novembro

Encontrados 15 pensamentos de novembro

"Todos os meses são Novembro,eu te amo todos os dias !"
“Por que um mês?
Porque é pouco tempo para se apaixonar, mas o suficiente para acontecer algo legal.”

Doce Novembro

"Tente não ter razão de vez em quando, seria bom para o meu ego."

Doce Novembro

"Vamos parar por aqui, assim teremos apenas lembranças boas do que vivemos."

"Se você me deixar ir hoje, tudo o que tivemos terá sido perfeito. Você é minha imortalidade."

Doce Novembro

TENTE NÃO TER RAZÃO DE VEZ EM QUANDO, SERIA BOM PARA O MEU EGO.

FILME doce novembro

To muito triste hoje...
A tristeza me machuca a alma...
Preciso me curar da vida ,ela é enganadora...
cuidado!!!!!

Estava muito triste...
A tristeza não me machuca mais a alma...
Minha alma ta flutuando...
A vida, essa doença mundial, me da a verdade...
Descuidada to agora!!!!!!!!!!!!!!!
Vislumbro as cores...
Feliz com as atitudes, as minhas...
Cuidado vida!!!! To correndo atras de te derrubar,
De me fazer rir e feliz sonhar...

Ivete Barros 2021 de novembro de 2007.

Um Sequestro em São Paulo

No ano passado um grande fato se ocorreu
Alguem sequestrado... oh meu Deus
O povo todo frustado
Pensando no que aconteceu

Quem sera pensavamos todos...
Sera alguem conhecido?!?
Parente ou amigo?!?!
E para nossa infelicidade foi Maria Aparecida
Quanta crueldade
Dela nao tiveram piedade

E nesse alvoroço todo muitas pessoas sofreram
Fora a familia e amigos
Foram seus dois filhos queridos
Ana Paula e Rodrigo que nao se esqueceram

Maria Aparecida confinada 45 dias
Sob a mao de muitas pessoas desconhecidas
Onde sua morte era temida
Durante todo o tempo vigiada
E para tudo o que queria fazer era controlada

De maos e pes atados
Sua boca tapada
Seus olhos vendados
E seu corpo preso ao chao
A judiavam sem perdao
E só de 8 em 8 dias seu banho era tomado
De 2 minutos na agua fria nao se passavam
Ela nao mais sorria

E em todos esses dias nos aqui fora sofrendo
Sem ter noticias..
E com um futuro proximo a vir
Todos o temendo

Sem saber como estava
Sem saber o que estava acontecendo
Sem saber como era tratada
Sera que estava sofrendo???
Mas é claro que estava...

Tudo era uma conjectura
De nada sabiamos
De tudo e todos temiamos
Oh... oq fariamos se algo de grave acontecesse???

A unica coisa que podiamos fazer era sentar e esperar
E com nossas lagrimas a derramar
E com os olhos inchados
Só podiamos rezar
Ter calma paciencia e esperança
Que um dia tudo se alcança

Choravamos muito sem pudor
Suportando toda a dor
De ter uma tia sequestrada
Sendo judiada
Nesse mundo de horror

E em todos os dias uma reza jamais faltou
Pediamos a Deus todos os dias dizendo:
Maria Aparecida Jesus te cure
Jesus te salve
Jesus te liberte

E voce se curou...
se salvou...
E se libertou...
Desse trauma tao horrivel
Que em sua vida passou

Mas Nao era só isso
Rezavamos tambem
Maria Apareciada se Jesus te Libertar...
tu seras eternamente livre

E faziamos tudo isso com fe e esperança
Tendo a certeza de que Deus é mais forte que tudo e todos
E conosco a sua lembrança

E no dia 31 de dezembro
Faltando 20 minutos para meia noite
Eis que vem a boa noticia
Aparecida sorria
Voce esta livre novamente
Junto a sua familia
De volta a sua vida
Mas nao mais como era antes

Esses dias deixaram muitas marcas
Não só a voce mas a todos tambem
Que sofremos muito com sua ausencia
E garanto que voce tambem

Mas agora vamos recuperar o tempo perdido
Aproveitar o nao vivido
E deixar que o tempo cure as cicatrizes
De horror, agunia e medo ocorrido

Hoje te dou parabens
Por ter sido forte em tudo que passou
Agora esta tudo bem
A sua fe nao fraquejou
Agora gritemos Amem
Voce se salvou

O seu renascimento foi consagrado
Por Jesus aclamado
E a chance de viver novamente
Foi-lhe abençoado...

