Banco Praça

Cerca de 48 frases e pensamentos: Banco Praça

"No palco, na praça, no circo, num banco de jardim, correndo no escuro, pichado no muro... Você vai saber de mim."

Chico Buarque

Para o amor, um banco de praça já basta.
Ou ficar na frente de um portão.
Ou uma xícara de café.
Amor mesmo é um filme de baixo orçamento."

Fabrício Carpinejar

Num banco de praça
a sombra de um velho assombra
o vento que passa.

Luciano Maia

NÃO FIQUE FEITO O BANCO DA PRAÇA QUE ESTÁ SEMPRE ESPERNDO POR ALGUÉM. MEXA-SE.

Otto di Beltrão

Tomar um sorvete com voce no banco da praça é melhor que uma viagem a París ou Grécia sozinho

Lucas Antunes da Silva

Numa praça tem um banco inerte e calado,apenas experimentando abraços ,sorrisos e prantos, conversas acaloradas e pessoas caladas, dando colo a quem precisa, descanso pra quem busca e paz, mas só pra quem a procura

Professor Maurício Ferreira

Lá estava ele, parado, sentado no banco da única praça da cidade, tão lindo, tão meu. Eu sabia que ao me aproximar, uma onda de dor me atacaria pelo simples fato de eu não poder chegar em você. De não poder sorrir pra você. Pensei em atravessar a rua para não passar na sua frente. Mas ainda assim fui, aproximei-me e como dito, eu não poderia nem ao menos sorrir pra você, para não mostrar nos meus olhos a angustia de não tê-lo ao meu lado. Eu me aproximei:
- Oi, ele disse.
- Oi.
- Senta aqui, preciso falar com você.
E eu, sem dizer uma palavra me sentei.
- O que aconteceu? Porque tá sendo assim comigo?
E eu, uma uma gota de lágrima desceu dos meus olhos. Eu fiquei tonta, era como se eu tivesse ouvido a lágrima cair no chão. Virei de costas pra ele, para secar minhas lágrimas e respondi:
- É que eu... te amo tanto, que não teria forças suficientes pra suportar a dor de olhar pra ti, e ver que é só um sonho.
E no momento em que me virei para ver a sua resposta. Percebi que já era tarde. Ele já tinha sentido, já tinha visto, com uma lágrima ele percebeu o que eu sentia. E me deixou ali, sentindo a leve brisa do vento nos meus cabelos. Eu quis morrer, não tinha mais sentido viver em um mundo onde o seu amor, não fosse a força pra me levantar e seguir em frente.

Letícia Nogara

O distante solitário no banco de uma praça
Apaixonante de palavras meigas
O garoto dos planetas, dos meus planetas
O Garoto das estrelas

Thalita B.

Mas só um pouco.


Estou sentada no banco da praça; tirei as botas, sentei com as pernas cruzadas.

Sentindo uma brisa gelada enquanto os raios de Sol passam entre os galhos e me esquentam um pouco... Mas só um pouco.

O dia está lindo. O que estraga é que me lembro que vou ter que voltar para o escritório e deixar essa natureza linda do lado de fora.

Borboletas, cheiro de mato, as folhas dançando com o vento, as sombras formando lindos desenhos no chão de terra.

Vejo algumas pessoas circulando; sendo o que devem ser, vivendo como querem viver. E eu estou aqui sem saber que direção tomar.

Mas estar aqui me alegra...

O Sol me dá um pouco de energia, sinto um pouco de paz...

Mas só um pouco.

Daqui a pouco a angústia volta.

Anna Laura Souza

Quero simplicidade,sair a noite,tomar água mineral,comer barra de chocolate.Sentar no banco da praça e conversar banalidades,rir do cotidiano e deixar a monotonia de lado.Quero sorrisos sinceros ao amanhecer,um bom dia acompanhado de suco de laranja e mordidinhas na orelha.(Mordidinhas na orelha parece estranho ao dizer, mas não ao sentir).O fundamental é viver as coisas simples,sem se importar com status e grandeza.São as pequenas coisas que se tornam grandes ao longo do tempo.Eu quero é simplicidade, acompanhada de felicidade.

