Aliança de Compromisso

Cerca de 584 frases e pensamentos: Aliança de Compromisso

Amar não é sufocar, aliança não é algema, amar é oferecer ao outro liberdade, respeito e espaço pra crescer e ser feliz.

Thiago Saraiva

Uma Promessa Para Você

Por John Piper

“Eu farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem... e me regozijarei em lhes fazer bem” (Jeremias 32:40,41)

Essa é uma das promessas de Deus para onde eu retorno vez após vez quando fico desencorajado (sim, isso acontece com pastores).
Você pode pensar em algum fato mais encorajador do que Deus se regozijar em te fazer bem?
Ele não cumpre a Sua promessa de má vontade (Romanos 8.28).
É a Sua alegria te fazer bem.
E não só às vezes. Sempre! “Eu não me desviarei de fazer-lhes o bem.”
Contudo, às vezes, nossa situação é tão difícil de suportar que não conseguimos gerar nenhuma alegria.
Quando isso acontece comigo, eu tento imitar Abraão:
“Em esperança, ele creu contra a esperança” (Romanos 4.18).
Deus sempre tem sido fiel em manter essa pequena fagulha de fé para mim e, eventualmente (não imediatamente), em soprá-la até se tornar uma chama de alegria e plena confiança.
Oh, como me alegro pelo fato de que a coisa que faz o Deus Todo Poderoso mais feliz é fazer bem a você e a mim!

Descansando na promessa,

Pastor John


Comentário do Pr Silvio Dutra:

Compartilho dessas palavras do Pr John Piper, em minha própria experiência.
Nada do que nos sucede quando consagramos nossas vidas ao Senhor, se encontra fora do Seu controle, de modo que até as mais amargas provações são medidas por Ele, e assim sossegamos sabendo que tudo contribuirá para o bem daqueles que o amam, porque é exatamente a intenção de Deus para com eles.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Veja tudo sobre as Escrituras do Velho Testamento no seguinte link:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Veja tudo sobre as Escrituras do Novo Testamento no seguinte link:
http://livrono.blogspot.com.br/

A Igreja tem testemunhado a redenção de Cristo juntamente com o Espírito Santo nestes 2.000 anos de Cristianismo.
Veja várias mensagens sobre este testemunho nos seguintes links:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/
http://poesiasdoevangelho.blogspot.com.br/

A Bíblia também revela as condições do tempo do fim quando Cristo inaugurará o Seu reino eterno de justiça ao retornar à Terra. Com isto se dará cumprimento ao propósito final relativo à nossa redenção.
Veja a apresentação destas condições no seguinte link:
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

John Piper

Acho muito sem classe essa gente que briga, fala que acabou o relacionamento e joga a aliança no chão, na frente da pessoa. É tão simples falar "acabou.", tirar a aliança, entregar na mão da pessoa, dar dois tapinhas e sair andando

Sandrine Faria

Uma aliança não pode dizer nada, mais o sentimento que sinto por voçê pode dizer tudo.

Douglas Vilas Boas

A Nova Aliança



Por João Calvino

“Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá.
Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles anularam a minha aliança, não obstante eu os haver desposado, diz o SENHOR.” (Jeremias 31.31,32)

