Márcia Duarte

1 - 25 do total de 28 pensamentos de Márcia Duarte

Bate no Meu Peito

Nunca mais vou enganar meu coracao. Prometo que nao terei medo de me machucar, de sofrer, de me entregar. Tenho gana de viver. Quero buscar o que ainda nao tenho, o que me faz falta.

Nao vou fingir que nao percebo os sinais do meu corpo, que nao sinto meu coracao batendo tao forte que tenho a impressão de que vai escapar de dentro de mim. Nao vou negar que a minha mao sua frio, que nao segura firme a caneta no papel, que minha letra sai tremida. Nao vou segurar meu choro nem esconder as lagrimas que insistem em escorrer pelo meu rosto. Nao vou me envergonhar do que sinto.

Vou me aventurar, procurar o que sei que esta perdido em algum cantinho da minha alma e estava apenas esperando o momento certo pra ser encontrado. A hora eh agora. Tenho sede de emocoes, como nunca pensei que um dia teria. Quero rir, chorar, correr, cair, levantar, tentar, aprender. Quero olhar pra tras sem arrependimentos, sem ter vontade de reconstruir minha historia. Quero estar certa de que fiz minha parte, que diria cada palavra novamente se fosse necessario.

Bate no meu peito uma vontade enorme de colocar em pratica as licoes que aprendi nos anos em que fechei meu coracao pra balanço. Percebo que nao preciso provar nada pra ninguem, sei como sou e isso me basta. Bate no meu peito o desejo de abrir as portas pra viver, de finalmente conhecer o verdadeiro amor.

Márcia Duarte

A Dor da Ingratidão

Obrigado. Valeu. Um abraço. Um sorriso. Palavras e gestos tão simples, tão fáceis, tão necessários, que infelizmente estão entrando em extinção. Não que eu conceda favores esperando receber reconhecimento ou algo em troca, mas fazer tudo por uma pessoa sem ganhar nenhum tipo de agradecimento ou consideração machuca. Dói ainda mais se nos retribuem com a ingratidão de uma fofoquinha maldosa ou com um olhar torto quando os papéis se invertem e nós é que precisamos de apoio.

Quantas vezes defendemos um amigo mesmo sabendo que ele está errado? Quantas vezes deixamos de realizar nossas vontades pra ajudá-lo? Passamos tardes de sol inteiras trancados num quarto escuro emprestando o ombro pra que a pessoa desabafe. Vamos pra festas quando o que mais queremos é ficar em casa, embaixo das cobertas. Desmarcamos compromissos pra cuidá-lo quando fica doente. Nada mais justo e normal. Saber que confortamos alguém especial, que seu dia foi mais alegre apenas por nosso suporte, nossa companhia, nos faz um bem enorme.

No entanto, investir numa amizade, ser sincero e fiel desde primeiro momento até o último, pra ser enganado assim que surge uma oportunidade, inevitavelmente, abre um rombo no peito de quem um dia acreditou numa relação verdadeira. Chega uma hora em que ser amigo pelos dois cansa, perde a graça.

Ninguém precisa de falsos amigos ou daqueles que ficam por perto apenas quando as coisas estão indo às mil maravilhas. Queremos pessoas sempre prontas a nos ouvir, nos entender e respeitar nossas particularidades e limitações. Queremos amigos que ofereçam o colo quando estamos sós, que nos puxem as orelhas quando erramos, que se preocupem em nos ver felizes. Amigos em quem podemos contar em qualquer momento e que confiem em nós acima de qualquer coisa. Pessoas incapazes de duvidar da nossa lealdade, do nosso caráter, e, principalmente, que saibam dizer muito obrigado, seja com palavras ou com o coração.

A quem não se encaixa nesse perfil, só nos resta a certeza de que não merece fazer parte de nossas vidas, e também um recado: Tchauzinho, já vai tarde!

Márcia Duarte

Coração Gelado

Minto pra mim mesma que não quero. Finjo que estou muito melhor sozinha, mas no fundo tudo o que eu mais desejo é estar apaixonada. Queria andar pelas nuvens, perder a noção do tempo, sorrir involuntariamente e ter aquele brilho especial no olhar. Só que meu coração está fechado, cansado de se machucar e já não se rende com tanta facilidade aos encantos do amor.

Como eu gostaria de ter alguém pra dividir minhas conquistas, pra me oferecer o ombro quando preciso de ajuda. Alguém que me estimulasse a vencer desafios, me fizesse buscar ser melhor a cada dia apenas para que se orgulhasse de mim. Adoraria ter alguém que me envolvesse em seus braços, deitasse minha cabeça no seu peito e me fizesse sentir protegida. Ter a sensação de que as palavras são desnecessárias, de que basta estar ao lado, sentir a pele, o cheiro.

No entanto, tenho este coraçãozinho que já está cansado de errar, de se decepcionar. Um coração que está vazio, que há tempos congelou porque tem medo de se entregar a novas aventuras, tem medo de se ferir mais uma vez. Como eu queria ter coragem de arriscar, de acompanhar a direção do vento sem medir as conseqüências. Gostaria de seguir meus sentimentos, ter persistência e não desistir no primeiro obstáculo ou fugir quando sinto que estou me apaixonando.

Por que as coisas parecem nunca dar certo pra mim? Por que complicamos tanto algo que deveria ser tão fácil? Confesso que a possibilidade de ter perdido as esperanças de encontrar um amor verdadeiro me assusta bastante. Como eu queria ter alguém que me fizesse acreditar de novo.

Márcia Duarte

Príncipe (nem tão) Encantado

Brinco sempre com meus amigos que estou esperando meu príncipe encantado. Reclamo que ele está demorando pra chegar, e que entendo que ele possa ter tido uns percalços pelo caminho. Vai que ele ainda nem tenha encontrado meu sapatinho?! Sei que parece bobagem de menina que vive no mundo da lua, ou melhor, num conto de fadas, mas também sei que no fundo todos procuram por alguém especial e merecem finais felizes.