Débora Leidiane

Na praça da cidade sempre tem um banco que traz saudade.

Andre Saut

Sentado no banco da praça
Ali,quieto fiquei
Imaginando como seria
A vida mundo afora
Esse conjunto de astros
Fora do normal
Encontrei alguns alienados
Até um alienígena do bem

Sofia Oliveira

O banco da praça é uma instituição confiável, pois são depositadas, sem desconfiança nenhuma, diversas conversas com amigos desconhecidos cujo tema passeia entre segredos, aventuras e sonhos.

Andre Saut

LIÇÕES DA PRAÇA
Sentado na praça, num banco, que fica num canto,
sinto o odor das flores e contemplo as cores.
Vejo o bailar dos pássaros
em vôos de liberdade. Igual à que tenho,
porém, não a faço uma verdade.
A fonte luminosa e jorrante,
esplendorosa,
brilhante,
pela qual descem véus de água cristalina,
que vão e vêm,
ensinando que os ciclos se renovam,
e que todos,
a seus respectivos tempos,
beleza peculiar ostentam.
A banda no coreto postada,
toca as músicas da saudade,
aquelas do tempo em que tive vaidade,
Observo o ziguezague de pessoas ao redor,
as moças com marcha à direita,
os moços à esquerda,
se cruzam, flertam e se vão.
Não é tudo que se admira que se pode ter,
não é tudo que está no caminho que vai ficar.
Praça, simples praça,
cheia de sabedoria,
cheia de graça,
nela descanso,
num remanso,
e com suas lições
paz alcanço.

Luciano F. Aschkar

A praça da minha casa.

Sentado em um banco amadeirado, mas não acolchoado, porém confortável.
Reflexões tomavam conta da sala, como nuvens em um dia nublado, ofuscando e massageando um dia estrelado.
Nostálgico !
Lembranças sucumbiam a mente virgem, mal sabiam que ali presidia um xerife.
Tentativa de assalto à uma mente armada, neurônios xerifando a casa.
O céu da vida, via-se a olho nú, todo azul, muito azul, muito blue.
Um carretel cheio de linha, uma pipa, ferramentas de uma infância viva.
Rabiolas de jornal levavam informações, junto com bordões aos cantos da sala.
Uma pipa sem rabiola, nunca se sustentara.
Você poderia imaginar uma praça em sua casa ?
Aqui confortável, imaginei a minha.

Bruno Paulo

AS vezes paro no tempo, Não noto quem passa, e isso acontece na fila do banco, na praça, e o tempo não passa... Me perco olhando pra lua, lembrando de quantas vezes olhamos pra ela juntos e começamos a dar os nossos próprios nomes para as estrelas e no mesmo momento não sabíamos onde as mesmas estavam, e era esse detalhe que me fazia feliz, é coia besta mas alegrava meu coração :,

Henrique Oliveira

Farto da luta
Levantou cedo e saiu à rua
Sentou no banco da praça
Com rosto entre as mãos
Chorou como choram os
Inocentes
Gritou como gritam os
Possuídos
No final suspirou como suspiram os
Derrotados ...

Silmatozo

O amor precisa da sorte, compreensão, uma praça, um banco. Precisa de chuva, sol, rua, casa, cama. O amor precisa de janela, porta e cômodos, precisa também de abraços, cafunés, carinhos e sorrisos. O amor precisa ser quente, e poucas, pouquissimas vezes, quase nunca, frio. O amor precisa de maquiagem, um almoço ou jantar à luz de velas. O amor precisa de você e dele, o amor apenas precisa de amor, e nada mais.

Gabriela Borges

Não consigo mais esperar por você nesse banco de praça que me faz interrompido sem me avisar de compromissos inoportunos;
O tempo voou para conosco, mas não devemos desistir e deixar nos perder em um vão que encurta nossa viagem que esconde a coragem;

Julio Aukay

Lembra? De nós dois juntos sentados no banco daquela praça vazia, olhando as estrelas de mãos dadas, sem trocar nenhuma palavra, somente ao som da nossa respiração e dos carros que passam de vez em quando na rodovia..

Jamilla Fernanda