Aliança de Compromisso

Cerca de 588 frases e pensamentos: Aliança de Compromisso

Uma aliança, cujo objetivo não compreenda a hipótese de uma guerra, não tem sentido nem valor. Alianças só se fazem para luta. Embora, no momento de ser realizado um tratado de aliança, esteja muito afastada a idéia de guerra, a probabilidade de uma complicação bélica é, não obstante, a
verdadeira causa.

Adolf Hitler

Amar é o nosso dever, é um cumprimento de uma boa aliança

Jadson Ferreira

Penso que nasci pra ser livre, mas ao mesmo tempo sei que
preciso de uma aliança.
Afinal, liberdade na vida é ter um AMOR pra se prender.

Maviane Andrade

Tenho saudade de ter usado aliança quando lembro que ela inibia os velhos tarados.

Dani Leão

Quando ela colocou uma Aliança no dedo, Arracaram seu Cerebro,. =)

Jaqueline Simoes

Sempre que passo por uma tempestade, me lembro que logo depois vem o arco-íris: Aliança do amor de Deus com os homens!

Deka Rissi

Ninguém faz aliança com fracos

Wilton Júnior Psicólogo

O que prende uma pessoa a outra não é uma aliança e muito menos um papel, o que prende uma pessoa a outra é a liberdade e o coração.

Nancy Medina

A cruz é o simbolo da nova aliança. Alguns tem pavor da cruz, pois pelo que parece, ela é uma exaltação da morte de quem não está morto; mas e se for? Os costumes cristãos com crucifixos e imagens da cruz apareceram por volta do ano 370 D . C, justamente em memória da ascensão do Rei Jesus. Independente da presença de Cristo na cruz, ela sempre será um troféu para qualquer cristão. A cruz vazia representa o resplendor do Messias, mas a cruz preenchida representa a maior expressão de amor que a humanidade já viu.

Tiago Belinha

Eu não trocaria a minha liberdade por uma aliança banhada de falsas promessas.

Gabriela Stacul

Pra jurar amor eterno é preciso mais que prazer.
Quero vê aliança permanecer.

Gabriela Stacul

Só conseguirá colocar uma aliança em alguem e ser feliz quando em primeiro lugar colocar uma aliança em você mesmo...

EdinhoOliver

Encontro.

Você esta em mim...
E estou em ti... Como laço q não se desfaz, como aliança eterna...
O tempo não conseguiu destruir o que sentimos lutar contra esse sentimento, somente nos aproximou...
A cada seu pulsar... Ali estou e você no meu... Não tem como ser diferente...
Estamos no mesmo tempo... Unidos pelo amor.
Amor palavras simples, mas de intensidades infinitas... Não me acho sem ti.
Me completo na plenitude de seus braços... Encontro-me mais eu, quando com você...
Que os anjos abençoe esse amor... Que nunca me deixou partir, que fez morada em mim.
Que amor é esse que não procurei, mas ele me encontrou, me salvou...
Estou em ti como estas em mim... Unidos por um coração. Por um verbo de amor.
Não existem escolhas, não existe outro caminho a entrega é total e perfeita...
Em todas as palavras que falamos no silencio... Vejo-me em um paraíso que nunca ousei desfrutar.
Amor é laço que uni dois corações que separados seriam metades... Porém juntos são amor e eu faço amor com você a cada passo que daremos rumo ao futuro...
Que meu inverno seja doce ao seu lado... Por que por onde eu for você estará comigo, assim como sempre estarei em ti... Amor nunca se fala de partida.
Amo me sentir assim... Completa em ti.

felicity Secret

Aliança...
Eu me sinto em uma aliança eterna com você... Sinto-me presa num laço chamado amor...
Que por mais que eu o rejeite... Não consigo desfazer...
Rendi-me... Estamos ligados, temos essa aliança...
Que vem bem antes do que possamos imaginar... E tentar se desprender é loucura...
Toda vez que tento te deixar me sinto mais e mais presa a você... É plenitude... É real... É amor...
E nos temos uma ligação tão forte... Que sinto você... A distancia é só uma fase...
Por que você já esta em mim... E eu me sinto em você...
Somos completos... Quando admitimos esse amor...
Essa aliança... Essa ligação chamada amor...
Eu me sinto sua... Desde o momento que necessitei de ti...

felicity Secret

- A: E como está o penultimo dedo da sua mão direita?
- B: Está com uma aliança….

Caroline Lourenço

Aliança é um elo de metal nobre, criado por humanos, para dar ênfase a algo que deveria acontecer no coração, e não só nos dedos!

David Joseph Passos

Amar não é sufocar, aliança não é algema, amar é oferecer ao outro liberdade, respeito e espaço pra crescer e ser feliz.