Talvez meu príncipe nem seja tão encantado assim. Talvez não seja tão bonito e charmoso como nas historinhas infantis. Talvez ele esteja atrasado porque vem de longe e a pé. Talvez ele ronque, roa as unhas, tenha espinhas. Isso é o de menos. Também não importa se ele é alto, baixo, loiro ou moreno, desde que ele esteja disposto a me amar incondicionalmente e a me fazer feliz pra sempre todos os dias.

Não basta que ele me queira só um pouquinho. Quero alguém que adore a minha companhia, que ame cada minuto que passa ao meu lado, que goste de mim do jeitinho eu sou. Quero alguém que se entregue por inteiro sem medo de se machucar ou do que os outros vão pensar. Alguém que esteja sempre pronto pra me ouvir, me compreender e pra me dar colo quando a TPM bate e eu fico meiguinha demais.

Será que estou pedindo muito?! Não sei. As únicas certezas que tenho são as que vêm do meu coração. E esse me diz que meu príncipe existe sim, que ele está por aí e que mais cedo ou mais tarde vai me encontrar. Quando este dia chegar, eu vou ter certeza de que é ele. Aquele friozinho que percorre o corpo quando os olhares se cruzam nunca se engana.

Márcia Duarte

Carta de (quase) Amor*

Muitas vezes me pergunto se tudo nao passou de um sonho. Nunca imaginei que nos encontrariamos no meio de tanta gente, que algum dia nossas vidas se cruzariam. De repente, me vi ao seu lado, ouvi sua voz sussurrar no meu ouvido, senti sua respiração. Louco, perfeito, inacreditavel!

Eu estava tao distraida que nem vi voce chegar. Com um olhar timido e sincero, voce levou meu coracao junto com o beijo que roubou quando as luzes se apagaram.

Ninguém me disse o quanto eu era especial pra você. Nunca precisei de provas além das que o teu corpo me deu nos poucos momentos em que ficamos juntos. O sorriso lindo que voce abria ao me ver, a alegria com que pronunciava meu nome, o jeito decidido com que me envolvia nos teus braços, as gargalhadas gostosas que dividimos enquanto eu te ensinava a dancar. Lembrancas minhas, que nada pode me tirar.

Tenho certeza de que você aproveitou cada momento tanto quanto eu. Estou convicta de que voce lembra de cada frase, cada olhar. Sei que o teu mundinho, que é tão diferente do meu, tambem parou quando nos vimos, nos tocamos, nos beijamos. Por outro lado, infelizmente, tenho plena consciência do quanto é impossével, pra mim, ser feliz ao teu lado.

Só eu sei o quanto doeu perceber que o que aconteceu entre nos foi apenas uma fantasia. Só eu sei o quanto machuca ver que você não está comigo, saber que nunca vai estar. Por isso, prefiro me afastar, fugir e mentir pra mim mesma que você existiu apenas no meu sonho mais dourado.

Entretanto, quando penso que estou curada do mal de te querer, você volta a minha vida e desperta o sentimento que estava latente aqui no meu peito. Mesmo sabendo que não posso, me pego pensando em ti, imaginando tudo o que poderíamos ter vivido juntos. Sacudo a cabeca e acordo do devaneio certa de que nos dois nunca seremos nada alem do que já fomos.

Não tenho dúvidas de que te desejo com todas as minhas forças. Porém, hoje sei que te quero bem longe da minha cabeca, da minha vida. Lamento dizer que agora você é bem-vindo apenas nas minhas doces recordações.

* que nunca vai ser entregue!!

Márcia Duarte

Nada é igual sem você


(...)Nada mais é igual desde que você entrou na minha vida. Aos poucos eu fui entendendo que não importava onde eu trabalharia nem qual seria o meu salário se eu não tivesse a certeza de que você estaria em casa me esperando pra jantar. Percebi que por melhor que fosse meu emprego ou promoção, nenhuma alegria seria completa se não fosse dividida com você. Nada mais faz sentido se eu não tenho a certeza de que você estará comigo.

Sempre acreditei que as coisas deveriam acontecer naturalmente, que seria um erro forçar situações ou possíveis entendimentos. De repente me sinto de mãos atadas por sentir que estou te perdendo, por não poder fazer nada além de esperar. Quero te olhar, te tocar, te abraçar. Quero que você saiba nunca senti algo tão forte, que nada do que te falei foi em vão. Nossos planos estão todos aqui na minha cabeça, ansiosos pra se concretizarem, e eu não vou permitir que nenhum deles escape do meu pensamento.

Sinto tua falta. Preciso ouvir o teu bom dia antes de sair de casa. Não consigo dormir sem seu beijo de boa noite. As horas passam devagar, minha mente voa, não consigo me concentrar em nada. Penso em você mesmo que involuntariamente, sonho com o longo caminho que planejamos juntos e mal iniciamos a percorrer. Não me restam muitas certezas desde que não te tenho mais ao alcance dos meus dedos, mas uma coisa eu te digo com convicção: eu não vou ficar parada assistindo você partir. Você não vai sair tão fácil da minha vida. Não sem antes a gente ter vivido tudo o que temos para viver.

Márcia Duarte

Desculpa


Desculpa se sou movida a sentimentos. Se só funciono com beijos, carinhos e palavras apaixonadas. Desculpa se preciso de dedicação especial, se sou insegura e não me garanto como você. Desculpa se exijo mais cuidados do que você pode me dar.

Desculpa se não olhei pros lados antes de atravessar a linha que leva ao amor. Desculpa se não pensei duas vezes antes de mergulhar de cabeça no nosso romance, se me entreguei sem titubear, incondicionalmente.

