Erica Gaião

1 - 25 do total de 156 pensamentos de Erica Gaião

É que a vida tem um jeito estranho de dizer suas entrelinhas. Algumas coisas são ditas dentro das mesmas circunstâncias, entre os momentos que mudam e os fatos que se alteram, e tudo continua no mesmo lugar.

É que a vida tem um jeito estranho de revelar a realidade. Àquela que existe no intervalo entre o que se quer e o que se tem, mas quando se está nela, não é uma coisa nem outra, e sim um fragmento da ilusão.

É que a vida tem um jeito estranho de contar certas verdades. Algumas são contadas de um modo, ouvidas de outro e, ao final de tudo, não passam de invenção dos sentidos.

É que a vida tem um jeito estranho de apontar novos caminhos. Alguns têm atalhos que mudam a direção, se distanciam do ponto de partida, e voltam para o mesmo lugar.

É que a vida tem um jeito estranho de fazer perceber suas incertezas. Algumas vezes o presente é uma certeza absoluta, mas no intervalo entre o agora e o daqui a pouco, tudo muda, e a mesma certeza se transforma em um pequeno detalhe pertencente ao passado. E o amanhã nem chegou ainda…

É que a vida tem um jeito estranho de explicar os sentimentos. Muitas vezes os que ocupam os espaços de afeto do lado de dentro, não são os mesmos experimentados do lado de fora.

É que a vida tem um jeito estranho de fazer compreender o que é a felicidade. Alguns a perseguem durante uma vida inteira e não a encontram; outros sequer se preocupam com ela, e são em si a sua mais pura expressão.

É que a vida tem um jeito estranho de ensinar o significado de ausência. Como entendê-la se ao fechar os olhos vem logo ao encontro a presença?

É muito estranho esse jeito que a vida tem de dizer certas coisas…

Talvez, nesse jeito tão estranho de dizer, resida toda a sua poesia!

Erica Gaião

Embora algumas pessoas ainda sejam medrosas demais para amar profundamente… Com o tempo a gente aprende que para amar de verdade é preciso coragem. Coragem para correr os riscos, que são muitos. Risco de não ser correspondido; risco de se decepcionar; risco de se perder em meio ao vazio da solidão; risco da entrega absoluta e da recíproca não ser verdadeira… Mas para viver é preciso experimentar e para experimentar é preciso arriscar; e a vida, assim como o amor, é um risco necessário ao espírito. A vida sem amor é vazia, insossa, sem aquele tempero gostoso da alegria, da esperança, da troca, do desejo incontrolável. Enrijece a alma, endurece o coração, dá passagem ao mau humor e à intolerância.

Ter coragem para amar é, sobretudo, ter generosidade para doar e humildade para saber receber. É saber pedir perdão quando erra e, mais importante, tentar não errar com freqüência para não ter que pedir perdão a todo instante.

Ter coragem para amar é saber que o tempo não volta, mas que é possível voltar no tempo da consciência para resgatar o que é bom, olhando para o hoje com a esperança de começar tudo de novo, sem temer o futuro.

Ter coragem para amar é assumir que ama, sem se preocupar com opiniões e conveniências. A opinião é apenas um juízo que os outros têm com relação a você; e o que é conveniente nem sempre é bom… É melhor não perder tempo com as opiniões e nem com as conveniências porque elas atrasam a nossa caminhada…

Ter coragem para amar é confessar os erros, sem medo que eles possam ser maiores que os acertos, porque certamente não o são. É ver no outro um pedaço de si mesmo, sem perder a essência individual. A essência individual é o que nos torna pessoas repletas de luz, prontas para iluminar o ser amado e não sombras, que vivem à margem, buscando o caminho do outro para não perdê-lo.

