Agradecimento pela Saúde

Cerca de 955 agradecimento pela Saúde

Não jogue qualquer coisa no estômago, mas se alimente primeiro da Palavra de Deus e sua vida terá saúde, paz e medicina para seu corpo, além do refrigério do Senhor sobre a sua alma.

Helgir Girodo

“- Oh coisa detestável! Situação deplorável essa nossa! Que sofrimento de vida!
Como nos oprimem dia a dia, com mais e mais trabalho, de sol a sol, e uma situação de moradia, transporte e saúde precaríssimas! Temos servido ao capital inescrupuloso!”.

Fala de um hebreu escravo no Egito, da época de um Moisés, ou de um brasileiro dos dias de hoje?

O bom da semelhança, é poder perceber que Deus ouviu, naquela ocasião, o clamor e o sofimento do povo, e os pôs em marcha de libertação. Não mera libertação da serviência social e política, mas libertação completa e total de vida.

A mesma voz, o mesmo Deus, é quem diz que seus ouvidos não estão agravados, nem seus olhos fechados para que deixe de ouvir-nos e ver-nos; Ele é quem pede: “clama a mim”, com resposta certa e expectação de prodígios maravilhosíssimos.

Acontece que não clamamamos, reclamamos. Não nos voltamos a Ele, procuramos nossos próprios meios de solução.

Deus está pronto a ouvir-nos. Busque a solução nEle..., ou continue escravo...

Escravos no Egito
Êxodo 1-3, Jeremias 33:3, Isaías 59:1-4
Por Samuel Amorim Oliveira
Em 28 de Fevereiro de 2014

Samuel Amorim Oliveira

Eu só quero muito dinheiro, saúde e amor eu já tenho graças a Deus.

Gisele Rodrigues

“A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba.”

Guimarães Rosa

Durante o dia o povo vai às ruas protestar por mais saúde e educação. Durante a noite são escravos da televisão.

Jean Cleber Alves

Que seu alimento seja seu remédio.

Hipócrates

Não peço a Deus Saúde.
Não peço a Deus sabedoria.
Por que... Sabedoria se busca e saúde vem através dela.
Peço a Deus somente que me mantenha integro.

Filipe de Sousa

Não deixe que a sua alma e o seu coração caiam na rotina.
Viva novas horas de papo bom,
Abra novas garrafas com novos amigos,
Deixe que o vento te conduza, ele sempre muda de direção.
Passe a ver o que você sempre olha,
Conheça àqueles com quem convive e, conheça-se melhor, nós não somos sempre os mesmos.

Raphaela Novaes

Não permita que sua dor o leve ao caminho da desilusão e do medo de não conseguir curá-la.

José Guimarães

Eu não quero precisar de motivos pra sorrir.
Não quero nem que você seja o meu motivo.
Eu quero poder ser feliz e não precisar esquentar minha cabeça com o que tem de errado comigo.
Eu não quero mais precisar acreditar em nada, nem ninguém, não quero ouvir o que dizem os horóscopos, nem as pessoas ao meu redor.
Eu só quero poder sair da cama com um sorriso no rosto sem motivo. Ha quem me chame de doida, porque e mais parado que uma mosca morta, mas na verdade, morre de inveja por não ter pique pra me acompanhar e precisa beber no minimo todas pra ficar legalzinho.
Gentinha chata, medíocre, ignorante, detesto gente assim. Gente que quer me ver no chão e me vê voando por ai, meu muito obrigada por um dia me dar o gostinho de te conhecer.
Vai ser feliz gente, não custa nada, cuide da sua saúde, da vaidade, porque da sua vida, aposto que tem meio mundo cuidando.

Janicarla Nascimento

Não permita que a tristeza possua suas emoções, porque ela pode ser a chave da porta que te levará a imensos males em sua saúde física

Jader Amadi

Exercício: o seu melhor plano de saúde.

Rodrigo Zacca

A felicidade vem de si e não de outro ser.

Ari Vieira Jr.

Pobre do humano que se considera imune à punição da maldade.

Ari Vieira Jr.

O que são Cuidados Paliativos?

O alívio do sofrimento, a compaixão pelo doente e seus familiares, o controle impecável dos sintomas e da dor, a busca pela autonomia e pela manutenção de uma vida ativa enquanto ela durar: esses são alguns dos princípios dos Cuidados Paliativos que, finalmente, começam a ser reconhecidos em todas as esferas da sociedade brasileira.

