Aniversário de 18 anos

Cerca de 703 frases e pensamentos: Aniversário de 18 anos

"Crescer não significa fazer aniversário e fazer aniversário não significa amadurecer. Fazer 18 não muda muita coisa se comparado a fazer 17. O número de pessoas que te deu parabéns esse ano foi bem menor do que no ano passado, e assim será todos os anos... Até que reste somente os verdadeiros, os sinceros, os inteiros. Nunca gostei de festa, de cantar parabéns e soprar as velas, mas fazer aniversário é uma chance para renovar as expectativas, de sacudir a poeira e tirar as coisas velhas do armário. É dia de renovação de espírito, de esperanças, de felicidade! Com o tempo a gente vai aprendendo a esperar menos das pessoas pra se surpreender ao invés de se decepcionar; a gente aprende que poucos amigos verdadeiros são melhores que muitos amigos falsos - que a mãe da gente sempre sabe quem são esses amigos; e que o silêncio e um pouco de solidão é melhor do que o barulho de uma mente confusa. Enfim, como me disseram ontem: "Sorte de quem pode fazer aniversário" - simplificando, enquanto estivermos vivos ainda podemos fazer alguma coisa."

Giovanna Rovari

Aniversário de 18 anos... Essa data é muito especial para você, um momento mágico, cheio de alegria e expectativas. você estar começando sua fase adulta e de muitas responsabilidades... inesquecíveis são os 15 anos ... Ai !Quanta festa, vestido longo, cabelos e unhas impecáveis, a maquilagem especial....as músicas que mais amam ...Nossa! É bom demais!
Já os 18 aninhos, são muito bons porque podemos ser mais livres, mas dá uma responsabilidade!
Mas é uma idade lindíssima... Que você possa ter muitos anos de vida, abençoados e felizes, e que estes dias futuros sejam todos de harmonia, paz e desejos realizados.
eu nunca vou esquecer como eu te "conheci" um dia de madrugada eu no face de um brother... Você entrou em minha vida sem permissão.
Em tão pouco tempo conquistou minha amizade, minha confiança, você é muito especial pra mim...
E como hoje é uma data muito importante pra você, estou aqui para te desejar feliz aniversário, tudo de bom pra você, que tudo que você desejar nesse dia seja realizado com a benção de Deus, porque você merece isso e muito mais.

Valbert Filiwalker

Parabéns minha filha por mais este aniversário, 18 anos que linda idade...
Como mãe, sinto-me orgulhosa por seres a pessoa que és: sincera, inteligente, leal, lutadora, uma vencedora, alguém que planeja e realiza, és o meu orgulho a minha realização.
Vai em frente. Continua no caminho que escolhes-tes, estarei sempre aqui torcendo por você, não só como mãe, mas também como a tua maior amiga!
Que caminhes sempre em busca do sucesso, alcançando um futuro amplo.
Kathleen, estar ao teu lado neste dia e poder compartilhar desta alegria é saber que independente de qualquer coisa continuaremos sempre ligadas pelos laços do amor e da família.
Beijos e que todas as forças do Universo conspirem a teu favor, hoje e sempre!
Tua mãe que te ama acima de tudo.

Hildenice Ribeiro da Silva

- Parabéns pra nóis meninas de 12 a 18 anos que fazemos festa de aniversario ñ chá de bebê.

Monica Araujo

Davis: Você estava destinado a ter uma vida melhor. E independente do que quanto tentarmos combater isso... sempre voltaremos para a nossa verdadeira natureza.

Smallville - 8 Temporada - Eps 18

Lex: O homem do futuro é moldado por suas batalhas atuais.

Smallville - 1 Temporada - Eps 18

Se eu tivess 18 anos transaria com todas miudas k passasem na minha frent

anatolelisio

Deus nunca foi visto por alguém.O filho unigênito,que está no seio do Pai,esse o revelou

joao

"Aprenda a deixar de lado tudo aquilo que te prejudica, sem olhar para trás."

Sarita Mendes de Maio - 18 de fevereiro de 2010

Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio;
porque te destruirias a ti mesmo?
Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas louco;
porque morrerias fora do teu tempo?
Bom é que retenhas isto, e também daquilo não retires a tua mão;
porque quem teme a Deus escapa de tudo isso.