Jeremias prossegue com o mesmo assunto, mas revela mais claramente o quão mais abundante e mais rico o favor de Deus seria para o seu povo do que antigamente, então ele não se limita a prometer a restauração daquela dignidade e grandeza que tinham perdido, mas algo melhor e mais excelente. Por isso, vemos que esta passagem se refere necessariamente ao reino de Cristo, porque sem Cristo nada poderia ou deveria ter sido esperado pelo povo, superior à Lei; porque a Lei; foi uma regra da mais perfeita doutrina. Se, então, Cristo é tirado, é certo que temos que nos apegar à Lei.
Daí concluímos então, que o Profeta prediz o Reino de Cristo; e esta passagem também é citada pelos Apóstolos, como sendo notável e digna de nota (Rom 11.27; Heb 8.8-12; 10.16).
Mas é preciso observar a ordem e a maneira de ensinar aqui apresentada. O Profeta confirma o que eu disse antes, que o que temos vindo considerando era inacreditável para os judeus. Tendo então já falado dos benefícios de Deus, que poderiam ter sido pouco reconhecidos pelos sentidos dos homens, a fim de evitar a falta de fé, ele acrescenta, que o Senhor manifestaria a sua misericórdia para com eles de uma maneira nova e inusitada. Por isso, vemos por que o Profeta acrescentou esta passagem à sua antiga doutrina. Porque ele não tinha falado de uma nova aliança, àqueles homens em condição miserável, aos quais ele procurou inspirar com a esperança da salvação, jamais teriam vacilado; ou melhor, como a maior parte já estava sobrecarregada com desespero, ele nada teria conseguido. Aqui, então, ele vê diante de si um novo pacto, como se ele tivesse dito, que não deve olhar mais longe ou mais alto, nem para medir o benefício de Deus, de que ele havia falado, com o aparecimento do estado de coisas em que tempo, pois Deus faria uma nova aliança.
Ainda, sem nenhuma dúvida ele louva o favor de Deus, que seria manifestado mais tarde na plenitude do tempo. Além disso, devemos ter sempre em mente, que a partir do momento em que o povo voltou ao seu país, a fé dos que haviam abraçado a graça da libertação seria assaltada pelas mais graves provações, pois teria sido melhor para eles continuarem no exílio perpétuo do que serem cruelmente perseguidos por todos os seus vizinhos, e serem expostos a tantos problemas. Se, então, as pessoas tivessem sido somente restauradas a partir de seu exílio na Babilônia, isto seria uma questão de momento; mas convinha que os santos dirigissem a mente a Cristo. E, portanto, vemos que os Profetas, que realizaram o ofício de ensinar após a restauração, focaram sobre este ponto, - para que eles tivessem a esperança de algo melhor do que aquilo que então apareceu, e que eles não ficassem sem esperança, porque viram que não desfrutariam de descanso, e seriam envolvidos em lutas cansativas e graves, em vez de serem libertados da tirania. Nós, na verdade sabemos o que diz Ageu do futuro templo, e o que Zacarias diz, e também Malaquias. E o mesmo foi objeto de nosso Profeta ao falar da nova aliança, mesmo que os fiéis, depois de terem desfrutado de novo seu próprio país, não poderiam clamar contra Deus, porque ele não lhes concedeu a felicidade que ele havia prometido. Esta foi a segunda razão pela qual o Profeta falou da nova aliança.
Tal como antes, agora ele repete as palavras, que viriam os dias, em que Deus faria uma aliança com Israel, bem como com Judá. Porque as dez tribos, como é bem sabido, tinham sido expulsas para o exílio, enquanto o reino de Judá ainda estava de pé. Além disso, quando eles se revoltaram contra a família de Davi, que se tornou como que uma outra nação. Deus de fato não deixou de reconhecê-los como seu povo; mas eles mesmos haviam se alienado o mais longe que podiam da Igreja. Deus então promete que haveria novamente um só corpo, pois ele iria lhes reunir para que pudessem se unir, e não serem como duas casas.
Agora, quanto à nova aliança, ela não é assim chamada, porque seja contrária à primeira aliança; pois Deus nunca é inconsistente consigo mesmo, e uma vez que fizera uma aliança com o seu povo escolhido, não havia mudado o seu propósito, como se ele tivesse esquecido sua fidelidade. Segue-se então, que a primeira aliança era inviolável; além disso, ele já tinha feito sua aliança com Abraão, e a Lei foi uma confirmação daquela aliança. Conforme a Lei dependia da aliança que Deus fez com seu servo Abraão, segue-se que Deus nunca poderia ter feito uma nova, ou seja, uma contrária ou uma aliança diferente.
Porque de onde é que vamos tirar a nossa esperança de salvação, a não ser a partir dessa semente bendita prometida a Abraão? Além disso, por que somos chamados filhos de Abraão, salvo em razão do vínculo comum da fé? Por que dos fiéis é dito estarem reunidos no seio de Abraão? Por que Cristo disse, que alguns virão do oriente e do ocidente, e se sentarão no reino dos céus com Abraão, Isaque e Jacó? (Lucas 16.22; Mateus 8.11). Estas coisas indubitavelmente mostram que Deus nunca fez qualquer outro pacto do que aquele que ele fez anteriormente com Abraão, e finalmente confirmou pela mão de Moisés. Este assunto pode ser mais bem tratada; mas é o suficiente mostrar brevemente, que a primeira aliança que Deus fez é perpétua.
Vejamos agora por que ele promete ao povo uma nova aliança. Isto sendo novo, sem dúvida refere-se ao que eles chamam a forma; e a forma ou maneira, não diz respeito apenas a palavras, mas em primeiro lugar Cristo, então a graça do Espírito Santo, e toda a forma externa de ensino. Mas a substância permanece a mesma. Por substância entendo a doutrina; porque Deus no Evangelho traz nada além do que a Lei contém. Por isso, vemos que Deus tem falado desde o início, que ele não mudou, não, nem uma sílaba, no que diz respeito à substância da doutrina. Porque ele tem incluído na Lei a regra de uma vida perfeita, e tem também mostrado o que é o caminho da salvação, e por tipos e figuras levou o povo a Cristo, de modo que a remissão do pecado foi claramente manifestada e, em qualquer condição é necessário ser conhecida.
Como então Deus não acrescentou nada à Lei quanto à substância da doutrina, devemos chegar, como eu já disse, à forma, enquanto Cristo ainda não tivesse se manifestado: Deus fez uma nova aliança, quando cumpriu por meio de seu Filho tudo aquilo que se encontrava prefigurado sob a Lei. Porque os sacrifícios não poderiam de si mesmos apaziguar a Deus, como é bem conhecido, e tudo o que a Lei ensinou a respeito da expiação seria inútil e sem importância. A nova aliança, então, foi feita quando Cristo apareceu com a água e o sangue, e realmente cumpriu o que Deus tinha exibido em tipos, de modo que os fiéis possam experimentar a salvação. Mas a vinda de Cristo não teria sido suficiente, se a regeneração pelo Espírito Santo não fosse adicionada. Foi, então, em alguns aspectos, uma coisa nova, em que Deus regenerou os fiéis pelo seu Espírito, para que ela não se tornasse apenas uma doutrina tão ao pé da letra, mas também eficaz, que não só atinge o ouvido, mas penetra no coração, e realmente nos faz aptos para o serviço de Deus. O modo exterior de ensino também era novo, já que é evidente a todos; porque quando se compara a Lei com o Evangelho, vemos que Deus nos fala agora abertamente, como se fosse cara a cara, e não sob um véu, como Paulo nos ensina, quando se fala de Moisés, que colocou um véu quando ele saiu para abordar as pessoas em nome de Deus (2 Cor 3.13). Não é assim, diz Paulo, sob o Evangelho, senão que o véu é removido, e Deus, na face de Cristo se apresenta para ser visto por nós. Esta, então, é a razão pela qual o Profeta chama-lhe uma nova aliança, como será mostrado mais largamente; porque eu toco somente em coisas que não podem ser tratadas à parte, para que todo o contexto do Profeta possa ser melhor compreendido. Vamos então prosseguir agora com as palavras do texto.
Ele diz que o pacto que ele vai fazer não será como ele tinha feito com seus pais. Aqui ele distingue claramente a nova aliança da Lei. O contraste deve set tido em mente; porque nenhum dos judeus achava possível que Deus gostaria de acrescentar algo melhor à Lei. Porque embora eles considerassem a Lei quase como nada, sabemos que os hipócritas fingiam com grande ardor de zelo que eles eram muito devotados à Lei, os quais pensavam que o céu e a terra poderiam ser mais cedo misturados, do que qualquer mudança ser feita na Lei; e, ao mesmo tempo eles realizaram mais tenazmente o que Deus tinha instituído apenas por um tempo. Era, portanto, necessário que a Lei devesse ser aqui contrastada com a nova aliança, para que os judeus pudessem saber que o favor reservado para eles seria muito mais excelente do que o que tinha sido anteriormente manifestado aos pais. Esta, então, é a razão pela qual ele diz, não de acordo com o pacto, etc
Em seguida, acrescenta, que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão etc. Aqui, ele mostra que eles nunca poderiam ter uma firme esperança de salvação, a não ser que Deus fizesse uma nova aliança. Tal era o seu orgulho, que dificilmente teriam recebido o favor de Deus, se não tivessem sido convencidos desta verdade, porque esta teria estado sempre em sua boca, "Deus não se mostrou um pai para seu povo quando ele os remiu? Não foi porventura um testemunho de seu favor paternal? Não tem ele elevado a condição da Igreja, que ele projetou para ser perpétua?" Eles teriam, portanto, rejeitado o favor de Deus, não tivesse o Profeta declarado abertamente que a Lei tinha sido e ainda seria inútil para eles, e que havia portanto, uma necessidade de um novo pacto, caso contrário, eles deveriam ter perecido.
Percebemos agora o desígnio do Profeta; e isso deve ser cuidadosamente observado; por isso não seria o suficiente saber o que o Profeta diz, exceto que nós também saibamos por que ele diz isso ou aquilo. O sentido, então, é que isto não deveria parecer estranho, a saber, que Deus faria uma nova aliança, porque a primeira tinha sido inútil e de nada valeu. Em seguida, ele confirma isso, porque Deus fez a primeira aliança quando ele estendeu a sua mão ao seu antigo povo, e tornou-se seu libertador; e ainda assim eles invalidaram aquele pacto. A circunstância quanto ao tempo deveria ser notada, para que a memória de um benefício recente fosse um motivo mais forte para a obediência. Porque quão grande seria a ingratidão para aqueles que tinham sido livrados pelo maravilhoso poder de Deus, rejeitar o seu pacto, numa ocasião em que havia sido antecipado pela misericórdia divina? Como eles tinham invalidado mesmo naquela época a aliança de Deus, isto pode com certeza ser concluído, que não houve tempo em que não haviam manifestado sua impiedade, e não tinham sido violadores do pacto.
Ele acrescenta, “não obstante eu os haver desposado”. Embora alguns limitem o verbo בעלתי Bolti, ao governo exercido por um marido, e isso não seria inadequado, como Deus não somente governou sobre o seu povo, mas era também o seu marido, uma similitude que é frequentemente utilizada; ainda não sei se esse ponto de vista pode ser satisfatoriamente sustentado, que deve, portanto, estar conformado à verdade geral, que Deus tinha o povo sob sua própria autoridade, como se ele tivesse dito, que ele somente usou seu próprio direito em governar sobre eles e lhes prescreveu a maneira pela qual eles deveriam viver. Ao mesmo tempo, a palavra aliança, era mais honrosa para o povo. Porque quando um rei ordena qualquer coisa sobre o seu povo, isto é chamado um decreto; mas Deus lida com o seu próprio povo mais amavelmente, pois ele desce e aparece no meio deles, para que possa unir-se ao seu povo, como ele liga as pessoas a si mesmo. Por isso, vemos, em suma, por que Deus diz que ele governou sobre o povo, mesmo porque ele os havia comprado para si mesmo, e ele ainda não tinha apreciado seu próprio direito por conta da disposição indomável e perversa do povo.
Deveria, ao mesmo tempo ser observado, que a culpa é aqui lançada sobre o povo, que a Lei era fraca e não suficientemente válida, como vemos Paulo nos ensinar em Romanos 7.12. Pois assim que a fraqueza da Lei é falada, a maior parte lança mão de algo que consideram errado na Lei, e, portanto, a Lei é considerada desprezível; por isso o Profeta diz aqui que eles invalidaram a aliança de Deus, como se ele tivesse dito, que a culpa não era para ser buscada na Lei para que houvesse necessidade de uma nova aliança, pois a Lei foi abundantemente suficiente, mas a culpa era da leviandade e da infidelidade do povo. Agora, então, vemos que nada detrata a Lei quando se diz ser fraca e ineficaz; pois isto é uma falha acidental derivada de homens que não respeitam nem mantêm a sua fé empenhada. Há ainda mais coisas a serem ditas; mas agora, como já disse, tocamos brevemente nas palavras do Profeta.

Traduzido e adaptado por Silvio Dutra.


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
http://livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Calvino

No fim do namoro
Desiludido e com dor
O rapaz teve uma ideia brilhante
Fez de sua aliança um abridor.

bruno estevam

"Não sonho com casamento, nem noivado. São só palavras, aparências. O importante são as alianças reais... e invisíveis."

