Caio F Abreu

1 - 25 do total de 610 pensamentos de Caio F Abreu

"Nos dias seguintes ao dia em que estivera deitada no ombro dele tão proximamente nu também, no fundo de um sonho, conseguia reencontrá-lo. Pois havia outros detalhes, semanas depois ainda tentava lembrar. Havia um cheiro, por exemplo. Tênue, quase perverso. Intimidade úmida, limpa, nas dobras da carne suada, preservada na própria pele."

Caio F Abreu

Dentro de mim guardo sempre teu rosto e sei que por escolha ou fatalidade, não importa, estamos tão enredados que seria impossível recuar para não ir até o fim e o fundo disso que nunca vivi antes e talvez tenha inventado apenas para me distrair nesses dias onde aparentemente nada acontece e tenha inventado quem sabe em ti um brinquedo semelhante ao meu para que não passem tão desertas as manhãs e as tardes buscando motivos para os sustos e as insônias e as inúteis esperas ardentes e loucas invenções noturnas.

Caio F Abreu

A gente teve uma hora que parecia que ia dar certo. Ia dar, ia dar, sabe quando vai dar? Pra vocês, nem isso. A gente teve a ilusão, mas vocês chegaram depois que mataram a ilusão da gente.

Caio F Abreu

Quem sabe. Talvez tudo, talvez nada.

Caio F Abreu

Não sei se em algum momento cheguei a ver você completamente como Outra Pessoa, ou, o tempo todo, como Uma Possibilidade de Resolver Minha Carência.

Caio F Abreu

"Acordar na manhã seguinte com gosto de corrimão de escada na boca: mais frustração que ressaca, esgosto generalizado que aspirina alguma cura"

Caio F Abreu

Vontade de pedir silencio. porque não seria necessária mais nenhuma palavra um segundo antes ou depois de dizerem ao mesmo tempo:
- quero ficar com você.

Caio F Abreu

Inesperadamente ela chegou por trás e afundou os dedos no seu cabelo, coçando-lhe a cabeça como fazia antigamente. ele voltou-se e afundou os dedos no seu cabelo, coçando-lhe a cabeça como fazia antigamente. depois os dois se abraçaram e se deram beijos nas duas faces e como duas pessoas que não se vêem há muito tempo atropelaram perguntas como: "por onde é que tu anda, criatura?".

Caio F Abreu

Podia esperar de qualquer um essa fuga, esse fechamento. mas não de você, se sempre foram de ternura nossos encontros e mesmo nossos desencontros não pesavam, e se lúcidos nos reconhecíamos precários, carentes, incompletos. meras tentativas, nós. mas doces. por que então assim tão de repente e duro, por que?

Caio F Abreu

Compreendo tudo muito mais. dói e é incômodo. vontade de não saber perdoar, de não ser compreensivo, tolerante — de não me contentar com o pouco — “amor malfeito, depressa, fazer a barba e partir”. o domingo tá acabando — já é tarde — amanhã a gente começa de novo. eu me sinto às vezes tão frágil, queria me debruçar em alguém, em alguma coisa. alguma segurança. invento estorinhas para mim mesmo, o tempo todo, me conformo, me dou força. mas a sensação de estar sozinho não me larga. algumas paranóias, mas nada de grave. o que incomoda é esta fragilidade, essa aceitação, esse contentar-se com quase nada.

Caio F Abreu

Nao há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia – qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê.

Caio F Abreu

sei que pretendia dizer alguma coisa muito especial pra você, alguma coisa que faria você largar tudo e vir correndo me ver...

Caio F Abreu

"...Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais — por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia — qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido.
Tinha terminado, então. Porque a gente, alguma coisa dentro da gente, sempre sabe exatamente quando termina.
Mas de tudo isso, me ficaram coisas tão boas. Uma lembrança boa de você, uma vontade de cuidar melhor de mim, de ser melhor para mim e para os outros. De não morrer, de não sufocar, de continuar sentindo encantamento por alguma outra pessoa que o futuro trará, porque sempre traz, e então não repetir nenhum comportamento. Ser novo..."

Caio F Abreu

"Joguei sobre você tantos medos, tanta coisa travada, tanto medo de rejeição, tanta dor. Difícil explicar. Muitas coisas duras por dentro."

"Não sei se em algum momento cheguei a ver você completamente como Outra Pessoa, ou, o tempo todo, como Uma Possibilidade de Resolver Minha Carência. Estou tentando ser honesto e limpo. Uma Possibilidade que eu precisava devorar ou destruir."


"Mas não se preocupe, não vou tomar nenhuma medida drástica, a não ser continuar, tem coisa mais autodestrutiva do que insistir sem fé nenhuma? Ah, passa devagar a tua mão na minha cabeça, toca meu coração com teus dedos frios, eu tive tanto amor um dia, ela pára e pede, preciso tanto tanto tanto, cara, eles não me permitiram ser a coisa boa que eu era."