E hoje agradeço
A todos que por ti rezaram
Toda sua familia e amigos
Que suas rezas jamais faltaram!!!

Patricia Saraiva Ferrraz novembro de 2004

Fascínio
No centro, os dois pequenos buracos se abrindo num promontório, embaixo do qual outro
buraco, um pouco maior, no sentido horizontal, ao abrir, mostra o brilho ocasional de retângulos de
esmalte claro, quase branco. Em cima duas contas brilhantes, cor verde-cinza, capazes de um
movimento rápido e inesperado. Riscos em volta, uns mais profundos, outros menos, sinais do
código do tempo representando número de anos. Cada risco um determinado número de anos. Olho,
fascinado. Todo dia olho, fascinado. Colados à direita e à esquerda do círculo em que se incrustam
os buracos e as contas brilhantes acima, dois pedaços mais ou menos semicirculares do mesmo
material da estrutura geral servem para captar sons, como conchas de um aparelho acústico. Pontos
negros, marcas, cicatrizes de acontecimentos de outra forma esquecidos. Eis minha cara.
Olho-a sempre e muito. Tenho mesmo a impressão de que jamais olhei tanto tempo, tantos
anos, todo dia, uma mesma coisa. Gosto dela? Não gosto? Qual a minha opção? Só a de não olhá-la.
Mas que outra se ofereceria assim, com tal intimidade, entra ano sai ano? Tenho de olhá-la para
sempre e um dia. Ela me representa mais do que qualquer outra coisa, meu reflexo e minha delação,
as pessoas me julgam por ela, me acusam por ela, me amam por ela e por ela me detestam. Na
minúcia de seus poros, porém, só eu a conheço. E, se não a amo, não posso abandoná-la. O único
afastamento que me permito é do próprio espelho, eu caminhando de costas, sem tirar os olhos dela,
até que ela desapareça numa curva do quarto e eu possa ter a impressão de que nunca mais vou vê-la. Pura ilusão, porque o fascínio meu por ela é apenas igual ao dela por mim. E, ao me sentar,
sozinho, para tomar um uísque no bar vazio e enquanto espero alguém, a primeira coisa que vejo é
ela, ali no espelho à minha frente, esperando, melancólica, por um uísque igual ao meu, servido do
mesmo jeito, ao mesmo tempo, pelo mesmo garçom.

