Janaina Cavallin

1 - 25 do total de 92 pensamentos de Janaina Cavallin

TEM ALGUEM SONHANDO COMIGO

Ficar sem dormir não é nada fácil. Quando passo a "noite em claro", como se diz, ao raiar do dia meu corpo está pedindo socorro. Tudo dói. O corpo fica lento, a cabeça pesada, os reflexos pouco alertas. E ultimamente isso tem acontecido com uma certa frequência.
Sou uma canceriana típica, e assim, meu signo regente é a Lua, o que reflete diretamente na minha personalidade. Sou realmente uma mulher de fases, meu humor, minha vitalidade, minhas paixões e meu sono.
Passo por períodos onde literalmente durmo em pé. Não encontro problemas para adormecer, nem barulho, luz, travesseiro diferente, nada incomoda. Em outros períodos tento de tudo, de chá a músicas "new age", mas simplesmente, o sono não vem.


Alguns dizem, e esta teoria é fofa, que quando não conseguimos dormir é por que estamos acordados no sonho de alguém. Como eu disse, fofa, sem nenhum respaldo científico.
Já a ciência, não tão fofa, atribuí aos momentos de estresse como a causa da insônia, ou seja, preocupações, ansiedade e frustrações seriam os motivos para o sono sumir. Mas quem não tem problemas? o mundo todo estaria acordado, se lamentando, se isto fosse espelho da verdade.

Eu decidi acreditar na primeira teoria. Neste exato momento, estou acordada no sonho de alguem, e por isso, não durmo. Isso é meigo, afinal, alguém tem sonhado comigo insistentemente. Só posso me sentir lisonjeada.
O problema é que já estou com olheiras que me tomam o rosto, uma aparência de semana passada e uma energia quase extinta. Meu humor anda mais instável que os ministros da Dilma, e meu raciocínio pode ser apelidado de Barichello, de tão lentinho.
Logo, logo acabo perdendo o restinho de auto estima que me sobra, deixo de pentear os cabelos, vou andar de pijama o dia inteiro, não terei vontade de cruzar o portão e ver a rua. Vou ficar dodói por que acordada eu fumo mais, engordar muito pois o chocolate acaba me acompanhando a noite toda e ficar bem alienada, já que meu poder de concentração com tanta insônia está quase a zero.

Sou carente assumida, é uma delícia quando sei que alguem pensa em mim, gosta de mim, me dá um carinho... adoro um colo, um beijo, um mimo. Mas antes que eu vire um ZUMBI, por favor, parem de sonhar comigo!!!!
Preciso dormir, de verdade, esparramada, por longas horas, talvez dias...
Quero me enrolar no edredom, esquecer os ponteirinhos do relógio, abraçar meu travesseiro e me entregar ao sono. E sei que não vou impedir o adormecer de ninguem, pois estou tão cansada, que se eu sonhar, vou sonhar que estou dormindo.

Janaina Cavallin

ESTOU DO AVESSO

Continuo do avesso. Sem certeza do rumo, como quem escorregou de seu próprio eixo. Não sei se quero abrigo. Não quero correr, as vezes falta para onde. O silêncio hoje me incomoda. Mas não quero ouvir, preciso mais falar. Talvez comece a cantar, para espantar os males. Talvez vá dormir. Uma hora me encontro, depois deste descompasso. Quem sabe eu descubro que o avesso é o lado certo...


Atravessar a rua, o tempo, o mundo. Não quero fazer escolhas agora. Tudo muda em um segundo. Vou ficar parada, esparramada ali no sofá, esperando o tempo mudar minha vontade. Uma vontade louca de gritar, uma impressão enorme que ninguem escutaria.
Cobri os espelhos, fechei as janelas, me escondi em mim, ainda que eu não saiba, neste momento, exatamente quem eu sou, não quero me expor, estou cansada de ver meu rosto triste.


Onde esconderam o equilibrio? Por onde anda a força que eu acreditei que tinha?
Me sinto frágil e só.
O avesso pode ser áspero e doloroso.
Não quero pensar, isso ocorre involuntariamente. A invasão das preocupações, a sensação de ser pouco. Só quero ser eu mesma, isso pode ser pouco. Não há recompensas no sofrimento. O término dele não é um prêmio, é um alívio.


Vem a vontade chorar, o desejo de colo. Me encolho no canto da casa, como se pudesse trancar as portas do meu mundo. Não sei se quero ficar só.
Seria bom uma prece. Seria maravilhoso se um anjo aparecesse. Preciso comer alguma coisa, mas não há nada que eu alcance que possa alimentar minha alma.


Talvez escute uma música. Tem um livro ali na estante quase abandonado, eu posso salva-lo da solidão, mas não posso me salvar da minha.
Posso escrever um poema, declamar com emoção alguma poesia. Estou cheia de emoções agora, desconheço algumas, outras me atemorizam.


Estou do avesso, no escuro. O melhor a fazer é deixar a noite fluir, quem sabe o meu mundo também fica claro ao raiar do dia, ou a tristeza que me tem como refém se cansa e vai embora, me devolve o amor próprio e a alegria.
E ai, ainda que eu esteja do avesso, pego de volta minha coragem, visto meu melhor sorriso e volto a encarar a vida.

Janaina Cavallin

A REVOLTA DOS CARNEIRINHOS
Cadê o sono? Na tentativa de encontrá-lo comecei a contar carneirinhos, mas a coisa estava tão feia que os carneirinhos não aguentaram de cansaço. Se revoltaram e desistiram. A cena foi terrível, derrubaram a cerca, pegaram seus pertences, sem olhar para trás, ganharam o mundo.
Fiquei ali parada, vendo aqueles companheiros de tantas noites partindo.
Tantas insônias que eles já eram de estimação, com nomes e tudo...
E agora? vou contar o que? Sem sono e sem carneirinhos me senti perdida!
Tão lindos, branquinhos, tão meus, tá certo que eles nunca serviram para porra nenhuma, eram contagens intermináveis em vão. Mas estavam ali, pulando a cerquinha, enquanto o sono não vinha. Eram companhia.

Pensei em contar coelhinhos, tão fofos, sociáveis, trazem chocolate na Páscoa. Mas não deu certo. Fiquei esperando um deles pular e assim começaria a contar, mas nada. Estavam atrás da cerca fazendo coisas que meu pudor não me permite contar. Estes pequeninos seres são tão ligados em procriação que seria impossível um efeito sedativo vindo deles!