Thiago Saraiva

Acho muito sem classe essa gente que briga, fala que acabou o relacionamento e joga a aliança no chão, na frente da pessoa. É tão simples falar "acabou.", tirar a aliança, entregar na mão da pessoa, dar dois tapinhas e sair andando

Sandrine Faria

Uma aliança não pode dizer nada, mais o sentimento que sinto por voçê pode dizer tudo.

Douglas Vilas Boas

A Nova Aliança



Por João Calvino

“Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá.
Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles anularam a minha aliança, não obstante eu os haver desposado, diz o SENHOR.” (Jeremias 31.31,32)

Jeremias prossegue com o mesmo assunto, mas revela mais claramente o quão mais abundante e mais rico o favor de Deus seria para o seu povo do que antigamente, então ele não se limita a prometer a restauração daquela dignidade e grandeza que tinham perdido, mas algo melhor e mais excelente. Por isso, vemos que esta passagem se refere necessariamente ao reino de Cristo, porque sem Cristo nada poderia ou deveria ter sido esperado pelo povo, superior à Lei; porque a Lei; foi uma regra da mais perfeita doutrina. Se, então, Cristo é tirado, é certo que temos que nos apegar à Lei.
Daí concluímos então, que o Profeta prediz o Reino de Cristo; e esta passagem também é citada pelos Apóstolos, como sendo notável e digna de nota (Rom 11.27; Heb 8.8-12; 10.16).
Mas é preciso observar a ordem e a maneira de ensinar aqui apresentada. O Profeta confirma o que eu disse antes, que o que temos vindo considerando era inacreditável para os judeus. Tendo então já falado dos benefícios de Deus, que poderiam ter sido pouco reconhecidos pelos sentidos dos homens, a fim de evitar a falta de fé, ele acrescenta, que o Senhor manifestaria a sua misericórdia para com eles de uma maneira nova e inusitada. Por isso, vemos por que o Profeta acrescentou esta passagem à sua antiga doutrina. Porque ele não tinha falado de uma nova aliança, àqueles homens em condição miserável, aos quais ele procurou inspirar com a esperança da salvação, jamais teriam vacilado; ou melhor, como a maior parte já estava sobrecarregada com desespero, ele nada teria conseguido. Aqui, então, ele vê diante de si um novo pacto, como se ele tivesse dito, que não deve olhar mais longe ou mais alto, nem para medir o benefício de Deus, de que ele havia falado, com o aparecimento do estado de coisas em que tempo, pois Deus faria uma nova aliança.
Ainda, sem nenhuma dúvida ele louva o favor de Deus, que seria manifestado mais tarde na plenitude do tempo. Além disso, devemos ter sempre em mente, que a partir do momento em que o povo voltou ao seu país, a fé dos que haviam abraçado a graça da libertação seria assaltada pelas mais graves provações, pois teria sido melhor para eles continuarem no exílio perpétuo do que serem cruelmente perseguidos por todos os seus vizinhos, e serem expostos a tantos problemas. Se, então, as pessoas tivessem sido somente restauradas a partir de seu exílio na Babilônia, isto seria uma questão de momento; mas convinha que os santos dirigissem a mente a Cristo. E, portanto, vemos que os Profetas, que realizaram o ofício de ensinar após a restauração, focaram sobre este ponto, - para que eles tivessem a esperança de algo melhor do que aquilo que então apareceu, e que eles não ficassem sem esperança, porque viram que não desfrutariam de descanso, e seriam envolvidos em lutas cansativas e graves, em vez de serem libertados da tirania. Nós, na verdade sabemos o que diz Ageu do futuro templo, e o que Zacarias diz, e também Malaquias. E o mesmo foi objeto de nosso Profeta ao falar da nova aliança, mesmo que os fiéis, depois de terem desfrutado de novo seu próprio país, não poderiam clamar contra Deus, porque ele não lhes concedeu a felicidade que ele havia prometido. Esta foi a segunda razão pela qual o Profeta falou da nova aliança.
Tal como antes, agora ele repete as palavras, que viriam os dias, em que Deus faria uma aliança com Israel, bem como com Judá. Porque as dez tribos, como é bem sabido, tinham sido expulsas para o exílio, enquanto o reino de Judá ainda estava de pé. Além disso, quando eles se revoltaram contra a família de Davi, que se tornou como que uma outra nação. Deus de fato não deixou de reconhecê-los como seu povo; mas eles mesmos haviam se alienado o mais longe que podiam da Igreja. Deus então promete que haveria novamente um só corpo, pois ele iria lhes reunir para que pudessem se unir, e não serem como duas casas.
