhorado.
Ela nasceu no interior de São Paulo, a mãe foi abandonada pelo pai que batia nela mesmo ela estando grávida, deu a luz a um belo menino, sozinha em casa. Foi sozinha como o bebe no colo para registra-lo.
No cartório a mãe entra com o recém-nascido enrolado em roupas rosa, registra-o com nome de menina. Batiza-o com nome de menina.
“Nasci homem, mas tenho todos os meus documentos o nome de mulher!”
Então ela nasceu menino! Procurei automaticamente sinais da “masculinidade” dela, nada.
“A minha mãe, que hoje a diagnostico de esquizofrênica, me vestia de menina.”
As pausas talvez fosse um pouco longas, como se buscasse fatos ou palavras num contexto perdido.
“Ensinou-me a fazer xixi sentada, a usar fita no cabelo, com sete anos sabia todos os afazeres do lar. Fazia fuxico, tricô, crochê, ponto cruz, não podia brincar rua, moçinha direita não brinca na rua. Óleo de amêndoa no cotovelo e pés.”
“Aos sete vou para a escola, passei o grande horror da minha vida.”
“Lembro-me exatamente o dia que eu estava no banheiro e uma amiguinha entrou no reservado, coisas de meninas, creio eu, ela mostrou sua bolsinha e eu mostrei a minha bolsinha que era diferente da bolsinha dela. Ela saiu gritando: Menino tem um menino no banheiro das meninas, eu era tão tola que sai ergui a minha roupa e corri também do banheiro, (risos) afinal um menino não poderia jamais ver uma menina nua era pecado mortal e os condenaria ao inferno e ela jamais acharia um príncipe como marido, acharia apenas sapos. Saio correndo gritando também a servente entrando no banheiro esbarra comigo.”
“Não foi achado nenhum menino, a amiguinha rapidamente falou para escola toda que eu era menino, ou melhor, falou que era menina com pinto.”
“No outro dia na escola durante o recreio, meninos e meninas estavam fazendo gozação e brincadeiras maldosas comigo, na época não era bulling, ou era, mas não se usava o termo. Quando me seguram e erguem minha saia e abaixam minha calcinha de renda, chorando falei que eu tinha uma “bonequinha” como toda menina no meio das pernas. Eles riam, me jogaram no chão, ergui minha calcinha, arrumei a minha roupa, limpei o meu rosto, peguei a lancheira e sai espancando todos ao redor, não sabia o porquê eles faziam tal brincadeira de mau gosto comigo, eu uma menina tão devota a virgem Maria. Foi um caos geral, tirei sangue de meninas e meninos, usei minha lancheira como arma, eu chutei, eu dei soco e mordida, virei onça, a servente mal conseguia me segurar.”
“As mães foram chamada na escola. Perguntaram se eu sabia a diferença entre meninos e meninas, na hora eu falei meninos tem pênis que machuca as mulheres e fazem nenês nela, minha mãe sempre falava isso para mim, lembro que ainda completei que era algo grande e duro e as mulheres tem algo pequeno e macio entre as pernas uma bonequinha chamada de vagina.”