Tentei macacos, mas eles não gostam de cercas, queriam árvores. Este foi o problema, como contar se entre eles reza a filosofia de "Cada macaco no seu galho"? Não pulavam, eu não contava, banana para eles, próxima tentativa.

Gatinhos! Pulam, são fofos, perfeito. Comecei, quando o terceiro pulou, algo no salto foi insuficiente, caiu, se estatelou, morreu. Mas gatos tem 7 vidas, lá estava ele com mais 6 entrando na fila para pular de novo. Mas ai a contagem ficou confusa, controlar os pulos, as vidas e os números me estressou matemáticamente. Melhor partir para outra coisa.

Quem sabe tartarugas? ao invés de pular a cerquinha, conto as que passarem por baixo; depois de longa espera, elas passavam tão devagar!, tomei uma atitude, comecei a pegar uma por uma e colocar do outro lado. Cansativo, mas não sonífero. Bonitinhas, mas lentas demais, dei o endereço de um projeto ambiental e as mandei embora.
As coisas iam se complicando...

Vacas não pulam cerca nem passam por baixo dela. Ursos são lindos, mas enormes e desengonçados, seria um tormendo imaginar aqueles pandas pulando o que quer que fosse e ainda procurando por bambu. Cachorros pulam, mas também podem destruir a casa, latem e despertam, é melhor não arriscar a esta hora da madrugada. Elefantes são enormes, girafas muito altas, Leões comem carne e eu sou carne, peixes nadam, alguns nadam rápido demais e minha coordenação motora a esta altura não colabora. Hipopótamos! Não, Hipopótamos definitivamente não; melhor evitar comentários sobre semelhança...

Última tentativa, Pinguins, são meigos e funcionam em equipe, formam uma enorme roda para que um aqueça o outro no frio intenso, são solidários e ao invés de cerca podem escorregar numa montanha de neve branquinha rumo a água. conto cada um que cair. Mas são tão engraçados, diferentes e bonitos, inteligentes. Um deles gritou: "Somos de Madagascar e vamos voltar para lá". De novo, não tinha nada para contar.

Muito bem, vou buscar os carneirinhos, quero meus carneirinhos de volta.
Procurei em todos os cantinhos da imaginação insone e maluca.
Assim que os encontrei declarei meu amor, implorei que voltassem, contei minha jornada, tentei de tudo, mas nada os convenceu. Não tive outra escolha, prometi que se voltassem eu ficaria pulando a cercquinha para eles contarem até que eles adormecessem. Eles toparam. Cumpri a promessa.

Não sei exatamente durante quanto tempo eu pulei ou se algum carneirnho conseguiu dormir, por que em certo momento, de tão cansada de ser contada pelos carneirinhos, adormeci...

Janaina Cavallin

Não Gosto de Nada Morno

Não gosto de coisas mornas. Que seja frio, estupidamente gelado, que esfrie a cabeça, refresque a alma. Que seja quente, ardente, fogo puro e queime. Mas morno não. Nunca.
Gosto de temperos. A falta deles deixa um sabor insosso nas coisas. O dia destemperado tem um gosto ácido e cinza que amarga a boca e o humor. Amor sem tempero é insípido, deixa vazio o estômago e a alma. Tempero tudo, faço da vida uma deliciosa salada.
Não gosto de esperar. Esperar significa inércia. E parar com tanto movimento dentro de mim seria indolência. Não espero nada nunca. Faço o que for preciso, mas faço agora.
Gosto do silêncio. Amo música. As vezes preciso de um espaço sem sons para ficar sozinha vagando pelos meus sonhos, buscando o "eu" em mim. Outras vezes, a fome de soltar meu "eu" pede melodia, preciso da música para marcar o ritmo da vida, uma orquestra para interpretar meus pensamentos e ecoar as partituras emocionadas do meu coração.
Gosto do que é intenso, do verdadeiro, do desafio, de arriscar.
Quero paixão ardente, comida quente, beijos molhados e demorados, voltas ao mundo, amores de cinema, sorvete com muita, muita calda de chocolate.
Quero praias desertas, mistérios e descobertas, festas sem fim, ducha fria no verão, calor de cair no rio, amor na chuva, na cama, amor na vida, a vida inteira.
Quero cinema completo, com pipoca e arrepio, quero montanha russa, surpresa, aniversário. Adoro aniversário. Quero muitos presentes, brigadeiro, beijinho, e não importa a idade, quero "parabéns" e velinha.
Quero conversa, andar de bicicleta, passear de mãos dadas.
Quero flerte, quero paixão, quero dar risada.
Mas não quero nada morno, sem tempero ou parado.
Quero viver a vida, apostar no tudo, ser feliz e fazer feliz quem cruzar meu caminho.
Só assim a vida vale, de outra forma, para mim, não vale nada.

Janaina Cavallin

ALMA NUA

Chora a alma na estrada escura
Sozinha, louca, nua, pura
Sem mistérios, sem perfume
Só entregue, ainda impune
As lágrimas lascivas do desejo

Grita farta, sussurra aflita
Pecados sem nome
Sonhos sem laços de fita
Quer fugir, quer se esconder
Alma perdida na noite sem lua

Dos contos onde há fadas
Das poesias feitas com mel
A Alma conhece anjos e homens
E se perde nos devaneios do céu
Alma triste que está só, inerte espera

Insanidade domina
A Alma brada por perdão
A razão reclama a partida
Alma se foi sem despedida
Sem rumo, sem norte, em vão

O Vício que transgride os sons
Na alma que é falha
Ecoa estridente ao mundo
Que somos todos passíveis
De erros tão sem limites
Que de dor a Alma foge
Sem prumo, sem lógica

Mas se a fadiga a alcançar
E a alma entender
Pecar e chorar faz parte do viver
A alma há de voltar
De manso, para tentar de novo
Em silêncio na escuridão

Janaina Cavallin

VAI

Vai
Só volte quando estiver livre para mim
Não quero mais pequenos intervalos de felicidade

Vai
Pensa no que você quer, talvez, você me queira
Só ai volte, disposto a me fazer sua e a ficar

Você sabe que basta um gesto seu para eu ser sua
Mas se não pode me dar realidade
Não me iluda com sonhos
Não me faça esperar

Você precisa alimentar esta paixão
Onde meu corpo hoje arde em penúria
Decida se quer ficar
Me fazer feliz, me aquecer

Ou então me deixe livre para te esquecer
Não volte mais...

