Boneca

Cerca de 108 frases e pensamentos: Boneca

Boneca se aquece
com o meu chapéu de lã.
Eu visto saudades.

Teruko Oda

Bota aí um uísque, com uma cerveja para acompanhar. E não poupa no choro, boneca.

Greta Garbo

"A menina que aos poucos foi trocando a boneca por maquiagem.
Trocando seu mundo de sonhos pelo da realidade.
Hoje sua vida segue em frente...
O passado não importa.
Ela vive o presente!!!
A garotinha que cansou de acreditar que contos de fadas começam com "era uma vez" e terminam com "um final feliz"...
Sou muito mais que essas letras,frases e fotos que falam sobre mim...
Sou as minhas atitudes,os meus sentimentos,as minhas idéias...
O que realmente faz valer a pena estar vivo,não há filmadora ou máquina fotográfica que registre...
Surpresas,gargalhadas,lágrimas,enfim,o que eu sinto,quem eu sou,você só vai perceber quando olhar nos meus olhos,ou melhor,além deles...

Posso até ser pequena pra quem vê...Mas gigante pra quem ama!!!

Ismália

Sou menina que anda de salto alto, sou mulher que brinca de boneca. Sou muitas, sou tantas, sou várias em uma só, e ás vezes nem sei quem sou.
Eu sou alegria, dou risada, brinco, conto piadas, faço todos rir, sou bom-humor. Mas eu também sou tristeza, de uma hora para outra caio em um choro sem fim, choro igual criança, sou mau-humor.
Eu sou amiga, eu ouço, entendo, conforto, ajudo quando posso e quando não posso também. Eu sou minha amiga. Mas eu também sou indiferença e não perco meu tempo com quem não gosta de mim, com quem não se importa comigo.
Eu sou perceptível, enxergo com clareza de detalhes tudo ao meu redor, sei o que dará certo e o que não dará eu também sei. Consigo perceber nos gestos e nos olhares pequenas coisas que quase ninguém mais vê. Mas o que está diretamente ligado à mim, eu não vejo, não percebo, eu não sei, ou talvez não queira ver, não queira saber. Eu sou sabedoria, mas também sou ignorância.
Eu sou amor, eu transbordo amor, quando gosto, gosto de verdade, até o fim. Eu sou amor e não caibo em mim e por isso distribuo amor, muitas vezes para pessoas erradas, então eu volto a ser tristeza.
Eu sou independência e quero ficar só, não quero ninguém comigo ao meu lado. Mas em segundos volto a ser carência, quero colo, quero amor, quero carinho, quero mimos.
Eu sou coração, me comovo com tudo, choro por todos. Eu sou razão, sou forte, sou dura.
Eu sou passado e sinto uma saudade imensurável de lá. Eu sou futuro e sinto uma vontade imensa que ele chegue logo. Eu sou presente, com um pé no passado e o outro no futuro, tentando focar a mente no presente.
Eu sou tudo, sou mudança, sou pressa, sou fogo. Eu sou nada, sou comodismo, sou calmaria, sou água.
Eu sou muitas e dentre tantas, não sei quem é a líder, quem manda em mim.

Amanda Sanches

face à primavera
a boneca de papel
frágil a beleza

Pedro Xisto

A tarde é bem quente.
Cansada, boneca ao lado,
menina dormindo.

Humberto del Maestro

Daniela ...

Nao tive que pensar muito antes de fazer isto!
Sabes apenas o estou a fazer porque o mereces! E porque amigas como tu nao merecem ser esquecidas ...



O meu orgulho por ti e imenso, e tenho a certeza que a minha vida sem ti seria NADA ...


Ate hoje desde o dia que nos conhecemos, tens te tornado a cada dia que passa ainda mais importante da minha vida ... Tens te tornado uma amiga inesquecivel, que esta ao meu lado nos bons e maus momentos e que me apoia em tudo o que eu preciso ...