Autoria; [ECLESIASTES 7: 16,17,18] Bíblia Maná.

Abraços perfumados para você!…
Chrisma-Sampa Brasil

Autoria ECLESIASTES 7 16 17 18 Bíblia Maná.

3 WEEKS AGO + 18 NOTES + REBLOG
#TRISTEZA #DOR #SOFRIMENTO #ABANDONO #TRAIÇÃO #;/ #MYTEXTS
“É você se foi . Cansou arrumou as malas e foi embora da minha vida sem ao menos se importar se isso iria me machucar ou não , apenas se foi . Doeu. Meu Deus, como doeu mas fiquei na minha . Não gritei, não chorei, não berrei, não bati os pés, não disse absolutamente nada. Por fora estava uma armadura, forte e inquebrável ,Por dentro eu estava um caco completamente destruída e frágil , me corroeu por dentro , fez-se um nó na garganta, senti como se esse nó estivesse me sufocando. Mas ainda assim, fiquei calada, na minha, quieta .Porque amor, saudade, carinho, afeto, isso não se pede. Você não pode se ajoelhar e implorar que a pessoa fique quando na verdade a maior vontade dela é ir embora.”

Thayna Rocha

O Pecado trás Consequências

Ec9:18 um só pecador destrói a vida de muita gente

Romanos 6:23 “Porque o salário do pecado é a morte(a morte pode ser morte espiritual eterna, morte em alguma área na sua vida)

A Atitude Impensada:

Pv. 19.2 - "Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado"

Reflita antes te tomar qualquer atitude pois o pecado trás consequências desastrosas com sérios prejuízos.

Monica Ap.de Medeiros

EIS UM FATO: Nestes 18 anos pregando a Palavra de Deus, nunca fui convidado para ir ao velório de um cristão que morreu de tanto ser provado! Deus PROVA, mas APROVA!

Franklin Martins

Imaturidade é achar que uma menina ou um garoto menor de 18 anos não é capaz de formular suas próprias palavras e tomar suas próprias atitudes. Idade não influencia, tem muito garoto de 18 anos, por exemplo, com cabeça de 10.

Prefira Borboletas (Mariana Lobo)

“Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha” (Provérbios 18:13). O tolo responde sem ouvir verdadeiramente, sem levar em consideração ou pensar com atenção. Ter pressa em falar é vergonhoso. Quando não ouvimos, demonstramos uma consideração mínima pelas palavras das pessoas e uma consideração máxima pelas nossas.