Janaina Cavallin

MEU MUNDO IMAGINÁRIO

Eu quero espaço, para me espalhar, para cantar, dançar, criar meu mundo imaginário, o real anda muito violento, e no meu mundo só entra com convite; Quero "saúde para gozar no final", quero energia para fazer o início, quero voz para gritar o que penso e não quero ler colunas no jornal que só ofereçam críticas.
O nosso mundo já está cheio de gente dizendo o que tá errado, ditando regras sem sentido.
No meu mundo vamos fazer um manifesto de PAZ, onde cada um possa respeitar o outro, e dar um viva as diferenças.
Quero sorrir sem motivo, tomar sorvete colorido, bombas só de chocolate, guerras só de travesseiro.
Quero viajar no tapete voador, conhecer a Terra de Gaya, visitar Alice no país das Maravilhas.
Entrar em um tufão e bater um papo com o Mágico de Oz, depois passar o resto do dia na Fantástica Fábrica de Chocolate.
Quero abraçar os amigos, sentar em volta da fogueira, passar horas falando besteira, confiar em quem está comigo.
No meu mundo não vai ter fome, é direito de todos barriguinha cheia, com direito a sobremesa. Acho até que se todos se importassem e dividissem, no nosso, tambem não teria.
Vou andar de bailarina, depois de palhaça, cada um vista o que quiser, ninguem dita a moda, da moda achamos é graça.
No meu mundo imaginário há Papai Noel de verdade, do tipo que não esquece de nenhuma criancinha, não importa a origem ou nome, se mora em casa, mansão, barraco ou casinha, o presente chega. Até para adulto tem presente.
Cada um tem a idade que quiser no meu mundo, eu tenho 8, não, vou fazer 7. Quero pular amarelinha, corda, brincar de mãe da rua, passa anel, que mês que é, queimada...
No meu mundo não há ganância, inveja ou ódio, as pessoas se preocupam mesmo umas com as outras e não há significado, por que não existe, para a tal palavra falsidade.
Eu quero é ser feliz, quero ver gente feliz. Neste mundo aqui o amor tá pequeno, todo mundo cuida da vida do outro, só olham defeitos, não há solidariedade.
Assim não dá, tem que ter mais poesia, respeitar quem nasceu faz tempo e tem sabedoria, tem que ter verso, prosa, piada, isso, não pode faltar piada, a felicidade depende da vida ser engraçada!
Toda gente, no meu mundo, anda de mãos dadas, sem gritar apartheid nem nada. Negros, índios, brancos, aziáticos, todos, até o árabe de roupa engraçada. A fé pode ser vivida, sem que ninguem queira pregar que é dono da verdade; pode rezar de joelhos, de pé, dançando, com a bunda para cima, para Meca, ou sentada. O que importa é o espaço, na imaginação tem muito, para cada um ser feliz do seu jeito.
Mas para entrar precisa de convite, é meu mundo, para ser nosso já digo: se dispa agora, entre nú, só com coragem, para jogar tudo que é ruim fora, para ser completo do seu jeito e justo com os que forem diferentes.
Quer vir? um dia quem sabe nos tornamos muitos e meu mundo imaginário passa a ser um modo de vida!

Janaina Cavallin

FELIPE

É difícil descrever com precisão a emoção da maternidade. É único, é maravilhoso, é um presente divino, enviado por Deus diretamente para nós.


Eu sempre quis ser mãe, desejei o Lipe antes dele ser concebido, amei cada segundo da gestação, enquanto ele crescia, tomava forma e mudava minhas formas, e mesmo assim, me olhava encantada no espelho pela vida que se moldava dentro de mim.


Enjôo, sono, idas diversas ao banheiro (grávidas urinam o tempo todo), falta de posição para dormir, nada foi pesado demais ou difícil diante da vitalidade que nasceu na minha alma com a vinda do Lipe. Ele é a melhor coisa que já aconteceu em minha vida e o melhor de todos os capítulos da minha história.


Eu jamais vou esquecer quando o vi, pela primeira vez, ainda envolvido pelas mãos do médico... lá estava aquele ser tão pequenino, tão belo e puro, que de mim dependeria para tudo, e eu já sabia, que a qualquer momento, se fosse preciso, daria a vida por ele. Ainda dou.


Os olhinhos amendoados, rosto de anjo, o sorriso desenhado pelas mãos divinas. Peguei no colo, acolhi em meus braços, não queria mais soltar, receio de como o mundo iria receber sua doçura.
Mas ele veio forte, corajoso, impetuoso, enfrentando tudo.


Dei meu colo, meu seio, meu amor; acompanhei as primeiras tentativas de passos, de palavras, de escolhas. Guardei no coração cada sorriso.
Dei a mão quando foi preciso, entrelacei os dedos diante dos medos, procurei bicho papão embaixo da cama, dormimos abraçados ao som dos trovões. Esquentei papinha, esfriei o leite, contei história, inventei canções de ninar. Sai correndo nos tombos, dei beijinho para sarar. Voei no aviãozinho para convencer a se alimentar. Dei banho, vesti, mostrei que tomada dá choque e choque machuca, que no escuro as coisas sozinhas não mudam de lugar, e o que a gente mexe, depois tem que arrumar.


Hoje ele caminha sozinho, toma banho sozinho, escolhe o que quer vestir, tem seu canal preferido, navega pela internet, sabe que bicho papão não existe, trovões não amedrontam mais, já prepara o próprio leitinho e quer saber de tudo. Cada coisa tem que ter um por que, é curioso e inteligente, mas ainda não aprendeu a colocar as coisas de volta no lugar , só a mexer. Ainda corre para meu abraço quando quer abrigo.
Hoje me ensina muito mais do que eu a ele.


Cada vez que ele me diz "eu te amo mamãe" minha fé se fortalece, só Deus pode ter criado algo tão sublime. É com o sorriso dele que ganho nova energia para continuar na estrada.
Se o dia foi ruim, é só encontrá lo, para expulsar o que é ruim do meu mundo e ter a certeza que tudo vale a pena.
É minha luz, minha razão de viver, minha centelha divina.
Meu pequeno GRANDE AMIGO
Felipe te amo!!!