Agora, quanto à nova aliança, ela não é assim chamada, porque seja contrária à primeira aliança; pois Deus nunca é inconsistente consigo mesmo, e uma vez que fizera uma aliança com o seu povo escolhido, não havia mudado o seu propósito, como se ele tivesse esquecido sua fidelidade. Segue-se então, que a primeira aliança era inviolável; além disso, ele já tinha feito sua aliança com Abraão, e a Lei foi uma confirmação daquela aliança. Conforme a Lei dependia da aliança que Deus fez com seu servo Abraão, segue-se que Deus nunca poderia ter feito uma nova, ou seja, uma contrária ou uma aliança diferente.
Porque de onde é que vamos tirar a nossa esperança de salvação, a não ser a partir dessa semente bendita prometida a Abraão? Além disso, por que somos chamados filhos de Abraão, salvo em razão do vínculo comum da fé? Por que dos fiéis é dito estarem reunidos no seio de Abraão? Por que Cristo disse, que alguns virão do oriente e do ocidente, e se sentarão no reino dos céus com Abraão, Isaque e Jacó? (Lucas 16.22; Mateus 8.11). Estas coisas indubitavelmente mostram que Deus nunca fez qualquer outro pacto do que aquele que ele fez anteriormente com Abraão, e finalmente confirmou pela mão de Moisés. Este assunto pode ser mais bem tratada; mas é o suficiente mostrar brevemente, que a primeira aliança que Deus fez é perpétua.
Vejamos agora por que ele promete ao povo uma nova aliança. Isto sendo novo, sem dúvida refere-se ao que eles chamam a forma; e a forma ou maneira, não diz respeito apenas a palavras, mas em primeiro lugar Cristo, então a graça do Espírito Santo, e toda a forma externa de ensino. Mas a substância permanece a mesma. Por substância entendo a doutrina; porque Deus no Evangelho traz nada além do que a Lei contém. Por isso, vemos que Deus tem falado desde o início, que ele não mudou, não, nem uma sílaba, no que diz respeito à substância da doutrina. Porque ele tem incluído na Lei a regra de uma vida perfeita, e tem também mostrado o que é o caminho da salvação, e por tipos e figuras levou o povo a Cristo, de modo que a remissão do pecado foi claramente manifestada e, em qualquer condição é necessário ser conhecida.
Como então Deus não acrescentou nada à Lei quanto à substância da doutrina, devemos chegar, como eu já disse, à forma, enquanto Cristo ainda não tivesse se manifestado: Deus fez uma nova aliança, quando cumpriu por meio de seu Filho tudo aquilo que se encontrava prefigurado sob a Lei. Porque os sacrifícios não poderiam de si mesmos apaziguar a Deus, como é bem conhecido, e tudo o que a Lei ensinou a respeito da expiação seria inútil e sem importância. A nova aliança, então, foi feita quando Cristo apareceu com a água e o sangue, e realmente cumpriu o que Deus tinha exibido em tipos, de modo que os fiéis possam experimentar a salvação. Mas a vinda de Cristo não teria sido suficiente, se a regeneração pelo Espírito Santo não fosse adicionada. Foi, então, em alguns aspectos, uma coisa nova, em que Deus regenerou os fiéis pelo seu Espírito, para que ela não se tornasse apenas uma doutrina tão ao pé da letra, mas também eficaz, que não só atinge o ouvido, mas penetra no coração, e realmente nos faz aptos para o serviço de Deus. O modo exterior de ensino também era novo, já que é evidente a todos; porque quando se compara a Lei com o Evangelho, vemos que Deus nos fala agora abertamente, como se fosse cara a cara, e não sob um véu, como Paulo nos ensina, quando se fala de Moisés, que colocou um véu quando ele saiu para abordar as pessoas em nome de Deus (2 Cor 3.13). Não é assim, diz Paulo, sob o Evangelho, senão que o véu é removido, e Deus, na face de Cristo se apresenta para ser visto por nós. Esta, então, é a razão pela qual o Profeta chama-lhe uma nova aliança, como será mostrado mais largamente; porque eu toco somente em coisas que não podem ser tratadas à parte, para que todo o contexto do Profeta possa ser melhor compreendido. Vamos então prosseguir agora com as palavras do texto.
Ele diz que o pacto que ele vai fazer não será como ele tinha feito com seus pais. Aqui ele distingue claramente a nova aliança da Lei. O contraste deve set tido em mente; porque nenhum dos judeus achava possível que Deus gostaria de acrescentar algo melhor à Lei. Porque embora eles considerassem a Lei quase como nada, sabemos que os hipócritas fingiam com grande ardor de zelo que eles eram muito devotados à Lei, os quais pensavam que o céu e a terra poderiam ser mais cedo misturados, do que qualquer mudança ser feita na Lei; e, ao mesmo tempo eles realizaram mais tenazmente o que Deus tinha instituído apenas por um tempo. Era, portanto, necessário que a Lei devesse ser aqui contrastada com a nova aliança, para que os judeus pudessem saber que o favor reservado para eles seria muito mais excelente do que o que tinha sido anteriormente manifestado aos pais. Esta, então, é a razão pela qual ele diz, não de acordo com o pacto, etc
