Eu sou meiga porra

Encontrados 10 pensamentos de Eu sou meiga porra

É verdade que eu já terminei relacionamentos por achar que merecia mais, e de fato merecia. Não é prepotência, longe de mim. Só que quando você sabe que vale muito, você passa a não se contentar com pouco entende ? A menos, claro, quando você tá burra, idiota e cega de amor, o que é um caso à parte. Ás vezes tenho curiosidade de saber como as coisas teriam sido, mas acho que relacionamento antigo é uma coisa que não se revive sabe ? Dificilmente dá certo! É muito bonito em novela, mas quando você volta com um ex você se lembra claramente e a todo segundo o porquê de vocês terem terminado. Obviamente eu não quero alguém perfeito, me dá tédio só de pensar em alguém fazendo tudo certo sempre. Aprendi a conviver com as diferenças e até admirá-las. Mas, definitivamente, não aceito ter metade de alguém, ser meio amada, sobreviver de migalhas num relacionamento falido ou fadado a falência. Aliás, não quero ter nem ser de ninguém. Quero algo além desse sentimento de posse, quero a entrega todo dia, por vontade própria. Sem contratos de amor eterno. Que o meu alguém tenha mil defeitos, seja o oposto de todas as minhas idealizações, mas que me ame com o coração e a alma, me respeite, cuide de mim, me proteja. Sem sufocações, sem pressões, um amor leve e sem cobranças. Que a gente não criasse vínculos de dependência, mas que o nosso vício fosse nós. E que seja eterno leve enquanto dure.

Eu sou meiga porra

Você tá vindo de cavalo ou a pé ? Perdoe minha pressa, mas é que esses sapos e umas bruxas têm me frustrado um pouco, e eu não queria que quando você finalmente chegasse, eu fosse menos. Já me explico. Ser menos, quando se é muito como eu, dói, entende? Me diminuir vai deixar cicatrizes, eu não queria ser uma princesa marcada, viver um amor restringido. Acredita que eles acham que eu devo esperar o pior das pessoas sempre, sonhar menos, amar menos, sentir menos ? Querem definitivamente me minimizar, logo eu meu amor. Eu digo pra eles que você me ama assim, intensa. E que você admira meu dom de acreditar nas pessoas apesar dos pesares, de sonhar apesar das quedas, de sentir tudo e amar tanto. Eles não acreditam em mim, não aceitam que eu seja um ponto de cor nesse castelo preto e branco. Eles riem e dizem que isso não é um dom, é muita ingenuidade, e que um dia vai ser fatal. Duvidam também da sua chegada, que absurdo. Querem me empurrar pra esses sapos e me fazer acreditar que vai ser isso ou nada. Mas nessa hora, eles que me fazem rir ! Eu sinto quem você virá todos os dias, mas eles, coitados, não entendem essas coisas de sentir. Querido, pode vir sem cavalo, sem flores, sem medo. Apenas venha. Com seus defeitos e amor, mas venha depressa. Então é isso, só tô te escrevendo pra você se apressar um pouco, ser sozinha por aqui é uma luta diária. Aguardo-te ansiosa. Com amor, seu amor.

Eu sou meiga porra

Tô com o estômago embrulhado até agora. E com um nó chato na garganta. Engoli tantas coisas que fui com a certeza de te dizer. Queria falar sobre nós, sobre como eu preciso me sentir valorizada e como você não supre essa necessidade. Queria falar que te amo, que não vou suportar te perder e que aquele silêncio tava me esmagando. Mal conseguia respirar, falar era esforço demais. Passei o tempo todo na defensiva. Só fiquei te abraçando apertado e sentindo seu cheiro, pra ficar na memória sabe, eternizar. Amo seu cheiro. Queria ouvir você pedindo pra eu ficar, que me escolhe, me ama, que me assume pro mundo. Sempre quis tão pouco e recebi menos ainda. Você ainda não tava acreditando, mas em mim tava doendo tanto aquele momento, porque eu sabia que era o fim, eu já tinha decidido. Assim eu não quero, brincar de amor já me cansou. ‘Idiota’, era só isso que eu conseguia pronunciar. Mil vezes idiota, não acredito que você tá me perdendo assim. “Olha pra mim, você tá chorando ?”, ah meu bem, você não imagina o quanto isso tem sido normal pra mim, chorar por você. Não te olhei, te bati, te odiei. “Eu não mereço isso, eu não preciso disso”, acho que minhas palavras foram poucas, porém bem escolhidas. Fui embora e levei comigo a promessa de que seríamos amigos sempre. Deixei um pedaço de mim contigo também, um pedaço lindo. Tô recolhendo meu pino do tabuleiro, já fui a falência nesse jogo faz tempo. Só volto se for pra jogar Nós, Eu e Você já deu.