Ter coragem para amar é abrir o caminho, retirando as pedras, plantando belas flores, construindo grandes pontes e não gigantescos muros de clausura. É se perguntar ao fim de cada dia o que fez de bom pelo outro, sem esperar nada em troca. As pessoas são diferentes…

É preciso ter coragem para amar e não ser negligente, intolerante, possessivo, egocêntrico. Estes são os adjetivos dos covardes… A coragem de quem ama está na sua capacidade de não negligenciar; de saber ver o outro e redescobri-lo a cada novo instante, com aquele olhar de admiração e o leve sorriso nos lábios, como se fosse a primeira vez; de entender que para amar não é preciso se acorrentar a alguém e carregar sua alma acorrentada pelo resto da vida. É saber ver o outro como a uma grande companhia e, com a alegria de uma alma feliz, querer dividir o seu tempo, os seus gostos… Saber que a vida é muito simples e que amar é mais simples ainda, bastando apenas uma predisposição do espírito, e para isso só é preciso ter coragem…

Erica Gaião

Sempre há tempo, mesmo quando você acha que não há mais tempo… Há tempo para entender que a felicidade não está nas coisas que possui, e que ninguém é capaz de trazê-la até você. A felicidade é um estado do espírito que reflete toda a alegria contida na sua alma.

Há tempo para aprender que pedir perdão a alguém não é sinal de fraqueza; é um gesto nobre de quem sabe olhar para si e reconhecer os seus erros; e que os fracos são aqueles que não sabem pedir perdão, porque não admitem os seus erros e tampouco aprenderam a reconhcê-los.

Que amar não significa ter alguém, muitos têm alguém, mas nunca souberam o que é o amor verdadeiro. E com o tempo você aprende que na maioria dos casos o amor verdadeiro só acontece uma vez, mas que isso não significa contrato de casamento.

Há tempo para recomeçar, mesmo quando não se acredita em mais nada; às vezes é melhor recuar do que seguir a adiante percorrendo o caminho errado; para perceber que a vida é uma obra inacabada e que por isso é melhor viver da forma que se pode, mesmo que não vá muito longe, do que deixar as preocupações consumirem os seus nervos.

Sempre há tempo para perceber que não adianta medir forças para ter o domínio da razão; isso não lhe levará a lugar algum; e que há mais dignidade em unir as forças em prol dos objetivos comuns. Que o amor que você tem por alguém, não é maior nem melhor, é apenas uma das formas de expressá-lo. E que perder uma batalha, não significa perder uma guerra. As guerras são uma sucessão de batalhas e na vida um dia você ganha e no outro você perde, mas nem por isso vais fugir à luta. E não importa quão nobre sejam os seus sentimentos com relação aos outros. Algumas pessoas não sabem expressar o que sentem e outras, simplesmente não sentem. Mas isso não o impede de ser nobre e respeitar os sentimentos alheios.

Com o tempo você descobre que ninguém é tão bom ou tão ruim quanto lhe parece ser; muitas vezes nossos sentidos nos enganam. São apenas pessoas como você, tentando transitar pela vida. E o que determina o grau de cada coisa é o seu posicionamento diante dela. Lembre-se que posicionar-se não significa ser rude, intolerante e cruel. Há uma grande diferença entre autoridade e dominação. Os grandes diante da vida são aqueles que souberam se posicionar usando somente a amor e a generosidade.

E sempre há tempo para aprender a enxergar a vida como uma grande ponte para o autoconhecimento, mesmo sabendo que o passado já foi; o presente é agora, e o futuro é incerto. Não critique demais, não perca seu tempo se lamentando. Aja, reaja, lute e viva cada instante. Seja generoso sempre, saiba reconhecer seus defeitos porque, embora não pareça, ainda há tempo de transformá-los em virtudes. A ação modifica, a reação impulsiona, e a vida corre junto com o tempo. E o tempo? Ah… Esse sim é senhor de si mesmo e não pára esperando que você conserte tudo, para voltar a ser determinante. Ele é implacável. Mas mesmo assim, sempre há tempo…

Erica Gaião

Às vezes desconfio… Desconfio dos que dizem que a morte é a vida que se finda, sendo ela apenas uma passagem que dará origem a uma nova existência. Eu mesma já morri e renasci tantas vezes em uma única existência, por tantos motivos díspares, que se for enumerá-los perderei muito do tempo que ainda me resta.

Desconfio daqueles que dizem que me amam. Muitos declararam publicamente o seu amor por mim e partiram em retirada sem sequer olhar para trás, como se eu nunca tivesse existido realmente nas suas vidas. Dá para confiar?