Nao sei o que seria da minha vida sem ti ...
Tu tens tudo aquilo que a perfeicao necessita ... E por isso es perfeita ...
Sei que ja errei muitas vezes ... Mas com os erros as pessoas aprendem .. Eu aprendi ... E sempre pensei ...Qur errar nao era a melhor solucao ... Muito menos contigo que me es muito e que ja fizeste muito por mim ...


Acho que tu mereces mesmo isto e muito mais ...
Nunca mudes ...


Obrigada por tudo ...
E estou aqui para o que der e vier...
pOdes confiar sempre em mim ...


Es me muito Daniela ...


AmO.te Best ...

R & D

Boneca

"Não tenho ódio nem amor, sou livre e não tenho medo de nada, porque sou boneca de pano com macela por dentro. Qualquer "desastre", a Tia Anastácia me faz outra".

Dercy Gonçalves

Ferro na boneca, pedrada na vidraça
Tudo que eu tenho eu conquistei na raça
Eu não sou simpático a ninguém
Hoje eu vou de limusine mas eu já andei de trem

Charlie Brown Jr

BONECA DE CROCHÊ

Um homem e uma mulher estavam casados por mais de 60 anos.
Eles tinham compartilhado tudo um com o outro, tinham conversado sobre
tudo, não tinham segredo entre eles afora uma caixa de sapato que a mulher guardava em cima de um armário e tinha avisado ao marido que nunca abrisse aquela caixa e nem perguntasse o que havia nela.
Assim por todos aqueles anos ele nunca nem pensou sobre o que estaria
naquela caixa de sapato. Mas um dia a velhinha ficou muito doente e o
médico falou que ela não sobreviveria. Então o velhinho tirou a caixa de cima do armário e a levou pra perto da cama da mulher. Ela concordou que era a hora dele saber o que havia naquela caixa.
Quando ele abriu a tal caixa, viu 2 bonecas de crochê e um pacote de
dinheiro que totalizava 95 mil dólares.
Ele perguntou a ela o que aquilo significava, ela explicou:
- Quando nós nos casamos minha avó me disse que o segredo de um casamento feliz é nunca argumentar/brigar por nada. E se alguma vez eu ficasse com raiva de você que eu ficasse quieta e fizesse uma boneca de crochê.
O velhinho ficou tão emocionado que teve que conter as lágrimas enquanto pensava 'Somente 2 bonecas preciosas estavam na caixa. Ela ficou com raiva de mim somente 2 vezes por todos esses anos de vida e amor.'
- Querida!!! - ele falou - Você me explicou sobre as bonecas, mas e esse dinheiro todo de onde veio?
- Ah!!! - ela disse - Esse é o dinheiro que eu fiz com a venda das bonecas,a dois dólares cada...

Kelly Fagundes

Menina-não boneca

Não sou de brinquedo.
Então não brinque.
Pense duas vezes.
Se quiser desista.
Não persista.
Só fico nas mãos
de quem eu quero

Patty Vicensotti

“Laila a vê colar pedaços de lã na cabeça da boneca. Em poucos anos, essa menina vai ser uma mulher que pede muito pouco da vida, que nunca incomoda ninguém, nunca deixa transparecer que ela também tem tristezas, desapontamentos, sonhos que foram menosprezados. Uma mulher que vai ser como uma rocha no leito de um rio, suportando tudo sem se queixar. Uma mulher cuja generosidade, longe de ser contaminada, foi forjada pelas turbulências que se abateram sobre ela. Laila já consegue ver algo nos olhos daquela menina, algo tão arraigado que nem Rashid nem os talibãs conseguiram destruir. Algo tão rijo e inabalável quanto um bloco de calcário. Algo que, afinal, acabou sendo a sua ruína e a salvação de Laila.”

Khaled Hosseini - A Cidade do Sol (Página 353)

Boneca de Porcelana

Descobri que há um tempo atrás eu era apenas uma boneca....

Sei que você não me ama,
Nesse mundo ninguém mais me engana,
Sou apenas um brinquedo;
Boneca de porcelana
Que se quebra e sente medo
Nas mãos de homens traiçoeiros!