É verdade, eu o amava. Não com esse amor de carne, de querer tocá-lo e possuí-lo e saber coisas de dentro dele. Era um amor diferente, quase assim feito uma segurança de sabê-lo sempre ali.

Caio F Abreu

Eles me rotularam, me analisaram, jogaram mil complexos em cima de mim, problemas, Introjeções, fugas, neuroses, recalques, traumas...

Caio F Abreu

"Talvez tudo, talvez nada. Porque era cedo demais e nunca tarde."

Caio F Abreu

" Não é que pensei outra coisa de gente grande? Esta é assim: tudo que parece meio bobo é sempre muito bonito, porque não tem complicação. Coisa simples é lindo. E existe muito pouco. "

Caio F Abreu

Uma vez eu disse que a nossa diferença fundamental é que você era capaz apenas de viver as superfícies, enquanto eu era capaz de ir ao mais fundo, você riu porque eu dizia que não era cantando desvairadamente até ficar rouca que você ia conseguir saber alguma coisa a respeito de si própria, mas sabe, você tinha razão em rir daquele jeito porque eu também não tinha me dado conta de que enquanto ia dizendo aquelas coisas eu também cantava desvairadamente"

Caio F Abreu

"Ele é de um jeito que ainda não sei, porque nem vi. Vai olhar direto para mim. Ele vai sentar na minha mesa, me olhar no olho, pegar na minha mão, encostar seu joelho quente na minha coxa fria e dizer: vem comigo"

Caio F Abreu

Sei lá menina, tá tudo tão legal, e um legal tão batalhado, um legal merecido, de costas e pernas doendo, mas coração tranquilo.

Não puxo saco de ninguém, detesto que puxem meu saco também. Não faço amizades por conveniência, não sei rir se não estou achando graça. Odeio dois beijinhos, aperto de mão, tumulto, calor, gente burra e quem não sabe mentir direito.

Então uma voz que eu não ouvia há muito tempo, tanto tempo que quase não a reconheci (mas como poderia esquecê-la?), falou meu nome.

Quando você ainda nem entendeu direito o que aconteceu, ou o que não aconteceu, (...) vem alguém de repente e te dá um soco no estômago.

Veja só que coisa mais individualista elitista, capitalista, só queria ser feliz, cara.

Não, não sei o que gostaria que você me dissesse. Dorme, quem sabe, ou está tudo bem, ou mesmo esquece, esquece.

Bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Quem procura não acha. É preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada. Não há nada a ser esperado. Nem desesperado.

Caio F Abreu

Mas se você não me procura, é porque consegue viver bem.

Não sei mais falar, abraçar, dar beijos, dizer coisas aparentemente simples como "eu gosto de você". Gosto de mim.

Tô tão só, Zézim. Tão eu-eu-comigo.

A todo instante lembro de quando estava tudo em aparente paz.(...) um jogo onde não haveria vencedor nem vencido, apenas um gentil fracasso final compactuado e compartilhado amável por ambas as partes.

Embora não conheça o ponto onde devo chegar, é para lá que me dirijo cego, aos trancos.

Embora eu costumasse dizer que não era bom, absorvia vibrações, todas as vibrações, as energias. Boas, más, todas.

Não tem coisa melhor (nem pior) do que gente.

Procurando com meus olhos, ando viciado em coisas lentas, lentas e essenciais, em música e, sobretudo, estou viciado em silêncio.

Não sei quanto tempo durou. Sei q de repente a gente se afastou e, olhando um pro outro, começamos a rir feito loucos outra vez.

Mas não se pode agir assim, a amiga avisou no tel. Uma pessoa não é um doce q vc enjoa, empurra o prato, não quero mais.

Vai pelo caminho da esquerda, boy, que pelo da direita tem lobo mau e solidão medonha.

Caio F Abreu

Nunca falei sobre você a ninguém. Nem vou falar. Não falaria de você nem a você mesmo.

Não suportamos aquilo ou aqueles que poderiam nos tornar mais felizes e menos sós.

Ninguém enche o saco de ninguém, você me deixa em paz, eu te deixo em paz – certo?

Tinha terminado, então. Porque a gente, alguma coisa dentro da gente, sempre sabe exatamente quando termina.

Eu disse que sim, claro que sim, muitas vezes que sim.

Gosto de pessoas doces, gosto de situações claras; e por tudo isso, ando cada vez mais só.

O que vai sendo vivido e sentido por cada um é tão particular q, mesmo incomum ou já cantado em prosa e verso, é para sempre também único.

Penso sempre que um dia a gente vai se encontrar de novo,e que então tudo vai ser mais claro, que não vai mais haver medo nem coisas falsas.