Desconfio daqueles que dizem estar felizes, porque os que ainda estão, ainda não são felizes. Ser feliz está longe de ser a mesma coisa. Aquele que está feliz está por algum motivo externo, o que denota total vulnerabilidade; e aquele que é… Ah! Este possui a felicidade que provém da alma e ela já faz parte da sua essência íntima. Não está condicionado, sendo, portanto, a condição e a possibilidade.

Desconfio tanto, que me transformo em intolerância… Desconfio daqueles que se dizem generosos; quem é jamais faz propaganda, como se estivesse vendendo uma imagem. A verdadeira generosidade é a medida do nosso entendimento com relação às pessoas, o que não significa abrir mão dos nossos sonhos em prol de alguém, mas acreditar que esse alguém pode fazer parte deles e nos ajudar a transformá-los em realidade. O sonho é um elo forte entre a realidade e a nossa existência.

Desconfio muito daqueles que se dizem únicos e especiais no mundo, por considerá-los egoístas. Esquecem, porém, que para ser uno é necessário o todo e este só existe por causa das suas partes. E as partes são as heranças deixadas por aqueles que conviveram conosco em algum momento de nossa vida. Por isso pergunto: E aí, onde está o ser único? Ninguém se faz sozinho… Pobres egoístas!

Desconfio dos amores impossíveis, dos sonhos impossíveis e daqueles que dizem que nem tudo é possível, por considerar que na vida tudo é possível desde que haja vontade. Mas também desconfio daqueles que dizem haver possibilidade em tudo; a vida é cinqüenta por cento, o que significa que eu tenho cinqüenta por cento de chances de dar certo ou não. Neste caso há igualdade de condições e eu não posso dizer que a vida é injusta.

Desconfio do destino porque a qualquer momento posso ser surpreendida por ele. E as surpresas não são, necessariamente, agradáveis. Há surpresas boas, ruins e outras piores ainda. Mas, por outro lado, também desconfio da vida estática porque ser surpreendido pelo destino de vez em quando é bom.

Desconfio muito daqueles que dizem que gostam de mim alegando a bondade da minha alma. Pobres tolos! Não se deram ao trabalho de me conhecer! Ninguém é tão bom ou tão ruim. E eu não quero que gostem de mim por isso ou por aquilo.Quero que simplesmente gostem de mim -o que é apenas uma questão de ponto de vista. Aqueles que nos conhecem de verdade sabem reconhecer a bondade, mas não descartam o lado perverso do nosso espírito. E entendem que o ser humano é assim como a vida, cinqüenta por cento… Por isso, desconfio mais ainda dos bondosos demais, dos que sorriem demais, dos que nunca admitem ser tomados pelos sentimentos. Isso é só aparência; e há ainda os que são enganados por elas. Desconfio, sobretudo, por acreditar que os bondosos demais, os sorridentes demais e os generosos demais aos olhos dos outros são peritos em varrer toda a sujeira para debaixo do tapete. Prefiro os que choram quando têm vontade, sorriem quando têm vontade e explodem quando sentem o seu coração partido. A raiva exposta é uma das possibilidades de libertação do espírito, e quanto à estes não há engano porque não sabem camuflar as sujeiras da alma…São para mim, seres mais puros, mesmo quando estão com raiva. Quem nunca sentiu o lado perverso da alma se sobrepor a bondade em algum momento, por menor que seja que atire a primeira pedra!

Desconfio daqueles que fazem promessas por saber que nem sempre somos capazes de cumprir o que prometemos. Dificilmente dou conta de cumprir promessas e não prometo nada. Acredite em mim quem quiser!Do mesmo modo desconfio de juras de amor, de amizade e de fidelidade. Amor, amizade, fidelidade existem em si e são comprovados por meio de ações e não de palavras…

Desconfio muito dos que esquecem o passado, pensando viver plenamente o presente, sem olhar para trás. Desconfio por saber que ninguém escreve a sua história pela metade. Uma vida plena depende muito daquilo que fomos e herdamos do passado. Como viver sem lembranças? A memória do passado rejeitada hoje pode ser muito útil na construção de um novo amanhã…