Millôr Fernandes, Veja, 11 novembro 1976

A AGRESSIVIDADE DO HOMEM PROVÉM DA ÉPOCA ATLANTE…PORQUÊ?
RAZÕES PARA SE TORNAR VEGETARIANO OU NATURISTA
A Mestra H. Blavatsky e sua discípula Annie Beseant explicaram em vários escritos que a agressividade do Homem nasceu a partir da altura em que foi necessário que o homem se tornasse carnívoro para que o corpo que nos serve de veículo passasse da matéria astral…de que era composto…. para uma matéria densa, que hoje compõem os nossos corpos, com a finalidade de habitarmos o mais denso dos planos….ESTE NOSSO PLANO FISICO.
Este facto ocorreu na parte final da raça lemuriana, na era de transição do astral para o fisico.
Este facto é de extrema importancia porque.....
até que seja compreendida a conexão que existe entre o alimento do homem e a sua natureza, não será possivel a ninguém ...
"controlar as paixões e erradicar de si a selvajaria.
e por isso, não poderá haver paz duradoura, nem terminar a agressividade,
esta é uma afirmação dos Mestres.
Utilizando os antigos ensinamentos, que os nossos Seres de Luz deixaram aqui na Terra, através do trabalho dos seus discípulos, podemos efectuar uma verificação e compreender a causa que está actuando sobre o comportamento agressivo de uma elevada percentagem da população mundial.
Outra parte da população mundial deseja vivamente a cessação das hostilidades, e luta de muitas maneiras, para arranjar forma de alcançar – uma paz duradoura e um Bem-Estar Mundial.
Mas para alcançar tão almejado fim é necessário compreender a causa de tanta hostilidade, que muitas vezes está encoberta por um ténue verniz de civilização, que estala e explode como um vulcão destruidor.
É preciso saber que “a causa” de tudo isso…… está há milhões de anos assaltando o organismo humano,….. tornando o homem cego para a causa fundamental da sua agressividade para com os outros.
Vamos conhecer essa causa; saber que ela provoca sofrimento a outros seres conscientes; e sentir que se deve pôr fim a ela. Para isso, vamos recuar ao limiar da nossa existência mas já como ser humano:
NO LIMIAR DA EXISTÊNCIA HUMANA ERA ASSIM
No obscuro limiar da existência, o homem em formação, laborava sob a orientação directa das Divinas Hierarquias que o guiavam no caminho da evolução.
Era-lhe dado “ALIMENTO ADEQUADO” para desenvolver os seus vários veículos (corpos) de maneira ordenada, sistemática, para que, no devido tempo, esses diferentes corpos se tornassem um instrumento completo que servisse de TEMPLO a um espírito para que pudesse habitar nele e aprender a lição de vida, através de uma série de renascimentos nesses corpos terrestres, preparados para o efeito.
EXISTEM CINCO GRANDES ESTÁGIOS OU ÉPOCAS NA JORNADA EVOLUCIONÁRIA DO HOMEM SOBRE A TERRA
Primeira ou ÉPOCA POLAR
Na Primeira, ou Época Polar, o homem actual era apenas um “CORPO DENSO” (mineral), como são os minerais de hoje. Portanto, “ele era como um mineral”, por isso, descodificando os símbolos da Bíblia, - ela diz que "Adão” foi formado da terra" .
Segunda ou ÉPOCA HIPERBÓREA
Na segunda, ou Época Hiperbórea, foi-lhe acrescentado um CORPO VITAL (etérico) feito de ÉTER.
A partir daqui, o homem em formação passou a possuir então um CORPO CONSTITUÍDO COMO O DAS PLANTAS ACTUAIS, - mas NÃO era como uma PLANTA.
Caim, o homem dessa época, é descrito como um agricultor, E A SUA ALIMENTAÇÃO provinha exclusivamente de vegetais, pois as plantas contêm mais éter do que qualquer outra estrutura.
Terceira ou ÉPOCA LEMURIANA
Na Terceira, ou Época Lemuriana, o homem desenvolveu o CORPO DOS DESEJOS, (corpo astral) um veículo gerador de paixões e emoções, e passou a ser CONSTITUÍDO COMO OS ANIMAIS.
O leite, um produto dos animais vivos, foi acrescentado à sua alimentação, pois esta substância facilmente produz emoções. Abel, o homem dessa época, é descrito como um pastor, mas não há nenhuma evidência que ele tenha matado qualquer animal para alimentar-se.
Quarta ÉPOCA...a ATLANTE
Na quarta, ou Época Atlante, A MENTE DESABROCHOU E O CORPO TORNOU-SE O TEMPLO DE UM ESPIRITO QUE NELE PASSOU A HABITAR – o homem tornou-se, um ser pensante.
MAS O PENSAMENTO DESGASTA AS CÉLULAS NERVOSAS; MATA, DESTRÓI E CAUSA DECADÊNCIA. (ainda hoje sentimos que isso é verdadeiro)
Portanto, O NOVO ALIMENTO DOS ATLANTES TEVE DE SER COMPOSTO POR CARNE DE ANIMAIS.
Eles matavam para comer, e, por isso, a Bíblia descreve o homem dessa época como Nimrod, um poderoso caçador.
POR CAUSA DA UTILIZAÇÃO DESSES ALIMENTOS, o homem mergulhou cada vez mais fundo na MATÉRIA.
Tudo isto faz parte do plano de Deus sobre a Terra, o homem tinha de descer á máxima Involução, para depois começar a sua Evolução.
O seu CORPO, outrora ETÉRICO, formou dentro de si um esqueleto, tornando-se sólido.
Ao mesmo tempo, foi PERDENDO a sua PERCEPÇÃO ESPIRITUAL, mas a lembrança do céu permaneceu nele, pois sabia estar exilado de seu verdadeiro lar, o mundo celestial.
Quinta a ÉPOCA ÁRIANA