Tedd Tripp

“O que vendo todo o povo caiu de rosto em terra e disse: O Senhor é Deus! O Senhor é Deus!” Is 18.40
Penso que a força de um povo para continuar lutando contra a dominação, o preconceito e a discriminação étnica, está ligada a sua fé, por mais que ao outro ela pareça estranha. A fé é elemento que concede ao individuo, e a sociedade, forças subjetivas, para ter e alcançar objetivos. A fé no etéreo, no transcendente, possibilita, ao homem vencer as vicissitudes do mundo material. Quando os homens perdem a fé, é por que perderam a capacidade de trazer a sua memória, razões que lhes tragam esperanças. E estas razões, muitas das vezes estão na crença de que para além deles e seus duros cotidianos, existem um lugar e alguém maior. A este lugar, alguns povos chamam: “céu”, outros: “seio de Abraão”, outros: “terras sem males”. A este alguém maior, algumas etnias, chamam de Nhandejara, Modimo*, Olorum*, Alá, e outros ainda de Javé.
Pensando isso imaginei a seguinte situação: “Um dia todos os povos do mundo se reuniram para um desafio. Um cristão propôs que, todos os religiosos do mundo, que criam na existência de um deus, se juntassem em uma grande planície e invocassem ao mesmo tempo o nome de sua divindade. O desafio foi aceito, e no dia e hora marcada, em uma grande planície, todas as religiões monoteístas, se reuniram para o grande desafio. Ali estavam além do povo reunido, os sacerdotes de cada religião. O cristão que fez o desafio ditava as regras do jogo. E então gritou: - todos os sacerdotes venham para o centro. Ao que todos obedeceram. O Cristão falou-lhes: - Olhem para aquele grande relógio, daqui a cinco minutos, quando forem seis horas em exato, todos a uma só voz deverão gritar o nome de seu deus. A divindade que aparecer primeiro, será o único e verdadeiro deus. Para sabermos quem de nós estava crendo no deus verdadeiro, aquele que o reconhecer como sendo o deus que em seu coração imaginava, deverá correr para ele, e o abraçar. Todos sonoramente gritaram - amém!
O silencio tomou conta do vale. Era um silencio tal, que podia se ouvir o barulho de uma pluma caindo ao chão. Aqueles cinco minutos pareciam ser os mais longos vividos por cada religioso ali presente. Mas, o tempo foi passando, quatro, três, dois, um, eeeeeee… Foi um grito só, e também uma correria só, pois ao surgir no horizonte uma figura, todos os religiosos correram ao encontro dela, pois viram nela aquilo que imaginavam em seus corações. Inclusive os sacerdotes cristãos. A figura com rosto indizível, de cuja face erradicava luz, abrindo os braços acolheu a muitos dos que correram em seu encontro, porém, nem todos que lhe correram ao encontro puderam a abraçar, pois era Ela maior do que todos, e alguns não conseguiam ficar de pé diante do esplendor de sua glória.
No Seio da divindade, um cristão, um rabino judeu e um Imam mulçumano, tomados de espanto, olhando entre si perguntaram a uma só voz: - Mas Senhor, como é que pode ser Tu o meu Deus o Deus deles também? Ao que uma grande voz como de trombeta respondeu: - Como podem ser assim tão incoerentes entre o que crêem e aquilo que apregoam? Afinal não disse Eu, e vos mandei pregar que há um só Deus, acaso esperavam ver algum outro deus aqui? Um dos religiosos ainda sem entender continuou perguntando: - Mas Senhor, como explicar tantas coisas feitas em seu nome, sacrifícios humanos, terrorismo cruzadas, destruição de culturas e civilizações? Nomes estranhos pelos quais te invocavam? Como… Deus interrompeu - Vocês não compreenderam nada, nunca desejei ou pedi-vos nada disso. E tem mais, entendam que muito antes de vocês fazerem suas missões, alcançando povos os quais julgavam bárbaros, como testemunhas diante deles, os céus, já proclamavam a minha gloria, e o firmamento anunciava as obras de minhas mãos. Diante disso o cristão indagou, - Mas Senhor e as Missões, como deveriam ser feitas então? Deus disse: - Eu mandei-vos anunciar que Eu Sou o Grande Eu Sou, vocês deveriam ter visto que em meio a estas civilizações, eu já estava, deveriam ter percebido entre eles sinais de minha presença, suas tarefas era tão somente construírem pontes para que tais povos pudessem melhor me conhecer e servir. O cristão mais uma vez interrompeu: _ Mas Senhor, é os povos com culturas e costumes estranhos, a ponto de andarem nus, tendo duas ou mais esposas, acreditando que o Senhor, estava em um rio, numa arvore, no fogo? Com voz sempiterna Deus respondeu: _ Eu vos mandei evangelizá-los e não satanizá-los, destruindo a cultura deles… Vossas pretensiosas ciências a meu respeito deveria ter mostrado-lhes, que em toda cultura existe, elementos humanos, divinos e demoníacos. Diante destes elementos, vocês deveriam discernir minha presença e proclamar meu Nome, anunciando e vivendo como luzes, como faróis conduzindo a Mim todos os povos, que tateando em meio a seus sistemas religiosos, perdidos entre elementos sagrados e profanos tentam me encontrar. Repito, não há outro Deus acima nem abaixo de mim, Eu Sou o único Deus, nenhum outro há além de mim, nenhuma criatura pode me resistir, nem mesmo o mais rebelde e decaído dos anjos e todas as suas hostes infernais.
Um dos religiosos ainda insistiu perguntando: - Mas Senhor, como é que o Senhor estava no meio destes povos? Naquele instante Deus desapareceu. Mas de repente veio uma brisa suave quase que imperceptível, mas que trazia com ela um eco tardio dos nomes que os religiosos gritaram a uma só voz no inicio do desafio, e ecoando por entre as montanhas que cercavam o vale, todos ali ouviram algo assim: amor, esperança, justiça, partilha, igualdade, perdão… O cristão então compreendeu que tais sentimentos, são sinais divinos em meio a qualquer civilização, mesmo que esta não conheça a Deus plenamente, como Ele se revelou na Pessoa de Jesus de Nazaré: o seu Cristo, a maior ponte constituída, construída sobre duas hastes, três pregos, e untada com sangue, formando para os sábios deste mundo apenas uma rude cruz, mas visto pelo prisma da fé cristã, como: único poder e via capaz de ligar céus e terra.
*Modimo. (Deus) Aquele que penetra e permeia todo ser/existência. África Austral. Povo. Sou/Tswana. Fonte. Teologia Africana. Uma introdução. Gabriel M. Setiloane. Editeo.
*Olorum: Deus Supremo, entre os povos Iorubanos, este nome é usado não somente nas religiões não cristãs, mas também entre os evangélicos nigerianos. Da mesma forma que o povo de Deus, ao longo da Bíblia, adotava nomes locais para se referir a Javé, durante toda a história da expansão da Igreja, missionários sábios adotaram nomes locais para se referir ao Único Deus do universo. Isto não é idolatria, apenas tradução com reinterpretação. De outra sorte, todos nós seríamos idolatras, pois empregamos o nome “Deus”, que se deriva do termo grego e originalmente pagão, “theos”. Olorum, o Deus supremo, nunca foi identificado com a natureza e também não pode ser adorado diretamente pelo não-religioso. Ele é transcendente [...] É interessante que Olorum não pode ser representado através de imagens. Ele é considerado criador, único, imortal, onipotente, onisciente, rei e juiz. [Fonte Revista Ultimato. Ano XXX - nº 245, Março de 1997, p30. Antonio Carlos Barro (Londrina PR) e C. Timóteo Carriker (Campinas, SP) são missiológos]
Pr. José do Carmo da Silva. (Zé do Egito) Igreja Metodista em Fátima do Sul - MS