Eu desconfio da verdade e da mentira, do certo e do errado, das regras… Quem segue todas as regras? Quem não burla a lei e a ordem? A única honestidade que conheço é a que tenho com relação a mim mesma e aos meus princípios. Só eu serei capaz de me amar profundamente e de não me enganar; só eu serei capaz de me respeitar acima de tudo, só eu farei o possível e o impossível para ser feliz e não me magoar, embora tenha fracassado algumas vezes. Mas quem não fracassa de vez em quando? Só eu sou em mim na minha totalidade, mas sei que não me fiz sozinha…E ainda assim, desconfio de mim. Desconfio por saber que o meu pensamento de hoje pode se tornar uma contradição amanhã. Por saber que nada é permanente e que tudo é provisório. Desengano? Talvez! Por isso aviso, desconfie de mim! Porque a desconfiança que deposito nas coisas baseia-se somente na minha experiência pessoal e, portanto, só faz sentido para mim.

Erica Gaião

Exemplo?
Que exemplo?
Não quero ser exemplo…
Não tenho essa pretensão.
Não sou nada além de mim mesma.
Por isso não quero ser exemplo de nada!
Quero apenas a minha liberdade em expressão.
Não quero voltar no tempo! Não quero recuar!
Quero seguir adiante, com a cabeça erguida e caminhar…
Quero caminhar sem aquele medo atávico de não saber aonde chegar.
Não quero temer, não quero tremer, não vou me perder.
Quero apenas seguir adiante, como um pássaro errante…
Quero ser a minha essência sem precisar me esconder.
Quero transitar pelo espaço, sem me preocupar com o que digo;
Quero me permitir, sem me preocupar com o que faço.
Quero apenas a minha liberdade em expressão!
Não quero ser seguida, quero apenas ser ouvida!
Não quero ser imitada, repetida, pronunciada.
Não vivo dessa louca pretensão!
Quero apenas ser respeitada!
Quero o silêncio da noite!
Quero a luz do dia!
Quero a alegria!
Sou livre!
Quero:
Paz!

Erica Gaião

Em silêncio levantou e abriu a janela. Contemplou, com olhos de amor à primeira vista, aquela manhã surpreendente. O sol que brilhava intensamente lá fora tocava suavemente a sua face; sentia um calor na alma, semelhante ao calor do sangue que corria em suas veias… Era a vida se descortinando, se revelando na sua própria delicadeza. Era a vida se fazendo na mais pura beleza.

Do lado de fora, sob àquela paisagem que pouco a pouco se manifestava, identificava com riqueza de detalhes, cada um de seus pedaços; percebia no frescor daquela manhã, cada um de seus desejos… Na paisagem emoldurada, a natureza viva lhe falava sobre as suas verdades ocultas. E cada uma delas, no seu tempo, sob a luz do sol, ia tomando forma e se transformando em cenas do seu cotidiano.

Na sutileza daquele mágico momento, ouvia a voz da sua memória. Era um sopro de eternidade trazido pela agradável brisa que vinha do lado de fora. Na memória, traços de alegria revelavam lembranças daquele tempo em que nada era capaz de lhe roubar a esperança.

Ainda em silêncio, permaneceu ali, pensando em tudo que havia experimentado: nos amores e seus sabores; nos dissabores, também. Nos julgamentos, nos encontros, nos desencontros… Sob o véu da reflexão surgiam por dentro, sentimentos dos mais variados. Uma mistura híbrida de sentimentos que contrastavam com a beleza daquela paisagem. Era em parte solidão, mas na solidão havia um pedaço de presença; no medo, a coragem; no começo, o fim.

De repente, um inesperado vento soprou-lhe a face, levando com ele os maus sentimentos, trazendo de volta a esperança que havia se perdido dentro do baú das recordações.

A partir daquele dia, cada vez que abria silenciosamente a janela, ouvia um cântico, entoado pelo som da sua própria voz, dizendo que o sol que descortinava a escuridão do quarto era o mesmo que iluminava por dentro.

