Amores Distantes

Cerca de 184 frases e pensamentos: Amores Distantes

A distância faz ao amor aquilo que o vento faz ao fogo: apaga o pequeno, inflama o grande.

Roger Bussy-Rabutin

Não, meu bem, não adianta bancar o distante: lá vem o amor nos dilacerar de novo...

Caio Fernando Abreu

Distante o meu amor, se me afigura
O amor como um patético tormento
Pensar nele é morrer de desventura
Não pensar é matar meu pensamento.
Seu mais doce desejo se amargura
Todo o instante perdido é um sofrimento
Cada beijo lembrado uma tortura
Um ciúme do próprio ciumento.
E vivemos partindo, ela de mim
E eu dela, enquanto breves vão-se os anos
Para a grande partida que há no fim
De toda a vida e todo o amor humanos:
Mas tranqüila ela sabe, e eu sei tranqüilo
Que se um fica o outro parte a redimi-lo.

Vinicius de Moraes

Poderíamos ser tão felizes, poderíamos ser tão amor… Mas simplesmente hoje somos apenas distantes.

Tati Bernardi

A imensidão visita a dor de um amor distante, porém nem mesmo os corpos apartados separam dois corações unidos!

Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor

Faz-de-conta

Não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspido, distante, mantenho-me alheio: faz-de-conta que eu te odeio.

Te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, sou uma atriz, sou do ramo: faz-de-conta que te amo.

Estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os outros fazem tudo errado: faz-de-conta que dou conta do recado.

Debocho de festas e de roupas glamurosas, não entendo como é que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados permanentes para baladas na área vip do inferno: faz-de-conta que não quero.

Choro ao assistir o telejornal, lamento a dor dos outros e passo noites em claro tentando entender corrupções, descasos, tudo o que demonstra o quanto foi desperdiçado meu voto: faz-de-conto que me importo.

Jogo uma perna pro alto, a outra pro lado, faço cara de gostosa, os cabelos escorridos na rosto, me retorço, gemo, sussurro, grito e poso: faz-de-conta que eu gozo.

Digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto: faz-de-conta que não sofro.

Cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas, fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica e assisto sem legenda o mais recente filme romeno: faz-de-conta que eu entendo.

Tenho todos os ingredientes para um sanduíche inesquecível, a porta da geladeira está lotada de imãs de tele-entrega, mantenho um bar razoavelmente abastecido, um pouco de sal e pimenta na despensa e o fogão tem oito anos mas parece zerinho: faz-de-conta que eu cozinho.

Bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? Você pode ser um fantasma que atravessa paredes, ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy: faz-de-conta que não dói.

Martha Medeiros

Amor Distante

Ah! Como eu quero viver o amor que um dia experimentei...
É um amor distante, mas muito presente;
É um amor lindo, muito lindo, mas eu ainda não o vi de perto;
É um amor forte, mas que nos torna sensíveis, simples e inocentes como crianças;
É um amor grande, mas que nos torna pequenos e desprovidos de desejos de grandeza;
É um amor de primavera, mas que está presente em todas as estações do ano;
É um amor atrevido, mas que sabe respeitar o coração amado;
É um amor que chora com a distância e uma possível separação, mesmo quando os corpos nunca estiveram juntos;
É um amor que traz paz em meio a tanta dor causada pela distância;
É um amor que encurta a distância e une dois corações em um só coração;
É um amor que dá esperança de encontro inesquecível;
É um amor que dá a certeza de nos pertencermos, mesmo quando as impossibilidades são reais;
É um amor que vivifica;
É assim! Isto é o nosso amor.

Tony Fraga

Era um amor platônico. Um morava na lua, o outro em qualquer lugar do espaço que fosse distante o bastante para não poderem se tocar. Trocavam olhares apaixonados, tremiam ao som da voz do outro, suspiravam em sonhos acordados. Anos sonhando com aquele que seria o encontro de suas vidas, mas que jamais aconteceu. Talvez tenham se perdido entre uma história e outra, mas sempre voltam a se olhar, de longe e com o mesmo desejo de sempre, porque têm a mesma alma, só nasceram em lugares diferentes.

Iza Mendonça

Pessoas que levam a frente um amor distante são fortes, o que não quer dizer que os casais que estão próximos sejam fracos, é que eles são sortudos e não que os que estão distantes não tenham sorte, é que a deles ainda há de vir.

Maria Helena Fernandes

O primeiro amor e eterno, apesar de pertencer a um passado distante.

Hugo Meireles

Extremos da Paixão - Caio Fernando Abreu
Não, meu bem, não adianta bancar o distante
lá vem o amor nos dilacerar de novo...

