Clodovil Hernandes

Encontrados 2 pensamentos de Clodovil Hernandes

Em entrevista exclusiva ao G1 após ser eleito (03/10/2006)

"Se o Collor tinha aquilo roxo, o meu é cor-de-rosa choque. O vencedor nessa campanha não foi o Maluf, nem o Russomano. Fui eu."

"R$ 30 mil é tão pouco... Se ainda fossem uns US$ 30 milhões... Por R$ 30 mil vender um país, você está louco. Cada um pesa o dinheiro na sua balança. E a minha precisa de muito."

"Não vou me sujar por pouco. Vou me sujar por alguns milhões de dólares, é claro. Pego esses milhões de dólares e faço a benemerência que eu quiser. E dane-se a retranca. Não tenho filho, não tenho amante, não tenho mulher, não tenho nada. Isso não é desonestidade. Isso é oportunidade."

Em visita ao Congresso (10/10/2006)

"Não tenho medo de ninguém. Sou feito cachorrinho. Passa a mão nas minhas costas que eu já abano o rabo".

Em entrevista à Rádio Tupi (30/10/2006)

"Evidente que foi (armado o ataque contra as torres gêmeas) pelos próprios americanos, não seja idiota, é como o holocausto, você acha que não tinha nenhum judeu manipulando isso por debaixo do pano?"

Em resposta à critica feita pelo tucano Walter Feldman (03/11/2006)

"Fala para ele que na próxima eleição, quando me candidatar de novo, vou fazer o possível para ter menos votos para ele não implicar comigo. Se eu pudesse, dava meus votos para ele não ficar tão triste, mas não posso fazer isso."


Clodovil chega ao prédio da Câmara, em Brasília (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Em reunião de deputados eleitos e empresários na Fiesp (06/11/2006)

“Eu não vou me meter a fazer leis, porque não sei fazer isso. Eu sei avaliar se ela é boa ou ruim. Mas isso não é a minha proposta. Minha proposta é transformar o poder numa coisa boa e útil para todos nós."

"Se você não votou em mim, não pode me cobrar nada. Eu vou fazer do jeito que eu sei. Eu não sou político de profissão”.

"Já sei que vou ser assediado o tempo inteiro em Brasília, porque as pessoas pensam que eu sou um idiota, que vou lá fazer frescura na Câmara. Não. Viver é um ato político.”

Na cerimônia de diplomação (19/12/2006)

"Tudo que me mandarem, eu faço. Em curral alheio, boi é vaca."

No primeiro discurso na Câmara (06/02/07)

"É um mal-educado. Me pôs fora daqui antes que eu me despedisse. Me pediu voto para ser presidente e me tratou mal."

Sobre a reforma do gabinete (10/04/07)

“Dinheiro é uma questão de cada um de nós. Eu só consigo viver no meio da beleza."

Ao se referir às mulheres (19/04/07)

"As mulheres ficaram muito ordinárias, ficaram vulgares, cheias de silicone e hoje em dia as mulheres trabalham deitadas e descansam em pé. A gente não pode concordar com esse tipo de coisa."

Durante entrevista com a ministra Dilma Rousseff (22/04/07)

Os EUA mostram o mapa do Brasil sem a Amazônia. Mas que audácia dessa gente. Com que direito essa gente mexe no mundo? (...) Tenho horror aos EUA."

Em bate-boca com a deputada Cida Diogo (10/05/07)

“Eu tenho culpa que ela nasceu feia, gente?"

Durante discurso na Câmara (17/06/07)

“Eu não sei o que é decoro com um barulho desses enquanto a gente fala. Parece um mercado. Isso aqui representa o país.”

"Não me importo com o que falam pelas minhas costas. Meu traseiro não tem ouvido."

Clodovil Hernandes

1 Eu sou do tipo de homem que gosta verdadeiramente de mulher porque eu nunca enfrentei uma mulher.

2 Da fruta que eu gosto, o Leonardo DiCaprio gosta até do caroço. Sei disso porque boi preto conhece boi preto.

3 É claro que vou precisar de apoio, porque sozinho a gente não consegue nem se masturbar – tem de pensar em alguém.

4 Eu entrei na política mais para ser garoto propaganda da Câmara do que qualquer outra coisa. Porque não tenho feito nada. Eu vim aqui para trabalhar e não para brincar.

5 A senhora quer fama? Faz como eu: trabalha, insiste que a senhora consegue.

6 As donas-de-casa me adoram porque sabem que eu vim de baixo. Vivi a história da Cinderela. E pobre gosta mesmo é de luxo.

7 Fala-se muito em decoro parlamentar. Eu não sei o que é decoro com um barulho desses enquanto a gente fala. Aqui parece um mercado. Isso aqui representa um país. Nem na televisão, que é popular, se faz isso.

8 Tudo que me mandarem, eu faço. Em curral alheio, boi é vaca.

9 Não tenho medo de ninguém. Sou feito cachorrinho. Passa a mão nas minhas costas que eu já abano o rabo.

10 Adoro esse clima na política, porque um mete o pau no outro.. e eu que não sou bobo nem nada, viro de costas.

11 Não suporto a Hebe. É uma mentira, um blefe, não sabe nada. Morta ela já está, só esqueceu de deitar.

12 Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.

13 Não vou me sujar por pouco. Vou me sujar por alguns milhões de dólares, é claro. Pego esses milhões de dólares e faço a benemerência que eu quiser. E dane-se a retranca. Não tenho filho, não tenho amante, não tenho mulher, não tenho nada. Isso não é desonestidade. Isso é oportunidade.

“Será que precisamos de gravata ou de seriedade?”

“Você conhece alguém com 70 anos que tenha essas pernas?”

“Estava desempregado e não tenho cara de pobre; não conseguiria nem inventar uma. Precisava fazer alguma coisa. Acordei num domingo de manhã, depois de operado de câncer de próstata, e resolvi escrever um espetáculo. Você sabe, o segredo da cura é o bom humor”.


- "Não sou incauto como o presidente, que chegou ignorante ao poder e misturou álcool a isso tudo."

Clodovil Hernandes