Daniel Dias

amor
palavra muito usada e bem pouca praticada
Amor é doença...crença
é aliança...esperança
quando me chamas no teu sonho
e me acorda ainda adormecida
me chamando alucinadamente
assim como um mendigo clama pelo pão
tu me convidas pro teu sonho
e nele embalamos numa aventura
troca de declarações são feitas
e tudo se torna loucura
despertamos desse sonho
e nele ainda vivemos

Flávia Rodrigues

É Irrevogável e Indissolúvel Porque é Eterna

Deus fez uma aliança eterna com os cristãos, e prometeu isto desde os dias dos profetas, e o prometeu especialmente a Davi.
Sendo eterna não pode ser anulada.
E como aliança em seu caráter matrimonial onde Ele é o esposo, e a igreja a noiva, o que se requer então dos aliançados é que eles sejam fiéis.
Deus sempre será fiel porque não pode se negar a si mesmo.
Todavia, os cristãos, por causa do resquício de corrupções que remanescem na natureza terrena, são exortados a serem fiéis em tudo durante a sua peregrinação terrena, porque, tal casamento, do Criador com a criatura, requer isto.
Deus continuará amando seus filhos adúlteros, mas os sujeitará à disciplina da aliança.
Ele não os repudiará porque tem prometido manter o compromisso por toda a eternidade.
Diante de tal caráter imutável da promessa que Ele fez, não resta aos aliançados senão a alternativa de serem também fiéis, de modo que se viva de modo agradável Àquele com os quais se aliançaram numa união de amor indissolúvel e eterno.
Ao falar do caráter eterno da Nova Aliança que faria com os crentes por meio da fé em Jesus Cristo, Deus disse que esta consistiria na fiéis misericórdias que havia prometido a Davi.

“Inclinai os ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, que consiste nas fiéis misericórdias prometidas a Davi.” (Isaías 55:3)

Esta promessa de Isaías 55.3 foi confirmada em Atos 13.34.
Davi fizera menção ao caráter eterno desta aliança em suas últimas palavras antes de morrer:

“Não está assim com Deus a minha casa? Pois estabeleceu comigo uma aliança eterna, em tudo bem definida e segura. Não me fará ele prosperar toda a minha salvação e toda a minha esperança?” (II Samuel 23.5)

Silvio Dutra

A Arca da Aliança



“Jer 3:13 Tão-somente reconhece a tua iniquidade, reconhece que transgrediste contra o SENHOR, teu Deus, e te prostituíste com os estranhos debaixo de toda árvore frondosa e não deste ouvidos à minha voz, diz o SENHOR.

Jer 3:14 Convertei-vos, ó filhos rebeldes, diz o SENHOR; porque eu sou o vosso esposo e vos tomarei, um de cada cidade e dois de cada família, e vos levarei a Sião.
Jer 3:15 Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com conhecimento e com inteligência.
Jer 3:16 Sucederá que, quando vos multiplicardes e vos tornardes fecundos na terra, então, diz o SENHOR, nunca mais se exclamará: A arca da Aliança do SENHOR! Ela não lhes virá à mente, não se lembrarão dela nem dela sentirão falta; e não se fará outra.
Jer 3:17 Naquele tempo, chamarão a Jerusalém de Trono do SENHOR; nela se reunirão todas as nações em nome do SENHOR e já não andarão segundo a dureza do seu coração maligno.
Jer 3:18 Naqueles dias, andará a casa de Judá com a casa de Israel, e virão juntas da terra do Norte para a terra que dei em herança a vossos pais.”

A Arca da Aliança que Deus mandou Moisés fabricar e colocar no Santo dos Santos do tabernáculo, a qual continha as tábuas de pedra dos Dez Mandamentos, a vara de Arão que floresceu e um pote com o maná que os israelitas haviam comido no deserto, não deveria ser um objeto de adoração para os israelitas, mas um utensílio sagrado que serviria de lembrança da presença e da aliança do Deus vivo com eles, e da obediência que Lhe deviam quanto aos mandamentos que lhes havia dado; motivo porque ordenou que um exemplar do Pentateuco fosse colocado ao lado da arca.
Mas Israel, em vez de somente venerar a Arca da Aliança, e colocar a sua confiança exclusivamente em Deus, cuja presença era tipificada pela arca, fez justamente o oposto, e assim ela se tornou um objeto de confiança e adoração, e não somente a arca, como o templo no qual ela se encontrava.
Eles achavam que Israel era abençoado pelo fato de ter um templo e uma arca, e sempre diziam: “templo do Senhor, templo do Senhor é este”, como a dizer, ninguém poderá nos molestar enquanto o templo estiver de pé.
Mas suas vidas eram uma verdadeira contradição com a fé que professavam, pois não se via piedade nelas, a verdadeira santidade, senão mera religiosidade. E isto sempre ocorre quando colocamos a nossa fé em algo ou alguém que não seja o próprio Senhor Jesus Cristo.
Mera religiosidade não conduz à vida de piedade, ao contrário nos afasta dela.
Ainda hoje, muitos têm o seu “templo” e a sua “arca” de confiança e adoração. Não confiam em Deus, mas nos muitos objetos religiosos que fazem parte da sua devoção.
Todavia, em nosso texto, Deus diz que quando chegasse o tempo de Jesus vir a este mundo (o que já aconteceu), aqueles de Israel que estivessem unidos a Ele jamais tornariam a dizer: “A Arca da Aliança do Senhor”, e que sequer ela lhes viria à mente, ou seja, o próprio Cristo, Emanuel, Deus conosco, seria a Arca, pois a urna de ouro do passado era um tipo desta Santa presença com os homens neste mundo.
Além disso, Deus prometeu que a lei não estaria mais no interior da Arca, em tábuas de pedra, mas, por estarmos em Jesus, ela seria escrita em nossas mentes e corações, por meio da presença do Espírito Santo, cuja habitação recebemos por causa da nossa fé em Jesus Cristo.


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Veja tudo sobre as Escrituras do Velho Testamento no seguinte link:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Veja tudo sobre as Escrituras do Novo Testamento no seguinte link:
http://livrono.blogspot.com.br/

A Igreja tem testemunhado a redenção de Cristo juntamente com o Espírito Santo nestes 2.000 anos de Cristianismo.
Veja várias mensagens sobre este testemunho nos seguintes links:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/
http://poesiasdoevangelho.blogspot.com.br/

A Bíblia também revela as condições do tempo do fim quando Cristo inaugurará o Seu reino eterno de justiça ao retornar à Terra. Com isto se dará cumprimento ao propósito final relativo à nossa redenção.
Veja a apresentação destas condições no seguinte link:
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Silvio Dutra