Andei pensando coisas. O que é raro, dirão os irônicos. Ou "o que foi?" - perguntariam os complacentes. Para estes últimos, quem sabe, escrevo. E repito: andei pensando coisas sobre amor, essa palavra sagrada. O que mais me deteve, do que pensei, era assim: a perda do amor é igual à perda da morte. Só que dói mais. Quando morre alguém que você ama, você se dói inteiro(a)- mas a morte é inevitável, portanto normal. Quando você perde alguém que você ama, e esse amor - essa pessoa - continua vivo(a), há então uma morte anormal. O NUNCA MAIS de não ter quem se ama torna-se tão irremediável quanto não ter NUNCA MAIS quem morreu. E dói mais fundo- porque se poderia ter, já que está vivo(a). Mas não se tem, nem se terá, quando o fim do amor é: NEVER.

Pensando nisso, pensei um pouco depois em Boy George: meu-amor-me-abandonou-e-sem-ele-eu-nao-vivo-então-quero-morrer-drogado. Lembrei de John Hincley Jr., apaixonado por Jodie Foster, e que escreveu a ela, em 1981: "Se você não me amar, eu matarei o presidente". E deu um tiro em Ronald Regan. A frase de Hincley é a mais significativa frase de amor do século XX. A atitude de Boy George - se não houver algo de publicitário nisso - é a mais linda atitude de amor do século XX. Penso em Werther, de Goethe. E acho lindo.

No século XX não se ama. Ninguém quer ninguém. Amar é out, é babaca, é careta. Embora persistam essas estranhas fronteiras entre paixão e loucura, entre paixão e suicídio. Não compreendo como querer o outro possa tornar-se mais forte do que querer a si próprio. Não compreendo como querer o outro possa pintar como saída de nossa solidão fatal. Mentira:compreendo sim. Mesmo consciente de que nasci sozinho do útero de minha mãe,berrando de pavor para o mundo insano,e que embarcarei sozinho num caixão rumo a sei lá o quê, além do pó.O que ou quem cruzo entre esses dois portos gelados da solidão é mera viagem: véu de maya,ilusão,passatempo.E exigimos o terno do perecível,loucos.

Depois, pensei também em Adèle Hugo, filha de Victor Hugo. A Adèle H. de François Truffaut, vivida por Isabelle Adjani. Adèle apaixonou-se por um homem. Ele não a queria. Ela o seguiu aos Estados Unidos, ao Caribe, escrevendo cartas jamais respondidas, rastejando por amor. Enlouqueceu mendigando a atenção dele. Certo dia, em Barbados, esbarraram na rua. Ele a olhou. Ela, louca de amor por ele, não o reconheceu. Ele havia deixado de ser ele: transformara-se em símbolosem face nem corpo da paixão e da loucura dela. Não era mais ele: ela amava alguém que não existia mais, objetivamente. Existia somente dentro dela. Adèle morreu no hospício, escrevendo cartas (a ele: "É para você, para você que eu escrevo" - dizia Ana C.) numa língua que, até hoje, ninguém conseguiu decifrar.

Andei pensando em Adèle H., em Boy George e em John Hincley Jr. Andei pensando nesses extremos da paixão, quando te amo tanto e tão além do meu ego que - se você não me ama: eu enlouqueço, eu me suicido com heroína ou eu mato o presidente. Me veio um fundo desprezo pela minha/nossa dor mediana, pela minha/nossa rejeição amorosa desempenhando papéis tipo sou-forte-seguro-essa-sou-mais-eu. Que imensa miséria o grande amor - depois do não, depois do fim - reduzir-se a duas ou três frases frias ou sarcásticas. Num bar qualquer, numa esquina da vida.

Ai que dor: que dor sentida e portuguesa de Fernando Pessoa - muito mais sábio -, que nunca caiu nessas ciladas. Pois como já dizia Drummond, "o amor car(o,a,) colega esse não consola nunca de núncaras". E apesar de tudo eu penso sim, eu digo sim, eu quero Sins.

(extraído do livro Pequenas Epifanias)

Caio Fernando de Abreu

Te vejo ao meu lado
Porem tão distante
Um amor isolado
Que some em um instante

Vejo em teus olhos verdes
Um amor de ilusão
Um sentimento tão puro
Nasceu em meu coração

E em teus traços perfeitos
Que me chamam a atenção
Teus detalhes divinos
Rouba meu coração

Guilherme Willy Cassimiro

E mesmo que em uma fase a sua melhor amiga esteja um pouco distante, o amor, a confiança e intimidade torna essa distancia menor.

Luisa Dutra

Amor distante

Quero tanto poder te encontrar
Pois sem você não sei viver
Venha junto de mim ficar
Pois jamais quero te perder.

Seus olhos são para mim o mar
Sua beleza como o amanhecer.
No crepúsculo vou aqui ficar
Esperando para te rever.

Você apareceu devagarzinho
Despertando-me uma enorme paixão
E enxendo-me de carinho.