Os Cuidados Paliativos foram definidos pela Organização Mundial de Saúde em 2002 como uma abordagem ou tratamento que melhora a qualidade de vida de pacientes e familiares diante de doenças que ameacem a continuidade da vida. Para tanto, é necessário avaliar e controlar de forma impecável não somente a dor, mas, todos os sintomas de natureza física, social, emocional e espiritual.
O tratamento em Cuidados Paliativos deve reunir as habilidades de uma equipe multiprofissional para ajudar o paciente a adaptar-se às mudanças de vida impostas pela doença, e promover a reflexão necessária para o enfrentamento desta condição de ameaça à vida para pacientes e familiares.
Para este trabalho ser realizado é necessário uma equipe mínima, composta por: um médico, uma en#31;fermeira, uma psicóloga, uma assistente social e pelo menos um profissional da área da reabilitação (a ser definido conforme a necessidade do paciente). Todos devidamente treinados na filosofia e prática da paliação.

A Organização Mundial de Saúde desenhou um modelo de intervenção em Cuidados Paliativos onde as ações paliativas têm início já no momento do diagnóstico e o cuidado paliativo se desenvolve de forma conjunta com as terapêuticas capazes de modificar o curso da doença. A paliação ganha expressão e importância para o doente à medida que o tratamento modificador da doença (em busca da cura) perde sua efetividade. Na fase final da vida, os Cuidados Paliativos são imperiosos e perduram no período do luto, de forma individualizada.

As ações incluem medidas terapêuticas para o controle dos sintomas físicos, intervenções psicoterapêuticas e apoio espiritual ao paciente do diagnóstico ao óbito. Para os familiares, as ações se dividem entre apoio social e espiritual e intervenções psicoterapêuticas do diagnóstico ao período do luto. Um programa adequado inclui ainda medidas de sustentação espiritual e de psicoterapia para os profissionais da equipe, além de educação continuada.
A condição ideal para o desenvolvimento de um atendimento satisfatório deve compreender uma rede de ações composta por consultas ambulatoriais, assistência domiciliar e internação em unidade de média complexidade, destinada ao controle de ocorrências clínicas e aos cuidados de final de vida.
Informações sobre a definição de Cuidados Paliativos pela Organização Mundial da Saúde estão no link: http://tinyurl.com/5228js


História dos Cuidados Paliativos

Alguns historiadores apontam que a filosofia paliativista começou na antiguidade, com as primeiras definições sobre o cuidar. Na Idade Média, durante as Cruzadas, era comum achar hospices (hospedarias, em português) em monastérios, que abrigavam não somente os doentes e moribundos, mas também os famintos, mulheres em trabalho de parto, pobres, órfãos e leprosos. Esta forma de hospitalidade tinha como característica o acolhimento, a proteção, o alívio do sofrimento, mais do que a busca pela cura.
No século XVII, um jovem padre francês chamado São Vicente de Paula fundou a Ordem das Irmãs da Caridade em Paris e abriu várias casas para órfãos, pobres, doentes e moribundos. Em 1900, cindo das Irmãs da Caridade, irlandesas, fundaram o St. Josephs´s Convent, em Londres, e começaram a visitar os doentes em suas casas. Em 1902, elas abriram o St. Joseph´s Hospice com 30 camas para moribundos pobres.


Cicely Saunders e os Cuidados Paliativos modernos

Cicely Saunders nasceu em 22 de junho de 1918, na Inglaterra, e dedicou sua vida ao alívio do sofrimento humano. Ela graduou-se como enfermeira, depois como assistente social e como médica. Escreveu muitos artigos e livros que até hoje servem de inspiração e guia para paliativistas no mundo todo.
Em 1967, ela fundou o St. Christopher´s Hospice, o primeiro serviço a oferecer cuidado integral ao paciente, desde o controle de sintomas, alívio da dor e do sofrimento psicológico. Até hoje, o St. Christopher´s é reconhecido como um dos principais serviços no mundo em Cuidados Paliativos e Medicina Paliativa.
Cicely Saunders conseguiu entender o problema do atendimento que era oferecido em hospitais para pacientes terminais. Até hoje, famílias e pacientes ouvem de médicos e profissionais de saúde a frase “não há mais nada a fazer”. A médica inglesa sempre refutava: “ainda há muito a fazer”. Ela faleceu em 2005, em paz, sendo cuidada no St. Christopher´s.