Na quinta a Época Ariana, tudo foi preparado para fazer o homem esquecer que estava exilado.
****para fazê-lo esquecer esse fato e o obrigar dedicar sua atenção exclusivamente à conquista do mundo material,...
...foi nesta Época Áriana, --- introduzido um novo elemento no seu regime alimentar---
o vinho.
Pelos "necessários efeitos", provocados pelo espírito do álcool.....
durante os milénios que se passaram,
desde que o homem surgiu vindo da Atlântida,
as mais evoluídas raças humanas passaram a ser as mais ateístas e materialistas.
Os Tratados afirmam que: -
quem nunca provou uma só gota de álcool em sua vida, não deixa, por isso, de estar usando um corpo alcoolizado, que descende de ancestrais que por milénios se entregaram à bebida, sem comedimento.
***Portanto, os átomos que compõem actualmente os corpos do Ocidente são incapazes de vibrar na medida necessária para a percepção dos mundos invisíveis, como ocorria antes que o vinho fosse acrescentado à alimentação humana. ***
O mesmo acontece com o alimento CARNE, que instalou nas células do corpo físico a natureza feroz de seus ancestrais carnívoros de milhões de anos, e que faz o homem continuar a deliciar-se com esse alimento.
Assim, o efeito da introdução da carne está firmemente implantado e arraigado nas pessoas, mesmo nas que agora não a consomem.
Não nos admiremos pois, que aqueles que ainda apreciam a carne e o vinho extravasem, às vezes, uma perversa selvajaria e exibam uma ferocidade incontida contra qualquer dos sentimentos superiores, supostamente acalentados durante séculos por uma, assim chamada, civilização.
Enquanto os homens continuarem a reprimir o espírito imortal dentro de si, por apreciarem a carne e o enganador espírito do álcool, nunca haverá paz duradoura na Terra.
A ferocidade inata produzida por estes alimentos, de vez em quando virá à tona e arrebatará num turbilhão de selvajaria, numa cruel carnificina que aumentará em proporção ao desenvolvimento da inteligência do homem, o que o habilitará a conceber com sua mente superior, métodos de destruição selvagem, mais diabólicos do que qualquer um já testemunhado.
Como prova, deve ser mencionado, a bem conhecida agressividade das feras e a crueldade dos povos antropófagos. Por outro lado, a força prodigiosa e a natureza dócil do boi, do elefante e do cavalo, mostra o efeito da dieta herbívora nos animais. As nações vegetarianas e pacíficas do Oriente são uma prova do argumento contra uma dieta de carne, facto que não pode ser negado.
No passado, o consumo da carne encorajou a baixa inventividade humana; serviu a um propósito de nossa evolução, mas agora estamos no limiar de uma nova era, quando abnegação e o serviço trarão à humanidade um desenvolvimento espiritual.
*****A evolução da mente nos trará uma sabedoria profunda, que está além de nossa concepção. Contudo, antes que nos tornemos dignos de confiança para receber essa sabedoria, devemos tornar-nos inofensivos como pombas, pois, do contrário, seremos capazes de usa-la para propósitos tão egoístas e destrutivos que seria uma ameaça inconcebível para nossos semelhantes.
Para evitar isso, a dieta vegetariana deve ser adoptada.******
Mas há vegetarianos e vegetarianos.
Actualmente na Europa há condições que obrigam o povo a abster-se de carne por um longo tempo. Estes não são verdadeiros vegetarianos, pois desejam ardentemente comer carne e acham sua escassez uma grande privação e sacrifício.
Obviamente este não é o tipo de vegetarianismo que necessitamos agora.
Há outros que se abstêm de carne por motivo de saúde; seu motivo é egoísta, e muitos dentre eles provavelmente se consomem interiormente por não satisfazerem o seu apetite. A sua atitude mental também não é a de abolir a ferocidade com rapidez.
Mas há uma terceira classe capaz de compreender que toda vida pertence a Deus e que causar sofrimento a qualquer ser consciente é errado. Sendo assim, eles se abstêm do uso de carne como alimento, unicamente por compaixão.
Estes são os verdadeiros vegetarianos, e é óbvio que uma guerra mundial nunca poderia ser travada por pessoas com essa mentalidade.
Todos os verdadeiros cristãos deverão abster-se de carne por motivos semelhantes.
Então, será um fato real a paz na Terra e a boa vontade entre os homens.
As nações transformarão suas espadas em arados e suas lanças em podadeiras para que cessem de causar morte, tristeza e sofrimento e se tornem instrumentos para propiciar vida, amor e felicidade.
Nossa própria segurança, a segurança de nossos filhos, e até a segurança da raça humana, obrigam-nos a entender os comoventes apelos em favor de nossos amigos animais
Tornemo-nos na voz daqueles que não falam; deixemos que eles falem através de nós para o mundo conhecer nossos esforços e nossa contribuição para o BEM DE TODA A TERRA E DOS SEUS QUATRO REINOS, pelos quais somos, aqui, responsáveis.
MariaHelena Guerra
que a luz brilhe em todos os corações.
Postado por