Em seguida, acrescenta, que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão etc. Aqui, ele mostra que eles nunca poderiam ter uma firme esperança de salvação, a não ser que Deus fizesse uma nova aliança. Tal era o seu orgulho, que dificilmente teriam recebido o favor de Deus, se não tivessem sido convencidos desta verdade, porque esta teria estado sempre em sua boca, "Deus não se mostrou um pai para seu povo quando ele os remiu? Não foi porventura um testemunho de seu favor paternal? Não tem ele elevado a condição da Igreja, que ele projetou para ser perpétua?" Eles teriam, portanto, rejeitado o favor de Deus, não tivesse o Profeta declarado abertamente que a Lei tinha sido e ainda seria inútil para eles, e que havia portanto, uma necessidade de um novo pacto, caso contrário, eles deveriam ter perecido.
Percebemos agora o desígnio do Profeta; e isso deve ser cuidadosamente observado; por isso não seria o suficiente saber o que o Profeta diz, exceto que nós também saibamos por que ele diz isso ou aquilo. O sentido, então, é que isto não deveria parecer estranho, a saber, que Deus faria uma nova aliança, porque a primeira tinha sido inútil e de nada valeu. Em seguida, ele confirma isso, porque Deus fez a primeira aliança quando ele estendeu a sua mão ao seu antigo povo, e tornou-se seu libertador; e ainda assim eles invalidaram aquele pacto. A circunstância quanto ao tempo deveria ser notada, para que a memória de um benefício recente fosse um motivo mais forte para a obediência. Porque quão grande seria a ingratidão para aqueles que tinham sido livrados pelo maravilhoso poder de Deus, rejeitar o seu pacto, numa ocasião em que havia sido antecipado pela misericórdia divina? Como eles tinham invalidado mesmo naquela época a aliança de Deus, isto pode com certeza ser concluído, que não houve tempo em que não haviam manifestado sua impiedade, e não tinham sido violadores do pacto.
Ele acrescenta, “não obstante eu os haver desposado”. Embora alguns limitem o verbo בעלתי Bolti, ao governo exercido por um marido, e isso não seria inadequado, como Deus não somente governou sobre o seu povo, mas era também o seu marido, uma similitude que é frequentemente utilizada; ainda não sei se esse ponto de vista pode ser satisfatoriamente sustentado, que deve, portanto, estar conformado à verdade geral, que Deus tinha o povo sob sua própria autoridade, como se ele tivesse dito, que ele somente usou seu próprio direito em governar sobre eles e lhes prescreveu a maneira pela qual eles deveriam viver. Ao mesmo tempo, a palavra aliança, era mais honrosa para o povo. Porque quando um rei ordena qualquer coisa sobre o seu povo, isto é chamado um decreto; mas Deus lida com o seu próprio povo mais amavelmente, pois ele desce e aparece no meio deles, para que possa unir-se ao seu povo, como ele liga as pessoas a si mesmo. Por isso, vemos, em suma, por que Deus diz que ele governou sobre o povo, mesmo porque ele os havia comprado para si mesmo, e ele ainda não tinha apreciado seu próprio direito por conta da disposição indomável e perversa do povo.
Deveria, ao mesmo tempo ser observado, que a culpa é aqui lançada sobre o povo, que a Lei era fraca e não suficientemente válida, como vemos Paulo nos ensinar em Romanos 7.12. Pois assim que a fraqueza da Lei é falada, a maior parte lança mão de algo que consideram errado na Lei, e, portanto, a Lei é considerada desprezível; por isso o Profeta diz aqui que eles invalidaram a aliança de Deus, como se ele tivesse dito, que a culpa não era para ser buscada na Lei para que houvesse necessidade de uma nova aliança, pois a Lei foi abundantemente suficiente, mas a culpa era da leviandade e da infidelidade do povo. Agora, então, vemos que nada detrata a Lei quando se diz ser fraca e ineficaz; pois isto é uma falha acidental derivada de homens que não respeitam nem mantêm a sua fé empenhada. Há ainda mais coisas a serem ditas; mas agora, como já disse, tocamos brevemente nas palavras do Profeta.

Traduzido e adaptado por Silvio Dutra.


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
http://livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
http://livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
http://retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Calvino