Cuidados Paliativos no Brasil

O movimento paliativista tem crescido enormemente, neste início de século, no mundo todo. Na Inglaterra, em 2005, havia 1.700 hospices, com 220 unidades de internação para adultos, 33 unidades pediátricas e 358 serviços de atendimento domiciliar. Estes serviços todos ajudaram cerca de 250 mil pacientes entre 2003 e 2004. Na Inglaterra, pacientes têm acesso gratuito a Cuidados Paliativos, cujos serviços são custeados pelo governo ou por doações. A medicina paliativa é reconhecida como especialidade médica.
Nos Estados Unidos, o movimento cresceu de um grupo de voluntários que se dedicava a pacientes que morriam isolados para uma parte importante do sistema de saúde. Em 2005, mais de 1,2 milhão de pessoas e suas famílias receberam tratamento paliativo. Nesse país, a medicina paliativa é uma especialidade médica reconhecida também.
No Brasil, iniciativas isoladas e discussões a respeito dos Cuidados Paliativos são encontradas desde os anos 70. Contudo, foi nos anos 90 que começaram a aparecer os primeiros serviços organizados, ainda de forma experimental. Vale ressaltar o pioneirismo do Prof. Marco Túlio de Assis Figueiredo, que abriu os primeiros cursos e atendimentos com filosofia paliativista na Escola Paulista de Medicina – UNIFESP/EPM. Outro serviço importante e pioneiro no Brasil é o do Instituto Nacional do Câncer – INCA, do Ministério da Saúde, que inaugurou em 1998 o hospital Unidade IV, exclusivamente dedicado aos Cuidados Paliativos. Contudo, atendimentos a pacientes fora da possibilidade de cura acontecem desde 1986. Em dezembro de 2002, o Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo – HSPE/SP inaugurou sua enfermaria de Cuidados Paliativos, comandada pela Dra. Maria Goretti Sales Maciel. O programa, no entanto, existe desde 2000. Em São Paulo, outro serviço pioneiro é do Hospital do Servidor Público Municipal, comandado pela Dra. Dalva Yukie Matsumoto, que foi inaugurado em junho de 2004, com início do projeto em 2001.
A primeira tentativa de congregação dos paliativistas aconteceu com a fundação da Associação Brasileira de Cuidados Paliativos – ABCP pela psicóloga Ana Geórgia de Melo, em 1997.
Contudo, com a fundação da Academia Nacional de Cuidados Paliativos, em 2005, os Cuidados Paliativos no Brasil deram um salto institucional enorme. Com a ANCP, avançou a regularização profissional do paliativista brasileiro, estabeleceu-se critérios de qualidade para os serviços de Cuidados Paliativos, realizou-se definições precisas do que é e o que não é Cuidados Paliativos e levou-se a discussão para o Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Conselho Federal de Medicina - CFM e Associação Médica Brasileira – AMB. Participando ativamente da Câmera Técnica sobre Terminalidade da Vida e Cuidados Paliativos do CFM, a ANCP ajudou a elaborar duas resoluções importantes que regulam a atividade médica relacionada a esta prática.
Em 2009, pela primeira vez na história da medicina no Brasil, o Conselho Federal de Medicina incluiu, em seu novo Código de ética Médica, os Cuidados Paliativos como princípio fundamental. A ANCP luta pela regularização da Medicina Paliativa como área de atuação médica junto à Associação Médica Brasileira e a universalização dos serviços de Cuidados Paliativos no Ministério da Saúde.

ANCP - Academia Nacional de Cuidados Paliativos-Novembro de 2.009

Toda a Escritura de Paz, Sabedoria e Saúde, que Existe e que veio dos Irmãos Iluminados e dos livros sagrados das religiões de Paz, foi Compartilhada de um mesmo Livro Celeste no qual as Letras Possuem Luz Própria e São Indizíveis.

Edilson Teixeira

Aquele que finge amor não sabe a importância da Vida.

Izzo Rocha

Dedique-se ao BEM e viverás melhor.

Izzo Rocha

Liberdade
necessária
imprescindível...para seguirmos com saúde.

Amelia Mari Passos

Gostamos de oferecer bons alimentos a nossos queridos, mas o que melhor faz a digestão e saúde são boas palavras.

Amelia Mari Passos