Janaina Cavallin

I WANT TO BOOT ME

Eu quero te arrancar de mim
Nem que seja a força, na marra, na unha
Mesmo que lacere minha pele
Que rasgue meu coração
Ainda que eu sangre

Eu quero te arrancar de mim
Te apagar do meu pensamento
Despedaçar as lembranças de você
Arrebatar meus sentidos
Para não te sentir mais
Nunca mais

Eu quero te arrancar de mim
Por que preciso sobreviver a você
Tua ausência me devora
Meu desejo me confunde
Preciso ser livre outra vez

Eu quero te arrancar de mim
Inadvertidamente te deixei entrar
E meu despudor me constrange
Quero te expulsar
Jamais suportei um talvez

Eu quero te arrancar de mim
Ainda que aos gritos, soluçando
No ímpeto machucado do meu ego
Extirpar esta dor torpe
Que me tornou insana

Eu quero te arrancar de mim
Do que sobrou de mim
Da carência de uma resposta
Ainda que esta fosse um não

Eu quero te arrancar de mim

Por que no fundo eu sei
Que seu silêncio já falou por si
E não há espaço para nós dois

I want to boot me.
now, because before
I just wanted to understand.
I just wanted an justification.
Even if the answer was no

Janaina Cavallin

PAIXÃO E AMOR

A paixão chega sem aviso, como um furacão, devasta e arrebenta tudo a sua frente. É cega, louca, impaciente.


O amor chega de mansinho, vai ocupando seu lugar aos poucos, como uma brisa, nada destrói, tudo complementa. É sábio, maduro e sereno.


A paixão enfeitiça, com força brutal, mas é efêmera.
O amor encanta, é forte mas delicado, é consistente.


A paixão acaba como começou, de repente, e vira fumaça, tem prazo de validade.
O amor cresce, acolhe, cria raízes, se torna eterno.


Paixão é atração física, é deleite, é sexo.
Amor é atração pelo todo, é sexo, é cumplicidade, companheirismo, convivência.


Paixão não enxerga defeitos, não percebe o outro "real", é ilusão e idealismo.
Amor aceita as imperfeições, compartilha o que é importante ao outro, estimula a crescer, é real e tolerante.


Paixão tem ciúme, é egoista, quer tudo para sí.
Amor é confiança, é unir duas almas, é dividir.


Mas a paixão é forte, muito forte, é vulcão, que explode em fogo... o amor é mais temperança, é o diamante que se forma no calor dentro da terra.
Vulcões se extinguem. Diamantes são eternos.


É maravilhoso quando a paixão tempera o amor, e caminham juntos se equilibrando. Mas eles podem andar separados, confundindo, conduzindo os amantes as escolhas erradas, a planos predestinados a se esvair com o tempo se a paixão está sozinha e evapora.
Já o amor tem consigo o apoio do tempo, se encaixa nos planos, e não só sonha, mas concretiza.


Paixão é aventura, não se escolhe. Amor é verdade, é decidir um caminho. Paixão é acampamento, amor é morada.
Paixão é breve, amor é para sempre.

Janaina Cavallin

FICA

Eu queria te tirar do meu pensamento
Mas nem imagino como você invadiu minha vida
Eu estava distraída e você se instalou
Reorganizou meu coração e simplesmente
Tomou meus dias para você
E fica aqui, comigo, o tempo todo
Mesmo distante de mim
Quem disse que eu queria me apaixonar?
Sem minha permissão você virou meu mundo de ponta cabeça
E agora o que eu faço com este sorriso estampado em mim?
Como posso andar, agora que descobri que é possível voar?
Já não sei se quero...
Decifrar o mundo depois dos mistérios do seu olhar
Sentir o gosto de outras conquistas deixou de ser interessante após sentir o sabor de teus beijos
Minha pele sentiu seu toque, meu corpo sentiu o seu...
Eu não imaginei, se quer, deixar você fazer parte da minha história
Agora me dói imaginar que você possa ir embora
Eu vou teimar que não há espaço para você em meu mundo
E torcer para você fingir que não me ouve
Definitivamente eu não pedi para você entrar na minha vida
Mas estou com muita vontade de te pedir para ficar...

Janaina Cavallin

ARREPENDIMENTO

É claro que eu me arrependo, as vezes, como qualquer outra pessoa.
O arrependimento faz parte da flexibilidade de ser "humano", com medos, desejos, impulsos, devaneios e a busca, por toda a vida, de justificar o por que de tantas atitudes instintivas em um ser racional.
Me arrependo sim, muitas vezes, com a velocidade da luz, que não alcança a velocidade das minhas emoções.
Mas isso não muda nada. Continuo mergulhando de cabeça nos meus sentimentos passionais, na força que move meu corpo, no ímpeto que acelera meu coração, nos mistérios que instigam minha alma.
A vida precisa ser intensa, deliciosamente exagerada e louca, para ter um sabor especial. Não sei viver de outra forma. Quero muito, tudo ao mesmo tempo, de formas diferentes, e quero agora, mas em um piscar de olhos, desencanto, não quero mais, procuro outro caminho. Não é assim com tudo ou todos, tem coisa que quero muitas vezes, o dia todo, a vida inteira. Tem gente que quero para sempre na minha história.
Mas de um modo geral, no meu mundo reina, junto com a coragem, a justiça, a paixão, a inquietude e a curiosidade, simplesmente a impermanência, que atinge até a própria vida; respeito aquilo que perece, curtindo ao máximo o que tem prazo de validade dentro dos meus dias. Respeito as chegadas e aceito, por que fazem parte do ciclo, as partidas.
O que faz algo importante não é seu tamanho ou sua duração, cada detalhe vai fazendo parte do todo, cada pedrinha se integra ao caminho. Vejo a beleza em coisas miúdas, em breves momentos, no dia a dia. Mas tudo de forma intensa. Numa hipérbole constante. Morro de chorar, me arrebento de rir, enlouqueço de amar, me viro do avesso para ser feliz... meu coração explode ao se arrepender. Mas passa, quase tudo passa.
E sem que a fome de vida que grita em mim seja abalada, continuo com a audácia que me é peculiar, desafiando o mundo, querendo mais, sempre mais, sem abrir mão do direito de ser livre, de ousar, de acertar, de errar, de conjugar meu verbo em todos os possíveis tempos e ventos, e meu verbo é sentir, o arrependimento é só uma probabilidade que não altera meus planos, não modifica meus sonhos e eu não me envergonho de eventualmente sentir.
Ando descalça pelas minhas fobias reais, hipotéticas ou imaginárias. Me recuso a parar a vida e deixar o medo me persuadir a fazer escolhas que não quero. Não estampo meus temores no peito, venço alguns, outros esqueço no fundo de alguma gaveta.
Não julgo, não gosto de ser julgada. Para julgar alguem é preciso ter trilhado sua estrada, conhecer o peso pungente de sua bagagem. Não é retórica intimista, é realidade. Eu posso ter a consciência dos sentimentos de alguém, mas não posso senti-los por este alguém, portanto, não posso sentenciar seus atos. Não prejudico os outros, não roubo e não mato. Qualquer outra teoria sobre condulta pode ser contestável e discutível. Dispenso dogmas.
E me arrependo... choro, entristeço, perco alguma cor no mundo, pago o preço por ser eu mesma, por que a autenticidade é cara, a hipocrisia sempre é mais barata, mas eu não gosto de falsas virtudes.
Quem nunca se arrepende não enfrenta o mundo, ou é hipócrita demais para assumir seus erros.