Erica Gaião

Aquilo que temos de mais essencial, guardamos nas profundezas do inacessível. Naquele lugar onde o espaço é pouco para o tamanho do sentimento. Naquele lugar onde o nada não consegue permanecer, porque tudo se transforma em possibilidade. Onde o amor percorre livremente, sem ser incomodado pela dúvida. E as verdadeiras emoções existem em si, sem precisar buscar do lado de fora as razões suficientes. Porque o que temos de mais essencial abriga os desejos… É o lugar dos belos jardins de sentimentos, onde as sementes de afeto plantadas florescem; e tudo que sai e toca, cria vida!

O que temos de mais essencial guardamos naquele lugar onde o que se sente pelo outro não tem medida, nem forma. Não precisa do silêncio de prece para ser ouvido pelo coração, porque a paz habita nele; nem do grito aos quatro cantos para ser pronunciado na sonoridade correta da compreensão, porque não precisa ser compreendido… Porque o que temos de mais essencial não se compra; não se vende; não é recompensa e nem substitui! Não é perecível e resiste ao tempo. Não teme as incertezas, atravessa os maus momentos e avança na direção do querer bem.

Porque o que temos de mais essencial é aquilo que guardamos no fundo da nossa alma e atende pelo nome de generosidade. Um desejo íntimo do sentimento pelo sentimento, capaz de frear a intolerância, minimizar as diferenças e romper os muros construídos pelo ressentimento. Essa sublime generosidade distribui sentimentos de ternura, multiplica os afetos e dá vida a nossa inesgotável capacidade de amar… E nela reside o amor verdadeiro, àquele cujas palavras mais nobres não conseguem alcançar o seu real significado!

Erica Gaião

De vez em quando, de um modo inesperado, o baú das recordações é aberto e com ele vem a memória antigas sensações que lá, do lado de dentro, bem no fundo da alma, permaneceram esquecidas por um bom tempo. Pequenas caixas de sentimentos são abertas uma a uma, e delas são liberadas algumas das grandes emoções experimentadas; parte dos momentos vivenciados; percepções sobre fatos e acontecimentos que, por razões circunstanciais, caíram no esquecimento. Fragmentos de vida que um dia foram presença e hoje habitam um canto esquecido na obscura gaveta da memória. Detalhes íntimos, resgatados na poeira do tempo, que por alguns instantes assumem o comando e misturam velhos sentimentos e antigas emoções aos novos momentos.

Nesses pequenos intervalos, entre uma sensação e outra, tem-se a impressão de que tudo está no mesmo lugar, de que o tempo, sempre implacável, perdeu o controle sobre as circunstâncias e parou exatamente no instante das recordações. Passado, presente e futuro ocupam o mesmo espaço; razão e emoção tornam-se vizinhas sem fronteiras; ausência e presença dividem o mesmo significado. E tudo mais, que antes não fazia sentido algum, passa a coexistir na mais perfeita harmonia.

A magia desse ir e vir de sensações está, justamente, na forma como elas acontecem. Muitas vezes manifestam-se subitamente, a partir de um lugar visitado, um sabor experimentado, um aroma inalado, uma palavra pronunciada… Valiosas miudezas, capazes de reavivar a memória dos sentimentos e impedir o exílio de alguns fragmentos de vida. Uma suave brisa de afeto tocando a alma com delicadeza! Um mar de esperança desaguando na imensidão do tempo. Preciosas lembranças que conferem à vida um contorno especial; que permitem plantar na alma sementes de amor que na primavera das emoções florescem sobre as incertezas.

Do mesmo modo súbito que se manifestam, essas deliciosas sensações se afastam sem sequer deixar vestígios de presença. Retornam ao velho baú das recordações, lotado de pequenas caixas de sentimentos. Ficam lá, do lado de dentro, bem no fundo da obscura gaveta da memória, onde os verdadeiros tesouros, de grandes emoções experimentadas, nutridas de amor e esperança, são esquecidos e empoeirados pelo tempo.

Erica Gaião

Que o silêncio não afete o entendimento sobre tudo aquilo que um dia foi pronunciado como um ato de amor…

É que às vezes basta um instante de fraqueza para voltar no tempo do nada. Àquele tempo onde tudo era vazio e ninguém compreendia. O tempo do quase; do talvez; do frio e distante. O tempo do deserto de sentimentos e da imensa ausência. O tempo da vontade de não estar lá, circulando de um lado para o outro, no meio da incompreensão.