Desculpa se sou humana, se erro tentando acertar. Desculpa se fui sincera, se confiei e busquei em você a compreensão que você não pôde me oferecer. Desculpa se acreditei em nós dois mais do que deveria, se me apego fácil e não sei gostar só um pouquinho. Desculpa se não pude ser a namorada que você queria ter.

Todavia, não sei se devo me desculpar, já que nem ao menos estou certa de que consigo te absolver.

Não sei se te perdôo pelas coisas que você fez sem pensar, pelas suas palavras amargas ou seu silêncio indiferente. Não sei se te perdôo pelas noites que não dormi, pelas madrugadas que chamei e você não me atendeu. Não sei se te perdôo pelas lágrimas que derramei e pelas que ainda insistem em escorrer pelo meu rosto.

Não sei se te perdôo por me julgar e criticar sem ao menos me ouvir ou tentar entender. Não sei se te perdôo por brincar com meus sentimentos, por desprezar o que senti e sinto por você, por me humilhar quando o que eu mais queria era teu alento. Não sei se te perdôo por tudo o que sofri por você.

Sei que você não quer minhas desculpas, que tampouco busca meu perdão. No entanto, insisto: desculpa se quero te odiar mesmo te amando com todas as minhas forças.

Márcia Duarte

Hora de virar a página, ensaiar o sorriso mais bonito, recompor o coração e ensina-lo a bater novamente. Mágoas, rancores e decepções são deixados de lado na medida em que percebemos que o mundo não pára pra esperar a gente acordar e decidir viver.

Tudo simples, nada fácil. Só quem cai e se machuca sabe o tamanho do seu ferimento, o tempo que levará pra cura-lo, o quanto dói.(...)

Márcia Duarte

Amor não se disputa

Morro e não entendo o que leva uma pessoa a mendigar o amor de outra. Não entra na minha cabeça o que faz com que alguém seja capaz de mandar bilhetes maldosos anônimos, inventar os maiores absurdos, armar barracos ou mesmo se fazer de sonsa pra ter ao seu lado alguém que já não sente nada além de carinho e, muitas vezes, pena por ela.

Eu queria saber tudo que você precisa, tudo que você quer. Faria qualquer coisa pra ser a sua melhor companhia: aquela que você quer abraçar e amar quando chega em casa depois de mais um dia cansativo de trabalho, aquela que você quer brincar e dividir as gargalhadas quando tudo está indo bem até demais, aquela que você quer apenas segurar a mão e compartilhar o silêncio quando as coisas não estiverem tão bem assim ou, simplesmente, aquela de quem você sente saudade quando está longe.

Eu daria tudo pra ser a mulher perfeita pra você. Eu te amaria a cada minuto da minha vida, te levaria comigo em que passo do meu caminhar, em cada batida do meu coração. Eu faria o possível e o impossível pra te fazer feliz o tempo todo, pra demonstrar o quanto você é importante e especial pra mim.

Entretanto, não posso te oferecer nada além do meu amor. Não quero que você goste de mim pela minha insistência, ou pelo tanto que eu te quero bem. Não quero brigar por seu coração com quem ou o que for. Amor não se disputa, não se pede, não se joga. Amor se conquista. E agora tenho apenas que lamentar por não ter ocupado definitivamente o seu peito neste tempo todo em que estivemos juntos, por não ter aproveitado a minha chance. Agora só me resta chorar as dúvidas que ainda te restam.

Não se culpe nem se envergonhe. Você simplesmente não me ama mais. Dói, mas eu entendo. Antes de tudo quero o melhor pra você. E, mesmo que meu mundo desabe, que me faltem até palavras ou esperanças, eu prometo que vou levantar e caminhar de novo. Um dia eu aprendo a viver sem seu amor, por mais que eu não queira aprender.

Márcia Duarte

Porque eu te amo

Por que eu te amo? Eu poderia responder a esta pergunta de forma simples e direta: amo porque amo. Estamos cansados de saber que o amor é um sentimento que dispensa motivos ou razões. É uma emoção que invade nossas almas sem avisar, sem esperar que com nossos corações sejam preparados para recebê-la. No entanto, vou além das fronteiras do consciente, já que agora meus sentimentos são nosso único elo. Não posso negligenciá-los.

Eu te amo porque você me escuta. Não apenas minhas piadas sem graça e brincadeiras bobas, ou as poesias e crônicas de amor que eu costumava ler até você dormir. Te amo porque você ouve meus devaneios, minhas idéias. Porque você me apóia, me aconselha, me critica, me ajuda.

Eu te amo porque você me fala. Não somente as mais lindas frases e juras de amor que meus ouvidos já ouviram ou poderão escutar, mas porque você me diz o que eu preciso ouvir, mesmo que não seja necessariamente o que eu queira que você diga. Te amo pela verdade das tuas palavras e pelos teus silêncios que tanto me doem.

Eu te amo porque você me entende. Não só a minha maneira louquinha e serelepe de levar a vida, mas também minhas vontades, meus desejos. É como se você pudesse invadir minha alma, decifrar meus pensamentos, adivinhar o que eu preciso e trazer tudo isso com o simples fato de estar presente. Te amo porque você me sente e me deixa involuntariamente ser eu mesma quando estou ao seu lado.

Eu te amo porque você me vê. Não apenas por você reparar cada mudança nos meus cabelos ou tom de pele, eu amo a maneira como você conhece cada centímetro de mim, do meu interior. Te amo porque você tem um jeito só seu de repousar teu olhar no meu e de me envergonhar com seus olhos de quem enxerga além das membranas dos meus.