Aliança de Justiça e de Paz



Quando Deus tirou a nação de Israel do cativeiro no Egito, por meio de Moisés, foi para que eles entrassem em aliança com Ele, por meio da qual viveriam para obedecer-Lhe e aos Seus mandamentos.
Não é algo muito diferente disto que foi feito por Cristo quando nos retirou do cativeiro nas trevas do pecado, ou seja, para que entrássemos numa Nova Aliança com Deus para viver em obediência à Sua Santa vontade.
Assim, não há meio termo na nossa vocação – nossa chamada por Deus para a salvação – ou o servimos com um coração sincero e inteiramente consagrado à Sua vontade, ou então não podemos participar da Sua natureza divina por meio da fé em Jesus Cristo.
O Senhor chamará e fará entrar numa aliança de justiça e de paz com Ele, somente aqueles que se reconhecerem pecadores e desejarem ter suas vidas santificadas pelo Espírito Santo e pela Sua Palavra revelada na Bíblia.
O Senhor falou da aliança que faria conosco em Jesus Cristo, na dispensação da graça, através dos profetas, e inclusive pelo Rei Davi, conforme podemos ver no 23º capítulo do livro de 2 Samuel, o qual registra as últimas palavras proferidas por ele próximo da sua morte (v. 1 a 7).
As últimas palavras proferidas por Davi são extraordinárias e comprovam que ele havia sido realmente exaltado e ungido por Deus, e foi inspirado pelo Espírito Santo para ser o mavioso salmista de Israel, sendo conhecido em todas as partes do mundo em todos os séculos, pelos Salmos que escreveu debaixo desta inspiração (v. 1).
Ele não tinha o Espírito de Deus apenas no seu coração, guardando comunhão com Ele, mas permitiu que Ele usasse a sua língua, para proferir a Sua Palavra através da Sua boca (v. 2).
Davi regeu a todos que foram colocados debaixo do seu governo pelo Senhor, com o temor de Deus, porque o fizera com justiça (v. 3), tal como faria Neemias, depois dele (Ne 5.15).
Deus mesmo, a quem Davi chama de a Rocha de Israel (v. 3), havia lhe falado que aqueles que governam deste modo, são como a luz da manhã, quando sai o sol, como uma manhã sem nuvens, cujo esplendor, depois da chuva, faz brotar da terra a erva (v. 4).
Assim, é descrito o caráter de todos os justos que reinarão juntamente com Cristo, porque, falando ainda pelo Espírito, Davi aplica estas palavras à sua casa, dizendo: “Pois não é assim a minha casa para com Deus? Porque estabeleceu comigo um pacto eterno, em tudo bem ordenado e seguro; pois não fará ele prosperar toda a minha salvação e todo o meu desejo?”.
Esta certeza da salvação eterna, para todos os que estão na casa de Davi, por sua associação com Cristo, que pertence a esta casa, e é Senhor sobre ela, pois não foi estabelecida pelo homem, mas pelo próprio Deus, é devido ao pacto, que nas palavras do Espírito, pela boca de Davi, é “em tudo bem ordenado e seguro”.
Este é o caráter da aliança da graça, e é por ser uma aliança eterna que ela prosperará e jamais frustrará o desejo de qualquer um que tiver colocado no Senhor a Sua confiança, participando da aliança eterna, que foi prometida a Davi.
Na verdade, não há outra esperança de salvação senão por meio das condições da aliança prometida a Davi. Tanto que aqueles que permanecerem na condição de filhos de Belial, por não estarem assim aliançados com Deus, serão lançados fora, sem uma só exceção, como espinhos, porque não podem ser tocados com as mãos, isto é, não se permitem serem transformados e educados na justiça por Deus.
Por isso, quem os tocar se armará de ferro e da haste de uma lança, e a fogo serão totalmente queimados no seu lugar (v. 6,7).
As pessoas ímpias estão sujeitas não apenas ao braço da justiça dos magistrados terrenos, como também serão sujeitados ao braço forte do juízo eterno do Senhor, que os queimará num fogo eterno, que jamais se apagará.
Os filhos de pais piedosos nem sempre são tão santos e devotados quanto deveriam ser, tal como se deu com o próprio Davi, que a par de todo o seu amor e esforço para santificar os seus filhos, teve entre eles Amnom e Absalão, que eram ímpios.
Isto nos revela que é a corrupção e não a graça, que corre no sangue.
Por isso, a casa de Davi é típica da Igreja de Cristo, que é a casa dEle (Hb 3.3).
Cristo não é fiel a toda a sua casa, na condição de um servo, como fora Moisés em relação a Israel, mas como Senhor e Rei, assim como o fora Davi sobre a sua casa terrena.
O Senhor da casa espiritual de Davi é Cristo, e não o próprio Davi, porque este foi impedido de continuar o seu reinado pela morte, e regia apenas sobre Israel, mas Cristo, que vive e reina para sempre, reina sobre toda a Sua casa, e sobre todos aqueles que lhes foram dados pelo Pai, em todas as nações.
Deus fez uma aliança com a cabeça da Igreja, o Filho de Davi, de que preservará a Ele uma semente sobre a qual as portas do inferno não prevalecerão, ou seja, nunca poderão predominar sobre a Sua casa.
E esta segurança é garantida por Deus e realizada na Rocha segura que é Cristo, que é o autor e consumador da nossa fé e salvação.
Desta forma, é nEle que se cumprem todas as promessas da aliança da graça feita com Davi.
A aliança que Deus fez com um rei terreno apontava para a aliança que Ele fizera antes que houvesse mundo, no céu, com Aquele que reinará para sempre.
Por isso as promessas da aliança eterna são chamadas de fiéis misericórdias prometidas a Davi:
“Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as fiéis misericórdias prometidas a Davi.” (Is 55.3).
É maravilhoso saber que as últimas palavras que Davi falou pelo Espírito, apontaram para esta aliança segura e eterna.
Deus fez uma aliança conosco em Jesus Cristo, e nós aprendemos das Suas palavras pela boca de Davi que é uma aliança perpétua.
Perpétua em si mesma e na forma do seu caráter, manutenção, continuação e confirmação.
Deus diz também pela boca de Davi que é bem ordenada e segura (v. 5).
Esta aliança está bem ordenada por Deus em todas as coisas que dizem respeito a ela.
Esta ordenação perfeita trabalhará em meio às imperfeições dos cristãos e os aperfeiçoará progressivamente, para a glória de Deus, de modo que se a obra não for completada na terra, ela o será no céu.
E para isso a aliança possui um Mediador e um Consolador para promover a santidade e o conforto dos cristãos. Está ordenado também QUE TODA TRANSGRESSÃO NA ALIANÇA NÃO LANÇARÁ FORA A QUALQUER DOS ALIANÇADOS.
Por isso Jesus afirma que não lançará fora de modo nenhum, a qualquer que vier a Ele.
Assim, a segurança da salvação não é colocada nas mãos dos cristãos, mas nas mãos do Mediador.
E se diz que a aliança é segura, porque está assim bem ordenada por Deus.
Ela foi planejada de tal modo a poder conduzir pecadores ao céu.
Ela está tão bem estruturada, que qualquer um deles pode ter a certeza de que estará sendo aperfeiçoado na terra e a conclusão desta obra de aperfeiçoamento será concluída no céu.
Uma das razões para que o aperfeiçoamento não seja concluído na terra, é para que se saiba que a aliança é de fato para pecadores, e não para quem se considera perfeitamente justo.
Ainda que todos os aliançados sejam chamados agora a se empenharem na prática da justiça.
As misericórdias prometidas aos aliançados é segura, e operarão de acordo com as condições estabelecidas em relação à necessidade de arrependimento e fé.
A aplicação particular destas misericórdias para santificar os cristãos é segura.
É segura porque é suficiente.
Nada mais do que isto nos salvará, porque a base da salvação repousa na fidelidade de Deus em cumprir a promessa que Ele fez à casa de Davi, a todo aquele que for encontrado nela, por causa da sua fé no descendente, no Filho de Davi que é Cristo. É somente disto que a nossa salvação depende.
Por isso, os que estão de fora da aliança, os filhos de Belial (v. 6,7), são como espinhos que não podem ser tocados, trabalhados pelas mãos de Deus, e esta será a razão de serem queimados para sempre, num fogo eterno que jamais se apagará.

"2Sm 23:1 São estas as últimas palavras de Davi: Palavra de Davi, filho de Jessé, palavra do homem que foi exaltado, do ungido do Deus de Jacó, do mavioso salmista de Israel.
2Sm 23:2 O Espírito do SENHOR fala por meu intermédio, e a sua palavra está na minha língua.
2Sm 23:3 Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Aquele que domina com justiça sobre os homens, que domina no temor de Deus,
2Sm 23:4 é como a luz da manhã, quando sai o sol, como manhã sem nuvens, cujo esplendor, depois da chuva, faz brotar da terra a erva.
2Sm 23:5 Não está assim com Deus a minha casa? Pois estabeleceu comigo uma aliança eterna, em tudo bem definida e segura. Não me fará ele prosperar toda a minha salvação e toda a minha esperança?
2Sm 23:6 Porém os filhos de Belial serão todos lançados fora como os espinhos, pois não podem ser tocados com as mãos,
2Sm 23:7 mas qualquer, para os tocar, se armará de ferro e da haste de uma lança; e a fogo serão totalmente queimados no seu lugar."


