Biografia de Paulo de Tarso

Paulo de Tarso

Paulo de Tarso, também conhecido como Apóstolo Paulo, Saulo de Tarso ou São Paulo, nasceu em Tarso, na Cilícia, território atual da Turquia. Seus pais, embora judeus, gozavam dos privilégios da cidadania romana. No momento da circuncisão, recebeu dois nomes: Saulo - hebreu e Paulo - romano.

Os primeiros anos de vida passou no seio da comunidade judaica. Seu pai, membro da seita religiosa dos fariseus, faz com que frequente a escola da sinagoga. Em 29, numa viagem a Jerusalém, de significado patriótico e religioso, estuda no templo de Salomão. Persegue as comunidades cristãs e participa do apedrejamento de Estêvão, um líder de um grupo de seguidores de Jesus.

Em uma missão a Damasco, na Síria, Paulo viu uma grande luz e ouve uma voz que lhe questiona o motivo de sua perseguição. Saulo estava cego e permanece três dias em oração. A mando do Senhor, o discípulo Ananias vai ao encontro de Paulo, põe a mão em sua cabeça e no mesmo instante recobra a visão e sua conversão ao cristianismo foi instantânea.

Entre 45 e 48, Paulo realiza sua primeira expedição missionária. Entre 50 e 62, Paulo se retira para o deserto e escreve suas epístolas, 13 das quais conseguiram sobreviver. Tornou-se um dos principais difusores do Cristianismo, principalmente entre os gentios. Suas cartas formaram uma seção fundamental do Novo Testamento.

Em 58, Paulo é preso em Jerusalém e enviado para Roma, onde seria julgado por um tribunal de César. Salvo em um naufrágio, permanece em prisão domiciliar. Em 67, é novamente preso e decapitado nos arredores de Roma.

Acervo: 54 frases e pensamentos de Paulo de Tarso.

Frases e Pensamentos de Paulo de Tarso

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.

Paulo de Tarso

Ainda que eu falasse a língua dos homens, e falasse a língua dos anjos, sem amor, eu nada seria.

Paulo de Tarso

Todas as coisas me são lícitas; mas nem todas convêm.

Paulo de Tarso

Ainda que eu fale todas as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor sou como o bronze que soa ou o sino que retine... mesmo que tivesse toda a fé a ponto de transportar montanhas, se não tiver amor, não serei nada.

Paulo de Tarso

O amor é paciente, é bondoso; o amor não é invejoso, não é arrogante, não se ensoberbece, não é ambicioso, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda ressentimento pelo mal sofrido, não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Paulo de Tarso