Eu te amo porque você me surpreende. Não só pelas pequenas loucuras e declarações de amor, ou por eu nunca saber o que esperar de você. Te amo porque pra você não há hora certa pras coisas acontecerem, toda hora é hora pra tudo. Te amo pelo tanto que te admiro. Porque você supera minhas expectativas.

Eu te amo porque você me cuida. Porque ao seu lado eu sou a mulher mais feliz do mundo. Te amo porque você é meu e me faz sentir tão tua. E é tua que eu quero ser pra sempre, por toda esta vida e por todas as outras que permitirem nossas almas de se encontrarem.

Eu te amo porque te amo. Porque eu amo te amar. Te amo porque é assim que tem que ser.

Márcia Duarte

Meus sonhos e você

Fantasio demais. Sempre prometo a mim mesma que vou mudar, que da próxima vez vou agir diferente. Convenço-me que preciso usar mais a razão, pensar duas vezes antes de me entregar, mas minhas resoluções não resistem aos meus impulsos. (...)

Márcia Duarte

Entenda apenas que eu te amo

Já esperei mais do que deveria das pessoas, já exigi mais do que elas podiam me dar. Já tomei decisões que nem eu mesma esperava de mim. Já errei pensando estar fazendo a coisa certa. Já implorei por respostas, atenção, perdão. Já me arrependi e me orgulhei de atitudes que cometi com frações de segundos de intervalo. Entretanto, nunca ousei pedir a ninguém que me entendesse.

Sou uma menina. Sou uma mulher em fase de construção. Ora sou guiada pela minha emoção, ora pela mente que comanda um coração cansado de sofrer. Nem eu mesma sei o que esperar de mim. Mesmo tendo convicções intactas, é difícil seguir sempre as regras, é complicado fazer sempre o que esperam que eu faça. Às vezes acerto, e noutras erro. E erro feio.

Quebro a cabeça tentando encontrar uma maneira que faça você perceber que aqui dentro de mim só há espaço para você e tudo que vivemos enquanto planejamos nosso futuro. Tento buscar a forma exata de te mostrar o quanto preciso da sua companhia, das nossas risadas e carinhos, dúvidas e certezas. Queria que você enxergasse além dos meus olhos. Queria abrir meu peito e mostrar minha alma a você. Mas sei que apenas com o tempo, com meus atos ou simplesmente com meu amor você vai compreender. (...)

Posso não demonstrar a cada instante o quanto você é indispensável para mim. Posso estar manhosa, cansada ou irritada. Posso estar com sono, com fome ou com sede. Posso não estar 100% sempre. Porém, peço somente que você sinta as vibrações de quem passa o dia contando as horas para estar junto a ti, quero que perceba que não penso em outra coisa a não ser te beijar desde que acordo até a hora de dormir.

Jamais tente me decifrar. Entenda apenas que eu te amo. E o resto o meu amor vai te provar.

Márcia Duarte

Tudo muda (ou não)

São poucas as certezas de que temos na vida, se é que podemos dizer que existe alguma. Das coisas que já vivi sei apenas que tudo passa e dificilmente uma situação vai se repetir em nossas trajetórias. Sejam bons ou ruins, nossos momentos não acontecem duas vezes.

Pode ser que meses ou anos mais tarde estejamos diante dos mesmos personagens e cenários do passado. Mas garanto que o friozinho que vai percorrer ou não nossos corpos será totalmente diferente. Não são apenas as silhuetas e roupas que mudam, circunstâncias, sentimentos, olhares e sorrisos nunca se repetem. O coração sempre altera o compasso, assim como nós desviamos nosso rumo e evoluímos caindo, levantando, aprendendo.

A cada silêncio, cada palavra, cada conversa, as escolhas que tomamos definem o nosso futuro. Aquela frase que ficou entalada na garganta ou a que sai quase sem querer quando estamos nervosos, o ‘eu te amo’ que deixamos de dizer ou demonstrar, aquela agonia de saber que não tentamos todas as possibilidades, que já é tarde demais para consertar o que passou. São importantes e rápidos detalhes que não podemos voltar e viver novamente. Não da mesma forma.

De repente eu me pego medrosa, insegura, boba. Não tenho medo de mudanças, mas não quero que nada mude. Percebo que a vida que eu lutei tanto para transformar era exatamente a que eu queria ter. Aquele era o meu jeito de ser feliz.

Ao mesmo tempo em que penso que não aproveitei o quanto deveria, fico imensamente feliz por ter vivido tantos momentos especiais. Aqueles que nada além das nossas memórias registram, mas que deixam marcas e feridas eternas em nós.

Compreendo que o que passou não possa voltar. Talvez quem inventou esse mundo tão dinâmico tenha razão, que chato seria se pudéssemos retornar e colocar cada palavra dita ou ocultada no seu devido lugar. Por outro lado, que ruim aprender com nossos erros e não pôr logo em pratica as lições.

Não quero só olhar para trás e lembrar com carinho de tudo que vivi. Quero rir de cada situação patética, doce, vergonhosa, alegre e até triste. Porém, sem deixar nenhuma vivência pela metade. Não quero pensar no que poderia ter sido e ficou inacabado. Da certeza de que nada pode ser igual, resta-nos apenas o consolo de que tudo que está por vir pode ser ainda melhor do que o que um dia foi.

Nesse universo de constantes transformações a única garantia que posso dar é a de que eu sou o que sou. Meu caráter, minha personalidade, meus sentimentos não vão mudar jamais. Portanto, se você me aceita e ama desse jeitinho estabanado, criança, louquinho e carinhoso de ser, isso será para sempre. Eu sei.

Márcia Duarte

Se você soubesse

Se você soubesse como meu rosto se ilumina quando ouço seu nome. Se você percebesse o meu coração em disparada cada vez que eu falo ou penso em você.