Sei que você não me ama
Sou apenas seu passatempo no login virtual
Da conversa casual,
E nem pense que você me compra
Com esses corações vermelhos.

Sei que você não me ama,
E só sente interesse,
Olha aqui, menino tolo
Não serei o seu joguete.

Presto apenas por um tempo,
Eu não quero mais te ver,
Quando a diversão acaba
É melhor me esquecer.

Sei que você não me ama,
Nesse mundo ninguém mais me engana,
Sou apenas um brinquedo;
Boneca de porcelana
Que se quebra e sente medo
Nas mãos de homens traiçoeiros!

No teatro dessa história
Sou apenas uma atriz,
Quando fecham-se as cortinas
Ninguém lembra mais de mim.

Quando era uma criança
Eu brincava de bonecas,
Eu só não imaginava
Que eu seria uma delas.

Mas se na hora da tristeza
De mim você sentir saudade
Me ponha em sua prateleira
E se distraia à vontade.

Sei que você não me ama,
Nesse mundo ninguém mais me engana,
Sou apenas um brinquedo;
Boneca de porcelana
Que se quebra e sente medo
Nas mãos de homens traiçoeiros!

Sou apenas um brinquedo...
Boneca de porcelana...
Boneca de porcelana....

Jamila Mafra

O Batizado da Boneca

"Na pracinha, a igreja...
Porteira fechada...
E o trem de longe, já vem apitando
passando lentamente pela cidade...
Meio tarde... sol escaldante...
Sandálias novas,
rendas e babados em alvos vestidos,
fitas coloridas nos cabelos,
as meninas entram na penumbra
do recinto sagrado;
rindo e cochichando
sob o olhar assombrado dos santos
perturbados por inesperada revoada...
Mergulhando seus dedos
nas águas bentas da pia batismal
o menino padrinho
de padre fingindo
inicia o solene batizado da boneca...
In nomine Patris, et Filii
et Spiritus Sancti Amen…"

Élide Baccelli Bianco

BONEQUINHA VERMELHA
CORAÇÃO VERDE...

...quando a menininha tinha seis aninhos,
recebeu a visita da mãe na casa do seu papai,
trouxe balas, um par de chinelos e uma bonequinha vermelha e dorminhoca...
simples, mas linda... inesquecível...

a visita foi embora e tudo voltou ao normal,
e alguém por raiva, ciúmes,
achou que ela não precisaria daquilo
...jogou no penhasco!!

o tempo passou... passa e vai passando...
e vai-se remendando o coração vermelho,
que aos poucos vai se tornando verde,
de esperança e de amor...