“Isso eu falei na frente da diretora, psicóloga eu acho, medico da escola e alguns pais e minha mãe, minha mãe mostrava indiguinação, as outras mães que já haviam falado com os filhos afirmavam que eu era menino. Solução: Mostrar para um médico que eu era menina ou menino. Todos saíram da sala, apenas o medico, a diretora, minha mãe e eu. Com vergonha sem olhar para lugar algum desabotoo minha saia, deixo-a cair, e abaixo minha calcinha...”.
“Para minha surpresa eu não era menina...”.
“O medico mal fala que eu era menino e minha mãe tentou matar o medico, ela sai de onde estava com uma cadeira eu acho e acerta o medico deixando ele caído no chão, à diretora sai correndo gritando para o corredor, minha mãe numa agilidade que eu desconhecia tranca a porta. Coloca-me encima da mesa, até hoje ainda não sei o que ela tinha na mão, mas acho que era uma Gilette, ela iria amputar meu pênis, ali na mesa. Nisso o medico a segura, a porta é arrombada, foi algo inimaginável, cena de filme de terror.”
“Varias pessoas tentando segurar minha mãe, até que por fim ela foi contida, ou sedada, eu estava em cima da mesa, seminua e apenas chorava. Não gritava, não emita som, apenas chorava muda, eu era menino? Naquele dia arquitetei minha morte.”
“Enquanto levavam minha mãe, alguém arrumou minha saia plissada azul marinha e minha blusa branca, meias e sapatos pretos e o arco na cabeça. Enquanto perguntavam entre si o que iam fazer comigo, levantei peguei uma lamina de barbear e fiz apenas o que me restava a fazer cortei os pulsos.”
“Desmaiei, pela dor ou pelo sangue não sei, nem sei quando tempo fiquei sedada e amarrada num leito de hospital. Lembro perfeitamente do dia que fui levada do hospital pelo medico que tratava de mim para outra cidade. Na porta de uma casa com aspecto de escura uma velha vestindo cinza, minha avó, que mais tarde viria saber que ela era católica puritana moralista e ao seu lado uma senhora, minha tia, mais tarde também saberia que era carola com alucinações religiosas, a esquizofrenia estava em meus genes.”
“Eu, uma menina de sete anos, tive a cabeça raspada, um surra de espada de São Jorge, pois a partir daquele momento eu era menino.”
“Foi mandada para aula de futebol, esporte de macho. Ganhei roupas masculinas, carrinho e bola de capotão, era obrigada a correr descalça pela rua. Rezar o terço de joelhos no milho ou feijão para pagar meus pecados. Se cruzava a perna... apanhava, se sentava na privada... apanhava, se fazia biquinho... apanhava, se tirava a mesa... apanhava, se cantarolava... apanhava também... Obrigada, tapa na boca até sair sangue.”
“Também foi mandado para judô, para bater quem o chamasse de viado, mas sozinho em casa coloca a cueca no rego, vestia a roupa da tia carola sonhava com o príncipe encantado.”