Se você pudesse ver o brilho dos meus olhos ou os sorrisos e gargalhadas que saem sem querer enquanto caminho sozinha pela rua. Se você imaginasse como viajo em meus pensamentos ao relembrar nossos momentos do ano ou da noite passada.

Se você soubesse como é gostoso ter a certeza de que vou encontrá-lo no final do dia. Se você sentisse o frio que percorre o meu corpo quando penso que logo mais seremos só você e eu.

Se você percebesse o quanto eu amo você, como eu amo amar você. Se você sonhasse que basta a sua companhia, o seu carinho ou o seu jeito único de ser romântico para me fazer a mulher mais feliz do mundo.

Eu só queria que você soubesse.

Márcia Duarte

Hoje

Hoje eu estou rindo à toa. Engana-se quem pensa que é por estar absolutamente feliz, a felicidade vai e vem. Simples assim. Se eu rio é para disfarçar a minha surpresa. De repente ficou tudo tão esquisito.

Hoje ela disse que me perdoa, que tem um bom coração, uma mente evoluída. Mas quem pediu para ser absolvido? Só pode ser piada. Não pretendo posar de vítima, mas estou longe, bem longe, de ter que carregar essa culpa.

Hoje ele perguntou o que aconteceu, o que eu fiz ou deixei de fazer. Acho que ele pensa que eu o enganei o tempo todo e onde foram parar meus argumentos quando preciso me defender? Sumiram, estou sozinha. As minhas poucas palavras contra as dele. A minha consciência tranqüila.

Hoje eu não quero entender ou ser compreendida. Não quero ser triste nem feliz. Nem condenada nem inocente.

Hoje eu só quero ter você aqui comigo. Deite no meu colo e não me pergunte nada. Confie em mim.

Márcia Duarte

Péssima mania

Tenho mania de tentar mudar as minhas manias. Implico com meu hábito de falar tudo que me vem à cabeça, detesto não conseguir segurar o choro ou as gargalhadas e simplesmente abomino a idéia de sentir ciúmes. Muitas vezes antes de dormir fecho os olhos e peço insistentemente para deixar de viver tudo de forma tão exagerada. Peço para sentir menos, sofrer menos. Adivinha? Em vão.

Só eu sei o quanto eu gostaria de ouvir alguém pedindo opinião e não dar logo meu pitaco. Queria ver alguma situação ridícula sem me indignar e soltar meu discurso. Queria não me empolgar tanto quando vejo ou faço algo que me deixa feliz, animada. Queria controlar o meu jeito de gargalhar compulsivamente quando alguém faz gracinha em lugares onde a gente pode (quase) tudo menos rir. Certamente eu iria evitar uma série de constrangimentos e confusões.

Se eu pudesse mudar algo em mim, pediria que a minha versão revista e ampliada viesse com um coração menos mole, dramático, tolo. Queria que as lágrimas não escorressem pelo meu rosto quando vejo alguém chorar, queria não me sentir como se estivesse morrendo por dentro quando sei que mesmo sem querer uma pessoa está triste por minha culpa. Queria não me machucar com tanta facilidade e também nunca magoar as pessoas que são especiais para mim, por mais que eu tenha consciência de que não sou nada perfeita.

Mas se eu tivesse apenas um pedido a fazer, gostaria de ser mais segura. Queria não sentir ciúme ou medo de ficar longe de quem eu amo. Já perdi as contas de quantas vezes li por aí que devemos deixar quem amamos em liberdade. Se realmente é para ser nosso, vai voltar, nunca foi ou deixará de ser. Dizem que é um peso muito grande para uma pessoa ser a razão de viver de outra e que nunca, sob hipótese alguma, devemos delegar essa carga a alguém. Entretanto, como também tenho a mania de não acreditar em tudo que eu leio ou escuto, penso um pouco diferente. Sinto diferente.

Para mim soa comodista o discurso de que haja o que houver tudo vai permanecer igual. Acredito que as coisas podem ficar da melhor maneira desde que eu faça a minha parte, aliás desde que todos os envolvidos façam as suas. Tampouco me assusta a idéia de ser a maior motivação da vida de uma pessoa. Claro que é uma enorme responsabilidade, mas que devemos abraçar com todo o coração, porque não é um pedido, mas uma necessidade. É um sentimento recíproco, chama-se amor.

Se não fosse pedir demais, também adoraria perder a minha péssima mania de chorar sempre que você olha fundo nos meus olhos e diz que sua vida já não tem sentido longe de mim. Queria conseguir dizer que eu sinto o mesmo sem antes ter que pedir um minutinho.

Márcia Duarte

Limite da Inocência

Papai Noel não existe, nem Coelhinho da Páscoa ou Bicho Papão. Contos de fadas só ficam bem nos livros infantis. Príncipes cedo ou tarde se transformam em sapos. Pode demorar o tempo que for, mas um dia a realidade bate a nossa porta. Inevitavelmente.

Que nem só de boas intenções vivem as pessoas já estou cansada de saber. Há tempos não caminho pelas ruas sem olhar para os lados, ou falo sem a absoluta consciência de que cada palavrinha pode ser alterada e usada contra mim. Mesmo assim, não paro de me surpreender com até que ponto os desvios de caráter das pessoas podem chegar.

Não tenho a pretensão de que todos gostem de mim ou torçam pelo meu sucesso. Tampouco preciso de reconhecimento ou confetes para ser feliz. Você tem todo o direito de me achar uma ridícula, uma doida ou uma garotinha sem graça alguma. Você pode pensar o que bem entender de mim. Nada disso vai mudar o meu jeito de ser e agir.