Janaina Cavallin

ANJOS DE UMA SÓ ASA

Somos anjos de uma só asa. Vemos o céu, queremos o voo, mas só aos pares conseguimos voar.


O amor é parte integrante, essencial e inseparável da nossa vida. Somos talhados com uma espécie de matéria, moldada nas mãos divinas, que demanda sentir se amada para ativar seu brilho.


Não há castelo, tesouro ou vitória que ofereça um sabor completo se estamos sozinhos. A ausência da paixão age de forma inexorável em nossa jornada. A solidão é o porão da alma, lugar escuro e frio onde ninguém quer estar.


"Fundamental é mesmo o amor. É impossível ser feliz sozinho.” (Tom Jobim). Um ensinamento intrínseco em nossa natureza, cada um de nós sente e ama a sua maneira, mas nossos corações são uníssonos a necessidade de amar.
Um olhar, um beijo, um poema, algo inexplicável acelera nossos corações, a magia se instala em nossa alma, estamos prontos para alçar voo, como quem nunca parou de voar.


Não escolhemos nossa metade D'Alma. Ela nos escolhe, nos aprisiona aconchegante em seus braços, vai colorindo o mundo de um jeito nunca visto, preenche nossos sonhos e dá um sabor novo e único a cada um de nossos dias.


Amar é perfeito apesar das imperfeições dos apaixonados, mas visitar as nuvens é preciso sempre, mesmo na ausência de nossa outra asa, quando estamos sós. É preciso descobrir formas diferentes de tirar nossos pés do chão, de amar a sí próprio com força suficiente para levitar, de acreditar que somos capazes e flutuar em nossa auto estima. Tornar se um anjo interessante, pois semelhante atrai semelhante. Quando temos por nós próprios um amor pleno, nossa outra metade percebe a magia inerente que emanamos de longe e não tarda a nos buscar, mesmo que só o Universo a princípio perceba isso, tudo no mundo gira para fortalecer o encontro destes anjos criados com uma asa só.

Janaina Cavallin

BAGAGEM DA VIDA

Vou arrumar as malas para partir
Colocar tudo que realmente importa na bagagem
As lembranças dos momentos inesquecíveis
O prato predileto, o sabor do primeiro beijo
A cor que mais gosto, a lealdade dos verdadeiros amigos
A imagem dos meus pais me guiando, de mãos dadas
A sensação da pele macia do meu grande amor
A melodia que marcou um momento
A letra da música que parece falar da minha vida
A coragem que precisei tantas vezes
As lágrimas que teimaram em marcar minha face
A tristeza da saudade, a alegria dos encontros
Os erros cometidos, para lembrar de não percorrer este mesmo caminho
As conquistas guardadas bem ao lado da humildade
A força que segue junto a doçura
A curiosidade, a cautela, o aconchego dos abraços
O sorriso do meu filho e tudo que aprendi com ele
O fogo das paixões que vivi e sobrevivi
A fortaleza do amor que senti
A beleza real do amor que me foi dado
Os lugares que visitei, os banhos de chuva que tomei, os poemas que li.
Esta tudo na mala....
Talvez esta seja uma das verdades da vida. A única bagagem que realmente importa está sempre conosco. Aquilo que move nossos sonhos, faz acelerar nosso coração e impulsiona a prosseguir...

Eu sou tudo que vivi...

Janaina Cavallin

UMA NOITE DE INSÔNIA

Uma noite de insônia é uma noite de descobertas...e recordações...


Estou chegando a conclusão que Hypnos, Deus do sono na mitologia grega, está de férias e não deixou ninguém no seu lugar. As noites chegam, mas o sono tem passado longe daqui.
"Quando o sono foge, para onde ele vai?" (Blog da Lidiane)
Seja onde for, esteja o sono onde estiver, a ausência dele tem me afetado muito. Volta Hypnos!!!


E assim, o tempo que é escasso durante o dia torna-se abundante na madrugada, mas as opções de entretenimento não são proporcionais. A mente começa a vagar por lugares eventualmente inóspitos...


Após total exaustão dos carneirinhos, parei de contar. Liguei a tv e descobri que apesar de trocentos canais ofertados por singela quantia na TV a cabo, nesta hora, não há absolutamente um programa que preste.


Na janelinha virtual, os intrépidos parceiros virtuais estão off. Aquela cor que não causa empatia envolve cada nome simpático do MSN. Os face's friends estão sonhando ou cuidando de sua própria insônia. Descobri que insônia não é algo que as pessoas dividam.


Assim, a opção era o mar colorido da web. Naveguei por sites que revelam poetas, artistas, loucos. Estes últimos são os mais engraçados!
Descobri que tem gente muito boa na arte de combinar palavrinhas, textos encantadores, autores desconhecidos.
Descobri que há autores famosos que escrevem coisas que deveriam ir direto para privada. E saibam que esta foi uma forma sutil de escrever o que deveriam fazer com suas palavrinhas.

Descobri que tenho livros na estante que não foram lidos. Isso será resolvido a partir de agora.
Caminhei pela casa e a descoberta da noite: trufas inexplicávelmente esquecidas no armário. A insônia envia Limos (Deus da fome) para acampar aqui durante a madrugada. Devorei as trufas com um prazer devasso.