transformando memórias... em APRENDIZADO!
<3

Ni Aragues

BA - BONECA BORBOLETA

Na quebra do salto da modelo que atravessa a rua, na parada do elevador entre os andares que lhe faz perder a hora, tudo tem um por que lá na frente, um mistério o qual a nos é escondido.
As férias perfeitas, num resort perfeito, curtindo sol, mar, piscina, leitura, consegui isolamento que eu queria com grande sofisticação.
O melhor restaurante japonês que eu já conhecera. Decoração primorosa em cada detalhe. Uma barca maravilhosa, saque, vinho e sucos numa mesa em forma de "u" ao redor das grelhas. Baianas vestidas de japonesas. Apenas casais e eu. Sons. Aromas deliciosos. Mesa coletiva. Que saco! Eu em umas das pernas do "u", na perna oposta um casal uma moça exótica com um rapaz pouco mais velho. A minha frente dois casais nada simpáticos, a minha direita um casal de idosos e na esquerda um casal visível apaixonado, ou senão sem o mínimo de noção pelas demonstrações de carinho em publico, talvez eu seja meio careta ou conservador, mas beijo na boca e certos carinhos, amasso, são bons entre quatro paredes, não em lugar publico e muito menos numa mesa coletiva. Há condutas que são individuais, assim como o bom gosto não é uma questão de dinheiro e sim de bom senso.
Vou de suco e água tônica, apesar de que as bebidas feitas de saque são lindas e tentadoras, mas não sei o porquê uma sensação estranha de mal estar e antipatia me domina.
A moça, exótica, vestia um vestido branco tinha uma borboleta tatuada no pescoço, vestido elegante curto de certa transparência que a deixava com ares sérios, mas sensuais. Um pingente de borboleta. Na pulseira inúmeras borboletas. Reparei nela, pois ela se sobressaia no meio dos turistas, seu acompanhante, também bem vestido, alias, na mesa eram os únicos que conversam em tom baixo, pois os outros faziam questão de falar alto, de mostrarem que estavam de férias, que podiam estar de férias e que ali não era o ambiente deles. Meu Deus, como diria o poeta “a burguesia fede”.
O cozinheiro entra no "u", show na manipulação da espátula e faca.
Aplausos...
O cozinheiro fazia verdadeiras acrobacias com o alimento um show digno de ser apreciado. Eu escolho um prato de polvo com camarões e legumes, tudo banhado no molho especial de soja, que segundo o cozinheiro é uma receita especial da casa.
A postura da borboleta branca com classe sem igual manipula os hashi com classe, num pensamento maldoso chego até desejar que caísse algo na roupa dela impecavelmente branca.
Apesar da comida excelente como pouco, a garçonete me pergunta se passo bem, afinal da porção generosa se camarões e polvo, mal toquei na comida, sinto o rosto a arder, quero mais ir embora para o quarto, quero dormir.
A roupa da borboleta me incomodava, o barulho das espátulas me incomodava tudo ao meu redor era meio que uma explosão de calor, brilhos e sons.
Saio antes das sobremesas, peço água e tento respirar, molho a cabeça em uma fonte, a brisa da noite me dá uma pausa no meu mal-estar.
No hall do restaurante a esperar a condução que levara para meu setor no hotel, todos passam por mim e me olham ou apenas me veem? Mas a borboleta e seu companheiro vêm conversar comigo.
Eles mostram uma evidente preocupação, devo estar com aspecto horrível, cabelos molhados, camisa molhada.
Explico que estou com o rosto pegando fogo, olhos e garganta ardendo muito, tudo me incomodando. Ela e seu acompanhante pedem licença e rapidamente me examinam.
Diagnostico reação alérgica.
Seria a comida?
Seria algo ingerido no Happy Hours?
Eles educadamente falam que são médicos em São Paulo e que estão comemorando o aniversario de casamento deles no resort. Tentam ser visivelmente agradáveis.