Pr. Zé do Carmo (Zé do Egito) Pr. Metodista afro-brasileiro.

Porque não há espaço
18/09/2008 00:09

Procuro um lugar onde eu possa manifesar a dor de viver
Procuro um lugar onde eu possa manifestar a alegria de viver
E vivo a procurar uma forma de me expressar
Ainda não me cansei

Rejane Moraes dos Santos

Sabedoria Celestial

Prov. 3.13-18

Feliz o homem que encontra a graça,
A bênção do povo escolhido de Deus,
A sabedoria que vem do alto,
A fé que opera pelo amor docemente.

Feliz, além da descrição, aquele

Que sabe "o Salvador morreu por mim!"

O dom inefável obtém,

E ganha compreensão celestial.

Sabedoria divina! Quem diz o preço
da mercadoria cara da Sabedoria!
Sabedoria à prata preferimos,
E o ouro é escória comparado com ela.

Suas mãos estão cheias de longevidade,
Riquezas verdadeiras, e louvor imortal;
Riquezas de Cristo, a todos concedidas,
E honra que descende de Deus.

A todos convida para as mais puras alegrias,
Castos, santos, prazeres espirituais;
Os seus caminhos são caminhos de delícias,
E todos os seus floridos caminhos são paz.

Feliz o homem que ganha a sabedoria;
Três vezes feliz, quem ao seu convite atende!
Aquele que a possui para sempre a possuirá,
Sabedoria, e Cristo, e Céu são somente um.