No entanto, os seus limites terminam onde começam os meus. E eu não exijo nada além de respeito. Você pode até torcer para eu cair com o carão na calçada, levar um pé na bunda do meu namorado ou ser perseguida por todos os professores da faculdade. Cada um é livre para pensar e desejar o que bem entender. Você não pode é fazer com que coisas desse tipo aconteçam de forma grotesca e desleal. Mentiras, intrigas e afins só convencem em novelinhas de criança. Você já passou dessa fase, não? Eu, ao menos, não suporto mais a idéia de interpretar a mocinha injustiçada.

Tudo bem, eu confesso, ainda durmo esperando o Bom Velhinho e sempre confiro as pegadas que o Coelho deixa aqui no meu quarto. Sei que meu príncipe encantado está a caminho e não canso de viver e desejar as mais mirabolantes fábulas. O detalhe é que a princesinha aqui acordou do sono profundo e já está roxa de tanto cair do cavalo. Para tudo há um limite, até para minha inocência.

O que me dá forças é a certeza de que tudo termina da melhor forma para quem tem um coração repleto de sinceridade e boas intenções. Além de, é claro, eu estar ciente de que para todo conto de fadas existe um final feliz. Prefiro posar de inocente a deixar de acreditar que, apesar de tudo, a vida é cheia de surpresas gostosas.

Márcia Duarte

O que não podemos entender

Passei muito tempo buscando entender coisas que hoje percebo que não têm explicação. A razão das minhas escolhas, das minhas omissões. Por que eu fui quando quis ficar? Por que eu fiquei quando quis estar em outro planeta? Por que já pensei em jogar tudo para o alto e recomeçar? Por que eu estou aqui agora?

A verdade é que nos preocupamos tanto em fazer acontecer que não observamos a vida passar enquanto acertamos os últimos preparativos. São tantos os planos que terminam ou começam com as surpresas que o destino nos apresenta. São tantas as decisões que parecem desconexas no momento em que as tomamos, mas que com o passar do tempo entendemos que não foi uma escolha e sim a única alternativa que podíamos seguir naquela situação. Tudo ao redor nos levava até ela. Tudo que estava nublado e só o tempo foi ou é capaz de clarear.

Já me preocupei demais com questões que não mereciam nem sequer que eu arcasse por um milímetro as minhas sobrancelhas. Já desconfiei. Já procurei encontrar o que nunca quis ver. Já me senti traída. Não por amor, mas por lealdade. Não por atitudes, mas pela falta delas. Já acreditei no que nunca existiu. E agora vejo que isso tudo foi em vão. Talvez a minha falta de experiência tenha me levado a me aborrecer com coisas tão pequenas. Talvez não.

Hoje não quero mais saber se estão todos falando de mim ou se nem sabem que eu existo. Não importa o que dizem ou deixam de dizer sobre ele, sobre mim, sobre nós. Não interessa se quem se diz meu amigo gosta realmente de mim ou é só fingimento. Não quero saber o que fulano acha de mim, se beltraninha não vai parar de dar em cima do meu amor, ou ainda se a outra não cansou de esfregar as declarações mais sem fundamento na minha cara. Não procuro mais saber o que não devo, o que não me faz bem.

O melhor chega até nós mais cedo ou mais tarde. No tempo certo. Não há preocupação que acelere o que está predestinado a acontecer. A recompensa de quem confia, de quem sabe que cumpriu o seu papel para estar onde está, sempre chega. Portanto, não deixe que nada desvie sua atenção ou seu caminho. Siga o rumo traçado pelo seu coração. E mesmo que nem tudo aconteça da forma que você gostaria, não chore, não desista. Não se culpe. No final você vai perceber que tudo sempre fica do melhor jeito para nós. Até quando isso parece simplesmente incompreensível.

Márcia Duarte

Mudança anunciada

Nada muda de repente. Mesmo quando não queremos que mudança alguma ocorra, ela é prevista, anunciada e só pega de surpresa quem finge não a enxergar. Eu já sabia que isso tudo ia acontecer. Não pense que tenho poderes, sou vidente ou algo assim, tenho apenas um coração que não se cansa de bater, acreditar, sentir. Um coração que morre de amores, assim como também vive deles.

Você disse que ia embora e prontamente levantei e abri a porta. Com meu coração machucado, confesso, mas abri e optei por não vê-lo partir. Não sabia se teria vontade de lhe pedir para ficar um pouco mais. Preferi não arriscar. Eu que antes tinha tanto medo de lhe perder me senti aliviada com a sua despedida.

Nenhum de nós dois sabe disfarçar, você sabe bem. Há tempos meu sorriso saía torto quando você dizia que ia chegar numa hora e chegava noutra, ou pedia para que eu o esperasse só mais um pouquinho que muitas vezes transformou-se em ‘ão’. Há tempos eu torcia para que você não aparecesse já que tinha medo que você não me tratasse como antes, como eu mereço, como você nunca deveria ter deixado de me tratar. O que inevitavelmente acontecia e acabava com qualquer ilusão que eu criava e recriava sobre nós em minha mente.

Você mudou, eu também e assim nosso amor foi aos poucos se transformando. Conversas viraram brigas; carinhos, a falta deles; beijos, expressões tristes; piadas, lágrimas. Até que o nosso ‘pra sempre’ tornou-se ‘nunca mais’.

Não penso em como seria se tivéssemos agido diferente e você ainda estivesse aqui comigo. Você estava tão frio que eu provavelmente congelaria, tão distante que estou certa de que me sentiria mais sozinha ao seu lado do que estou agora neste quarto vazio. Não foi uma escolha. Mas penso em você. Penso que neste momento alguma menina pode estar rindo das brincadeiras que antes eram apenas minhas, deliciando-se com os beijos e com o amor que eu me acostumei tanto a ter só para mim.