No caminho para o meu setor do resort, calafrios, eu estou no bloco seis, eles num chalé no mesmo conjunto que o meu. Em todo o percurso, eles são atenciosos, conversam e perguntam como eu estou. Conversas e perguntas.
O pequeno percurso do bloco onde estávamos até o nosso setor durou uma eternidade.
Finalmente chegamos ao nosso setor, eles perguntam se eu tenho alguma medicação, respondo que nada que um chá de boldo e cama não resolva. Eles oferecem levar um anti-histamínico para mim no bar do hotel.
Nessa altura do campeonato aceito sem muito pensar quero me livrar do mal estar, da sensação de ressecamento de tudo mais, da angustia de querer respirar e ter a dificuldade.
Ela ficou comigo no bar e ele foi à busca do medicamento.
A Borboleta branca me fazia tomar pequenos goles de água, com um lenço que não sei de onde saiu umedecia minha testa e face, com uma delicadeza de tamanho sem igual tentava me distrair, perguntava coisas de minha vida assim como contava coisas de sua vida, conversa fácil, conversa sem compromisso, apenas para matar o tempo de espera.
Nasceu no interior de são Paulo, aos sete uma descoberta, aos dezessete mudara para a capital aos vinte e sete virara Borboleta.
Sete se descobriu?
Aos catorze perdeu a virgindade.
Aos vinte e um numa cirurgia plástica conhecera o marido.
Aos vinte e oito casara.
Agora luta para adotar um filho.
Em poucas palavras um resumo de sua vida. Eu achei que ela contava para mim os fatos como se tivesse decorado tudo para um exame oral. Ouvia, nada comentava, alias não demonstrava nada a respeito, a dificuldade respiratória e o mal estar eram tanto que a cena mais parecia cena de um filme antigo.
O marido finalmente chega injeção de anti-histamínico. Mais uns comprimidos. Ele pediu para ela contasse a sua história com calma. O que teria motivado ele a fazer tal pedido, incrível como a minha respiração havia melhorado.
Ela nasceu no interior de São Paulo, a mãe foi abandonada pelo pai que batia nela mesmo ela estando grávida, deu a luz a um belo menino, sozinha em casa. Foi sozinha como o bebe no colo para registra-lo.
No cartório a mãe entra com o recém-nascido enrolado em roupas rosa, registra-o com nome de menina. Batiza-o com nome de menina.
“Nasci homem, mas tenho todos os meus documentos o nome de mulher!”
Então ela nasceu menino! Procurei automaticamente sinais da “masculinidade” dela, nada.
“A minha mãe, que hoje a diagnostico de esquizofrênica, me vestia de menina.”
As pausas talvez fosse um pouco longas, como se buscasse fatos ou palavras num contexto perdido.
“Ensinou-me a fazer xixi sentada, a usar fita no cabelo, com sete anos sabia todos os afazeres do lar. Fazia fuxico, tricô, crochê, ponto cruz, não podia brincar rua, moçinha direita não brinca na rua. Óleo de amêndoa no cotovelo e pés.”
“Aos sete vou para a escola, passei o grande horror da minha vida.”
“Lembro-me exatamente o dia que eu estava no banheiro e uma amiguinha entrou no reservado, coisas de meninas, creio eu, ela mostrou sua bolsinha e eu mostrei a minha bolsinha que era diferente da bolsinha dela. Ela saiu gritando: Menino tem um menino no banheiro das meninas, eu era tão tola que sai ergui a minha roupa e corri também do banheiro, (risos) afinal um menino não poderia jamais ver uma menina nua era pecado mortal e os condenaria ao inferno e ela jamais acharia um príncipe como marido, acharia apenas sapos. Saio correndo gritando também a servente entrando no banheiro esbarra comigo.”
“Não foi achado nenhum menino, a amiguinha rapidamente falou para escola toda que eu era menino, ou melhor, falou que era menina com pinto.”