Basta um instante de fraqueza para alterar a sonoridade daquilo que se ouve; para fragmentar os instantes de ternura e interromper as manifestações de afeto. Porque é nos momentos de fraqueza que tudo aquilo que não foi cultivado com amor, morre!

Por isso mesmo, nos momentos de fraqueza, o melhor a fazer é calar a voz dos sentimentos para deixar falar a voz da razão… E às vezes a razão diz – daquele seu jeito determinado – que o silêncio é a melhor resposta quando a incerteza resolve demorar um pouco mais dentro do coração.

Erica Gaião

(…) para viver é preciso experimentar e para experimentar é preciso arriscar; e a vida, assim como o amor, é um risco necessário ao espírito. A vida sem amor é vazia, insossa, sem aquele tempero gostoso da alegria, da esperança, da troca, do desejo incontrolável. Enrijece a alma, endurece o coração, dá passagem ao mau humor e à intolerância.

Erica Gaião

(…) o mais importante são os laços afetivos que criamos ao longo da nossa caminhada sempre oscilante. E que tentar entender as coisas de uma forma racional, buscar respostas, justificativas e certezas não passa de uma experiência vazia e, na maioria dos casos, desgastante. É preciso saber reconhecer que algumas dessas coisas não têm resposta…

Erica Gaião

(…) Sempre há tempo para perceber que não adianta medir forças para ter o domínio da razão; isso não lhe levará a lugar algum; e que há mais dignidade em unir as forças em prol dos objetivos comuns. Que o amor que você tem por alguém, não é maior nem melhor, é apenas uma das formas de expressá-lo. E que perder uma batalha, não significa perder uma guerra.

Erica Gaião

(…) Afirmo que te amo em frente e verso; amo-te pelo dedão do pé; amo-te pelo peso do seu corpo e pela leveza da sua alma. Amo-te nas coisas mais simples, sem perceber a ausência de outros sentimentos. Assim é o meu amor: comum, sólido, puro e intenso. (…) quero torná-lo presente, mesmo ausente; quero vivenciá-lo na sua presença e na sua ausência, tornando-me, assim, a parte viva dele; mesmo que ele não viva mais. Em mim, jamais morrerá na teia da impossibilidade, da conjectura, da análise fria e calculista da razão. Em mim reside o afeto desmedido, o amor inabalável, o sentimento incalculável; o ilógico produtivo…

Erica Gaião

O maior valor do homem está em reconhecer nos seus semelhantes as diferenças e respeitá-las como diferenças. E não se comparar com o outro, mas com si mesmo e com o melhor que pode ser. Não há ninguém melhor e nem pior, mais ou menos interessante; mais ou menos inteligente; há diferenças, só isso. Cada indivíduo carrega dentro de si um universo particular, formado pelos valores herdados, pelas crenças, pelo conhecimento adquirido e pelas experiências vividas.

Erica Gaião

Tudo é vida desde a sua origem e esta vida está do lado de dentro, embora não consigamos avistar o óbvio. Quase sempre aquilo que buscamos está ao alcance dos nossos olhos, entretanto, a vontade de alcançar aquilo que está longe é tão grande que impossibilita essa visão. Vemos sempre um único caminho, que é aquele que queremos seguir para se alcançar o objetivo e esquecemos que existem muitos caminhos que levam a um mesmo lugar. E o amor é a única coisa que vale a pena e, por ele, vale correr riscos, trilhar caminhos distintos e inversos, tropeçar, cair e levantar… Tudo começa e termina nele. O amor é a chave do universo, da boa comunicação, da comunhão entre os seres.

Erica Gaião

Quanto à preferência, prefiro flores em dias comuns, beijos a qualquer hora, bilhetes escritos em guardanapos de papel, após longas conversas, entre um gole e outro, um belisco e outro, numa mesa de bar. Prefiro os abraços apertados durante a caminhada, aqueles que ainda nos surpreendem, e jamais perdem o seu valor, mesmo depois de muito tempo. Prefiro dias sem planos, conversas sem contexto, finais de semana sem data e hora. Prefiro a simplicidade das coisas, diante da complexidade da vida.

