Luiz Gonzaga Pinheiro

Encontrados 3 pensamentos de Luiz Gonzaga Pinheiro

VOCABULÁRIO DA VIDA

Adeus: É quando o coração que parte deixa a metade com quem fica.

Amigo: É alguém que fica para ajudar quando todo mundo se afasta.

Amor ao próximo: É quando o estranho passa a ser amigo que ainda não abraçamos.

Caridade: É quando a gente está com fome, só tem uma bolacha e reparte.

Carinho: É quando a gente não encontra nenhuma palavra para expressar o que sente e fala com as mãos, colocando o fago em caca dedo.

Ciúme: É quando o coração fica apertado porque confia em si mesmo.

Cordialidade: É quando amamos muito uma pessoa e tratamos todo mundo da maneira que o tratamos.

Doutrinação: É quando a gente conserva o espírito colocando o coração em cada palavra.

Entendimento: É quando um velhinho caminha devagar na nossa frente e a gente estando apressado não reclama.

Evangelho: É um livro que só se lê bem com o coração.

Evolução: É quando a gente está lá na frente e sente vontade de buscar quem ficou para trás.

Fé: É quando a gente diz que vai escalar um everest e o coração já o considera feito.

Filhos: É quando deus entrega a jóia em nossa mão e recomenda cuidá-la.

Fome: É quando o estômago manda um pedido para a boca e ela silencia.

Inimizade: É quando a gente empurra a linha do afeto para bem distante.

Inveja: É quando a gente ainda não descobriu que pode ser mais e melhor do que o outro.

Lealdade: É quando a gente prefere morrer que trair a quem ama.

Lágrima: É quando o coração pede aos olhos que falem por ele.

Mágoa: É um espinho que a gente coloca no coração e se esquece de retirar.

Maldade: É quando arrancamos as asas do anjo que deveríamos ser.

Mediunidade de Jesus: É quando a gente serve de instrumento em uma comunidade mediúnica e a música tocada parece em noturno de chopin.

Morte: Quer dizer viagem, transferência ou qualquer coisa com cheiro de eternidade.

Netos: É quando deus tem pena dos avós e manda anjos para alegrá-los.

Obsessor: É quando o espírito adoece, manda embora e compaixão e convida a vingança para morar com ela.

Ódio: É quando plantamos trigo o ano todo e estando os pendões maduros a gente queima tudo em um dia.

Orgulho: é quando a gente é uma formiga e quer convencer os outros de que é um elefante.

Paz: É o prêmio de quem cumpre o dever.

Perdão: é uma alegria que a gente se dá e que pensava que jamais a teria.

Perfume: É quando mesmo de olhos fechados a gente reconhece quem nos faz feliz.

Pessimismo: É quando a gente perde a capacidade de ver em cores.

Preguiça: É quando entra vírus na coragem e ela adoece.

Raiva: É quando colocamos uma muralha no caminho da paz.

Reencarnação: É quando a gente volta para o corpo, esquecido do que faz, para se lembrar do que ainda não fez.

Saudade: É estando longe, sentir vontade de voar, e estando perto, querer parar o tempo.

Sexo: É quando a gente ama tanto que tem vontade de morar dentro do outro.

Simplicidade: É o comportamento de quem começa a ser sábio.

Sinceridade: É quando nos expressamos como se o outro estivesse do outro lado do espelho.

Solidão: É quando estamos cercado por pessoas, mas o coração não vê ninguém por perto.

Supérfuo: É quando a nossa sede precisa de um gole de água e a gente pede um rio inteiro.

Ternura: É quando alguém nos olha e os olhos brilham como duas estrelas.

Vaidade: É quando a gente abdica da nossa essência por outra, geralmente pior.

Luiz Gonzaga Pinheiro

UM DIA DE PAZ

Um dia paz pode ser de chuva, de sol, de neve e até mesmo de guerra. A paz não é algo externo, mas uma conquista intima, intransferível, que abrigamos em nosso coração.
Por isso quem a tem pode externa-la através do seu exemplo e transformar a desarmonia ao redor, em silêncio, amor, meditação, acolhimento.
A paz não é expressa por bandeiras, tratados ou palavras, mas por gestos de bondade, perdão das ofensas, compreensão da enfermidade do outro.
Ela não chega fazendo exigências, impondo leis arbitrárias, castigando doentes ou encarcerando desajustados.
Caminha mansa, distribuindo unguentos, levantando caídos, pacificando violentos, sempre espalhando alimentos vários, pois várias são as fomes dos homens.
Depois de acolher a todos e a todos tratar com humildade e respeito, se despede com uma oração, pois é sua senha, para que todos entendam que ela é Deus.
Por isso Jesus dizia a qualquer pessoa que encontrasse em seu caminho; mesmo a um malfeitor: a paz esteja contigo!
Por isso Deus colocou no coração dos Seus filhos uma semente de paz e pediu a Jesus que lhes dissesse: quem procura, acha!
Pena que muitos só a encontrem depois de plantar primeiramente as sementes das ervas daninhas com as quais soterram a semente de paz que habita em seus corações.
Geralmente ela é a última semente do alforje a ser lançada na maltratada terra do coração humano.
Mas quando nasce faz florescer todo o campo ao seu redor.
É quando eles começam a cantar aquela velha canção que Francisco ensinou: Senhor! Fazei de mim um instrumento de Tua paz!
Um dia a humanidade inteira cantará essa canção. Um dia haverá apenas um só rebanho e um só pastor.
Está escrito! Nenhuma ovelha do rebanho do nosso Pai se perderá!

Luiz Gonzaga Pinheiro

Lágrima é quando o coração pede aos olhos que falem por ele!!!!

Luiz Gonzaga Pinheiro