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Veja tudo sobre as Escrituras do Velho Testamento no seguinte link:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Veja tudo sobre as Escrituras do Novo Testamento no seguinte link:
http://livrono.blogspot.com.br/

A Igreja tem testemunhado a redenção de Cristo juntamente com o Espírito Santo nestes 2.000 anos de Cristianismo.
Veja várias mensagens sobre este testemunho nos seguintes links:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/
http://poesiasdoevangelho.blogspot.com.br/

A Bíblia também revela as condições do tempo do fim quando Cristo inaugurará o Seu reino eterno de justiça ao retornar à Terra. Com isto se dará cumprimento ao propósito final relativo à nossa redenção.
Veja a apresentação destas condições no seguinte link:
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Silvio Dutra

A Nova Aliança Instituída com o Sangue de Cristo

Um dos textos mais citados em toda a história da Igreja, especialmente depois da Reforma, é o que encontramos nos versículos 31 a 34 do capítulo 31 de Jeremias, que se refere à promessa da Nova Aliança.
É importante, para uma interpretação correta de todas as palavras da citada passagem, considerá-la no contexto de toda a mensagem do livro de Jeremias, especialmente à luz da sentença inapelável de que muitos seriam mortos em Judá e o restante do povo seria levado para o cativeiro em Babilônia por causa dos seus pecados.
Então, a promessa da Nova Aliança foi dirigida originalmente às casas de Israel e de Judá, que tinham sido duramente castigadas pelo Senhor, e levadas para o cativeiro, para que tivessem confiança que o remanescente do povo que fosse poupado por Deus, poderia ter a plena confiança de que os antigos pecados e iniquidades que eles haviam praticado, seriam totalmente esquecidos, porque o Senhor tornaria a lhes fazer o bem, nos dias desta Nova Aliança que ainda seria inaugurada.
O Novo Testamento cita esta promessa, especialmente o autor de Hebreus, para afirmar que a condição de se estar aliançado com Cristo, é de perdão total de pecados, por causa do sangue deste novo pacto que foi derramado por Ele justamente para a remissão de pecados de muitos.
A nova aliança que seria feita com Israel e Judá seria estendida também aos gentios, porque a promessa do Messias, do Redentor, que foi dado aos judeus para apartá-los dos seus pecados, alcançaria também os gentios, para que uma vez remidos de seus pecados (perdoados, livrados, justificados) por causa da obra deste Redentor, que tomaria sobre Si mesmo as nossas iniquidades, para que pudéssemos ser livrados da ira de Deus contra o pecado, tal como Ele a havia manifestado contra Israel e Judá, conforme vemos no livro de Jeremias.
E esta Nova Aliança seria firmada para que pudéssemos receber a implantação da Sua Lei em nossas mentes e corações, pela habitação do Espírito Santo, que é Aquele que implanta a Palavra de Deus em nós, de modo que sejamos admitidos como participantes do verdadeiro povo de Deus, que jamais será condenado por Ele, e que habitará com Ele por toda a eternidade.
Então, está claro que a promessa da Nova Aliança não tem em vista nos dar um salvo conduto para continuarmos na prática do pecado, enquanto temos a certeza de que iremos para o céu, por terem sido perdoadas as nossas iniquidades em Cristo, ou seja, vivermos tal como viveram os israelitas do passado, e sobre os quais viera a ira de Deus nos dias de Jeremias.
Evidentemente, não poderia ser este, de modo algum, o significado da promessa da Nova Aliança e dos seus benefícios.
Porque está bastante claro no contexto de Jeremias que Deus não ficou cansado de exigir santidade de Seu povo, por julgar que isto seja algo impossível de ser alcançado, mas nos proveu de um meio eficaz na Nova Aliança, para que possamos alcançar este propósito da nossa santificação, no qual Ele está interessado tão de perto, tanto que o autor de Hebreus não cita simplesmente o perdão das iniquidades e o esquecimento dos pecados dos cristãos por Deus, por causa da Nova Aliança, como também os exorta ao progresso em santificação, dizendo que sem esta evidência ninguém verá o Senhor.
Isto significa que o sangue derramado por Cristo tem o propósito de nos santificar, de modo que possa ser cumprido o desígnio eterno de Deus em relação aos que nele creem.
Esta passagem de Jeremias relativa à Nova Aliança requer uma reflexão especial porque trata de algo realmente inteiramente novo que Deus providenciaria para que aqueles que fossem admitidos por Ele como integrantes do Seu povo pudessem receber um auxílio especial, na pessoa e obra do Messias, do Rei Justo prometido no vigésimo terceiro capítulo deste livro de Jeremias.
“5 Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, sendo rei, reinará e procederá sabiamente, executando o juízo e a justiça na terra.
6 Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de que será chamado: O SENHOR JUSTIÇA NOSSA.” (Jer 23.5,6).
Nos dias da Antiga Aliança, Deus havia levantado governantes, juízes e reis justos e piedosos para conduzirem o povo, tais como Moisés, Josué, Samuel, Davi, Josafá, Ezequias, Josias, dentre outros, entretanto, nenhum deles poderia garantir que um só israelita vivesse em santidade diante de Deus.
Mas este Rei procederia como um renovo de Davi, um ramo que brotaria do tronco-raiz seco e morto de Jessé, pai de Davi, na plenitude do tempo, depois de Deus ter demonstrado fartamente, que sem a Sua ajuda, e sem que Ele nos fosse dado, Ele não poderia ter um povo que andasse na prática da justiça e da piedade.
E isto foi demonstrado de modo prático durante séculos na vida da nação de Israel, antes que Jesus se manifestasse e inaugurasse a Nova Aliança, que está sendo prometida no trigésimo primeiro capitulo de Jeremias.
Deus teve no antigo pacto pessoas que foram justificadas e andaram na justiça como Moisés e outros, e até mesmo antes deles, outros como Abel, Enoque e Abraão, mas nunca se viu todo o povo de Deus andando nos Seus caminhos, e conhecendo a Sua vontade.
Por isso as bases do pacto puderam ser mudadas, para que não fosse conforme o que fora feito por meio de Moisés, porque o Rei do povo de Deus, que lhes seria dado, seria poderoso para garantir o andar de todos eles na justiça, e fazer com que todos eles também conhecessem a Deus, diferentemente dos judeus nos dias do Antigo Testamento, que em sua grande maioria, apesar de fazerem parte da aliança, de serem do povo Deus, não O conheciam e não andavam em Seus caminhos.
Como o Seu governo é efetivo no coração, na alma, no espírito, e no próprio corpo dos súditos do Seu reino, então não haveria mais necessidade de se promulgar uma lei que ameaçasse com destruição, com seca, com morte pela espada, pela doença, e com cativeiro, a qualquer dos aliançados que viessem a transgredir os mandamentos de Deus, porque eles não seriam lançados fora da aliança, porque seria garantido por este Rei que seria a própria JUSTIÇA deles, que os seus pecados todos e todas as suas iniquidades, fossem perdoados e esquecidos, porque carregaria os pecados e a culpa do Seu povo sobre Si mesmo, quando morresse no lugar deles na cruz.
Por isso se diz que o nome que o Seu povo seria conhecido é o de SENHOR JUSTIÇA NOSSA, porque Ele próprio seria a justiça deles, com a qual estariam justificados de seus pecados diante de Deus.
Deste modo, se afirma que já não há nenhuma condenação, acusação, ou maldição para quem está em Cristo Jesus.
Porque foram resgatados da maldição da Lei por Ele, e também da escravidão ao pecado e ao diabo, e do poder da morte.
Então os cristãos não se encontram debaixo das maldições previstas na Lei de Moisés, porque eram inerentes à Antiga Aliança, mas debaixo de uma Nova Aliança, que substituiu inteiramente a Antiga.
A Justiça deste Rei Justo com a qual somos justificados é a base do Seu reino, ao qual fomos chamados a participar pela misericórdia de Deus, nos associando a Ele, de um modo vital, de modo que se diz que: “sendo Rei, reinará e procederá sabiamente, executando o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de que será chamado: O SENHOR JUSTIÇA NOSSA.”. Então é esta Justiça que é dEle, e não propriamente nossa, que nos salva e nos faz habitar em segurança, conforme a promessa constante da profecia deste texto citado de Jer 23.5b,6.
Esta justificação não pode significar que nos tornamos perfeitamente justos desde que tivemos um encontro pessoal com Cristo, pois que ainda permanecemos sujeitos à ação do pecado e nem se pode dizer de nós, enquanto neste mundo, que chegaremos à plenitude da perfeição das virtudes de Deus.