Pensamento não descansa. Entre uma descoberta e outra, de repente surgiu na mente uma recordação do passado. Assim, sem mais nem menos, uma figura apareceu. Uma garota que estudou comigo há muitos anos. E ponha muitos nisso. Naquela época era linda, popular, destemida. Sabe aquela amiga que você admira? parecia estar um passo a frente do tempo e das regras. Onde ela estará? O tempo é generoso com algumas pessoas, cruel com outras e pode transformar qualidades em tormentos, defeitos em encantos. Como o tempo agiu com ela? Eramos amigas e nem faço idéia dos amores que ela viveu, das conquistas, das derrotas, das vezes que precisou de um apoio ou um puxão de orelha. Ela queria desbravar o mundo. Quantos mundos ela conquistou? Pensei nos mundos e lembrei de uma professora do ginásio que abriu algumas portas do mundo para mim. Filomena, doce, olhos claros, estimulava toda manisfetação de arte, principalmente a literatura. Pelas mãos dela um poema meu pela primeira vez se tornou público. Por onde anda Filomena...

E no auge das recordações e descobertas, percebo que já escrevi muito... daqui a pouco começo a escrever a letra da música que me veio a cabeça... "Fui passear na roça, encontrei, Madalena..." alusão feita indiretamente por Filomena, acho eu!

Acordada, porém, feliz e cantando, fico por aqui, por enquanto!

Hypnos, volta!!!!

Janaina Cavallin

MONTANHA RUSSA

Acordei com a mente num carrinho de montanha russa. O tico grita, o Teco se desespera, os outros neurônios empalidecem. Muitas informações, novos conceitos e a conclusão de que tem coisa que realmente amo e outras que amo odiar! E diversas que ainda não formulei valores ou que simplesmente desconheço.

Música por exemplo. Música é a expressão da alma, o reflexo dos sentidos, a manifestação pura das emoções. A música é um espelho do que estou sentindo... Meu ecleticismo é oriundo das tempestades do meu coração!!!
O meu humor define a trilha sonora do dia.

Amo música, navego na net ouvindo música, cozinho com o som nas alturas, até no banho o som tá ligado.

Estou escrevendo ao som de black Label Society...adorooooo.

E também ouvindo música, dou aquela espiada na vida: um pouco pela janela de casa, para ver se o sol está brilhando, se o dia está convidando a uma caminhada ou se a garoa fina chama para o sofá. As vezes espio a vida pela janela virtual, que se abre para tantos mundos. É encostada no parapeito dela que escrevo minhas palavrinhas.

E da janela percebi como tem gente que se acha, e definitivamente não se encontra.
Aquele tipo incapaz de perceber como somos, no âmago, absolutamente iguais. Precisamos, todos, respirar, comer, dormir, esvaziar a bexiga e o intestino... nos faz bem amar, ser amados, ter teto, conforto, nos sentir incluídos no contexto social, sorrir, flertar, sonhar. Precisamos da água da chuva, água para o banho, água para matar a sede. Sentimos dor, solidão, medo, tristeza, felicidade, saudade. Todos, absolutamente todos.

E tem alguém que acha que pode ser melhor que eu? que nós? Por que?
Dinheiro, posição, beleza, popularidade, fama, enfim...pode apontar qualquer motivo que lhe digo que não somos melhores ou piores uns dos outros, somos somente diferentes!

E ninguém deveria fugir do que é diferente, é uma chance de aprender, conhecer, se reciclar.

Tem muita gente nas janelinhas da nossa vida que precisam encontrar a essencia real dos seres humanos nas mais diversas cores que se apresentam, na gama de idéias e bagagens que cada um de nós possui. Despidos de preconceitos, de rótulos e de sermões...

Amo odiar preconceito. Amo odiar qualquer idéia pré-concebida, qualquer teoria separatista e qualquer frase que afirme que um mortal possa ser melhor que outro.

Amo a vida, mesmo os dias em preto e branco, amo ser eu mesma e amo as pessoas que me aceitam assim, sem querer mudar, julgar ou "fugir". Mas para estas ultimas, amo dizer o que elas tem mais que eu. Elas tem mais é que se f....

O resto é deixar correr a viagem... leve, livre e boa, como sempre.

Sou intrépida, não aprendi ousadia com covardes e não são eles que vão me tirar. Continuo audaz o suficiente para arcar com as dores e as delícias de ser eu mesma.

Como a música da maravilhosa Ana Carolina, "não mudo minha postura só para te agradar"... mas posso mudar, de acordo com as experiências da minha vida... por que " não tenho vergonha de mudar de opinião, por que não tenho vergonha de pensar" Pascal.

É isso, agora vou aproveitar as curvas da montanha russa, altos e baixos com friozinho na barriga.

Janaina Cavallin

Qual sua fuga para afugentar os fantasmas que constroem teus medos?

O ser humano vive a busca constante pela felicidade, pelo êxtase, pelo estado mental e corporal onde todos os sentidos sejam contemplados.
Mas a estrada chamada felicidade tem muitos obstáculos. Não é fácil simplesmente acordar, olhar ao redor e dizer ao mundo que se sente pleno. A totalidade do ser caminha rumo aos desvios constantemente. A estrada é sinuosa; nem toda curva sinaliza que logo ali em frente há um buraco chamado tristeza que vai te obrigar a mudar os mapas da jornada.

A questão é escapar da consternação, sem que isso afete o trajeto, o tempo ou a velocidade dos passos na caminhada. Esta fuga é conhecida como válvula de escape. Todos, absolutamente todos tem subterfúgios para suportar o caminho, é isso que faz renovar a esperança diante de cada dificuldade que surge.

Mas as fugas, assim como as dificuldades, não são sempre as mesmas. O que hoje te acalenta, amanhã pode ter perdido seu valor balsâmico.
E cada dia nublado, uma forma de ver o sol é descoberta, ainda que inconscientemente.

E se os fantasmas se afastam, aquela fuga é adicionada a bagagem e o conforto desta é absorvido durante o percurso.

Muitas vezes a fuga é tão somente isso, comer um chocolate para que o sabor do cacau possa retroceder a tristeza, flertar como se um olhar cativante tivesse o poder de repelir a melancolia.

Eu também tenho minhas fugas. Medos e fantasmas que teimam em escurecer minha estrada. Tenho flertado com sombras e encarado mistérios, como se estivesse apaixonada; mas na verdade só quero fugir do que me rouba lágrimas, descobrir um abrigo onde os fantasmas não me alcancem.

Janaina Cavallin

REJEIÇÃO

A rejeição é uma dor imensa, invade o corpo, a alma, a vida e vai delimitando passos e definindo rumos. Se não houver uma reação positiva, esta experiência dolorosa toma conta do futuro, de todos os planos.