Penso em você e não penso. Melhor parar com as lembranças enquanto elas ainda podem me fazer sorrir. Tudo muda por alguma razão e, embora eu não saiba o porquê disso que estamos vivendo, não deixo de acreditar que tudo vai ficar bem melhor para nós dois.

Márcia Duarte

Apenas mais uma carta

Não acredito em despedidas programadas, em último beijo ou em bilhete de adeus. Quanto menos remoemos a mágoa da separação melhor, cada um no seu canto, cada um com seus argumentos e verdades, sejam eles sinceros ou não. Portanto, essa é mais uma daquelas cartas que escrevo sem a intenção de enviar, uma carta que você nunca vai receber.

Antes de tudo preciso lhe agradecer por tornar nossa despedida muito mais fácil para mim. Se antes você mudava e alegrava o meu dia pelo simples fato de estar por perto, hoje você me perturba com seus rancores, me incomoda com suas loucuras e me entristece com suas tantas verdades omitidas durante todo o tempo em que estivemos lado a lado.

Obrigada por ter me feito acreditar que você era diferente de todos os outros homens, obrigada pelo amor que você me fez crer que sentia por mim. Obrigada pelo tempo em que vivi iludida e feliz, pelos anos em que eu confiei em você e no seu amor sem fim. Mas muito obrigada mesmo por agora me fazer enxergar que nada disso existiu, que eu estive sozinha quando pensei estar com você. Obrigada por me mostrar que eu não perdi nada pelo simples fato de que não posso manter comigo algo que nunca foi meu.

A verdade é que não posso lhe culpar por nenhuma das minhas penas. Se você fez o que quis de mim e mudou o rumo da minha vida foi porque eu permiti. Você nunca me pediu nada e eu sempre lhe dei tudo, já que era o único jeito de ficarmos juntos. E como eu queria viver perto de você.

Uma lástima que eu tenha percebido tarde demais que o amor precisa de dois para acontecer e que sozinha eu acabaria cedo ou tarde ficando pelo caminho, uma pena que eu tenha avistado o fim da estrada apenas quando o alcancei. Se eu tivesse aberto um pouco antes meus olhos talvez o choque fosse menor, talvez agora eu estivesse melhor preparada para lidar com tantas decepções. Talvez.

Dessa minha carta sem destino, só quero que você guarde uma coisa: muito obrigada. Obrigada por me mostrar a cada nova atitude que você não é nada daquilo que imaginei.

Márcia Duarte

Ser feliz

Experimente perguntar a qualquer pessoa o que ela mais deseja para viver os seus dias. Aposto que mais de 90% vai responder que quer apenas ser feliz sem nem pensar duas vezes. Só que eu cheguei à conclusão de que ou eu sou um ET, ou eu não sei o que é ser feliz.

Para mim ser feliz não consiste em sair todas as noites, beber até começar a trocar as pernas, falar coisas que ninguém entende e ser carregada para casa. Para mim ser feliz não é encontrar pessoas que me olham da cabeça aos pés, dizem o quanto estou linda e saem fazendo caretas cochichando com quem está do lado. Para mim, definitivamente, a felicidade não está em boates e bares cheios de gente, mas com cenas vazias e tristes. Não sou contra festas e comemorações, pelo contrário, amo dançar e lavo a alma na pista. Só não acho saudável tornar isso uma rotina, há momentos para tudo nessa vida.

Quando fico algum tempo sem sair à noite algumas pessoas comentam com os meus amigos: ‘Tadinha, mas o que ela faz para se divertir?’. Pois eu vou contar para vocês o que a extraterrestre aqui faz quando quer esquecer do mundo, e sim, ser feliz. Assim como há dias que tudo o que eu quero é uma companhia agradável para tomar um sorvete ou um capuccino, sair para jantar ou simplesmente passar horas conversando sobre o assunto que me vier à cabeça, há outros que preciso ficar quietinha no meu quarto vendo um bom filme ou lendo um livro qualquer e viajando em suas histórias.

Quando me sinto desanimada, deito na minha cama, desligo as luzes e ligo o som no máximo. Certo que em cinco minutos eu vou levantar e dançar de um lado para o outro com as minhas cachorrinhas. Elas sempre adivinham e ficam por perto quando eu preciso de atenção especial. Também não há nada melhor do que ficar com crianças. Conversar, brincar e ainda ouvir de uma delas ‘como você é linda’ ou ‘você parece muito com a minha mãe’. Existe elogio melhor do que este?

Há tantas coisas boas para se fazer. Uma caminhada ao ar livre, alguém especial para ligar, um elogio pelo trabalho bem feito, uma mensagem de saudade, um dia cheio de tratamentos de beleza, um sorriso de bom dia, uma tarde de fofoca com as amigas, um dia de sol com praia e água de coco, um dia de chuva com uma panela de brigadeiro, um beijo de despedida, um abraço de reencontro... Saber que mesmo com tanta maldade e inveja espalhados pelo mundo, eu tenho amigos verdadeiros.

Há infinitos motivos para encontrarmos a felicidade em todos os cantos, em cada lugar que estivermos. Basta que os nossos olhos saibam reconhecê-los. E mais: cada um sabe o que o faz feliz. Certamente as minhas razões para sorrir não são as mesmas suas, do fulano ou do cicrano. Portanto, não perca o seu tempo sentindo pena por eu ter perdido a última festa, o último lançamento ou grito da moda. Não se preocupe em me entender, você não vai, eu sou um ET, lembra? Mas relaxe, eu sei o que me faz feliz... E de mim, eu sei cuidar bem.

Márcia Duarte

Olhos marejados

Sempre agi por impulso, sem qualquer dúvida ou remorso. Sempre fui firme quanto ao que falar ou fazer. Meu comportamento sempre dependeu do meu humor, das minhas vontades, e por mais que nem todas as minhas escolhas tenham sido acertadas, isso justificava e me deixava livre de qualquer arrependimento.