Ora, isto ocorrerá no porvir. Mas não se declara na Palavra que seremos justificados no porvir, porque a justiça do Rei Justo será implantada progressivamente em nós pela santificação, e também nos aperfeiçoará perfeitamente no porvir, porque isto terá sido possível por causa da justificação que nos foi atribuída de uma vez para sempre desde que passamos a pertencer a Ele, e consequentemente ao Seu reino de justiça.
É por isso que o Senhor afirma que não lança fora a nenhum que vem a Ele, e que a vontade do Pai é que não perca a nenhum dos que lhes foram dados por Ele.
Ora, isto significa sobretudo que enquanto permanecermos nEle, nada poderá nos separar do Seu amor, porque a obra de expiação que fizera em nosso favor, para o perdão do nosso pecado, foi completa, perfeita e segura; assim, como a nossa justificação por estarmos nEle possui também tais características, porque é impossível que Ele possa ser vencido, e Sua vida é eterna e inabalável.
Em Cristo temos sido aperfeiçoados.
Podemos ser ainda imperfeitos, mas seremos perfeitos como Ele é perfeito, se permanecermos firmes na fé e nEle mesmo.
Somos chamados de justos, ainda que imperfeitos, porque estamos nAquele que é perfeitamente Justo.
O capítulo 31 de Jeremias é introduzido pela citação “Naquele tempo”, ou seja, nos dias da Nova Aliança, da dispensação da graça.
E o Senhor diz que na referida época, Ele seria o Deus de todas as famílias de Israel e elas seriam o Seu povo (v. 1), isto, sabemos agora, por causa da promessa de que todo cristão seria um verdadeiro israelita, conhecido e conhecedor de Deus, integrante de Sua família, porque de outro modo, seria impossível o cumprimento de uma tal promessa em que todas as famílias de Israel pudessem ser consideradas integrantes do verdadeiro povo de Deus.
Deus faria isto por causa do Seu grande amor que é eterno, e da Sua benignidade que atrairia aqueles que salvaria pela Sua misericórdia a Si mesmo, e hoje sabemos que Ele o faz, nos atraindo a Jesus Cristo para sermos salvos por Ele (v. 3).
Haveria nestes dias futuros de bênçãos quem gritasse como sentinelas no monte de Efraim, que se subisse ao monte Sião, à presença do Senhor, porque haveria cânticos de alegria, e haveria exultação por causa de Israel, que seria posta como a principal das nações, e o que se proclamaria seria o seguinte: “Salva, Senhor, o teu povo, o resto de Israel.”. Este resto de Israel, é o remanescente fiel deste povo que será salvo por Cristo.
O Senhor havia falado antes somente em destruir, mas agora Ele está falando de uma edificação que ocorreria no futuro.
Já não falaria mais em destruição, mas em edificação, por isso Jesus disse que não veio condenar o mundo, ou julgá-lo, mas salvá-lo, ou seja, na presente dispensação da graça, Ele está sendo inteiramente longânimo para com todos os pecadores, na expectativa de que se arrependam e vivam.
Ele estará convocando, através da Igreja, as pessoas de todos os recantos da terra, para que se arrependam e creiam nEle para que vivam, em vez de destruí-las por causa dos seus pecados.
Então, em face de tal graça e misericórdia, os de Israel, que haviam sido espalhados pelas nações, por causa dos juízos de Deus, tornariam a ser reunidos por Ele em sua própria terra, assim como o pastor ajunta o seu rebanho para guardá-lo.
O pecado e o diabo que eram mais fortes do que Israel e que continuamente o levava a pecar e a se desviar de Deus, seriam vencidos por Jesus, que é mais forte do que ambos, de modo que uma vez sendo amarrados por Ele esses valentes, Israel poderia ser libertado (v. 11).
E então o Senhor passou a proclamar as bênçãos que viriam não somente sobre os judeus, que haviam sido deportados para Babilônia, como também para os israelitas que haviam sido levados em cativeiro pelos assírios, ou seja, para os descendentes deles, especialmente sob o governo de Jesus, quando fossem reunidos a Ele.
Haveria um clamor em Ramá, por causa da matança de meninos de dois anos para baixo em Belém e seus arredores, por ordem do Rei Herodes, que tentaria impedir o cumprimento da promessa de Deus, de dar a Seu povo o Rei que o salvaria dos seus pecados (v. 15, Mt 2.16-18).
Todavia, o propósito eterno de Deus não poderia ser frustrado, e Herodes nada poderia fazer para impedir a chegada a este mundo do Rei dos reis, e Senhor dos senhores, por causa de quem o povo de Deus canta com júbilo e fica radiante com os benefícios do Senhor, em todas as Suas provisões, e também por quem suas vidas se tornam como jardins regados, de modo que nunca mais desfalecerão.
Além disso, por causa da Nova Aliança em Cristo, haverá cântico de júbilo nos altos de Sião, que simbolizam a condição elevada da alma na presença de Deus nas regiões celestiais (v. 12 a).
Jovens e velhos dançariam alegremente quando o Senhor edificasse o Seu povo, e o pranto deles seria transformado em alegria, porque seriam consolados pelo Espírito Santo, e o Senhor lhes daria alegria no lugar da tristeza (v. 13).
Todo o choro pelas tribulações e aflições, especialmente as produzidas pelo Inimigo, deveria ser reprimido, bem como todas as lágrimas dos olhos, porque o Senhor recompensaria o trabalho dos Seu povo, e o livraria da opressão do Inimigo (v. 16).
Os que haviam sido castigados deveriam abandonar as suas queixas, e pedirem ao Senhor para serem restaurados, porque estava preparando uma nova dispensação onde prevaleceria mais a Sua misericórdia do que os Seus juízos (a da graça), e portanto, os que se achavam desviados poderiam regressar a Ele com confiança, porque saciaria toda alma cansada e fartaria toda alma desfalecida (v. 25).
Tudo isto fora dado em sonho a Jeremias (v. 26), para que o Senhor o confirmasse logo depois ao profeta com a promessa relativa à Nova Aliança, na qual se cumpririam todas estas bênçãos que ele vira em sonho.
Deus disse que no passado havia falado em arrancar e derrubar, transtornar, destruir, e afligir, relativamente às casas de Israel e de Judá, como vemos nas Suas ameaças em quase todo o Velho Testamento, mas disse que nos dias que ainda viriam (dispensação da graça), Ele agora vigiaria para edificar e para plantar. (v. 28).
Por isso o apóstolo Paulo diz que a Igreja é a lavoura de Deus, referindo-se a ela como uma plantação, e também como o edifício de Deus, porque o Senhor prometeu plantar e edificar, e não arrancar e destruir o Seu povo nos dias da Nova Aliança.
Nós vemos também o apóstolo se dirigindo à Igreja carnal de Corinto, dizendo que os repreenderia pelos seus pecados, mas que não os destruiria porque o ministério que havia recebido do Senhor era para edificação e não para destruição (II Cor 13.10).
Deus revogaria também o princípio da iniquidade dos pais ser visitada nos filhos até a terceira e quarta geração, conforme previsto na Antiga Aliança, porque na Nova, cada um responderia pelos seus próprios pecados perante Ele (v.29, 30).
E depois de ter feito esta introdução de promessas de bênçãos, revelou ao profeta como elas se cumpririam, a saber: com a entrada em vigor da Nova Aliança no lugar da Antiga, conforme já comentamos anteriormente (v. 31 a 34).
E para ratificar a imutabilidade deste Seu propósito que se cumpriria em Cristo, o Senhor afirmou que se tal promessa pudesse ser revogada, então Israel deixaria também de ser uma nação diante dEle para sempre, porque não há outro modo de existir um povo para Deus, senão na união dos Seus filhos com Jesus Cristo, sendo salvos por Ele, pela justificação da Nova Aliança, com a qual o próprio Abraão havia sido justificado, antes mesmo da Lei, para que se soubesse, que é por tal justificação em Cristo que se tem vida eterna, e não pela Lei de Moisés (v. 35, 36).
Deus não rejeitaria Israel apesar de tudo quanto haviam feito, porque usaria de misericórdia e salvaria o remanescente da referida nação, e não deixaria de fazer isto de modo algum, e por isso afirmou que o faria somente caso alguém pudesse medir os céus e os fundamentos da terra (v. 37).
Assim, os judeus deveriam ter confiança, enquanto estivessem no cativeiro, que o Senhor visava ao bem do Seu povo, e não à Sua destruição, e que deveriam voltar com alegria e com confiança para a sua própria terra, depois que fossem libertados por Ele do cativeiro em Babilônia, porque o Seu propósito para Israel é o de que seja colocado como cabeça das nações na terra para sempre, sem que possa ser jamais derrubado, e isto terá cumprimento por ocasião da volta de Jesus (v. 38 a 40).