Eu sou meiga porra

Não vejo a hora desse ano terminar. Ano novo sempre me traz aquela velha expectativa de vida nova ! Mudo o visual, maquio os arranhões e tô, por um momento, nova em folha. Como eu gosto dessa sensação... Não sei bem se isso é uma qualidade ou defeito, mas sempre fui de pensar a longo prazo, sabe ? A gente tá no meio do ano e eu já tô pensando no ano que vem; se eu sei que uma coisa não tem futuro, eu nem começo. Agora, se o mundo acha que não vai pra frente, mas eu penso que sim, eu embarco sem pensar duas vezes. E permaneço a bordo até quando minha fé me acompanhar. Ás vezes o barco tá furado, mas eu enlouqueceria se fosse contra os meus instintos. Também sou dessas, teimosa. Tenho minha vida toda planejada, meus dias, minhas horas, meus minutos. Sempre me agonia quando as coisas saem dos trilhos. Acho que isso assusta um pouco, até compreendo. Por exemplo, se eu começo a namorar um cara é porque eu vejo possibilidade de constituir uma família com ele, imagino que teríamos um bom futuro, que ele daria um bom pai. Mas veja bem, não tô pedindo ninguém em casamento, só acho que se um dia acontecesse, ia ter grande probabilidade de dar certo. Viu, não sou tão louca assim. Só não gosto dessa incerteza de não saber como vai ser amanhã. Mesmo que eu não saiba, gosto de pensar que sei, pelo menos um pouco. Gosto de mudanças, mas quando eu decido que as coisas precisam mudar ! Tá me entendendo ? Talvez eu só precise de terapia. Ou um amor.

Eu sou meiga porra

Queria que você entendesse que eu nunca quis cortar suas asas, só queria voar do seu lado. Que você não me visse como nenhum tipo de ameaça, eu seria incapaz de te causar qualquer mal. Mas se você acha o céu pequeno pra nós dois, prefere esse vôo solitário, o que eu posso fazer né ? É uma decisão que não cabe só a mim. Aliás, terminar ia ser uma atitude egoísta da minha parte, decidir assim por nós dois, isso é uma coisa que também não cabe só a mim. Mas ia ser justo eu ser um pouco egoísta, já que você foi durante toda a nossa relação. Mas sabe o que eu não quero ? Daqui a um tempo olhar pra trás e ficar me perguntando como teria sido, essa tortura do E Se eu não quero mesmo. Dói com você, dói sem você, não tenho visto muita diferença. O tempo que eu vou levar pra superar nosso fim pode ser o tempo que levaria pro fim acontecer sem dor, caso continuarmos juntos. Quem sabe ? Então que a gente termine tão naturalmente quanto começou. Não vou mais forçar esse fim, dói tanto, e quer saber ? Não quero mais dor, essa é a minha escolha ! Não escolho você, nós, o fim, o começo.. escolho a não-dor e o que ela trouxer junto. Quando der, a gente se vê, quando não, não vou mais me importar. Hoje eu tô afim de voar também, bem alto. Então faz assim, entra e fica a vontade, mas deixa a porta aberta.

Eu sou meiga porra

Veja bem, nunca fui de me apegar, me apaixonar, essas coisas. Na verdade, só me aconteceu duas vezes. Eu enjôo das pessoas, simples assim. Nunca levantei a bandeira do apego á liberdade, mas simplesmente não consigo me prender com facilidade. Penso que, sendo assim, a falha não é minha. Se eu tô aqui, disposta a entrar numa relação, não posso também me fixar nela, não é uma função minha. Olha, eu me encaixo nas suas leis, a gente pode ir com calma ou depressa, com carinho ou mais frio, com exposição ou discreto. Essa é minha parte, depende de você conservar o frio na barriga, o pensamento monopolizado, a vontade de continuar sendo nós, entende ? E não pense que sua parte é mais difícil, porque me modelar, ir abafando os sentimentos pra não assustar não é nada fácil. Faça o que fizer, não me deixa enjoar ! Eu enjôo de biscoito recheado, de Nescau, de bolinho, mas de uma pessoa, de uma história... não me deixa sentir isso, não mais. Se eu tô com alguém, com certeza não é porque eu gosto mais ou menos dela. Então não me venha com nada incompleto também. Afinal, quando se trata de amor não existe meio termo, e menos que isso não me interessa.