“No outro dia na escola durante o recreio, meninos e meninas estavam fazendo gozação e brincadeiras maldosas comigo, na época não era bulling, ou era, mas não se usava o termo. Quando me seguram e erguem minha saia e abaixam minha calcinha de renda, chorando falei que eu tinha uma “bonequinha” como toda menina no meio das pernas. Eles riam, me jogaram no chão, ergui minha calcinha, arrumei a minha roupa, limpei o meu rosto, peguei a lancheira e sai espancando todos ao redor, não sabia o porquê eles faziam tal brincadeira de mau gosto comigo, eu uma menina tão devota a virgem Maria. Foi um caos geral, tirei sangue de meninas e meninos, usei minha lancheira como arma, eu chutei, eu dei soco e mordida, virei onça, a servente mal conseguia me segurar.”
“As mães foram chamada na escola. Perguntaram se eu sabia a diferença entre meninos e meninas, na hora eu falei meninos tem pênis que machuca as mulheres e fazem nenês nela, minha mãe sempre falava isso para mim, lembro que ainda completei que era algo grande e duro e as mulheres tem algo pequeno e macio entre as pernas uma bonequinha chamada de vagina.”
“Isso eu falei na frente da diretora, psicóloga eu acho, medico da escola e alguns pais e minha mãe, minha mãe mostrava indiguinação, as outras mães que já haviam falado com os filhos afirmavam que eu era menino. Solução: Mostrar para um médico que eu era menina ou menino. Todos saíram da sala, apenas o medico, a diretora, minha mãe e eu. Com vergonha sem olhar para lugar algum desabotoo minha saia, deixo-a cair, e abaixo minha calcinha...”.
“Para minha surpresa eu não era menina...”.
“O medico mal fala que eu era menino e minha mãe tentou matar o medico, ela sai de onde estava com uma cadeira eu acho e acerta o medico deixando ele caído no chão, à diretora sai correndo gritando para o corredor, minha mãe numa agilidade que eu desconhecia tranca a porta. Coloca-me encima da mesa, até hoje ainda não sei o que ela tinha na mão, mas acho que era uma Gilette, ela iria amputar meu pênis, ali na mesa. Nisso o medico a segura, a porta é arrombada, foi algo inimaginável, cena de filme de terror.”
“Varias pessoas tentando segurar minha mãe, até que por fim ela foi contida, ou sedada, eu estava em cima da mesa, seminua e apenas chorava. Não gritava, não emita som, apenas chorava muda, eu era menino? Naquele dia arquitetei minha morte.”
“Enquanto levavam minha mãe, alguém arrumou minha saia plissada azul marinha e minha blusa branca, meias e sapatos pretos e o arco na cabeça. Enquanto perguntavam entre si o que iam fazer comigo, levantei peguei uma lamina de barbear e fiz apenas o que me restava a fazer cortei os pulsos.”
“Desmaiei, pela dor ou pelo sangue não sei, nem sei quando tempo fiquei sedada e amarrada num leito de hospital. Lembro perfeitamente do dia que fui levada do hospital pelo medico que tratava de mim para outra cidade. Na porta de uma casa com aspecto de escura uma velha vestindo cinza, minha avó, que mais tarde viria saber que ela era católica puritana moralista e ao seu lado uma senhora, minha tia, mais tarde também saberia que era carola com alucinações religiosas, a esquizofrenia estava em meus genes.”
“Eu, uma menina de sete anos, tive a cabeça raspada, um surra de espada de São Jorge, pois a partir daquele momento eu era menino.”
“Foi mandada para aula de futebol, esporte de macho. Ganhei roupas masculinas, carrinho e bola de capotão, era obrigada a correr descalça pela rua. Rezar o terço de joelhos no milho ou feijão para pagar meus pecados. Se cruzava a perna... apanhava, se sentava na privada... apanhava, se fazia biquinho... apanhava, se tirava a mesa... apanhava, se cantarolava... apanhava também... Obrigada, tapa na boca até sair sangue.”
“Também foi mandado para judô, para bater quem o chamasse de viado, mas sozinho em casa coloca a cueca no rego, vestia a roupa da tia carola sonhava com o príncipe encantado.”