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
http://livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Silvio Dutra

Uma Aliança Firmada em Graça



Em Isaías 55 vemos que o evangelho é para os que têm fome e sede de justiça.
A mesa do banquete está pronta e tudo o que de nós se exige é apetite. É tudo de graça.
Por isso o convite da salvação é dirigido a todos os que têm sede para que venham às águas da salvação, e que poderão adquirir (comprar) o vinho espiritual da alegria, e o leite racional que nos alimenta que é a graça de Cristo, que acompanha o evangelho, para sermos alimentados por ela, sem dinheiro e sem preço (Is 55.1).
Diz-se portanto que todo esforço e gasto de dinheiro para obter a salvação é vão, porque a salvação verdadeira que Deus está operando pelo Filho, é completamente gratuita.
A boa comida espiritual, e o tutano divino são achados somente na mesa de Cristo, e não nas mãos dos que fazem da religião ocasião de comércio (Is 55.2).
A mensagem do evangelho deve ser ouvida atentamente, pela voz dos ungidos do Senhor, através dos quais Cristo fala, para que pessoas se convertam a Ele, para entrarem na aliança eterna, que Ele havia prometido como sendo firmes beneficências a Davi (v. 3).
Estas firmes beneficências a Davi são citadas também em passagens do Novo Testamento, como em At 13.34.
“Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as fiéis misericórdias prometidas a Davi.” (Is 55.3).
É maravilhoso saber que as últimas palavras que Davi falou pelo Espírito, apontaram para esta aliança segura e eterna.
Deus fez uma aliança conosco em Jesus Cristo, e nós aprendemos das Suas palavras pela boca de Davi que é uma aliança perpétua.
Perpétua em si mesma e na forma do seu caráter, manutenção, continuação e confirmação. Deus diz também pela boca de Davi que é bem ordenada e segura (v. 5).
Esta aliança está bem ordenada por Deus em todas as coisas que dizem respeito a ela.
Esta ordenação perfeita trabalhará em meio às imperfeições dos cristãos e os aperfeiçoará progressivamente, para a glória de Deus, de modo que se a obra não for completada na terra, ele o será no céu.
E para isso a aliança possui um Mediador e um Consolador para promover a santidade e o conforto dos cristãos.
Está ordenado também QUE TODA TRANSGRESSÃO NA ALIANÇA NÃO LANÇARÁ FORA A QUALQUER DOS ALIANÇADOS.
Por isso Jesus afirma que na lançará fora de modo nenhum, a qualquer que vier a Ele.
Assim, a segurança da salvação não é colocada nas mãos dos cristãos, mas nas mãos do Mediador.
E se diz que a aliança é segura porque está assim bem ordenada por Deus.
Ela foi planejada de tal modo a poder conduzir pecadores ao céu.
Ela está tão bem estruturada que qualquer um deles pode ter a certeza de que estará sendo aperfeiçoado na terra e a conclusão desta obra de aperfeiçoamento será concluída no céu.
E uma das razões para que o aperfeiçoamento não seja concluído na terra, é para que se saiba que a aliança é de fato para pecadores, e não para quem se considera perfeitamente justo, embora todos os aliançados sejam chamados agora a se empenharem na prática da justiça.
As misericórdias prometidas aos aliançados é segura, e operarão de acordo com as condições estabelecidas em relação à necessidade de arrependimento e fé.
A aplicação particular destas misericórdias para santificar os cristãos é segura.
É segura porque é suficiente.
Nada mais do que isto nos salvará, porque a base da salvação repousa na fidelidade de Deus em cumprir a promessa que Ele fez à casa de Davi, a todo aquele que for encontrado nela, por causa da sua fé no descendente, no Filho de Davi que é Cristo.
É somente disto que a nossa salvação depende.
Muitos podem pensar que quando se conclama, na profecia de Isaías, ao ímpio a deixar o seu caminho e o homem maligno os seus pensamentos para se voltar para o Senhor, para achar misericórdia e perdão, porque se diz que Deus é rico em perdoar, que isto não se aplique às pessoas perversas.
No entanto, é um convite a todas as pessoas porque não há quem não peque, e Cristo veio salvar e justificar ímpios (Rom 4.5), de forma que aquele que se julgar justo e bom a seus próprios olhos jamais poderá ser salvo por Cristo, porque Ele salva aqueles que se reconhecem pecadores.
Para esclarecer este ponto, para que ninguém fizesse uma avaliação errada relativa à sua real condição diante de Deus, Ele declarou que os seus pensamentos não são os nossos pensamentos, nem os nossos caminhos os seus caminhos (Is 55.8).
Se nos compararmos com outras pessoas é possível que nos achemos bons e justos.
Mas se contemplarmos os que estão no céu, especialmente ao próprio Deus em sua perfeita santidade e glória, nós veremos quão imperfeitos somos.
E clamaremos tal como Isaías fizera no capítulo sexto, quando viu a santidade e glória com que os serafins louvavam ao Senhor no Seu trono de glória.
Por isso se ordena que olhemos para Cristo para que sejamos salvos, porque somente quando contemplamos a majestade da sua santidade, é que podemos enxergar qual é o nosso real quadro de miséria e de necessidade que temos de sermos salvos por Ele.
Então esta salvação não será achada em nós mesmos. Porque ela nos vem inteiramente destes caminhos e pensamentos elevados de Deus que procedem do céu e não da terra.
É do alto que a graça e o Espírito são derramados, e por isso somos conclamados a olhar para o alto, para Cristo, para o tesouro do céu e não para o que é terreno, quando o assunto se refere à nossa salvação.
Esta salvação vem do alto, mas a Palavra que salva foi revelada por Cristo na terra, e está não apenas na Bíblia, mas junto da nossa boca e coração, para que façamos a confissão da fé no Seu nome e senhorio, para que sejamos salvos.
Deus pôs esta autoridade para nos salvar na Sua Palavra. A palavra do evangelho é a semente que contém a vida eterna.
De maneira que todo o que crê na Palavra da verdade será salvo, porque esta Palavra gerará em seu coração a fé pela qual Deus o salvará. Por isso Ele afirma o que se lê em Is 55.10,11.
Estes que crerem no evangelho e forem salvos sairiam dando testemunho por todas as partes com a alegria e a paz com que seriam guiados pelo Espírito Santo, e por onde passarem anunciando as boas novas, a maldição será transformada em bênção porque se diz que em vez de espinheiros e sarças, cresceriam a faia e a murta que são plantas ornamentais. E isto seria para o Senhor um nome e um sinal eterno que nunca se apagará (v. 12, 13).

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
http://livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Silvio Dutra

Uma Nova Aliança Diferente da Antiga



Devemos ter o devido cuidado ao estudarmos a Bíblia, especialmente o Antigo Testamento, nas partes relativas ao Antigo Pacto, porque ali encontramos muitas figuras de realidades que se cumpriram em Cristo, e muitos preceitos que foram revogados e alterados por Cristo com a instituição da Nova Aliança, que revogou a Antiga, de modo que não pratiquemos na dispensação da graça aquelas coisas e atitudes que eram determinadas e aceitas por Deus no Antigo Pacto, mas que de modo algum podem ser aceitas nesta nova dispensação, em que novas diretrizes foram dadas para substituírem muitas das diretrizes antigas, como por exemplo a lei do olho por olho, dente por dente; o ofício sacerdotal com a apresentação de animais em sacrifício; as guerras santas ordenadas por Deus para extermínio de povos idólatras etc.
A Nova Aliança não é ministério de morte, mas de vida. Isto é, os ministros de Deus estão encarregados de levar a vida de Cristo aos homens, e não a condenação e a morte.
Isto fica agora exclusivamente nas mãos de Deus, e a Igreja de Cristo não é mais a espada de Deus, como Israel foi no mundo antigo para exercer juízos de Deus sobre o mundo de ímpios.
Deus é o Juiz exclusivo do que se refere a tirar ou não a vida de qualquer pessoa, de modo que não deseja nenhuma cooperação da Igreja neste sentido, ao contrário, foi vedado à Igreja na presente dispensação toda e qualquer forma de juízo, e daí Cristo ter determinado que o crente a ninguém deve julgar neste sentido, porque o juízo sobre vida ou morte está agora exclusivamente nas mãos de Deus.
À Igreja cabe pregar o evangelho, e aqueles nos quais Cristo será cheiro de morte para a morte e não aroma de vida para a vida, é assunto que se encontra fora da alçada da Igreja, e que está totalmente nas mãos do Grande e único Juiz.
O dever do qual a Igreja está incumbida é o de levar a mensagem de salvação e se empenhar muito para a salvação de alguns, porque Jesus, na dispensação da graça, se empenha não em condenar os pecadores, mas salvá-los.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
http://livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Silvio Dutra