Estudos revelam que a dor é literal, sensorialmente dolorosa, como uma queimadura por exemplo. O que permite falar que a rejeição arde, dói e incomoda!. Além disso, outras pesquisas relatam que curar se de uma rejeição é como se livrar de um vício. E sejamos justos, se fosse fácil escapar, não se chamava vício. E a ajuda para superar esta fase? Boa pergunta.
Imagine que existem centenas de clínicas para reabilitação de dependentes químicos, mas nenhuma para a reabilitação de quem levou um fora.

As pessoas só fazem com a gente o que deixamos que façam. Não gosto de regras, mas esta frase anterior é um paradigma em minha vida. É claro que não podemos decidir as ações alheias. Estar conosco é uma escolha que cabe a cada um que cruza nosso caminho e é, de forma tácita ou não, convidado a permanecer nele. Uma vez que este alguém decidiu trilhar outra estrada sem você, e não antes de você persistir até a linha onde termina a tentativa e começa a humilhação, se faz necessário entender e aceitar que a história ganhou um ponto final involuntário. Mas a sua história pessoal continua, e como enfrentar a situação é que vai fazer toda a diferença.

Todo mundo tem o direito de escolher, assim como você, mas não é a escolha do outro que define quem você é. "Ele não me quis, sou um lixo" se fossemos determinar nossa existência pelos outros, estaríamos fadados a uma falácia afetiva sem fim. A auto-estima não pode ser abalada por uma rejeição, obviamente, ela é o calcanhar de Áquiles dos apaixonados. Assim, merece nossa atenção especial quando nos sentimos rejeitados.
Não há receita pronta e generalizada para as dores de amores, e nem é a pretensão deste singelo Blog indica-lá. Me basta alertar que é necessário socorrer seu ego após uma ruptura amorosa indesejada. Sabe aquela afirmação "sou mais eu", exatamente esta deve entoar no seu consciente, acreditando no seu próprio valor e lembrando que todo mundo, todo mundo mesmo, já levou o pé na região glútea pelo menos uma vez na vida.

A gente escolhe tudo por afinidade, comida, roupa, carro... mas paixão já é bem mais complicado. Difícil dizer com precisão o motivo pelo qual nos apaixonamos por esta ou por aquela pessoa. Portanto, não escolhemos de forma racional, a rejeição ocorre da mesma forma. Não houve uma escolha baseada em argumentos sólidos, mas um que sem fórmula que esfriou, as vezes nem chegou a esquentar, a relação.

Viva, solte-se, acredite que vai acontecer de novo, seja paixão, amor, atração. Um não te quis e foi embora. Outro esta procurando por você.
A vida gira, e nada é igual ao segundo passado. Perfeito, a palavra chave: PASSADO; passou, começa a viver o hoje se dando mais valor e amanhã, talvez, apareça alguém bem mais interessante.

Dance, cante, grite, escreva, leia, crie um blog, faça novos amigos, de um trato no visual, experimente novas comidas. Mas em nenhuma hipótese sinta se menos ou deixe de cuidar de você. Em algum ponto da estrada você vai olhar para trás e enxergar que tudo passou, por que isso posso afirmar, tudo passa!

Eu sou mais eu!!!!

Janaina Cavallin

Janela Triste

Percebo a tristeza me olhando pela janela
Espreitando minhas fraquezas
Aguardando o momento do golpe pusilânime

Me olha com soberba
Mostra que sabe mais de mim do que eu
E que eu errei ao abrir a janela
Em acreditar no jardim que há lá fora
Além das paredes do meu próprio mundo

O olhar pungente na janela
Invade a esperança que ainda guardo em mim
Que antes pura, nua
Olhava um meio de fugir do mundo
Acreditou no afago, no flerte
E no âmago agora minha alma chora

A tristeza continua lá, espiando
Só um momento, um único deslize
E ela tomará conta do meu dia
Transfomará minha janela em uma porta para o limbo
E como um salteador, vai roubar meus sonhos
Levar minha boa fé e me deixar triste

É melhor fechar a janela por um tempo
Deixar passar o tormento
Fingir que o jardim jamais foi real
Quando a tristeza se cansar e for embora
O discernimento pode ter acordado
Então serei mais prudente ao abrir a janela
E terei mais critério ao me mostrar ao mundo

Janaina Cavallin

JEITO DE SER

Uma coisa é fato, ninguém nunca agrada a gregos e troianos. Mas o povo tenta...ah tenta..muitas vezes deixando de ser o que realmente é. E ai é que mora o perigo, deixar de agradar a sí mesmo. Perder a referência, o compasso da própria vida.


O pragmatismo que visa a harmonia social nos impurra a viver dentro de limites, que rotulam as pessoas e semeia na sociedade o jeito certo, o jeito "igual" de ser. Assim, tudo que é diferente ou que simplesmente, as vezes, não respeita estes limites pré-determinados, está errado.

As pessoas não gostam do desconhecido, recuam frente ao diferente e pré-julgam aqueles que fazem escolhas diferentes da sua.

Para sermos todos iguais? E se fossemos? Seria uma chatice !!!!!!!!!!!!!

A coisa mais pura que alguém pode ter é seu jeito de ser, é isso que te faz único, singular.
É pelo jeito que conhecemos alguém, é pelo jeito que nos apaixonamos!!!

Eu sou, simplesmente, eu mesma. Adoro rir alto quando estou feliz, cantar pela casa para alegrar o meu dia, chorar se a triztesa me alcança, andar de meia e roupão depois do banho.
Ver que sou guerreira quando preciso, e absolutamente frágil quando quero um colinho. Assisitir filme romântico comendo chocolate, ah, muito chocolate. fazer piada de quase tudo, mas saber o que é preciso levar a sério.
Ser clara, franca, jamais ficar em cima do muro; a queda lá de cima é muita alta. Ficar brava de vez em quando, ai, tem horas que viro uma fera! Mas depois passa, me acalmo, dou risada do que passou. É a melhor função do passado, fazer rir. Não sou do tipo que passa horas amargurada por ter feito algo desta ou daquela maneira, penso apenas que fiz o melhor que pudia naquele momento. Mudo de opinião, de preferência, de roupa, mudava de amores. Agora já tenho minha tampa, de amor, não mudo mais. Mas paixão é diferente de amor, continuo me apaixonando, por coisas, por momentos, por pessoas. E como todas as mulheres, apaixonada sou patética!
Adoro caminhar no parque, ver o dia nascer para depois ir dormir, acordar de madrugada para amar e comer, nada dá mais fome que o amor. Adoro dançar, mesmo que seja no meio da sala, sozinha! Assistir televisão em um dia chuvoso, quebrar algumas regras, viajar.
Brincar com meu filho, que me ensina sempre. Chegar em casa cansada e desabar na cama de roupa e tudo.
Sou doidinha, como os amigos falam. Só assim posso dizer que sou autêntica, ah, e falo tudo que penso...as vezes me arrebento por isso.
Um olhar pode me estremecer, um poema pode me emocionar, um sentimento pode mudar o caminho, e corro riscos, muitas vezes, quando estes valem a pena.
E claro...como diz a música " compro aparelhos que eu não sei usar..." kkkkk

É só não esquecer que seu direito termina onde começa o do próximo, e seja feliz sendo você mesmo.