“Trabalhava de tudo, auxiliar de pedreiro, entregador de pão e até engraxate, tudo que pudesse me fazer mais homem, enquanto isso eu estudava muito e minha avó e o padre tentavam mudar o meu nome nos registros. Aos dez foi colocado para trabalhar na farmácia que ficava na esquina da nossa casa, lugar melhor do que uma farmácia não pode existir para mim, tomei neovlar, microvlar, lia bula atrás de estrógeno e atrás de progesterona, tinha esperança do erro de Deus consertar, tinha esperança de não ter pelos na face, de não ter a voz grossa e que eu tinha no meio das pernas desaparecesse.”
“Aos catorze anos, exatamente no dia do meu aniversário, morreu minha avó, minha tinha beata me manda para um colégio católico para ser de Deus, meus traços na época eram mais de meninas do que de meninos, quem me levou para o colégio foi o padre amigo da família, numa parada num hotel de posto de gasolina para uma sesta, se a lenda fosse real eu seria mula-sem-cabeça,... Tudo acontecia e apesar da dor vinha na cabeça a musica Geni do Chico. Ele me deu duas opções ir para o colégio ou fugir para São Paulo enquanto ele dormia.”
“Fugi para são Paulo, conheci Letícias, Micheles e mais um monte de bonecas... como conheci as damas da noite, os drogados e michês e toda a população noturna que habita uma cidade grande. A vida noturna tem outras cores e outros ares.”
“Tentei trabalhar honestamente, não como mulher nem como travesti, afinal não sabia o que eu era ainda. O mundo da muitas voltas e acabei após passar fome e até roubar arrumar um emprego como faxineiro num hospital, trabalho noturno. De dia faxina casas, com o pouco de dinheiro que conseguia um bordadinho, um tricô, um crochê, um remendo, minhas clientes o povo da noite e o povo do hospital. Assim conheci Dra, foi uma das medicas que me tratou na minha infância na minha tentativa de me matar, ela me reconheceu, contei minha historia a ela, acabei indo morar na casa dela”.
“Morando na casa da Dra, fui para a terapia, voltei a estudar e muito, descobri que eu nasci ovo, que a rejeição da minha mãe pelo meu pai estampava em mim, que a doença que a minha mãe tinha apenas me ajudou a romper a casca e nasci pela segunda vez, à primeira vez nasci de um útero e a segunda eu renasci quando me descobri homem. Cresci com a sensibilidade feminina, nesse período de crescimento eu absorvi tudo, aprendi as lições de ser homem, como aprendi as lições de ser mulher. Agora era a hora da escolha do ser na vida e assumir uma posição.”
“Aos vinte e um anos eu fiz a minha operação, cortei a Cruz mais pesada de minha vida.”
“Sai do país com passaporte de mulher, com nome de mulher com um corpo andrógino devido aos hormônios, segura do que eu iria fazer ao meu lado a minha mãe de coração, a Doutora”.
“Voltei para o Brasil e a primeira coisa que fiz foi procurar minha mãe biológica, uma sombra do que ela foi ela era, entrei no seu quarto ela sedada, uma morta e viva, demorou a me reconhecer, catorze anos se passaram desde que eu a vi pela ultima vez.”
“Choro, lagrimas, ela palpa meus poucos seios e no vão de minhas pernas que ainda está dolorido, chorando ela falava que estava certa. Soube uma semana depois que ela tinha morrido.”
“Terminei minha faculdade, me especializei em psiquiatria.”
“Anos se passaram, resolvi fazer uma plástica e nesta conheci o meu amor. Trabalhamos no mesmo hospital, eu nunca reparei nele até o dia que eu fui ao consultório particular dele, fiz minha cirurgia. Um dia sem mais nem menos nos encontramos no refeitório do hospital. Conversa vem e vai e estamos juntos até hoje.”
“Agora que sou borboleta completa faz anos que luto na justiça para adotar um filho, ninguém entende que o ovo morreu, a lagarta morreu a crisálida rompeu e que posso ter uma família feliz me falta apenas um filho.”
“O destino me ajudou a ser o que sou, mas a lei impede o sonho de se realizar, quero acreditar que tudo no final dará certo, como tudo deu ate agora!”
Ela me contou toda a sua história, sem mexer no cabelo, sentada com postura correta tomando “Blood Mary” e eu chá de boldo, o marido quieto fumando um charuto. Às vezes quando ela falava da lagarta seus olhos enchiam de lagrima e só então repara na mão um pouco maior que o normal ou seria esta a minha impressão?
Ela se desculpou.
O marido se desculpou.
Eu estava muito sono, mas com a cabeça fervilhando, por que ela me contara a sua história?
Na saída do bar ele me pergunta:
Qual ano de sete em que você nasceu?
Ela sorri para ele e diz além dos sete ao seu redor, ele tem com ele um Erê que me trará um curumim... E partiu para a direção de seu chalé.