A Firmeza da Nossa Aliança com Cristo

No sétimo capítulo de Romanos nós vemos o caráter firme e seguro da nossa aliança com Jesus, e pela qual somos libertados da condenação de uma aliança segundo a lei.
Deus como o Grande Legislador e Juiz de todo o universo, criou o homem e fez com que ele fosse responsável perante Ele segundo a norma da lei moral que ele inscreveu em sua consciência, instalando ali um tribunal que age no próprio homem condenando-o naquilo que é reprovável e aprovando-o naquilo que é louvável.
Mas, segundo a Lei Régia há a exigência da perfeita obediência, conforme foi revelado a Adão, e que a penalidade para qualquer ato de desobediência é a morte, e todo homem responde à referida Lei até hoje.
Posteriormente, nos dias de Abraão, Deus acrescentou novos mandamentos para serem guardados pelas pessoas da descendência do patriarca, com as quais formaria um povo para Si, para se revelar ao mundo através do mesmo, e principalmente para que por este povo nos fosse dado o Messias.
O caráter da obediência completa exigida de toda a humanidade da Lei Régia foi ainda mais detalhado com os mandamentos que foram dados através de Moisés. E desde então, até que viesse o Messias, o modo de agradar a Deus, passava obrigatoriamente pelo cumprimento dos mandamentos da Lei.
E a pena de morte espiritual e eterna para os desobedientes foi mantida porque se afirma na Lei de Moisés que é maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas da Lei, para cumpri-las.
Isto descreve a condição de miséria espiritual e de condenação que paira sobre toda a humanidade, porque todos são pecadores, e não têm em si mesmos a condição e o poder para obedecerem perfeitamente a todos os mandamentos da Lei.
Como poderia então Deus se prover de filhos semelhantes a Cristo?
Se todos estão obrigados à Lei, como poderão ter vida, estando mortos; como poderão ser livres, estando condenados?
Só havia um modo de Deus nos libertar da condenação da Lei e nos dar vida eterna, permanecendo Justo, por não remover ou contrariar a Lei. Isto Ele fez nos considerando como mortos para a Lei, por ter feito com que a morte de Jesus na cruz fosse a nossa própria morte.
Ele visitaria o Seu próprio Filho Unigênito com o castigo que era destinado a nós pecadores. Ele executaria a sentença de morte exigida pela Lei nEle, fazendo com que fosse feito pecado e maldição no nosso lugar.
E assim, a Lei não seria removida, mas nós seríamos resgatados por meio de Cristo de debaixo da sua condenação e maldição.
É basicamente isto que Paulo expõe no sétimo capítulo de Romanos; de modo que toda a argumentação que ele fizera quanto à condição de não se fazer o bem que queremos, e fazer o mal que não queremos, pelo pecado que opera na nossa carne, é sobretudo uma condição que explica sobretudo a condição em que se encontram aqueles que permanecem debaixo da Lei e não da graça do evangelho, a saber as pessoas que não foram regeneradas pelo Espírito Santo.
Elas podem dizer isto, por não terem encontrado a solução que Paulo havia encontrado: "miserável homem que sou". Isto porque não têm a Cristo que é o único que pode nos livrar do corpo desta morte.
E este livramento que se obtém somente por Cristo e em Cristo, não é decorrente do fato de que agora os próprios crentes são perfeitos segundo a Lei, porque sempre haverá resquícios de pecado e de desobediência em sua natureza terrena que ainda carregam neste mundo, mas sim, e exclusivamente pelo fato de que foram resgatados da condenação da Lei por terem morrido para a Lei em Cristo.
Uma Lei não tem autoridade sobre quem já está morto. Assim, os crentes já não são julgados ou condenados por Deus com base na Lei, porque não estão mais debaixo da Lei, quanto ao que se refere ao seu poder de condenação daqueles que pecam contra os seus mandamentos. Eles são julgados agora pela lei da liberdade, respondendo, livres que são, não mais a um Juiz, mas a um Pai de amor, que os corrige e dirige como filhos amados, por causa de Jesus Cristo.
Haverá ainda um grande conflito entre o Espírito e a carne, entre a velha e a nova natureza, em todos os crentes, mas juntamente com Paulo eles podem dizer em uníssono: "Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor." Não serão mais condenados por não serem tão bem sucedidos nesta guerra contra as suas almas, quanto gostariam de ser. Contudo, sabem que são amigos de Deus, que amam a Deus, que odeiam o diabo e o pecado, e que por fim serão transformados à perfeita imagem de Jesus, ainda que isto ocorra somente na glória.
Todavia, esta grande verdade central do evangelho não deve servir de motivo para que abusemos da liberdade que foi conquistada para nós por um preço elevadíssimo de sangue, e não de um sangue qualquer, senão o puro e imaculado sangue do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Preço este que foi pago para que livres do pecado, pudéssemos viver em novidade de vida santificada perante Deus. Afinal, foi para isto que fomos chamados e justificados.
E para vivermos esta vida santa sem a qual não podemos manter nossa comunhão com Deus, necessitamos de poder do alto.
Veja que quando os apóstolos viram todos os sinais que Jesus havia realizado, Sua ressurreição e ascensão, a uma mente carnal pareceria que isto seria o suficiente para que eles saíssem pelo mundo afora dando testemunho das coisas que haviam visto e ouvido.
Todavia, nosso Senhor lhes falou da necessidade de permanecerem em oração, e aguardando em Jerusalém o batismo do Espírito Santo, para que fossem revestidos de poder, pois quem dá e sustenta o testemunho de Cristo em nós é o poder do Espírito Santo.
Por este motivo vemos o apóstolo Paulo dirigindo a Timóteo as seguintes palavras, para o cumprimento adequado do seu ministério:

“Tu, pois, filho meu, fortifica-te na graça que está em Cristo Jesus.” (2 Tim 2.1)

E a todos os cristãos:

“Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder.” (Ef 6.10)

Vemos assim a nossa necessidade vital de estarmos permanentemente fortalecidos na graça de Jesus, mediante o poder do Espírito Santo que em nós opera.
Muitos pensam erroneamente que quando se fala em batismo do Espírito Santo, revestimento de poder do Espírito, ou enchimento do Espírito, que isto signifique simplesmente receber um poder sobrenatural que operará em nossas vidas independentemente das condições morais e espirituais em que nos encontremos.
Todavia, se examinarmos com mais cuidado não somente o texto bíblico, mas a nossa própria experiência prática em relação a este assunto, verificaremos que é muito mais do que isto o significado do poder da graça e do Espírito Santo atuando em nossas vidas.
Antes de tudo, devemos lembrar que este poder nos é dado para sermos cheios do fruto do Espírito Santo, que tem a ver com as nossas atitudes, com o nosso comportamento, com a transformação progressiva do nosso caráter e coração.
É um poder para nos habilitar a sermos obedientes aos mandamentos de Deus, para aprendermos a ser mansos e humildes de coração, a sustentarmos um bom testemunho de comportamento em nossa vida cristã, de modo a nos tornarmos exemplo para ser seguido por outros.
Trata-se de ser cônjuges exemplares, filhos exemplares, servos exemplares, líderes exemplares, cidadãos exemplares, enfim, sermos achados em todas as áreas de relações humanas como homens e mulheres de Deus, que trazem estampada em suas vidas a imagem de Jesus Cristo, conforme veremos no estudo do oitavo capítulo de Romanos, no qual se afirma que fomos predestinados por Deus para tal propósito.
E nada disto poderá existir sem que haja uma transformação do nosso coração. E por isso necessitamos crucialmente deste poder do alto, porque como o próprio Senhor Jesus afirmou, sem Ele nada podemos fazer, notadamente no que tange às coisas que são celestiais, espirituais, e divinas.
Em cumprimento à promessa que nos fez em relação à Nova Aliança (Jeremias 31.31-35) Deus já nos deu um coração de carne em substituição ao coração insensível de pedra às coisas concernentes ao reino dos céus que tínhamos antes da nossa conversão a Cristo.

Silvio Dutra

Confiança é um passo de aliança. O qual o pai defende, a mãe cria e a esperança vem dos laços de uma criança.

Anderson Carmona Domingues de Oliveira

A aliança do casamento nos dá uma série de responsabilidades, mas ela não invalida o amor e o respeito que nós temos que cativar pela vida toda com o nosso cônjuge. Você tem que conquistar a cada dia o seu cônjuge.

Angela Sirino

Se descartarmos o arco-íris como Aliança, o Céu perde o sentido de ser.

Rosemary Chaia

Se seu casamento foi construído à base de uma aliança carnal, baseada na fornicação, se não houver arrependimento na aliança cristã, seus filhos sofrerão também a penalidade desta união.

Helgir Girodo

Qualquer aliança contrária a de Deus leva as obras dos homens à destruição e à ignomínia.

Helgir Girodo