Maria Helena Guerra em 8 novembro 2013 às 16:00

O que são Cuidados Paliativos?

O alívio do sofrimento, a compaixão pelo doente e seus familiares, o controle impecável dos sintomas e da dor, a busca pela autonomia e pela manutenção de uma vida ativa enquanto ela durar: esses são alguns dos princípios dos Cuidados Paliativos que, finalmente, começam a ser reconhecidos em todas as esferas da sociedade brasileira.

Os Cuidados Paliativos foram definidos pela Organização Mundial de Saúde em 2002 como uma abordagem ou tratamento que melhora a qualidade de vida de pacientes e familiares diante de doenças que ameacem a continuidade da vida. Para tanto, é necessário avaliar e controlar de forma impecável não somente a dor, mas, todos os sintomas de natureza física, social, emocional e espiritual.
O tratamento em Cuidados Paliativos deve reunir as habilidades de uma equipe multiprofissional para ajudar o paciente a adaptar-se às mudanças de vida impostas pela doença, e promover a reflexão necessária para o enfrentamento desta condição de ameaça à vida para pacientes e familiares.
Para este trabalho ser realizado é necessário uma equipe mínima, composta por: um médico, uma en#31;fermeira, uma psicóloga, uma assistente social e pelo menos um profissional da área da reabilitação (a ser definido conforme a necessidade do paciente). Todos devidamente treinados na filosofia e prática da paliação.

A Organização Mundial de Saúde desenhou um modelo de intervenção em Cuidados Paliativos onde as ações paliativas têm início já no momento do diagnóstico e o cuidado paliativo se desenvolve de forma conjunta com as terapêuticas capazes de modificar o curso da doença. A paliação ganha expressão e importância para o doente à medida que o tratamento modificador da doença (em busca da cura) perde sua efetividade. Na fase final da vida, os Cuidados Paliativos são imperiosos e perduram no período do luto, de forma individualizada.

As ações incluem medidas terapêuticas para o controle dos sintomas físicos, intervenções psicoterapêuticas e apoio espiritual ao paciente do diagnóstico ao óbito. Para os familiares, as ações se dividem entre apoio social e espiritual e intervenções psicoterapêuticas do diagnóstico ao período do luto. Um programa adequado inclui ainda medidas de sustentação espiritual e de psicoterapia para os profissionais da equipe, além de educação continuada.
A condição ideal para o desenvolvimento de um atendimento satisfatório deve compreender uma rede de ações composta por consultas ambulatoriais, assistência domiciliar e internação em unidade de média complexidade, destinada ao controle de ocorrências clínicas e aos cuidados de final de vida.
Informações sobre a definição de Cuidados Paliativos pela Organização Mundial da Saúde estão no link: http://tinyurl.com/5228js


História dos Cuidados Paliativos

Alguns historiadores apontam que a filosofia paliativista começou na antiguidade, com as primeiras definições sobre o cuidar. Na Idade Média, durante as Cruzadas, era comum achar hospices (hospedarias, em português) em monastérios, que abrigavam não somente os doentes e moribundos, mas também os famintos, mulheres em trabalho de parto, pobres, órfãos e leprosos. Esta forma de hospitalidade tinha como característica o acolhimento, a proteção, o alívio do sofrimento, mais do que a busca pela cura.
No século XVII, um jovem padre francês chamado São Vicente de Paula fundou a Ordem das Irmãs da Caridade em Paris e abriu várias casas para órfãos, pobres, doentes e moribundos. Em 1900, cindo das Irmãs da Caridade, irlandesas, fundaram o St. Josephs´s Convent, em Londres, e começaram a visitar os doentes em suas casas. Em 1902, elas abriram o St. Joseph´s Hospice com 30 camas para moribundos pobres.