Erica Gaião

(…) viver na luz é realmente uma escolha, mas nem todos têm o mesmo privilégio, porque se sentindo pequenos demais, não conseguem enxergá-la. Esquecem-se, porém, que a magia da vida está na forma como a percebemos. E que a vida que reside em nós é pura luz, mas só notamos quando a tocamos com os nossos melhores sentimentos. O que nada tem a ver com subjugar ou oprimir os sentimentos alheios, para fazer prevalecer os nossos. É muito mais do que isso; é algo que transcende a simples realidade objetiva. É tocar e sentir; é viver e vivenciar; é doar e entregar com alma, com verdade.

Erica Gaião

depois de tanto insistir, tento não me guiar pelas águas turvas do medo, porque faço da vida morada dos meus sonhos e transformo os meus desejos mais íntimos em possibilidades infinitas. Entrego-me a fluidez dos instantes e deixo o tempo transcorrer a seu critério, mesmo desejando, algumas vezes, que ele passe bem depressa e satisfaça a minha ansiedade de descobrir antes dele as respostas para as minhas tantas perguntas.

Erica Gaião

a vida ensina o valor de cada coisa, e com o tempo a gente aprende… Aprende a sentir com suavidade e delicadeza o seu encanto; aprende a não desperdiçar nenhum instante de ternura e abraçar com coragem, tudo aquilo que ela derrama sobre a nossa existência, como um ato de amor e generosidade.

Erica Gaião

Com freqüência alimento o meu espírito com um desejo vasto - quase incontrolável – daquilo que denomino amor. Suponho que existir plenamente sem a presença dele seja uma tarefa quase impossível. Mas há quem consiga existir apenas. Eu só existo por amor! E dele faço os meus instantes inteiros…

Erica Gaião

Não sei fazer poesia, porque sou verso torto. Sou do tipo que verseja madrugada adentro e vai dedilhando as palavras até encontrar melodia. Mas, às vezes, não ouço! Não ouço o som sutil dos seus acordes. Não ouço porque tenho um coração no meio, que pulsa intenso, inteiro; e bate descompassado quando encontra palavra bonita. Aquela palavra imensa, que traduz sentimento verdadeiro, seja ele bom ou ruim.

Erica Gaião

Por sorte, depois de muito circular entre um vazio e outro, aprendi que reciclar decepções e transformar os sentimentos é bom; que tocar a vida para sentir a sua textura produz em minha alma um encantamento sutil diante das verdadeiras possibilidades; um encantamento que confere a minha existência efêmera um pouco mais de sabedoria. Sabedoria para não ser mais surpreendida, quando algo é oferecido como um estranho ato de generosidade.

Erica Gaião

Quanto às relações que estabeleço, entrego-me sem a menor cerimônia… Entrego-me a instantes inteiros com a certeza de ter feito a coisa certa. Mas, às vezes, me engano! Me engano pelo simples fato de acreditar… É que acredito em tudo aquilo que passa por mim. E parte do que passa, algumas vezes, fica. Mas não quero viver da memória. Quero viver daquilo que existe; daquilo que sai, toca e cria vida;

Erica Gaião

Enquanto há vida, há esperança! Mas a esperança só existe para aquele que não se acovarda diante da complexidade da vida. Ela se acovardou… Eu não! Eu não preciso da verdade para ser feliz. Não preciso porque a verdadeira felicidade está em mim… E quando não a percebo por algum motivo, respiro fundo e aguardo. Aguardo com a certeza de que ela não se perdeu. É que na verdade tudo precisa do seu contrário para existir plenamente.

Erica Gaião

Mas perdoar, ou melhor, deixar para lá, às vezes, vale a pena. Vale a pena, também, se desfazer de algumas coisas antigas, cuja única finalidade é ocupar espaço; obstruir a passagem; impedir o fluxo dos sentimentos. De vez em quando fazer uma faxina por dentro é realmente necessário! É bom deixar o lado de dentro livre para ser preenchido com o que há de melhor em termos de sentimentos. E se tiver amor verdadeiro, então… Aí sim vale todo o esforço!

Erica Gaião