Por Charles Wesley, traduzido por Silvio Dutra

Charles Wesley

JUÍZES 18

“1 Naqueles dias não havia rei em Israel; a tribo dos danitas buscava para si herança em que habitar; porque até então não lhe havia caído a sua herança entre as tribos de Israel.
2 E de Zorá e Estaol os filhos de Dã enviaram cinco homens da sua tribo, escolhidos dentre todo o povo, homens valorosos, para espiar e reconhecer a terra; e lhes disseram: Ide, reconhecei a terra. E chegaram eles à região montanhosa de Efraim, à casa de Mica, e passaram ali a noite.
3 Pois, estando eles perto da casa de Mica, reconheceram a voz do mancebo levita; e, dirigindo-se para lá, lhe perguntaram: Quem te trouxe para cá? que estás fazendo aqui? e que é isto que tens aqui?
4 E ele lhes respondeu: Assim e assim me tem feito Mica; ele me assalariou, e eu lhe sirvo de sacerdote.
5 Então lhe disseram: Consulta a Deus, para que saibamos se será próspero o caminho que seguimos.
6 Ao que lhes disse o sacerdote: Ide em paz; perante o Senhor está o caminho que seguis.
7 Então foram-se aqueles cinco homens, e chegando a Laís, viram o povo que havia nela, como vivia em segurança, conforme o costume dos sidônios, quieto e desprecavido; não havia naquela terra falta de coisa alguma; era um povo rico e, estando longe dos sidônios, não tinha relações com ninguém.
8 Então voltaram a seus irmãos, em Zorá e Estaol, os quais lhes perguntaram: Que dizeis vós?
9 Eles responderam: Levantai-vos, e subamos contra eles; porque examinamos a terra, e eis que é muito boa. E vós estareis aqui tranquilos? Não sejais preguiçosos em entrardes para tomar posse desta terra.
10 Quando lá chegardes, achareis um povo desprecavido, e a terra é muito espaçosa; pois Deus vos entregou na mão um lugar em que não há falta de coisa alguma que há na terra.
11 Então seiscentos homens da tribo dos danitas partiram de Zorá e Estaol, munidos de armas de guerra.
12 E, tendo subido, acamparam-se em Quiriate-Jearim, em Judá; pelo que esse lugar ficou sendo chamado Maané-Dã, até o dia de hoje; eis que está ao ocidente de Quiriate-Jearim.
13 Dali passaram à região montanhosa de Efraim, e chegaram à casa de Mica.
14 Então os cinco homens que tinham ido espiar a terra de Laís disseram a seus irmãos: Sabeis vós que naquelas casas há um éfode, e terafins, e uma imagem esculpida e uma de fundição? Considerai, pois, agora o que haveis de fazer.
15 Então se dirigiram para lá, e chegaram à casa do mancebo, o levita, à casa de Mica, e o saudaram.
16 E os seiscentos homens dos danitas, munidos de suas armas de guerra, ficaram à entrada da porta.
17 Mas subindo os cinco homens que haviam espiado a terra, entraram ali e tomaram a imagem esculpida, o éfode, os terafins e a imagem de fundição, ficando o sacerdote em pé à entrada da porta, com os seiscentos homens armados.
18 Quando eles entraram na casa de Mica, e tomaram a imagem esculpida, o éfode, os terafins e a imagem de fundição, perguntou-lhes o sacerdote: Que estais fazendo?
19 E eles lhe responderam: Cala-te, põe a mão sobre a boca, e vem conosco, e sê-nos por pai e sacerdote. Que te é melhor? ser sacerdote da casa dum só homem, ou duma tribo e duma geração em Israel?
20 Então alegrou-se o coração do sacerdote, o qual tomou o éfode, os terafins e a imagem esculpida, e entrou no meio do povo.
21 E, virando-se, partiram, tendo posto diante de si os pequeninos, o gado e a bagagem.
22 Estando eles já longe da casa de Mica, os homens que estavam nas casas vizinhas à dele se reuniram, e alcançaram os filhos de Dã.
23 E clamaram após os filhos de Dã, os quais, virando-se, perguntaram a Mica: Que é que tens, visto que vens com tanta gente?
24 Então ele respondeu: Os meus deuses que eu fiz, vós me tomastes, juntamente com o sacerdote, e partistes; e agora, que mais me fica? Como, pois, me dizeis: Que é que tens?
25 Mas os filhos de Dã lhe disseram: Não faças ouvir a tua voz entre nós, para que porventura homens violentos não se lancem sobre vós, e tu percas a tua vida, e a vida dos da tua casa.
26 Assim seguiram o seu caminho os filhos de Dã; e Mica, vendo que eram mais fortes do que ele, virou-se e voltou para sua casa.
27 Eles, pois, levaram os objetos que Mica havia feito, e o sacerdote que estava com ele e, chegando a Laís, a um povo quieto e desprecavido, passaram-no ao fio da espada, e puseram fogo à cidade.
28 E ninguém houve que o livrasse, porquanto estava longe de Sidom, e não tinha relações com ninguém; a cidade estava no vale que está junto a Bete-Reobe. Depois, reedificando-a, habitaram nela,
29 e chamaram-lhe Dã, segundo o nome de Dã, seu pai, que nascera a Israel; era, porém, dantes o nome desta cidade Laís.
30 Depois os filhos de Dã levantaram para si aquela imagem esculpida; e Jônatas, filho de Gérsom, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até o dia do cativeiro da terra.
31 Assim, pois, estabeleceram para si a imagem esculpida que Mica fizera, por todo o tempo em que a casa de Deus esteve em Siló.” (Jz 18.1-31).