Cicely Saunders e os Cuidados Paliativos modernos

Cicely Saunders nasceu em 22 de junho de 1918, na Inglaterra, e dedicou sua vida ao alívio do sofrimento humano. Ela graduou-se como enfermeira, depois como assistente social e como médica. Escreveu muitos artigos e livros que até hoje servem de inspiração e guia para paliativistas no mundo todo.
Em 1967, ela fundou o St. Christopher´s Hospice, o primeiro serviço a oferecer cuidado integral ao paciente, desde o controle de sintomas, alívio da dor e do sofrimento psicológico. Até hoje, o St. Christopher´s é reconhecido como um dos principais serviços no mundo em Cuidados Paliativos e Medicina Paliativa.
Cicely Saunders conseguiu entender o problema do atendimento que era oferecido em hospitais para pacientes terminais. Até hoje, famílias e pacientes ouvem de médicos e profissionais de saúde a frase “não há mais nada a fazer”. A médica inglesa sempre refutava: “ainda há muito a fazer”. Ela faleceu em 2005, em paz, sendo cuidada no St. Christopher´s.


Cuidados Paliativos no Brasil

O movimento paliativista tem crescido enormemente, neste início de século, no mundo todo. Na Inglaterra, em 2005, havia 1.700 hospices, com 220 unidades de internação para adultos, 33 unidades pediátricas e 358 serviços de atendimento domiciliar. Estes serviços todos ajudaram cerca de 250 mil pacientes entre 2003 e 2004. Na Inglaterra, pacientes têm acesso gratuito a Cuidados Paliativos, cujos serviços são custeados pelo governo ou por doações. A medicina paliativa é reconhecida como especialidade médica.
Nos Estados Unidos, o movimento cresceu de um grupo de voluntários que se dedicava a pacientes que morriam isolados para uma parte importante do sistema de saúde. Em 2005, mais de 1,2 milhão de pessoas e suas famílias receberam tratamento paliativo. Nesse país, a medicina paliativa é uma especialidade médica reconhecida também.
No Brasil, iniciativas isoladas e discussões a respeito dos Cuidados Paliativos são encontradas desde os anos 70. Contudo, foi nos anos 90 que começaram a aparecer os primeiros serviços organizados, ainda de forma experimental. Vale ressaltar o pioneirismo do Prof. Marco Túlio de Assis Figueiredo, que abriu os primeiros cursos e atendimentos com filosofia paliativista na Escola Paulista de Medicina – UNIFESP/EPM. Outro serviço importante e pioneiro no Brasil é o do Instituto Nacional do Câncer – INCA, do Ministério da Saúde, que inaugurou em 1998 o hospital Unidade IV, exclusivamente dedicado aos Cuidados Paliativos. Contudo, atendimentos a pacientes fora da possibilidade de cura acontecem desde 1986. Em dezembro de 2002, o Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo – HSPE/SP inaugurou sua enfermaria de Cuidados Paliativos, comandada pela Dra. Maria Goretti Sales Maciel. O programa, no entanto, existe desde 2000. Em São Paulo, outro serviço pioneiro é do Hospital do Servidor Público Municipal, comandado pela Dra. Dalva Yukie Matsumoto, que foi inaugurado em junho de 2004, com início do projeto em 2001.
A primeira tentativa de congregação dos paliativistas aconteceu com a fundação da Associação Brasileira de Cuidados Paliativos – ABCP pela psicóloga Ana Geórgia de Melo, em 1997.
Contudo, com a fundação da Academia Nacional de Cuidados Paliativos, em 2005, os Cuidados Paliativos no Brasil deram um salto institucional enorme. Com a ANCP, avançou a regularização profissional do paliativista brasileiro, estabeleceu-se critérios de qualidade para os serviços de Cuidados Paliativos, realizou-se definições precisas do que é e o que não é Cuidados Paliativos e levou-se a discussão para o Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Conselho Federal de Medicina - CFM e Associação Médica Brasileira – AMB. Participando ativamente da Câmera Técnica sobre Terminalidade da Vida e Cuidados Paliativos do CFM, a ANCP ajudou a elaborar duas resoluções importantes que regulam a atividade médica relacionada a esta prática.
Em 2009, pela primeira vez na história da medicina no Brasil, o Conselho Federal de Medicina incluiu, em seu novo Código de ética Médica, os Cuidados Paliativos como princípio fundamental. A ANCP luta pela regularização da Medicina Paliativa como área de atuação médica junto à Associação Médica Brasileira e a universalização dos serviços de Cuidados Paliativos no Ministério da Saúde.