E agora vou abrir me coração
Só pra poder te dizer
Que sem você não sei viver.

Yara Jacon Duarte

Amor platônico

Sigo de perto os teus passos que estão tão distantes do meu olhar;
Ouço ao longe o teu riso que já não difere das ondas do mar;
Vejo teus olhos, que mesmo sem saber buscam os meus, no silêncio que emana da fotografia;
Me encanta teus cantos, suspiros e preces, que em todo momento, sei que estão contigo;
Sinto até saudade... Saudade de algo que nunca tive, e o gosto da esperança que nunca provei;
Sinto tantos cheiros;
Sinto até o teu cheiro, que já não se sente, pois teu perfume mesclou com o das flores, e anda vagando sem ter rumo certo;
Ah como eu invejo...
Invejo-te óh sol que o acalentas no inverno;
Invejo-te óh lua, que mesmo distante roubas-lhe um olhar;
Invejo-te óh solo,por onde ele pisa;
Invejo-te, invejo-te;
De toda certeza que tenho de minhas incertezas, só sei que nada sei sobre aquilo que eu gostaria de saber ...
Não sei o que tens com isso Platão, mas até mesmo eu, em minha simples filosofia saberia dizer que tudo isso é, e sempre será platônico.

Priscilla Dias Cavalcante

Sabe Pai, tenho sentido minha vida um pouco longe de Ti. Sinto que não é o Senhor que está distante de mim, mas que eu quase nunca busco estar perto de ti. Na minha vida vejo que muitos dos planos que faço, a maioria que parecem morrer bem no meio do caminho, não tiveram uma clara chancela tua. Aliás, é raro eu sentir – isso se deu poucas vezes – aquela certeza sobre algo o que fazer. Fico muito indeciso em relação a quase tudo, e isso me faz ficar também quase sempre em cima do muro em quase tudo, nem lá, nem cá, parece que na espera de ouvir a Tua voz pra me indicar se devo ir ou ficar, ou voltar.

Sei que não é o Senhor que tem se distanciado de mim, ou que não tem me amado, pelo contrário, sinto firmemente, e disso tenho plena certeza e fartas comprovações do dia a dia, que o Senhor tem me amado, e tem me guardado de todo mau, e mesmo me protegido, sendo misericordioso como nem mesmo eu poderia imaginar. Fico pensando se o Senhor fosse pesar com tua justa balança, todos os meus pecados, em especial aqueles que ficam lá dentro, no plano da mente, no coração, e que nem por isso deixam de ser pecados. Sim, porque nem tantos tem sido meus pecados visíveis, esses de fato não são tão numerosos, mas há aqueles que estão nas maquinações da minha mente, nos pensamentos desvirtuados da Tua justa vontade, nas perversidades dos pensamentos, nos olhos que deveriam desviar-se que nem sempre obedecem à tua vontade, no não amor ao irmão como se eu mesmo fosse, e é claro, sem esquecer o maior, que é não te amar como devias ser amado, acima de todas as coisas.

Não te amar acima de todas as coisas: está ai algo que gostaria de abandonar de vez, e sei que junto deste abandono iriam todos os demais pecados. Acho que sempre tento começar da maneira errada, tentando me consertar dos “pecadinhos menores” para então progredir aos maiores. Na verdade vai além, pois somente há muito pouco tempo percebi que não te amar era o maior dos pecados. Bem não sei se posso graduar os pecados, acho que não, melhor, tenho certeza que não, mas uma coisa posso afirmar com toda a certeza, que o pecado de não te amar é a própria raiz de todos os demais pecados, pois quando não te amamos acima de tudo, algo ocupa esse lugar central, de direção da nossa vida, e então o único capaz de nos dizer o que nos é melhor, não só por nos conhecer melhor do que ninguém, como também por nos amar como ninguém nos ama, fica em segundo plano, ofuscado em nossa vida. É, e raramente o segundo lugar lhe é reservado. Posso dizer com certeza, mesmo apesar do temor de revelá-lo, mas sabendo que nada posso esconder de ti, que já sabes, e que o coração sincero te agrada mais que tudo: muitas vezes tens ocupado lugares quase últimos em minha vida, perdendo feio para coisas até mesmo fúteis como paixões, deleites e prazeres da vida, que se desvanecem em segundos ou mesmo sequer se revelam.