Quando a tribo de Dã estava procurando estender os seus domínios, depois da morte de Josué, pela conquista dos territórios que haviam sido designados por sortes, e não sendo ainda Israel uma unidade federativa, com um governo central sobre todas as tribos, pois Deus havia concedido a eles serem uma teocracia, na qual cada tribo teria a liberdade de ter os seus próprios príncipes, juízes e chefes, tanto eles, quanto as demais tribos de Israel não souberam fazer bom uso desta liberdade, e já não estando mais debaixo de uma direção geral como nos dias de Moisés e Josué, eles agiram como bem parecia aos seus próprios olhos como se lê em Jz 17.6 e como se confirma no versículo introdutório desta capitulo décimo oitavo, onde se enfatiza que não havia reis em Israel nos dias em que se deu esta narrativa, como que para justificar o porque de todas estas ações voltadas para a idolatria puderam ter lugar sem que nenhuma confrontação fosse levantada por parte das demais tribos.
Num mundo onde há o pecado, desde a queda de Adão, e no qual existirá até que Jesus restaure todas as coisas, muita liberdade não é bom, porque o pecado sempre conduzirá ao abuso dela.
Não se pode confiar na natureza terrena porque o coração humano é excessivamente corrupto por causa do pecado, e é necessário o freio das leis e do governo para que pelo temor da punição, a iniquidade não se espalhe em níveis tais, que impossibilite qualquer tipo de convivência social pacífica.
Somente a graça de Jesus pode renovar as mentes corrompidas dos homens e converter o seu coração a Deus, mas o poder do magistrado pode conter as suas práticas ruins e pode prender as suas mãos, de modo que a impiedade do mau não seja tão prejudicial como seria na falta da ação do magistrado.
Embora a espada da justiça não possa cortar a raiz de amargura, pode cortar as suas consequências e impedir seu crescimento e alastramento.
Veja quão perto da ruína estão todos os lugares em que não há nenhum magistrado ou em que havendo, prevarique no exercício devido da sua função, como ministro de Deus que traz a espada para o castigo dos malfeitores! Feliz é o povo que tem um bom governo e leis justas e juízes imparciais.
Mesmo na Igreja de Cristo, onde se desfruta da liberdade que o Espírito Santo concede, e se tem a liberdade da escravidão do pecado, por meio da redenção que há em Cristo Jesus, faz-se necessário o governo de pastores, presbíteros, mestres e diáconos, porque apesar de o espírito estar pronto, a carne é fraca, e o rebanho de Deus precisa portanto, ser conduzido debaixo de um cajado que lhe aponte o caminho a seguir, e para exercer a disciplina determinada por Cristo, para ser aplicada à Sua Igreja.
Visões românticas relativas à liberdade total que se deve dar a cada crente, sob o argumento de que todos são sacerdotes reais, tem causado muitas dores àqueles que procuram viver a vida cristã por meio destes princípios idealistas contrários à Palavra de Deus, porque no final das contas, terão que sofrer as consequências do inevitável mau uso da liberdade total concedida, pelo equívoco cometido de pensarem que já estamos vivendo no céu onde não há pecado, e tudo é uma perfeição absoluta.
O homem é livre, mas Deus tem determinado para todo homem o jugo de Jesus, que apesar de suave, configura a obrigação e compromisso que temos para com Ele, traduzidos nos muitos deveres que devemos cumprir, pela própria determinação da Sua vontade divina.
A primeira coisa que a natureza pecaminosa terrena do homem procura fazer ao argumentar a sua liberdade é lançar fora todo jugo, e com estes joga fora também o próprio jugo de Jesus.
Este é o motivo de se ver tantos crentes desobedientes à Palavra de Deus, especialmente nestes últimos dias, no qual quase tudo é permitido e justificável.
Entretanto Deus não muda, nem a Sua Palavra e vontade.
Foi exatamente o que se viu em toda a história de Israel narrada na Bíblia.
Quando faltava uma liderança temente a Deus, ou quando havia uma liderança permissiva, o resultado disso era a apostasia dos caminhos do Senhor.
Não é portanto, surpreendente, o fato de vermos a tribo de Dã procurando estabelecer uma nova forma de culto em seu território, assalariando o levita que servia de sacerdote à casa de deuses de Mica, e por terem também levado para Dã todo o aparato idolátrico que lá existia.
Deus odeia o roubo, e o diabo adora roubar, matar e destruir. E os danitas roubaram os ídolos da casa de Mica porque além de transgredirem o oitavo mandamento que diz “não furtarás” também transgredirem o primeiro e o segundo mandamentos que proíbem ter outros deuses diante do Senhor e cultuar imagens de escultura.