Eu sou meiga porra

Eu admiro tanto isso, você sempre tão focado nas suas prioridades, tão determinado. E eu aqui, tão focada em você. Prioridade nem sempre a gente escolhe, né ? Pensando bem, nisso a gente se parece, minha determinação também não é pouca. Muita gente no meu lugar já teria desistido. Mas sabe, acho que não é nem vontade que me falta, é força. Sabe quando você para pra pensar numa pessoa, e não entende como ela não fazia parte de você desse jeito antes ? E começa achar tudo que não envolve ela perda de tempo, seu passado perda de tempo. E não é mais a dona da própria casa, sem nem perceber, foi virando visita. Só que, aí é que mora o problema, ele também é só visita. E a casa fica assim, ás vezes tão vazia e precisando de vida, sabe ? Mas quando os dois resolvem visitar juntos, é como se não houvesse mundo do outro lado da porta. Então me diz, como eu posso trocar a fechadura, e acabar com os dias mais felizes que se tem por lá ? Como eu consigo essa coragem ? Se um dia você resolver se mudar, tudo bem, deixa as chaves no correio e me guarda no peito como eu guardo você. Mas nunca se esqueça: a casa é sempre sua.

Eu sou meiga porra

Sabe o que acontece ? É que quando você conhece o verdadeiro valor do amor, você sabe que não vale a pena sair desperdiçando com qualquer pessoa. Ser solteira deixa de ser uma opção, vira a única saída. Ficar se gastando com quem é pequeno é tão cansativo. E ter que ficar ensinando o que é amor, respeito, cumplicidade... quero aprender, pra variar um pouco. Quero ser a pessoa que erra, não a que perdoa, sabe ? Pelo menos por um momento. Quero um colo, um conselho, um amor-amigo. Não quero ser mãe de ninguém, nem namorada-e-só. Quero contar o meu dia, falar do meu passado e do meu futuro sem ter que me policiar, sem dogmas, sem receios, sair falando sem parar. Quero olhar nos olhos e me sentir compreendida, sem precisar ficar me explicando sempre. Ás vezes me sinto uma criança brincando de ser adulta. Eu quero ser a criança brincando de ser criança. Não conseguir o que eu quero e chorar, ficar perguntando o porque das coisas. Quero isso, alguém que me deixe ser pequena, sem nunca esquecer o quanto eu sou grande. Não sou professora de sentimentos, UTI de corações partidos, dona da verdade. Sou só a criança, percebe ? Só a criança.

Eu sou meiga porra

Eu nunca planejei um futuro com ele. Nunca acreditei que daríamos certo ou seríamos oficialmente um casal. Também nunca quis nada disso. Não por não gostar dele, mas por gostar diferente. Por gostar dele leve, sem essa areia movediça de compromisso, esse laço que quando você percebe, já virou nó. Que afasta as pessoas, ao invés de unir. Eu gosto dele assim, me fazendo feliz, me fazendo rir, me fazendo ver que é possível ser de alguém sem se perder. E que eu posso ir embora e voltar, sem dor. Eu sabia que eu era dele, desde o primeiro momento em que o vi. Sabia que, de alguma forma, estávamos conectados. Não pra sempre em questão de tempo, mas pra sempre na história um do outro. E eu tava certa. Ele entrou na minha vida só pra me curar. Pra me ensinar, gostar de mim, aprender. Ele podia ser um futuro namorado, um futuro cafajeste, um rolo sem importância. Mas não, ele é mais que isso, tava destinado assim, antes da gente se conhecer. Ele é quase um anjo, alguma coisa bonita assim, minha paz com hora marcada.

Eu sou meiga porra

“Mas a lição que eu aprendi é que não vale a pena consertar um carro pela décima vez. É mais fácil comprar um novo e fim de papo. Afinal, eu bem que tentei consertar meu relacionamento com algumas pessoas e só ganhei mais e mais poses e menos e menos verdades. Ainda que doa deixar pessoas morrerem, se agarrar a elas é viver mal assombrado.”

Eu sou meiga porra