André Zanarella 07-09-2012
(Escrito em vários papeis meio atordoado. Tentando ser fiel o que a mim foi narrado.).
http://www.recantodasletras.com.br/contos/4442736

André Zanarella

"A boneca"
Amelie não parava de encarar o espelho, ela estava ali a quase duas horas, encarando enojada o reflexo de seu corpo nu. O corpo pálido da futura mãe, tão jovem, a estava enlouquecendo. A gravidez já estava fazendo oito meses, ela não conseguia enxergar o quanto estava bela. Soltou seus longos cabelos negros e ainda não enxergava beleza naquele espelho, espelho cor de rosa, um presente fofo de seu marido que pensava na esposa como uma boneca, uma princesa delicada, somente para ser admirada. Delicadamente foi até a cozinha, realmente, era tão bela quanto uma boneca. Olhou para o relógio que marcava "22:15", em 15 minutos seu marido estaria em casa. Ao lado do relógio, uma fotografia com seu marido, o sorriso dele fez Amelie pensar no quanto ela deveria ser importante para o marido, mas estava decidida e ignorou o pensamento. Pegou a fotografia e uma faca. Voltou para o espelho e fez um corte pequeno em seu braço, observou o sangue aparecer e pela primeira vez sentiu medo.
O reflexo no espelho havia mudado, seu olhar agora estava assustado e se lembrou das noites em que não conseguia dormi. O reflexo a observava caminhando e o terror havia voltado para atormenta-la.
Em uma noite quando estava sozinha, quando a escuridão da noite a impedia de enxergar qualquer coisa, sem querer parou em frente ao espelho, o reflexo no espelho era a única coisa que pode enxergar, o medo a fez cair no chão e simplesmente a paralisou. Tudo piorou quando o que estava no espelho a observando falou com ela, a simples lembrança daquele dia a fez jogar a faca contra o próprio peito, caindo no chão. A dor era forte e ela sentiu a tristeza por seu marido nunca estar presente para ajuda-la. Caída e respirando com dificuldade, ela segurava a fotografia, estava feliz porque já não conseguia mais ouvir o que a figura assustadora no espelho falava. Amelie fecha os olhos, desejando descansar para sempre. Uma voz a fez abrir os olhos novamente, mas o lugar onde estava já não era mais a sua casa. Sentiu sua mão sendo tocada e beijada delicadamente, era seu marido. Olhou para o lado e a decoração já dizia tudo, era um hospital.
A voz dele a fez bem.
"Nosso filho está bem, meu amor. Não se preocupe, durma. Você vai ficar bem".
Ela olhou para ele e se sentiu bem, sorriu e fechou os olhos novamente. Seu filho estava bem, ela estava bem, enquanto dormia agradeceu aos deuses por a terem protegido.
Quando voltou para casa tudo parecia perfeito novamente. Em poucos dias estaria com seu filho e seu marido em uma nova casa, com uma nova vida. Tudo já estava preparado para a grande mudança.
Amelie foi até o quarto e olhou seu antigo espelho, agora era só mais um espelho. Deitou ainda olhando para o espelho e dormiu.
"Ame...lie... Amel...ie".
Era a voz perturbadora novamente, a voz que havia saído do inferno e destruído sua vida. A escuridão da casa voltou para assombra-la.
Amelie começou a gritar, desesperada. O desespero só parou quando o marido a acordou e a abraçou.
"Foi só um sonho, minha Amelie, só um sonho, minha boneca".

leticialjosalfar

Assim, sinto-me em seus braços: protegida, envolvida por uma energia que ninguém é capaz de atravessar. Assim, sinto-me em seus braços: dona de mim, você, dono de mim. Assim, sinto-me em seus braços: boneca, rainha, bibelô. Sua luz protege-me, seu amor, sustenta-me.

Flávia Abib

Flávia Abib

"Falo coisas q as vezes não faço, sou boneca, sou paçhaço, ponto de interrogação..."

Fernando A.

Enxergar é perceber a real sutileza da vida: a beleza. Não a beleza mecânica de uma boneca. Isso não é beleza, nem verdade.Mas a beleza divina, que pode ser tão mínima e tão maravilhosa, de essência tão contraditória e tão mágica!

Heva Freitas