E o levita que servia de sacerdote na casa de Mica não era melhor do que eles, pois o que se pode esperar daqueles que naufragaram na fé pela falta de uma boa consciência?
Mica confiou neste levita apóstata, e ele o traiu, pois assentiu rapidamente em deixar a sua casa e seguir os danitas pela sua cobiça e desejo de ter a sua fama e poder aumentados, deixando de servir na casa de um só homem, para servir a toda uma tribo.
Mica ainda vai protestar com eles quanto ao seu direito ao que lhe haviam roubado. Mas estando em menor número do que os danitas, e tendo sido ameaçado de morte por eles, bem como os da sua casa, desistiu de tentar reaver os seus pertences.
Na verdade, o único direito de Mica, do levita, dos adoradores da sua cidade e de todos aqueles seiscentos danitas era a morte prevista na lei para os idólatras.
Mas como não havia um governo central em Israel para fazer valer o cumprimento da Lei de Moisés, eles agiam segundo melhor parecia aos seus próprios olhos, por saberem que não haveria quem os punisse.
Assim, este relato justifica a prática de toda ação legal em Israel, isto é, conforme a lei, ainda que possa parecer em muitos casos, que possa ter havido extrema crueldade, na verdade, especialmente naqueles dias, tal se fazia necessário, porque, como já dissemos antes, o mal teria se alastrado de tal forma que a própria Palavra de Deus teria sido banida da terra, e toda a humanidade teria se corrompido, e os justos seriam mais perseguidos e destruídos, do que já o foram, nas mãos dos ímpios.
Infelizmente, em razão da longanimidade de Deus, que sempre é abusada pelos ímpios e por aqueles que não O temem, estes podem pensar que estão prosperando, tal como os danitas, em razão de terem conquistado a cidade de Lais, a par de toda a idolatria deles e de terem pedido ao levita que agia como sacerdote de Mica para consultar aqueles deuses para saberem se seriam bem sucedidos contra aquela cidade, e ele lhes disse que sim, tal como sucedera de fato.
Foi aquilo uma bênção de Deus? Deus estava com eles? Certamente que não. E tem sido assim ao longo da história da humanidade.
Muitos confundem a sua prosperidade e coisas que têm conquistado sob a alegação de as terem recebido por uma revelação ou bênção direta de Deus, quando na verdade, o que conquistaram e o meio pelo qual foi conquistado sejam na verdade uma abominação a Ele.
Assim, não é incomum que muitos justifiquem a sua impiedade pela prosperidade deles, tal como foi o caso dos danitas, pois pensavam erroneamente, que apesar de estarem vivendo impiamente, Deus estava com eles, já que desfrutavam de boa saúde e de prosperidade material e financeira, e isto era para eles um sinal da aprovação e bênção de Deus sobre suas vidas, como tem sido para muitas pessoas, ao longo da história da humanidade, sem que o seja necessariamente.
Aqueles danitas depois de terem conquistado Laís, mudaram seu nome para Dã, porque esta cidade era o extremo norte de Israel, muito distante do lote que coubera á tribo de Dã, e lhe deram este nome como memorial à tribo à qual pertenciam, e tal era o endurecimento de coração deles que tributaram a honra da conquista aos ídolos que haviam trazido da casa de Mica e instituíram um culto formal a eles que durou por todo o tempo que o tabernáculo permaneceu em Siló.
E é dito no verso 30 que “Jônatas, filho de Gérsom, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até o dia do cativeiro da terra.”.
Este Manassés não é o filho de José do qual descenderam todos os manassitas. Seus filhos foram Jair e Maquir, sendo que os descendentes de Maquir herdaram na Transjordânia, e os de Jair em Canaã.
Além do mais, esta narrativa de Juízes está separada no tempo, do filho de José, Manassés, por mais de quatrocentos anos.
Algumas versões, registram o nome de Moisés, no lugar do de Manassés, que aparece neste capítulo no original hebraico, julgando que houve uma incorreção do escriba ao escrever este versículo, primeiro porque Moisés teve um filho chamado Gérsom, e porque no hebraico a grafia do nome de Manassés é muito parecida à do nome de Moisés. Entretanto não há nenhum registro bíblico de que o filho de Moisés, Gérsom, tenha tido um filho chamado Jônatas.
Nós encontramos em I Crôn 26.24 o nome de Sebuel como sendo filho de Gérsom, filho de Moisés, e não Jônatas.
Nós chegamos portanto à conclusão de que estamos diante de um homônimo do Manassés, filho de José, e também de um outro homônimo quanto a Gérsom, filho de Moisés, tratando-se de outras pessoas que viveram numa outra época, e que possivelmente eram da tribo de Dã, e não da tribo de Levi, à qual pertencia Moisés e seus descendentes, e também não pertenciam à tribo de Manassés que levava o nome do seu patriarca.