É, Senhor, esse sou eu. Tão imperfeito. Tão pecador, incapaz mesmo de amar-te como se ama imperfeitamente as pessoas. Quando tento buscar-te, pouco tempo acho em minha vida. São tantos “corre-corres”, tantos atrativos, tantos distrativos, e até mesmo quando fecho o olho para buscar-te, me vem a mente turbilhões de pensamentos, que quando vejo estou bem longe de ti, vagando por preocupações, ideações, ilusões ou vãs imaginações. Tudo tem tomado o teu lugar em minha vida, e esse tem sido o pecado que mais me incomoda. Se me proponho a te buscar nas primeiras horas do dia, sempre o sono é mais teimoso e quer me fazer ficar mais tempo na preguiça da cama, quando desperto já estou no horário limite; se prometo buscar-te no ônibus ou no carro, as distrações do trânsito me tiram toda a atenção; trabalhando, nem se fala, as obrigações são muitas para tão poucas horas; a noite o sono abate e o cansaço não permite mais que alguns segundos na tua sintonia; mesmo quando tenho um dia com muito tempo, as distrações a minha volta nunca me permitem falar contigo, ouvir tua voz.

Sabe, Meu Pai, tenho saudades daquele tempo no Jardim, quando o Senhor falava todo dia com teu servo na viração do dia. É nesse horário que parece que sinto mais vergonha por não conseguir falar contigo, e exatamente por conta de não falar contigo, vou levando uma vida insignificante e sem nenhum sentido, sem qualquer progresso nem mesmo aos olhos humanos, quem dirá aos teus. Planos e mais planos. Sonhos e mais sonhos, e os que não são abandonados no meio, não tardam para mostrar os seus problemas, e aquilo que parecia ser um belo sonho de futuro se transforma em uma autêntica dor de cabeça, que tira até mesmo o sono de sonhar novos sonhos, frustra e subtrai toda a esperança de coisas boas acontecerem.

O mais interessante, Pai, é que tenho sentido, como já disse, tua presença mesmo na minha continuada distância, sempre corrigindo minhas asneiras da melhor forma possível, livrando da implacável e justa punição pelos erros, parece que a me clamar para lançar-me aos teus braços e deixa cuidar-me, e de fato não há nada que eu queira mais, o Pai: estar contigo o tempo todo. Ouvir a tua voz a me guiar claramente pela vida. Não ter tanta propensão a pensar o que é errado, e fazer o que é errado, aos teus olhos.

Ah, Pai, mas o meu problema maior, Pai, creio que é exatamente não saber amar. De fato não sei amar. Não sei se há outras falhas em mim; talvez falta de persistência; sei lá mas até essa acho que o amor traz consigo.

Pai, quero mudar. Quero aprender a te amar no mais profundo do meu ser. Colocá-lo no devido lugar na minha vida. Não por medo de punição ou buscando um resultado humano favorável. Sei que este virá, mas quero aprender a te amar pelo que és, e porque me amas. Simplesmente amar para amar, e por amar.

Essa é uma carta para expressar o que vai mais no fundo do meu coração. Por favor, venha em meu socorro Pai. Esse é o pedido desesperado de um filho que não ama e que queria aprender a amar, e queria ouvir tua voz a todo momento, teu toque, teu carinho, como todo filho amado recebe. Sei que sou amado, apenas não tenho te amado, e tenho me afastado de ti.

Por favor, venha em meu encontro. Ajude-me.

Carta para o Pai
Leia: Jeremias 2:13
Por Samuel Amorim Oliveira
Em 06 de Fevereiro de 2010
e-mail: amorimperito@gmail.com

Samuel Amorim Oliveira

Não importa quão perto nós estejamos , estaremos imensamente distantes .

Vinicius Bispo Amorim

Cintilante

Olhar distante
Sem muito o que falar
Chiclete à mascar
Feito um fumante

Muito ofegante
Não paro de pensar
Vejo o tempo voar
E o sol no horizonte

E a tristeza constante
Que insiste em rodear
Não me deixando sonhar
Sem amor e sem amante

Como Di Calvalcanti
A solidão irá me retratar
No abismo pincelar
Com cores cintilantes

Tela elegante
Que me faz chorar
Ao agonizar
Nessa tristeza viciante

Mas não se espante
Só quero acordar
E achar
Tudo o que perdi antes...

Lucas Amorim

Sorrindo vivo do alivio em cada verso que eu choro
Eu crio o meu desenho, Amor é tudo que eu tenho

Numa Margem Distante

*…… AMIGO DISTANTE……*

Neste Natal vamos pedir ao menino JESUS que nos traga PAZ, AMOR, COMPREENSÃO e acima de tudo SAÚDE.
Por tudo de bom que VOCÊ possa representar...
Desejo que Deus esteja sempre no seu caminho...
Que os Anjos estejam sempre ao seu redor, que tudo de bom possa te acontecer...
Que ao receber este pequeno gesto de carinho, você lembre o quanto é importante para mim...
Que as distâncias sejam superadas...
Por algo que não se mede, nem pelo tempo, nem pelo espaço...
Mas mesmo ao longe nossos pensamentos caminham lado a lado em busca de um novo dia...
Um novo amanhã!
Portanto, receba o meu eterno abraço bem apertado e saiba que você vai estar sempre aqui no meu coração.
UM FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO.

Mensagens com Amor