Entretanto, nesses últimos dias mal posso reconhecer a menina que miro de relance no espelho. A menina que tenho evitado encarar. Tanta coisa eu preciso dizer, tanta coisa quero fazer. Sentimentos suplicam para sair de dentro de mim. Tudo que eu quero guardar e esquecer que algum dia eu já quis colocar para fora.

Escrevo rascunhos todos os dias. Rabiscos imaginários de cartas que nunca colocarei no papel, esboços de e-mails e mensagens de celular que prefiro colocar na caixa de não enviadas a apertar o botãozinho verde que as encaminhariam ao seu destinatário.

Às vezes temos tanto a dizer, tanto a demonstrar, que nenhuma palavra parece ser mais eficaz do que o silêncio. Às vezes olhos marejados de lágrimas dizem mais do que páginas e mais páginas de texto.

Márcia Duarte

Tirar a casquinha

Boba, bobinha, boboca, bobona. O problema de ser tranqüila e sempre relevar é que chega um determinado momento em que não posso mais ignorar ou tentar me enganar e me sinto exatamente assim.

Há algum tempo percebi que para alcançarmos nossos objetivos precisamos ter fé e paciência. Só que esqueci que para tudo existe uma medida. Não devemos ser apressados, mas também não podemos esperar para sempre. Tudo de mais ou de menos se torna prejudicial.

Mas eu espero, eu me iludo, eu sofro, eu me decepciono. E, mesmo com tudo, mesmo depois de passar por tantas coisas, eu ainda acredito. Eu confio no quanto as pessoas podem ser melhores, desde queiram, é claro.

Já me aprontaram cada uma, e eu também devo ter feito umas poucas e boas por aí, não sou nenhuma santa. De algumas me arrependi, de outras não, como disse estou longe de ir para um altar. Mas hoje em dia estou em paz, me absolvi da maior parte dessas culpas e já perdoei e esqueci de algumas das tantas vezes em que pisaram a bola comigo.

Só que esqueço apenas do que já não faz sentido, das pessoas que já não têm importância, de tudo que já não quero perto de mim. Fatores e fatos que além de perdoar, agradeço de coração por ter deixado para trás, coisas que percebo que aconteceram para o meu bem. Mas há dores que carrego sempre comigo, feridas latentes, daquelas que é só tirar a casquinha para virem à tona. Bastam algumas palavras ou imagens, alguns lugares ou papos, para que eu volte a sentí-las como se nunca tivesse as deixado de lado.

Nessas horas eu me pergunto se eu precisava mesmo passar pelo que passei... Aceitar, perdoar, relevar. Porque eu posso até me fingir de bobinha, mas eu não sou. Eu vejo tudo, eu sinto tudo, eu sempre sei.

Márcia Duarte

Sem pressa

Tudo tem seu tempo certo. É o que eu costumo repetir para mim mesma, numa tentativa tola de driblar minha ansiedade. Mesmo que eu acredite piamente que em nada tentar adianta antecipar fatos ou situações, sempre me pego imaginando o futuro, pensando como seria ou será, sonhando com o que ainda não posso ter.

Não se trata apenas de criar expectativas. É mais do que isso. É desejar de verdade. Eu quero tudo e quero agora. Para mim não basta viver um fim de semana memorável, preciso emendá-lo numa segunda-feira empolgante e seguir a semana em ritmo acelerado.

Quero viver cada momento com todas as letras maiúsculas. Quero negrito, sublinhado, neon e nada de reticências. Quero me embriagar de sentimentos e sensações, sem deixar nem um gole para depois.

Sobra vontade, mas falta energia. Nenhuma vida tem vigor para tanto. Eu não tenho. E quero e não quero ter. Ao mesmo tempo em que tenho ganas de estar no ápice, preciso do meu sossego. Quero um equilíbrio com doses de altos e baixos, uma montanha russa que me perturbe por dentro, mas que também aquiete a minha alma.

Meu imediatismo quase não me deixa esperar. Mas quando espero vejo todas as respostas, consigo entender todos os porquês. Posso enxergar que sempre acontece o melhor, o que realmente estavamos preparados para viver e sentir de forma plena.

Hoje, depois de um dia inteiro sem parar por um minuto, meus olhos insistiam em sorrir, em contraste com a minha carinha cansada. Quem me via passar pela rua mal podia imaginar as gargalhadas que eles tanto tentavam esconder. E eu percebi que não há motivo para ter pressa em voltar para casa.

Márcia Duarte

(...)Não quero que façam loucuras por mim. Não quero que descarreguem um caminhão de rosas na frente da minha casa. Eu nem saberia onde colocá-las. Não quero que atravessem o mundo em poucas horas apenas para estar comigo. Umas poucas palavras de carinho ao telefone soam bem quando a saudade bate e a distância torna-se um empecilho. Não quero demonstrações que possam ir contra a vida. Se o assunto for realmente amor, eu provavelmente sinto o mesmo e quero o bem de quem eu gosto.

Eu quero apenas um amado, um amante, um namorado. Um amigo, um companheiro. Quero alguém para escutar e conhecer de trás para frente. Alguém que saiba enumerar meus defeitos e, mesmo assim, me faça sentir linda, desejada. Alguém com valores semelhantes, mas com visões de vida diferentes. Alguém que não pense sempre como eu, que me desafie e, assim, faça com que eu aprenda algo surpreendente a cada conversa. Alguém que me faça esquecer pré-conceitos e recriar todas as minhas concepções sobre o amor nos segundos que um abraço pode durar. Alguém que me ensine a conviver na convivência. E, principalmente, que não desista de me entender sem antes tentar. Eu não sou tão fácil quanto pareço, nem tão difícil quanto digo ser.

Márcia Duarte