Janaina Cavallin

BEIJO NO QUEIXO

Todo mundo concorda (os apaixonados pelo menos) que beijar é absolutamente uma delícia, um prazer que atinge os sentidos e o espírito. Beijo apaixonado, beijo molhado, beijo roubado, selinho...não importa...muitas vezes o beijo acontece antes das bocas se tocarem, na troca de olhares, no desejo.

O kama Sutra apresenta mais de 30 tipos de beijos, que você pode conferir no site Toca da Coruja, com uma descrição deles, mas aqui, me limito a divagar sobre a delícia de beijar.

Até por que "manual de beijo" não faz muito a minha cabeça. Em tudo que se refere a atração, paixão, tesão, desejo, é melhor deixar rolar do que ensaiar, sem roteiro, só os corpos se falando, bocas se desejando e deixa ver onde vai dar.

Ontem ouvi em um programa de tv que o beijo da mulher é proporcional a seu bom humor. Opa, se isso é verdade, as alegres que se manifestem !! O bom humor realmente contribuí favoravelmente em tudo. É bom estar ao lado de quem esta de bem com a vida e transmite isso, de quem nos faz rir.
É claro que uma atitude positivista que visa a comédia e o bom humor como premissas de vida, vai contribuir no beijo também, aliás, momento oportuno para dizer que sou muito, muito bem humorada !!!! (teclando e rindo).

O beijo movimenta 29 músculos da face e desta forma, ajuda a prevenir rugas, e vale lembrar a lei de Lamarck, " se não usa, atrofia", quanto mais beijar, mais tonificada ficará sua pele e mais fortalecidos ficarão os seus músculos faciais.

Beijar relaxa, diminui o stress e ainda pode queimar calorias!!! Tá de regime? perfeito. Não está? Sem problemas, beijar também contribuí para maior produção de saliva, o que reduz o risco de cáries, e ainda mexe com os sentidos paladar e tato, agora imagine, os lábios são duzentas vezes mais sensíveis que os dedos! Durante o beijo, os corpos produzem substâncias muitas vezes mais poderosas do que a morfina em termos de efeito narcótico, ou seja, um único beijo pode levar ao êxtase.

Ual, deu até vontade beijar!!!!

Para terminar, vai um versinho antigo, sintam-se, todos beijados!

Beijo na testa é respeito, beijo no rosto é carinho, beijo no queixo é vontade de subir mais um pouquinho!

Janaina Cavallin

FEROZ E INSANO DESEJO

Feroz e insano desejo
Loucura solta que invade minha alma e
Sagaz descobre os caminhos em mim
Se prende no peito num ardor sem fim

Tuas mãos que percorrem meu corpo
Um arrepio nú quando tua boca me toca
O amor que se esquece das horas e
É dia, noite, não quer ir embora

Um olhar declama paixão, sem palavras
Não fazemos promessas, juras ou planos
Seguimos amantes, sem culpas ou danos
Seremos amigos no melhor dos enganos

Cúmplices, loucos e apaixonados
Pelo momento que o destino define
Se for somente por uma brisa, que seja
Sem tratos, só feroz e insano desejo

Janaina Cavallin

ENTENDE DE ARTE??

Me perguntaram se eu entendo de arte... entender? não, não entendo; o significado da arte na minha vida é idiossincrática.

Eu gosto de ver e de sentir arte, de perceber arte onde ninguém mais vê, olhar as cores, me perder nos traços, captar a emoção que um quadro pode me passar. Não sei as fases de Picasso ou Renoir. A diferença entre o impressionismo e o modernismo definitivamente não tem muita importância para mim.

Eu simplesmente me encanto das tantas faces da arte, uma dança, o cinema, uma fotográfia, uma pintura, uma poesia, enfim, tantas outras.
Mas não sou capaz de avaliar a técnica do pintor nem tão pouco se o "sfumato" de Monaliza lhe atribui ainda mais valor.
Não é a fama do artista, nem a raridade da obra, ou ainda o intelecto de seus fãs que me levam a gostar de arte, mas a sensibilidade do artista supera suas habilidades, e é isso que me encanta.

As histórias que estão na bagagem, os por ques que não ficam explícitos, a cor invisivel de todas as obras de arte.

Posso olhar encantada para um boneco de madeira feito na feira por um sertanejo do norte do pais com a mesma admiração e respeito que olho a escultura de "David" de Michelangelo; cada qual com seu valor em contextos diferenciados.

É, não entendo de arte, mas não preciso entender para gostar! E gosto muito!

Janaina Cavallin

PERMITO ME MUDAR DE OPINIÃO

A vida é uma sequência de mudanças. Mudamos de opinião, de casa, de emprego, de visual. Mudamos o objeto de desejo, mudamos as coisas de lugar.
Mudar é bom, mas nem sempre é fácil. Mudar, transformar, fazer diferente ainda que façamos a mesma coisa novamente. Movimento. E o que mais muda em um segundo? o pensamento. O pensar é um constante mudar, um movimento permanente.
Assim, não posso anteceder sobre o que vou querer falar e só defino o seguinte: por aqui estará sempre hasteada a bandeira da liberdade, e a única coisa vitalícia é a permissão para falar e divagar sobre tudo.

Janaina Cavallin

Acho que sou exagerada em tudo na minha vida, das dores aos amores, vivo de forma intensa, livre, autêntica e principalmente, de forma simples e direta, me enjoo com a mesma velocidade com que me encanto. Gosta de mim? ótimo. Se não, pega a senha e entra na fila. Aliás, a fila anda!

Janaina Cavallin