“Trabalhava de tudo, auxiliar de pedreiro, entregador de pão e até engraxate, tudo que pudesse me fazer mais homem, enquanto isso eu estudava muito e minha avó e o padre tentavam mudar o meu nome nos registros. Aos dez foi colocado para trabalhar na farmácia que ficava na esquina da nossa casa, lugar melhor do que uma farmácia não pode existir para mim, tomei neovlar, microvlar, lia bula atrás de estrógeno e atrás de progesterona, tinha esperança do erro de Deus consertar, tinha esperança de não ter pelos na face, de não ter a voz grossa e que eu tinha no meio das pernas desaparecesse.”
“Aos catorze anos, exatamente no dia do meu aniversário, morreu minha avó, minha tinha beata me manda para um colégio católico para ser de Deus, meus traços na época eram mais de meninas do que de meninos, quem me levou para o colégio foi o padre amigo da família, numa parada num hotel de posto de gasolina para uma sesta, se a lenda fosse real eu seria mula-sem-cabeça,... Tudo acontecia e apesar da dor vinha na cabeça a musica Geni do Chico. Ele me deu duas opções ir para o colégio ou fugir para São Paulo enquanto ele dormia.”
“Fugi para são Paulo, conheci Letícias, Micheles e mais um monte de bonecas... como conheci as damas da noite, os drogados e michês e toda a população noturna que habita uma cidade grande. A vida noturna tem outras cores e outros ares.”
“Tentei trabalhar honestamente, não como mulher nem como travesti, afinal não sabia o que eu era ainda. O mundo da muitas voltas e acabei após passar fome e até roubar arrumar um emprego como faxineiro num hospital, trabalho noturno. De dia faxina casas, com o pouco de dinheiro que conseguia um bordadinho, um tricô, um crochê, um remendo, minhas clientes o povo da noite e o povo do hospital. Assim conheci Dra, foi uma das medicas que me tratou na minha infância na minha tentativa de me matar, ela me reconheceu, contei minha historia a ela, acabei indo morar na casa dela”.
“Morando na casa da Dra, fui para a terapia, voltei a estudar e muito, descobri que eu nasci ovo, que a rejeição da minha mãe pelo meu pai estampava em mim, que a doença que a minha mãe tinha apenas me ajudou a romper a casca e nasci pela segunda vez, à primeira vez nasci de um útero e a segunda eu renasci quando me descobri homem. Cresci com a sensibilidade feminina, nesse período de crescimento eu absorvi tudo, aprendi as lições de ser homem, como aprendi as lições de ser mulher. Agora era a hora da escolha do ser na vida e assumir uma posição.”
“Aos vinte e um anos eu fiz a minha operação, cortei a Cruz mais pesada de minha vida.”
“Sai do país com passaporte de mulher, com nome de mulher com um corpo andrógino devido aos hormônios, segura do que eu iria fazer ao meu lado a minha mãe de coração, a Doutora”.
“Voltei para o Brasil e a primeira coisa que fiz foi procurar minha mãe biológica, uma sombra do que ela foi ela era, entrei no seu quarto ela sedada, uma morta e viva, demorou a me reconhecer, catorze anos se passaram desde que eu a vi pela ultima vez.”
“Choro, lagrimas, ela palpa meus poucos seios e no vão de minhas pernas que ainda está dolorido, chorando ela falava que estava certa. Soube uma semana depois que ela tinha morrido.”
“Terminei minha faculdade, me especializei em psiquiatria.”
“Anos se passaram, resolvi fazer uma plástica e nesta conheci o meu amor. Trabalhamos no mesmo hospital, eu nunca reparei nele até o dia que eu fui ao consultório particular dele, fiz minha cirurgia. Um dia sem mais nem menos nos encontramos no refeitório do hospital. Conversa vem e vai e estamos juntos até hoje.”
“Agora que sou borboleta completa faz anos que luto na justiça para adotar um filho, ninguém entende que o ovo morreu, a lagarta morreu a crisálida rompeu e que posso ter uma família feliz me falta apenas um filho.”
“O destino me ajudou a ser o que sou, mas a lei impede o sonho de se realizar, quero acreditar que tudo no final dará certo, como tudo deu ate agora!”
Ela me contou toda a sua história, sem mexer no cabelo, sentada com postura correta tomando “Blood Mary” e eu chá de boldo, o marido quieto fumando um charuto. Às vezes quando ela falava da lagarta seus olhos enchiam de lagrima e só então repara na mão um pouco maior que o normal ou seria esta a minha impressão?
Ela se desculpou.
O marido se desculpou.
Eu estava muito sono, mas com a cabeça fervilhando, por que ela me contara a sua história?
Na saída do bar ele me pergunta:
Qual ano de sete em que você nasceu?
Ela sorri para ele e diz além dos sete ao seu redor, ele tem com ele um Erê que me trará um curumim... E partiu para a direção de seu chalé.

André Zanarella 07-09-2012
(Escrito em vários papeis meio atordoado. Tentando ser fiel o que a mim foi narrado.).
http://www.recantodasletras.com.br/contos/4442736

André Zanarella

Borboleta

Mudei e nem percebi
Como borboleta que ainda não descobriu que sabe voar

E no espelho agora vejo
Que já não sou a mesma
Não pelo corte de cabelo
Nem pela flacidez da pele
Apenas mudei...

Como uma nova estação
Que faz da seca flores,
E do espinhento mandacaru
Um verso de amor...

Sou outra e a mesma
Como uma noite de luar
Que mesmo conhecida
Faz-se nova a cada vez

E agora o reflexo que vejo
É tão desconhecido e íntimo
Que só posso dizer:
Mudei.

Rebeca Barros