Enfrento, e reconstituo os pedaços, a gente enfeita o cotidiano - tudo se ajeita.

E a vida acontecendo em volta, escrota e nua.

O pó se acumula todos os dias sobre as emoções.

Só que as más vibrações desta cidade, God! Nem todo o sal grosso, nem toda a arruda do mundo dariam jeito.

Hoje estou com uma moleza por dentro, uma coisa que não sei bem explicar como é, parece um imenso tapete de algodão embranquecendo tudo.

Que se possa sonhar, isso é que conta, com mãos dadas e suspiros.

Coisas belas, coisas feias: o bom é que passam, passam, passam. Deixa passar.

Tenho aprendido coisas que ainda estão vagas dentro de mim, mal comecei a elaborá-las. São coisas mais adultas, acho. Tem sido bom.

Acontece que, com ou sem cama, gosto profundamente de você.

Ela é intensa e tem mania de sentir por completo, de amar por completo e de ser por completo. Dentro dela tem um coração bobo.

Tem dias que eu visto minha fantasia de otária.

Se amanhã o que eu sonhei não for bem aquilo, eu tiro um arco-íris da cartola. E refaço. Pinto e bordo.

Caio F Abreu

Porque a força de dentro é maior.

O que quero dizer é que não houve mesmo nada especialmente prévio. Nenhum aviso, nenhuma suspeita. “Aconteceu sem um sino pra tocar” (...)

Só preciso de alguns abraços queridos, a companhia suave, bate-papos que me façam sorrir, algum nível de embriaguez e a sincronicidade.

Não adianta, no momento que as pessoas se afastam, elas estão irremediavelmente perdidas uma da outra.

O que vezenquando é puro engano: há pequenos agostos embutidos no entremeio dos doidos setembros.

Sabe, para mim a vida é um punhado de lantejoulas e purpurina que o vento sopra.

Eu só queria que você soubesse do muito amor e ternura que eu tinha — e tenho — pra você.

Há uma porção de coisas minhas q vc não sabe, e q precisaria saber para compreender todas as vezes q fugi de você e voltei e tornei a fugir.

Seja como for, continuo gostando muito de você - da mesma forma.

Caio F Abreu

Porque fé, quando não se tem, se inventa.

A gente teve uma hora que parecia que ia dar certo. Ia dar, ia dar. Sabe quando vai dar?

No fundo eu sei que a realidade que eu sonhava afundou num copo de cachaça e virou utopia.

Ou talvez eu só precise de férias, um porre e um novo amor.

Abandone os antes. Chame do que quiser. Mas venha. Quero dividir meus erros, loucuras, beijos, chocolates...

Tudo isso dói. Mas eu sei que passa, que se está sendo assim é porque deve ser assim, e virá outro ciclo, depois.

A vida é agora, aprende.

Quando você sente saudade demais de uma pessoa, então começa a vê-la nas outras, em todos os lugares.

Mas a gente nunca pode julgar o que acontece dentro dos outros.

Às vezes penso que tornam de propósito as coisas mais duras do que realmente são, só pra ver se eu reajo, se eu enfrento.

Eu acho que as coisas que ficam fora da gente, e ssas coisas como o tempo e o lugar, essas coisas influem muito no que a gente vai dizer.

Hoje pensei sério: se me perguntassem o que mais desejo na vida, não saberia responder. Quero tudo.

É preciso disfarçar, jogar, esconder, mentir. Eu não queria que fosse assim. Eu queria que tudo fosse muito mais limpo e muito mais claro.

A verdade é que ainda hesito em dar um nome àquilo que ficou, depois de tudo. Porque alguma coisa ficou.

Eu não procurei, não insisti. Contive tudo dentro de mim até que houvesse um movimento qualquer de aceitação. Quando houve, cedi.

'Hoje eu estava assim, mais lento, mais verdadeiro, mais bonito até. Hoje eu diria qualquer coisa se você telefonasse.

'Para atravessar agosto ter um amor seria importante, mas se você não conseguiu, se a vida não deu, (...) - sem o menor pudor, invente um.

Quando se deseja realmente dizer alguma coisa, as palavras são inúteis.

Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais.

Caio F Abreu

“Todo mundo quieto em volta. Aí resolvi calar a boca. Afinal, como na fábula do lobo e do cordeiro: contra a força não há argumentos. Mas ando de saco muito cheio com essas coisas. De repente tô trabalhando num lugar que me obriga a ir contra tudo que penso e sinto. Não sei como resolver tudo isso. Mas tudo bem, tô calmo e ponderado, embora a vontade seja de agredir todo mundo, dizer meia dúzia de verdades e sair pisando duro. Não vou fazer nenhuma loucura.”

Caio F Abreu