ANCP - Academia Nacional de Cuidados Paliativos-Novembro de 2.009

Cicely Saunders e os Cuidados Paliativos modernos

Cicely Saunders nasceu em 22 de junho de 1918, na Inglaterra, e dedicou sua vida ao alívio do sofrimento humano. Ela graduou-se como enfermeira, depois como assistente social e como médica. Escreveu muitos artigos e livros que até hoje servem de inspiração e guia para paliativistas no mundo todo.
Em 1967, ela fundou o St. Christopher´s Hospice, o primeiro serviço a oferecer cuidado integral ao paciente, desde o controle de sintomas, alívio da dor e do sofrimento psicológico. Até hoje, o St. Christopher´s é reconhecido como um dos principais serviços no mundo em Cuidados Paliativos e Medicina Paliativa.
Cicely Saunders conseguiu entender o problema do atendimento que era oferecido em hospitais para pacientes terminais. Até hoje, famílias e pacientes ouvem de médicos e profissionais de saúde a frase “não há mais nada a fazer”. A médica inglesa sempre refutava: “ainda há muito a fazer”. Ela faleceu em 2005, em paz, sendo cuidada no St. Christopher´s.

ANCP - Academia Nacional de Cuidados Paliativos-Novembro de 2.009

Há uma lua no céu, tão alegremente solitária, que insiste em conquistar um planeta que, de sua, também feliz, solidão não se separa.

Lua e planeta! Satélite e planeta! Cada um com seu brilho próprio; cada um em seu espaço. Ambos são únicos. Cada um tem seu valor. Contudo, com tanta alegria de solidão, há uma beleza exclusiva que eles só encontram porque, de certa forma, aparecem juntos, fazendo o que os "matemáticos do coração" dizem ser o verdadeiro 1 + 1 = 1.

Assim são os casais que se amam de verdade: um não pode ser a metade do outro nem ter seu espaço invadido pelo outro. Mas o respeito e a tolerância que ambos se dão não tira o brilho que o casal só encontrará se estiver realmente junto.

Nara Juscely Minervino de Carvalho Marcelino, em 06 de novembro de 2013.

Determinação é o nome que se dá a quem tem
Objetivos e busca alcançá-los, razão pela qual os
Únicos
Torcedores de si mesmos são sempre
Otimistas: haja o que houver; venha o que vier.
Responsabilidade, princípios e norte, porém, são fundamentais para a
Ascensão pessoal, moral, mental e intelectual de quem
busca o que deseja. no fim, o medo e o
Nervosismos iniciais se transformam em sensação de
Dever cumprido, e
Alegria é tudo o que se sente quando se percebe que o "sonho" foi realizado.

Nara Juscely Minervino de Carvalho Marcelino, em 14 de novembro de 2013.

Saudade é sinônimo que a vida você viveu. Logo, é bom senti-la. Se a vida mudou, se os hábitos mudaram e nós continuamos a mesma pessoa, é porque sempre tivemos e teremos a mesma essência. Só serão, amanhã, as mesmas pessoas de ontem aquelas que têm em si essência, exclusiva e única, e ninguém, por mais que tente, conseguirá transformar a pessoa especial que se é.

Nara Juscely Minervino de Carvalho Marcelino, em 22 de novembro de 2013.

Tão longe!

-Todo meu amor terminará em minha sepultura, sob cada cicatriz no meu corpo, há uma lembrança das batalhas que perdi, planos de realizar o nosso futuro mentiras tolas de envelhecer, parece que estamos tão invencíveis, mas a verdade é tão fria, é assim que termina? A luz que você deixou ainda brilha intensamente... suas roupas ainda continuam espalhadas pelo linóleo marcado por passos pesados...

Como posso viver sem aqueles que eu amo? O tempo ainda vira as páginas do livro queimado, local e hora sempre estaram em minha mente, tenho muito a dizer, mas você está tão longe... A última melodia o último pedido, agora e depois tento encontrar um lugar em minha mente onde você pode ficar acordado para sempre.... Durma bem os que amamos estão aqui comigo, mas deite em um lugar para mim, porque assim que eu estiver pronta estarei a caminho para vivermos eternamente...

Eu te amo........ você não estava pronto, e a dor que me consome está aumentando, mas eu vejo você, quando ela me deixa, sua dor se foi, suas mãos foram soltas....

Onde você esteja eu preciso que você saiba:

A CADA DIA QUE PASSA SINTO-ME MAIS PRÓXIMA DO FIM............................ O FIM DE TUDO!

QUE VENHA EU JÁ NÃO TENHO MAIS MEDO!

NÃO TENHO MEDO....

por Isabella Telles, segunda, 14 de Novembro de 2011 às 00:18 - co-autor Altemar Vinicius Trescastro Miranda