Silvio Dutra

“Volta. E assim por sete vezes.” (I Reis 18.43)

O sucesso é certo quando o Senhor o tem prometido. Embora você possa ter suplicado mês após mês sem evidências de resposta, não é possível que o Senhor seja surdo quando seu povo é sincero numa questão que diz respeito à Sua glória.
O profeta no cume do Carmelo continuou a lutar com Deus, e nunca por um momento deu lugar ao medo de que ele fosse rejeitado nos átrios de Jeová.
Seis vezes o servo voltou, mas em cada ocasião, nenhuma palavra foi dita, apenas "Vá novamente."
Nós não devemos sonhar com incredulidade, mas manter a nossa fé até mesmo setenta vezes sete. A fé manda a esperança voltar e olhar, expectante, do cume do Carmelo, e se nada for visto, ela a envia outra vez. Assim, longe de ser esmagada pelo desapontamento repetido, a fé é animada para pleitear com mais fervor com seu Deus. Ela é mantida humilde, mas não é envergonhada: seus gemidos são mais profundos, e seus suspiros mais veementes, mas ela nunca relaxa nem retira sua mão.
Seria mais agradável à carne e ao sangue ter uma resposta rápida, mas as almas crentes aprenderam a ser submissas, e acham bom esperar pelo Senhor e no Senhor. Respostas adiadas, muitas vezes põem o coração a sondar a si mesmo, e assim levam à contrição e à reforma espiritual: golpes mortais são assim desferidos na corrupção de nossa natureza decaída no pecado, e as câmaras de imagens mentais são purificadas. O grande perigo é que os homens desfaleçam e percam a bênção.
Leitor, não caia nesse pecado, mas continue em oração e vigie.
Por fim, a pequena nuvem foi vista, a indicação certa de torrentes de chuva, e assim também com você - certamente será dado o sinal para o bem, e você subirá como um príncipe que prevalece para desfrutar a misericórdia que você buscou.
Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós: o seu poder com Deus não estava em seus próprios méritos. Se a sua oração da fé pôde tanto, por que não a sua? Suplique sob a cobertura do sangue precioso com insistência incessante, e lhe será feito de acordo com seu desejo.

Texto de Charles Haddon Spurgeon, Traduzido e adaptado por Iza Rainbow
Charles Haddon Spurgeon

Charles Haddon Spurgeon